SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
 CONCEITO
 É uma doença febril aguda, causada por um
vírus, sendo transmitida principalmente pela
picada do mosquito Aedes aegypty(infectado).
 É um dos principais problemas de saúde publica
no mundo.
 AGENTE ETIOLÓGICO
o Arbovírus do gênero Flavivírus, pertencente a família
Flaviridae
o Virus filamentares, envelopados, com RNA
o São conhecidos 4 sorotipos: Den-1
Den-2
Den-3
Den-4
Fonte:
CGLAB/DEVIT/SVS/MS
Obs.*- Dados sujeitos a alterações.
Distribuição dos sorotipos virais
Brasil, jan-mar/2013
 vetores
o Mosquito do gênero Aedes.
 Aedes aegypti a principal espécie transmissora
da doença.
 Aedes albopictus outra espécie transmissora
 EPIDEMIOLOGIA
 Ciclos Epidemiológicos
Como se reproduz o mosquito da dengue?
É de até 10 dias o ciclo
do ovo-ovo. Quando a
larva do mosquito
nasce, ela passa por
quatro estágios de
crescimento, que
podem durar oito dias
no total. Depois ela se
transforma em pupa,
estágio que dura dois
dias,
aproximadamente.
Depois de sair da
pupa, o mosquito
adulto já pode se
reproduzir e botar
ovos, quando o ciclo se
reinicia.
Ciclo de vida do mosquito:
Ovo
Larva
Pupa e mosquito adulto
Aspectos Epidemiológicos
É mais comum nos núcleos urbanos
Pode ocorrer em qualquer localidade
Maior incidência Verão
Principais locais de ocorrência: América Latina,
África e Ásia.
Hoje está presente em mais de 125 países
Situação Epidemiológica da Dengue – Brasil
*Fonte: SES, Sinan - Dados sujeitos à alteração
*Incidência por 100.000 habitantes
Dez estados concentram 92,6% (1.354.094) dos casos
notificados em 2013
Casos Incidência
MG 435.199 2191,8
SP 224.082 534,8
RJ 213.214 1313,6
GO 138.599 2251,8
MS 82.488 3292,8
PR 70.433 665,9
ES 65.882 1841,3
BA 61.043 430,6
MT 33.283 1068,4
CE 29.871 347,1
UF
Semanas 1 a 36
Situação Epidemiológica da Dengue
Municípios com maior número de óbitos*
entre as SE – 1 a 36 de 2013
*Fonte: SES e Sinan. Consulta
realizada em
11/09/2013)/SES. Dados
sujeitos a alteração. Dados
sujeitos a alteração.
Óbitos
Confirmados
Óbitos em
Investigação
Total
RJ Rio de Janeiro 23 1 24
MG Uberaba 19 1 20
CE Fortaleza 18 15 33
MS Campo Grande 13 1 14
MG Belo Horizonte 10 2 12
GO Goiânia 12 0 12
ES Cariacica 9 7 16
AM Manaus 9 1 10
SP Santos 7 3 10
SP São José Rio Preto 7 4 11
DF Brasília 6 1 7
MG Teófilo Otoni 6 1 7
GO Aparecida de Goiânia 5 3 8
PR Campo Mourão 5 0 5
PB João Pessoa 5 5 10
MG Montes Claros 5 0 5
PR Peabiru 5 0 5
SP Praia Grande 5 1 6
PE Recife 5 0 5
MA São Luís 5 0 5
CE Maracanaú 4 0 4
183 46 229
UF Município
2013
Total
Vias de Transmissão
 A transmissão se faz pela picada dos mosquitos
(fêmeas) Aedes aegypti.
 Não há transmissão de contato direto de um doente
ou suas secreções.
Obs: Uma vez infectada pelo vírus o mosquito
transmissor permanecerá assim até o fim de sua vida.
 SINDROMES CLÍNICOS
 Dengue Clássica
Duração: 5 a 7 dias
Febre alta (39° a 40°)
Cefaleia
Mialgia
Vômitos
Prostração
Manchas vermelhas na pele
 Febre Hemorrágica da Dengue (FHD)
Sintomas iniciais iguais aos da dengue clássica,
porém evoluem rapidamente para manifestações
hemorrágicas.
Fenômenos hemorrágicos
Insuficiência circulatória
Hepatomegalia
 PREVENÇÃO E CONTROLE
 Atuação conjunta do governo e população levará
ao controle da dengue.
 Todos devem eliminar os criadouros do Aedes
aegypti
 Vigilância Entomológica intensificação do combate ao
vetor
 Eliminação dos Criadouros do mosquito
 Esvaziar garrafas sem uso (guardadas com boca pra
baixo)
 Todo material descartável que acumula água deve se
jogada no lixo
 Não deixar acumular água em vasos de planta, o
indicado é substituir a água por areia grossa umedecida.
 Manter caixas d’agua, poços ou filtros bem fexhados
 Trocar diariamente a água de bebedouros de animais.
 Combate químico
Tratamento
Para o caso da dengue clássica, não existe um
tratamento específico.
Os sintomas são tratados e recomenda-se repouso e
alimentação com muitas frutas, legumes e ingestão de
líquidos.
Os doentes não podem tomar analgésicos ou anti-
térmicos com base de ácido acetil-salicílico (Aspirina,
AAS, Melhoral, Doril, etc.), pois estes favorecem o
aparecimento e desenvolvimento de hemorragias no
organismo.
Já no caso mais grave da doença, a hemorrágica, deve
haver um rigoroso acompanhamento médico em função
dos possíveis casos de agravamento com perdas de
sangue e choque circulatório.
PREVINA-SE
A DENGUE
PODE
MATAR
OBRIGADO !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crianças contra a dengue
Crianças contra a dengueCrianças contra a dengue
Crianças contra a dengue
Eni Bertolini
 
Slides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atualSlides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atual
mariadapazgomes
 

Mais procurados (20)

Dengue fique por dentro
Dengue fique por dentroDengue fique por dentro
Dengue fique por dentro
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
mosquito da Dengue
mosquito da Denguemosquito da Dengue
mosquito da Dengue
 
Crianças contra a dengue
Crianças contra a dengueCrianças contra a dengue
Crianças contra a dengue
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Slides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atualSlides sobre dengue para eproinfo atual
Slides sobre dengue para eproinfo atual
 
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYADengue, Zica E cHIKUNGUNYA
Dengue, Zica E cHIKUNGUNYA
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Apresentação dengue
Apresentação dengueApresentação dengue
Apresentação dengue
 
Todos contra Dengue Simplificado
Todos contra Dengue SimplificadoTodos contra Dengue Simplificado
Todos contra Dengue Simplificado
 
Slides Dengue
Slides DengueSlides Dengue
Slides Dengue
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Zika Vírus
Zika VírusZika Vírus
Zika Vírus
 
Slides sobre a dengue
Slides sobre a dengueSlides sobre a dengue
Slides sobre a dengue
 

Destaque

Destaque (10)

Slides dengue pdf
Slides dengue pdfSlides dengue pdf
Slides dengue pdf
 
Palestra acs
Palestra acsPalestra acs
Palestra acs
 
Qualidade dos Dados da Vigilância Epidemiológica da Dengue na Suvis São Mateus
Qualidade dos Dados da Vigilância Epidemiológica da Dengue na Suvis São MateusQualidade dos Dados da Vigilância Epidemiológica da Dengue na Suvis São Mateus
Qualidade dos Dados da Vigilância Epidemiológica da Dengue na Suvis São Mateus
 
Aedes aegypti: Ações de Controle no Município de Pedra Branca - Ceará
Aedes aegypti: Ações de Controle no Município de Pedra Branca - CearáAedes aegypti: Ações de Controle no Município de Pedra Branca - Ceará
Aedes aegypti: Ações de Controle no Município de Pedra Branca - Ceará
 
Aedes aegypti um mosquito três doenças padrão
Aedes aegypti um mosquito três doenças padrãoAedes aegypti um mosquito três doenças padrão
Aedes aegypti um mosquito três doenças padrão
 
Slides da dengue
Slides da dengueSlides da dengue
Slides da dengue
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Projeto Pedagógico - Tema: Dengue
Projeto Pedagógico - Tema: DengueProjeto Pedagógico - Tema: Dengue
Projeto Pedagógico - Tema: Dengue
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 
Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!Vamos combater a dengue!
Vamos combater a dengue!
 

Semelhante a Dengue (20)

Dengue 5º c
Dengue 5º cDengue 5º c
Dengue 5º c
 
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengueTudo que você precisa saber sobre a dengue
Tudo que você precisa saber sobre a dengue
 
Tudo sobre dengue
Tudo sobre dengueTudo sobre dengue
Tudo sobre dengue
 
6B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda16B - Susana e fernanda1
6B - Susana e fernanda1
 
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti MoraisAbordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
Abordagem Epidemiológica da Dengue Professora Goretti Morais
 
Pawer pont
Pawer pontPawer pont
Pawer pont
 
tema salud
tema salud tema salud
tema salud
 
Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!
 
Apresentacao dengue
Apresentacao dengueApresentacao dengue
Apresentacao dengue
 
Dengue Vitoria Edyane, Rebeca
Dengue Vitoria Edyane, RebecaDengue Vitoria Edyane, Rebeca
Dengue Vitoria Edyane, Rebeca
 
Conscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengueConscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengue
 
Dengue 1
Dengue 1Dengue 1
Dengue 1
 
Simp6 dengue
Simp6 dengueSimp6 dengue
Simp6 dengue
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Dengue 2008
Dengue 2008Dengue 2008
Dengue 2008
 
Mpdf
MpdfMpdf
Mpdf
 
6B - Isabely e karolina n 10 n 18
6B - Isabely  e karolina  n 10  n 186B - Isabely  e karolina  n 10  n 18
6B - Isabely e karolina n 10 n 18
 
6B - Isabely e karolina
6B - Isabely  e karolina6B - Isabely  e karolina
6B - Isabely e karolina
 
Apresentacao dengue
Apresentacao dengueApresentacao dengue
Apresentacao dengue
 
6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio6B - Paulo walifer e kaio
6B - Paulo walifer e kaio
 

Mais de Danielle Climaco (15)

Mão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia RadiológicaMão - Anatomia Radiológica
Mão - Anatomia Radiológica
 
Ressonância Magnética das Órbitas
Ressonância Magnética das ÓrbitasRessonância Magnética das Órbitas
Ressonância Magnética das Órbitas
 
Anatomia radiológica
Anatomia radiológicaAnatomia radiológica
Anatomia radiológica
 
Radiobiologia seminario
Radiobiologia seminarioRadiobiologia seminario
Radiobiologia seminario
 
Angio ressonância Magnética
Angio ressonância MagnéticaAngio ressonância Magnética
Angio ressonância Magnética
 
Tronco encefálico anterior
Tronco encefálico anterior Tronco encefálico anterior
Tronco encefálico anterior
 
Tronco encefálico posterior
Tronco encefálico posterior Tronco encefálico posterior
Tronco encefálico posterior
 
Diencefalo Imagem 2
Diencefalo Imagem 2Diencefalo Imagem 2
Diencefalo Imagem 2
 
Diencefalo Imagem
Diencefalo ImagemDiencefalo Imagem
Diencefalo Imagem
 
Cerebelo Imagem
Cerebelo ImagemCerebelo Imagem
Cerebelo Imagem
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Adenovírus
Adenovírus  Adenovírus
Adenovírus
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 
Paramixovírus
Paramixovírus Paramixovírus
Paramixovírus
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
 

Dengue

  • 1.
  • 2.  CONCEITO  É uma doença febril aguda, causada por um vírus, sendo transmitida principalmente pela picada do mosquito Aedes aegypty(infectado).  É um dos principais problemas de saúde publica no mundo.
  • 3.  AGENTE ETIOLÓGICO o Arbovírus do gênero Flavivírus, pertencente a família Flaviridae o Virus filamentares, envelopados, com RNA o São conhecidos 4 sorotipos: Den-1 Den-2 Den-3 Den-4
  • 4. Fonte: CGLAB/DEVIT/SVS/MS Obs.*- Dados sujeitos a alterações. Distribuição dos sorotipos virais Brasil, jan-mar/2013
  • 5.  vetores o Mosquito do gênero Aedes.  Aedes aegypti a principal espécie transmissora da doença.  Aedes albopictus outra espécie transmissora
  • 6.
  • 7.  EPIDEMIOLOGIA  Ciclos Epidemiológicos
  • 8. Como se reproduz o mosquito da dengue? É de até 10 dias o ciclo do ovo-ovo. Quando a larva do mosquito nasce, ela passa por quatro estágios de crescimento, que podem durar oito dias no total. Depois ela se transforma em pupa, estágio que dura dois dias, aproximadamente. Depois de sair da pupa, o mosquito adulto já pode se reproduzir e botar ovos, quando o ciclo se reinicia.
  • 9. Ciclo de vida do mosquito: Ovo Larva Pupa e mosquito adulto
  • 10. Aspectos Epidemiológicos É mais comum nos núcleos urbanos Pode ocorrer em qualquer localidade Maior incidência Verão Principais locais de ocorrência: América Latina, África e Ásia. Hoje está presente em mais de 125 países
  • 11. Situação Epidemiológica da Dengue – Brasil *Fonte: SES, Sinan - Dados sujeitos à alteração *Incidência por 100.000 habitantes Dez estados concentram 92,6% (1.354.094) dos casos notificados em 2013 Casos Incidência MG 435.199 2191,8 SP 224.082 534,8 RJ 213.214 1313,6 GO 138.599 2251,8 MS 82.488 3292,8 PR 70.433 665,9 ES 65.882 1841,3 BA 61.043 430,6 MT 33.283 1068,4 CE 29.871 347,1 UF Semanas 1 a 36
  • 12. Situação Epidemiológica da Dengue Municípios com maior número de óbitos* entre as SE – 1 a 36 de 2013 *Fonte: SES e Sinan. Consulta realizada em 11/09/2013)/SES. Dados sujeitos a alteração. Dados sujeitos a alteração. Óbitos Confirmados Óbitos em Investigação Total RJ Rio de Janeiro 23 1 24 MG Uberaba 19 1 20 CE Fortaleza 18 15 33 MS Campo Grande 13 1 14 MG Belo Horizonte 10 2 12 GO Goiânia 12 0 12 ES Cariacica 9 7 16 AM Manaus 9 1 10 SP Santos 7 3 10 SP São José Rio Preto 7 4 11 DF Brasília 6 1 7 MG Teófilo Otoni 6 1 7 GO Aparecida de Goiânia 5 3 8 PR Campo Mourão 5 0 5 PB João Pessoa 5 5 10 MG Montes Claros 5 0 5 PR Peabiru 5 0 5 SP Praia Grande 5 1 6 PE Recife 5 0 5 MA São Luís 5 0 5 CE Maracanaú 4 0 4 183 46 229 UF Município 2013 Total
  • 13. Vias de Transmissão  A transmissão se faz pela picada dos mosquitos (fêmeas) Aedes aegypti.  Não há transmissão de contato direto de um doente ou suas secreções. Obs: Uma vez infectada pelo vírus o mosquito transmissor permanecerá assim até o fim de sua vida.
  • 14.  SINDROMES CLÍNICOS  Dengue Clássica Duração: 5 a 7 dias Febre alta (39° a 40°) Cefaleia Mialgia Vômitos Prostração Manchas vermelhas na pele
  • 15.  Febre Hemorrágica da Dengue (FHD) Sintomas iniciais iguais aos da dengue clássica, porém evoluem rapidamente para manifestações hemorrágicas. Fenômenos hemorrágicos Insuficiência circulatória Hepatomegalia
  • 16.  PREVENÇÃO E CONTROLE  Atuação conjunta do governo e população levará ao controle da dengue.  Todos devem eliminar os criadouros do Aedes aegypti  Vigilância Entomológica intensificação do combate ao vetor
  • 17.  Eliminação dos Criadouros do mosquito
  • 18.  Esvaziar garrafas sem uso (guardadas com boca pra baixo)  Todo material descartável que acumula água deve se jogada no lixo  Não deixar acumular água em vasos de planta, o indicado é substituir a água por areia grossa umedecida.  Manter caixas d’agua, poços ou filtros bem fexhados  Trocar diariamente a água de bebedouros de animais.  Combate químico
  • 19. Tratamento Para o caso da dengue clássica, não existe um tratamento específico. Os sintomas são tratados e recomenda-se repouso e alimentação com muitas frutas, legumes e ingestão de líquidos. Os doentes não podem tomar analgésicos ou anti- térmicos com base de ácido acetil-salicílico (Aspirina, AAS, Melhoral, Doril, etc.), pois estes favorecem o aparecimento e desenvolvimento de hemorragias no organismo. Já no caso mais grave da doença, a hemorrágica, deve haver um rigoroso acompanhamento médico em função dos possíveis casos de agravamento com perdas de sangue e choque circulatório.