SlideShare uma empresa Scribd logo
Histórico e Fundamentos da Terapia
Cognitivo- Comportamental
Psicóloga Ms. Eliana Melcher Martins
Doutoranda em Ciências pelo Depto. de Neurologia e Neurociências da UNIFESP
Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP
Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP
Formação em TCC no Beck Institute - Philadelphia
Psicóloga Clínica Cognitivo-Comportamental – CRP 06/70536
Estudos da Psicologia
• Por que as pessoas e os animais se comportam de determinada
maneira?
• Por que uns agem de uma forma diferente de outros?
• Por que alguns indivíduos tem comportamento socialmente mais
aceito, enquanto outros se comportam de forma alheia à
sociedade?
• O que faz com que as pessoas mantenham, aumentem ou mudem
suas formas de atuar numa determinada situação (resiliência)?
• O que determina as formas de se comportar de um sujeito?
Foi utilizado inicialmente em 1913 em um artigo denominado
“Psicologia: como os behavioristas a vêem” por John B.
Watson (1878-1958).
"Behavior" = comportamento
"Um ramo experimental e puramente objetivo da ciência
natural. A sua meta é a previsão e controle do
comportamento...".
O comportamento passou a ser objeto de estudo da
Psicologia.
BEHAVIORISMO
Filosofia
• Estudar o comportamento em si
• Opor-se à introspecção das teorias psicodinâmicas
que tentava lidar com o funcionamento interior e
não observável da mente.
• Aderir ao evolucionismo biológico e estudar tanto o
comportamento humano quanto o animal
• Adotar o determinismo materialístico
BEHAVIORISMO
Metodologia
• Usar procedimentos objetivos na coleta de dados,
rejeitando a introspecção.
• Realizar experimentação controlada.
• Realizar testes de hipóteses, de preferência com grupos
controle.
• Observar consensualmente.
• Estudar além do sistema nervoso, a ação dos órgãos
periféricos, dos sensoriais, dos músculos e das
glândulas.
• Watson foi influenciado pelos estudos
experimentais sobre o comportamento reflexo efetuados
por Ivan Pavlov.
• A Psicologia da época buscava um objeto mensurável e
observável para estudar.
• Os experimentos de Pavlov podiam ser reproduzidos
em diferentes sujeitos e condições.
• Tais possibilidades foram importantes para que a
Psicologia alcançasse o status de ciência.
Pavlov descobriu por acaso que poderia condicionar o cão a salivar
diante de um estímulo neutro
S = > R
• ESTÍMULO referia-se tanto a ação de uma fonte de energia
sobre o organismo, quanto a operação realizada pelo
experimentador em seu laboratório.
• Esses conceitos acabaram produzindo a seqüência
experimental que marcou o
behaviorismo metodológico:
• S = o que operacionaliza o ambiente
• R = o comportamento
• => a ação desencadeante ou a causa
Estudo do Comportamento
Behaviorismo (Watson – 1913)
• Comportamento como ciência
• E. L. Thorndike (1874-1949)-Lei do Efeito
• Ivan Pavlov - (1849-1936)-Reflexo Condicionado
• Teoria da Evolução – Charles Robert Darwin – 1838
BEHAVIORISMO METODOLÓGICO
nega status científico às emoções, às sensações, ao
pensamento e aos demais eventos privados
Behaviorismo Radical
Burrhus Frederic Skinner (1904-1990)
•
•
• Em oposição ao “behaviorismo metodológico”, cuja principal
preocupação eram os métodos das ciências naturais.
• Skinner se preocupava com a explicação científica do comportamento. O
desenvolvimento de termos e conceitos que permitissem explicações
verdadeiramente científicas.
• A expressão utilizada pelo próprio Skinner em 1945 tem como linha de
estudo a formulação do "comportamento operante".
Behaviorismo Radical
• Aceita estudar eventos internos
• Skinner não separa mundo interno de mundo
externo
• Comportamentos não são movimentos do
corpo, e sim interações entre o organismo e o
ambiente.
Conceitos Skinnerianos
• Comportamento Respondente
• Comportamento Operante
• Reforçamento Positivo e
Negativo
• Punição
• Contingências
• Condicionamento
Operante
TERAPIA COMPORTAMENTAL
CETCC
Foram nos anos 50 e 60 que motivados por uma
crescente insatisfação com a corrente psicodinâmica
formou-se o núcleo de um novo enfoque
terapêutico:
Terapia Comportamental
 psicologia experimental;
 condicionamento clássico ou respondente;
 condicionamento operante;
 princípios teóricos da aprendizagem;
 disciplinas da psicologia clínica.
Terapia Comportamental
o Joseph Wolpe (1915-1998) – psiquiatra
o II Guerra – Trabalhou num hospital psiquiátrico militar 
“Neurose de Guerra” (hoje TEPT)
o “Pioneiro da Terapia Comportamental”
o DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA
o TREINO DE ASSERTIVIDADE
o INIBIÇÃO RECÍPROCA  exposição gradual
o Psicoterapia por Inibição Recíproca (1958)
o A Prática da Terapia Comportamental (1969)
o Wolpe (1958), percebia variáveis cognitivas em sua técnic
comportamental da
o dessensibilização sistemática.
WOLPE
15
BANDURA
o Albert Bandura (1925) – psicólogo canadense
o APRENDIZAGEM OBSERVACIONAL (MODELAÇÃO) foi importante
por chamar a atenção para os fatores cognitivos na terapia
comportamental = o indivíduo aprende ao observar o
comportamento de outra pessoa - o comportamento é aprendido
com mais eficácia se o observador o praticar posteriormente
(embora isso não constitua uma condição necessária)
o MODELO AUTO-REGULAÇÃO (AUTO-EFICÁCIA)  ideia de que toda
a mudança de comportamento voluntária era medida pelas
percepções que os indivíduos tinham de sua capacidade de adotar o
comportamento em questão.
o Princípios de Modificação do Comportamento (1969)
o Teoria da Aprendizagem Social (1971) processos cognitivos
cruciais na aquisição e regulação do comportamento (Teoria Social
Cognitiva).
16
o Donald Meichenbaum
o Psicólogo emérito da Universidade de Waterloo (Canadá)
o Diretor do Instituto Melissa (Miami-Flórida) – Prevenção de
violência e tratamento de vítimas de violência.
o Modificação Comportamental Cognitiva (CBM),
que se concentra na identificação disfuncional
self-talk, a fim de alterar comportamentos
indesejados.
o Ele vê comportamentos como sendo resultados
de nossas próprias auto-verbalizações.
Meichenbaum
17
“Um dos 10
psicoterapeutas
mais influentes
do século XX”
Como mudar seus pensamentos
3 fases
o Fase 1: AUTO-OBSERVAÇÃO
o Esta fase envolve escutar com atenção o diálogo interno ou self-talk e observar
seus próprios comportamentos.
Você se esforça para estar especialmente ciente de quaisquer auto-
afirmações negativas que estão realmente contribuindo
para seus processos sintomáticos
o Por exemplo, você diz a si mesmo mensagens negativas, como "Eu
não sou inteligente o suficiente", "As pessoas não gostam de
mim", ou "Todos podem ver como sou inadequado.“
o Anotar (escrever) estes pensamentos negativos pode ser útil para
ao final de um tempo você perceber quão frequentemente você
está se negativando. (automonitoramento)
Como mudar seus pensamentos
3 fases
o Fase 2: COMECE UM NOVO SELF-TALK
o Depois de reconhecer o seu diálogo interno negativo, você
pode começar a mudar isso. Quando você "pegar"-se em
constantes padrões de pensamentos negativos, você recria
um novo e positivo diálogo interno:
o "Eu não posso" se torna "Pode ser difícil, mas eu posso."
o Apague as declarações negativas que você escreveu e
anote as novas no lugar. Pratique repetindo-as até que
você comece a acreditar nelas.
o Estas novas auto-declarações ou afirmações passam agora a
orientar novos comportamentos.
Como mudar seus pensamentos
3 fases
o Fase 3: APRENDA NOVAS HABILIDADES
o Toda vez que você for capaz de identificar e
reestruturar seus pensamentos negativos e mudar a
sua resposta aos sintomas, você está aprendendo novas
habilidades. Estando consciente de seus pensamentos,
você é mais capaz de avaliá-los e reagir de uma forma
mais adequada.
o Quando seus pensamentos mudam de negativo para
positivo, você começa a se comportar de maneira
diferente em muitas situações e passa a ver que as
outras pessoas também reagem de forma diferente ao
positivo.
 Anos 60 e 70 afastamento da psicanálise e do behaviorismo radical de alguns
adeptos, entre eles:
 Albert Ellis – Visão mais cognitiva. Influenciou os primeiros trabalho de Beck
com depressão.
 Albert Bandura – Princípios de Modificação do Comportamento (1969) e Teoria
da Aprendizagem Social (1971); processos cognitivos cruciais na aquisição e
regulação do comportamento.
 Michael Mahoney: Cognition and Behavior Modification (1974), cognição como
construto mediacional.
 Modelo do Desamparo Aprendido de Seligman (1967/79) e revisões (Teoria
dos Estilos de Atribuição); relevante para processos psicológicos na depressão.
Fatores Históricos Relevantes
 Insatisfação com os modelos de depressão na convergência
entre a psicanálise e o behaviorismo; validade questionável
como modelos de depressão clínica.
 Wolpe (1958), percebia variáveis cognitivas em sua técnica
comportamental da dessensibilização sistemática.
 Transição generalizada para a perspectiva cognitiva de
processamento de informação, com clínicos defendendo
uma abordagem mais cognitiva nos transtornos
emocionais.
Fatores Históricos Relevantes
TERAPIA MULTIMODAL (ARNOLD LAZARUS)
SUPOSIÇÃO BÁSICA:
“Somos seres que se movimentam, sentem, percebem, imaginam,
pensam e se relacionam. Quando ocorrem distúrbios psicológicos, cada
uma destas funções é afetada”.
Definição
É uma avaliação meticulosa do ser humano em vários aspectos
agrupados sob a denominação
“BASIC ID”
B ------------------ BEHAVIOR I ------------- INTERPESONAL
A ----------------- AFFECT D ------------ DRUGS
S ----------------- SENSATION
I ------------------ IMAGERY
C ---------------- COGNITION
Lazarus propõe que o “BASIC ID”
constitui a personalidade
OBJETIVOS
Corrigir crenças irracionais, comportamentos disfuncionais,
sentimentos desagradáveis, imagens intrusivas, relacionamentos
tensos, sensações negativas e desequilíbrio químico.
PROCEDIMENTO
• Identificar o problema e objetivos
• Especificar as técnicas de tratamento para atingir os
objetivos
• Remediar os problemas
• Mensuração sistemática do êxito relativo as técnicas utilizadas
COGNITIVISMO
O R I G E N S
CETCC
COGNITIVISMO
O termo cognição inclui ideias, construtos
pessoais, imagens, crenças, expectativas,
atribuições, etc.
Não é apenas um processo intelectual mas
sim padrões complexos de significado em
que participam emoções,
pensamentos e comportamentos
DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO
• A Terapia Cognitiva tem origem em correntes filosóficas e
religiões antigas (estoicismo grego, taoísmo e budismo) que
postulavam a influência das idéias sobre as emoções .
B u d a
• “Nem teus piores inimigos podem fazer
tanto dano como teus próprios pensamentos.”
“Se pudermos reorientar
nossos pensamentos e
emoções e reorganizar nosso
comportamento, então poderemos
não só aprender a lidar com
o sofrimento mais facilmente, mas,
sobretudo e em primeiro lugar, evitar que muito dele
surja”
Livro: Uma ética para o novo milênio (p.xii)
Dalai Lama
Filósofo persa da Antiguidade
Baseou seus ensinamentos em:
Pensar bem
Agir bem
Falar bem
Zoroastro
“Os processos cognitivos conscientes tem um
papel fundamental na existência humana”
Kant, Heidegger, Jaspers e Frankl
“Encontrar uma sensação de sentido da vida
ajuda a servir como um antídoto para o
desespero e a desilusão”
Wright et al. (2003); Frankl (1992)
• “Não são as coisas que nos perturbam, mas a visão
que temos dessas coisas”
( Epictetos I d.C)
Beck defendeu a inclusão de métodos comportamentais desde o início de seu
trabalho.
Reconhecia essas ferramentas como eficazes para reduzir sintomas.
Conceitualizou um relacionamento estreito entre cognição e comportamento.
Alguns puristas argumentam os méritos de se utilizar uma abordagem cognitiva
ou comportamental isolada.
Terapeutas mais pragmáticos consideram os métodos cognitivos e
comportamentais como parceiros eficientes tanto na teoria como na prática.
Ex. literatura: tratamento do Pânico
1960 - unificação das formulações cognitivas e comportamentais
na psicoterapia
o Albert Ellis (1913-2007)
o TERAPIA RACIONAL EMOTIVA (TREC)
o A 1ª psicoterapia contemporânea com clara ênfase cognitiva, tomando os
construtos cognitivos como base dos transtornos psicológicos.
o MODELO ABC os acontecimentos ativadores (A) passam pelo sistema de
crenças (B) do sujeito antes de despertarem as consequências (C)
emocionais ou a conduta.
ELLIS
35
o CRENÇAS IRRACIONAIS  baseadas em conclusões errôneas, ilógicas e sem base em evidências
objetivas = modelo simples e pragmático.
o DIÁLOGO SOCRÁTICO o terapeuta questiona o paciente por meio de perguntas engenhosas que
estimula a pessoa a perceber mais claramente suas distorções = sobre a real validade das crenças e sobre as
evidências de que o sujeito dispõe para acreditar nelas.
o CRENÇAS BÁSICAS EXIGÊNCIAS ABSOLUTISTAS (“tenho que”) e DEVERES IRRACIONAIS (“devo”) 
SUPOSIÇÕES ILÓGICAS ou DISTORÇÕES COGNITIVAS.
o Tratamento psicodinâmico dos seus pacientes com depressão 
análise de sonhos, verbalizações e associações livres.
o Psicanálise  depressão = raiva inconsciente e inaceitável contra
pessoas próximas que, reprimida, era redirecionada ao self =
hostilidade retrofletida (que não era confirmado nos relatos dos sonhos
dos pacientes).
36
BECK
o Anomalias  nos sonhos, os pacientes eram rejeitados, abandonados ou frustrados
= nas experiências do cotidiano, idem.
o Identificação de tipos específicos de pensamentos, que os pacientes não percebiam
claramente e não relatavam na associação livre.
o Visão negativista  identificada na auto avaliação do paciente = autocríticas, baixa
autoestima, culpas, previsões e interpretações negativistas e memórias desagradáveis.
o Temas negativistas  presentes em todos os tipos de depressão = reativa, endógena,
orgânica ou bipolar.
o Temas negativistas idiossincráticos  questões sociais vitais paciente:
o fracasso  sucesso, aceitação  rejeição, respeito  desdém.
o TC – TERAPIA COGNITIVA (Cognitive Therapy)
o ESQUEMAS (significado)
o DISTORÇÃO COGNITIVA (Erros de Pensamento)
o TRÍADE COGNITIVA
o MODELO COGNITIVO
BECK
37
➢ Depressão
➢ Transtornos de ansiedade
➢ Transtornos alimentares
➢ Esquizofrenia
➢ Transtorno bipolar
➢ Dor crônica
➢ Transtornos de personalidade
➢ Abuso de substâncias.
Mais de 300 estudos controlados da TCC para uma
série de transtornos psiquiátricos (Butler e Beck, 2000).
38
“As ideias não só podiam controlar os sentimentos mais intensos de
uma pessoa, como também eram capazes de modificá-los”
Beck e cols (1982)
TCC: Psicoterapia breve, estruturada, orientada ao presente, para depressão, direcionada a
resolver problemas atuais e a modificar os pensamentos/comportamentos disfuncionais.
Modelo Cognitivo  propõe que o pensamento distorcido ou disfuncional (que influencia o
humor e o comportamento) seja comum a todos os distúrbios psicológicos.
Avaliação “realista” + modificação no pensamento  melhora no humor e no
comportamento.
A melhora duradoura  modificação de crenças disfuncionais.
Processamento
esquemático
(de significado)
ESQUEMAS
Interpretação
Ativação de
sistemas
(Cognitivos,
Motivacionais,
Afetivos,...)
Organização
Cognitiva
(componentes
estruturais)
História de
Aprendizagem
(componentes
experienciais)
Comportamento
SITUAÇÃO
ATUAL
39
CRENÇAS
CENTRAIS
VISÃO DE SI
(self)
VISÃO DO
FUTURO
(objetivos)
VISÃO DO OUTRO
(contexto
ambiental)
Crença
Central
Pensamentos
Automáticos
Reações
Crenças
Intermediárias
Corporal
Emocional
Comportamental
Situação
Agora
41
Crença
Central
Pensamentos
Automáticos
Reações
Crenças
Intermediárias
Corporal
Emocional
Comportamental
Situação
Agora
“Eu sou incompetente”
“Se eu não entendo algo,
então eu sou burro”
“Isso é difícil demais...
Eu jamais vou aprender...”
AulaTCC
Sudorese
Saidasala
Tristeza
Situação
Antes Estratégias
Repetiu 7ªsérie Nãotermina oquecomeça.
DESVALIA
42
“É horrível ser
sempre o pior”
Crença
Central
Pensamentos
Automáticos
Reações
Crenças
Intermediárias
Corporal
Emocional
Comportamental
Situação
Agora
“Eu sou incapaz
de ser amado”
“Se eu interagir com as
pessoas elas não vão me
aceitar como sou”
“Não vou ter assunto
para conversar na festa
Festa de
umcolega
Taquicardia
Ficaisolado
Medo,Tristeza
Situação
Antes Estratégias
Bullyingnaescola Nãointerage comcolegas.
DESAMOR
43
“Devo me
isolar”
Eu sou desamparado.
Eu sou impotente.
Eu estou fora de controle.
Eu sou fraco.
Eu sou vulnerável.
Eu sou carente.
Eu não sou capaz de ser amado.
Eu sou indesejável.
Eu não sou atraente.
Eu não tenho valor.
Eu não sou capaz de ser querido.
Eu não sou bom o suficiente.
Eu sou imperfeito.
Eu sou diferente.
Ninguém me quer.
Ninguém liga para mim.
Eu sou mau.
44
Crenças Centrais de DESAMOR
Eu sou desamparado.
Eu sou impotente.
Eu estou fora de controle.
Eu sou fraco.
Eu sou vulnerável.
Eu sou carente.
Eu sou desamparado.
Eu sou impotente.
Eu estou fora de controle.
Eu sou fraco.
Eu sou vulnerável.
Eu sou carente.
Eu estou sem saída.
Eu sou inadequado.
Eu sou ineficiente.
Eu sou incompetente.
Eu sou um fracasso.
Eu sou desrespeitado.
45
Crenças Centrais de DESAMPARO
Eu sou desamparado.
Eu sou impotente.
Eu estou fora de controle.
Eu sou fraco.
Eu sou vulnerável.
Eu sou carente.
Eu sou um fracasso.
Eu sou incompetente.
Eu não tenho valor.
Eu não sou bom o suficiente.
Eu sou inadequado.
Eu sou ineficiente.
Eu sou desrespeitado.
46
Crenças Centrais de DESVALIA
BECK
47
COMPORTAMENTALISMO
C O G N I T I V I S M O
Princípio nº 1: Formulação do problema em termos
cognitivos
A TCC se baseia em uma formulação em contínuo
desenvolvimento do paciente e de seus problemas em termos
cognitivos.
1º) Desde o início, identifica o pensamento atual do paciente e seus
comportamentos problemáticos.
2º) Identifica fatores precipitantes que influenciaram as percepções
do paciente no início de seu problema.
3º) Levanta hipóteses sobre eventos desenvolvimentais chaves e
padrões duradouros de interpretação desses eventos.
48
Princípio nº 2: Aliança terapêutica segura
A TCC requer uma aliança terapêutica segura: cordialidade,
empatia, atenção, respeito genuíno e competência.
Boa aliança de trabalho = colaborativa.
49
Princípio nº 3: Colaboração e Participação Ativa
A TCC enfatiza a colaboração e participação ativa.
Na TCC há um trabalho em equipe: terapeuta + paciente.
A princípio, o terapeuta é mais ativo em sugerir uma direção
para as sessões de terapia.
A medida que a pessoa torna-se menos problemática e mais
socializada na terapia = fica mais ativa.
50
Princípio nº 4: Orientada em meta e focalizada em
problemas
A TCC é orientada em meta e focalizada em problemas =
enumerar problemas e estabelecer metas específicas.
O terapeuta presta atenção particular aos obstáculos que
impedem o paciente de resolver problemas e atingir metas
por si mesmo.
O terapeuta precisa conceituar as dificuldades do paciente e
avaliar o nível apropriado de intervenção.
51
Princípio nº 5: Enfatiza o presente
A TCC inicialmente enfatiza o presente (os problemas do
aqui-e-agora).
O tratamento da maioria dos pacientes envolve um forte
foco sobre problemas atuais e sobre situações específicas
que são aflitivas para o paciente.
Passado: entender as origens das ideias disfuncionais e
como afetam o paciente hoje.
52
Princípio nº 6: É educativa
A TCC é educativa, visa ensinar o paciente a ser seu próprio
terapeuta e enfatiza a prevenção de recaída.
O terapeuta educa sobre a natureza e trajetória do seu
transtorno, sobre o processo da TCC e sobre o modelo
cognitivo (como os pensamentos influenciam as emoções e
comportamentos).
Ensina a estabelecer metas, identificar e avaliar
pensamentos/crenças, e assim, mudar comportamentos.
53
Princípio nº 7: Tempo limitado
A TCC visa ter um tempo limitado.
O terapeuta busca promover alívio dos sintomas do
paciente, facilitar uma remissão do transtorno, ajudá-lo a
resolver seus problemas mais prementes e ensinar-lhe o uso
de ferramentas para que ele esteja mais propenso a evitar a
recaída.
A modificação de crenças disfuncionais muito
rígidas/padrões de comportamento = leva mais tempo.
54
Princípio nº 8: Sessões estruturadas
A TCC tem as suas sessões estruturadas (há uma estrutura
estabelecida em cada sessão).
O terapeuta: 1) verifica o humor; 2) solicita breve revisão
da semana; 3) agenda da sessão; 4) resumo da sessão; 5)
compromisso da semana; 6) feedback da sessão.
Foco no que é mais importante para o paciente, maximiza o
uso do tempo da terapia.
Promove = autoterapia.
55
Princípio nº 9: Identificar, Avaliar e Responder
A TCC ensina os pacientes a identificar, avaliar e responder
a seus pensamentos e crenças disfuncionais.
focalizar um problema específico;
identificar o pensamento disfuncional;
avaliar a validade do pensamento;
projetar um plano de ação.
56
Princípio nº 10: Várias técnicas
A TCC utiliza uma variedade de técnicas para mudar
pensamento, humor e comportamento.
Estratégias cognitivas: questionamento socrático,
descoberta orientada, teste de realidade...
Outras técnicas: comportamental, gestalt...
O terapeuta seleciona técnicas com base na formulação de
caso e seus objetivos, em sessões específicas.
57
1) Formulação do problema em termos cognitivos
2) Aliança terapêutica segura
3) Colaboração e Participação Ativa
4) Orientada em meta e focalizada em problemas
5) Enfatiza o presente
6) É educativa
7) Tempo limitado
8) Sessões estruturadas
9) Identificar, avaliar e responder
10) Utiliza várias técnicas
58
Terapia Cognitivo-
comportamental
Judith Beck.
ARTMED, 2013
Aprendendo a TCCl – Um Guia Ilustrado
Jesse H. Wright, Monica R. Basco e
Michael E. Thase. ARTMED, 2008
TCC na Prática psiquiátrica.
Paulo Knapp e cols.
ARTMED, 2004
Manual de Técnicas em Terapia
Cognitiva. Rian Mcmullin
ARTMED,2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Lampsi
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
Luiz Herminio Lagoa Santa
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Nilson Dias Castelano
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
norberto faria
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
Antonino Silva
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Psicopatologia
PsicopatologiaPsicopatologia
Psicopatologia
Elisa Brietzke
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
Lampsi
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Paulopereiraunirb
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Sarah Karenina
 
Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq   Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq
Cláudio Costa
 
Questionamento socrático
Questionamento socráticoQuestionamento socrático
Questionamento socrático
edgardcandrade
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
Endriely Teodoro
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
Serafim Carvalho, MD, PhD
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Bruna Talita
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Victor Nóbrega
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Marcelo da Rocha Carvalho
 
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCCA estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 

Mais procurados (20)

Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-ComportamentalTeoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
Teoria do Esquema - Cognitivo-Comportamental
 
Psicoterapias
PsicoterapiasPsicoterapias
Psicoterapias
 
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamentalTCC - Terapia cognitivo-comportamental
TCC - Terapia cognitivo-comportamental
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Psicopatologia
PsicopatologiaPsicopatologia
Psicopatologia
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq   Anamnese psicopatologia diagn psiq
Anamnese psicopatologia diagn psiq
 
Questionamento socrático
Questionamento socráticoQuestionamento socrático
Questionamento socrático
 
Estudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínicaEstudo de caso psicologia clínica
Estudo de caso psicologia clínica
 
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DA DEPRESSÃO
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-ComportamentalMétodo Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
Método Socrático em Terapia Cognitiva-Comportamental
 
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCCA estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
 

Semelhante a historia da tcc

Aula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdfAula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdf
KellyBatista20
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
Rovanildo Vieira Soares
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Erika Barreto
 
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptxAula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
ThiagoPitaluga1
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
Julianamarciafonseca
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
psicologiaestoi
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
Filipe Simão Kembo
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. RadicalBehaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
mairamatoscosta
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
Adrianadiasbrito
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
UNICEP
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Résia Morais
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
Miguel Pascoal
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
GSArt Web Solutions
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
Lima Venancio
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
ceciliamonteiro12
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
MariaDeMatos2
 

Semelhante a historia da tcc (20)

Aula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdfAula Funcionalismo.pdf
Aula Funcionalismo.pdf
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Palestra a terapia cognitivo comportamental
Palestra   a terapia cognitivo comportamentalPalestra   a terapia cognitivo comportamental
Palestra a terapia cognitivo comportamental
 
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptxAula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
Aula 2 - Matrizes do Pensamento Behaviorismo.pptx
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
 
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. RadicalBehaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 

Mais de Fred Clementino

psicologia positiva.pptx
psicologia positiva.pptxpsicologia positiva.pptx
psicologia positiva.pptx
Fred Clementino
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
Fred Clementino
 
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptxComo criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
Fred Clementino
 
atribuição.ppt
atribuição.pptatribuição.ppt
atribuição.ppt
Fred Clementino
 
TCC e Prevenção de transtornos.ppt
TCC e Prevenção de transtornos.pptTCC e Prevenção de transtornos.ppt
TCC e Prevenção de transtornos.ppt
Fred Clementino
 
Snap iv
Snap ivSnap iv
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
Fred Clementino
 
1 psicologia aplicada i
1 psicologia aplicada i1 psicologia aplicada i
1 psicologia aplicada i
Fred Clementino
 

Mais de Fred Clementino (8)

psicologia positiva.pptx
psicologia positiva.pptxpsicologia positiva.pptx
psicologia positiva.pptx
 
TP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptxTP_Borderline_TE.pptx
TP_Borderline_TE.pptx
 
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptxComo criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
Como criar conexões que ajudam os filhos a.pptx
 
atribuição.ppt
atribuição.pptatribuição.ppt
atribuição.ppt
 
TCC e Prevenção de transtornos.ppt
TCC e Prevenção de transtornos.pptTCC e Prevenção de transtornos.ppt
TCC e Prevenção de transtornos.ppt
 
Snap iv
Snap ivSnap iv
Snap iv
 
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
Apresentao odontopediatria2-140917113538-phpapp01
 
1 psicologia aplicada i
1 psicologia aplicada i1 psicologia aplicada i
1 psicologia aplicada i
 

historia da tcc

  • 1. Histórico e Fundamentos da Terapia Cognitivo- Comportamental Psicóloga Ms. Eliana Melcher Martins Doutoranda em Ciências pelo Depto. de Neurologia e Neurociências da UNIFESP Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP Formação em TCC no Beck Institute - Philadelphia Psicóloga Clínica Cognitivo-Comportamental – CRP 06/70536
  • 2. Estudos da Psicologia • Por que as pessoas e os animais se comportam de determinada maneira? • Por que uns agem de uma forma diferente de outros? • Por que alguns indivíduos tem comportamento socialmente mais aceito, enquanto outros se comportam de forma alheia à sociedade? • O que faz com que as pessoas mantenham, aumentem ou mudem suas formas de atuar numa determinada situação (resiliência)? • O que determina as formas de se comportar de um sujeito?
  • 3. Foi utilizado inicialmente em 1913 em um artigo denominado “Psicologia: como os behavioristas a vêem” por John B. Watson (1878-1958). "Behavior" = comportamento "Um ramo experimental e puramente objetivo da ciência natural. A sua meta é a previsão e controle do comportamento...". O comportamento passou a ser objeto de estudo da Psicologia.
  • 4. BEHAVIORISMO Filosofia • Estudar o comportamento em si • Opor-se à introspecção das teorias psicodinâmicas que tentava lidar com o funcionamento interior e não observável da mente. • Aderir ao evolucionismo biológico e estudar tanto o comportamento humano quanto o animal • Adotar o determinismo materialístico
  • 5. BEHAVIORISMO Metodologia • Usar procedimentos objetivos na coleta de dados, rejeitando a introspecção. • Realizar experimentação controlada. • Realizar testes de hipóteses, de preferência com grupos controle. • Observar consensualmente. • Estudar além do sistema nervoso, a ação dos órgãos periféricos, dos sensoriais, dos músculos e das glândulas.
  • 6. • Watson foi influenciado pelos estudos experimentais sobre o comportamento reflexo efetuados por Ivan Pavlov. • A Psicologia da época buscava um objeto mensurável e observável para estudar. • Os experimentos de Pavlov podiam ser reproduzidos em diferentes sujeitos e condições. • Tais possibilidades foram importantes para que a Psicologia alcançasse o status de ciência.
  • 7. Pavlov descobriu por acaso que poderia condicionar o cão a salivar diante de um estímulo neutro
  • 8. S = > R • ESTÍMULO referia-se tanto a ação de uma fonte de energia sobre o organismo, quanto a operação realizada pelo experimentador em seu laboratório. • Esses conceitos acabaram produzindo a seqüência experimental que marcou o behaviorismo metodológico: • S = o que operacionaliza o ambiente • R = o comportamento • => a ação desencadeante ou a causa
  • 9. Estudo do Comportamento Behaviorismo (Watson – 1913) • Comportamento como ciência • E. L. Thorndike (1874-1949)-Lei do Efeito • Ivan Pavlov - (1849-1936)-Reflexo Condicionado • Teoria da Evolução – Charles Robert Darwin – 1838 BEHAVIORISMO METODOLÓGICO nega status científico às emoções, às sensações, ao pensamento e aos demais eventos privados
  • 10. Behaviorismo Radical Burrhus Frederic Skinner (1904-1990) • • • Em oposição ao “behaviorismo metodológico”, cuja principal preocupação eram os métodos das ciências naturais. • Skinner se preocupava com a explicação científica do comportamento. O desenvolvimento de termos e conceitos que permitissem explicações verdadeiramente científicas. • A expressão utilizada pelo próprio Skinner em 1945 tem como linha de estudo a formulação do "comportamento operante".
  • 11. Behaviorismo Radical • Aceita estudar eventos internos • Skinner não separa mundo interno de mundo externo • Comportamentos não são movimentos do corpo, e sim interações entre o organismo e o ambiente.
  • 12. Conceitos Skinnerianos • Comportamento Respondente • Comportamento Operante • Reforçamento Positivo e Negativo • Punição • Contingências • Condicionamento Operante
  • 14. Foram nos anos 50 e 60 que motivados por uma crescente insatisfação com a corrente psicodinâmica formou-se o núcleo de um novo enfoque terapêutico: Terapia Comportamental  psicologia experimental;  condicionamento clássico ou respondente;  condicionamento operante;  princípios teóricos da aprendizagem;  disciplinas da psicologia clínica. Terapia Comportamental
  • 15. o Joseph Wolpe (1915-1998) – psiquiatra o II Guerra – Trabalhou num hospital psiquiátrico militar  “Neurose de Guerra” (hoje TEPT) o “Pioneiro da Terapia Comportamental” o DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA o TREINO DE ASSERTIVIDADE o INIBIÇÃO RECÍPROCA  exposição gradual o Psicoterapia por Inibição Recíproca (1958) o A Prática da Terapia Comportamental (1969) o Wolpe (1958), percebia variáveis cognitivas em sua técnic comportamental da o dessensibilização sistemática. WOLPE 15
  • 16. BANDURA o Albert Bandura (1925) – psicólogo canadense o APRENDIZAGEM OBSERVACIONAL (MODELAÇÃO) foi importante por chamar a atenção para os fatores cognitivos na terapia comportamental = o indivíduo aprende ao observar o comportamento de outra pessoa - o comportamento é aprendido com mais eficácia se o observador o praticar posteriormente (embora isso não constitua uma condição necessária) o MODELO AUTO-REGULAÇÃO (AUTO-EFICÁCIA)  ideia de que toda a mudança de comportamento voluntária era medida pelas percepções que os indivíduos tinham de sua capacidade de adotar o comportamento em questão. o Princípios de Modificação do Comportamento (1969) o Teoria da Aprendizagem Social (1971) processos cognitivos cruciais na aquisição e regulação do comportamento (Teoria Social Cognitiva). 16
  • 17. o Donald Meichenbaum o Psicólogo emérito da Universidade de Waterloo (Canadá) o Diretor do Instituto Melissa (Miami-Flórida) – Prevenção de violência e tratamento de vítimas de violência. o Modificação Comportamental Cognitiva (CBM), que se concentra na identificação disfuncional self-talk, a fim de alterar comportamentos indesejados. o Ele vê comportamentos como sendo resultados de nossas próprias auto-verbalizações. Meichenbaum 17 “Um dos 10 psicoterapeutas mais influentes do século XX”
  • 18. Como mudar seus pensamentos 3 fases o Fase 1: AUTO-OBSERVAÇÃO o Esta fase envolve escutar com atenção o diálogo interno ou self-talk e observar seus próprios comportamentos. Você se esforça para estar especialmente ciente de quaisquer auto- afirmações negativas que estão realmente contribuindo para seus processos sintomáticos o Por exemplo, você diz a si mesmo mensagens negativas, como "Eu não sou inteligente o suficiente", "As pessoas não gostam de mim", ou "Todos podem ver como sou inadequado.“ o Anotar (escrever) estes pensamentos negativos pode ser útil para ao final de um tempo você perceber quão frequentemente você está se negativando. (automonitoramento)
  • 19. Como mudar seus pensamentos 3 fases o Fase 2: COMECE UM NOVO SELF-TALK o Depois de reconhecer o seu diálogo interno negativo, você pode começar a mudar isso. Quando você "pegar"-se em constantes padrões de pensamentos negativos, você recria um novo e positivo diálogo interno: o "Eu não posso" se torna "Pode ser difícil, mas eu posso." o Apague as declarações negativas que você escreveu e anote as novas no lugar. Pratique repetindo-as até que você comece a acreditar nelas. o Estas novas auto-declarações ou afirmações passam agora a orientar novos comportamentos.
  • 20. Como mudar seus pensamentos 3 fases o Fase 3: APRENDA NOVAS HABILIDADES o Toda vez que você for capaz de identificar e reestruturar seus pensamentos negativos e mudar a sua resposta aos sintomas, você está aprendendo novas habilidades. Estando consciente de seus pensamentos, você é mais capaz de avaliá-los e reagir de uma forma mais adequada. o Quando seus pensamentos mudam de negativo para positivo, você começa a se comportar de maneira diferente em muitas situações e passa a ver que as outras pessoas também reagem de forma diferente ao positivo.
  • 21.  Anos 60 e 70 afastamento da psicanálise e do behaviorismo radical de alguns adeptos, entre eles:  Albert Ellis – Visão mais cognitiva. Influenciou os primeiros trabalho de Beck com depressão.  Albert Bandura – Princípios de Modificação do Comportamento (1969) e Teoria da Aprendizagem Social (1971); processos cognitivos cruciais na aquisição e regulação do comportamento.  Michael Mahoney: Cognition and Behavior Modification (1974), cognição como construto mediacional.  Modelo do Desamparo Aprendido de Seligman (1967/79) e revisões (Teoria dos Estilos de Atribuição); relevante para processos psicológicos na depressão. Fatores Históricos Relevantes
  • 22.  Insatisfação com os modelos de depressão na convergência entre a psicanálise e o behaviorismo; validade questionável como modelos de depressão clínica.  Wolpe (1958), percebia variáveis cognitivas em sua técnica comportamental da dessensibilização sistemática.  Transição generalizada para a perspectiva cognitiva de processamento de informação, com clínicos defendendo uma abordagem mais cognitiva nos transtornos emocionais. Fatores Históricos Relevantes
  • 23. TERAPIA MULTIMODAL (ARNOLD LAZARUS) SUPOSIÇÃO BÁSICA: “Somos seres que se movimentam, sentem, percebem, imaginam, pensam e se relacionam. Quando ocorrem distúrbios psicológicos, cada uma destas funções é afetada”. Definição É uma avaliação meticulosa do ser humano em vários aspectos agrupados sob a denominação “BASIC ID” B ------------------ BEHAVIOR I ------------- INTERPESONAL A ----------------- AFFECT D ------------ DRUGS S ----------------- SENSATION I ------------------ IMAGERY C ---------------- COGNITION
  • 24. Lazarus propõe que o “BASIC ID” constitui a personalidade OBJETIVOS Corrigir crenças irracionais, comportamentos disfuncionais, sentimentos desagradáveis, imagens intrusivas, relacionamentos tensos, sensações negativas e desequilíbrio químico. PROCEDIMENTO • Identificar o problema e objetivos • Especificar as técnicas de tratamento para atingir os objetivos • Remediar os problemas • Mensuração sistemática do êxito relativo as técnicas utilizadas
  • 25. COGNITIVISMO O R I G E N S CETCC
  • 26. COGNITIVISMO O termo cognição inclui ideias, construtos pessoais, imagens, crenças, expectativas, atribuições, etc. Não é apenas um processo intelectual mas sim padrões complexos de significado em que participam emoções, pensamentos e comportamentos
  • 27. DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO • A Terapia Cognitiva tem origem em correntes filosóficas e religiões antigas (estoicismo grego, taoísmo e budismo) que postulavam a influência das idéias sobre as emoções .
  • 28. B u d a • “Nem teus piores inimigos podem fazer tanto dano como teus próprios pensamentos.”
  • 29. “Se pudermos reorientar nossos pensamentos e emoções e reorganizar nosso comportamento, então poderemos não só aprender a lidar com o sofrimento mais facilmente, mas, sobretudo e em primeiro lugar, evitar que muito dele surja” Livro: Uma ética para o novo milênio (p.xii) Dalai Lama
  • 30. Filósofo persa da Antiguidade Baseou seus ensinamentos em: Pensar bem Agir bem Falar bem Zoroastro
  • 31. “Os processos cognitivos conscientes tem um papel fundamental na existência humana” Kant, Heidegger, Jaspers e Frankl
  • 32. “Encontrar uma sensação de sentido da vida ajuda a servir como um antídoto para o desespero e a desilusão” Wright et al. (2003); Frankl (1992)
  • 33. • “Não são as coisas que nos perturbam, mas a visão que temos dessas coisas” ( Epictetos I d.C)
  • 34. Beck defendeu a inclusão de métodos comportamentais desde o início de seu trabalho. Reconhecia essas ferramentas como eficazes para reduzir sintomas. Conceitualizou um relacionamento estreito entre cognição e comportamento. Alguns puristas argumentam os méritos de se utilizar uma abordagem cognitiva ou comportamental isolada. Terapeutas mais pragmáticos consideram os métodos cognitivos e comportamentais como parceiros eficientes tanto na teoria como na prática. Ex. literatura: tratamento do Pânico 1960 - unificação das formulações cognitivas e comportamentais na psicoterapia
  • 35. o Albert Ellis (1913-2007) o TERAPIA RACIONAL EMOTIVA (TREC) o A 1ª psicoterapia contemporânea com clara ênfase cognitiva, tomando os construtos cognitivos como base dos transtornos psicológicos. o MODELO ABC os acontecimentos ativadores (A) passam pelo sistema de crenças (B) do sujeito antes de despertarem as consequências (C) emocionais ou a conduta. ELLIS 35 o CRENÇAS IRRACIONAIS  baseadas em conclusões errôneas, ilógicas e sem base em evidências objetivas = modelo simples e pragmático. o DIÁLOGO SOCRÁTICO o terapeuta questiona o paciente por meio de perguntas engenhosas que estimula a pessoa a perceber mais claramente suas distorções = sobre a real validade das crenças e sobre as evidências de que o sujeito dispõe para acreditar nelas. o CRENÇAS BÁSICAS EXIGÊNCIAS ABSOLUTISTAS (“tenho que”) e DEVERES IRRACIONAIS (“devo”)  SUPOSIÇÕES ILÓGICAS ou DISTORÇÕES COGNITIVAS.
  • 36. o Tratamento psicodinâmico dos seus pacientes com depressão  análise de sonhos, verbalizações e associações livres. o Psicanálise  depressão = raiva inconsciente e inaceitável contra pessoas próximas que, reprimida, era redirecionada ao self = hostilidade retrofletida (que não era confirmado nos relatos dos sonhos dos pacientes). 36 BECK o Anomalias  nos sonhos, os pacientes eram rejeitados, abandonados ou frustrados = nas experiências do cotidiano, idem. o Identificação de tipos específicos de pensamentos, que os pacientes não percebiam claramente e não relatavam na associação livre. o Visão negativista  identificada na auto avaliação do paciente = autocríticas, baixa autoestima, culpas, previsões e interpretações negativistas e memórias desagradáveis. o Temas negativistas  presentes em todos os tipos de depressão = reativa, endógena, orgânica ou bipolar. o Temas negativistas idiossincráticos  questões sociais vitais paciente: o fracasso  sucesso, aceitação  rejeição, respeito  desdém.
  • 37. o TC – TERAPIA COGNITIVA (Cognitive Therapy) o ESQUEMAS (significado) o DISTORÇÃO COGNITIVA (Erros de Pensamento) o TRÍADE COGNITIVA o MODELO COGNITIVO BECK 37 ➢ Depressão ➢ Transtornos de ansiedade ➢ Transtornos alimentares ➢ Esquizofrenia ➢ Transtorno bipolar ➢ Dor crônica ➢ Transtornos de personalidade ➢ Abuso de substâncias. Mais de 300 estudos controlados da TCC para uma série de transtornos psiquiátricos (Butler e Beck, 2000).
  • 38. 38 “As ideias não só podiam controlar os sentimentos mais intensos de uma pessoa, como também eram capazes de modificá-los” Beck e cols (1982) TCC: Psicoterapia breve, estruturada, orientada ao presente, para depressão, direcionada a resolver problemas atuais e a modificar os pensamentos/comportamentos disfuncionais. Modelo Cognitivo  propõe que o pensamento distorcido ou disfuncional (que influencia o humor e o comportamento) seja comum a todos os distúrbios psicológicos. Avaliação “realista” + modificação no pensamento  melhora no humor e no comportamento. A melhora duradoura  modificação de crenças disfuncionais.
  • 40. VISÃO DE SI (self) VISÃO DO FUTURO (objetivos) VISÃO DO OUTRO (contexto ambiental)
  • 42. Crença Central Pensamentos Automáticos Reações Crenças Intermediárias Corporal Emocional Comportamental Situação Agora “Eu sou incompetente” “Se eu não entendo algo, então eu sou burro” “Isso é difícil demais... Eu jamais vou aprender...” AulaTCC Sudorese Saidasala Tristeza Situação Antes Estratégias Repetiu 7ªsérie Nãotermina oquecomeça. DESVALIA 42 “É horrível ser sempre o pior”
  • 43. Crença Central Pensamentos Automáticos Reações Crenças Intermediárias Corporal Emocional Comportamental Situação Agora “Eu sou incapaz de ser amado” “Se eu interagir com as pessoas elas não vão me aceitar como sou” “Não vou ter assunto para conversar na festa Festa de umcolega Taquicardia Ficaisolado Medo,Tristeza Situação Antes Estratégias Bullyingnaescola Nãointerage comcolegas. DESAMOR 43 “Devo me isolar”
  • 44. Eu sou desamparado. Eu sou impotente. Eu estou fora de controle. Eu sou fraco. Eu sou vulnerável. Eu sou carente. Eu não sou capaz de ser amado. Eu sou indesejável. Eu não sou atraente. Eu não tenho valor. Eu não sou capaz de ser querido. Eu não sou bom o suficiente. Eu sou imperfeito. Eu sou diferente. Ninguém me quer. Ninguém liga para mim. Eu sou mau. 44 Crenças Centrais de DESAMOR
  • 45. Eu sou desamparado. Eu sou impotente. Eu estou fora de controle. Eu sou fraco. Eu sou vulnerável. Eu sou carente. Eu sou desamparado. Eu sou impotente. Eu estou fora de controle. Eu sou fraco. Eu sou vulnerável. Eu sou carente. Eu estou sem saída. Eu sou inadequado. Eu sou ineficiente. Eu sou incompetente. Eu sou um fracasso. Eu sou desrespeitado. 45 Crenças Centrais de DESAMPARO
  • 46. Eu sou desamparado. Eu sou impotente. Eu estou fora de controle. Eu sou fraco. Eu sou vulnerável. Eu sou carente. Eu sou um fracasso. Eu sou incompetente. Eu não tenho valor. Eu não sou bom o suficiente. Eu sou inadequado. Eu sou ineficiente. Eu sou desrespeitado. 46 Crenças Centrais de DESVALIA
  • 47. BECK 47 COMPORTAMENTALISMO C O G N I T I V I S M O
  • 48. Princípio nº 1: Formulação do problema em termos cognitivos A TCC se baseia em uma formulação em contínuo desenvolvimento do paciente e de seus problemas em termos cognitivos. 1º) Desde o início, identifica o pensamento atual do paciente e seus comportamentos problemáticos. 2º) Identifica fatores precipitantes que influenciaram as percepções do paciente no início de seu problema. 3º) Levanta hipóteses sobre eventos desenvolvimentais chaves e padrões duradouros de interpretação desses eventos. 48
  • 49. Princípio nº 2: Aliança terapêutica segura A TCC requer uma aliança terapêutica segura: cordialidade, empatia, atenção, respeito genuíno e competência. Boa aliança de trabalho = colaborativa. 49
  • 50. Princípio nº 3: Colaboração e Participação Ativa A TCC enfatiza a colaboração e participação ativa. Na TCC há um trabalho em equipe: terapeuta + paciente. A princípio, o terapeuta é mais ativo em sugerir uma direção para as sessões de terapia. A medida que a pessoa torna-se menos problemática e mais socializada na terapia = fica mais ativa. 50
  • 51. Princípio nº 4: Orientada em meta e focalizada em problemas A TCC é orientada em meta e focalizada em problemas = enumerar problemas e estabelecer metas específicas. O terapeuta presta atenção particular aos obstáculos que impedem o paciente de resolver problemas e atingir metas por si mesmo. O terapeuta precisa conceituar as dificuldades do paciente e avaliar o nível apropriado de intervenção. 51
  • 52. Princípio nº 5: Enfatiza o presente A TCC inicialmente enfatiza o presente (os problemas do aqui-e-agora). O tratamento da maioria dos pacientes envolve um forte foco sobre problemas atuais e sobre situações específicas que são aflitivas para o paciente. Passado: entender as origens das ideias disfuncionais e como afetam o paciente hoje. 52
  • 53. Princípio nº 6: É educativa A TCC é educativa, visa ensinar o paciente a ser seu próprio terapeuta e enfatiza a prevenção de recaída. O terapeuta educa sobre a natureza e trajetória do seu transtorno, sobre o processo da TCC e sobre o modelo cognitivo (como os pensamentos influenciam as emoções e comportamentos). Ensina a estabelecer metas, identificar e avaliar pensamentos/crenças, e assim, mudar comportamentos. 53
  • 54. Princípio nº 7: Tempo limitado A TCC visa ter um tempo limitado. O terapeuta busca promover alívio dos sintomas do paciente, facilitar uma remissão do transtorno, ajudá-lo a resolver seus problemas mais prementes e ensinar-lhe o uso de ferramentas para que ele esteja mais propenso a evitar a recaída. A modificação de crenças disfuncionais muito rígidas/padrões de comportamento = leva mais tempo. 54
  • 55. Princípio nº 8: Sessões estruturadas A TCC tem as suas sessões estruturadas (há uma estrutura estabelecida em cada sessão). O terapeuta: 1) verifica o humor; 2) solicita breve revisão da semana; 3) agenda da sessão; 4) resumo da sessão; 5) compromisso da semana; 6) feedback da sessão. Foco no que é mais importante para o paciente, maximiza o uso do tempo da terapia. Promove = autoterapia. 55
  • 56. Princípio nº 9: Identificar, Avaliar e Responder A TCC ensina os pacientes a identificar, avaliar e responder a seus pensamentos e crenças disfuncionais. focalizar um problema específico; identificar o pensamento disfuncional; avaliar a validade do pensamento; projetar um plano de ação. 56
  • 57. Princípio nº 10: Várias técnicas A TCC utiliza uma variedade de técnicas para mudar pensamento, humor e comportamento. Estratégias cognitivas: questionamento socrático, descoberta orientada, teste de realidade... Outras técnicas: comportamental, gestalt... O terapeuta seleciona técnicas com base na formulação de caso e seus objetivos, em sessões específicas. 57
  • 58. 1) Formulação do problema em termos cognitivos 2) Aliança terapêutica segura 3) Colaboração e Participação Ativa 4) Orientada em meta e focalizada em problemas 5) Enfatiza o presente 6) É educativa 7) Tempo limitado 8) Sessões estruturadas 9) Identificar, avaliar e responder 10) Utiliza várias técnicas 58
  • 59. Terapia Cognitivo- comportamental Judith Beck. ARTMED, 2013 Aprendendo a TCCl – Um Guia Ilustrado Jesse H. Wright, Monica R. Basco e Michael E. Thase. ARTMED, 2008 TCC na Prática psiquiátrica. Paulo Knapp e cols. ARTMED, 2004 Manual de Técnicas em Terapia Cognitiva. Rian Mcmullin ARTMED,2005