SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2
1ª AULA
Etimologia:
A palavra hermenêutica vem do 
grego ”herméneuein”, que 
significa expressar, explicar, 
traduzir, interpretar
3
4
Significado
A origem está na palavra grega ”hermeios” 
como  
referência ao sacerdote do oráculo de Delfos
 e o  mensageiro alado Hermes.‐
Hermes era um mensageiro alado, um 
intermediário entre deus e os homens, ele 
recebia a mensagem dos deuses e 
interpretava para aquilo que os seres 
humanos deveriam ouvir, ele traduzia e 
interpretava aquilo que os homens 
conseguiam entender.
 1. Aquele que exprime em voz alta
(proclama)
 2. Aquele que explica (Interpreta)
 3. Aquele que traduz (Tradução)
5
 Palavra grega que desi
gnava os montes de pe
dras 
usados para indicar os 
caminhos.
 A hermenêutica aponta
caminhos para aonde
devemos caminhar
6
 1400 anos para ser escritas
 Mais de 40 escritores
 Várias Culturas (Egìpcias, Assirias, Babilônicas,
Medo-pérsias, Gregas, Romanas)
 Escribas, Reis, Sacerdotes, Pastores de Ovelhas,
Pescadores
 Povos Nomades (Patriarcado), Escravos, Súditos,
Governadores
 Idiomas: Hebraico, Aramaico, Grego, Latim, Alemão,
Português.
7
 - Comece pelo mais simples (evangelhos, atos, salmos,
cartas, históricos... profetas, Apocalipse)
 - Seja paciente no estudo, leia com calma e
entendendo o que se lê, as vezes podemos ficar horas
em apenas alguns versículos. Seja Curioso e não aceite
tudo o que é falado, examine as escrituras (At 17:11
Bereanos).
 - Escolha o local, desligue-se dos meios digitais,
sempre faça uma oração, lembre-se que está lendo o
único livro que enquanto você le o autor se faz
presente.
8
9
O texto de Ne 8.8 descreve o
 seguinte:
“E Esdras leu no livro da Lei 
de Deus, traduzindo e 
dando sentido: assim podia‐
se compreender a  leitura.”
10
 Dando a palavra divina um sentido que Deus não havia
falado (Resultado: queda da humanidade).
 ““É assim que Deus disse: “não comereis de
toda árvore do jardim?”” (Gn 3:1). Lançando
dúvida.
 Na tentação de Jesus no deserto (Mat 4), Satanás tenta
novamente distorcer a palavra, fazendo uma distorcida
interpretação, usando textos fora do contexto.
 Muitos hoje tentam justificar seus erros usando a
própria palavra Ex: “maldito é o homem que confia no
homem”. 11
12
 1ª Regra: A Escritura é explicada pela Escritura
◦ A Bíblia interpreta a própria Bíblia. Portanto, a Bíblia
deve ser usada como recurso para entender ela mesma.
(Regra Fundamental)
 Jesus nos exorta a examinar as Escrituras para
achar a verdade, e não a interpretar as
Escrituras para estabelecer a verdade a nosso
arbítrio (Jo 5:39).
13
 Fixando-se em palavras e
versículos arrancados de
seu conjunto e não
permitindo à Escritura
explicar-se a si mesma,
encontraram os judeus
aparente apoio nela para
rejeitar a Cristo.
14
 "Se alguém lhes fizer qualquer
acréscimo, Deus lhe
acrescentará os flagelos escritos
neste livro; e se alguém tirar
qualquer coisa das palavras do
livro desta profecia, Deus tirará
a sua parte da árvore da vida."
(Ap 22:18,19)
 "Nenhuma profecia da Escritura
provem de particular elucidação"
(1 Pe1:20)
15
◦ Exemplos: Gn 6:12 - Viu Deus a terra, e
eis que estava corrompida; porque toda
a carne havia corrompido o seu
caminho sobre a terra. (humanidade)
 Tomando aqui as palavras carne e
caminho em sentido literal, o texto
perde o significado por completo.
Porém tomando em seu sentido
comum, usando-se como figuras, isto é,
carne em sentido de pessoa e
caminho no sentido de costumes,
modo de proceder ou religião.
16
 Exemplos: Fé: A palavra fé, ordinariamente
significa confiança; mas também tem outras
acepções. Lemos de Paulo, por exemplo:
"Agora prega a fé que outrora procurava
destruir" (Gál. 1:23).
 Do conjunto desta frase vimos claramente que
a fé, aqui, significa crença, ou seja, a doutrina
do Evangelho.
17
18
 Exemplos: 1. No contexto achamos
expressões, versículos ou exemplos que nos
esclarecem e definem o significado da
palavra obscura. Ao dizer Paulo: "quando lerdes,
podeis compreender o meu discernimento no
mistério de Cristo" (Ef. 3:4), ficamos um tanto
indecisos com respeito ao verdadeiro significado da
palavra mistério. Porém, pelos versículos anteriores
e posteriores, verificamos que a palavra mistério se
aplica aqui à participação dos gentios nos benefícios
do Evangelho. (v.6).
19
5ª Regra: É preciso tomar
em consideração o desígnio
ou objetivo do livro ou
passagem em que ocorrem as
palavras ou expressões
obscuras.
20
 Exemplos: 1° – É evidente que as cartas aos
Gálatas e aos Colossenses foram escritas na
ocasião dos erros que, com grande dano, os
judaizantes ou "falsos mestres" procuravam
implantar nas igrejas apostólicas. Por
conseguinte, estas cartas têm por desígnio expor
com toda clareza a salvação pela morte expiatória
de Cristo, contrariamente aos ensinos dos
judaizantes, que pregavam as obras, a
observância de dias e cerimônias judaicas, a
disciplina do corpo e a falsa filosofia.
21
22
23
7ª Regra: - Um texto não pode
significar aquilo que nunca
poderia ter significado para seu
autor ou seus leitores.
24
 8ª Regra: - Sempre quando compartilhamos de
circunstâncias comparáveis (isto é, situações de
vida específicas semelhantes) com o âmbito do
período quando foi escrita, a Palavra de Deus
significa para nós o mesmo que significou para
eles.
 Ex: II REIS - 17:39 mas ao Senhor vosso Deus
temereis, e ele vos livrará das mãos de todos os
vossos inimigos.
◦ ISAÍAS - 46:4 Até a vossa velhice eu sou o mesmo, e
ainda até as cãs eu vos carregarei; eu vos criei, e vos
levarei; sim, eu vos carregarei e vos livrarei.
25
26
 Metáfora – Figura de linguagem que consiste numa
comparação entre elementos utilizando-se
propriedades imaginárias. Este termo se compõe
de “meta” (além de) e “phero” (levar), ou seja
levar, levar além do seu sentido original. Ex:
Jo 6:48 – “Eu sou o pão da vida”, Jesus não deseja
que suas palavras sejam tomadas no sentido literal.
Gn 49:9 - Judá é um leãozinho. Subiste da presa, meu
filho. Ele se encurva e se deita como um leão, e como
uma leoa; quem o despertará?
Sl 71:3 - Sê tu para mim uma rocha de refúgio a que
sempre me acolha; deste ordem para que eu seja salvo,
pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza.
27
 Sinédoque
 Utilização de uma palavra fora de seu contexto
semântico normal.
 Faz-se uso desta figura quando se toma a parte
pelo todo ou o todo pela parte, o plural pelo
singular, o gênero pela espécie, ou vice-versa.
 Toma o todo pela parte o Apóstolo quando diz da
ceia do Senhor: "todas as vezes que . . . beberdes
o cálice", em lugar de dizer beberdes do cálice,
isto é, parte do que há no cálice. (1 Cor. 11:26).
28
Metonímia – É o emprego do nome de
algo pelo de outro com que tem relação.
Quando se emprega a causa pelo efeito,
ou sinal, ou símbolo pela realidade que
o indica. Ex:
 A causa pelo efeito – Vale-se Jesus desta
figura empregando a causa pelo efeito ao dizer:
"Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos", em
lugar de dizer que têm os escritos de Moisés e
dos profetas, ou seja o Antigo Testamento. (Luc.
16:29.)
29
 Prosopopéia – É quando
se atribui a seres
inanimados ações,
sentimento e emoções
humanas. Ex:
"Onde está, ó morte, o teu
aguilhão?" (1 Cor. 15:55).
Emprega o apóstolo Pedro
a mesma figura, falando do
amor, e referindo-se à
pessoa que ama, quando
diz: "o amor cobre multidão
de pecados" (1 Ped. 4:8)
30
 Ironia
 Faz-se uso desta figura quando
se expressa o contrário do que
se quer dizer, porém sempre
de tal modo que se faz ressaltar o
sentido verdadeiro.
 Vale-se da mesma figura o
profeta Elias quando no Carmelo
disse aos sacerdotes do falso
deus Baal: "Clamai em altas
vozes . . . e despertará", dando-
lhes a compreender, por sua
vez, que era de todo inútil
gritarem. (1 Reis 18:27.)
31
 Hipérbole – É a afirmação em
que as palavras vão além da
realidade das coisas. O autor
faz afirmação com um
exagero intencional. Ex:
Nm 13:33 – “...éramos aos
nossos olhos como gafanhotos; e
assim também éramos aos seus
olhos.”
Dt 1:28 – “...as cidades são
grandes e fortificadas até o
céu;...”
32
 Não só se empregam determinadas palavras em
sentido figurado nas Escrituras, mas, às vezes,
textos e passagens inteiros; são conhecido como:
◦ Alegoria,
◦ Fábula,
◦ Enigma,
◦ Tipo,
◦ Símbolo
◦ Parábola.
33
 Alegoria – É uma representação
figurativa de retórica que geralmente
tem várias metáforas (comparações)
unidas, por meio das quais realidades
abstratas são concretizadas; uma
interpretação ao pé da letra quase se
faz impossível. Ex:
Jo 6:51-65 – “Eu sou o pão vivo que desceu
do céu; se alguém dele comer, viverá
eternamente; e o pão que Eu darei pela vida
do mundo, é a minha carne...Quem comer a
minha carne e beber o meu sangue tem a
vida eterna”, etc.
34
o Fábula – É uma alegoria em forma de história,
na qual um fato ou alguma circunstância se
opõe em forma de narração mediante o uso de
atribuições de personalidade a objetos ou
animais. Ex: Jz 9:8-15
◦ “8 Foram uma vez as árvores a ungir para si
um rei; e disseram à oliveira: Reina tu sobre
nós. 9 Mas a oliveira lhes respondeu:
Deixaria eu a minha gordura, que Deus e os
homens em mim prezam, para ir balouçar
sobre as árvores? 10 Então disseram as
árvores à figueira: Vem tu, e reina sobre nós.
11 Mas a figueira lhes respondeu: Deixaria
eu a minha doçura, o meu bom fruto, para ir
balouçar sobre as árvores?
35
 Enigma – É um tipo de alegoria,
porém solução é difícil e obscura.
Ex:
◦ Jz 14:14 – “Então lhes disse: Do que
come saiu comida, e do forte saiu
doçura...”
◦ Resposta: Jz 14:18 - ... Que coisa há
mais doce do que o mel? e que coisa há
mais forte do que o leão?...
36
◦ Dt 23:14 – “porquanto o Senhor
teu Deus anda no meio do teu
arraial, para te livrar, e para te
entregar a ti os teus inimigos;
pelo que o teu arraial será santo,
para que ele não veja coisa
impura em ti, e de ti se aparte.”
◦ Is 5:26 – “E ele arvorará um
estandarte para as nações de
longe, e lhes assobiará desde a
extremidade da terra; e eis que
virão muito apressadamente.”
37
 Tipo – É uma classe de metáfora que não consiste meramente
em palavras, mas em circunstâncias, pessoas ou objetos que
designam fatos semelhantes.
 Seu estudo divide-se em Tipo, Antítipo e Tipologia.
◦ Tipologia: é o estudo das figuras e símbolos da Bíblia com os quais
Deus procura mostrar, por meio de coisas terrestres, as coisas
espirituais.
◦ Tipo: é a figura que representa o antítipo, enquanto a tipologia é o
estudo da relação entre o tipo e o antítipo.
◦ Antítipo: realidade de que um tipo é o símbolo profético.
◦ Ex: Jo 3:14 – a serpente de bronze é o tipo, Jesus é o antítipo.
38
 Símbolos – a diferença entre tipos e símbolos esta na maneira de
sua interpretação.
 Um tipo deve ser interpretado com base nas suas característica
similares.
 O Símbolo, por outro lado, têm um significado determinado sem
qualquer referência a similaridades. O cumprimento dos mesmos
podem ocorrer muitas vezes ou apenas uma vez só. Ex:
 Ap 1:20 “Eis o mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e
dos sete candeeiros de ouro: as estrelas são os anjos das sete igrejas, e os
sete candeeiros são as sete igrejas.”
39
40
 Parábola – Vem do grego “para”= lado a lado, e
“ballo”= jogar, trazer. Significando pois colocar
lado a lado ou jogar ao lado para comparar.
V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS
DE LINGUAGEM BÍBLICA
 Símile – emprega-se para a
comparação a palavra “como” ou
“assim é”, e outras similares. Ex:
Jo 3:8 – “O vento sopra onde quer, e ouves
a sua voz; mas não sabes donde vem, nem
para onde vai; assim é todo aquele que é
nascido do Espírito.”
Is 55:9 – “Porque, assim como o céu é
mais alto do que a terra, assim são os
meus caminhos mais altos do que os vossos
caminhos, e os meus pensamentos mais
altos do que os vossos pensamentos.”
41
V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS
DE LINGUAGEM BÍBLICA
Provérbios – Em hebraico é chamado de
“meshalim” (figuras de linguagem). Esse
vocábulo procede dos termos “pro”= antes,
e “verbem”= palavra. Trata-se de um dito
comum ou adágio.
42
V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS
DE LINGUAGEM BÍBLICA
 Paradoxo – denomina-se paradoxo uma
proposição ou declaração oposta à opinião comum;
é uma afirmação contrária à todas as aparências e
à primeira vista absurda; porém se estudada
detidamente ou meditando nela, torna-se correta
e bem fundamentada. Ex:
 Mc 8:35 - “Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á;
mas quem perder a sua vida por amor de mim e do evangelho,
salvá-la-á.”
43
V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS
DE LINGUAGEM BÍBLICA
 Profecia – É a inspirada
declaração da vontade e
propósitos divinos, predição de
acontecimentos futuros e a
base da mensagem de Deus ao
homem.
 As profecias devem ser
entendidas literalmente.
 Foram enunciadas algumas
vezes através de símbolos,
torna-se necessário as regras
de interpretação.
44
 É obtida resposta através de perguntas
como:
• Qual a situação histórica geral.
• Qual a situação política, social e
econômica da época.
• Qual era a situação religiosa, suas
preocupações e ameaças.
45
 Considera a relação de uma passagem
com o corpo todo do escrito de um autor.
 Procura ter uma visão do conhecimento
geral do autor e da época.
 Através das seguintes perguntas:
1. Quem foi o autor?
2. Qual era o ambiente do autor e sua
experiência espiritual?
3. Para quem o autor esta escrevendo?
4. Qual o contexto imediato ou próximo?
FIM
46

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
Alípio Vallim
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
Rosana Eugenio Dos Santos
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
Respirando Deus
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
Antonio Rodrigues
 
Panorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo TestamentoPanorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo Testamento
Dagmar Wendt
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
GISLAINE MORAES DA SILVA OLIVEIRA
 
O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
Daladier Lima
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
aula de Homilética, recursos da homilética
aula de Homilética,  recursos da homiléticaaula de Homilética,  recursos da homilética
aula de Homilética, recursos da homilética
RODRIGO FERREIRA
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Viva a Igreja
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
Jefferson Evangelista
 

Mais procurados (20)

02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Panorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo TestamentoPanorama Bíblico Novo Testamento
Panorama Bíblico Novo Testamento
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
 
O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
O pentateuco
 
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
aula de Homilética, recursos da homilética
aula de Homilética,  recursos da homiléticaaula de Homilética,  recursos da homilética
aula de Homilética, recursos da homilética
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 

Semelhante a hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica

Teologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologiaTeologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologia
Gcom digital factory
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
Diego Viana Melo Lima
 
Aula 003
Aula 003Aula 003
Aula 003
CENFATEE
 
Explicações de alguns vocábulos
Explicações de alguns vocábulosExplicações de alguns vocábulos
Explicações de alguns vocábulos
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
Hermenêutica aula2
Hermenêutica aula2Hermenêutica aula2
Hermenêutica aula2
Silvio Fagundes
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as Escrituras
Igreja Nazareno
 
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a VidaLição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Éder Tomé
 
02 animais como símbolos proféticos
02   animais como símbolos proféticos02   animais como símbolos proféticos
02 animais como símbolos proféticos
Diego Fortunatto
 
Apocalipse - Por Rodrigo Silva
Apocalipse - Por Rodrigo SilvaApocalipse - Por Rodrigo Silva
Apocalipse - Por Rodrigo Silva
Apocalipse Facil
 
Parábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e LazaroParábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e Lazaro
Rudimar Ribeiro
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Pr. Gerson Eller
 
Apostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamidApostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamid
Andrea Raquel Acosta Durante
 
Apocaliplição 1
Apocaliplição 1Apocaliplição 1
Apocaliplição 1
Luciana Viana
 
A besta da terra
A besta da terraA besta da terra
A besta da terra
Diego Fortunatto
 
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptxparte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
Yuri Sobreira
 
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Pr. Andre Luiz
 
1 - BIBLIOLOGIA.doc
1 -  BIBLIOLOGIA.doc1 -  BIBLIOLOGIA.doc
1 - BIBLIOLOGIA.doc
HumanizaTeologia
 
1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf
DanielSantana688069
 
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e CComentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
José Lima
 

Semelhante a hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica (20)

Teologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologiaTeologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologia
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
Aula 003
Aula 003Aula 003
Aula 003
 
Explicações de alguns vocábulos
Explicações de alguns vocábulosExplicações de alguns vocábulos
Explicações de alguns vocábulos
 
Hermenêutica aula2
Hermenêutica aula2Hermenêutica aula2
Hermenêutica aula2
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as Escrituras
 
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a VidaLição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
 
02 animais como símbolos proféticos
02   animais como símbolos proféticos02   animais como símbolos proféticos
02 animais como símbolos proféticos
 
Apocalipse - Por Rodrigo Silva
Apocalipse - Por Rodrigo SilvaApocalipse - Por Rodrigo Silva
Apocalipse - Por Rodrigo Silva
 
Parábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e LazaroParábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e Lazaro
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
 
Apostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamidApostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamid
 
Apocaliplição 1
Apocaliplição 1Apocaliplição 1
Apocaliplição 1
 
A besta da terra
A besta da terraA besta da terra
A besta da terra
 
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptxparte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
parte_1_estudo_apocalipse_port.pptx
 
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
Jesus escolhe seus discípulos - Lição 05 - 2ºTri/2015
 
1 - BIBLIOLOGIA.doc
1 -  BIBLIOLOGIA.doc1 -  BIBLIOLOGIA.doc
1 - BIBLIOLOGIA.doc
 
1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf
 
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e CComentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
Comentário: Natal dia 25 - Anos A, B e C
 

Mais de RODRIGO FERREIRA

AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptxAP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
RODRIGO FERREIRA
 
APOCALIPSE 2.pptx
APOCALIPSE 2.pptxAPOCALIPSE 2.pptx
APOCALIPSE 2.pptx
RODRIGO FERREIRA
 
APOCALIPSE 1.pptx
APOCALIPSE 1.pptxAPOCALIPSE 1.pptx
APOCALIPSE 1.pptx
RODRIGO FERREIRA
 
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptxBÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
RODRIGO FERREIRA
 
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
RODRIGO FERREIRA
 
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
RODRIGO FERREIRA
 
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
RODRIGO FERREIRA
 
As Sete Trombetas
As Sete TrombetasAs Sete Trombetas
As Sete Trombetas
RODRIGO FERREIRA
 
Apocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
Apocalipse 12 - A Mulher e o DragãoApocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
Apocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
RODRIGO FERREIRA
 
A Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
A Quebra da Aliança de Israel com o AnticristoA Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
A Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
RODRIGO FERREIRA
 
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
RODRIGO FERREIRA
 
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
RODRIGO FERREIRA
 
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
RODRIGO FERREIRA
 
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
RODRIGO FERREIRA
 
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
RODRIGO FERREIRA
 
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
RODRIGO FERREIRA
 
4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo
RODRIGO FERREIRA
 
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
RODRIGO FERREIRA
 
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
RODRIGO FERREIRA
 
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
RODRIGO FERREIRA
 

Mais de RODRIGO FERREIRA (20)

AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptxAP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
AP 4 - O TRONO NO CÉU.pptx
 
APOCALIPSE 2.pptx
APOCALIPSE 2.pptxAPOCALIPSE 2.pptx
APOCALIPSE 2.pptx
 
APOCALIPSE 1.pptx
APOCALIPSE 1.pptxAPOCALIPSE 1.pptx
APOCALIPSE 1.pptx
 
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptxBÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
BÍBLIA PALAVRA VIVA E EFICAZ(1).pptx
 
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
21º AUA - A PREPARAÇÃO PARA O MILÊNIO
 
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
20º AULA - A BATALHA DO ARMAGEDOM
 
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
19º AULA - AS SETE TAÇAS DO APOCALIPSE
 
As Sete Trombetas
As Sete TrombetasAs Sete Trombetas
As Sete Trombetas
 
Apocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
Apocalipse 12 - A Mulher e o DragãoApocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
Apocalipse 12 - A Mulher e o Dragão
 
A Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
A Quebra da Aliança de Israel com o AnticristoA Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
A Quebra da Aliança de Israel com o Anticristo
 
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
14ª AULA - QUEM É A GRANDE MERETRIZ MONTADA NA BESTA?
 
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
15ª AULA - O CONSELHO MUNDIAL DE IGREJAS
 
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
13ª AULA - OS 144 MIL SELADOS DE ISRAEL
 
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
6ª Aula - Os Sinais da Volta de Jesus
 
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
8ª Aula - A Estátua e os Animais de Daniel e Apocalipse
 
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
3ª Aula - A Transformação do nosso Corpo em corpo Glorificado
 
4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo4ª Aula - O Tribunal de Cristo
4ª Aula - O Tribunal de Cristo
 
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
5ª Aula - As Bodas do Cordeiro - Arrebatamento, Tribunal de Cristo, As Bodas ...
 
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
9ª Aula - O Surgimento do Anticristo - A Besta que emerge do Mar
 
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
 

Último

metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 

Último (14)

metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 

hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica

  • 1. 1
  • 5.  1. Aquele que exprime em voz alta (proclama)  2. Aquele que explica (Interpreta)  3. Aquele que traduz (Tradução) 5
  • 7.  1400 anos para ser escritas  Mais de 40 escritores  Várias Culturas (Egìpcias, Assirias, Babilônicas, Medo-pérsias, Gregas, Romanas)  Escribas, Reis, Sacerdotes, Pastores de Ovelhas, Pescadores  Povos Nomades (Patriarcado), Escravos, Súditos, Governadores  Idiomas: Hebraico, Aramaico, Grego, Latim, Alemão, Português. 7
  • 8.  - Comece pelo mais simples (evangelhos, atos, salmos, cartas, históricos... profetas, Apocalipse)  - Seja paciente no estudo, leia com calma e entendendo o que se lê, as vezes podemos ficar horas em apenas alguns versículos. Seja Curioso e não aceite tudo o que é falado, examine as escrituras (At 17:11 Bereanos).  - Escolha o local, desligue-se dos meios digitais, sempre faça uma oração, lembre-se que está lendo o único livro que enquanto você le o autor se faz presente. 8
  • 9. 9
  • 11.  Dando a palavra divina um sentido que Deus não havia falado (Resultado: queda da humanidade).  ““É assim que Deus disse: “não comereis de toda árvore do jardim?”” (Gn 3:1). Lançando dúvida.  Na tentação de Jesus no deserto (Mat 4), Satanás tenta novamente distorcer a palavra, fazendo uma distorcida interpretação, usando textos fora do contexto.  Muitos hoje tentam justificar seus erros usando a própria palavra Ex: “maldito é o homem que confia no homem”. 11
  • 12. 12
  • 13.  1ª Regra: A Escritura é explicada pela Escritura ◦ A Bíblia interpreta a própria Bíblia. Portanto, a Bíblia deve ser usada como recurso para entender ela mesma. (Regra Fundamental)  Jesus nos exorta a examinar as Escrituras para achar a verdade, e não a interpretar as Escrituras para estabelecer a verdade a nosso arbítrio (Jo 5:39). 13
  • 14.  Fixando-se em palavras e versículos arrancados de seu conjunto e não permitindo à Escritura explicar-se a si mesma, encontraram os judeus aparente apoio nela para rejeitar a Cristo. 14
  • 15.  "Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro; e se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida." (Ap 22:18,19)  "Nenhuma profecia da Escritura provem de particular elucidação" (1 Pe1:20) 15
  • 16. ◦ Exemplos: Gn 6:12 - Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. (humanidade)  Tomando aqui as palavras carne e caminho em sentido literal, o texto perde o significado por completo. Porém tomando em seu sentido comum, usando-se como figuras, isto é, carne em sentido de pessoa e caminho no sentido de costumes, modo de proceder ou religião. 16
  • 17.  Exemplos: Fé: A palavra fé, ordinariamente significa confiança; mas também tem outras acepções. Lemos de Paulo, por exemplo: "Agora prega a fé que outrora procurava destruir" (Gál. 1:23).  Do conjunto desta frase vimos claramente que a fé, aqui, significa crença, ou seja, a doutrina do Evangelho. 17
  • 18. 18
  • 19.  Exemplos: 1. No contexto achamos expressões, versículos ou exemplos que nos esclarecem e definem o significado da palavra obscura. Ao dizer Paulo: "quando lerdes, podeis compreender o meu discernimento no mistério de Cristo" (Ef. 3:4), ficamos um tanto indecisos com respeito ao verdadeiro significado da palavra mistério. Porém, pelos versículos anteriores e posteriores, verificamos que a palavra mistério se aplica aqui à participação dos gentios nos benefícios do Evangelho. (v.6). 19
  • 20. 5ª Regra: É preciso tomar em consideração o desígnio ou objetivo do livro ou passagem em que ocorrem as palavras ou expressões obscuras. 20
  • 21.  Exemplos: 1° – É evidente que as cartas aos Gálatas e aos Colossenses foram escritas na ocasião dos erros que, com grande dano, os judaizantes ou "falsos mestres" procuravam implantar nas igrejas apostólicas. Por conseguinte, estas cartas têm por desígnio expor com toda clareza a salvação pela morte expiatória de Cristo, contrariamente aos ensinos dos judaizantes, que pregavam as obras, a observância de dias e cerimônias judaicas, a disciplina do corpo e a falsa filosofia. 21
  • 22. 22
  • 23. 23
  • 24. 7ª Regra: - Um texto não pode significar aquilo que nunca poderia ter significado para seu autor ou seus leitores. 24
  • 25.  8ª Regra: - Sempre quando compartilhamos de circunstâncias comparáveis (isto é, situações de vida específicas semelhantes) com o âmbito do período quando foi escrita, a Palavra de Deus significa para nós o mesmo que significou para eles.  Ex: II REIS - 17:39 mas ao Senhor vosso Deus temereis, e ele vos livrará das mãos de todos os vossos inimigos. ◦ ISAÍAS - 46:4 Até a vossa velhice eu sou o mesmo, e ainda até as cãs eu vos carregarei; eu vos criei, e vos levarei; sim, eu vos carregarei e vos livrarei. 25
  • 26. 26
  • 27.  Metáfora – Figura de linguagem que consiste numa comparação entre elementos utilizando-se propriedades imaginárias. Este termo se compõe de “meta” (além de) e “phero” (levar), ou seja levar, levar além do seu sentido original. Ex: Jo 6:48 – “Eu sou o pão da vida”, Jesus não deseja que suas palavras sejam tomadas no sentido literal. Gn 49:9 - Judá é um leãozinho. Subiste da presa, meu filho. Ele se encurva e se deita como um leão, e como uma leoa; quem o despertará? Sl 71:3 - Sê tu para mim uma rocha de refúgio a que sempre me acolha; deste ordem para que eu seja salvo, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza. 27
  • 28.  Sinédoque  Utilização de uma palavra fora de seu contexto semântico normal.  Faz-se uso desta figura quando se toma a parte pelo todo ou o todo pela parte, o plural pelo singular, o gênero pela espécie, ou vice-versa.  Toma o todo pela parte o Apóstolo quando diz da ceia do Senhor: "todas as vezes que . . . beberdes o cálice", em lugar de dizer beberdes do cálice, isto é, parte do que há no cálice. (1 Cor. 11:26). 28
  • 29. Metonímia – É o emprego do nome de algo pelo de outro com que tem relação. Quando se emprega a causa pelo efeito, ou sinal, ou símbolo pela realidade que o indica. Ex:  A causa pelo efeito – Vale-se Jesus desta figura empregando a causa pelo efeito ao dizer: "Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos", em lugar de dizer que têm os escritos de Moisés e dos profetas, ou seja o Antigo Testamento. (Luc. 16:29.) 29
  • 30.  Prosopopéia – É quando se atribui a seres inanimados ações, sentimento e emoções humanas. Ex: "Onde está, ó morte, o teu aguilhão?" (1 Cor. 15:55). Emprega o apóstolo Pedro a mesma figura, falando do amor, e referindo-se à pessoa que ama, quando diz: "o amor cobre multidão de pecados" (1 Ped. 4:8) 30
  • 31.  Ironia  Faz-se uso desta figura quando se expressa o contrário do que se quer dizer, porém sempre de tal modo que se faz ressaltar o sentido verdadeiro.  Vale-se da mesma figura o profeta Elias quando no Carmelo disse aos sacerdotes do falso deus Baal: "Clamai em altas vozes . . . e despertará", dando- lhes a compreender, por sua vez, que era de todo inútil gritarem. (1 Reis 18:27.) 31
  • 32.  Hipérbole – É a afirmação em que as palavras vão além da realidade das coisas. O autor faz afirmação com um exagero intencional. Ex: Nm 13:33 – “...éramos aos nossos olhos como gafanhotos; e assim também éramos aos seus olhos.” Dt 1:28 – “...as cidades são grandes e fortificadas até o céu;...” 32
  • 33.  Não só se empregam determinadas palavras em sentido figurado nas Escrituras, mas, às vezes, textos e passagens inteiros; são conhecido como: ◦ Alegoria, ◦ Fábula, ◦ Enigma, ◦ Tipo, ◦ Símbolo ◦ Parábola. 33
  • 34.  Alegoria – É uma representação figurativa de retórica que geralmente tem várias metáforas (comparações) unidas, por meio das quais realidades abstratas são concretizadas; uma interpretação ao pé da letra quase se faz impossível. Ex: Jo 6:51-65 – “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que Eu darei pela vida do mundo, é a minha carne...Quem comer a minha carne e beber o meu sangue tem a vida eterna”, etc. 34
  • 35. o Fábula – É uma alegoria em forma de história, na qual um fato ou alguma circunstância se opõe em forma de narração mediante o uso de atribuições de personalidade a objetos ou animais. Ex: Jz 9:8-15 ◦ “8 Foram uma vez as árvores a ungir para si um rei; e disseram à oliveira: Reina tu sobre nós. 9 Mas a oliveira lhes respondeu: Deixaria eu a minha gordura, que Deus e os homens em mim prezam, para ir balouçar sobre as árvores? 10 Então disseram as árvores à figueira: Vem tu, e reina sobre nós. 11 Mas a figueira lhes respondeu: Deixaria eu a minha doçura, o meu bom fruto, para ir balouçar sobre as árvores? 35
  • 36.  Enigma – É um tipo de alegoria, porém solução é difícil e obscura. Ex: ◦ Jz 14:14 – “Então lhes disse: Do que come saiu comida, e do forte saiu doçura...” ◦ Resposta: Jz 14:18 - ... Que coisa há mais doce do que o mel? e que coisa há mais forte do que o leão?... 36
  • 37. ◦ Dt 23:14 – “porquanto o Senhor teu Deus anda no meio do teu arraial, para te livrar, e para te entregar a ti os teus inimigos; pelo que o teu arraial será santo, para que ele não veja coisa impura em ti, e de ti se aparte.” ◦ Is 5:26 – “E ele arvorará um estandarte para as nações de longe, e lhes assobiará desde a extremidade da terra; e eis que virão muito apressadamente.” 37
  • 38.  Tipo – É uma classe de metáfora que não consiste meramente em palavras, mas em circunstâncias, pessoas ou objetos que designam fatos semelhantes.  Seu estudo divide-se em Tipo, Antítipo e Tipologia. ◦ Tipologia: é o estudo das figuras e símbolos da Bíblia com os quais Deus procura mostrar, por meio de coisas terrestres, as coisas espirituais. ◦ Tipo: é a figura que representa o antítipo, enquanto a tipologia é o estudo da relação entre o tipo e o antítipo. ◦ Antítipo: realidade de que um tipo é o símbolo profético. ◦ Ex: Jo 3:14 – a serpente de bronze é o tipo, Jesus é o antítipo. 38
  • 39.  Símbolos – a diferença entre tipos e símbolos esta na maneira de sua interpretação.  Um tipo deve ser interpretado com base nas suas característica similares.  O Símbolo, por outro lado, têm um significado determinado sem qualquer referência a similaridades. O cumprimento dos mesmos podem ocorrer muitas vezes ou apenas uma vez só. Ex:  Ap 1:20 “Eis o mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete candeeiros de ouro: as estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas.” 39
  • 40. 40  Parábola – Vem do grego “para”= lado a lado, e “ballo”= jogar, trazer. Significando pois colocar lado a lado ou jogar ao lado para comparar.
  • 41. V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS DE LINGUAGEM BÍBLICA  Símile – emprega-se para a comparação a palavra “como” ou “assim é”, e outras similares. Ex: Jo 3:8 – “O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.” Is 55:9 – “Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” 41
  • 42. V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS DE LINGUAGEM BÍBLICA Provérbios – Em hebraico é chamado de “meshalim” (figuras de linguagem). Esse vocábulo procede dos termos “pro”= antes, e “verbem”= palavra. Trata-se de um dito comum ou adágio. 42
  • 43. V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS DE LINGUAGEM BÍBLICA  Paradoxo – denomina-se paradoxo uma proposição ou declaração oposta à opinião comum; é uma afirmação contrária à todas as aparências e à primeira vista absurda; porém se estudada detidamente ou meditando nela, torna-se correta e bem fundamentada. Ex:  Mc 8:35 - “Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, salvá-la-á.” 43
  • 44. V - OUTROS EXEMPLOS DE FIGURAS DE LINGUAGEM BÍBLICA  Profecia – É a inspirada declaração da vontade e propósitos divinos, predição de acontecimentos futuros e a base da mensagem de Deus ao homem.  As profecias devem ser entendidas literalmente.  Foram enunciadas algumas vezes através de símbolos, torna-se necessário as regras de interpretação. 44
  • 45.  É obtida resposta através de perguntas como: • Qual a situação histórica geral. • Qual a situação política, social e econômica da época. • Qual era a situação religiosa, suas preocupações e ameaças. 45
  • 46.  Considera a relação de uma passagem com o corpo todo do escrito de um autor.  Procura ter uma visão do conhecimento geral do autor e da época.  Através das seguintes perguntas: 1. Quem foi o autor? 2. Qual era o ambiente do autor e sua experiência espiritual? 3. Para quem o autor esta escrevendo? 4. Qual o contexto imediato ou próximo? FIM 46