SlideShare uma empresa Scribd logo
Ética CristãAndar na linha num mundo com dois extremos: o certo, e o errado!“Porventura, não erram os que praticam o mal? Mas amor e fidelidade haverá para os que praticam o bem.” Pv. 14.22
.....................Capítulo IÉtica Cristã - DefiniçãoCiência que trata das origens, dos princípios e das práticas do que é certo e do que é errado à Luz das Santas Escrituras, em adição à luz da razão e da natureza.Conjunto de princípios morais que se devem observar e praticar.Segundo o Dicionário Teológico, Ética [ Do Gr. Etiké] Ciência moral. Estudo sistemático dos deveres e obrigações do indivíduo, da sociedade e do governo. Seu objetivo: estabelecer o que é certo e o que é errado. Ela tem como  fonte a consciência, o direito natural, a tradição  e as legislações escritas; mas, acima de tudo o que Deus estabeleceu em Sua Palavra – a ética das éticas.
II – Tarefa e objetivo da Ética CristãDefinir o Supremo BemDeclarar os princípios de ação humana, necessários para se alcançar essa meta.Dupla Função1 – Na ética filosóficaBusca pelo supremo bem, tais como, prazer, felicidade, poder e cumprimento do dever sem segundas intenções e realização própria.2 – A revelação bíblica contrasta com a ética filosófica, estabelecendo a vontade de Deus com a meta ética do homem.Por meio da exegese, o eticista determina a natureza e o propósito da vontade de Deus para a ação humana. As normas da EC podem ser usadas em decisões atuais, porém com muito cuidado ao que se refere aos diversos insights (filosóficos, históricos e científicos).b) A EC é bifocal. Busca na Bíblia normas e princípios de conduta. Nas outras disciplinas, busca dados baseados em fatos para uma ação inteligente.
2 – Objetivo da Ética Cristã1 – Alguns limitam a esfera da EC ao indivíduo, e não a sociedade. 2 – Outros preocupam com problemas sociais, negligenciando as necessidades espirituais, reduzindo o Cristianismo a um programa social.1 – Esse foi o erro da teologia liberal norte-americana do final do século XIX e início do XX, segundo a qual o reino de Deus tendia a identificar-se com a perpetuidade do homem e com o progresso social.2. É artificial a divisão do evangelho em evangelho social e individual. O evangelho de acordo com as Escrituras possui os dois aspectos que não devem ser dissociados.
III – Na história cristã, vários tipos de Ética têm se desenvolvido?1. De modo geral esses tipos podem ser classificados na base de grupos religiosos?(1) Igreja Primitiva;(2) Igreja Católica Romana;(3) Igreja Católica Ortodoxa Grega;(4) Igreja Protestante.A Igreja Primitiva, desenvolveu uma ética digna de ser  citada quando tinham tudo em comum, compartir o pão, vender sua propriedades e repartir na sua comunidade conforme Atos  4 e outros textos, sua Ciência seu conceito Fazer o Bem , o certo; manter a comunhão, perseverar na oração e na doutrina dos apóstolos, e tinha a Bíblia como Regra de Fé e prática. Fundamento Cristo.
A Igreja Católica Romana, Centralizada em Roma, seu conceito da infalibilidade papal, depois do Concílio de Constantinópla em (381]  sua teoria o Fundador foi Pedro, adotou o celibato aos sacerdotes, instituiu as indulgências , culto a Maria a “ mediadora” adotou os livros não canônicos  na Bíblia e uma  gama de  desvio da Bíblia, sua ética do que é Certo a Luz da Bíblia em muitos  pontos são conflitantes. Como organização tem muitos pontos bons.Igreja católica Ortodoxa Grega; A Igreja Ortodoxa,                                                  também conhecida como Igreja Católica Apostólica Ortodoxa ou Igreja Ortodoxa Oriental, é uma das principais Igrejascristãs da atualidade. A Igreja Ortodoxa vê a si mesma como a verdadeira igreja instituída por Jesus Cristo, e a seus líderes, sucessores dos apóstolos. Em que pesem diferenças teológicas, organizacionais e de espiritualidade não desprezáveis, no todo sua doutrina é semelhante à da Igreja Católica; preserva os sete sacramentos, o respeito a ícones e o uso de vestes litúrgicas nos seus cultos (denominados de divina liturgia). Seus fiéis são chamados de cristãos ortodoxos.  A Igreja Ortodoxa e a Igreja Católica Apostólica Romana separaram-se no século XI . Por essa razão os ortodoxos não reconhecem a autoridade do Papa, não aceitam os dogmas proclamados pela Igreja Católica Romana em séculos recentes, tais como o da Imaculada Conceição e o da infalibilidade papal, e não consideram válidos os sacramentos ministrados por outras confissões.
A Reforma Protestante (31/10/1517) foi um movimento reformistacristão iniciado no século XVI por Martinho Lutero, que, através da publicação de suas 95 teses, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica, propondo uma reforma no catolicismo. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas.Lutero foi apoiado por vários religiosos e governantes europeus provocando uma revolução religiosa, iniciada na Alemanha, e estendendo-se pela Suíça, França, Países Baixos, Reino Unido, Escandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria. A resposta da Igreja Católica Romana foi o movimento conhecido como Contra-Reforma ou Reforma Católica, iniciada no Concílio de Trento.   O resultado da Reforma Protestante foi a divisão da chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e os reformados ou protestantes, originando o Protestantismo.
Os cinco solas são princípios fundamentais da Reforma protestante: Sola fide (somente a fé); Sola scriptura (somente a Escritura); Solus Christus (somente Cristo); Sola gratia (somente a graça); Soli Deo gloria (glória somente a Deus). 2. Podem ser classificados também em termos de aspecto social?(1) Monasticismo(2) Legalismo;(3) Pietismo;(4) Liberalismo;(5) Socialismo Religioso.Monasticismo – [ Do Gr. Monastikós] Doutrina segundo a qual a melhor maneira de se agradar a Deus é retirar-se do convívio social para se dedicar à ascese (prática do ascetismo  ou os ascetas},  à oração e ao estudo dos livros santos. Estes não são necessariamente a Bíblia Sagrada, mas as obras dos diversos místicos que, na clausura, criaram uma religião dentro da religião cristã. Através das Escrituras, observamos que para o  homem ser santo, não lhe é  preciso  isolar-se  da sociedade. Basta lhe tão somente dedicar-se no serviço divino a Obra de Deus. A Santidade pressupõe, acima de tudo, serviço ao Rei dos reis e Senhor dos senhores.
Legalismo-  [Do latim legale + ismo] Obediência formal e exterior à Lei de Moisés sem se atentar ao seu espírito, (da lei) significado e propósito. Os legalistas, geralmente, são levados a desprezar a graça de Cristo. Eles não sabem, por exemplo, que o fim da Lei è Cristo. E Cristo é a expressão máxima do amor de Deus.Pietismo -  [ Do latim piet, piedade + ismo} Reavivamento espiritual que ocorreu entre os luteranos alemães, no século XVII, e que posteriormente, ganhou notoriedade na Inglaterra e nos Estados Unidos. O pietismo surgiu como movimento de oposição à escolástica luterana.  (Escolástica Luterana), Teologia luterana também elaborada no século XVII se preocupou em  dirimir as dúvidas que ainda persistiam acerca dos princípios que levaram Lutero no século anterior, a deflagrar a Reforma Protestante. Era minuciosa em suas definições. Busca tratar os temas teológicos com precisão, lógica e coerência.
Liberalismo – [ Do Latim liberare, tornar livre] Movimento que teve início no final do século passado (XX) na Europa e nos Estados Unidos. Seu principal objetivo é extirpar da Bíblia todo elemento sobrenatural, submetendo as Escrituras a uma crítica científica e humanista. No Liberalismo  teológico, não há  lugar para milagres, profecias e a divindade de Cristo Jesus. Seu principal instrumento não é a revelação, é a especulação. Uma abordagem filosófica da Palavra de Deus.Socialismo Religioso - É um termo usado para descrever formas de socialismo que são baseadas em valores religiosos. O socialismo religioso, especificamente o de vertente cristã, foi o tipo de socialismo original que existiu no início do século XIX na Europa Ocidental, a partir do qual todas as outras vertentes se ramificaram. - Muitas das maiores religiões descobriram que as suas crenças acerca da sociedade humana, convergem com princípios e ideias socialistas. Como resultado, os movimentos socialistas religiosos desenvolveram-se dentro destas religiões.
3. A classificação pode, também, ser feita na base de conceitos inerentes?(1) Lei natural;(2) Amor;(3) Reino de Deus;(4) Idéia de Perfeição;(5) Imitação de Cristo;(6) Visão de Deus;(7) Idéia de Felicidade, etc.4 Ética Cristã é, de um modo geral, classificada em termos de ética teológica e ética deontológica.1) Ética teológica começa com o problema da meta ou fim do homem. Assim, a visão de Deus, a perfeição humana, o Reino de Deus são postos como metas éticas do homem.2) Ética deontológica é uma ética de obediência. Os que seguem esse método se preocupam mais com as exigências de Deus do que a meta do homem. E uma ética de obediência radical à vontade de Deus.
5. Ética Cristã contemporânea. Representantes:1) Liberais (Evangelho social) - elaboração do reino de Deus como uma realidade social na terra.2) Fundamentalistas - ética legalista? vê a ética ou a moralidade como uma moralidade a códigos e regras de conduta.3) Conservadores - consideram a Bíblia como a fonte mais rica da revelação da vontade de Deus. Reconhecem, por ouro lado, o valor de uma consciência iluminada na interpretação de problemas não discutidos nas Escrituras
IV – A Ética Cristã e outras disciplinas1 – A EC e a TeologiaA Ética Cristã e a Teologia estão orgânica e inseparavelmente relacionadas, sendo Deus a base de toda a moralidade cristã, somente podendo ser separadas para fins de estudos.Ética CristãIdeal HumanísticoÉtica CristãDissociadaTeologiaTeologia
1 – EC e teologia bíblica. EC coopera com estudos bíblicos, estabelecendo o conteúdo ético da Bíblia.2 - Coopera com a História Eclesiástica, examinando a ênfase ética da igreja através dos séculos.3 - Coopera com a Homilética, proclamando mensagens de caráter ético.2 – EC e os ramos da teologia4 - Coopera com o Aconselhamento Pastoral, reduzindo ansiedades e frustrações (ao tratar do senso de culpa moral).5 - Coopera com Missões, preparando homens para enfrentar questões morais nos campos missionários.6 - Coopera com a Educação Religiosa, incluindo e levando à realização de verdades éticas.
3. EC está, fundamentalmente, relacionada com a psicologia, a Ciência da mente e do comportamento humano.1) As faculdades morais do homem são uma parte básica de sua constituição mental.Quais são as faculdades morais do homem?Intelecto percepção, pensamento;Vontade  o poder da alma de escolher tanto o fim como os meios de atingir o objetivo;Consciência  é a ação combinada das três faculdades (intelecto, vontade e consciência), dando ao homem um senso íntimo de sua responsabilidade moral, e julgando entre o bem e o mal.2) Questões essenciais à ação moral tais como caráter, consciência e vontade, envolvem estados da mente do indivíduo.3) Nenhum julgamento adequado pode ser feito, de um ato, certo ou errado, bom ou mal, até que o motivo que jaz ao fundo de toda a conduta seja conhecido.Direito de Resposta
4) Psiquiatras e psicólogos estão se compenetrando da conexão vital entre Psicologia e Ética.1. Erich Fromm, eminente psiquiatra, descobriu que Neurose em si mesma, em última análise, é sintonia de um fracasso moral.Neuroses:desordens de sentidos e movimento causadas por efeitos gerais do sistema nervosoErich Fromm
2. O psicólogo Gordon Allport, da Universidade de Harvard diz: A maioria dos conflitos que causam prejuízo à saúde mental., tem a ver com os cursos de conduta que o indivíduo considera moralmente obrigatórios. Quer as chamemos de consciência ou superego, o senso moral está quase sempre envolvido em qualquer conflito sério.Gordon Allport
3. Ética, desse modo, está relacionada não somente com a correção da conduta, os motivos que a põem em ação e a determinam, mas também com o fracasso moral da pessoa que está agindo. Portanto, ética e psicologia se necessitam, reciprocamente, para entenderem o homem mais completamente.4. Ética tem uma relação vital com as várias ciências sociais, particularmente com a Sociologia.Sintetizando: A Ética busca nessas disciplinas conhecer fenômenos e condições sociais que as outras pessoas vivem, ou seja, através das ciências sociais,  deduz a situação que impera neste meio, e volta-se para a bíblia a fim de estabelecer  elementos que digam como a situação deve ser, sempre com um princípio coerente e executável.
5- Finalmente, ética cristã está relacionada com a filosofia.Ambas têm interesse na base fundamental da conduta, na natureza do que é certo ou errado: valores, epistemologia, dever, felicidade, homem e sociedade.1) A ética, contudo, deve resguardar-se de se desviar para o terreno da lei moral racional.2) A ética cristã, dessa maneira, poderá lançar mão dos insights filosóficos, que contribuem para a compreensão desses problemas.3) Revisadas e transformadas para que sejam consistentes com a fé e o amor, certas idéias filosóficas podem ser vantajosas. Um clássico exemplo de como o amor pode usar os insights da moralidade religiosa é visto em Agostinho, um dos pais da Igreja. Ele define as quatro virtudes cardeais dos gregos: sabedoria, temperança coragem e justiça - em termos de amor. Em seu pensamento o amor é a essência de toda virtude. Portanto, ele interpreta os ideais gregos como expressões do princípio do amor cristão.
1. Sabedoria torna-se amor, discernimento, acertadamente, o que auxilia ou impede nas suas relações com Deus.2. Coragem apresenta-se como amor, suportando, prontamente, todas as coisas pelo amor do objeto amado.3. Justiça aparece como amor servindo a Deus somente e, portanto, governando bem as coisas a ele sujeitas.4. Temperança é amor que se conserva íntegro e incorrupto para Deus.Agostinho
4) Obviamente, uma completa síntese da moralidade cristã e filosófica é impossível, devido à transcendente natureza da Ética Cristã.Ética CristãComeça com a RevelaçãoPossui a VerdadePossui uma constante ProcuraÉtica FilosóficaComeça com a Razão
5) Os eticistas cristãos podem, proveitosamente, apropriar, transformar e usar os válidos insights dos moralistas filosóficos, ressalvando que a singularidade da ética cristã não seja empanada ou perdida. A ética cristã nunca deve perder sua natureza transmoral através de excessiva amolgação com ideais filosóficos ou de acomodação com essas idéias. Precisa sempre permanecer mais do que meramente outro ensino ético, ainda que esplêndido, ao lado de Platão, Séneca, Aristóteles e Kant.Sintetizando: Os praticantes da Ética Cristã, podem usufruir dos conceitos filosóficos, entretanto mantendo sempre viva a verdadeira essência da EC, jamais deixando que estes conceitos sejam ofuscados, esmagados por esta ciência.V – Por que estudar Ética Cristã?1. Porque o crente necessita de luz sobre seus problemas diários. Constantemente, ele necessita de fazer decisões morais em situações complexas e ambíguas.2. É, especialmente, imperativo que os ministros entendam de ética para dar uma orientação moral sã aos seus membros, bem como às pessoas de fora da igreja que venham buscar sua ajuda.
3. O cristão necessita de uma compreensão ética para evitar erros comuns de raciocínio ético.Quais Erros?1) de reduzir a moralidade cristã a um mero conjunto de regras.2) de permitir o interesse próprio desviar o julgamento moral.3) de enfatizar pequenas questões éticas em detrimento de questões de maior importância.ERRO4) de divorciar religião, de ética.5)de substituir conduta por contemplação ética.
4. Outro motivo para se estudar ética cristã é que ela estimula o próprio crescimento moral do cristão. A ética provê um padrão pelo qual alguém pode medir seu próprio desenvolvimento moral. A luz desse padrão, o indivíduo poderá ver o que ele deve ser, em contraste com o que ele é. Isso cria uma tensão e um descontentamento, levando-o à meta da perfeição que Deus exige de seus filhos.Indivíduo como ele éÉticaCristãIndivíduo como ele deve serDecisão:APERFEIÇOAR-SEPerfeição exigida por Deus
5. O cristão deve estudar ética cristã porque o ensino de Jesus é tanto ético quanto teológico. Portanto, ninguém pode interpretar o Cristianismo a menos que o entenda e dê ênfase ao conteúdo ético do Evangelho................................Atividades de Apoio01. Responda:	a) O que é Ética Cristã?	b) Quais são as funções da Ética Cristã?02. Ética Cristã é, de um modo geral, classificada em termos de ética teológica e ética deontológica. Explique.03. Cite os representantes da Ética Cristã contemporânea.04. Resumidamente, explique a relação que há entre a Ética Cristã e a filosofia.05. Por que é necessário o crente estudar Ética Cristã?
.....................Capítulo IIA Base no Antigo TestamentoUma continuidade fundamental prevalece entre o ensino do Antigo e o do Novo Testamento. Daí uma compreensão da ética hebraica ser essencial para o conhecimento adequado da ética de Jesus e do NT em geral. A ética cristã requer, portanto, um estudo da moralidade no Antigo Testamento.I - Características da moralidade hebraica1. A ética hebraica é, radicalmente, teocêntrica centrada em Deus1) Deus é fonte de toda exigência moral e é o supremo bem. Quem é esse Deus?a) O único criado, soberano governador e pai (Dt6.4, Is 40.28, Ml 2.10).b) Em contraste com os ídolos, O Senhor Deus é a verdade / Ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno (Jr 10.10).c) É o Deus santo, que requer santidade de seu povo (Lv 19.2).d) É o Deus justo que requer justiça de seus filhos (Is 45.21, Am 5.24).
2) A comunhão com Deus é inseparável de uma vida irrepreensível (Mq 6.8).Sintetizando: O Senhor estará conosco enquanto estivermos com Ele.3) A obediência à vontade de Deus é o princípio básico da ética do AT O cumprimento da vontade de Deus deve basear-se no amor (Dt 6.5, 10.12).4) O amor de Deus é exemplificado na eleição e na aliança.1. Na eleição. Observe-se que o amor divino é imerecido (Dt 7.7, 9.4-5, 7.8).2. Na aliança. Note-se que é um amor profundo, mas é um amor que espera correspondência?a) O amor eletivo deve ser correspondido com profundo amor a Deus (Dt 6.5).(a) Essa resposta ao imenso amor dividido deve ser t.n termos de uma vida santa (Gn 12.1, Ex 20.1).(b) Com efeito, o amor eletivo requeria a responsabilidade moral da parte de Israel (Mq 3.11, Jr 5.12).
b) O amor eletivo deve ser correspondido através de profundo amor ao próximo, inclusive aos inimigos (Dt 6.5, 10.12, Lv 19.18,34, Ex 23.4)Sintetizando: devemos amar uns aos outros, sem acepção de pessoas.c) O amor eletivo deve ser correspondido através do serviço: a Deus e ao próximo. Israel foi escolhido para ser uma bênção (Ex 19.3-6, Is 42.6-7).2. De acordo com Gardner no livro Fé Bíblica e Ética Social, a segunda grande característica da moralidade hebraica é o seu TOM OPERATIVO. Exemplo: Ex 20.15, Lv 19.2, Dt 6.5. O grande texto de Mq 6.8, embora esteja vazado no modo indicado, a intenção é imperativa.
3- A moralidade hebraica é prática, segundo Gardner, os profetas estão intensamente interes-sados na justiça e misericórdia, mas a preocupação deles não é com a justiça e misericórdia ideais de algum sonho utópico, mas antes com a justiça e a misericórdia incorporados nas decisões e nas ações de homens numa sociedade pecadora. Verdade, justiça e misericórdia são coisas que devem ser praticadas.Podemos acrescentar:PRATICADAS POR TODOSHoward Gardner
II - A doutrina do homem e do pecado1. O homem é uma criatura feita à imagem de Deus (Gn 1.27). Esse fato nos fornece duas idéias dominantes: a dignidade e o domínio do homem:1) A dignidade do homem é vista no fato de que ele foi criado para comunhão com Deus. Note-se que Deus se dirige ao homem como pessoa e que o homem tem capacidade para responder.2) A qualidade de domínio no homem é vista no fato de que ele participa da soberania de Deus na terra (SI 8.4-8).2. Mas o homem desejou ser igual a Deus.O orgulho e a desobediência do homem resultaram na Queda Embora a imagem de Deus no homem não se tenha perdido na Queda (Gn 5.1-3, 9.5-6), esta o deixou com um coração corrupto e mau (Gn 8.21). Tão somente Deus pode livrar o homem de sua pecaminosa e perigosa condição (Is 45.22, Jr 8.7, 31.10).
3. A ética hebraica apresenta, igualmente, uma visão realista do pecado.1) Pelo menos doze palavras são usadas no VT para descrever o pecado e suas várias manifestações.2) O sentido mais dominante é a idéia do pecado como rebelião contra Deus (Am 1.3, Mq 1.5).Naturalmente pecado, também, é uma violação da lei, mas, primariamente, é um pecado contra o próprio Deus (SI 51.4). Basicamente, pecado é contra Deus e não contra um código de ética ou de costumes da comunidade................................Atividades de Apoio01. Cite três características da moralidade hebraica.02. Deus é fonte de toda exigência moral e é o supremo bem. Quem é esse Deus? Explique.03. Sobre a doutrina do homem e do pecado, marque as alternativas corretas.(       )  O homem desejou ser igual a Deus.(       ) A dignidade do homem é vista no fato de que ele foi criado para comunhão com Deus.(       ) Pecado é uma violação da lei, mas, primariamente, é um pecado contra um código de ética ou de costumes da comunidade.
.....................Capítulo IIIA Ética do DecálogoOs Dez Mandamentos ocupam um lugar central na vida moral do povo de Israel. Os Dez Mandamentos são a pedra angular da ética hebraica, ocupando o mesmo lugar na religião de Israel que o Sermão do Monte ocupa na do Cristianismo (Andrew Osbern).Nesse estudo dar-se-á particular atenção à parte ética ou moral do Decálogo, o qual se encontra no livro de Êxodo, capítulo 20 versos 1 a 17.As leis do Decálogo são mandamentos divinos; constituem valores eternos e universais indispensáveis ao indivíduo e à sociedade. O dever do homem para com Deus é resumido nas quatro, primeiras leis; os seis restantes dizem respeito aos deveres de uma pessoa consigo mesma e com o próximo. Nesse capítulo será feita uma tentativa para estabelecer os princípios morais básicos encerrados em cada uma dessas dez leis.
I – Deveres para com Deus1° Mandamento: Não terás outros deuses diante de mim (Ex 20.3). Verdade Central: A unicidade de Deus.2° Mandamento: Não farás para ti imagem de escultura (Ex 20.4). Verdade central: Espiritualidade.3° Mandamento: Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão... (Ex 20.7). Verdade Central: Reverência para com Deus.4° Mandamento: Lembra-te do dia do sábado para o santificar (Ex 20.8). Verdade Central: Descanso.II – Deveres para com o próximo5° Mandamento: Honra o teu pai e a tua mãe, para que se prolongam os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá (Ex 20.12). Verdade Central: Respeito pela autoridade dos pais.6° Mandamento: Não matarás. Verdade Central: A santidade da vida humana; Não assassinarás é o sentido da expressão, no original hebraico.7° Mandamento: Não adulterarás (Ex 20.14). Verdade Central: Proteção da família como uma Instituição.
8° Mandamento: Não furtarás (Ex 20.15). Verdade Central: Proteção do direito da Propriedade Pessoal.9° Mandamento: Não dirás falso testemunho contra teu próximo Ex 20.16). Verdade central: Verdade para com o próximo.III – Dever de um pessoa para consigo mesma10° Mandamento: Não cobiçarás (Ex 20.17). Verdade central: Interiorização da lei................................Atividades de Apoio1- Responda:O que constituem as leis do Decálogo?b) O que o 5° mandamento marca?c) Qual é a verdade central do 10° mandamento?d) O que o 9o mandamento expressa? Qual a relação existente entre o 8° e 9° mandamento? Explique.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Daladier Lima
 
Teologia contemporanea
Teologia contemporaneaTeologia contemporanea
Teologia contemporanea
Antonio Rodrigues
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Joanilson França Garcia
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
Gcom digital factory
 
(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade
Afonso Murad (FAJE)
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
guestc5d870
 
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética CristãÉtica Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Francelia Carvalho Oliveira
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Missões Adoração
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Aconselhamento pastoral
Aconselhamento pastoralAconselhamento pastoral
Aconselhamento pastoral
Elizeu Santos
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
Geversom Sousa
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
Respirando Deus
 
Tipologia aula 1
Tipologia aula 1Tipologia aula 1
Tipologia aula 1
jaime junior
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
Moisés Sampaio
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
Carlos Cirleno Neves
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
Teologia Pastoral
Teologia PastoralTeologia Pastoral
Teologia Pastoral
Ad Junior
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
faculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Teologia contemporanea
Teologia contemporaneaTeologia contemporanea
Teologia contemporanea
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
 
(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade(7) a teologia diante da modernidade
(7) a teologia diante da modernidade
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética CristãÉtica Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Aconselhamento pastoral
Aconselhamento pastoralAconselhamento pastoral
Aconselhamento pastoral
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
 
Tipologia aula 1
Tipologia aula 1Tipologia aula 1
Tipologia aula 1
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
Teologia Pastoral
Teologia PastoralTeologia Pastoral
Teologia Pastoral
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 

Destaque

ÉTica cristã aula 01
ÉTica cristã aula 01ÉTica cristã aula 01
ÉTica cristã aula 01
Nivaldo R. Santos
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
Jose Ventura
 
Ética Cristã (Medieval)
Ética Cristã (Medieval)Ética Cristã (Medieval)
Ética Cristã (Medieval)
Rene Lins
 
ética cristã - teologia do obreiro
 ética cristã - teologia do obreiro ética cristã - teologia do obreiro
ética cristã - teologia do obreiro
Marcelo Mardson Souza Lima E Silva
 
A ética na idade media
A ética na idade mediaA ética na idade media
A ética na idade media
Harrison Sodre Melônio
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Ricardo819
 
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpoYoublisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Flavia Marques
 
psicologia da religião
psicologia da religiãopsicologia da religião
psicologia da religião
faculdadeteologica
 
éTica na igreja
éTica na igrejaéTica na igreja
éTica na igreja
MARIA LÚCIA OLIVEIRA
 
ÉTica cristã (aula 4)
ÉTica cristã (aula 4)ÉTica cristã (aula 4)
ÉTica cristã (aula 4)
Nivaldo R. Santos
 
Etica
EticaEtica
ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02
Nivaldo R. Santos
 
ÉTica cristã (aula 03)
ÉTica cristã (aula 03)ÉTica cristã (aula 03)
ÉTica cristã (aula 03)
Nivaldo R. Santos
 
Ética e Teologia
Ética e TeologiaÉtica e Teologia
Ética e Teologia
Daniel M Junior
 
Ética Pastoral
Ética PastoralÉtica Pastoral
Ética Pastoral
Ana Maria Smyth
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 
ETICA
ETICAETICA
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
ÉTica cristã slides aula 4
ÉTica cristã   slides aula 4ÉTica cristã   slides aula 4
ÉTica cristã slides aula 4
Jose Ventura
 
Evangélico autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
Evangélico   autores diversos - manual do pastor pentecostal cpadEvangélico   autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
Evangélico autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
manoel ramos de oliveira
 

Destaque (20)

ÉTica cristã aula 01
ÉTica cristã aula 01ÉTica cristã aula 01
ÉTica cristã aula 01
 
Ética cristã slides aula 2
Ética cristã   slides aula 2Ética cristã   slides aula 2
Ética cristã slides aula 2
 
Ética Cristã (Medieval)
Ética Cristã (Medieval)Ética Cristã (Medieval)
Ética Cristã (Medieval)
 
ética cristã - teologia do obreiro
 ética cristã - teologia do obreiro ética cristã - teologia do obreiro
ética cristã - teologia do obreiro
 
A ética na idade media
A ética na idade mediaA ética na idade media
A ética na idade media
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
 
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpoYoublisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpo
 
psicologia da religião
psicologia da religiãopsicologia da religião
psicologia da religião
 
éTica na igreja
éTica na igrejaéTica na igreja
éTica na igreja
 
ÉTica cristã (aula 4)
ÉTica cristã (aula 4)ÉTica cristã (aula 4)
ÉTica cristã (aula 4)
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02
 
ÉTica cristã (aula 03)
ÉTica cristã (aula 03)ÉTica cristã (aula 03)
ÉTica cristã (aula 03)
 
Ética e Teologia
Ética e TeologiaÉtica e Teologia
Ética e Teologia
 
Ética Pastoral
Ética PastoralÉtica Pastoral
Ética Pastoral
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
ÉTica cristã slides aula 4
ÉTica cristã   slides aula 4ÉTica cristã   slides aula 4
ÉTica cristã slides aula 4
 
Evangélico autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
Evangélico   autores diversos - manual do pastor pentecostal cpadEvangélico   autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
Evangélico autores diversos - manual do pastor pentecostal cpad
 

Semelhante a éTica cristã slides

Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis SegundoLibertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Afonso Murad (FAJE)
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
LELO
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
Yury Fontão
 
História do protestantismo
História do protestantismoHistória do protestantismo
História do protestantismo
Haroldo Xavier Silva
 
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano IIDas origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
João Pereira
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Agostinhofilho
 
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
João Carlos Butske da Silva
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
Milton JB Sobreiro
 
2 doutrina social da igreja fins da dsi
2 doutrina social da igreja fins da dsi2 doutrina social da igreja fins da dsi
2 doutrina social da igreja fins da dsi
Jorge Eduardo Brandán
 
As diferenças denominacionais
As diferenças denominacionaisAs diferenças denominacionais
As diferenças denominacionais
Alberto Simonton
 
Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03
SEBICTeologia
 
Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03
Seminário Bíblico Cristão
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
Carlos Alves
 
éTica cristão
éTica cristãoéTica cristão
éTica cristão
Ócio do Ofício
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Thais Madureira
 
Guerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anosGuerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anos
Emilio Reverendo
 
Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2
semnazarenovirtual
 
1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx
PIB Penha - SP
 
Religião
ReligiãoReligião

Semelhante a éTica cristã slides (20)

Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis SegundoLibertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
Libertação da teologia frente à secularização em Juan Luis Segundo
 
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporaneaTomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
Tomás Nsunda Lelo, Fasciculo de teologia contemporanea
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
 
História do protestantismo
História do protestantismoHistória do protestantismo
História do protestantismo
 
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano IIDas origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
Das origens da Teologia Prática/Pastoral ao Vaticano II
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
14-Principios_Basicos_da_Etica_Crista.pdf
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
 
2 doutrina social da igreja fins da dsi
2 doutrina social da igreja fins da dsi2 doutrina social da igreja fins da dsi
2 doutrina social da igreja fins da dsi
 
As diferenças denominacionais
As diferenças denominacionaisAs diferenças denominacionais
As diferenças denominacionais
 
Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03
 
Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03Historia da igreja Aula 03
Historia da igreja Aula 03
 
Teologia Contemporanea
Teologia ContemporaneaTeologia Contemporanea
Teologia Contemporanea
 
éTica cristão
éTica cristãoéTica cristão
éTica cristão
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
Filosofiamedieval 130322112129-phpapp02
 
Guerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anosGuerra dos 30 anos
Guerra dos 30 anos
 
Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2Identidade Nazarena - M2
Identidade Nazarena - M2
 
1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx1 - O que é o Cristianismo.pptx
1 - O que é o Cristianismo.pptx
 
Religião
ReligiãoReligião
Religião
 

Mais de Jose Ventura

Lição 6 tiatira a igreja tolerante
Lição 6 tiatira a igreja toleranteLição 6 tiatira a igreja tolerante
Lição 6 tiatira a igreja tolerante
Jose Ventura
 
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundoLição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Jose Ventura
 
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártirLição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
Jose Ventura
 
Lição 3 A igreja do amor esquecido
Lição 3 A igreja do amor esquecidoLição 3 A igreja do amor esquecido
Lição 3 A igreja do amor esquecido
Jose Ventura
 
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristoLição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Jose Ventura
 
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Jose Ventura
 
Lição 12 conservando a pureza do movimento pentecostal
Lição 12   conservando a pureza do movimento pentecostalLição 12   conservando a pureza do movimento pentecostal
Lição 12 conservando a pureza do movimento pentecostal
Jose Ventura
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Jose Ventura
 
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
Jose Ventura
 
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Jose Ventura
 
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Jose Ventura
 
Teologia da liderança e da administração
Teologia da liderança e da administraçãoTeologia da liderança e da administração
Teologia da liderança e da administração
Jose Ventura
 
Teologia da educação cristã bacharel aula do dia 11 de maio
Teologia da educação cristã   bacharel aula do dia 11 de maioTeologia da educação cristã   bacharel aula do dia 11 de maio
Teologia da educação cristã bacharel aula do dia 11 de maio
Jose Ventura
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Jose Ventura
 
Pentecostalismo e a heresia unicista professor alberto
Pentecostalismo e a heresia unicista   professor albertoPentecostalismo e a heresia unicista   professor alberto
Pentecostalismo e a heresia unicista professor alberto
Jose Ventura
 
Raizes historico teologicas do movimento pentecostal
Raizes historico teologicas do movimento pentecostalRaizes historico teologicas do movimento pentecostal
Raizes historico teologicas do movimento pentecostal
Jose Ventura
 
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
Jose Ventura
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Jose Ventura
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Jose Ventura
 
Escatologia aula 5
Escatologia   aula 5Escatologia   aula 5
Escatologia aula 5
Jose Ventura
 

Mais de Jose Ventura (20)

Lição 6 tiatira a igreja tolerante
Lição 6 tiatira a igreja toleranteLição 6 tiatira a igreja tolerante
Lição 6 tiatira a igreja tolerante
 
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundoLição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
 
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártirLição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
Lição 4 Esmirna a igreja confessante e mártir
 
Lição 3 A igreja do amor esquecido
Lição 3 A igreja do amor esquecidoLição 3 A igreja do amor esquecido
Lição 3 A igreja do amor esquecido
 
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristoLição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
 
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
 
Lição 12 conservando a pureza do movimento pentecostal
Lição 12   conservando a pureza do movimento pentecostalLição 12   conservando a pureza do movimento pentecostal
Lição 12 conservando a pureza do movimento pentecostal
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
 
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 25 de maio e 2 de junho
 
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
 
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junhoTeologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
Teologia da liderança e da administração dias 9 e 16 de junho
 
Teologia da liderança e da administração
Teologia da liderança e da administraçãoTeologia da liderança e da administração
Teologia da liderança e da administração
 
Teologia da educação cristã bacharel aula do dia 11 de maio
Teologia da educação cristã   bacharel aula do dia 11 de maioTeologia da educação cristã   bacharel aula do dia 11 de maio
Teologia da educação cristã bacharel aula do dia 11 de maio
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
 
Pentecostalismo e a heresia unicista professor alberto
Pentecostalismo e a heresia unicista   professor albertoPentecostalismo e a heresia unicista   professor alberto
Pentecostalismo e a heresia unicista professor alberto
 
Raizes historico teologicas do movimento pentecostal
Raizes historico teologicas do movimento pentecostalRaizes historico teologicas do movimento pentecostal
Raizes historico teologicas do movimento pentecostal
 
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
Educacao Teologica nas Assembleias de Deus
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
 
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
Teologia da educação cristã   bacharel aula 3Teologia da educação cristã   bacharel aula 3
Teologia da educação cristã bacharel aula 3
 
Escatologia aula 5
Escatologia   aula 5Escatologia   aula 5
Escatologia aula 5
 

éTica cristã slides

  • 1. Ética CristãAndar na linha num mundo com dois extremos: o certo, e o errado!“Porventura, não erram os que praticam o mal? Mas amor e fidelidade haverá para os que praticam o bem.” Pv. 14.22
  • 2. .....................Capítulo IÉtica Cristã - DefiniçãoCiência que trata das origens, dos princípios e das práticas do que é certo e do que é errado à Luz das Santas Escrituras, em adição à luz da razão e da natureza.Conjunto de princípios morais que se devem observar e praticar.Segundo o Dicionário Teológico, Ética [ Do Gr. Etiké] Ciência moral. Estudo sistemático dos deveres e obrigações do indivíduo, da sociedade e do governo. Seu objetivo: estabelecer o que é certo e o que é errado. Ela tem como fonte a consciência, o direito natural, a tradição e as legislações escritas; mas, acima de tudo o que Deus estabeleceu em Sua Palavra – a ética das éticas.
  • 3. II – Tarefa e objetivo da Ética CristãDefinir o Supremo BemDeclarar os princípios de ação humana, necessários para se alcançar essa meta.Dupla Função1 – Na ética filosóficaBusca pelo supremo bem, tais como, prazer, felicidade, poder e cumprimento do dever sem segundas intenções e realização própria.2 – A revelação bíblica contrasta com a ética filosófica, estabelecendo a vontade de Deus com a meta ética do homem.Por meio da exegese, o eticista determina a natureza e o propósito da vontade de Deus para a ação humana. As normas da EC podem ser usadas em decisões atuais, porém com muito cuidado ao que se refere aos diversos insights (filosóficos, históricos e científicos).b) A EC é bifocal. Busca na Bíblia normas e princípios de conduta. Nas outras disciplinas, busca dados baseados em fatos para uma ação inteligente.
  • 4. 2 – Objetivo da Ética Cristã1 – Alguns limitam a esfera da EC ao indivíduo, e não a sociedade. 2 – Outros preocupam com problemas sociais, negligenciando as necessidades espirituais, reduzindo o Cristianismo a um programa social.1 – Esse foi o erro da teologia liberal norte-americana do final do século XIX e início do XX, segundo a qual o reino de Deus tendia a identificar-se com a perpetuidade do homem e com o progresso social.2. É artificial a divisão do evangelho em evangelho social e individual. O evangelho de acordo com as Escrituras possui os dois aspectos que não devem ser dissociados.
  • 5. III – Na história cristã, vários tipos de Ética têm se desenvolvido?1. De modo geral esses tipos podem ser classificados na base de grupos religiosos?(1) Igreja Primitiva;(2) Igreja Católica Romana;(3) Igreja Católica Ortodoxa Grega;(4) Igreja Protestante.A Igreja Primitiva, desenvolveu uma ética digna de ser citada quando tinham tudo em comum, compartir o pão, vender sua propriedades e repartir na sua comunidade conforme Atos 4 e outros textos, sua Ciência seu conceito Fazer o Bem , o certo; manter a comunhão, perseverar na oração e na doutrina dos apóstolos, e tinha a Bíblia como Regra de Fé e prática. Fundamento Cristo.
  • 6. A Igreja Católica Romana, Centralizada em Roma, seu conceito da infalibilidade papal, depois do Concílio de Constantinópla em (381] sua teoria o Fundador foi Pedro, adotou o celibato aos sacerdotes, instituiu as indulgências , culto a Maria a “ mediadora” adotou os livros não canônicos na Bíblia e uma gama de desvio da Bíblia, sua ética do que é Certo a Luz da Bíblia em muitos pontos são conflitantes. Como organização tem muitos pontos bons.Igreja católica Ortodoxa Grega; A Igreja Ortodoxa, também conhecida como Igreja Católica Apostólica Ortodoxa ou Igreja Ortodoxa Oriental, é uma das principais Igrejascristãs da atualidade. A Igreja Ortodoxa vê a si mesma como a verdadeira igreja instituída por Jesus Cristo, e a seus líderes, sucessores dos apóstolos. Em que pesem diferenças teológicas, organizacionais e de espiritualidade não desprezáveis, no todo sua doutrina é semelhante à da Igreja Católica; preserva os sete sacramentos, o respeito a ícones e o uso de vestes litúrgicas nos seus cultos (denominados de divina liturgia). Seus fiéis são chamados de cristãos ortodoxos. A Igreja Ortodoxa e a Igreja Católica Apostólica Romana separaram-se no século XI . Por essa razão os ortodoxos não reconhecem a autoridade do Papa, não aceitam os dogmas proclamados pela Igreja Católica Romana em séculos recentes, tais como o da Imaculada Conceição e o da infalibilidade papal, e não consideram válidos os sacramentos ministrados por outras confissões.
  • 7. A Reforma Protestante (31/10/1517) foi um movimento reformistacristão iniciado no século XVI por Martinho Lutero, que, através da publicação de suas 95 teses, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica, propondo uma reforma no catolicismo. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas.Lutero foi apoiado por vários religiosos e governantes europeus provocando uma revolução religiosa, iniciada na Alemanha, e estendendo-se pela Suíça, França, Países Baixos, Reino Unido, Escandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria. A resposta da Igreja Católica Romana foi o movimento conhecido como Contra-Reforma ou Reforma Católica, iniciada no Concílio de Trento.  O resultado da Reforma Protestante foi a divisão da chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e os reformados ou protestantes, originando o Protestantismo.
  • 8. Os cinco solas são princípios fundamentais da Reforma protestante: Sola fide (somente a fé); Sola scriptura (somente a Escritura); Solus Christus (somente Cristo); Sola gratia (somente a graça); Soli Deo gloria (glória somente a Deus). 2. Podem ser classificados também em termos de aspecto social?(1) Monasticismo(2) Legalismo;(3) Pietismo;(4) Liberalismo;(5) Socialismo Religioso.Monasticismo – [ Do Gr. Monastikós] Doutrina segundo a qual a melhor maneira de se agradar a Deus é retirar-se do convívio social para se dedicar à ascese (prática do ascetismo ou os ascetas}, à oração e ao estudo dos livros santos. Estes não são necessariamente a Bíblia Sagrada, mas as obras dos diversos místicos que, na clausura, criaram uma religião dentro da religião cristã. Através das Escrituras, observamos que para o homem ser santo, não lhe é preciso isolar-se da sociedade. Basta lhe tão somente dedicar-se no serviço divino a Obra de Deus. A Santidade pressupõe, acima de tudo, serviço ao Rei dos reis e Senhor dos senhores.
  • 9. Legalismo- [Do latim legale + ismo] Obediência formal e exterior à Lei de Moisés sem se atentar ao seu espírito, (da lei) significado e propósito. Os legalistas, geralmente, são levados a desprezar a graça de Cristo. Eles não sabem, por exemplo, que o fim da Lei è Cristo. E Cristo é a expressão máxima do amor de Deus.Pietismo - [ Do latim piet, piedade + ismo} Reavivamento espiritual que ocorreu entre os luteranos alemães, no século XVII, e que posteriormente, ganhou notoriedade na Inglaterra e nos Estados Unidos. O pietismo surgiu como movimento de oposição à escolástica luterana. (Escolástica Luterana), Teologia luterana também elaborada no século XVII se preocupou em dirimir as dúvidas que ainda persistiam acerca dos princípios que levaram Lutero no século anterior, a deflagrar a Reforma Protestante. Era minuciosa em suas definições. Busca tratar os temas teológicos com precisão, lógica e coerência.
  • 10. Liberalismo – [ Do Latim liberare, tornar livre] Movimento que teve início no final do século passado (XX) na Europa e nos Estados Unidos. Seu principal objetivo é extirpar da Bíblia todo elemento sobrenatural, submetendo as Escrituras a uma crítica científica e humanista. No Liberalismo teológico, não há lugar para milagres, profecias e a divindade de Cristo Jesus. Seu principal instrumento não é a revelação, é a especulação. Uma abordagem filosófica da Palavra de Deus.Socialismo Religioso - É um termo usado para descrever formas de socialismo que são baseadas em valores religiosos. O socialismo religioso, especificamente o de vertente cristã, foi o tipo de socialismo original que existiu no início do século XIX na Europa Ocidental, a partir do qual todas as outras vertentes se ramificaram. - Muitas das maiores religiões descobriram que as suas crenças acerca da sociedade humana, convergem com princípios e ideias socialistas. Como resultado, os movimentos socialistas religiosos desenvolveram-se dentro destas religiões.
  • 11. 3. A classificação pode, também, ser feita na base de conceitos inerentes?(1) Lei natural;(2) Amor;(3) Reino de Deus;(4) Idéia de Perfeição;(5) Imitação de Cristo;(6) Visão de Deus;(7) Idéia de Felicidade, etc.4 Ética Cristã é, de um modo geral, classificada em termos de ética teológica e ética deontológica.1) Ética teológica começa com o problema da meta ou fim do homem. Assim, a visão de Deus, a perfeição humana, o Reino de Deus são postos como metas éticas do homem.2) Ética deontológica é uma ética de obediência. Os que seguem esse método se preocupam mais com as exigências de Deus do que a meta do homem. E uma ética de obediência radical à vontade de Deus.
  • 12. 5. Ética Cristã contemporânea. Representantes:1) Liberais (Evangelho social) - elaboração do reino de Deus como uma realidade social na terra.2) Fundamentalistas - ética legalista? vê a ética ou a moralidade como uma moralidade a códigos e regras de conduta.3) Conservadores - consideram a Bíblia como a fonte mais rica da revelação da vontade de Deus. Reconhecem, por ouro lado, o valor de uma consciência iluminada na interpretação de problemas não discutidos nas Escrituras
  • 13. IV – A Ética Cristã e outras disciplinas1 – A EC e a TeologiaA Ética Cristã e a Teologia estão orgânica e inseparavelmente relacionadas, sendo Deus a base de toda a moralidade cristã, somente podendo ser separadas para fins de estudos.Ética CristãIdeal HumanísticoÉtica CristãDissociadaTeologiaTeologia
  • 14. 1 – EC e teologia bíblica. EC coopera com estudos bíblicos, estabelecendo o conteúdo ético da Bíblia.2 - Coopera com a História Eclesiástica, examinando a ênfase ética da igreja através dos séculos.3 - Coopera com a Homilética, proclamando mensagens de caráter ético.2 – EC e os ramos da teologia4 - Coopera com o Aconselhamento Pastoral, reduzindo ansiedades e frustrações (ao tratar do senso de culpa moral).5 - Coopera com Missões, preparando homens para enfrentar questões morais nos campos missionários.6 - Coopera com a Educação Religiosa, incluindo e levando à realização de verdades éticas.
  • 15. 3. EC está, fundamentalmente, relacionada com a psicologia, a Ciência da mente e do comportamento humano.1) As faculdades morais do homem são uma parte básica de sua constituição mental.Quais são as faculdades morais do homem?Intelecto percepção, pensamento;Vontade  o poder da alma de escolher tanto o fim como os meios de atingir o objetivo;Consciência  é a ação combinada das três faculdades (intelecto, vontade e consciência), dando ao homem um senso íntimo de sua responsabilidade moral, e julgando entre o bem e o mal.2) Questões essenciais à ação moral tais como caráter, consciência e vontade, envolvem estados da mente do indivíduo.3) Nenhum julgamento adequado pode ser feito, de um ato, certo ou errado, bom ou mal, até que o motivo que jaz ao fundo de toda a conduta seja conhecido.Direito de Resposta
  • 16. 4) Psiquiatras e psicólogos estão se compenetrando da conexão vital entre Psicologia e Ética.1. Erich Fromm, eminente psiquiatra, descobriu que Neurose em si mesma, em última análise, é sintonia de um fracasso moral.Neuroses:desordens de sentidos e movimento causadas por efeitos gerais do sistema nervosoErich Fromm
  • 17. 2. O psicólogo Gordon Allport, da Universidade de Harvard diz: A maioria dos conflitos que causam prejuízo à saúde mental., tem a ver com os cursos de conduta que o indivíduo considera moralmente obrigatórios. Quer as chamemos de consciência ou superego, o senso moral está quase sempre envolvido em qualquer conflito sério.Gordon Allport
  • 18. 3. Ética, desse modo, está relacionada não somente com a correção da conduta, os motivos que a põem em ação e a determinam, mas também com o fracasso moral da pessoa que está agindo. Portanto, ética e psicologia se necessitam, reciprocamente, para entenderem o homem mais completamente.4. Ética tem uma relação vital com as várias ciências sociais, particularmente com a Sociologia.Sintetizando: A Ética busca nessas disciplinas conhecer fenômenos e condições sociais que as outras pessoas vivem, ou seja, através das ciências sociais, deduz a situação que impera neste meio, e volta-se para a bíblia a fim de estabelecer elementos que digam como a situação deve ser, sempre com um princípio coerente e executável.
  • 19. 5- Finalmente, ética cristã está relacionada com a filosofia.Ambas têm interesse na base fundamental da conduta, na natureza do que é certo ou errado: valores, epistemologia, dever, felicidade, homem e sociedade.1) A ética, contudo, deve resguardar-se de se desviar para o terreno da lei moral racional.2) A ética cristã, dessa maneira, poderá lançar mão dos insights filosóficos, que contribuem para a compreensão desses problemas.3) Revisadas e transformadas para que sejam consistentes com a fé e o amor, certas idéias filosóficas podem ser vantajosas. Um clássico exemplo de como o amor pode usar os insights da moralidade religiosa é visto em Agostinho, um dos pais da Igreja. Ele define as quatro virtudes cardeais dos gregos: sabedoria, temperança coragem e justiça - em termos de amor. Em seu pensamento o amor é a essência de toda virtude. Portanto, ele interpreta os ideais gregos como expressões do princípio do amor cristão.
  • 20. 1. Sabedoria torna-se amor, discernimento, acertadamente, o que auxilia ou impede nas suas relações com Deus.2. Coragem apresenta-se como amor, suportando, prontamente, todas as coisas pelo amor do objeto amado.3. Justiça aparece como amor servindo a Deus somente e, portanto, governando bem as coisas a ele sujeitas.4. Temperança é amor que se conserva íntegro e incorrupto para Deus.Agostinho
  • 21. 4) Obviamente, uma completa síntese da moralidade cristã e filosófica é impossível, devido à transcendente natureza da Ética Cristã.Ética CristãComeça com a RevelaçãoPossui a VerdadePossui uma constante ProcuraÉtica FilosóficaComeça com a Razão
  • 22. 5) Os eticistas cristãos podem, proveitosamente, apropriar, transformar e usar os válidos insights dos moralistas filosóficos, ressalvando que a singularidade da ética cristã não seja empanada ou perdida. A ética cristã nunca deve perder sua natureza transmoral através de excessiva amolgação com ideais filosóficos ou de acomodação com essas idéias. Precisa sempre permanecer mais do que meramente outro ensino ético, ainda que esplêndido, ao lado de Platão, Séneca, Aristóteles e Kant.Sintetizando: Os praticantes da Ética Cristã, podem usufruir dos conceitos filosóficos, entretanto mantendo sempre viva a verdadeira essência da EC, jamais deixando que estes conceitos sejam ofuscados, esmagados por esta ciência.V – Por que estudar Ética Cristã?1. Porque o crente necessita de luz sobre seus problemas diários. Constantemente, ele necessita de fazer decisões morais em situações complexas e ambíguas.2. É, especialmente, imperativo que os ministros entendam de ética para dar uma orientação moral sã aos seus membros, bem como às pessoas de fora da igreja que venham buscar sua ajuda.
  • 23. 3. O cristão necessita de uma compreensão ética para evitar erros comuns de raciocínio ético.Quais Erros?1) de reduzir a moralidade cristã a um mero conjunto de regras.2) de permitir o interesse próprio desviar o julgamento moral.3) de enfatizar pequenas questões éticas em detrimento de questões de maior importância.ERRO4) de divorciar religião, de ética.5)de substituir conduta por contemplação ética.
  • 24. 4. Outro motivo para se estudar ética cristã é que ela estimula o próprio crescimento moral do cristão. A ética provê um padrão pelo qual alguém pode medir seu próprio desenvolvimento moral. A luz desse padrão, o indivíduo poderá ver o que ele deve ser, em contraste com o que ele é. Isso cria uma tensão e um descontentamento, levando-o à meta da perfeição que Deus exige de seus filhos.Indivíduo como ele éÉticaCristãIndivíduo como ele deve serDecisão:APERFEIÇOAR-SEPerfeição exigida por Deus
  • 25. 5. O cristão deve estudar ética cristã porque o ensino de Jesus é tanto ético quanto teológico. Portanto, ninguém pode interpretar o Cristianismo a menos que o entenda e dê ênfase ao conteúdo ético do Evangelho................................Atividades de Apoio01. Responda: a) O que é Ética Cristã? b) Quais são as funções da Ética Cristã?02. Ética Cristã é, de um modo geral, classificada em termos de ética teológica e ética deontológica. Explique.03. Cite os representantes da Ética Cristã contemporânea.04. Resumidamente, explique a relação que há entre a Ética Cristã e a filosofia.05. Por que é necessário o crente estudar Ética Cristã?
  • 26. .....................Capítulo IIA Base no Antigo TestamentoUma continuidade fundamental prevalece entre o ensino do Antigo e o do Novo Testamento. Daí uma compreensão da ética hebraica ser essencial para o conhecimento adequado da ética de Jesus e do NT em geral. A ética cristã requer, portanto, um estudo da moralidade no Antigo Testamento.I - Características da moralidade hebraica1. A ética hebraica é, radicalmente, teocêntrica centrada em Deus1) Deus é fonte de toda exigência moral e é o supremo bem. Quem é esse Deus?a) O único criado, soberano governador e pai (Dt6.4, Is 40.28, Ml 2.10).b) Em contraste com os ídolos, O Senhor Deus é a verdade / Ele mesmo é o Deus vivo e o Rei eterno (Jr 10.10).c) É o Deus santo, que requer santidade de seu povo (Lv 19.2).d) É o Deus justo que requer justiça de seus filhos (Is 45.21, Am 5.24).
  • 27. 2) A comunhão com Deus é inseparável de uma vida irrepreensível (Mq 6.8).Sintetizando: O Senhor estará conosco enquanto estivermos com Ele.3) A obediência à vontade de Deus é o princípio básico da ética do AT O cumprimento da vontade de Deus deve basear-se no amor (Dt 6.5, 10.12).4) O amor de Deus é exemplificado na eleição e na aliança.1. Na eleição. Observe-se que o amor divino é imerecido (Dt 7.7, 9.4-5, 7.8).2. Na aliança. Note-se que é um amor profundo, mas é um amor que espera correspondência?a) O amor eletivo deve ser correspondido com profundo amor a Deus (Dt 6.5).(a) Essa resposta ao imenso amor dividido deve ser t.n termos de uma vida santa (Gn 12.1, Ex 20.1).(b) Com efeito, o amor eletivo requeria a responsabilidade moral da parte de Israel (Mq 3.11, Jr 5.12).
  • 28. b) O amor eletivo deve ser correspondido através de profundo amor ao próximo, inclusive aos inimigos (Dt 6.5, 10.12, Lv 19.18,34, Ex 23.4)Sintetizando: devemos amar uns aos outros, sem acepção de pessoas.c) O amor eletivo deve ser correspondido através do serviço: a Deus e ao próximo. Israel foi escolhido para ser uma bênção (Ex 19.3-6, Is 42.6-7).2. De acordo com Gardner no livro Fé Bíblica e Ética Social, a segunda grande característica da moralidade hebraica é o seu TOM OPERATIVO. Exemplo: Ex 20.15, Lv 19.2, Dt 6.5. O grande texto de Mq 6.8, embora esteja vazado no modo indicado, a intenção é imperativa.
  • 29. 3- A moralidade hebraica é prática, segundo Gardner, os profetas estão intensamente interes-sados na justiça e misericórdia, mas a preocupação deles não é com a justiça e misericórdia ideais de algum sonho utópico, mas antes com a justiça e a misericórdia incorporados nas decisões e nas ações de homens numa sociedade pecadora. Verdade, justiça e misericórdia são coisas que devem ser praticadas.Podemos acrescentar:PRATICADAS POR TODOSHoward Gardner
  • 30. II - A doutrina do homem e do pecado1. O homem é uma criatura feita à imagem de Deus (Gn 1.27). Esse fato nos fornece duas idéias dominantes: a dignidade e o domínio do homem:1) A dignidade do homem é vista no fato de que ele foi criado para comunhão com Deus. Note-se que Deus se dirige ao homem como pessoa e que o homem tem capacidade para responder.2) A qualidade de domínio no homem é vista no fato de que ele participa da soberania de Deus na terra (SI 8.4-8).2. Mas o homem desejou ser igual a Deus.O orgulho e a desobediência do homem resultaram na Queda Embora a imagem de Deus no homem não se tenha perdido na Queda (Gn 5.1-3, 9.5-6), esta o deixou com um coração corrupto e mau (Gn 8.21). Tão somente Deus pode livrar o homem de sua pecaminosa e perigosa condição (Is 45.22, Jr 8.7, 31.10).
  • 31. 3. A ética hebraica apresenta, igualmente, uma visão realista do pecado.1) Pelo menos doze palavras são usadas no VT para descrever o pecado e suas várias manifestações.2) O sentido mais dominante é a idéia do pecado como rebelião contra Deus (Am 1.3, Mq 1.5).Naturalmente pecado, também, é uma violação da lei, mas, primariamente, é um pecado contra o próprio Deus (SI 51.4). Basicamente, pecado é contra Deus e não contra um código de ética ou de costumes da comunidade................................Atividades de Apoio01. Cite três características da moralidade hebraica.02. Deus é fonte de toda exigência moral e é o supremo bem. Quem é esse Deus? Explique.03. Sobre a doutrina do homem e do pecado, marque as alternativas corretas.( ) O homem desejou ser igual a Deus.( ) A dignidade do homem é vista no fato de que ele foi criado para comunhão com Deus.( ) Pecado é uma violação da lei, mas, primariamente, é um pecado contra um código de ética ou de costumes da comunidade.
  • 32. .....................Capítulo IIIA Ética do DecálogoOs Dez Mandamentos ocupam um lugar central na vida moral do povo de Israel. Os Dez Mandamentos são a pedra angular da ética hebraica, ocupando o mesmo lugar na religião de Israel que o Sermão do Monte ocupa na do Cristianismo (Andrew Osbern).Nesse estudo dar-se-á particular atenção à parte ética ou moral do Decálogo, o qual se encontra no livro de Êxodo, capítulo 20 versos 1 a 17.As leis do Decálogo são mandamentos divinos; constituem valores eternos e universais indispensáveis ao indivíduo e à sociedade. O dever do homem para com Deus é resumido nas quatro, primeiras leis; os seis restantes dizem respeito aos deveres de uma pessoa consigo mesma e com o próximo. Nesse capítulo será feita uma tentativa para estabelecer os princípios morais básicos encerrados em cada uma dessas dez leis.
  • 33. I – Deveres para com Deus1° Mandamento: Não terás outros deuses diante de mim (Ex 20.3). Verdade Central: A unicidade de Deus.2° Mandamento: Não farás para ti imagem de escultura (Ex 20.4). Verdade central: Espiritualidade.3° Mandamento: Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão... (Ex 20.7). Verdade Central: Reverência para com Deus.4° Mandamento: Lembra-te do dia do sábado para o santificar (Ex 20.8). Verdade Central: Descanso.II – Deveres para com o próximo5° Mandamento: Honra o teu pai e a tua mãe, para que se prolongam os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá (Ex 20.12). Verdade Central: Respeito pela autoridade dos pais.6° Mandamento: Não matarás. Verdade Central: A santidade da vida humana; Não assassinarás é o sentido da expressão, no original hebraico.7° Mandamento: Não adulterarás (Ex 20.14). Verdade Central: Proteção da família como uma Instituição.
  • 34. 8° Mandamento: Não furtarás (Ex 20.15). Verdade Central: Proteção do direito da Propriedade Pessoal.9° Mandamento: Não dirás falso testemunho contra teu próximo Ex 20.16). Verdade central: Verdade para com o próximo.III – Dever de um pessoa para consigo mesma10° Mandamento: Não cobiçarás (Ex 20.17). Verdade central: Interiorização da lei................................Atividades de Apoio1- Responda:O que constituem as leis do Decálogo?b) O que o 5° mandamento marca?c) Qual é a verdade central do 10° mandamento?d) O que o 9o mandamento expressa? Qual a relação existente entre o 8° e 9° mandamento? Explique.