SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
A CNTU E A SAÚDE NO BRASIL



          HUMANIZAÇÃO
           DA MEDICINA


  DRA MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL
              JULHO 2011
DRA. MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL


Secretária de Gênero da Federação Nacional dos Médicos do Brasil.
           Vice – Presidente do Sindicato Médico do RS.
       Conselheira Titular – Conselho Estadual de Saúde/RS.
 Médica Emergencista do Hospital Nossa Senhora da Conceição e
                    Hospital Ernesto Dornelles/RS
  Membro da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais
                   Universitários Regulamentados.
 Membro da Confederação Médica Latino-Americana e do Caribe.
HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE



Por humanização na saúde entendemos a
   valorização dos diferentes sujeitos
 implicados no processo de produção de
saúde: usuários, trabalhadores e gestores.
A POLÍTICA NACIONAL DE
                       HUMANIZAÇÃO

    A proposta da Política Nacional de Humanização (PNH)
   coincide com os próprios princípios do SUS, enfatizando a
    necessidade de assegurar atenção integral à população e
estratégias de ampliar a condição de direitos e de cidadania das
   Pessoas. Propondo uma atuação que leve à “ampliação da
garantia de direitos e o aprimoramento da vida em sociedade”.




 Ministério da Saúde/Política Nacional de Humanização. Relatório Final da Oficina HumanizaSUS.
 Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
A IMPORTÂNCIA DA HUMANIZAÇÃO
                 NA SAÚDE

    A constituição de um atendimento calcado em princípios
     como a integralidade da assistência, a eqüidade e a
   participação social do usuário, dentre outros, demanda
criação de espaços de trabalho que valorizem a dignidade do
                  trabalhador e do usuário.

Na possibilidade de resgate do humano, é que pode residir a
           intenção de humanizar o fazer em saúde.
A HUMANIZAÇÃO NA
                               MEDICINA



  Reconhecer e aceitar os sentimentos envolvidos com as
doenças e agravos;
  Acolher;
  Olhar;
  Escutar;
  Conversar e esclarecer;
  Reconhecer os limites.
RELAÇÃO
 MÉDICO-PACIENTE

        A relação médico - paciente
tem sido focalizada como um aspecto
chave para a melhoria da qualidade
do serviço de saúde e desdobra-se em
diversos componentes, como a
personalização da assistência, a
humanização do atendimento e o
direito à informação.
RELAÇÃO
             MÉDICO-PACIENTE

  Médico ativo/paciente
passivo

  Médico dirigindo/
paciente colaborando

  Médico agindo/ paciente
interagindo ativamente
(aliança terapêutica)
RELAÇÃO
               MÉDICO-PACIENTE

 O novo Código de Ética Médica (2010), tem como um dos
pontos principais, instituir uma relação mais participativa e
            interativa entre médico e paciente.

    CEM (1988)                         CEM(2010)
Este direito não estava     (Cap.V) O paciente tem o direito de
definido claramente no          escolher como quer seguir o
        código.                   tratamento, desde que os
                                procedimentos diagnósticos e
                             terapêuticos sejam cientificamente
                                       reconhecidos.
DESUMANIZAÇÃO COM O
    TRABALHADOR
  Demandas superiores a sua capacidade;

   Poucas condições para atendimento: falta
de medicamentos, falta de equipamento, falta
de pessoal;

   Atenção básica enfraquecida, necessitando
de fortalecimento urgente;

   Demora em exames complexos, em virtude
da grande demanda;
DESUMANIZAÇÃO COM O
    TRABALHADOR

    Hospitais sem a resolutibilidade necessária,
 sobrecarregados, devido ao grande n° de
 pacientes;

   Leitos insuficientes;

   Grave crise de leitos hospitalares no Brasil;

   Relações precárias de trabalho.
A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE


        As OSs, OSCIP’s, Fundações Públicas de Direito
Privado, Cooperativas Genéricas e Sociedades em Conta de
Participação que abrigam diferentes tipos de trabalhadores,
são formas institucionais que precarizam o trabalho do
profissional de saúde e a prestação do serviço de saúde.
FORMAS DA PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE
                 TRABALHO


Pagamento por RPA, sem qualquer vínculo ou direito.
Falsas cooperativas de trabalho.
Poder Público faz contratos emergenciais reiterados.
Contratos por meio de fundações paraestatais para atividades-fim do
Estado; pode demitir a bem do interesse da instituição; escapa do controle
social.
Trabalho através de Cargos Comissionados (CCs).
Sub-contratação direta.
Exigência do tomador de trabalho para constituição de pessoa jurídica
individual ou coletiva.
OSCIP’S.
AS CONDIÇÕES QUE AFETAM O
         TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE



Hoje, os Hospitais foram submetidos a um novo padrão de gestão: Sistema
de Contratualização;

Mesmo com a Aprovação da EC 29 continua existindo problemas de Sub-
financiamento no SUS;

A Municipalização e Regionalização da Saúde, onde as operações estão
municipalizadas/regionalizadas, mas com recursos ainda centralizados na
União (Gov. Federal);

Neste contexto o médico é um dos lados mais fracos, porque com menos
recursos e mais demandas é contra o médico que muitos se voltam.
VIOLAÇÃO AOS
DIREITOS HUMANOS NA
   SAÚDE NO BRASIL
VIOLAÇÃO AOS
      DIREITOS HUMANOS NA SAÚDE



Violação da saúde enquanto Direito Fundamental


Violação da saúde enquanto Direitos Humanos
DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE




Como lutar por uma humanização na saúde,
   se a medicina esta sendo diariamente
              desumanizada?
Pronto Atendimento Cruzeiro do Sul
                                       (PORTO ALEGRE)




Hospital de Clinicas de Porto Alegre
HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO – RS/BRASIL
Hospital Público no Rio   Hospital de Clinicas de
  Grande do Norte            Porto Alegre RS
Pronto Socorro João Paulo II – Rondônia
HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO PORTO ALEGRE / RS
PRONTO SOCORRO JOÃO PAULO II – PORTO VELHO/RO
LEITO




MACEIÓ/ ALAGOAS
HUMANIZAÇÃO
    DA MEDICINA



       OBRIGADA
DRA MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL
            JULHO 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
Priscila Tenório
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 

Mais procurados (20)

Manual paciente - direitos dos pacientes SUS
Manual paciente - direitos dos pacientes SUSManual paciente - direitos dos pacientes SUS
Manual paciente - direitos dos pacientes SUS
 
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção BásicaManual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
Manual técnico de normas e rotinas para enfermagem na Atenção Básica
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis ...
Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis ...Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis ...
Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis ...
 
humanização saúde
humanização saúdehumanização saúde
humanização saúde
 
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptxESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMILIA.pptx
 
Você faz a diferença!
Você faz a diferença!Você faz a diferença!
Você faz a diferença!
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
 
Desafios do SUS
Desafios do SUS Desafios do SUS
Desafios do SUS
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Políticas Públicas de Saúde direcionadas à Poulação LGBT no Estado de São Paulo
Políticas Públicas de Saúde direcionadas à Poulação LGBT no Estado de São PauloPolíticas Públicas de Saúde direcionadas à Poulação LGBT no Estado de São Paulo
Políticas Públicas de Saúde direcionadas à Poulação LGBT no Estado de São Paulo
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Responsabilidade profissional da saúde
Responsabilidade profissional da saúdeResponsabilidade profissional da saúde
Responsabilidade profissional da saúde
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 

Destaque

Plano de trabalho aluno voluntário
Plano de trabalho aluno voluntárioPlano de trabalho aluno voluntário
Plano de trabalho aluno voluntário
Pesquisa Acaraú
 
Motivacao voluntarios
Motivacao voluntariosMotivacao voluntarios
Motivacao voluntarios
Educadora
 
Centro de recuperação teste
Centro de recuperação testeCentro de recuperação teste
Centro de recuperação teste
aprendaexiboo
 
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTOCaderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Caminhos da humanizacao_na_saude
Caminhos da humanizacao_na_saudeCaminhos da humanizacao_na_saude
Caminhos da humanizacao_na_saude
jccbf
 

Destaque (17)

Revista cuidarte ano 7 nº12 novembro 2014
Revista cuidarte ano 7 nº12 novembro 2014Revista cuidarte ano 7 nº12 novembro 2014
Revista cuidarte ano 7 nº12 novembro 2014
 
AS OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO INSTRUMENTOS LÚDICOS DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA...
AS OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO INSTRUMENTOS LÚDICOS DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA...AS OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO INSTRUMENTOS LÚDICOS DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA...
AS OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO INSTRUMENTOS LÚDICOS DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA...
 
Plano de trabalho aluno voluntário
Plano de trabalho aluno voluntárioPlano de trabalho aluno voluntário
Plano de trabalho aluno voluntário
 
Voluntariado, Saúde e Humanização
Voluntariado, Saúde e HumanizaçãoVoluntariado, Saúde e Humanização
Voluntariado, Saúde e Humanização
 
Motivacao voluntarios
Motivacao voluntariosMotivacao voluntarios
Motivacao voluntarios
 
Centro de recuperação teste
Centro de recuperação testeCentro de recuperação teste
Centro de recuperação teste
 
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTOCaderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
 
O marketing e a humanização de marcas
O marketing e a humanização de marcasO marketing e a humanização de marcas
O marketing e a humanização de marcas
 
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na HumanizaçãoA Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
 
Caminhos da humanizacao_na_saude
Caminhos da humanizacao_na_saudeCaminhos da humanizacao_na_saude
Caminhos da humanizacao_na_saude
 
Carrera Medicina
Carrera MedicinaCarrera Medicina
Carrera Medicina
 
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEMLIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Medicina do trabalho
Medicina do trabalhoMedicina do trabalho
Medicina do trabalho
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
 
Medicina
MedicinaMedicina
Medicina
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 

Semelhante a Humanizacao da medicina

O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúdeO acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
B&R Consultoria Empresarial
 
Assuntos p portifólio
Assuntos p portifólioAssuntos p portifólio
Assuntos p portifólio
rsalin
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Jaja Newsted
 
Abc do sus doutrinas e principios
Abc do sus doutrinas e principiosAbc do sus doutrinas e principios
Abc do sus doutrinas e principios
Isabela Sousa
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Fernanda Silva
 

Semelhante a Humanizacao da medicina (20)

Apres. carlão
Apres. carlãoApres. carlão
Apres. carlão
 
O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúdeO acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
O acolhimento como diferencial humanizado em instituições de saúde
 
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da EnfermagemA Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
 
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da EnfermagemA Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
A Humanização e a Gestão em Saúde: os desafios da Enfermagem
 
CNS sobre "ato médico"
CNS sobre "ato médico"CNS sobre "ato médico"
CNS sobre "ato médico"
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
 
Assuntos p portifólio
Assuntos p portifólioAssuntos p portifólio
Assuntos p portifólio
 
Aula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumidoAula 1 sus resumido
Aula 1 sus resumido
 
Cartilhasusvolume2
Cartilhasusvolume2Cartilhasusvolume2
Cartilhasusvolume2
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
 
0103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-03380103 1104-sdeb-38-101-0338
0103 1104-sdeb-38-101-0338
 
Mural sus
Mural susMural sus
Mural sus
 
sus
sussus
sus
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
 
Abc do sus doutrinas e principios
Abc do sus doutrinas e principiosAbc do sus doutrinas e principios
Abc do sus doutrinas e principios
 
Apostila do SUS
Apostila do SUSApostila do SUS
Apostila do SUS
 
Abc-do-sus-doutrinas-e-principios
Abc-do-sus-doutrinas-e-principiosAbc-do-sus-doutrinas-e-principios
Abc-do-sus-doutrinas-e-principios
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 

Mais de CNTU - Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados

Mais de CNTU - Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (20)

Zilmara Alencar - Homologacão
Zilmara Alencar - HomologacãoZilmara Alencar - Homologacão
Zilmara Alencar - Homologacão
 
Zilmara Alencar - Certificacão Digital
Zilmara Alencar - Certificacão DigitalZilmara Alencar - Certificacão Digital
Zilmara Alencar - Certificacão Digital
 
Jonas Matos - Contribuicão Sindical
Jonas Matos - Contribuicão SindicalJonas Matos - Contribuicão Sindical
Jonas Matos - Contribuicão Sindical
 
Francisco Rodrigues (Tuca) - Gestão Financeira
Francisco Rodrigues (Tuca) - Gestão FinanceiraFrancisco Rodrigues (Tuca) - Gestão Financeira
Francisco Rodrigues (Tuca) - Gestão Financeira
 
Everson Costa - Conjuntura Econômica
Everson Costa - Conjuntura EconômicaEverson Costa - Conjuntura Econômica
Everson Costa - Conjuntura Econômica
 
Cátia Lassalvia - Mídias Digitais
Cátia Lassalvia - Mídias DigitaisCátia Lassalvia - Mídias Digitais
Cátia Lassalvia - Mídias Digitais
 
Zilmara Alencar - Negociação Coletiva
Zilmara Alencar - Negociação ColetivaZilmara Alencar - Negociação Coletiva
Zilmara Alencar - Negociação Coletiva
 
Ampliação da Competência da Justiça do Trabalho
Ampliação da Competência da Justiça do TrabalhoAmpliação da Competência da Justiça do Trabalho
Ampliação da Competência da Justiça do Trabalho
 
A comunicação da CNTU
A comunicação da CNTUA comunicação da CNTU
A comunicação da CNTU
 
Curso de Formação Sindical - Contribuição Sindical
Curso de Formação Sindical - Contribuição Sindical Curso de Formação Sindical - Contribuição Sindical
Curso de Formação Sindical - Contribuição Sindical
 
Regras para o registro sindical
Regras para o registro sindicalRegras para o registro sindical
Regras para o registro sindical
 
Campanha Brasil Inteligente - Contra o uso de agrotóxicos
Campanha Brasil Inteligente - Contra o uso de agrotóxicosCampanha Brasil Inteligente - Contra o uso de agrotóxicos
Campanha Brasil Inteligente - Contra o uso de agrotóxicos
 
Campanha Brasil Inteligente - Mobilidade
Campanha Brasil Inteligente - MobilidadeCampanha Brasil Inteligente - Mobilidade
Campanha Brasil Inteligente - Mobilidade
 
Perspectivas para o Desenvolvimento
Perspectivas para o DesenvolvimentoPerspectivas para o Desenvolvimento
Perspectivas para o Desenvolvimento
 
Da Rio 92 à Rio + 20
Da Rio 92 à Rio + 20Da Rio 92 à Rio + 20
Da Rio 92 à Rio + 20
 
Democracia e comunicação
Democracia e comunicaçãoDemocracia e comunicação
Democracia e comunicação
 
Saneamento ambiental
Saneamento ambientalSaneamento ambiental
Saneamento ambiental
 
Mudancas climaticas
Mudancas climaticasMudancas climaticas
Mudancas climaticas
 
Reforma administrativa
Reforma administrativaReforma administrativa
Reforma administrativa
 
Política Social e Previdência Social
Política Social e Previdência SocialPolítica Social e Previdência Social
Política Social e Previdência Social
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (11)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Humanizacao da medicina

  • 1. A CNTU E A SAÚDE NO BRASIL HUMANIZAÇÃO DA MEDICINA DRA MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL JULHO 2011
  • 2. DRA. MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL Secretária de Gênero da Federação Nacional dos Médicos do Brasil. Vice – Presidente do Sindicato Médico do RS. Conselheira Titular – Conselho Estadual de Saúde/RS. Médica Emergencista do Hospital Nossa Senhora da Conceição e Hospital Ernesto Dornelles/RS Membro da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados. Membro da Confederação Médica Latino-Americana e do Caribe.
  • 3. HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE Por humanização na saúde entendemos a valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores.
  • 4. A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO A proposta da Política Nacional de Humanização (PNH) coincide com os próprios princípios do SUS, enfatizando a necessidade de assegurar atenção integral à população e estratégias de ampliar a condição de direitos e de cidadania das Pessoas. Propondo uma atuação que leve à “ampliação da garantia de direitos e o aprimoramento da vida em sociedade”. Ministério da Saúde/Política Nacional de Humanização. Relatório Final da Oficina HumanizaSUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
  • 5. A IMPORTÂNCIA DA HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE A constituição de um atendimento calcado em princípios como a integralidade da assistência, a eqüidade e a participação social do usuário, dentre outros, demanda criação de espaços de trabalho que valorizem a dignidade do trabalhador e do usuário. Na possibilidade de resgate do humano, é que pode residir a intenção de humanizar o fazer em saúde.
  • 6. A HUMANIZAÇÃO NA MEDICINA Reconhecer e aceitar os sentimentos envolvidos com as doenças e agravos; Acolher; Olhar; Escutar; Conversar e esclarecer; Reconhecer os limites.
  • 7. RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE A relação médico - paciente tem sido focalizada como um aspecto chave para a melhoria da qualidade do serviço de saúde e desdobra-se em diversos componentes, como a personalização da assistência, a humanização do atendimento e o direito à informação.
  • 8. RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE Médico ativo/paciente passivo Médico dirigindo/ paciente colaborando Médico agindo/ paciente interagindo ativamente (aliança terapêutica)
  • 9. RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE O novo Código de Ética Médica (2010), tem como um dos pontos principais, instituir uma relação mais participativa e interativa entre médico e paciente. CEM (1988) CEM(2010) Este direito não estava (Cap.V) O paciente tem o direito de definido claramente no escolher como quer seguir o código. tratamento, desde que os procedimentos diagnósticos e terapêuticos sejam cientificamente reconhecidos.
  • 10. DESUMANIZAÇÃO COM O TRABALHADOR Demandas superiores a sua capacidade; Poucas condições para atendimento: falta de medicamentos, falta de equipamento, falta de pessoal; Atenção básica enfraquecida, necessitando de fortalecimento urgente; Demora em exames complexos, em virtude da grande demanda;
  • 11. DESUMANIZAÇÃO COM O TRABALHADOR Hospitais sem a resolutibilidade necessária, sobrecarregados, devido ao grande n° de pacientes; Leitos insuficientes; Grave crise de leitos hospitalares no Brasil; Relações precárias de trabalho.
  • 12. A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE As OSs, OSCIP’s, Fundações Públicas de Direito Privado, Cooperativas Genéricas e Sociedades em Conta de Participação que abrigam diferentes tipos de trabalhadores, são formas institucionais que precarizam o trabalho do profissional de saúde e a prestação do serviço de saúde.
  • 13. FORMAS DA PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO Pagamento por RPA, sem qualquer vínculo ou direito. Falsas cooperativas de trabalho. Poder Público faz contratos emergenciais reiterados. Contratos por meio de fundações paraestatais para atividades-fim do Estado; pode demitir a bem do interesse da instituição; escapa do controle social. Trabalho através de Cargos Comissionados (CCs). Sub-contratação direta. Exigência do tomador de trabalho para constituição de pessoa jurídica individual ou coletiva. OSCIP’S.
  • 14. AS CONDIÇÕES QUE AFETAM O TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE Hoje, os Hospitais foram submetidos a um novo padrão de gestão: Sistema de Contratualização; Mesmo com a Aprovação da EC 29 continua existindo problemas de Sub- financiamento no SUS; A Municipalização e Regionalização da Saúde, onde as operações estão municipalizadas/regionalizadas, mas com recursos ainda centralizados na União (Gov. Federal); Neste contexto o médico é um dos lados mais fracos, porque com menos recursos e mais demandas é contra o médico que muitos se voltam.
  • 15. VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NA SAÚDE NO BRASIL
  • 16. VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NA SAÚDE Violação da saúde enquanto Direito Fundamental Violação da saúde enquanto Direitos Humanos
  • 17. DESAFIO DA HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE Como lutar por uma humanização na saúde, se a medicina esta sendo diariamente desumanizada?
  • 18. Pronto Atendimento Cruzeiro do Sul (PORTO ALEGRE) Hospital de Clinicas de Porto Alegre
  • 19. HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO – RS/BRASIL
  • 20. Hospital Público no Rio Hospital de Clinicas de Grande do Norte Porto Alegre RS
  • 21. Pronto Socorro João Paulo II – Rondônia
  • 22. HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO PORTO ALEGRE / RS
  • 23. PRONTO SOCORRO JOÃO PAULO II – PORTO VELHO/RO
  • 25. HUMANIZAÇÃO DA MEDICINA OBRIGADA DRA MARIA RITA SABO DE ASSIS BRASIL JULHO 2011