SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
GRIPE SUÍNA/H1N1 Prof.. Marcos Nascimento PNEUMOLOGIA HUC PUCPR www.pulmaosa.com.br
Gripe Suína ????? O que está acontecendo ?
Destination Cities andCorresponding Volumes ofInternationalPassengersArrivingfromMexico betweenMarch 1 andApril 30, 2008  WWW.PULMAOSA.COM.BR
Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, asGLICOPROTEÍNAS, que  são duas:  - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos - Neuraminidase (N) 9 antígenos reconhecidos
MECANISMOS PARA ORIGEM DE UMA PANDEMIA DE INFLUENZA Re asociaciones genéticas Belshe , R. B. The origins of pandemic influenza-Lessons from the 1918 virus . N. Engl. J. Med . 2005 , 353 , 2209 – 2211 Mutaciones adaptativas N. Engl. J. Med . 2005 , 353 , 2209 – 2211
SwineFlu/Influenza A ,[object Object],As of May 11, 2009, 11:00 AM ET USA*                         	Laboratory confirmed cases: 2600  Deaths: 3     * As of May 25, 2009, 11:00 AM ET6,764 cases / Death: 10 As  June 24,2009, 11:00 AM ET  21,449 cases/ Death:87 ! Posted July 31, 2009, 11:00 AM ET: Hospitalized cases: 5,514 Deaths: 353 Governo Americano pede: EVITAR  locais com grande  aglomerado de pessoas p.ex: 	cinemas, teatros, Escolas, 					Igrejas, Centros comerciais, 					jogos esportivos ? www.pulmaosa.com.br http://www.cdc.gov/h1n1flu/
Gripe Suína ,[object Object],quando uma doença se desenvolve  	num local de forma rápida 	fazendo várias vítimas 	num curto intervalo de tempo ,[object Object],quando uma doença 	atinge uma grande parte da população  	de uma determinada região  		(cidade, estado, país) ou do planeta 	pode levar a milhares ou até milhões de vítimas
GRIPE ESPANHOLA
GRIPE ESPANHOLA
Massachusetts, enfermeiras cuidam de vítimas da epidemia de gripe espanhola de 1918 dentro de barracas de lona
Victims Removed From Quarrentine House In St. Louis 1918
Gripe X Resfriado GRIPE RESFRIADO Patógeno:   vírus influenza Transmissão	aérea + secreções Sistêmico	frequente Início		súbito Febre		alta Tratamento	sim Vacina	sim ! Patógeno: rino, corona, adenovírus Transmissão	mãos ! Sistêmico:   ocasional Início		gradual Febre		ausente ou baixa Tratamento	sintomático Vacina:         não ! www.pulmaosa.com.br    16
Gripe Suína/H1N1 ,[object Object]
Embora chamada de gripe suína, 		nova cepa não infectou os porcos Cepa geneticamente diferente 		do vírus da influenza sazonal H1N1 (humano) 			tem circulado pelo mundo nos últimos anos  O novo vírus contém DNA típico de 		vírus humanos, aviários e suínos(europeus e asiáticos)
Gripe Suína/H1N1 ,[object Object]
Dor de garganta,   cefaléia,   calafrios,  fadiga;
Eventual: diarréia e vômito;
Quadro grave: pneumonia / Ins. Respiratória;
Exacerbação e descompensação de doenças subjacentes;
Período de Incubação:  1 – 7 dias;,[object Object]
Abril de 2009
Espanha Confirma primeiro caso na Europa 27/04/2009
CAUSADA POR UM VÍRUS NOVO ,[object Object],- Não se sabe qual vai ser o comportamento dele - Ele pode sofrer mutações  que são imprevisíveis
TRANSMISSÃO DO VÍRUS 90% GOTÍCULAS  RESPIRATÓRIAS 10% CONTATO  COM SUPERFÍCIES  CONTAMINADAS
1,8m
CONTENÇÃO DE UMA PANDEMIA: EVIDÊNCIAS DE MODELOS #1 #2 casos x dia Dias desde o primeiro caso OAS Seminar on Avian Influenza - November 2007 1.  Atrasar a transmissão e o  pico epidêmico 2.  Descomprimir a pressão da demanda dos serviços de saúde 3.  Diminuir o número de casos e demais impactos nos sistemas de saúde Pandemia de influenza: Sem intervenção Pandemia de influenza: intervenção #3
Vacina contra gripe Componentes:   		Recomendação OMS – 2009 – Hemisfério Sul 				A / Brisbane / 59/ 2007 (H1N1) 				A / Brisbane / 10/ 2007 (H3N2) 				B / Florida / 4/ 2006 Eficácia: 70-80% Duração: 01 ano Pico: 3 meses                                     www.pulmaosa.com.br
É OBRIGATÓRIOO BLOQUEIO DOS GERMES
BARREIRAS  PARA A TOSSE E ESPIRRO PAPEL  HIGIÊNICO LENÇOS  DE PAPEL PAPEL  TOALHA GUARDANAPO DE PAPEL
DEPOIS QUE USAR DESCARTAR  NO LIXO COMUM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 CompletoFlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
escola
 
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM CloriH1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
Ivanilda Milfont
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
João Silva
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
Erick Bragato
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 
Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]
guesta606d9
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Maria Eliane Santos
 
Influenza A
Influenza AInfluenza A
Influenza A
wasouza
 
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinicoFebre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
Adriana Facin
 

Mais procurados (19)

FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 CompletoFlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
FlueducaçãO080709 Final Revisado 06 07 2009 Completo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM CloriH1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
H1N1 para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - EM Clori
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado  Epidemias Em Um Mundo Interligado
Epidemias Em Um Mundo Interligado
 
VersãO Final FormaçãO Gripe
VersãO Final FormaçãO GripeVersãO Final FormaçãO Gripe
VersãO Final FormaçãO Gripe
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]Gripe Virus H5 N1[1]
Gripe Virus H5 N1[1]
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Eventos de massa | Febre Amarela
Eventos de massa | Febre AmarelaEventos de massa | Febre Amarela
Eventos de massa | Febre Amarela
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
 
Apresentação cikungunya jg
Apresentação cikungunya jgApresentação cikungunya jg
Apresentação cikungunya jg
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
 
Influenza A
Influenza AInfluenza A
Influenza A
 
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinicoFebre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
 
Simp6 dengue
Simp6 dengueSimp6 dengue
Simp6 dengue
 

Destaque

ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe AApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
Cristina Vitória
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
8Aap
 
Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1
cainaa13
 
Mikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus InfluenzaMikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus Influenza
Sintia Julianti
 

Destaque (20)

ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe AApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Hemaglutinina
HemaglutininaHemaglutinina
Hemaglutinina
 
Cartilha gripe suina
Cartilha gripe suinaCartilha gripe suina
Cartilha gripe suina
 
Gripe Suina
Gripe SuinaGripe Suina
Gripe Suina
 
Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1Apresentação gripe a h1 n1
Apresentação gripe a h1 n1
 
Medidas preventivas contra a Gripe Suína (vírus H1N1)
Medidas preventivas contra a Gripe Suína (vírus H1N1)Medidas preventivas contra a Gripe Suína (vírus H1N1)
Medidas preventivas contra a Gripe Suína (vírus H1N1)
 
Influenza A
Influenza AInfluenza A
Influenza A
 
Gripe A (H1N1)
Gripe A (H1N1)Gripe A (H1N1)
Gripe A (H1N1)
 
Mikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus InfluenzaMikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus Influenza
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
 
H1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suinoH1N! -Gripe suino
H1N! -Gripe suino
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Influenza H1N1
Influenza H1N1Influenza H1N1
Influenza H1N1
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..CiêNcias+[1]..
CiêNcias+[1]..
 

Semelhante a Gripe Suína Paraná- Brasil

Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
LucasMarage1
 

Semelhante a Gripe Suína Paraná- Brasil (20)

O virus influenza h1 n1
O virus influenza h1 n1O virus influenza h1 n1
O virus influenza h1 n1
 
Influenza h1 n1
Influenza h1 n1Influenza h1 n1
Influenza h1 n1
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Influenza_2020.ppt
Influenza_2020.pptInfluenza_2020.ppt
Influenza_2020.ppt
 
ApresentaçãO1 Ann
ApresentaçãO1 AnnApresentaçãO1 Ann
ApresentaçãO1 Ann
 
Ambiente biológico e a saúde
Ambiente biológico e a saúdeAmbiente biológico e a saúde
Ambiente biológico e a saúde
 
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdfApresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
Apresentação-Medicina-4periodo-Influenza.pdf
 
Influenza e nefrologia
Influenza e nefrologiaInfluenza e nefrologia
Influenza e nefrologia
 
Influenza H1 N1
Influenza  H1 N1  Influenza  H1 N1
Influenza H1 N1
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
 
Influenza A (H1N1)
Influenza A (H1N1)Influenza A (H1N1)
Influenza A (H1N1)
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Aprendendo mais sobre "H1N1"
Aprendendo mais sobre "H1N1"Aprendendo mais sobre "H1N1"
Aprendendo mais sobre "H1N1"
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
 
Edição 5
Edição 5Edição 5
Edição 5
 
H1 n1
H1 n1H1 n1
H1 n1
 
H1N1
H1N1 H1N1
H1N1
 
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
 

Gripe Suína Paraná- Brasil

  • 1. GRIPE SUÍNA/H1N1 Prof.. Marcos Nascimento PNEUMOLOGIA HUC PUCPR www.pulmaosa.com.br
  • 2. Gripe Suína ????? O que está acontecendo ?
  • 3. Destination Cities andCorresponding Volumes ofInternationalPassengersArrivingfromMexico betweenMarch 1 andApril 30, 2008 WWW.PULMAOSA.COM.BR
  • 4. Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, asGLICOPROTEÍNAS, que são duas: - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos - Neuraminidase (N) 9 antígenos reconhecidos
  • 5. MECANISMOS PARA ORIGEM DE UMA PANDEMIA DE INFLUENZA Re asociaciones genéticas Belshe , R. B. The origins of pandemic influenza-Lessons from the 1918 virus . N. Engl. J. Med . 2005 , 353 , 2209 – 2211 Mutaciones adaptativas N. Engl. J. Med . 2005 , 353 , 2209 – 2211
  • 6.
  • 7.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Massachusetts, enfermeiras cuidam de vítimas da epidemia de gripe espanhola de 1918 dentro de barracas de lona
  • 14. Victims Removed From Quarrentine House In St. Louis 1918
  • 15.
  • 16. Gripe X Resfriado GRIPE RESFRIADO Patógeno: vírus influenza Transmissão aérea + secreções Sistêmico frequente Início súbito Febre alta Tratamento sim Vacina sim ! Patógeno: rino, corona, adenovírus Transmissão mãos ! Sistêmico: ocasional Início gradual Febre ausente ou baixa Tratamento sintomático Vacina: não ! www.pulmaosa.com.br 16
  • 17.
  • 18. Embora chamada de gripe suína, nova cepa não infectou os porcos Cepa geneticamente diferente do vírus da influenza sazonal H1N1 (humano) tem circulado pelo mundo nos últimos anos O novo vírus contém DNA típico de vírus humanos, aviários e suínos(europeus e asiáticos)
  • 19.
  • 20. Dor de garganta, cefaléia, calafrios, fadiga;
  • 22. Quadro grave: pneumonia / Ins. Respiratória;
  • 23. Exacerbação e descompensação de doenças subjacentes;
  • 24.
  • 26. Espanha Confirma primeiro caso na Europa 27/04/2009
  • 27.
  • 28.
  • 29. TRANSMISSÃO DO VÍRUS 90% GOTÍCULAS RESPIRATÓRIAS 10% CONTATO COM SUPERFÍCIES CONTAMINADAS
  • 30.
  • 31. 1,8m
  • 32. CONTENÇÃO DE UMA PANDEMIA: EVIDÊNCIAS DE MODELOS #1 #2 casos x dia Dias desde o primeiro caso OAS Seminar on Avian Influenza - November 2007 1. Atrasar a transmissão e o pico epidêmico 2. Descomprimir a pressão da demanda dos serviços de saúde 3. Diminuir o número de casos e demais impactos nos sistemas de saúde Pandemia de influenza: Sem intervenção Pandemia de influenza: intervenção #3
  • 33. Vacina contra gripe Componentes: Recomendação OMS – 2009 – Hemisfério Sul A / Brisbane / 59/ 2007 (H1N1) A / Brisbane / 10/ 2007 (H3N2) B / Florida / 4/ 2006 Eficácia: 70-80% Duração: 01 ano Pico: 3 meses www.pulmaosa.com.br
  • 35. BARREIRAS PARA A TOSSE E ESPIRRO PAPEL HIGIÊNICO LENÇOS DE PAPEL PAPEL TOALHA GUARDANAPO DE PAPEL
  • 36. DEPOIS QUE USAR DESCARTAR NO LIXO COMUM
  • 38. ÀS VEZES, SE NÃO TEM JEITO... CDC - 2007
  • 39. Seenvolva, você pode ser o diferencial entre a vida e a morte de um ser humano! WWW.PULMAOSA.COM.BR
  • 40. O mundo e o Paraná agradecem!
  • 41. FONTES PULMAO S.A- www.pulmaosa.com.br CDC USA Ministério da Saúde Brasil Dr. Marcos Nascimento,Md. Prof. Medicina PUCPR