SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Influenza A
(H1N1)
Fonte: Centers for Disease Control and Prevention (CDC)
1. O que é?
2. Virologia
3. Contágio
4. Sintomas
5. Diagnóstico e tratamento
6. Prevenção e controle
Fonte: Goedert
1. O QUE É?
➔ Infecção respiratória causada pelo vírus Influenza (mutação);
➔ Material genético desconhecido para nosso sistema imunológico;
➔ Existem três tipos deste vírus: A, B e C; 1
➔ Resultado da combinação de segmentos genéticos do vírus
humano da gripe + vírus da gripe aviária + vírus da gripe suína.3
SUBTIPOS DE
ACORDO COM
PROTEÍNAS
Hemaglutinina
(HA ou H)
Neuraminidase
(NA ou N)
Trato respiratório
Liberação de
partículas virais
Fonte: Wikipédia
2. VIROLOGIA
➔ Família Orthomyxoviridae: Influenza A, Influenza B e Influenza C;
➔ Forma esférica ou ovóide, com aproximadamente 90-100 nm de diâmetro;
➔ Genoma - Capsídeo - Envelope;
➔ O genoma de RNA dos vírus de Influenza é constituído por oito segmentos.
Cada segmento codifica uma ou mais proteínas diferentes; 2
➔ Ciclo lítico.
Fonte: Centers for Disease
Control and Prevention (CDC)
Fonte: Centers for Disease
Control and Prevention (CDC)
Fonte: Virology Vlog
3. CONTÁGIO
➔ Secreções das vias respiratórias de uma pessoa
contaminada ao falar, espirrar ou tossir
(CONTÁGIO DIRETO E INDIRETO); 1
➔ O período de incubação varia de 1 a 5 dias; 2
➔ A transmissão pode acontecer 1 dia antes e
até 7 dias após aparecerem os primeiros
sintomas. O período de maior risco de
contágio é quando há sintomas. 1
Fonte: Print screen do vídeo Gripe Suína:
Contágio e Transmissão do Vìrus da Gripe
H1N1 pelo YouTube
Fonte: Jornal NH, 08.04.2016
4. SINTOMAS
Fonte: 123RF
Fonte: Notícias ao Minuto (iSotck)
➔ Febre repentina que supera os 38° C;
➔ Tosse intensa;
➔ Dor de cabeça constante;
➔ Dor nas articulações e nos músculos;
➔ Falta de apetite;
➔ Calafrios frequentes;
➔ Nariz entupido, espirros e falta de ar;
➔ Náuseas e vômitos
➔ Diarreia;
➔ Mal estar geral.6
Fonte: Ghanem - Laboratório e Saúde
5. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
➔ Testes laboratoriais:
◆ cultura viral;
◆ real time-PCR. 4
➔ No caso do H1N1, como se trata de uma
cepa nova, o resultado pode demorar mais
tempo.
➔ É de extrema importância evitar a automedicação;3
➔ Anti-virais: Zanamivir (Relenza) e Oseltamivir
(conhecido por Tamiflu);
➔ Tomar medicação nas primeiras 48 horas;
➔ Hidratação e repouso.
Fonte: Influenza Virus WikiSpaceFonte: Wikipédia
Fonte: Centers for Disease
Control and Prevention (CDC)
6. PREVENÇÃO E CONTROLE
➔ Campanha Nacional de Vacinação;
➔ Prioridade: crianças 6 meses-5 anos,
gestantes, trabalhador de saúde, povo
indígenas, indivíduos com mais de 60
anos, funcionários do sistema prisional,
pessoas portadoras de doenças crônicas
não transmissíveis. 5
REFERÊNCIAS
1
Portal da Saúde. Descrição da doença Influenza. Disponível em:
<http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/descricao-da-doenca-influenza>. Acesso em 5 de novembro de 2016.
2
Wikipédia. Gripe. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Gripe>. Acesso em 5 de novembro de 2016.
3
VARELLA, Drauzio. Gripe H1N1. Disponível em: <https://drauziovarella.com.br/letras/g/gripe-h1n1/>. Acesso em 5
de novembro de 2016.
4
MedicinaNET. Diagnóstico laboratorial de Influenza A (H1N1). Disponível em:
<http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1874/diagnostico_laboratorial_de_influenza_a_h1n1_livre.htm>.
Acesso em 6 de novembro de 2016.
5
Grupo Ghanem. Como está o controle da gripe A (H1N1) atualmente? Disponível em:
<http://www.grupoghanem.com.br/como-esta-o-controle-da-gripe-a-h1n1-atualmente/>. Acesso em 6 de novembro de
2016.
6
Tua Saúde. 10 sintomas da Gripe H1N1. Disponível em: <https://www.tuasaude.com/sintomas-de-gripe-suina/>.
Acesso em 6 de novembro de 2016.
Ana Clara Roberto R. de Andrade
Domingos Alvino S. Neto
Marianne B. Gomes de Oliveira
Myllenne Santos Abreu
Suzana Maria Henrique Sousa
Trabalho apresentado à disciplina de Microbiologia do
curso de bacharelado em Odontologia
da Faculdade Santa Maria
PERGUNTAS:
1. QUAIS SÃO AS PROTEÍNAS DE SUPERFÍCIE RESPONSÁVEIS PELA CRIAÇÃO DE
SUBTIPOS DA INFLUENZA A?
a. Neuramidinase e Hemocianina.
b. Polimerase e Hemaglutinina.
c. Hemaglutinina e Núcleoproteína.
d. Neuramidinase e Hemaglutinina.
e. Núcleoproteína e Albumina.
PERGUNTAS:
2. EM RELAÇÃO À MORFOLOGIA DO VÍRUS DISCUTIDO, MARQUE A
ALTERNATIVA CORRETA.
a. O vírus Influenza tem forma esférica, possui tamanho médio e é do tipo icosaédrico
não envelopado.
b. O vírus Influenza tem formato de bastonete, com aproximadamente 90-100 nm, e é do
tipo helicoidal não envelopado.
c. O vírus Influenza tem formato esférico, possui 8 segmentos de RNA em seu genoma e é do
tipo helicoidal envelopado.
d. O vírus Influenza tem formato esférico, possui 8 segmentos de RNA em seu genoma e é do
tipo icosaédrico envelopado.
PERGUNTAS:
3. APÓS ENTRAR EM CONTATO COM A CÉLULA DO HOSPEDEIRO, O QUE
ACONTECE COM O VÍRUS DA INFLUENZA A SUBTIPO H1N1?
a. O vírus se adere à célula e passa pela ciclo lisogênico, causando a morte celular.
b. O vírus se adere à célula e permanece em seu interior por quase um mês até a síntese
ser realizada e os vírus liberados.
c. O vírus provavelmente não se adere à célula, pois é raro as proteínas de superfície
do vírus coincidirem com as da célula humana.
d. O vírus se adere à célula, multiplicando-se em seu interior, e quando a síntese já
estiver feita, a célula é rompida e os novos vírus são liberados.
PERGUNTAS:
4. DAS ALTERNATIVAS ABAIXO, QUAL FAZ CORRETAMENTE COMPARAÇÃO
ENTRE OS SINTOMAS DA INFLUENZA A SUBTIPO H1N1 E DA GRIPE COMUM?
a. O vírus H1N1 replica-se com muita facilidade na região próxima ao pulmão,
enquanto o da gripe comum costuma permanecer na região do nariz à traquéia.
b. Na gripe comum, a febre costuma ultrapassar os 40 graus, enquanto na H1N1 ela
nunca ultrapassa os 38.
c. Nas duas gripes, o indivíduo poderá sentir mal estar, porém, na H1N1 esse mal estar
poderá vir acompanhado de constipação.
d. As duas gripes possuem exatamente os mesmos sintomas.
PERGUNTAS:
5. POR QUE É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA QUE A AUTOMEDICAÇÃO SEJA
EVITADA?
a. Porque há uma lei que a proíbe.
b. Porque os vírus ficam mais susceptíveis à reprodução.
c. Porque só devem ser utilizados dois medicamentos específicos para o tratamento
desta doença, o Relenza e o Tamiflu.
d. Porque o uso de remédios sem orientação médica pode facilitar o aparecimento de
cepas resistentes aos medicamentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pneumonia associada a ventilação mecânica
Pneumonia associada a ventilação mecânicaPneumonia associada a ventilação mecânica
Pneumonia associada a ventilação mecânicaJose Henrique C. De Cunto
 
Protocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaProtocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaAntonio Souto
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...Jonathan Sampaio
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaEnfº Ícaro Araújo
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MGPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MGCínthia Lima
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasresenfe2013
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtlorenasc123
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoIsmael Costa
 
Oficina de Capacitação de Rede de Frio
Oficina de Capacitação de Rede de FrioOficina de Capacitação de Rede de Frio
Oficina de Capacitação de Rede de Frioimunizacao
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAlefySantos2
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfLourencianneCardoso
 

Mais procurados (20)

Pneumonia associada a ventilação mecânica
Pneumonia associada a ventilação mecânicaPneumonia associada a ventilação mecânica
Pneumonia associada a ventilação mecânica
 
SIFILIS NO PSF
SIFILIS NO PSFSIFILIS NO PSF
SIFILIS NO PSF
 
Protocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátricaProtocolo de emergência pediátrica
Protocolo de emergência pediátrica
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MGPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - VACINAS/ PARACATU - MG
 
CHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYACHIKUNGUNYA
CHIKUNGUNYA
 
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e PuerpérioAtenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
Atenção às Mulheres com HIV no Parto e Puerpério
 
Slides vacinção
Slides vacinçãoSlides vacinção
Slides vacinção
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldt
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
 
Zika Vírus
Zika VírusZika Vírus
Zika Vírus
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Oficina de Capacitação de Rede de Frio
Oficina de Capacitação de Rede de FrioOficina de Capacitação de Rede de Frio
Oficina de Capacitação de Rede de Frio
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Aula 01 (4)
Aula 01 (4)Aula 01 (4)
Aula 01 (4)
 
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdfAULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
AULA 06 - DILUIÇÃO E REDILUIÇÃO.pdf
 

Destaque (20)

H1N1 Virus Powerpoint For Edu280 Tech.
H1N1 Virus Powerpoint For Edu280 Tech.H1N1 Virus Powerpoint For Edu280 Tech.
H1N1 Virus Powerpoint For Edu280 Tech.
 
H1 N1 influenza (swine flu)
H1 N1 influenza (swine flu)H1 N1 influenza (swine flu)
H1 N1 influenza (swine flu)
 
Swine Flu H1N1 Info, Symptoms, Prevention & Treatment
Swine Flu H1N1 Info, Symptoms, Prevention & TreatmentSwine Flu H1N1 Info, Symptoms, Prevention & Treatment
Swine Flu H1N1 Info, Symptoms, Prevention & Treatment
 
Influenza Virus
Influenza VirusInfluenza Virus
Influenza Virus
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Free H1N1 vaccine info
Free H1N1 vaccine infoFree H1N1 vaccine info
Free H1N1 vaccine info
 
H1N1: What You Need to Know About the Influenza Pandemic
H1N1: What You Need to Know About the Influenza PandemicH1N1: What You Need to Know About the Influenza Pandemic
H1N1: What You Need to Know About the Influenza Pandemic
 
INFLUENZA A H1N1
INFLUENZA A H1N1 INFLUENZA A H1N1
INFLUENZA A H1N1
 
H1N1 Influenza booklet
H1N1 Influenza bookletH1N1 Influenza booklet
H1N1 Influenza booklet
 
H1N1 Basics
H1N1 BasicsH1N1 Basics
H1N1 Basics
 
Influenza a h1n1
Influenza a h1n1Influenza a h1n1
Influenza a h1n1
 
Gripe H1N1 Como identificar os casos graves e evitar a histeria
Gripe H1N1  Como identificar os casos graves e evitar a histeriaGripe H1N1  Como identificar os casos graves e evitar a histeria
Gripe H1N1 Como identificar os casos graves e evitar a histeria
 
H1 N1 Virus
H1 N1 VirusH1 N1 Virus
H1 N1 Virus
 
Ah1n1
Ah1n1Ah1n1
Ah1n1
 
swine flu
swine fluswine flu
swine flu
 
Pandemia de Influenza A(H1N1)
Pandemia de Influenza A(H1N1)Pandemia de Influenza A(H1N1)
Pandemia de Influenza A(H1N1)
 
Influenza infection
Influenza infectionInfluenza infection
Influenza infection
 
H1n1
H1n1H1n1
H1n1
 
7. Virus Influenza
7.  Virus Influenza7.  Virus Influenza
7. Virus Influenza
 
A H1N1
A H1N1A H1N1
A H1N1
 

Semelhante a Gripe H1N1

FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 CompletoFlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completoescola
 
(((Atividades de português 2 3º ano
(((Atividades de português 2   3º ano(((Atividades de português 2   3º ano
(((Atividades de português 2 3º anoRamon Fonseca
 
Pneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidadePneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidadeFlávia Salame
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaMaria Tereza Neves
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Paulo Santos
 
Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1Cinthia13Lima
 
Gripe Suína Paraná- Brasil
Gripe Suína Paraná- BrasilGripe Suína Paraná- Brasil
Gripe Suína Paraná- BrasilMarcos Nascimento
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGuilherme Gehlen
 
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdfApresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdfikaropatricio
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitalaPneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitalaPCare Fisioterapia
 

Semelhante a Gripe H1N1 (20)

Influenza A H1N1
Influenza A H1N1Influenza A H1N1
Influenza A H1N1
 
Gripe Suina
Gripe SuinaGripe Suina
Gripe Suina
 
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 CompletoFlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
 
Influenza h1 n1
Influenza h1 n1Influenza h1 n1
Influenza h1 n1
 
(((Atividades de português 2 3º ano
(((Atividades de português 2   3º ano(((Atividades de português 2   3º ano
(((Atividades de português 2 3º ano
 
Pneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidadePneumonias adquiridas na comunidade
Pneumonias adquiridas na comunidade
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
 
H1n1 celem
 H1n1  celem H1n1  celem
H1n1 celem
 
Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1Apresentação h1 n1
Apresentação h1 n1
 
Gripe Suína Paraná- Brasil
Gripe Suína Paraná- BrasilGripe Suína Paraná- Brasil
Gripe Suína Paraná- Brasil
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdfApresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
 
Trabalhos
TrabalhosTrabalhos
Trabalhos
 
Influenza H1 N1
Influenza  H1 N1  Influenza  H1 N1
Influenza H1 N1
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitalaPneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
Pneumonias: conceitos, dúvidas e cuidados fisioterapêuticos pós-alta hospitala
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Gripe H1N1

  • 1. Influenza A (H1N1) Fonte: Centers for Disease Control and Prevention (CDC)
  • 2. 1. O que é? 2. Virologia 3. Contágio 4. Sintomas 5. Diagnóstico e tratamento 6. Prevenção e controle Fonte: Goedert
  • 3. 1. O QUE É? ➔ Infecção respiratória causada pelo vírus Influenza (mutação); ➔ Material genético desconhecido para nosso sistema imunológico; ➔ Existem três tipos deste vírus: A, B e C; 1 ➔ Resultado da combinação de segmentos genéticos do vírus humano da gripe + vírus da gripe aviária + vírus da gripe suína.3 SUBTIPOS DE ACORDO COM PROTEÍNAS Hemaglutinina (HA ou H) Neuraminidase (NA ou N) Trato respiratório Liberação de partículas virais Fonte: Wikipédia
  • 4. 2. VIROLOGIA ➔ Família Orthomyxoviridae: Influenza A, Influenza B e Influenza C; ➔ Forma esférica ou ovóide, com aproximadamente 90-100 nm de diâmetro; ➔ Genoma - Capsídeo - Envelope; ➔ O genoma de RNA dos vírus de Influenza é constituído por oito segmentos. Cada segmento codifica uma ou mais proteínas diferentes; 2 ➔ Ciclo lítico. Fonte: Centers for Disease Control and Prevention (CDC) Fonte: Centers for Disease Control and Prevention (CDC) Fonte: Virology Vlog
  • 5. 3. CONTÁGIO ➔ Secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao falar, espirrar ou tossir (CONTÁGIO DIRETO E INDIRETO); 1 ➔ O período de incubação varia de 1 a 5 dias; 2 ➔ A transmissão pode acontecer 1 dia antes e até 7 dias após aparecerem os primeiros sintomas. O período de maior risco de contágio é quando há sintomas. 1 Fonte: Print screen do vídeo Gripe Suína: Contágio e Transmissão do Vìrus da Gripe H1N1 pelo YouTube
  • 6. Fonte: Jornal NH, 08.04.2016
  • 7. 4. SINTOMAS Fonte: 123RF Fonte: Notícias ao Minuto (iSotck) ➔ Febre repentina que supera os 38° C; ➔ Tosse intensa; ➔ Dor de cabeça constante; ➔ Dor nas articulações e nos músculos; ➔ Falta de apetite; ➔ Calafrios frequentes; ➔ Nariz entupido, espirros e falta de ar; ➔ Náuseas e vômitos ➔ Diarreia; ➔ Mal estar geral.6 Fonte: Ghanem - Laboratório e Saúde
  • 8. 5. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO ➔ Testes laboratoriais: ◆ cultura viral; ◆ real time-PCR. 4 ➔ No caso do H1N1, como se trata de uma cepa nova, o resultado pode demorar mais tempo. ➔ É de extrema importância evitar a automedicação;3 ➔ Anti-virais: Zanamivir (Relenza) e Oseltamivir (conhecido por Tamiflu); ➔ Tomar medicação nas primeiras 48 horas; ➔ Hidratação e repouso. Fonte: Influenza Virus WikiSpaceFonte: Wikipédia Fonte: Centers for Disease Control and Prevention (CDC)
  • 9. 6. PREVENÇÃO E CONTROLE ➔ Campanha Nacional de Vacinação; ➔ Prioridade: crianças 6 meses-5 anos, gestantes, trabalhador de saúde, povo indígenas, indivíduos com mais de 60 anos, funcionários do sistema prisional, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis. 5
  • 10. REFERÊNCIAS 1 Portal da Saúde. Descrição da doença Influenza. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/descricao-da-doenca-influenza>. Acesso em 5 de novembro de 2016. 2 Wikipédia. Gripe. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Gripe>. Acesso em 5 de novembro de 2016. 3 VARELLA, Drauzio. Gripe H1N1. Disponível em: <https://drauziovarella.com.br/letras/g/gripe-h1n1/>. Acesso em 5 de novembro de 2016. 4 MedicinaNET. Diagnóstico laboratorial de Influenza A (H1N1). Disponível em: <http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1874/diagnostico_laboratorial_de_influenza_a_h1n1_livre.htm>. Acesso em 6 de novembro de 2016. 5 Grupo Ghanem. Como está o controle da gripe A (H1N1) atualmente? Disponível em: <http://www.grupoghanem.com.br/como-esta-o-controle-da-gripe-a-h1n1-atualmente/>. Acesso em 6 de novembro de 2016. 6 Tua Saúde. 10 sintomas da Gripe H1N1. Disponível em: <https://www.tuasaude.com/sintomas-de-gripe-suina/>. Acesso em 6 de novembro de 2016.
  • 11. Ana Clara Roberto R. de Andrade Domingos Alvino S. Neto Marianne B. Gomes de Oliveira Myllenne Santos Abreu Suzana Maria Henrique Sousa Trabalho apresentado à disciplina de Microbiologia do curso de bacharelado em Odontologia da Faculdade Santa Maria
  • 12. PERGUNTAS: 1. QUAIS SÃO AS PROTEÍNAS DE SUPERFÍCIE RESPONSÁVEIS PELA CRIAÇÃO DE SUBTIPOS DA INFLUENZA A? a. Neuramidinase e Hemocianina. b. Polimerase e Hemaglutinina. c. Hemaglutinina e Núcleoproteína. d. Neuramidinase e Hemaglutinina. e. Núcleoproteína e Albumina.
  • 13. PERGUNTAS: 2. EM RELAÇÃO À MORFOLOGIA DO VÍRUS DISCUTIDO, MARQUE A ALTERNATIVA CORRETA. a. O vírus Influenza tem forma esférica, possui tamanho médio e é do tipo icosaédrico não envelopado. b. O vírus Influenza tem formato de bastonete, com aproximadamente 90-100 nm, e é do tipo helicoidal não envelopado. c. O vírus Influenza tem formato esférico, possui 8 segmentos de RNA em seu genoma e é do tipo helicoidal envelopado. d. O vírus Influenza tem formato esférico, possui 8 segmentos de RNA em seu genoma e é do tipo icosaédrico envelopado.
  • 14. PERGUNTAS: 3. APÓS ENTRAR EM CONTATO COM A CÉLULA DO HOSPEDEIRO, O QUE ACONTECE COM O VÍRUS DA INFLUENZA A SUBTIPO H1N1? a. O vírus se adere à célula e passa pela ciclo lisogênico, causando a morte celular. b. O vírus se adere à célula e permanece em seu interior por quase um mês até a síntese ser realizada e os vírus liberados. c. O vírus provavelmente não se adere à célula, pois é raro as proteínas de superfície do vírus coincidirem com as da célula humana. d. O vírus se adere à célula, multiplicando-se em seu interior, e quando a síntese já estiver feita, a célula é rompida e os novos vírus são liberados.
  • 15. PERGUNTAS: 4. DAS ALTERNATIVAS ABAIXO, QUAL FAZ CORRETAMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SINTOMAS DA INFLUENZA A SUBTIPO H1N1 E DA GRIPE COMUM? a. O vírus H1N1 replica-se com muita facilidade na região próxima ao pulmão, enquanto o da gripe comum costuma permanecer na região do nariz à traquéia. b. Na gripe comum, a febre costuma ultrapassar os 40 graus, enquanto na H1N1 ela nunca ultrapassa os 38. c. Nas duas gripes, o indivíduo poderá sentir mal estar, porém, na H1N1 esse mal estar poderá vir acompanhado de constipação. d. As duas gripes possuem exatamente os mesmos sintomas.
  • 16. PERGUNTAS: 5. POR QUE É DE EXTREMA IMPORTÂNCIA QUE A AUTOMEDICAÇÃO SEJA EVITADA? a. Porque há uma lei que a proíbe. b. Porque os vírus ficam mais susceptíveis à reprodução. c. Porque só devem ser utilizados dois medicamentos específicos para o tratamento desta doença, o Relenza e o Tamiflu. d. Porque o uso de remédios sem orientação médica pode facilitar o aparecimento de cepas resistentes aos medicamentos.