SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
H1N1
 Endemia: doença infecciosa que ocorre
habitualmente (com incidência significativa) em dada
população ou região; Não atinge, nem se espalha para
outras comunidades.
 Epidemia: doença infecciosa, de caráter transitório,
que ataca grande número de indivíduos em uma
determinada localidade.
É uma doença transmissível que se espalha rapidamente
entre as pessoas, originando um surto epidêmico.
 Pandemia: doença epidêmica amplamente
disseminada, por um ou mais continentes ou por todo o
mundo, causando inúmeras mortes .
Pandemias de gripe
Nome da
pandemia
Data Mortes
Subtipo
envolvido
Índice de
gravidade
pandêmica
Gripe Russa 1889–1890 1 milhão
possivelmen
te H2N2
?
Gripe
Espanhola
1918–1920
40 a 100
milhões
H1N1 5
Gripe
Asiática
1957–1958
1 a 1,5
milhões
H2N2 2
Gripe de
Hong Kong
1968–1969
0,75 a 1
milhão
H3N2 2
Gripe Suína 2009 + de 10 Mil H1N1 6
Porque tantas mutações?
 Dois fenômenos são importantes:
1. Drift: vírus acumula pequenas mutações nos genes H
e N, suficientes para o sistema imune não reconhecer o
vírus depois de um tempo.
2. Shift: dois vírus Influenza diferentes entram na
mesma célula e ao saírem misturam seus
cromossomos. Quando isso acontece, o vírus muda
abruptamente e nosso sistema imune fica
completamente despreparado.
Mutação na Hemaglutinina
What’s Old Is New: 1918 Virus Matches
2009 H1N1 Strain
Downloaded from www.sciencemag.org on
May 4, 2010
Science vol 327 – 26 março /2010
Influenza H1N1
Família Ortomixovírus
Espécie Myxovirus influenzae
 É uma variação do vírus
Influenza.
 Partículas envelopadas de RNA
segmentado de simples fita.
 Tem alto poder de mutação e
de disseminação.
 A influenza possui 3 subtipos,
segundo a diverdiade
antigênica: A,B e C;
Hemagutinina e Neuroaminase
 2 mais importantes:
a. Genes com alta taxa de mutação;
b. Estimulam a resposta imune.
 Influenza: um gene para codificar 1 de 16
possibilidades de HA e 1 de 9 possibilidades de NA;
 Apenas 3 combinações encontradas no homem:
H1N1, H2N2, H3N2.
Hemaglutinina (HA)
 Influenza H1N1: HA 01, 02 e
03;
 Funções:
1. Facilitar a ligação do vírus à
célula do hospedeiro;
2. Desencadeia um mecanismo
de fusão do capsídeo viral à
membrana celular.
Neuraminase (NA)
 Função: atua como enzima, hidrolisando o ácido
siálico, facilitando liberação do vírus pela célula
infectada;
 Influenza
H1N1:
NA 01 e 02.
Mecanismo
de Ação
Tratamento
Oseltamivir: C16H28N2O4 (Tamiflu)
 Inibe diretamente a NA, dificultando a saída dos novos
vírus das células, resultando no decréscimo da taxa de
multiplicação viral no corpo.
 Efeitos colaterais mais comuns: náuseas,
vômitos, diarréia, dor abdominal e cefaléia.
 Metabolização pelo fígado e TGI por
esterases: carboxilato de oseltamivir.
Diagnóstico
1. Detecção e identificação do vírus por PCR;
2. Isolamento viral;
3. ELISA (Enzyme-linked
immunosorbent assay).
 Realizados a partir de secreções
respiratórias colhidas na cavidade nasal
e garganta.
Epidemiologia
 Síndrome respiratória aguda
pandêmica;
 Primeiro caso em abril de 2009, no
México;
 Atualmente, mais de 90% dos casos
de gripe são do vírus pandêmico;
 Não é mais mortal ou violento que o
vírus da gripe comum.
 657 mortes no Brasil em 2009;
 17,4 mil no mundo todo, até abril de 2010.
Vacina
 Distribuição x efeitos adversos graves.
Tem efetividade média > que 95%, sendo
a resposta máxima de Ac anti-H1N1 entre
o 14° e 21° dia.
Vacina injetável administrada
intramuscularmente.
Contra-indicações: pessoas alérgica a
componentes da vacina ou alérgicas a
ovo.
FILME
Indução de
resposta imune
inata
Formação da
resposta
adaptativa
Produção
de Acs
específicos para
as proteínas
virais
presentes na
vacina
Vacina
Informacões Técnicas
da Vacina
 Formulação básica da vacina:
1. Proteínas virais purificadas (HA e NA);
2. Adjuvantes que auxiliem na resposta imunológica.
 Formas farmacêuticas:
 Injetável: frascos multidoses de 0,5 ml;
 Inavável.
 Conservação: + 2º a + 8ºC, sendo ideal + 5ºC. Não pode
ser congelada, nem exposta à luz solar direta.
Vacina Fabricada pela Sanofi
Pasteur/Butantan
Composição:
o Antígeno propagado em ovos: Cepa análoga
(A/Califórnia/7/2009 (H1N1);
o Tiomersal (45 mcg por dose de 0,5ml);
o Cloreto de sódio;
o Cloreto de potássio;
o Fosfato dissódico diidratado;
o Diidrogenofosfato de potássio;
o Água para injeção.
Prazo de validade da vacina depois de aberta: 07 dias.
Vacina Fabricada pela GSK
(GlaxoSmithKline)
Composição:
o Vírus like-v (3,75 mcg de
o hemaglutinina/dose de 0,5ml);
o Timerosal;
o Cloreto de Sódio;
o Fosfato de Hidrogênio Sódico;
o Fosfato de Hidrogênio Potássico;
o AS03 - composto de escaleno (10,69 mg), DL-α-tocoferol
(vitamina E) e polissorbato 80.
Prazo de validade da vacina depois de aberta: 24 horas.
Efeitos Adversos
da Vacina
 Efeitos muito comuns (1 em cada 10 vacinados): dor e
inchaço no local da aplicação e tremores;
 Efeitos comuns (1 em cada 100 vacinados): náusea,
diarréia, sudorese, hiperemia e inchaço no local da
aplicação e tremores;
 Efeitos raros/muito raros (menos de 1 em cada 10.000
vacinados): linfadenopatia, insônia, tontura, vertigem,
dispnéia, dor abdominal, vômitos, desconforto gástrico,
prurido, etc.
Fornecedor Número de
doses
Valor/dose
unitária (US$)
Valor (US$
milhões)
Valor (R$
milhões)
Sanofi Pasteur /
Butantan 63 milhões 7,60 478,8 812,6
GlaxoSmith
Kline (GSK) 40 milhões 6,43 257,2 444,7
Novartis
OPAS 10 milhões 7,00 70,0 122,5
TOTAL
BRASIL 113 milhões – 806 milhões
1.379,8 bilhões
Grupos selecionados Dosagem Intervalo
Trabalhador de saúde
1 dose de 0,5 ml
População indígena acima de 9 anos aldeada
1 dose de 0,5 ml
Gestante em qualquer idade gestacional
1 dose de 0,5 ml
Portadores de doenças crônicas
1 dose de 0,5 ml
Crianças com idade entre seis meses e dois
anos
2 doses de 0,25ml 30 dias
Criança de 2 anos a 2 anos, 11 meses e 29 dias
(com comorbidades)
2 doses de 0,25ml 30 dias
Crianças nas faixas etária de 3 a 9 anos (com
comorbidades)
2 doses de 0,5 ml 30 dias
População de 20 a 29 anos
1 dose de 0,5 ml
Pessoas com mais de 60 anos
1 dose de 0,5 ml
População de 30 a 39 anos
1 dose de 0,5 ml
Dúvidas??
Obrigada!
Bibliografia
 ABBAS, Abul K.; LICHTMAN, Andrew H.Imunologia celular e molecular. 6ª edição. Rio de
Janeiro, RJ: Editora Elsevier.
 ROITT, Ivan; BROSTOFF, Jonathan; MALE, David.Imunologia. 6ª edição. Barueri, SP: Editora
Manole.
 TORTORA, Gerard J., FUNKE, Berdell R., CASE, Chistine L. Microbiologia. 8ª edição.Porto Alegre,
RS: Editora ARTMED.
 http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/115.pdf
 http://www.vacinas.org.br/
 http://drauziovarella.ig.com.br/arquivo/arquivo.asp?doe_id=82
 http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_diagnostico_raiva.pdf
 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/manu_normas_vac.pdf
 http://ec.europa.eu/enterprise/sectors/pharmaceuticals/documents/community-
register/1997/199711172975/anx_2975_pt.pdf
 http://www.eselx.ipl.pt/saudeseguranca/doenca/hepatite.htm
 http://www.sbhepatologia.org.br/pdf/uploads/76281consenso_redacao_final_b.pdf
 https://bdigital.ufp.pt/dspace/bitstream/10284/422/1/168-180REVISTA_FCS_04-3.pdf
 http://www.pasteur.saude.sp.gov.br
 http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/21125
 http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.cfm?id_area=1616
 http://www.vacinacaoinfluenza.com.br/site/conteudo/explicacao.asp
 http://www.novartis.com.br/
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Oseltamivir
 http://www.adeusgripe.com.br/ovirus.html
 http://www.bancodesaude.com.br/medicamentos/oseltamivir-tamiflu
 http://crohn.netne.net/index.php/dossier-gripe-a/44-dossier-gripe-a/479-tiomersal-em-vacinas-
thimerosal-e-toxico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
 
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM CloriH1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
 
Apresentacao Gripe Suina
Apresentacao Gripe SuinaApresentacao Gripe Suina
Apresentacao Gripe Suina
 
Gripe a1
Gripe a1Gripe a1
Gripe a1
 
A Gripe SuíNa Powerpoint
A Gripe SuíNa PowerpointA Gripe SuíNa Powerpoint
A Gripe SuíNa Powerpoint
 
Influenza A
Influenza AInfluenza A
Influenza A
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
 
Influenza A
Influenza AInfluenza A
Influenza A
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Gripe A (Influenza A)
Gripe A (Influenza A)Gripe A (Influenza A)
Gripe A (Influenza A)
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
 
Gripe A (H1N1)
Gripe A (H1N1)Gripe A (H1N1)
Gripe A (H1N1)
 
Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016
 
Influenza h1 n1
Influenza h1 n1Influenza h1 n1
Influenza h1 n1
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 

Destaque (18)

Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Mikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus InfluenzaMikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus Influenza
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
1.2 imagens de-aquaporina
1.2  imagens de-aquaporina1.2  imagens de-aquaporina
1.2 imagens de-aquaporina
 
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenzaBalanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
 
Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.
 
Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011Informe campanha influenza_2011
Informe campanha influenza_2011
 
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na InfluenzaPlano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
 
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivadosNomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivados
 
Protocolo Manejo Influenza-MS
Protocolo Manejo Influenza-MSProtocolo Manejo Influenza-MS
Protocolo Manejo Influenza-MS
 
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Hemaglutinina
HemaglutininaHemaglutinina
Hemaglutinina
 

Semelhante a Gripe H1N1: Endemia, Epidemia, Pandemia e Vacina

Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02
Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02
Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02Ale Almeida
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioBeatrisMaria
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAlefySantos2
 
Calendário Vacinal Febrasgo 2013
Calendário Vacinal Febrasgo 2013Calendário Vacinal Febrasgo 2013
Calendário Vacinal Febrasgo 2013clinican
 
Hsv na gestação
Hsv na gestaçãoHsv na gestação
Hsv na gestaçãotvf
 
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...Alexandre Naime Barbosa
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfarymurilo123
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfarymurilo123
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Instituto Consciência GO
 
Influenza e nefrologia
Influenza e nefrologiaInfluenza e nefrologia
Influenza e nefrologiaRenato sg
 
A Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãOA Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãOguestd825828
 
Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1cainaa13
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaMario Gandra
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptxWagnerSantos729263
 

Semelhante a Gripe H1N1: Endemia, Epidemia, Pandemia e Vacina (20)

Influenza A (H1N1)
Influenza A (H1N1)Influenza A (H1N1)
Influenza A (H1N1)
 
Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02
Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02
Calendvacinalfebrasgossa2013 131121201908-phpapp02
 
Hepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junioHepatites virais aula 04 junio
Hepatites virais aula 04 junio
 
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdfAULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
AULA 2 - Programa Nacional de Imunização (PNI).pdf
 
Calendário Vacinal Febrasgo 2013
Calendário Vacinal Febrasgo 2013Calendário Vacinal Febrasgo 2013
Calendário Vacinal Febrasgo 2013
 
Hsv na gestação
Hsv na gestaçãoHsv na gestação
Hsv na gestação
 
Live_PREVENÇÃOHBV_2020.pptx
Live_PREVENÇÃOHBV_2020.pptxLive_PREVENÇÃOHBV_2020.pptx
Live_PREVENÇÃOHBV_2020.pptx
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
 
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...Global health e doencas infecciosas  2019   infectologia - alexandre naime ba...
Global health e doencas infecciosas 2019 infectologia - alexandre naime ba...
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
 
Influeza Sanzonal
Influeza SanzonalInflueza Sanzonal
Influeza Sanzonal
 
Influenza e nefrologia
Influenza e nefrologiaInfluenza e nefrologia
Influenza e nefrologia
 
A Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãOA Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãO
 
Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1
 
Vacinas 2013
Vacinas 2013Vacinas 2013
Vacinas 2013
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
 

Mais de Denise Selegato

Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasElucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasDenise Selegato
 
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Denise Selegato
 
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Denise Selegato
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Denise Selegato
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Denise Selegato
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalDenise Selegato
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresDenise Selegato
 
Qualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasQualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasDenise Selegato
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarDenise Selegato
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaDenise Selegato
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsDenise Selegato
 

Mais de Denise Selegato (20)

Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasElucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
 
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
 
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacional
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
 
Cefepima
CefepimaCefepima
Cefepima
 
Qualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasQualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas Limpas
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Doenças da Tireoide
Doenças da TireoideDoenças da Tireoide
Doenças da Tireoide
 
Tireoide
TireoideTireoide
Tireoide
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Corticóides
CorticóidesCorticóides
Corticóides
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
 
Haloperidol
HaloperidolHaloperidol
Haloperidol
 

Último

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 

Último (10)

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 

Gripe H1N1: Endemia, Epidemia, Pandemia e Vacina

  • 2.  Endemia: doença infecciosa que ocorre habitualmente (com incidência significativa) em dada população ou região; Não atinge, nem se espalha para outras comunidades.  Epidemia: doença infecciosa, de caráter transitório, que ataca grande número de indivíduos em uma determinada localidade. É uma doença transmissível que se espalha rapidamente entre as pessoas, originando um surto epidêmico.  Pandemia: doença epidêmica amplamente disseminada, por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes .
  • 3. Pandemias de gripe Nome da pandemia Data Mortes Subtipo envolvido Índice de gravidade pandêmica Gripe Russa 1889–1890 1 milhão possivelmen te H2N2 ? Gripe Espanhola 1918–1920 40 a 100 milhões H1N1 5 Gripe Asiática 1957–1958 1 a 1,5 milhões H2N2 2 Gripe de Hong Kong 1968–1969 0,75 a 1 milhão H3N2 2 Gripe Suína 2009 + de 10 Mil H1N1 6
  • 4. Porque tantas mutações?  Dois fenômenos são importantes: 1. Drift: vírus acumula pequenas mutações nos genes H e N, suficientes para o sistema imune não reconhecer o vírus depois de um tempo. 2. Shift: dois vírus Influenza diferentes entram na mesma célula e ao saírem misturam seus cromossomos. Quando isso acontece, o vírus muda abruptamente e nosso sistema imune fica completamente despreparado.
  • 5.
  • 6. Mutação na Hemaglutinina What’s Old Is New: 1918 Virus Matches 2009 H1N1 Strain Downloaded from www.sciencemag.org on May 4, 2010 Science vol 327 – 26 março /2010
  • 7. Influenza H1N1 Família Ortomixovírus Espécie Myxovirus influenzae  É uma variação do vírus Influenza.  Partículas envelopadas de RNA segmentado de simples fita.  Tem alto poder de mutação e de disseminação.  A influenza possui 3 subtipos, segundo a diverdiade antigênica: A,B e C;
  • 8.
  • 9. Hemagutinina e Neuroaminase  2 mais importantes: a. Genes com alta taxa de mutação; b. Estimulam a resposta imune.  Influenza: um gene para codificar 1 de 16 possibilidades de HA e 1 de 9 possibilidades de NA;  Apenas 3 combinações encontradas no homem: H1N1, H2N2, H3N2.
  • 10. Hemaglutinina (HA)  Influenza H1N1: HA 01, 02 e 03;  Funções: 1. Facilitar a ligação do vírus à célula do hospedeiro; 2. Desencadeia um mecanismo de fusão do capsídeo viral à membrana celular.
  • 11. Neuraminase (NA)  Função: atua como enzima, hidrolisando o ácido siálico, facilitando liberação do vírus pela célula infectada;  Influenza H1N1: NA 01 e 02.
  • 12.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Tratamento Oseltamivir: C16H28N2O4 (Tamiflu)  Inibe diretamente a NA, dificultando a saída dos novos vírus das células, resultando no decréscimo da taxa de multiplicação viral no corpo.  Efeitos colaterais mais comuns: náuseas, vômitos, diarréia, dor abdominal e cefaléia.  Metabolização pelo fígado e TGI por esterases: carboxilato de oseltamivir.
  • 17.
  • 18. Diagnóstico 1. Detecção e identificação do vírus por PCR; 2. Isolamento viral; 3. ELISA (Enzyme-linked immunosorbent assay).  Realizados a partir de secreções respiratórias colhidas na cavidade nasal e garganta.
  • 19. Epidemiologia  Síndrome respiratória aguda pandêmica;  Primeiro caso em abril de 2009, no México;  Atualmente, mais de 90% dos casos de gripe são do vírus pandêmico;  Não é mais mortal ou violento que o vírus da gripe comum.
  • 20.  657 mortes no Brasil em 2009;  17,4 mil no mundo todo, até abril de 2010.
  • 21. Vacina  Distribuição x efeitos adversos graves. Tem efetividade média > que 95%, sendo a resposta máxima de Ac anti-H1N1 entre o 14° e 21° dia. Vacina injetável administrada intramuscularmente. Contra-indicações: pessoas alérgica a componentes da vacina ou alérgicas a ovo. FILME
  • 22. Indução de resposta imune inata Formação da resposta adaptativa Produção de Acs específicos para as proteínas virais presentes na vacina Vacina
  • 23. Informacões Técnicas da Vacina  Formulação básica da vacina: 1. Proteínas virais purificadas (HA e NA); 2. Adjuvantes que auxiliem na resposta imunológica.  Formas farmacêuticas:  Injetável: frascos multidoses de 0,5 ml;  Inavável.  Conservação: + 2º a + 8ºC, sendo ideal + 5ºC. Não pode ser congelada, nem exposta à luz solar direta.
  • 24. Vacina Fabricada pela Sanofi Pasteur/Butantan Composição: o Antígeno propagado em ovos: Cepa análoga (A/Califórnia/7/2009 (H1N1); o Tiomersal (45 mcg por dose de 0,5ml); o Cloreto de sódio; o Cloreto de potássio; o Fosfato dissódico diidratado; o Diidrogenofosfato de potássio; o Água para injeção. Prazo de validade da vacina depois de aberta: 07 dias.
  • 25. Vacina Fabricada pela GSK (GlaxoSmithKline) Composição: o Vírus like-v (3,75 mcg de o hemaglutinina/dose de 0,5ml); o Timerosal; o Cloreto de Sódio; o Fosfato de Hidrogênio Sódico; o Fosfato de Hidrogênio Potássico; o AS03 - composto de escaleno (10,69 mg), DL-α-tocoferol (vitamina E) e polissorbato 80. Prazo de validade da vacina depois de aberta: 24 horas.
  • 26. Efeitos Adversos da Vacina  Efeitos muito comuns (1 em cada 10 vacinados): dor e inchaço no local da aplicação e tremores;  Efeitos comuns (1 em cada 100 vacinados): náusea, diarréia, sudorese, hiperemia e inchaço no local da aplicação e tremores;  Efeitos raros/muito raros (menos de 1 em cada 10.000 vacinados): linfadenopatia, insônia, tontura, vertigem, dispnéia, dor abdominal, vômitos, desconforto gástrico, prurido, etc.
  • 27. Fornecedor Número de doses Valor/dose unitária (US$) Valor (US$ milhões) Valor (R$ milhões) Sanofi Pasteur / Butantan 63 milhões 7,60 478,8 812,6 GlaxoSmith Kline (GSK) 40 milhões 6,43 257,2 444,7 Novartis OPAS 10 milhões 7,00 70,0 122,5 TOTAL BRASIL 113 milhões – 806 milhões 1.379,8 bilhões
  • 28. Grupos selecionados Dosagem Intervalo Trabalhador de saúde 1 dose de 0,5 ml População indígena acima de 9 anos aldeada 1 dose de 0,5 ml Gestante em qualquer idade gestacional 1 dose de 0,5 ml Portadores de doenças crônicas 1 dose de 0,5 ml Crianças com idade entre seis meses e dois anos 2 doses de 0,25ml 30 dias Criança de 2 anos a 2 anos, 11 meses e 29 dias (com comorbidades) 2 doses de 0,25ml 30 dias Crianças nas faixas etária de 3 a 9 anos (com comorbidades) 2 doses de 0,5 ml 30 dias População de 20 a 29 anos 1 dose de 0,5 ml Pessoas com mais de 60 anos 1 dose de 0,5 ml População de 30 a 39 anos 1 dose de 0,5 ml
  • 30. Bibliografia  ABBAS, Abul K.; LICHTMAN, Andrew H.Imunologia celular e molecular. 6ª edição. Rio de Janeiro, RJ: Editora Elsevier.  ROITT, Ivan; BROSTOFF, Jonathan; MALE, David.Imunologia. 6ª edição. Barueri, SP: Editora Manole.  TORTORA, Gerard J., FUNKE, Berdell R., CASE, Chistine L. Microbiologia. 8ª edição.Porto Alegre, RS: Editora ARTMED.  http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/115.pdf  http://www.vacinas.org.br/  http://drauziovarella.ig.com.br/arquivo/arquivo.asp?doe_id=82  http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_diagnostico_raiva.pdf  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/manu_normas_vac.pdf  http://ec.europa.eu/enterprise/sectors/pharmaceuticals/documents/community- register/1997/199711172975/anx_2975_pt.pdf  http://www.eselx.ipl.pt/saudeseguranca/doenca/hepatite.htm  http://www.sbhepatologia.org.br/pdf/uploads/76281consenso_redacao_final_b.pdf  https://bdigital.ufp.pt/dspace/bitstream/10284/422/1/168-180REVISTA_FCS_04-3.pdf  http://www.pasteur.saude.sp.gov.br  http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/21125  http://portal.saude.gov.br/portal/saude/area.cfm?id_area=1616  http://www.vacinacaoinfluenza.com.br/site/conteudo/explicacao.asp  http://www.novartis.com.br/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Oseltamivir  http://www.adeusgripe.com.br/ovirus.html  http://www.bancodesaude.com.br/medicamentos/oseltamivir-tamiflu  http://crohn.netne.net/index.php/dossier-gripe-a/44-dossier-gripe-a/479-tiomersal-em-vacinas- thimerosal-e-toxico

Notas do Editor

  1. Epidemia: Isso poderá ocorrer por causa de uma mutação do agente transmissor da doença ou pelo surgimento de um novo agente (desconhecido).
  2. Nível 6 – Transmissão humana sustentada capaz de causar surtos em 3 ou mais países em pelo menos 2 regiões da OMS. A passagem para o nível 6 reflete o fato de que a doença, conhecida largamente como gripe suína, está se espalhando geograficamente, mas não é indicativo de sua virulência. Escala de 1 a 6.
  3. Provavelmente essa recombinação viral aconteceu em um suíno.
  4. Nome: Influenza H1N1  H: hemaglutinina e N: neuraminase, que são glicoproteínas da superfície do vírus. Os subtipos A e B causam uma maior morbidade e mortalidade que o tipo C. A pandemia esta mais associada ao subtipo A. O tipo A promove doença moderada a severa em todas as faixas etárias e pode causar epidemias, afetando até animais; O tipo B afeta somente humanos, principalmente crianças e causa epidemias leves; O tipo C não é epidêmico. Mutação: A natureza fragmentada do material genético do vírus influenza induz altas taxas de mutação durante a fase de replicação. Além disso, o reagrupamento entre vírus humanos e vírus que infectam outras espécies animais, induzem em novas formas de vírus. Disseminação: Os vírus se replicam nas células epiteliais colunares do trato respiratório e, a partir daí, misturam-se às secreções respiratórias e são espalhados por pequenas partículas de aerossol geradas durante o ato de espirrar, tossir ou falar.
  5. O corpo produz anticorpos contra as glicoproteínas neuraminase e hemaglutinina.
  6. Glicoproteínas da superfície viral;
  7. O vírus, através de seu receptor HA se liga ao terminal de ácido siálico de glicoproteínas da membrana celular; Quando chega às células que serão atacadas a proteína Hemaglutinina (HA) do capsídeo viral se liga a glicídios contendo ácidos siálicos presentes no glicocálix celular. A interação do vírus com os ácidos siálicos desencadeia um mecanismo de fusão do capsídeo viral à membrana celular.
  8. Quebra dos glicídios formadores do glicocálix da membrana celular e reduzindo sua resistência.
  9. (a) O vírus liga-se à superfície da célula hospedeira através da hemaglutinina; b) Entra na célula e inicia a replicação usando o material celular; (c) Os viriões recém-formados saem da célula (d) Os vibriões recem-formados são libertados pela neuraminidase viral; (e) O ciclo infeccioso continua.
  10. O período de incubação pode variar de 1 a 4 dias.
  11. O fosfato de oseltamivir é uma pró-droga éster-etil do carboxilato de oseltamivir. O carboxilato de oseltamivir inibe a neuraminidase do vírus da gripe de ambos os tipos: Influenza A e B.  Estes mimetizam o substrato natural da neuraminidase (ácido siálico), bloqueando o local ativo desta enzima.
  12. Ação do oseltamivir e do zanamivir, ligando-se a neuramidase, bloqueiam o local ativo dessa enzima. B. Não ocorre a ligação com o oseltamivir, temos resistência ao medicamento, logo a enzima vai continuar ativa.
  13. Na rede pública é mais ELISA. PCR: Cliclos de desnaturação e anelação;
  14. Quando consideramos a população jovem previamente saudável, este vírus pandêmico tem um maior potencial de causar uma doença grave, quando comparado a gripe comum.
  15. A vacina foi lançada tão rapidamente, pois as indústrias que a produziram já tinha experiencia na fabricação de vacinas do vírus da Influenza sazonal. Portanto, mesmo com o lançamento rápido, esta vacina é segura e não tem relatos da relação entre esta e eventos adversos graves. A vacina é preparada a partir do vírus da influenza propagados em ovos embrionados de galinha. http://g1.globo.com/Sites/Especiais/Noticias/0,,MUL1270759-16726,00- BUTANTAN+COMECA+A+FAZER+VACINA+ANTIGRIPE+EM+OUTUBRO+CONHECA +A+FABRICA+POR+D.html
  16. O vírus é inativado com formaldeído e fragmentado quimicamente;
  17. Tiomersal - é um composto contendo mercúrio orgânico (um organomercurial - cerca de 49% mercúrio em peso), amplamente utilizado como conservante (para ajudar a evitar potencial risco de vida a contaminação por microorganismos nocivos). Atualmente, é utilizado em baixíssimas doses e existe controvérsias sobre sua neurotoxicidade e uso. Cloreto de potássio e cloreto de sódio – agentes de tonicidade (mantem solução isotônica); Fosfato dissódico diidratado e diidrogenofosfato de potássio – agente tempão e quelante; Água – solvente.
  18. AS03 – é um composto de esqualeno3 (Óleo de fígado de tubarão – também é um bom emulsificante), DL-αtocoferol (vitamina E) e polissorbato 80 (emulsificante).
  19. O MS adquitiru a vacina visando proteger, primariamente, os grupos de risco e profissionais da saúde; As doses adquiridas não são suficientes para vacinar toda a população.
  20. População indígena: tem maior dificuldade em acessar as unidades hospitalares e são mais suscetíveis a infecções; Gestantes: 22% das mulheres que apresentaram síndrome respiratoria aguda (SRAG) por influenza A eram gestantes; Pacientes portadores de doenças crônicas: 35% dos pacientes que apresentaram SRAG, possuia algum tipo de doença crônica; Crianças: Crianças com menos de 2 anos apresentam maior tendência a adquirir SRAG; 20 a 29 anos: grupo mais acometido por SRAG (24% do total de casos); 30 a 39 anos: maior morbildade (22% dos casos de morte acometidos por SRAG); Profissionais da saúde: garantir o funcionamento dos serviços de saúde. A vacina pode ser administrada em qualquer periodo da gestação, porem, vacina com adjuvante só pode ser adm. Após o segundo trimestre de gravidez (por zelo, segundo o MS). Portanto, o MS optou por vacinar gestantes somente com a vacina sem o adjuvante;