Arquitectura barroca

35.397 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia

Arquitectura barroca

  1. 2. Bernini , Beata Ludovica Albertoni , 1672-73, mármore, Roma, Igreja de S. Francisco de Ripa
  2. 3. Rubens, A Batalha das Amazonas , 1615, 121x165,5cm
  3. 4. Abadia de Melk, Áustria, 1702-1736, Jakob Prandthauer
  4. 5. O Barroco – Características gerais <ul><li>O Barroco é mais que uma corrente artística: é um modo de se estar no mundo </li></ul><ul><li>Pode-se falar em arte, mentalidade, cultura, vestuário, decoração, cerimónias ou jardins barrocos </li></ul><ul><li>O Barroco é o estilo, por excelência, da Contra-Reforma e da Reforma Católica: a arte é um meio para as pessoas frequentarem as igrejas – o apelo aos sentidos </li></ul><ul><li>O Barroco emergiu em Roma e espalhou-se pelo centro da Europa (Áustria, Sul da Alemanha, Boémia, Polónia) e pelos países católicos (Espanha, Portugal) </li></ul>
  5. 6. Heinrich Wolfflin (Historiador da arte do século XIX) <ul><li>Forte sentido de movimento: parede ondulada, a água </li></ul><ul><li>Tentativa de representação do infinito - pintura uma cúpula ou abóbada – representação do mundo celeste </li></ul><ul><li>Gosto pela monumentalidade, gosto pelo teatral, pelo cenógrafo, pelo faustoso, ânsia pelo movimento – efeitos de surpresa; pelo dramático e exuberante </li></ul>
  6. 7. ARQUITECTURA BARROCA finais do séc. XVI – finais do séc. XVIII CARACTERÍSTICAS <ul><li>O Barroco é um “gosto” mais do que um estilo, que nasce dos contactos entre a Antiguidade Clássica e o Renascimento, </li></ul><ul><li>com uma nova linguagem decorativa (fantasista, imaginativa, cénica, do gosto pessoal dos seus criadores) </li></ul><ul><li>Arte cenográfica, onde o cerimonial e a etiqueta estão ao serviço do programa político absolutista e do fervor religioso da Contra-Reforma </li></ul><ul><li>(fascínio dos sentidos e mensagem ideológica) – forte associação da arte com o poder político e religioso </li></ul>
  7. 8. Fontana di Trevi, 26 m de altura e 20 de comprimento, reformas entre 1732-1762 Nocola Salvi e Pietro Bracci
  8. 9. <ul><li>Estímulo da emoção, afectividade e misticismo (apelo a todos os sentidos físicos) </li></ul><ul><li>Dirigida ao grande público, para estimular as emoções e a persuasão, com o uso : </li></ul><ul><li>do movimento curvilíneo (real ou aparente), </li></ul><ul><li>da assimetria, </li></ul><ul><li>do jogo rebuscado de luz-sombra, </li></ul><ul><li>da busca do infinito ilusório (“trompe-l´oeil”), </li></ul><ul><li>do teatral, </li></ul><ul><li>do fantástico </li></ul><ul><li>e do cenográfico </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Nasce com a reconstrução urbanística da Roma papal da Contra-Reforma, </li></ul><ul><li>que se estende às cortes absolutistas europeias, </li></ul><ul><li>à Índia e ao mundo latino-americano </li></ul><ul><li>Reforma urbanística da Roma papal com Sisto V (1585-1590): amplas artérias, </li></ul><ul><li>obeliscos, </li></ul><ul><li>esculturas, </li></ul><ul><li>fontes com jogos de água, </li></ul><ul><li>praças largas (festas , mercados e acontecimentos) </li></ul><ul><li>e sobretudo a Igreja; </li></ul><ul><li>Roma como </li></ul><ul><li>Cidade-espectáculo; </li></ul>
  10. 11. Fonte do Moro, Giacomo della porta Fonte dos Quatro Rios, Bernini
  11. 13. <ul><li>Manteve as estruturas formais existentes, </li></ul><ul><li>com uma nova gramática decorativa que seduz através dos sentidos </li></ul><ul><li>Uso das ordens renascentistas (com a inovação da coluna torsa): </li></ul><ul><li>entablamentos e frontões quebrados e duplos </li></ul><ul><li>Aliança com a pintura, </li></ul><ul><li>a escultura, </li></ul><ul><li>a jardinagem, </li></ul><ul><li>os jogos de água </li></ul><ul><li>e as artes decorativas </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Efeitos de perspectiva ilusórios (plantas, tectos, cúpulas, decoração), </li></ul><ul><li>dando a ilusão de movimento, </li></ul><ul><li>maior amplitude de espaço, </li></ul><ul><li>linhas opostas que acentuam </li></ul><ul><li>o efeito cénico da arquitectura, </li></ul><ul><li>jogos de claro-escuro, </li></ul><ul><li>construção de massas salientes </li></ul><ul><li>e reentrâncias sinuosas </li></ul><ul><li>Colunas torsas ou retorcidas, helicoidais, duplas ou triplas </li></ul><ul><li>Frontões centrais, que reforçam o movimento ascensional da fachadas com decoração naturalistas </li></ul>Igreja de Santa Andrea della Valle, Roma
  13. 15. ARQUITECTOS <ul><li>Giacomo della Porta (1533-1602) e Vignola (1507-73) – maneirismo e Contra-Reforma </li></ul><ul><li>Carlo Maderno (1576-1636) – Primeiro arquitecto barroco </li></ul><ul><li>Gian-Lorenzo Bernini (1598-1680) – Igreja de S. André do Quirinal </li></ul><ul><li>Francesco Borromini (1599-1667) – Igreja de S. Carlos das Quatro Fontes </li></ul><ul><li>Baltazar Longhena (1598-1682) – Igreja de S. Maria da Saúde (1631,Veneza) </li></ul>
  14. 16. Igreja Il Gesù – planta de Vignola , Roma, 1568, fachada de Giacomo della Porta
  15. 17. Igreja de S. Susana, 1585–1603, Roma Fachada da Basílica de S. Pedro, Roma CARLO MADERNO (1576-1636)
  16. 18. BORROMINI (1599-1667) Igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, 1634, Roma
  17. 19. Igreja de San Carlo alle Quattro Fontane, 1634, Roma
  18. 22. Igreja de Santo Ivo alla Sapienza, Roma, Borromini, 1640-1650
  19. 24. BERNINI (1598-1680) Igreja de S. André do Quirinal, 1658-1678, Roma
  20. 25. BALTAZAR LONGHENA (1598-1682) Igreja de S. Maria da Saúde (1631,Veneza)
  21. 26. ASPECTOS FORMAIS As plantas da igrejas, simples ou complexas, apresentam grande diversidade, baseadas em formas geométricas curvas , elípticas ou ovais , irregulares como as trapezoidais, ou estreladas (Igreja de S. Ivo): <ul><li>Plantas de nave única – rectangulares com a nave alongada e as naves laterais com capelas; as elípticas de forma transversal ou longitudinal </li></ul><ul><li>Paredes côncavas ou convexas, ondulantes, com efeitos luminosos, decoração com pinturas, retábulos de talha dourada, criando a ilusão de um espaço maior </li></ul><ul><li>Coberturas em abóbada (contrafortes exteriores decorados com volutas) ou cúpula colossal que prolonga as paredes </li></ul>
  22. 27. Sant'Andrea della Valle , Carlo Maderno, 1650, Roma
  23. 28. Sant'Andrea della Valle , Carlo Maderno, 1650, Roma
  24. 29. <ul><li>Fachadas rematadas com um frontão que acentua a verticalidade (modelo maneirista do “Il Gesú”), divididas em andares, com formas onduladas (côncavas ou convexas) e de irregularidades bizarras, com jogos de luz-sombra </li></ul><ul><li>Portal principal com decoração vertical, com duas torres sineiras de cada lado da fachada que reforçam a verticalidade </li></ul><ul><li>Decoração interior (paredes, abóbadas, cúpulas, tectos) para acentuar o movimento com pinturas a fresco ondulantes, serpentinadas, </li></ul><ul><li>com turbilhões de figuras voadoras, querubins e anjos, </li></ul><ul><li>projectando o infinito com linhas de perspectiva (“trompe-l´oeil”), </li></ul><ul><li>em luz celestial valorizada pela luz dos janelões e cúpula com lanternim, </li></ul><ul><li>uso de mármores policromados, talha dourada, esculturas, retábulos, telas e órgãos musicais </li></ul>
  25. 30. Borromini, Igreja de Sant'Agnese in Agone, Piazza Navona, 1653-57, Roma
  26. 32. <ul><li>IDEIAS-CHAVE </li></ul><ul><li>Formas excessivamente decoradas </li></ul><ul><li>Colunas retorcidas </li></ul><ul><li>Entablamentos curvos </li></ul><ul><li>Projecção do mistério e do impacto emocional </li></ul><ul><li>Complexidade e ambiguidade </li></ul><ul><li>Diversidade e pluralidade de efeitos </li></ul><ul><li>Aproximação ao absurdo e grotesco, apelando à emoção </li></ul><ul><li>Dinamismo e tensão, intensidade e contraste, ornamentação e teatralidade </li></ul>
  27. 33. <ul><li>IDEIAS-CHAVE </li></ul><ul><li>Retórica das imagens cenográficas, persuasão das ideias, estímulo dos sentidos </li></ul><ul><li>Objectivo final: produzir espectáculo </li></ul><ul><li>Arte alegórica (do mundo celeste), apelando à contemplação e ao êxtase </li></ul><ul><li>Manipulação ideológica para afirmação do poder (da Contra-Reforma e das monarquias absolutistas) </li></ul>
  28. 34. Pietro da Cortona, Igreja de Santa Maria Della Pace, Roma Restaurada em 1656-67
  29. 35. Bernini, Igreja de Santa Maria, Ariccia, 1663-65
  30. 36. Borromini, Oratório dos Filipinos, Roma, 1637-1667
  31. 37. Baltazar Loghena, Palácio Belloni Battagia, 1648-1660
  32. 38. Guarino Guarini, Palácio Carignano, Turim, 1679-1684
  33. 39. Igreja dos Santos Lucca e Martini, Roma, reconstruída por Pietro Cortona a partir de 1634
  34. 41. Luigi Vanvitelli Palácio Real de Caserta, 1752-1773
  35. 42. Cúpula da Igreja de S. Lourenço, Turim, 16341680
  36. 44. Bibliografia <ul><li>Hauser, Arnold, O conceitos de Barroco , Lisboa, Editora Veja, 1997 </li></ul><ul><li>Hauser, Arnold, História social da arte e da cultura , Lisboa, Editora Veja, 1989 </li></ul><ul><li>Tapié, Victor, Barroco e Classicismo, Lisboa, Editorial Presença, 1988 </li></ul>

×