SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA
IGREJA
DOCENTE:FRANCÉLIA CARVALHO
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA
A Igreja Primitiva
Um breve relato de Atos dos Apóstolos
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA
Primeira Expansão da Igreja
• Primeiro agente da expansão, O
Pentecostes...AT 2.9-11, 8. 26-39, 11.19-21, 1
PE 1.1
• Segundo agente da expansão: o Mártir de
Estevão, AT. 6.8
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA
Expansão no Império Romano Leste
Expansão no Império Romano Africano
Expansão do Império Romano Europeu
Avanço do Cristianismo as Leste - Além dos
limites do Império Romano
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
Fatores que levaram a perseguição:
• Causas Religiosas:
Ateísmo
Incesto
Canibalismo
Orgias
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Causas Politicas:
Sociedade secreta
Não juravam lealdade a Cesar
• Causas Sociais:
Não participavam de festas sociais
Estilo de vida casta
• Causas Econômicas:
Queda no mercado de ídolos
Queda na procura de videntes
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
Breve Histórico das
Perseguições
• Século I – Cláudio (51
d,C) – Expulsou os
cristões de Roma;
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Nero (64-68) – colocou
fogo em Roma, acusou
e matou os cristãos pra
se livrar da acusação;
• Decretou a morte de
Paulo e Pedro.
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Domiciano (81-96) –
estende a perseguição
para todo o Império
Romano;
• João é exilado, e
Clemente de Roma é
morto.
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Século II :
• Trajano (98-117) –
proibiu as sociedades
secretas, incluindo o
cristianismo;
• Levava os cristões ao
tribunal; essa mesma
politica foi adotada por
Adriano (117-138) e por
Antônio Pio (138-161);
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Marco Aurélio (161-
180) – era também
Filosofo, culpava os
cristões pelas desgraças
sociais;
• Blandina de Lion, foi
martirizada
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Comodos (180-193) –
foi o mais favorável aos
cristões;
- Século II
• Sétimos Severo (193-
211) – proibiu as
conversões, sob pena
de morte;
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Décio (249-251) –
decretou uma
perseguição em todo o
Império;
• Valeriano (253-260) –
decretou a destruição
dos locais de culto, e a
destruição de todos os
escritos na época;
PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS
SÉCULOS I A III
• Galenius (260-268) –
cessou as perseguições;
• Diocleciano (284-316) –
politica de extermínio;
A IREJA IMPERIAL
• Em 380, o cristianismo passa a ser a religião
oficial do império Romano, com um imperador
cristão no poder;
• E os cristão deixaram as arenas para ocupar
lugares de honra junto ao trono que
governava o mundo!!!
A IREJA IMPERIAL
• Constantino, o primeiro imperador cristão
(312-337)
A IREJA IMPERIAL
• Em 313, Constantino promulgou o edito de
Tolerância, que oficialmente pôs fim as
perseguições;
• Em 323, Constantino alcançou o posto de
supremo imperador, e o cristianismo foi então
favorecido.
A IREJA IMPERIAL
• Bons resultados para a Igreja:
Fim da perseguição;
Igreja restauradas;
Fim dos sacrifícios pagãos;
Doações as igrejas.
A IREJA IMPERIAL
• Alguns bons resultados para o estado:
A crucificação foi abolida;
O infanticídio foi reprimido;
A escravidão começou a ser questionada;
As lutas de gladiadores foram abolidas.
A IREJA IMPERIAL
• Alguns maus resultados da vitória cristã:
Perseguição aos pagãos;
Cultos de adoração pagão se infiltrando na
igreja;
Desejo sem limite ao poder;
Mistura politica/religiosa;
A IREJA IMPERIAL
• A fundação de Constantinopla:
A necessidade de uma nova capital;
Sua posição geográfica;
• A capital e a Igreja;
• A Igreja de Santa Sofia;
• Divisão do Império Romano;
A IREJA IMPERIAL
• Supressão do paganismo;
• A tolerância de Constantino;
• A intolerância de seus sucessores;
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Depois das lutas da igreja com as perseguições,
surgi agora uma nova luta, uma guerra no campo
do pensamento, uma série de controvérsias
dentro da igreja acerca de doutrinas;
• Com o aumento do número de conversões,
alguns costumes e ideias pagãs entraram no
cristianismo; como também pela exacerbada
vontade em entender e explicar os textos
sagrados.
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
Principais heresias
• Gnosticismo:
Diziam que a matéria era mal;
Que a salvação não dependia somente de
Jesus, porque uma divindade não pode servir
o homem;
Jesus era um mestre gnóstico.
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Marcionismo – Marcião, bispo
AT - reino humano, NT - reino espiritual, Jeová
- mal, Pai de Jesus – bom;
Descartou o AT, pregava somente os escritos
de Lucas;
Salvação é universal, mas é apenas espiritual;
Foi expulso da igreja e fundou a sua própria
igreja.
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Montanismo – Montano, bispo na África;
Era contra o formalismo na Igreja, e da
dependência de liderança;
Pregava dependência exclusiva do E.S;
Denominava-se o E.S encarnado;
Afirmava ter o ministério da profecia;
Fundou sua igreja.
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Monarquianismo – Paulo, bispo;
Queria impor conversões;
Era um tirano, não tinha liturgia cristã no seu
culto;
Afirmava que havia três deuses, e não um;
que Deus se apresentava em modos: pai, filho
e o E.S;
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Das heresias, surgiram falsas doutrinas,
principalmente acerca de Jesus;
Docetismo – pregava que Jesus, era somente
divino, e tinha aparência humana;
Ebionismo – afirmava que Jesus era somente
humano e não possuía natureza divina, era
um profeta;
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Do monarquianismo surgiu duas doutrinas;
Uma dizia que Jesus era homem, e só se
apresentou como Deus na hora do batismo, e
voltou a ser homem quando foi para morrer
na cruz;
Outra dizia que Deus se apresenta em
modalidades evolutivas: Deus Pai, que se
tornou Deus filho em Jesus, que morreu,
evoluiu no E.S;
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
Nistorianismo – afirmava que havia duas
pessoas, uma divina e outra humana;
Eutiquianismo – Jesus era parcialmente
homem e parcialmente Deus;
Arianismo ?
Apolinarianismo ?
Pelagianismo ?
CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS
• Afim de resolver e esclarecer as heresias e
doutrinas, a igreja reunia-se em Concílios;
• A igreja reagiu as heresias com os Polimistas:
Estabeleceu o Cânon do NT;
Estabeleceu o Bispo Monárquico;
Estabeleceu a liturgia do culto;
Estabeleceu o credo apostólico;
Estabeleceu o titulo “Católico”.
IGREJA IMPERIAL
O desenvolvimento do poder na igreja romana:
• Roma reclamou para si autoridade apostólica,
declarando só ela poder mencionar os nomes
de Pedro e Paulo como fundadores;
• Roma X Constantinopla;
• Em 451, Roma ocupou o primeiro lugar e
Constantinopla o segundo lugar.
IGREJA IMPERIAL
O Cristianismo dessa época decadente ainda era
vivo e autentico, lutando contra heresias doutrinas
e Imperadores...
Atanásio (296-373) – apologista, bispo de
Alexandria; por cinco vezes exilado, por causa da
fé...
Ambrósio (340-397) – foi eleito bispo por
nomeação do Imperador, se converteu e
repreendeu o próprio Imperador, foi autor de
vários livros;
IGREJA IMPERIAL
João Crisóstomo (345-407) – foi o maior
pregador desse período ‘boca de ouro’, foi
bispo de Constantinopla, não agradava a
corte, foi exilado e morreu no exílio;
Jerônimo (340-420) – foi o mais erudito de
todos, responsável pela tradução da Bíblia
para o latin, a Vulgata Latina;
Agostinho (354-430) – bispo de Hipona na
África, escritor e defensor da fé cristã.
IGREJA IMPERIAL
Bispo Atanásio Bispo Ambrósio
IGREJA IMPERIAL
João Crisóstomo Bispo Jerônimo
IGREJA IMPERIAL
Bispo Agostinho
A IGREJA MEDIEVAL
• O progresso Papal – papa, sig. Papai, era usado
para qualquer bispo, de Roma ou não;
• Com o declínio do Império, a igreja veio a ser a
guardiã do que restava da velha civilização, a
autoridade da igreja estendia-se além dos
assuntos religiosos;
• Teve inicio com o pontificado de Gregório I, mais
conhecido como Hildebrando, reformou o clero,
elevou as normas de moralidade do clero, exigiu
celibato, impôs a supremacia da igreja sobre o
estado.
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
A IGREJA MEDIEVAL
• Sob o papado de Hidebrando ocorreu o Concilio
de Roma 1059, algumas decisões foram tomadas:
A nomeação do papa pelos bispos;
Nenhum oficial da igreja, pode receber beneficio
algum;
Não se podia assistir missas de bispos com
concubina.
• Inocêncio III, ampliou o poder papal e é
considerado o maios papa do séc. XIII;
A IGREJA MEDIEVAL
Declínio do Poder Papal
Desapareceu o gosto pelas cruzadas;
A corrupção, o favoritismo e o mercantilismo que
presidiam as decisões papais, estimulava os
conflitos;
A imoralidade;
A cadeira papal era objeto de desejo
desenfreado;
A influencia adquirida pelos franceses na Itália e
Sicília, depois da queda dos imperadores, foi
prejudicial aos papas;
A IGREJA MEDIEVAL
As Cruzadas – movimento da Idade Média, sob a
inspiração e mandado da Igreja, que tiveram
inicio no sec. XI;
Aconteceram sete Cruzadas com o objetivo de
reconquistar a Terra Santa, sem sucesso no final;
houveram outras cruzadas de menor
importância e também sem sucesso.
A IGREJA MEDIEVAL
• O desenvolvimento da Vida Monástica
A ordem dos Beneditinos – fundada por
Bento, exigiam-se obediência ao superior
mosteiro, renuncia aos bens materiais,
castidade pessoal, servia bem a população;
A ordem dos Cistercienses – foi fundada pra
fortalecer a disciplina dos Beneditinos;
A IGREJA MEDIEVAL
A ordem dos Franciscanos – fundada por
Francisco de Assis, era a mais numerosa e era
conhecida como os frades cinzentos;
A ordem dos Dominicanos – fundada por
Domingos, juntamente com os Franciscanos,
eram pregadores;
A IGREJA MEDIEVAL
Benéficos dos mosteiros
• Servia a população, com
obras sociais;
• Produziam e guardavam
obras literárias da fé cristã;
• Os monges serviam como
missionários na expansão
do evangelho;
Malefícios dos mosteiros
• Apresentava o celibato como
vida mais elevada, o que é
contrario as escrituras;
• Impôs o estilo de vida
monástico a milhares de
pessoas nobres;
• Os lares e famílias foram
prejudicadas;
• Com o crescimento e a
riqueza, levou os mosteiros a
indisciplina, ao luxo, à
ociosidade, e até a
imoralidade.
O GRANDE CISMA
• A situação doutrinária e prática das igrejas, no
inicio do segundo milênio;
Diferenças litúrgicas entre
Roma/Constantinopla;
Questões doutrinárias incomuns entre as
igrejas;
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
O GRANDE CISMA
• A relação mais importante foi escrita pelo
patriarca Cerulárius, em 1054, enviada para o
Papa Leão IX;
• Entre outras coisas ele condenava: o uso de
pão com fermento na eucaristia, o uso de
carnes para a alimentação, a permissão para
se barbear, rejeitava as adições sobre o ES ao
Credo Niceno, e o celibato clerical;
O GRANDE CISMA
• No final ainda escreveu: “Portanto, se eles vivem
dessa maneira, enfraquecidos por esses
costumes, ousando praticar essas coisas que são
obviamente fora da lei, proibidas abomináveis;
então poderá qualquer pessoa, em seu juízo são,
inclui-los na categoria de ortodoxos? Claro que
não.”
• O cardeal Humberto a mando do papa Leão IX,
excomungou Cerulários, que por sua vez,
excomungou Humberto e o papa.
O GRANDE CISMA
• Seis razões principais para o grande cisma:
Controvérsia iconoclástica;
A doutrina da processão do ES;
Insubordinação mútua;
Não havia limites de jurisdição;
Diferenças culturais;
Diferenças na relação Igreja/Estado;
O GRANDE CISMA
• A igreja ortodoxa hoje:
Tradição;
Misticismo;
Ícones;
Liturgia Rebuscada.
A IGREJA REFORMADA
• Antecedentes da Reforma:
Abusos/imoralidade do clero;
Venda de indulgências, relíquias sagradas, e
de cargos eclesiásticos;
Autoridade suprema do papa;
A IGREJA REFORMADA
• A Reforma na Alemanha:
A Renascença;
A invenção da escrita;
Distanciamento do clero quanto aos
ensinamentos do NT;
O patriotismo;
Abusos em nome da fé;
A IGREJA REFORMADA
• A reforma na Alemanha começou sob a
orientação de Martinho Lutero, monge e
professor da Universidade de Winttenberg;
• O que culminou a reforma na Alemanha foi o fato
do papa Leão X, enviar João Tetzel para vender
bulas papais conferindo perdão de pecados: “tão
depressa o vosso dinheiro caia no cofre, a alma
de vossos amigos subirá do purgatório”;
A IGREJA REFORMADA
• Lutero prega contra João Tetzel, e no dia 31 de
outubro de 1517, foi fixada na porta da catedral
de Winttenberg, um pergaminho que continha as
95 teses ou declarações contra as vendas de
indulgências;
• Lutero foi excomungado por uma bula do papa
Leão X, no mês de junho de 1520;
• No dia 10 de dezembro em praça pública Lutero
queimou a bula, cortando assim todos os laços
com Roma; recebeu proteção de Frederico da
Saxônia.
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
A IGREJA REFORMADA
• Em 1521, Lutero foi convidado ao Concílio
Supremo de Reno, onde esperava-se um
pedido de retratação;
• Na sua volta a casa, Lutero sofreu uma
emboscada, e foi levado por soldados de
Frederico da Saxônia, para o castelo de
Wartzburg, onde permaneceu por um ano;
• Nesse período traduziu o NT, para o alemão.
A CONTRA-REFORMA
• Movimento que tinha o objetivo de recuperar o
terreno perdido na Reforma, destruir a fé
protestante e enviar missões a países
estrangeiros;
• Tentou-se fazer uma reforma dentro da própria
igreja, no concilio de Trento;
• Resultados do concilio: projeto de catequização,
criação do INDEX, volta da inquisição,
perseguições afim de barrar o movimento
protestante.
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
14 periodo da igreja primitiva
14  periodo da igreja primitiva14  periodo da igreja primitiva
14 periodo da igreja primitiva
PIB Penha
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Adriano Pascoa
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
Andre Nascimento
 
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais ApostólicosHistória da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
Andre Nascimento
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Daladier Lima
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
Marcia oliveira
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
Lisanro Cronje
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Adriano Pascoa
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
Respirando Deus
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
Respirando Deus
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Marcos Masini
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Adriano Pascoa
 

Mais procurados (20)

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
14 periodo da igreja primitiva
14  periodo da igreja primitiva14  periodo da igreja primitiva
14 periodo da igreja primitiva
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média CristãAula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
Aula 4 - Quarto Período - A Idade Média Cristã
 
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja CatólicaHistória da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
História da Igreja I: Aula 7: Desenvolvimento da Igreja Católica
 
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais ApostólicosHistória da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
História da Igreja I: Aula 3 - Paulo e os Pais Apostólicos
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
A Igreja e a Reforma
A Igreja e a ReformaA Igreja e a Reforma
A Igreja e a Reforma
 
Aula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja ApostólicaAula 1 A Igreja Apostólica
Aula 1 A Igreja Apostólica
 
Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1Historia da igreja aula 1
Historia da igreja aula 1
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
 
História da Igreja #11
História da Igreja #11História da Igreja #11
História da Igreja #11
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5   Quinto Período - A Reforma ProtestanteAula 5   Quinto Período - A Reforma Protestante
Aula 5 Quinto Período - A Reforma Protestante
 

Semelhante a INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA

08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
Tiago Silva
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
PIB Penha
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
DenisAurlio2
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
PIB Penha - SP
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Luiz Costa Junior
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Klaus Newman
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Janete Garcia de Freitas
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmp
Péricles Penuel
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
cattonia
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
Nuno Faustino
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
Péricles Penuel
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
Marilia Pimentel
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
Polo centro reforma religiosa - ppt
Polo centro   reforma religiosa - pptPolo centro   reforma religiosa - ppt
Polo centro reforma religiosa - ppt
Jorge Marcos Oliveira
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
Grazi Oliveira
 
Reforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EMReforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EM
danibronstrup
 
Reforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° AnoReforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° Ano
danibronstrup
 

Semelhante a INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA (20)

08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
08-histc3b3ria-eclesic3a1stica-a-reforma-na-igreja-a-contra-reforma-e-a-igrej...
 
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula10   Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
10 Os pré-reformadores do cristianismo - 10ª aula
 
Aula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptxAula - História da Igreja.pptx
Aula - História da Igreja.pptx
 
11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx11 - A pre-reforma.pptx
11 - A pre-reforma.pptx
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila IgrejaCapitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
Capitulo 2 - Visão Histórica da Igreja - Apostila Igreja
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
Apresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmpApresentação reforma tmp
Apresentação reforma tmp
 
A renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidadeA renovação da espiritualidade e religiosidade
A renovação da espiritualidade e religiosidade
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado bIgreja pentecostalismo, missiologia e  discipulado b
Igreja pentecostalismo, missiologia e discipulado b
 
Polo centro reforma religiosa - ppt
Polo centro   reforma religiosa - pptPolo centro   reforma religiosa - ppt
Polo centro reforma religiosa - ppt
 
Reforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosaReforma e contra reforma religiosa
Reforma e contra reforma religiosa
 
Reforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EMReforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EM
 
Reforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° AnoReforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° Ano
 

Mais de Francelia Carvalho Oliveira

Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos JovensVivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
Francelia Carvalho Oliveira
 
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos JovensO fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
Francelia Carvalho Oliveira
 
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos JovensA alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
Francelia Carvalho Oliveira
 
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamentoIntrodução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Francelia Carvalho Oliveira
 
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fimOs primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
Francelia Carvalho Oliveira
 
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética CristãÉtica Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Francelia Carvalho Oliveira
 
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fimA tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
Francelia Carvalho Oliveira
 
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fimO batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
Francelia Carvalho Oliveira
 
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
Francelia Carvalho Oliveira
 
Em tempos de violência cibernética - lição 09
Em tempos de violência cibernética - lição 09Em tempos de violência cibernética - lição 09
Em tempos de violência cibernética - lição 09
Francelia Carvalho Oliveira
 
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de CristoA resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoPolítica e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de CristoLidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de CristoO problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de CristoO cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de CristoRefugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de CristoA cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo  Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Francelia Carvalho Oliveira
 
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisasO tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
Francelia Carvalho Oliveira
 
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisasMilagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Francelia Carvalho Oliveira
 

Mais de Francelia Carvalho Oliveira (20)

Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos JovensVivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
Vivendo uma vida santa - A Igreja do Arrebatamento - Lições Bíblicas dos Jovens
 
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos JovensO fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
O fruto de um trabalho zeloso - Lições Bíblicas dos Jovens
 
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos JovensA alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
A alegria pela nova vida em cristo - Lição Bíblica dos Jovens
 
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamentoIntrodução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
Introdução as Cartas aos Tessalonicenses - Lição I - A igreja do arrebatamento
 
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fimOs primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
Os primeiros discípulos - lição 05 - O Seu Reino não terá fim
 
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética CristãÉtica Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
Ética Cristã - Os Princípios da Ética Cristã
 
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fimA tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
 
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fimO batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
O batismo de Jesus - Lição 03 - O seu reino não terá fim
 
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
Os perigos e as oportunidades das redes sociais - lição 10
 
Em tempos de violência cibernética - lição 09
Em tempos de violência cibernética - lição 09Em tempos de violência cibernética - lição 09
Em tempos de violência cibernética - lição 09
 
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de CristoA resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
A resposta cristã para a violência urbana - Seguidores de Cristo
 
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de CristoPolítica e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
Política e corrupção na perspectiva cristã - Seguidores de Cristo
 
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de CristoLidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
Lidando com o preconceito e a discriminação - Seguidores de Cristo
 
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de CristoO problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
O problema da fome no mundo contemporâneo - Seguidores de Cristo
 
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de CristoO cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
O cristão diante da pobreza e desigualdade social - Seguidores de Cristo
 
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de CristoRefugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
Refugiados: um problema da atualidade? - Seguidores de Cristo
 
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de CristoA cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
A cosmovisão cristã em um mundo de vãs ideologias - Seguidores de Cristo
 
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo  Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz - Seguidores de Cristo
 
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisasO tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
O tempo de Deus está próximo - Tempo para todas as coisas
 
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisasMilagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 

INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA IGREJA - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA

  • 1. CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA DOCENTE:FRANCÉLIA CARVALHO
  • 2. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA A Igreja Primitiva Um breve relato de Atos dos Apóstolos
  • 5. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA Primeira Expansão da Igreja • Primeiro agente da expansão, O Pentecostes...AT 2.9-11, 8. 26-39, 11.19-21, 1 PE 1.1 • Segundo agente da expansão: o Mártir de Estevão, AT. 6.8
  • 11. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IGREJA Expansão no Império Romano Leste Expansão no Império Romano Africano Expansão do Império Romano Europeu Avanço do Cristianismo as Leste - Além dos limites do Império Romano
  • 13. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III Fatores que levaram a perseguição: • Causas Religiosas: Ateísmo Incesto Canibalismo Orgias
  • 14. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Causas Politicas: Sociedade secreta Não juravam lealdade a Cesar • Causas Sociais: Não participavam de festas sociais Estilo de vida casta • Causas Econômicas: Queda no mercado de ídolos Queda na procura de videntes
  • 15. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III Breve Histórico das Perseguições • Século I – Cláudio (51 d,C) – Expulsou os cristões de Roma;
  • 16. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Nero (64-68) – colocou fogo em Roma, acusou e matou os cristãos pra se livrar da acusação; • Decretou a morte de Paulo e Pedro.
  • 17. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Domiciano (81-96) – estende a perseguição para todo o Império Romano; • João é exilado, e Clemente de Roma é morto.
  • 18. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Século II : • Trajano (98-117) – proibiu as sociedades secretas, incluindo o cristianismo; • Levava os cristões ao tribunal; essa mesma politica foi adotada por Adriano (117-138) e por Antônio Pio (138-161);
  • 19. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Marco Aurélio (161- 180) – era também Filosofo, culpava os cristões pelas desgraças sociais; • Blandina de Lion, foi martirizada
  • 20. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Comodos (180-193) – foi o mais favorável aos cristões; - Século II • Sétimos Severo (193- 211) – proibiu as conversões, sob pena de morte;
  • 21. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Décio (249-251) – decretou uma perseguição em todo o Império; • Valeriano (253-260) – decretou a destruição dos locais de culto, e a destruição de todos os escritos na época;
  • 22. PERSEGUIÇÃO DA IGREJA NOS SÉCULOS I A III • Galenius (260-268) – cessou as perseguições; • Diocleciano (284-316) – politica de extermínio;
  • 23. A IREJA IMPERIAL • Em 380, o cristianismo passa a ser a religião oficial do império Romano, com um imperador cristão no poder; • E os cristão deixaram as arenas para ocupar lugares de honra junto ao trono que governava o mundo!!!
  • 24. A IREJA IMPERIAL • Constantino, o primeiro imperador cristão (312-337)
  • 25. A IREJA IMPERIAL • Em 313, Constantino promulgou o edito de Tolerância, que oficialmente pôs fim as perseguições; • Em 323, Constantino alcançou o posto de supremo imperador, e o cristianismo foi então favorecido.
  • 26. A IREJA IMPERIAL • Bons resultados para a Igreja: Fim da perseguição; Igreja restauradas; Fim dos sacrifícios pagãos; Doações as igrejas.
  • 27. A IREJA IMPERIAL • Alguns bons resultados para o estado: A crucificação foi abolida; O infanticídio foi reprimido; A escravidão começou a ser questionada; As lutas de gladiadores foram abolidas.
  • 28. A IREJA IMPERIAL • Alguns maus resultados da vitória cristã: Perseguição aos pagãos; Cultos de adoração pagão se infiltrando na igreja; Desejo sem limite ao poder; Mistura politica/religiosa;
  • 29. A IREJA IMPERIAL • A fundação de Constantinopla: A necessidade de uma nova capital; Sua posição geográfica; • A capital e a Igreja; • A Igreja de Santa Sofia; • Divisão do Império Romano;
  • 30. A IREJA IMPERIAL • Supressão do paganismo; • A tolerância de Constantino; • A intolerância de seus sucessores;
  • 33. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Depois das lutas da igreja com as perseguições, surgi agora uma nova luta, uma guerra no campo do pensamento, uma série de controvérsias dentro da igreja acerca de doutrinas; • Com o aumento do número de conversões, alguns costumes e ideias pagãs entraram no cristianismo; como também pela exacerbada vontade em entender e explicar os textos sagrados.
  • 34. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS Principais heresias • Gnosticismo: Diziam que a matéria era mal; Que a salvação não dependia somente de Jesus, porque uma divindade não pode servir o homem; Jesus era um mestre gnóstico.
  • 35. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Marcionismo – Marcião, bispo AT - reino humano, NT - reino espiritual, Jeová - mal, Pai de Jesus – bom; Descartou o AT, pregava somente os escritos de Lucas; Salvação é universal, mas é apenas espiritual; Foi expulso da igreja e fundou a sua própria igreja.
  • 36. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Montanismo – Montano, bispo na África; Era contra o formalismo na Igreja, e da dependência de liderança; Pregava dependência exclusiva do E.S; Denominava-se o E.S encarnado; Afirmava ter o ministério da profecia; Fundou sua igreja.
  • 37. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Monarquianismo – Paulo, bispo; Queria impor conversões; Era um tirano, não tinha liturgia cristã no seu culto; Afirmava que havia três deuses, e não um; que Deus se apresentava em modos: pai, filho e o E.S;
  • 38. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Das heresias, surgiram falsas doutrinas, principalmente acerca de Jesus; Docetismo – pregava que Jesus, era somente divino, e tinha aparência humana; Ebionismo – afirmava que Jesus era somente humano e não possuía natureza divina, era um profeta;
  • 39. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Do monarquianismo surgiu duas doutrinas; Uma dizia que Jesus era homem, e só se apresentou como Deus na hora do batismo, e voltou a ser homem quando foi para morrer na cruz; Outra dizia que Deus se apresenta em modalidades evolutivas: Deus Pai, que se tornou Deus filho em Jesus, que morreu, evoluiu no E.S;
  • 40. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS Nistorianismo – afirmava que havia duas pessoas, uma divina e outra humana; Eutiquianismo – Jesus era parcialmente homem e parcialmente Deus; Arianismo ? Apolinarianismo ? Pelagianismo ?
  • 41. CONTROVÉRSIAS E CONCÍLIOS • Afim de resolver e esclarecer as heresias e doutrinas, a igreja reunia-se em Concílios; • A igreja reagiu as heresias com os Polimistas: Estabeleceu o Cânon do NT; Estabeleceu o Bispo Monárquico; Estabeleceu a liturgia do culto; Estabeleceu o credo apostólico; Estabeleceu o titulo “Católico”.
  • 42. IGREJA IMPERIAL O desenvolvimento do poder na igreja romana: • Roma reclamou para si autoridade apostólica, declarando só ela poder mencionar os nomes de Pedro e Paulo como fundadores; • Roma X Constantinopla; • Em 451, Roma ocupou o primeiro lugar e Constantinopla o segundo lugar.
  • 43. IGREJA IMPERIAL O Cristianismo dessa época decadente ainda era vivo e autentico, lutando contra heresias doutrinas e Imperadores... Atanásio (296-373) – apologista, bispo de Alexandria; por cinco vezes exilado, por causa da fé... Ambrósio (340-397) – foi eleito bispo por nomeação do Imperador, se converteu e repreendeu o próprio Imperador, foi autor de vários livros;
  • 44. IGREJA IMPERIAL João Crisóstomo (345-407) – foi o maior pregador desse período ‘boca de ouro’, foi bispo de Constantinopla, não agradava a corte, foi exilado e morreu no exílio; Jerônimo (340-420) – foi o mais erudito de todos, responsável pela tradução da Bíblia para o latin, a Vulgata Latina; Agostinho (354-430) – bispo de Hipona na África, escritor e defensor da fé cristã.
  • 48. A IGREJA MEDIEVAL • O progresso Papal – papa, sig. Papai, era usado para qualquer bispo, de Roma ou não; • Com o declínio do Império, a igreja veio a ser a guardiã do que restava da velha civilização, a autoridade da igreja estendia-se além dos assuntos religiosos; • Teve inicio com o pontificado de Gregório I, mais conhecido como Hildebrando, reformou o clero, elevou as normas de moralidade do clero, exigiu celibato, impôs a supremacia da igreja sobre o estado.
  • 50. A IGREJA MEDIEVAL • Sob o papado de Hidebrando ocorreu o Concilio de Roma 1059, algumas decisões foram tomadas: A nomeação do papa pelos bispos; Nenhum oficial da igreja, pode receber beneficio algum; Não se podia assistir missas de bispos com concubina. • Inocêncio III, ampliou o poder papal e é considerado o maios papa do séc. XIII;
  • 51. A IGREJA MEDIEVAL Declínio do Poder Papal Desapareceu o gosto pelas cruzadas; A corrupção, o favoritismo e o mercantilismo que presidiam as decisões papais, estimulava os conflitos; A imoralidade; A cadeira papal era objeto de desejo desenfreado; A influencia adquirida pelos franceses na Itália e Sicília, depois da queda dos imperadores, foi prejudicial aos papas;
  • 52. A IGREJA MEDIEVAL As Cruzadas – movimento da Idade Média, sob a inspiração e mandado da Igreja, que tiveram inicio no sec. XI; Aconteceram sete Cruzadas com o objetivo de reconquistar a Terra Santa, sem sucesso no final; houveram outras cruzadas de menor importância e também sem sucesso.
  • 53. A IGREJA MEDIEVAL • O desenvolvimento da Vida Monástica A ordem dos Beneditinos – fundada por Bento, exigiam-se obediência ao superior mosteiro, renuncia aos bens materiais, castidade pessoal, servia bem a população; A ordem dos Cistercienses – foi fundada pra fortalecer a disciplina dos Beneditinos;
  • 54. A IGREJA MEDIEVAL A ordem dos Franciscanos – fundada por Francisco de Assis, era a mais numerosa e era conhecida como os frades cinzentos; A ordem dos Dominicanos – fundada por Domingos, juntamente com os Franciscanos, eram pregadores;
  • 55. A IGREJA MEDIEVAL Benéficos dos mosteiros • Servia a população, com obras sociais; • Produziam e guardavam obras literárias da fé cristã; • Os monges serviam como missionários na expansão do evangelho; Malefícios dos mosteiros • Apresentava o celibato como vida mais elevada, o que é contrario as escrituras; • Impôs o estilo de vida monástico a milhares de pessoas nobres; • Os lares e famílias foram prejudicadas; • Com o crescimento e a riqueza, levou os mosteiros a indisciplina, ao luxo, à ociosidade, e até a imoralidade.
  • 56. O GRANDE CISMA • A situação doutrinária e prática das igrejas, no inicio do segundo milênio; Diferenças litúrgicas entre Roma/Constantinopla; Questões doutrinárias incomuns entre as igrejas;
  • 58. O GRANDE CISMA • A relação mais importante foi escrita pelo patriarca Cerulárius, em 1054, enviada para o Papa Leão IX; • Entre outras coisas ele condenava: o uso de pão com fermento na eucaristia, o uso de carnes para a alimentação, a permissão para se barbear, rejeitava as adições sobre o ES ao Credo Niceno, e o celibato clerical;
  • 59. O GRANDE CISMA • No final ainda escreveu: “Portanto, se eles vivem dessa maneira, enfraquecidos por esses costumes, ousando praticar essas coisas que são obviamente fora da lei, proibidas abomináveis; então poderá qualquer pessoa, em seu juízo são, inclui-los na categoria de ortodoxos? Claro que não.” • O cardeal Humberto a mando do papa Leão IX, excomungou Cerulários, que por sua vez, excomungou Humberto e o papa.
  • 60. O GRANDE CISMA • Seis razões principais para o grande cisma: Controvérsia iconoclástica; A doutrina da processão do ES; Insubordinação mútua; Não havia limites de jurisdição; Diferenças culturais; Diferenças na relação Igreja/Estado;
  • 61. O GRANDE CISMA • A igreja ortodoxa hoje: Tradição; Misticismo; Ícones; Liturgia Rebuscada.
  • 62. A IGREJA REFORMADA • Antecedentes da Reforma: Abusos/imoralidade do clero; Venda de indulgências, relíquias sagradas, e de cargos eclesiásticos; Autoridade suprema do papa;
  • 63. A IGREJA REFORMADA • A Reforma na Alemanha: A Renascença; A invenção da escrita; Distanciamento do clero quanto aos ensinamentos do NT; O patriotismo; Abusos em nome da fé;
  • 64. A IGREJA REFORMADA • A reforma na Alemanha começou sob a orientação de Martinho Lutero, monge e professor da Universidade de Winttenberg; • O que culminou a reforma na Alemanha foi o fato do papa Leão X, enviar João Tetzel para vender bulas papais conferindo perdão de pecados: “tão depressa o vosso dinheiro caia no cofre, a alma de vossos amigos subirá do purgatório”;
  • 65. A IGREJA REFORMADA • Lutero prega contra João Tetzel, e no dia 31 de outubro de 1517, foi fixada na porta da catedral de Winttenberg, um pergaminho que continha as 95 teses ou declarações contra as vendas de indulgências; • Lutero foi excomungado por uma bula do papa Leão X, no mês de junho de 1520; • No dia 10 de dezembro em praça pública Lutero queimou a bula, cortando assim todos os laços com Roma; recebeu proteção de Frederico da Saxônia.
  • 69. A IGREJA REFORMADA • Em 1521, Lutero foi convidado ao Concílio Supremo de Reno, onde esperava-se um pedido de retratação; • Na sua volta a casa, Lutero sofreu uma emboscada, e foi levado por soldados de Frederico da Saxônia, para o castelo de Wartzburg, onde permaneceu por um ano; • Nesse período traduziu o NT, para o alemão.
  • 70. A CONTRA-REFORMA • Movimento que tinha o objetivo de recuperar o terreno perdido na Reforma, destruir a fé protestante e enviar missões a países estrangeiros; • Tentou-se fazer uma reforma dentro da própria igreja, no concilio de Trento; • Resultados do concilio: projeto de catequização, criação do INDEX, volta da inquisição, perseguições afim de barrar o movimento protestante.