SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
JOÃO VICTOR L. SOUTO
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
2
• Histórico;
• Ranking mundial;
• Ranking nacional;
• Panorama mundial;
• Panorama nacional;
• Preço;
• Sistema produtivo.
SUMÁRIO
3
• Gossypium hirsutum L.;
• Domesticado há mais de 4.000 anos, no Sul da Arábia;
• Os Incas, no Peru, utilizavam o algodão em 4.500 a.C;
• Algodão chegou na Europa introduzidos pelos Árabes;
• Europeus começaram a usar algodão na época das Cruzadas.
HISTÓRICO
Fonte:
WIikepedia,
2021.
4
• No século XVIII, tivemos o desenvolvimento de máquinas de fiação.
HISTÓRICO
Fonte:
CAPES,
2021.
5
HISTÓRICO
• Em 1792, Eli Whitney inventou o descaroçador de algodão;
• Separando mecanicamente fibras do caroço de algodão;
• Transformando os Estados Unidos no maior produtor de algodão da época.
Fonte:
CAPES,
2021.
6
BRASIL
• Os índios já conheciam a cultura antes da descoberta do Brasil;
• Colhiam, teciam e tingiam tecidos;
• Redes, cobertores;
• Martins Soares Moreno, no Ceará;
• Padre Anchieta, em São Paulo.
Fonte:
Folhas
avulsas,
2021.
7
BRASIL
• O Maranhão, despontou como primeiro grande produtor;
• 1760 exportava para Europa;
• 130 para 78.300 sacas em 1830;
• EUA se projetaram no mercado no século XIX;
• Produção brasileira em decadência.
8
BRASIL
• 1918:
–Guerra Mundial;
–Grande geada nos cafezais.
• Produção recorde no Estado de São Paulo;
• 50 mil toneladas de plumas;
• Indústria têxtil começa um engajamento;
• Aproveitamento do caroço de algodão;
• IAC;
• Melhoramento genético (1924).
9
BRASIL
• 1929:
–Crise do café;
–São Paulo ganha o título de maior produtor;
–Variedades selecionadas e paulistas.
• 1944, atingiu a marca de 463 mil toneladas;
• Pragas e doenças.
10
GOIÁS
• Santa Helena de Goiás;
• Sudoeste do estado;
• Capital brasileira do Ouro Branco;
• 1960 e 1970;
• A região chegou a plantar 144 mil ha;
• Em 1975, mais de 90% dos tratores do estado estavam a serviço do algodão;
• Terras altas;
• Algodeira Shimohira, inaugurada em 1996.
11
BRASIL
• 1980: Anthonumus grandis.
Fonte: Agrolink, 2021.
Fonte: Casa do algodão, 2021.
12
BRASIL
• A produção migrou para o Mato Grosso;
• Chapadão dos Parecis;
• Visando acabar com a monocultura;
• CNPA ITA90:
–1992/1993;
–Mais de 50% da área plantada no Cerrado;
–Rendimento médio de 300@/ha;
–Resistência moderada a ramulose, mancha de ramularia e pinta preta.
13
RANKING MUNDIAL
Fonte: ABRAPA, 2021.
14
RANKING MUNDIAL
Fonte: SLC, 2021.
Clique para adicionar texto
15
RANKING MUNDIAL
Fonte: SLC, 2021.
Clique para adicionar texto
16
RANKING MUNDIAL
• Maiores importadores:
Fonte: ABRAPA, 2021.
17
PANORAMA MUNDIAL
• Produção mundial:
–Safra 20/21: 24,67 milhões de toneladas;
–7,2% a menos que a safra 19/20;
–Consumo caiu 14,7% na safra 19/20;
–COVID-19;
–Expectativa de recuperação;
–Voltando para a casa dos 25,6 milhões de toneladas na safra 20/21.
18
PANORAMA MUNDIAL
Fonte: SLC, 2021.
19
PANORAMA MUNDIAL
• China:
–Maior consumidor mundial da fibra;
–2° maior produtor, alternando esse posto com a Índia.
• Estados Unidos:
–Maior exportador mundial;
–Estima uma quebra de 26,18%;
–3° maior produtor.
• Bangladesh:
–Segundo maior importador;
–Aumentou a previsão de importação para essa safra.
20
PANORAMA MUNDIAL
• Índia:
–2° maior consumidor mundial;
–Algodão mais barato do mundo;
–Maior produtor da pluma.
• Paquistão:
–3° maior consumidor mundial e importador;
–4° maior produtor;
–Importações recordes para a safra 2020/21;
–1,2 milhões de t;
–Quebras de safras consecutivas;
–Estima uma quebra de 27%.
Fonte:
Surto
história,
2021.
21
RANKING NACIONAL DE PRODUÇÃO
Fonte: ABRAPA, 2021.
22
RANKING NACIONAL
Fonte: ABRAPA, 2021.
23
RANKING NACIONAL
Fonte: ABRAPA, 2021.
24
RANKING NACIONAL
Fonte: ABRAPA, 2021.
25
PANORAMA NACIONAL
Fonte:
CONAB,
2021.
26
• 2 maior exportador da fibra;
• Produção e exportação recorde em 2020;
• Alta do dólar;
• Recuperação da demanda no segundo semestre de 2020;
• Preços internos nos maiores valores nominais já registrados.
PANORAMA NACIONAL
27
PANORAMA NACIONAL
Fonte: CONAB, 2021.
28
• Expectativa de um produção de 2,44 milhões de toneladas de pluma;
• Previsão de exportação 2,3 milhões de toneladas;
• Estoques nacionais elevados;
• Produção estima uma queda em 16,5%.
PANORAMA NACIONAL
29
PANORAMA NACIONAL
Fonte: CONAB, 2021.
30
PANORAMA NACIONAL
Fonte: ABRAPA, 202).
31
PANORAMA NACIONAL
Fonte: ABRAPA, 2021.
32
• Commodity:
PREÇO
Fonte: BM&F, 2021.
33
• Commodity:
PREÇO
Fonte: BM&F, 2021.
34
• Commodity:
PREÇO
Fonte: BM&F, 2021.
35
• Mercado Internacional X Nacional;
• Mercado interno forte;
• Preço base ICE (NYSE)-EUA;
• Preço base ESALQ.
PREÇO
36
PREÇO
Fonte: SLC, 2021.
37
PREÇO
Fonte: ABRAPA, 2021.
38
PREÇO CAROÇO DE ALGODÃO
Fonte: ABRAPA, 2021.
39
SISTEMA PRODUTIVO
40
• Chuva;
• Temperatura;
• Umidade relativa;
• Duração do dia;
• Velocidade do vento;
• Intensidade da luz.
CLIMA
41
CLIMA
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
42
• Preparo convencional;
• Preparo mínimo;
• Plantio Direto.
MANEJO DE SOLO
43
• Plantio sobre a palhada do cultivo anterior.
PLANTIO DIRETO
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
44
• Etapa mais importante;
• Escolha correta da cultivar;
• Definição da época de semeadura;
• População final desejada;
• Profundidade de semeadura;
• Tratamento de sementes.
PLANTIO
Fonte: EMBRAPA, 2021.
45
• Controla o excessivo desenvolvimento vegetativo dos algodoeiros;
• Diminui o ciclo por meio da redução do número excessivo de nós;
• Facilita a colheita mecanizada;
• Melhora a qualidade da fibra por meio da redução de impurezas como galhos, folhas e
cascas dos ramos.
REGULADORES DE CRESCIMENTO
46
REGULADORES DE CRESCIMENTO
Fonte: EMBRAPA, 2021.
47
• São usados com o objetivo de planejar e melhorar o desempenho da colheita mecânica;
• Reduzir a umidade das fibras;
• Proporcionar a obtenção de um produto mais limpo;
• Reduzindo os custos do beneficiamento.
DESFOLHANTES E MATURADORES
48
• Principais produtos utilizados:
–Tidiazuron + diuron – 120 + 60 g L-1 – dose recomendada é de 48 a 60 g ha-1 de
tidiazuron + 24 a 30 g ha-1 de diuron;
–Carfentrazone-ethyl (triazolona) – 400 g L-1 – dose recomendada – 40 a 60 g ha-1 + 1%
v.v, de óleo mineral. Deve-se tomar cuidado com a concentração de óleo mineral, pois
sendo superior a 1% v.v, poderá comprometer a qualidade da fibra, causando sobretudo
pegajosidade.
DESFOLHANTES E MATURADORES
49
• As principais características utilizadas pelo produtor na tomada de decisão para a escolha
da cultivar:
–Potencial produtivo;
–Percentagem de fibra e adaptação da mesma a sua região;
–Ciclo fenológico;
–Tecnologia de transgenia;
–Resistência a doenças e nematoides;
–Comprimento da fibra.
CULTIVARES
50
• Ciclo tardio:
–São indicadas na abertura do plantio em regiões que fazem o cultivo de safra única ou
também denominado “algodão safra”;
–São muito utilizadas na Bahia, Tocantins, Maranhão e Piauí, bem como em algumas
áreas que cultivam uma única safra no sul dos estados de Mato Grosso, Goiás e Mato
Grosso do Sul;
–São consideradas cultivares tardias aquelas que demandam acima de 180 dias da
emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como referência
as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no período de safra.
CICLO FENOLÓGICO
51
• Ciclo médio:
–São indicadas para cultivo em safra podendo também ser empregadas em segunda
safra;
–São consideradas cultivares de ciclo médio aquelas que demandam entre 160 a 180 dias
da emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como
referência as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no
período de safra.
CICLO FENOLÓGICO
52
• Ciclo precoce:
–São indicadas para fechamento de plantio na primeira safra e para plantios tardios na
segunda safra ou “safrinha”;
–Têm menor capacidade de recuperação da produção quando submetidas a estresses
ambientais do que as de ciclo médio, em função do ciclo mais determinado;
–São consideradas cultivares de ciclo precoce aquelas que demandam menos de 160 dias
da emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como
referência as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no
período de safra.
CICLO FENOLÓGICO
53
PRINCIPAIS DOENÇAS
54
• Ramularia areola;
• Manchas esbranquiçadas, de formato anguloso em ambas as superfícies foliares.
MANCHA RAMULÁRIA
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
55
• Colletotrichum gossypii var. Cephalosporioides.
RAMULOSE
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
56
• É causada por duas espécies de fungos pertencentes ao gênero Alternaria;
• A mais comum é causada por Alternaria macrospora, a outra Alternaria alternata;
• Causam pequenas manchas circulares de coloração marrom no centro e bordas
enegrecidas.
MANCHA DE ALTERNÁRIA
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
57
PRINCIPAIS PRAGAS
58
• Anthonomus grandis.
BICUDO
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
59
• Spodoptera frugiperda.
COMPLEXO SPODOPTERA
Fonte: EMBRAPA, 2021.
Fonte: EMBRAPA, 2021.
60
• Spodoptera eridania.
COMPLEXO SPODOPTERA
Fonte: EMBRAPA, 2021. Fonte: EMBRAPA, 2021.
61
• Spodoptera cosmioides.
COMPLEXO SPODOPTERA
Fonte: EMBRAPA, 2021.
Fonte: EMBRAPA, 2021.
62
COLHEITA
Fonte: EMBRAPA, 2021.
63
COLHEITA
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
64
BENEFICIAMENTO
Fonte:
EMBRAPA,
2021.
65
BENEFICIAMENTO
Fonte: EMBRAPA, 2021.
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
jv_souto@outlook.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Introdução à cultura e aspectos econômicos da soja
Introdução à cultura e aspectos econômicos da sojaIntrodução à cultura e aspectos econômicos da soja
Introdução à cultura e aspectos econômicos da soja
 
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURAINTRODUÇÃO A COTONICULTURA
INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de MilhoMelhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
Melhoramento Genético e Biotecnologias de Milho
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 

Semelhante a Introdução a cotonicultura

Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Geagra UFG
 
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
Leandro
 
Dimensão do agronegócio no município de jataí go
Dimensão do agronegócio no município de jataí goDimensão do agronegócio no município de jataí go
Dimensão do agronegócio no município de jataí go
Daniel Vilela
 

Semelhante a Introdução a cotonicultura (20)

BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOBENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Inhame
InhameInhame
Inhame
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão Orgânico
 
Impacto Do Ser Humano
Impacto Do Ser HumanoImpacto Do Ser Humano
Impacto Do Ser Humano
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 
Enfardadora de palha
Enfardadora de palhaEnfardadora de palha
Enfardadora de palha
 
INDUSTRIALIZAÇÃO DO ALGODÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO DO ALGODÃOINDUSTRIALIZAÇÃO DO ALGODÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO DO ALGODÃO
 
geografia agraria Geral.pptx
geografia agraria Geral.pptxgeografia agraria Geral.pptx
geografia agraria Geral.pptx
 
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptxColheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
 
Colheita do algodoeiro
Colheita do algodoeiroColheita do algodoeiro
Colheita do algodoeiro
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
 
Apresentaãão algodão-1.pptx
Apresentaãão   algodão-1.pptxApresentaãão   algodão-1.pptx
Apresentaãão algodão-1.pptx
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Sorgo: Comercialização e Logística
Sorgo:  Comercialização e LogísticaSorgo:  Comercialização e Logística
Sorgo: Comercialização e Logística
 
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
Apostila algodesdefibraslongaseextralongas.
 
Dimensão do agronegócio no município de jataí go
Dimensão do agronegócio no município de jataí goDimensão do agronegócio no município de jataí go
Dimensão do agronegócio no município de jataí go
 
AGROTOXICOS CONTROL SAUDE TRABALHADORES.ppt
AGROTOXICOS CONTROL SAUDE TRABALHADORES.pptAGROTOXICOS CONTROL SAUDE TRABALHADORES.ppt
AGROTOXICOS CONTROL SAUDE TRABALHADORES.ppt
 

Mais de Geagra UFG

Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 

Introdução a cotonicultura

  • 1. JOÃO VICTOR L. SOUTO INTRODUÇÃO A COTONICULTURA
  • 2. 2 • Histórico; • Ranking mundial; • Ranking nacional; • Panorama mundial; • Panorama nacional; • Preço; • Sistema produtivo. SUMÁRIO
  • 3. 3 • Gossypium hirsutum L.; • Domesticado há mais de 4.000 anos, no Sul da Arábia; • Os Incas, no Peru, utilizavam o algodão em 4.500 a.C; • Algodão chegou na Europa introduzidos pelos Árabes; • Europeus começaram a usar algodão na época das Cruzadas. HISTÓRICO Fonte: WIikepedia, 2021.
  • 4. 4 • No século XVIII, tivemos o desenvolvimento de máquinas de fiação. HISTÓRICO Fonte: CAPES, 2021.
  • 5. 5 HISTÓRICO • Em 1792, Eli Whitney inventou o descaroçador de algodão; • Separando mecanicamente fibras do caroço de algodão; • Transformando os Estados Unidos no maior produtor de algodão da época. Fonte: CAPES, 2021.
  • 6. 6 BRASIL • Os índios já conheciam a cultura antes da descoberta do Brasil; • Colhiam, teciam e tingiam tecidos; • Redes, cobertores; • Martins Soares Moreno, no Ceará; • Padre Anchieta, em São Paulo. Fonte: Folhas avulsas, 2021.
  • 7. 7 BRASIL • O Maranhão, despontou como primeiro grande produtor; • 1760 exportava para Europa; • 130 para 78.300 sacas em 1830; • EUA se projetaram no mercado no século XIX; • Produção brasileira em decadência.
  • 8. 8 BRASIL • 1918: –Guerra Mundial; –Grande geada nos cafezais. • Produção recorde no Estado de São Paulo; • 50 mil toneladas de plumas; • Indústria têxtil começa um engajamento; • Aproveitamento do caroço de algodão; • IAC; • Melhoramento genético (1924).
  • 9. 9 BRASIL • 1929: –Crise do café; –São Paulo ganha o título de maior produtor; –Variedades selecionadas e paulistas. • 1944, atingiu a marca de 463 mil toneladas; • Pragas e doenças.
  • 10. 10 GOIÁS • Santa Helena de Goiás; • Sudoeste do estado; • Capital brasileira do Ouro Branco; • 1960 e 1970; • A região chegou a plantar 144 mil ha; • Em 1975, mais de 90% dos tratores do estado estavam a serviço do algodão; • Terras altas; • Algodeira Shimohira, inaugurada em 1996.
  • 11. 11 BRASIL • 1980: Anthonumus grandis. Fonte: Agrolink, 2021. Fonte: Casa do algodão, 2021.
  • 12. 12 BRASIL • A produção migrou para o Mato Grosso; • Chapadão dos Parecis; • Visando acabar com a monocultura; • CNPA ITA90: –1992/1993; –Mais de 50% da área plantada no Cerrado; –Rendimento médio de 300@/ha; –Resistência moderada a ramulose, mancha de ramularia e pinta preta.
  • 14. 14 RANKING MUNDIAL Fonte: SLC, 2021. Clique para adicionar texto
  • 15. 15 RANKING MUNDIAL Fonte: SLC, 2021. Clique para adicionar texto
  • 16. 16 RANKING MUNDIAL • Maiores importadores: Fonte: ABRAPA, 2021.
  • 17. 17 PANORAMA MUNDIAL • Produção mundial: –Safra 20/21: 24,67 milhões de toneladas; –7,2% a menos que a safra 19/20; –Consumo caiu 14,7% na safra 19/20; –COVID-19; –Expectativa de recuperação; –Voltando para a casa dos 25,6 milhões de toneladas na safra 20/21.
  • 19. 19 PANORAMA MUNDIAL • China: –Maior consumidor mundial da fibra; –2° maior produtor, alternando esse posto com a Índia. • Estados Unidos: –Maior exportador mundial; –Estima uma quebra de 26,18%; –3° maior produtor. • Bangladesh: –Segundo maior importador; –Aumentou a previsão de importação para essa safra.
  • 20. 20 PANORAMA MUNDIAL • Índia: –2° maior consumidor mundial; –Algodão mais barato do mundo; –Maior produtor da pluma. • Paquistão: –3° maior consumidor mundial e importador; –4° maior produtor; –Importações recordes para a safra 2020/21; –1,2 milhões de t; –Quebras de safras consecutivas; –Estima uma quebra de 27%. Fonte: Surto história, 2021.
  • 21. 21 RANKING NACIONAL DE PRODUÇÃO Fonte: ABRAPA, 2021.
  • 26. 26 • 2 maior exportador da fibra; • Produção e exportação recorde em 2020; • Alta do dólar; • Recuperação da demanda no segundo semestre de 2020; • Preços internos nos maiores valores nominais já registrados. PANORAMA NACIONAL
  • 28. 28 • Expectativa de um produção de 2,44 milhões de toneladas de pluma; • Previsão de exportação 2,3 milhões de toneladas; • Estoques nacionais elevados; • Produção estima uma queda em 16,5%. PANORAMA NACIONAL
  • 35. 35 • Mercado Internacional X Nacional; • Mercado interno forte; • Preço base ICE (NYSE)-EUA; • Preço base ESALQ. PREÇO
  • 38. 38 PREÇO CAROÇO DE ALGODÃO Fonte: ABRAPA, 2021.
  • 40. 40 • Chuva; • Temperatura; • Umidade relativa; • Duração do dia; • Velocidade do vento; • Intensidade da luz. CLIMA
  • 42. 42 • Preparo convencional; • Preparo mínimo; • Plantio Direto. MANEJO DE SOLO
  • 43. 43 • Plantio sobre a palhada do cultivo anterior. PLANTIO DIRETO Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 44. 44 • Etapa mais importante; • Escolha correta da cultivar; • Definição da época de semeadura; • População final desejada; • Profundidade de semeadura; • Tratamento de sementes. PLANTIO Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 45. 45 • Controla o excessivo desenvolvimento vegetativo dos algodoeiros; • Diminui o ciclo por meio da redução do número excessivo de nós; • Facilita a colheita mecanizada; • Melhora a qualidade da fibra por meio da redução de impurezas como galhos, folhas e cascas dos ramos. REGULADORES DE CRESCIMENTO
  • 47. 47 • São usados com o objetivo de planejar e melhorar o desempenho da colheita mecânica; • Reduzir a umidade das fibras; • Proporcionar a obtenção de um produto mais limpo; • Reduzindo os custos do beneficiamento. DESFOLHANTES E MATURADORES
  • 48. 48 • Principais produtos utilizados: –Tidiazuron + diuron – 120 + 60 g L-1 – dose recomendada é de 48 a 60 g ha-1 de tidiazuron + 24 a 30 g ha-1 de diuron; –Carfentrazone-ethyl (triazolona) – 400 g L-1 – dose recomendada – 40 a 60 g ha-1 + 1% v.v, de óleo mineral. Deve-se tomar cuidado com a concentração de óleo mineral, pois sendo superior a 1% v.v, poderá comprometer a qualidade da fibra, causando sobretudo pegajosidade. DESFOLHANTES E MATURADORES
  • 49. 49 • As principais características utilizadas pelo produtor na tomada de decisão para a escolha da cultivar: –Potencial produtivo; –Percentagem de fibra e adaptação da mesma a sua região; –Ciclo fenológico; –Tecnologia de transgenia; –Resistência a doenças e nematoides; –Comprimento da fibra. CULTIVARES
  • 50. 50 • Ciclo tardio: –São indicadas na abertura do plantio em regiões que fazem o cultivo de safra única ou também denominado “algodão safra”; –São muito utilizadas na Bahia, Tocantins, Maranhão e Piauí, bem como em algumas áreas que cultivam uma única safra no sul dos estados de Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul; –São consideradas cultivares tardias aquelas que demandam acima de 180 dias da emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como referência as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no período de safra. CICLO FENOLÓGICO
  • 51. 51 • Ciclo médio: –São indicadas para cultivo em safra podendo também ser empregadas em segunda safra; –São consideradas cultivares de ciclo médio aquelas que demandam entre 160 a 180 dias da emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como referência as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no período de safra. CICLO FENOLÓGICO
  • 52. 52 • Ciclo precoce: –São indicadas para fechamento de plantio na primeira safra e para plantios tardios na segunda safra ou “safrinha”; –Têm menor capacidade de recuperação da produção quando submetidas a estresses ambientais do que as de ciclo médio, em função do ciclo mais determinado; –São consideradas cultivares de ciclo precoce aquelas que demandam menos de 160 dias da emergência até a maturação (90% dos capulhos abertos), tomando-se como referência as condições do Cerrado, em altitude acima de 750 m e semeadura no período de safra. CICLO FENOLÓGICO
  • 54. 54 • Ramularia areola; • Manchas esbranquiçadas, de formato anguloso em ambas as superfícies foliares. MANCHA RAMULÁRIA Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 55. 55 • Colletotrichum gossypii var. Cephalosporioides. RAMULOSE Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 56. 56 • É causada por duas espécies de fungos pertencentes ao gênero Alternaria; • A mais comum é causada por Alternaria macrospora, a outra Alternaria alternata; • Causam pequenas manchas circulares de coloração marrom no centro e bordas enegrecidas. MANCHA DE ALTERNÁRIA Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 59. 59 • Spodoptera frugiperda. COMPLEXO SPODOPTERA Fonte: EMBRAPA, 2021. Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 60. 60 • Spodoptera eridania. COMPLEXO SPODOPTERA Fonte: EMBRAPA, 2021. Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 61. 61 • Spodoptera cosmioides. COMPLEXO SPODOPTERA Fonte: EMBRAPA, 2021. Fonte: EMBRAPA, 2021.
  • 66. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! INTRODUÇÃO A COTONICULTURA jv_souto@outlook.com