SlideShare uma empresa Scribd logo
Princípios Entrevista Motivacional
Facilitadora: Psicóloga Flora Couto
Mudança
Tomada de
Decisão
Motivação
Comprometimento
OBJETIVOS
COMPONENTES ATIVOS
DE UMA INTERVENÇÃO BREVE1 EFICAZ
1.MILLER e SANCHES “FRAMES” – (ADERIR): Princípios ativos comuns em todos os estudos
levantados
Empatia
Devolução
Responsabilidade
RecomendaçãoInventário
Auto-eficácia
CINCO PRINCÍPIOS GERAIS2
2: Ref:(Miller & Rollnick, 2001)
Empatia
Evitar
Argumentações
Promover auto-
eficácia
Desenvolver
discrepância
Acompanhar
resistência
DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA
ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO
CONFRONTO DA NEGAÇÃO ENTREVISTA MOTIVACIONAL
Forte ênfase na aceitação da
existência de um problema;
aceitação do diagnóstico vista como
essencial para a mudança
Não há ênfase em rótulos; a
aceitação da “alcoolismo”ou de
outros rótulos é vista como
desnecessária para que ocorro a
mudança
Ênfase na patologia da
personalidade, que reduz a escolha,
o julgamento e o controle pessoais
Ênfase na escolha pessoal e na
responsabilidade pela decisão
quanto ao comportamento futuro
O Terapeuta apresenta as evidências
percebidas dos problemas para
tentar convencer o paciente a aceitar
o diagnóstico
O Terapeuta conduz avaliações
objetivas, mas concentra-se em
eliciar as preocupações do paciente
DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA
ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO
CONFRONTO DA NEGAÇÃO ENTREVISTA MOTIVACIONAL
A resistência é vista como
“negação”, um traço que deve ser
confrontado
A resistência é vista como um
padrão de comportamento
interpessoal, influenciado pelo
comportamento do terapeuta
A resistência é tratada como
correção e argumentação
A resistência é tratada como
reflexão
As metas do tratamento e as
estratégias de mudança são
prescritas para o paciente pelo
terapeuta; o paciente é visto como
incapaz de tomar decisões firmes
devido à “negação”
As metas do tratamento e as
estratégias de mudança são
negociadas entre pacientes e
terapeuta, baseadas em dados e
aceitabilidade; o envolvimento do
paciente e sua aceitação das metas
são vistas como vitais
DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA
ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO
TREINAMENTO DE HABILIDADES ENTREVISTA MOTIVACIONAL
Pressupõe que o paciente esteja
motivado; nenhuma estratégia direta é
usada para estimular a motivação
Emprega princípios e estratégias
especificas para estimular a motivação
do paciente para a mudança
Busca identificar e modificar cognições
desadaptadas
Explora e reflete as percepções do
paciente sem rotulá-las ou corrigi-las
Prescreve estratégias específicas de
enfrentamento
Elicia estratégias possíveis de mudança
do paciente e outros significativos
Ensina comportamentos de
enfrentamento por meio da instrução,
da modelagem, da prática dirigida e do
feedback
A responsabilidade pelos métodos de
mudança é do paciente; não há
treinamento, modelagem ou prática
São ensinadas estratégias específicas
de solução de problema
Processos naturais de solução de
problema são eliciados do paciente e
seus familiares
DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA
ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO
NÃO - DIRETIVAS ENTREVISTA MOTIVACIONAL
Permite ao paciente determinar o
conteúdo e o direcionamento ao
aconselhamento
Direciona sistematicamente o
paciente para a motivação para a
mudança
Evita injetar os conselhos e o
feedback do próprio terapeuta
Oferece o feedback e os conselhos do
terapeuta quando for adequado
A reflexão empática é usada de
forma não - contingente
A reflexão empática é usada
seletivamente, para reforçar certos
processos.
Explora os conflitos e emoções do
paciente em sua forma atual
Busca criar e ampliar a discrepância
do paciente, de modo a aumentar a
motivação para a mudança.
Curva de Prochaska e Di Clemente 1
1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive
behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4.
Recaída
Contemplação
DeterminaçãoAção
Manutenção
Pré-contemplaçãoSaída Permanante
Aplicação da Curva em PRUS
1) Pré-contemplação – O indivíduo não acredita que o uso de
álcool e/ou drogas seja prejudicial. Não existe a menor
motivação para a mudança, seja abstinência seja redução da
frequência ou intensidade do consumo. Muitas vezes existe
uma idealização dos efeitos “eu fico mais criativo se fumo”,
“eu consigo trabalhar a madrugada inteira com cocaína”… O
profissional evita o confronto, sem faltar com sinceridade,
muitas vezes flexibilizando o conceito de dependência ou
motivando a busca por tratamento por motivos secundários.
Tarefa do Terapeuta : aumentar dúvidas.
1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive behaviors: processes
of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4.
2) Contemplação – Aqui prevalece a ambivalência do indivíduo
com relação ao problema. Ainda que perceba prejuízos, defende-
se minimizando os mesmos, ou contrapondo benefícios advindos
do uso. Nessa fase o profissional pode fazer uso das tabelas de
vantagens e desvantagens do uso e da abstinência, geralmente
confrontando a manutenção do uso de drogas com os planos
para o futuro que o paciente eventualmente apresentar.
TT: pontuar falta de equilibrio, estabelecendo razões para mudar
ou não.
Aplicação da Curva em PRUS
3) Planejamento ou Determinação – Nesse momento o adicto compreende
o problema, e pede ajuda de fato. O papel do profissional é auxiliar a
elaboração de estratégias de enfrentamento de realidade, identificar e
trabalhar crenças negativas favorecendo o surgimento e/ou fortalecimento
da autossuficiência – modificar as crenças disfuncionais como “se eu não
fumar não vou conseguir trabalhar” ou “eu não consigo segurar a
abstinência”. Basicamente oferecer soluções e diminuir barreiras de forma
rápida, já que o retorno aos estágios anteriores é comum (especialmente
quando o indivíduo usa a droga de preferência).
TT: determinar melhor estratégia para mudança.
Aplicação da Curva em PRUS
4)Ação – Neste momento o dependente começa a aplicar as
estratégias e o planejamento elaborados na fase anterior. O
profissional oferece todo o suporte necessário, buscando
envolver o núcleo familiar e a rede social mais próxima (sejam
amigos ou companheiros de grupos anônimos).
TT: valorizar e organizar movimento em direção a mudança.
Aplicação da Curva em PRUS
1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating
addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4.
5) Manutenção – Busca-se nessa fase a estabilização da doença, tentando
transformar as mudanças efetuadas na fase anterior em um novo (e mais
saudável) estilo de vida. A prevenção de recaída (PPR) é uma das técnicas
diretivas mais difundidas e estudadas, os grupos anônimos de mútuo-ajuda
(Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos) fornecem uma rede social de
suporte idealmente livre de julgamentos – o auxílio não-profissional deveria
ser priorizado, exceto nos não-raros casos em que existe alguma comorbidade.
A autossuficiência trabalhada nas fases anteriores não deve ser exagerada –
um risco real, quando o adicto sente que controlou a situação, permitindo-se
o primeiro gole ou um “único” trago…
TT: auxilia o cliente a identificar estratégias para prevenção de recaídas, como
o fortalecimento da auto-eficácia.
Aplicação da Curva em PRUS
Motivação para mudança11
1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating
addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4.
6) Recaída: ainda que não consideremos uma fase ou estágio, costuma ser
regra e não exceção – estima-se que menos de 5% dos dependentes químicos
que conseguem algum período de sobriedade conseguirão mantê-la sem
nenhum lapso. E como com qualquer comportamento compulsivo, um único
uso pode ser suficiente para levantar novamente toda uma rede de crenças
negativas, fazendo o indivíduo voltar às fases iniciais de motivação.
TT: deve ajudar o cliente a recomeçar o processo, avaliando se o paciente não
desenvolveu uma resposta de enfrentamento. Sua auto-eficácia será menor;
portanto, haverá uma maior probabilidade de mais recaídas, como os
respectivos efeitos de violação, que incluem dissonância cognitiva, auto-
atribuição/ culpa e perda de controle.4
MANEJO: recursostécnicos, resistência, PR....
Algumas das principais técnicas provenientes da transversalidade das
matrizes psicológicas são:
1. Distração: Propõe-se que o indivíduo desloque a atenção das suas sen-
sações e dos pensamentos relacionados ao craving para o mundo externo
(por exemplo, fazendo alguma atividade).
2. Cartões de crenças negativas/estratégias de enfrentamento: são fichas
portáteis com frases de impacto que servem para motivar o sujeito para
que não use drogas. Pode conter as crenças negativas/positivas;
desvantagens de usar, as vantagens em estar em abstinência ou sentenças
automotivacionais, atitudes, ações.
3. Relaxamento: são treinadas, na consulta, as técnicas de relaxamento, tanto
por meio da respiração quanto da distensão muscular/redutores
ansiedade
4. Refocalização: o indivíduo deve focalizar seu pensamento em uma frase
como “Pare!” ou em uma imagem específica não compatível com o uso
da droga.
5. Substituição por imagem negativa: o cliente deve substituir uma
imagem positiva que estaria associada ao uso da droga por outra,
negativa ligada aos prejuízos.
6. Substituição por imagem positiva: deve ser feita uma visualização de si
próprio como um vencedor(gratificação) que adquire benefícios a partir
da interrupção do uso da droga.
4. Ensaio por visualização: utilizado para preparar o indivíduo para
enfrentar situações de risco. O dependente químico deve, guiado pelo
terapeuta, imaginar-se em uma situação perigosa agindo de uma forma
assertiva, sem utilizar a substância, sendo trabalhados os pensamentos e
as emoções desencadeados, até que ele sinta-se seguro para enfrentá-
la.
MANEJO
8. Visualização de domínio: é utilizada quando o cliente não consegue se
imaginar resistindo ao craving. Ele é auxiliado pelo terapeuta a imaginar-
se vencendo a situação geradora de ansiedade, devendo ser quem decide
os rumos da ação fantasiada.
8. Mapas de Recaída; Solução de Problemas e Diários pensamento,
emoção, sensação…
8. Ensaio por representação, dramatização
9. Exercícios físicos: teatro, dança…. Prazer
8. Prazer e o sentido de Vida
8. Manejo do tempo
MANEJO
14. Práticas alternativas: massagem, meditação…
14. Grupos de promoção `a saúde: crescimento, insight…
15. Terapia ocupacional, arteterapia…..
16. Redes sociais apoio social real e virtual
17. Psiquiatria: prescrição de psicofármacos
18. Psicoterapia e EMDR
MANEJO
CARTÕES DE ENFRENTAMENTO3
Carta 1 Carta 2 Carta 3 Carta 4 Carta Final
Quando me
dou conta do
que causa
minhas
fissuras, não
sou pego de
surpresa:
tenho menos
chance de
recair
Quando eu
me dou conta
do que me faz
usar drogas
não sou pego
de surpresa e
tenho menos
chance de
voltar a a usar
Quando eu
caio na real
do que me dá
vontade de
usar não sou
pego distraído
e tenho
menos
possibilidade
de voltar a
usar
Quando eu
sei o que me
tenta tenho
mais chance
de recair
Quando me
dou conta do
que me faz
usar drogas
tenho menos
chances de
reacair
3:Williams, A. V.; Meyer, E. Pechansky , 2007
Cartas Negativas Cartas Positivas
Existem situações que tem tudo a
ver com drogas: festas shows...
Estou aprendendo a enfrentar
meus problemas de cara limpa
Quando eu uso drogas me sinto
bem
Depois que eu parei de usar
drogas algumas coisas na minha
vida mudaram para para melhor
Quando estou triste, nervoso ou
sozinho, as drogas me fazem me
sentir melhor
Quando eu sinto que não poderei
dizer não, decido não sair com
meus amigos
JOGO TERAPÊUTICO 3
3:Williams, A. V.; Meyer, E. Pechansky , 2007
ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA
• ESTRUTURA DA ABERTURA:
1. Enquadre da Primeira Sessão:
 Escuta e Acolhimento existencial
 Descrever o que irá acontecer: tempo disponível; explicação dos
papéis e objetivos do encontro; observância de detalhes
específicos de cada caso paciente e lugar – espaço de
entrevista...
 Explicar a metodologia: abordagem, estratégias, focalização
 Contrato terapêutico: sigilo, confiabilidade, regras do laço
social...
ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA
• ESTRUTURA DA ABERTURA:
2. Estratégias Iniciais:
 Fazer Perguntas Abertas
 Escutar Reflexivamente
 Encorajar
 Resumir
 Eliciar Informações Automotivacionais
ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA
• ESTRUTURA DA ABERTURA:
3. Perguntas Evocativas
4. Aprofundar
5.Usar Extremos
6. Olhar para trás – frente
7. Explorar Metas
8. O Paradoxo
9. O contato pós-consulta
ARMADILHAS DO PROCESSO NA
ENTREVISTA MOTIVACIONAL
1. Armadilha da Pergunta – Resposta
1. Armadilha do Confronto – Negação
1. Armadilha do Especialista
1. Armadilha da Rotulação
1. Armadilha do Foco Prematuro
1. Armadilha da Culpa
RESPOSTAS DE NÃO ESCUTAR
1. Ordenar, dirigir, ou comandar
2. Advertir ou ameaçar
3.Dar conselhos, fazer sugestões ou oferecer soluções
4. Persuadir com lógica, argumentação ou sermões
5.Moralizar, pregar ou dizer aos paciente o que eles
devem fazer
6. Discordar, julgar, criticar ou culpar
Thomas Gordon(1970) : 12 respostas
RESPOSTAS DE NÃO ESCUTAR
7.Concordar, aprovar ou elogiar
8. Envergonhar, ridicularizar ou rotular
9. Interpretar ou analisar
10. Consolar, solidarizar-se ou tranquilizar
11Questionar ou interrogar
12. Retrair-se, distrair, ser indulgente ou mudar de
assunto
Thomas Gordon(1970) : 12 respostas
LIMITES
1 Tempo
2.Auto-estima
3. Baixa auto-eficácia
4.Dificuldades com figura de autoridade
5. Patologias psiquiátricas/ Doenças orgânicas
6. Contextos sistêmicos que apontem limites de recursos e acessibilidade
7.Redes de apoio
8. Programas de Saúde
ESTILOS PROFISSIONAIS
1.Atitudes negativas
1.Doenças psiquiátricas e outras
1.Processos transferências
1.Hostilidades/Baixa responsividade/medo...
1.Preconceitos, estigmas....
1.Baixa autoconfiança
1.PODER
Referência Bibliográfica
 ARKOWITZ, Hal; WESTRA, Henny A.; MILLER, William R.; ROLNICK, Stephen. Entrevista
Motivacional no Tratamento de Problemas Psicológicos. São Paulo: ROCA, 2011
 GUTFREIND, Celso; CÉLIA; Isabel Leite; GUERRA, Victor; BECK, norma . A Obra de Salvador
Celia: Empatia, Utopia e Saúde Mental das Crianças. Porto Alegre: Artmed, 2013
 OLIVEIRA, M.S; LARANJEIRA, R. Teoria e prática da entrevista motivacional. In: KNAPP, P.
Terapia cognitivo comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed, 2004
 MILLER, William R. & ROLLNICK, Stephen. Entrevista motivacional. Porto Alegre, RS:
Artmed.
 MILLER, William R.; ROLNICK, Stephen & BUTLER, Christopher C. (2008). Entrevista
Motivacional No Cuidado Da Saúde: ajudando os pacientes a mudar de comportamento.
Porto Alegre, RS: Artmed. 2009.
 ROSEGREN, David B. Buldinge. Motivacional Interviewing Skills. New York-London: The
Guilford Press, 2009.
 VELICER, WF; DiCLEMENT, CC; ROSSI,JS; PROCHASCA, JO. Relapse situations and self-
efficacy: an integrative model. Addict Behav1990;15:271–83
Referência Bibliográfica
1. DATTILIO, Frank M; FREEMAN, Arthur M. Estratégias cognitivo-comportamentais para
intervenção em situação de crise. Porto Alegre: ARTMED, 2007 .
2. BRAIER, Eduardo Alberto Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica/ MARTINS FONTE
3. BELLAk, Leopold. Anuário de psicoterapia Breve, intensiva e de urgência
4. KNOBEL, M. Psicoterapia Breve. São Paulo: E.P.U., 1986.
5. FIORINI, J.H. Teoria e Técnica de Psicoterapia. Rio de Janeiro: Alves, 1991.
6. SANTOS, Eduardo F.S. Psicoterapia Breve. São Paulo: Agora, 1997.
7. WOLBERG, L.R.Psicoterapia Breve. Ed. Mestre Jou, 1979
8. LEMGRUBER, Vera. Psicoterapia Breve Integrada. São Paulo: Artes Médicas, 1997. SHAZER,
Steve. Terapia Familiar Breve. SUMMUS.
9. GILLIERON, E. Introdução Às Psicoterapias Breves. MARTINS FONTES
CONTATOS
Psic. Flora Couto
 (71)991486876/33582233
 flora.couto@gmail.com
 https://www.youtube.com/user/FloraCouto
 http://pt.slideshare.net/FloraCouto/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Nucleo Nacional
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacional
Flora Couto
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Sarah Karenina
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
Sarah Karenina
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Paulopereiraunirb
 
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuaisDiagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
Cenira Marcelo
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Marcelo da Rocha Carvalho
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia cognitiva completo desconhecido
Terapia cognitiva completo   desconhecidoTerapia cognitiva completo   desconhecido
Terapia cognitiva completo desconhecido
Abrahao Rocha Brandao
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
narasc
 
Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3
eprpfsr
 
Entrevis
EntrevisEntrevis
Entrevis
LuanaLago4
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
Luiz Herminio Lagoa Santa
 
Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2
Ricardo Alexandre
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
Ricardo Alexandre
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
psicologiaestoi
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Victor Nóbrega
 

Mais procurados (20)

Acompanhamento Terapêutico
Acompanhamento TerapêuticoAcompanhamento Terapêutico
Acompanhamento Terapêutico
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
 
Alves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacionalAlves: Entrevista motivacional
Alves: Entrevista motivacional
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuaisDiagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
Diagnóstico psicológico e terapia cognitiva considerações atuais
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo ComportamentalTCC - Terapia Cognitivo Comportamental
TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Terapia cognitiva completo desconhecido
Terapia cognitiva completo   desconhecidoTerapia cognitiva completo   desconhecido
Terapia cognitiva completo desconhecido
 
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
1 fichamento-diagnostico-do-paciente-e-a-escolha-da-psicoterapia
 
Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3Terapiacognitiva mod3
Terapiacognitiva mod3
 
Entrevis
EntrevisEntrevis
Entrevis
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
 
Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
 
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e CompromissoApresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
Apresentação Terapia de Aceitação e Compromisso
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
 

Destaque

Psicologia Online: escalas online de dependência química
Psicologia Online: escalas online de dependência químicaPsicologia Online: escalas online de dependência química
Psicologia Online: escalas online de dependência química
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Entrevista Motivacional
Entrevista MotivacionalEntrevista Motivacional
Entrevista Motivacional
J.R. Román, PhD(c), MS/MHC
 
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
Ângela Moraes
 
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
Clinica de Recuperação Luz do Mundo
 
Recaida
RecaidaRecaida
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
Nucleo Nacional
 
Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaída
giulliangel
 
O que é e como tratar a codependência?
O que é e como tratar a codependência?O que é e como tratar a codependência?
O que é e como tratar a codependência?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
CITRAT
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
karol_ribeiro
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 

Destaque (12)

Psicologia Online: escalas online de dependência química
Psicologia Online: escalas online de dependência químicaPsicologia Online: escalas online de dependência química
Psicologia Online: escalas online de dependência química
 
Entrevista Motivacional
Entrevista MotivacionalEntrevista Motivacional
Entrevista Motivacional
 
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
Palestra "Você tem ideia do bem que REALMENTE faz?"
 
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
PREVENÇÃO DA RECAÍDA (Marlatt-Gordon-Ribeiro)
 
Recaida
RecaidaRecaida
Recaida
 
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída PPR - Plano de Prevenção a Recaída
PPR - Plano de Prevenção a Recaída
 
Plano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaídaPlano de prevenção à recaída
Plano de prevenção à recaída
 
O que é e como tratar a codependência?
O que é e como tratar a codependência?O que é e como tratar a codependência?
O que é e como tratar a codependência?
 
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes QuímicosGuia de Tratamento para Dependentes Químicos
Guia de Tratamento para Dependentes Químicos
 
Apostila tratamento da dependência química
Apostila   tratamento da dependência químicaApostila   tratamento da dependência química
Apostila tratamento da dependência química
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
Como Aplicar Técnicas de Dinâmicas de Grupo para Dependentes Químicos?
 

Semelhante a 2016 1 ebm_fundamentação teórica_1

Dependência química tratamento mini curso
Dependência química tratamento mini cursoDependência química tratamento mini curso
Dependência química tratamento mini curso
Gabriela Haack
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
tania m f contrim
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
Marcelo da Rocha Carvalho
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
Flora Couto
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
CarlaNishimura3
 
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAbordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
AntnioMalvarMartinsN1
 
Samuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteóricoSamuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteórico
comunidadedepraticas
 
Palestra positivo
Palestra positivoPalestra positivo
Palestra positivo
Dra. Cleuza Canan
 
Como motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de riscoComo motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de risco
Flora Couto
 
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editadoM2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
Inaiara Bragante
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
Marcio Amoedo
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
Glaucia Lima de Magalhaes
 
Psicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupoPsicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupo
SandraMarisaSilvaVieira
 
Seminário Entrevista Psicanalítica
 Seminário Entrevista Psicanalítica Seminário Entrevista Psicanalítica
Seminário Entrevista Psicanalítica
Andreia Pessôa de Oliveira
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
Luciana Freitas
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Psicologia_2015
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
ssmxmnx8gj
 
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociaisIntrodução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
Esequias Caetano
 
Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo  Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo
Dr. Walter Cury
 

Semelhante a 2016 1 ebm_fundamentação teórica_1 (20)

Dependência química tratamento mini curso
Dependência química tratamento mini cursoDependência química tratamento mini curso
Dependência química tratamento mini curso
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
 
Etica em Psicoterapia
Etica em PsicoterapiaEtica em Psicoterapia
Etica em Psicoterapia
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
 
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAbordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
 
Samuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteóricoSamuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteórico
 
Palestra positivo
Palestra positivoPalestra positivo
Palestra positivo
 
Como motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de riscoComo motivar usuarios de risco
Como motivar usuarios de risco
 
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editadoM2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
Psicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupoPsicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupo
 
Seminário Entrevista Psicanalítica
 Seminário Entrevista Psicanalítica Seminário Entrevista Psicanalítica
Seminário Entrevista Psicanalítica
 
Diferenças de abordagens
Diferenças de abordagensDiferenças de abordagens
Diferenças de abordagens
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICOTexto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
Texto 6 ACONSELHAMENTO PSICOLOGICO
 
Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociaisIntrodução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
Introdução a avaliação e treinamento das habilidades sociais
 
Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo  Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo
 

Mais de Flora Couto

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
Flora Couto
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
Flora Couto
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
Flora Couto
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Flora Couto
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Flora Couto
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
Flora Couto
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
Flora Couto
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
Flora Couto
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Flora Couto
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
Flora Couto
 
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
Flora Couto
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
Flora Couto
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
Flora Couto
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
Flora Couto
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
Flora Couto
 
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
Flora Couto
 

Mais de Flora Couto (20)

Who msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_porWho msd msb_01.6b_por
Who msd msb_01.6b_por
 
4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb4622 19506-2-pb
4622 19506-2-pb
 
Cap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacionalCap.escuta entrevista motivacional
Cap.escuta entrevista motivacional
 
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestaltCorporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
Corporeidade corporeidade, fenomenologia, gestalt
 
Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_Igt corporeidade referências bibliográficas_
Igt corporeidade referências bibliográficas_
 
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência IGT_Corporeidade corporificando a experiência
IGT_Corporeidade corporificando a experiência
 
IGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporalIGT_Corporeidade_experimento corporal
IGT_Corporeidade_experimento corporal
 
2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação2016 1 ebm_orientação de avaliação
2016 1 ebm_orientação de avaliação
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e medicina_roteiro
 
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiroCenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
Cenários de simulação equipe de saúde psicologia e enfermagem_roteiro
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos_gabarito
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos_gabarito
 
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 6_análise de casos
 
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
2016 1 ebm_exercício 5_análise de casos
 
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
2016 1 ebm_ exemplos de estrutura da em
 
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
1228 monica bessa_oliveira_-_entrevista_motivacional_dependencia_quimica
 
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
MILLER(2016)-Bookshelf nbk64967
 
2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps2016 1 ebm_mrps
2016 1 ebm_mrps
 
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
2016 1 ebm_refêrencia bibliográfica
 
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
2016 1 ebm_exemplos de perguntas evocativas
 

2016 1 ebm_fundamentação teórica_1

  • 3. COMPONENTES ATIVOS DE UMA INTERVENÇÃO BREVE1 EFICAZ 1.MILLER e SANCHES “FRAMES” – (ADERIR): Princípios ativos comuns em todos os estudos levantados Empatia Devolução Responsabilidade RecomendaçãoInventário Auto-eficácia
  • 4. CINCO PRINCÍPIOS GERAIS2 2: Ref:(Miller & Rollnick, 2001) Empatia Evitar Argumentações Promover auto- eficácia Desenvolver discrepância Acompanhar resistência
  • 5. DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO CONFRONTO DA NEGAÇÃO ENTREVISTA MOTIVACIONAL Forte ênfase na aceitação da existência de um problema; aceitação do diagnóstico vista como essencial para a mudança Não há ênfase em rótulos; a aceitação da “alcoolismo”ou de outros rótulos é vista como desnecessária para que ocorro a mudança Ênfase na patologia da personalidade, que reduz a escolha, o julgamento e o controle pessoais Ênfase na escolha pessoal e na responsabilidade pela decisão quanto ao comportamento futuro O Terapeuta apresenta as evidências percebidas dos problemas para tentar convencer o paciente a aceitar o diagnóstico O Terapeuta conduz avaliações objetivas, mas concentra-se em eliciar as preocupações do paciente
  • 6. DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO CONFRONTO DA NEGAÇÃO ENTREVISTA MOTIVACIONAL A resistência é vista como “negação”, um traço que deve ser confrontado A resistência é vista como um padrão de comportamento interpessoal, influenciado pelo comportamento do terapeuta A resistência é tratada como correção e argumentação A resistência é tratada como reflexão As metas do tratamento e as estratégias de mudança são prescritas para o paciente pelo terapeuta; o paciente é visto como incapaz de tomar decisões firmes devido à “negação” As metas do tratamento e as estratégias de mudança são negociadas entre pacientes e terapeuta, baseadas em dados e aceitabilidade; o envolvimento do paciente e sua aceitação das metas são vistas como vitais
  • 7. DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO TREINAMENTO DE HABILIDADES ENTREVISTA MOTIVACIONAL Pressupõe que o paciente esteja motivado; nenhuma estratégia direta é usada para estimular a motivação Emprega princípios e estratégias especificas para estimular a motivação do paciente para a mudança Busca identificar e modificar cognições desadaptadas Explora e reflete as percepções do paciente sem rotulá-las ou corrigi-las Prescreve estratégias específicas de enfrentamento Elicia estratégias possíveis de mudança do paciente e outros significativos Ensina comportamentos de enfrentamento por meio da instrução, da modelagem, da prática dirigida e do feedback A responsabilidade pelos métodos de mudança é do paciente; não há treinamento, modelagem ou prática São ensinadas estratégias específicas de solução de problema Processos naturais de solução de problema são eliciados do paciente e seus familiares
  • 8. DIFERENÇA DA ABORDAGEM E DOS RESULTADOS DA ENTREVISTA MOTIVACIONAL E ESTILOS DE INTERVENÇÃO NÃO - DIRETIVAS ENTREVISTA MOTIVACIONAL Permite ao paciente determinar o conteúdo e o direcionamento ao aconselhamento Direciona sistematicamente o paciente para a motivação para a mudança Evita injetar os conselhos e o feedback do próprio terapeuta Oferece o feedback e os conselhos do terapeuta quando for adequado A reflexão empática é usada de forma não - contingente A reflexão empática é usada seletivamente, para reforçar certos processos. Explora os conflitos e emoções do paciente em sua forma atual Busca criar e ampliar a discrepância do paciente, de modo a aumentar a motivação para a mudança.
  • 9. Curva de Prochaska e Di Clemente 1 1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4. Recaída Contemplação DeterminaçãoAção Manutenção Pré-contemplaçãoSaída Permanante
  • 10. Aplicação da Curva em PRUS 1) Pré-contemplação – O indivíduo não acredita que o uso de álcool e/ou drogas seja prejudicial. Não existe a menor motivação para a mudança, seja abstinência seja redução da frequência ou intensidade do consumo. Muitas vezes existe uma idealização dos efeitos “eu fico mais criativo se fumo”, “eu consigo trabalhar a madrugada inteira com cocaína”… O profissional evita o confronto, sem faltar com sinceridade, muitas vezes flexibilizando o conceito de dependência ou motivando a busca por tratamento por motivos secundários. Tarefa do Terapeuta : aumentar dúvidas. 1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4.
  • 11. 2) Contemplação – Aqui prevalece a ambivalência do indivíduo com relação ao problema. Ainda que perceba prejuízos, defende- se minimizando os mesmos, ou contrapondo benefícios advindos do uso. Nessa fase o profissional pode fazer uso das tabelas de vantagens e desvantagens do uso e da abstinência, geralmente confrontando a manutenção do uso de drogas com os planos para o futuro que o paciente eventualmente apresentar. TT: pontuar falta de equilibrio, estabelecendo razões para mudar ou não. Aplicação da Curva em PRUS
  • 12. 3) Planejamento ou Determinação – Nesse momento o adicto compreende o problema, e pede ajuda de fato. O papel do profissional é auxiliar a elaboração de estratégias de enfrentamento de realidade, identificar e trabalhar crenças negativas favorecendo o surgimento e/ou fortalecimento da autossuficiência – modificar as crenças disfuncionais como “se eu não fumar não vou conseguir trabalhar” ou “eu não consigo segurar a abstinência”. Basicamente oferecer soluções e diminuir barreiras de forma rápida, já que o retorno aos estágios anteriores é comum (especialmente quando o indivíduo usa a droga de preferência). TT: determinar melhor estratégia para mudança. Aplicação da Curva em PRUS
  • 13. 4)Ação – Neste momento o dependente começa a aplicar as estratégias e o planejamento elaborados na fase anterior. O profissional oferece todo o suporte necessário, buscando envolver o núcleo familiar e a rede social mais próxima (sejam amigos ou companheiros de grupos anônimos). TT: valorizar e organizar movimento em direção a mudança. Aplicação da Curva em PRUS
  • 14. 1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4. 5) Manutenção – Busca-se nessa fase a estabilização da doença, tentando transformar as mudanças efetuadas na fase anterior em um novo (e mais saudável) estilo de vida. A prevenção de recaída (PPR) é uma das técnicas diretivas mais difundidas e estudadas, os grupos anônimos de mútuo-ajuda (Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos) fornecem uma rede social de suporte idealmente livre de julgamentos – o auxílio não-profissional deveria ser priorizado, exceto nos não-raros casos em que existe alguma comorbidade. A autossuficiência trabalhada nas fases anteriores não deve ser exagerada – um risco real, quando o adicto sente que controlou a situação, permitindo-se o primeiro gole ou um “único” trago… TT: auxilia o cliente a identificar estratégias para prevenção de recaídas, como o fortalecimento da auto-eficácia. Aplicação da Curva em PRUS
  • 15. Motivação para mudança11 1. Fonte: Prochaska, JO; DiClemente, CC. Toward a comprehensive model of change. In: Miller, WR; Heather, N. (eds.) Treating addictive behaviors: processes of change. New York: Plenum Press; 1986. p. 3–27. ISBN 0-306-42248-4. 6) Recaída: ainda que não consideremos uma fase ou estágio, costuma ser regra e não exceção – estima-se que menos de 5% dos dependentes químicos que conseguem algum período de sobriedade conseguirão mantê-la sem nenhum lapso. E como com qualquer comportamento compulsivo, um único uso pode ser suficiente para levantar novamente toda uma rede de crenças negativas, fazendo o indivíduo voltar às fases iniciais de motivação. TT: deve ajudar o cliente a recomeçar o processo, avaliando se o paciente não desenvolveu uma resposta de enfrentamento. Sua auto-eficácia será menor; portanto, haverá uma maior probabilidade de mais recaídas, como os respectivos efeitos de violação, que incluem dissonância cognitiva, auto- atribuição/ culpa e perda de controle.4
  • 16. MANEJO: recursostécnicos, resistência, PR.... Algumas das principais técnicas provenientes da transversalidade das matrizes psicológicas são: 1. Distração: Propõe-se que o indivíduo desloque a atenção das suas sen- sações e dos pensamentos relacionados ao craving para o mundo externo (por exemplo, fazendo alguma atividade). 2. Cartões de crenças negativas/estratégias de enfrentamento: são fichas portáteis com frases de impacto que servem para motivar o sujeito para que não use drogas. Pode conter as crenças negativas/positivas; desvantagens de usar, as vantagens em estar em abstinência ou sentenças automotivacionais, atitudes, ações. 3. Relaxamento: são treinadas, na consulta, as técnicas de relaxamento, tanto por meio da respiração quanto da distensão muscular/redutores ansiedade
  • 17. 4. Refocalização: o indivíduo deve focalizar seu pensamento em uma frase como “Pare!” ou em uma imagem específica não compatível com o uso da droga. 5. Substituição por imagem negativa: o cliente deve substituir uma imagem positiva que estaria associada ao uso da droga por outra, negativa ligada aos prejuízos. 6. Substituição por imagem positiva: deve ser feita uma visualização de si próprio como um vencedor(gratificação) que adquire benefícios a partir da interrupção do uso da droga. 4. Ensaio por visualização: utilizado para preparar o indivíduo para enfrentar situações de risco. O dependente químico deve, guiado pelo terapeuta, imaginar-se em uma situação perigosa agindo de uma forma assertiva, sem utilizar a substância, sendo trabalhados os pensamentos e as emoções desencadeados, até que ele sinta-se seguro para enfrentá- la. MANEJO
  • 18. 8. Visualização de domínio: é utilizada quando o cliente não consegue se imaginar resistindo ao craving. Ele é auxiliado pelo terapeuta a imaginar- se vencendo a situação geradora de ansiedade, devendo ser quem decide os rumos da ação fantasiada. 8. Mapas de Recaída; Solução de Problemas e Diários pensamento, emoção, sensação… 8. Ensaio por representação, dramatização 9. Exercícios físicos: teatro, dança…. Prazer 8. Prazer e o sentido de Vida 8. Manejo do tempo MANEJO
  • 19. 14. Práticas alternativas: massagem, meditação… 14. Grupos de promoção `a saúde: crescimento, insight… 15. Terapia ocupacional, arteterapia….. 16. Redes sociais apoio social real e virtual 17. Psiquiatria: prescrição de psicofármacos 18. Psicoterapia e EMDR MANEJO
  • 20. CARTÕES DE ENFRENTAMENTO3 Carta 1 Carta 2 Carta 3 Carta 4 Carta Final Quando me dou conta do que causa minhas fissuras, não sou pego de surpresa: tenho menos chance de recair Quando eu me dou conta do que me faz usar drogas não sou pego de surpresa e tenho menos chance de voltar a a usar Quando eu caio na real do que me dá vontade de usar não sou pego distraído e tenho menos possibilidade de voltar a usar Quando eu sei o que me tenta tenho mais chance de recair Quando me dou conta do que me faz usar drogas tenho menos chances de reacair 3:Williams, A. V.; Meyer, E. Pechansky , 2007
  • 21. Cartas Negativas Cartas Positivas Existem situações que tem tudo a ver com drogas: festas shows... Estou aprendendo a enfrentar meus problemas de cara limpa Quando eu uso drogas me sinto bem Depois que eu parei de usar drogas algumas coisas na minha vida mudaram para para melhor Quando estou triste, nervoso ou sozinho, as drogas me fazem me sentir melhor Quando eu sinto que não poderei dizer não, decido não sair com meus amigos JOGO TERAPÊUTICO 3 3:Williams, A. V.; Meyer, E. Pechansky , 2007
  • 22. ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA • ESTRUTURA DA ABERTURA: 1. Enquadre da Primeira Sessão:  Escuta e Acolhimento existencial  Descrever o que irá acontecer: tempo disponível; explicação dos papéis e objetivos do encontro; observância de detalhes específicos de cada caso paciente e lugar – espaço de entrevista...  Explicar a metodologia: abordagem, estratégias, focalização  Contrato terapêutico: sigilo, confiabilidade, regras do laço social...
  • 23. ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA • ESTRUTURA DA ABERTURA: 2. Estratégias Iniciais:  Fazer Perguntas Abertas  Escutar Reflexivamente  Encorajar  Resumir  Eliciar Informações Automotivacionais
  • 24. ESTIMULANDO A MOTIVAÇÃO PARA A MUDANÇA • ESTRUTURA DA ABERTURA: 3. Perguntas Evocativas 4. Aprofundar 5.Usar Extremos 6. Olhar para trás – frente 7. Explorar Metas 8. O Paradoxo 9. O contato pós-consulta
  • 25. ARMADILHAS DO PROCESSO NA ENTREVISTA MOTIVACIONAL 1. Armadilha da Pergunta – Resposta 1. Armadilha do Confronto – Negação 1. Armadilha do Especialista 1. Armadilha da Rotulação 1. Armadilha do Foco Prematuro 1. Armadilha da Culpa
  • 26. RESPOSTAS DE NÃO ESCUTAR 1. Ordenar, dirigir, ou comandar 2. Advertir ou ameaçar 3.Dar conselhos, fazer sugestões ou oferecer soluções 4. Persuadir com lógica, argumentação ou sermões 5.Moralizar, pregar ou dizer aos paciente o que eles devem fazer 6. Discordar, julgar, criticar ou culpar Thomas Gordon(1970) : 12 respostas
  • 27. RESPOSTAS DE NÃO ESCUTAR 7.Concordar, aprovar ou elogiar 8. Envergonhar, ridicularizar ou rotular 9. Interpretar ou analisar 10. Consolar, solidarizar-se ou tranquilizar 11Questionar ou interrogar 12. Retrair-se, distrair, ser indulgente ou mudar de assunto Thomas Gordon(1970) : 12 respostas
  • 28. LIMITES 1 Tempo 2.Auto-estima 3. Baixa auto-eficácia 4.Dificuldades com figura de autoridade 5. Patologias psiquiátricas/ Doenças orgânicas 6. Contextos sistêmicos que apontem limites de recursos e acessibilidade 7.Redes de apoio 8. Programas de Saúde
  • 29. ESTILOS PROFISSIONAIS 1.Atitudes negativas 1.Doenças psiquiátricas e outras 1.Processos transferências 1.Hostilidades/Baixa responsividade/medo... 1.Preconceitos, estigmas.... 1.Baixa autoconfiança 1.PODER
  • 30. Referência Bibliográfica  ARKOWITZ, Hal; WESTRA, Henny A.; MILLER, William R.; ROLNICK, Stephen. Entrevista Motivacional no Tratamento de Problemas Psicológicos. São Paulo: ROCA, 2011  GUTFREIND, Celso; CÉLIA; Isabel Leite; GUERRA, Victor; BECK, norma . A Obra de Salvador Celia: Empatia, Utopia e Saúde Mental das Crianças. Porto Alegre: Artmed, 2013  OLIVEIRA, M.S; LARANJEIRA, R. Teoria e prática da entrevista motivacional. In: KNAPP, P. Terapia cognitivo comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed, 2004  MILLER, William R. & ROLLNICK, Stephen. Entrevista motivacional. Porto Alegre, RS: Artmed.  MILLER, William R.; ROLNICK, Stephen & BUTLER, Christopher C. (2008). Entrevista Motivacional No Cuidado Da Saúde: ajudando os pacientes a mudar de comportamento. Porto Alegre, RS: Artmed. 2009.  ROSEGREN, David B. Buldinge. Motivacional Interviewing Skills. New York-London: The Guilford Press, 2009.  VELICER, WF; DiCLEMENT, CC; ROSSI,JS; PROCHASCA, JO. Relapse situations and self- efficacy: an integrative model. Addict Behav1990;15:271–83
  • 31. Referência Bibliográfica 1. DATTILIO, Frank M; FREEMAN, Arthur M. Estratégias cognitivo-comportamentais para intervenção em situação de crise. Porto Alegre: ARTMED, 2007 . 2. BRAIER, Eduardo Alberto Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica/ MARTINS FONTE 3. BELLAk, Leopold. Anuário de psicoterapia Breve, intensiva e de urgência 4. KNOBEL, M. Psicoterapia Breve. São Paulo: E.P.U., 1986. 5. FIORINI, J.H. Teoria e Técnica de Psicoterapia. Rio de Janeiro: Alves, 1991. 6. SANTOS, Eduardo F.S. Psicoterapia Breve. São Paulo: Agora, 1997. 7. WOLBERG, L.R.Psicoterapia Breve. Ed. Mestre Jou, 1979 8. LEMGRUBER, Vera. Psicoterapia Breve Integrada. São Paulo: Artes Médicas, 1997. SHAZER, Steve. Terapia Familiar Breve. SUMMUS. 9. GILLIERON, E. Introdução Às Psicoterapias Breves. MARTINS FONTES
  • 32. CONTATOS Psic. Flora Couto  (71)991486876/33582233  flora.couto@gmail.com  https://www.youtube.com/user/FloraCouto  http://pt.slideshare.net/FloraCouto/