SlideShare uma empresa Scribd logo
Crescimento
de Igreja
A CONGREGAÇÃO
EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 TRAGÉDIA DE UMA CONGREGAÇÃO NÃO
EQUIPADA
 Quando encontramos um cristão que não está integrado à
vida missionária da igreja e não participa em nenhum
plano de evangelização que ela projeta, quando tampouco
conhece suas habilidades e ignora como poderia
colaborar com Deus na salvação de outros pecadores,
estamos ante um cristão não equipado, sem armas e
inoperante.
 Se permanece assim, corre o perigo de ser declarado
"servo mau, negligente e inútil" quando encontrar a seu
Salvador no dia final (Mt 25:26,30).
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 É uma operação hábil de satanás, porque ele “está tratando de
manter o povo de Deus num estado de inatividade a fim de o impedir
de desempenhar sua parte na disseminação da verdade, para que
afinal sejam pesados na balança e achado em falta”.
 É a negligência nossa, os pastores. Com frequencia cometemos o
erro de trabalhar sozinhos, sem pedir a ajuda e colaboração dos
membros da igreja. Segundo James Kennedy, “nem 2% dos pastores
saem com os membros de sua igreja a evangelizar”.
 “Os ministros não devem fazer a obra que pertence à igreja,
fatigando-se assim, e impedindo que outros cumpram seu dever”.
Advertiu Ellen G. White. E acrescenta, “Eles devem ensinar os
membros a trabalharem na igreja e entre a vizinhança”. (Serviço
Cristão, 69
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 A pior tragédia é pensar que o haver feito profissão
de fé, permanecemos em Cristo ainda que não
façamos nada para colaborar com Ele em Seu plano
de salvar aos que estão perdidos em seus “delitos e
pecados”( Ef. 2:1).
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 QUANDO UM CRENTE ESTÁ EQUIPADO
 Quando um crente está equipado? Davi e Golias
 Paulo disse “revesti-vos de toda a armadura de Deus” (Ef
6:11,13). Em que consiste?
 Em conhecer a verdade “tal qual é em Jesus” (Ef 4:21).
 Aceitar a justiça de Deus.
 Saber comunicar o evangelho da paz.
 Saber como avançar pela fé na carreira cristã.
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 Esta classe de equipamento deu êxito
 Ao gadareno restaurado.
 Diácono Felipe, um proeminente pregador (Atos 8:26-40).
 Áquila e Priscila de cristãos fugitivos em missionários leigos de êxito
que colaboram com S. Paulo criando “igrejas de família” por todas as
partes (Atos 18:1, 2, 19, 26; Rm 16:3, 1 Co 16:19).
 Como reconhecer ao crente equipado? Começa com uma
resposta de gratidão e amor a Deus pelo perdão dos
pecados.
 Maria Madalena
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 Testemunho de amor e gratidão a Deus tem muita
transparência Porque é o resultado da obra de Espírito
Santo, sem ele, as palavras e as argumentações do homem
seriam sem sentido e sem resultado.
 De modo que o equipamento do crente começa com sua
valorização do dom da salvação.
 assim como o fizeram Maria Madalena, a mulher
samaritana e o gadareno, este processo de dedicação ao
serviço, à causa de seu Salvador, e a parte essencial de
seu equipamento que contribuirá para o desenvolvimento
de sua vida e a de sua igreja.
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 FUNÇÃO PASTORAL DO EQUIPAMENTO
 O neófito deve ser ensinado a ser um ganhador de almas para
cristo.
 É dever do pastor e de todo crente que se ocupa na
evangelização, ensinar a seus “catecúmenos”, que o batismo é
testemunho público do começo de sua nova vida em cristo
 O pastor cumpre seu papel quando ajuda ao recém-nascido em
cristo, a crescer “em sabedoria, estatura e graça, diante de deus
e dos homens” assim como se desenvolveu o senhor jesus (lucas
2:52).
 o papel pastoral inclui o ajudar ao crente na descoberta de seus
dons a fim de desenvolvê-los e utilizá-los em ser um efetivo
transmissor do evangelho.
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO
 MÉTODOS DE EQUIPAMENTO
 Começar com um programa de reavivamento.
 Os membros recém-batizados devem ser capacitados para
servir
 Os crentes devem ser equipados de acordo com seus
dons.
 Todos os crentes capacitados devem ser iniciados na
tarefa missionária da igreja.
 O equipamento inclui educação continua avançada.
A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O
CRESCIMENTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capitulo 7 santificando o mundo
Capitulo 7   santificando o mundoCapitulo 7   santificando o mundo
Capitulo 7 santificando o mundo
Klaus Newman
 
Conhecendo o Ministério de Pregação
Conhecendo o Ministério de PregaçãoConhecendo o Ministério de Pregação
Conhecendo o Ministério de Pregação
adrianojose1983
 
Ensino 6 grupo de perseverança
Ensino 6    grupo de perseverançaEnsino 6    grupo de perseverança
Ensino 6 grupo de perseverança
ministerioformacao
 
Desenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igrejaDesenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igreja
Marcus D. Ziemann
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Paulo Dias Nogueira
 
Direcionamento a servos e coordenadores
Direcionamento a servos e coordenadoresDirecionamento a servos e coordenadores
Direcionamento a servos e coordenadores
Marcos Dias
 
Movimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igrejaMovimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igreja
Haroldo Xavier Silva
 
O desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igrejaO desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igreja
Ivanei Silveira
 
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo SalesEclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eduardo Sales de lima
 
DNI, Visão, Missão, Valores IBCI
DNI, Visão, Missão, Valores IBCIDNI, Visão, Missão, Valores IBCI
DNI, Visão, Missão, Valores IBCI
Haroldo Xavier Silva
 
Programa de evangelismo integrado distrital.
Programa de  evangelismo  integrado distrital.Programa de  evangelismo  integrado distrital.
Programa de evangelismo integrado distrital.
Ewerton Antonio Euzebio Ewerton
 
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
Cleide Regina F Mariano
 
05 contexto-eclesial-da-rcc
05 contexto-eclesial-da-rcc05 contexto-eclesial-da-rcc
05 contexto-eclesial-da-rcc
ministerioformacao
 
Planejando a igreja local
Planejando a igreja localPlanejando a igreja local
Planejando a igreja local
Gilson Barbosa
 
G.P.´s líderes
G.P.´s líderesG.P.´s líderes
G.P.´s líderes
ebenesergueiros
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
Primeira Igreja Batista de Joinville
 
Projeto de Pequenos Grupos - IBS
Projeto de Pequenos Grupos - IBSProjeto de Pequenos Grupos - IBS
Projeto de Pequenos Grupos - IBS
Rodrigo Branco
 
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Liana Plentz
 
Dons e talentos
Dons e talentosDons e talentos
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e MissionaisO Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
ComunicacaoICPBB
 

Mais procurados (20)

Capitulo 7 santificando o mundo
Capitulo 7   santificando o mundoCapitulo 7   santificando o mundo
Capitulo 7 santificando o mundo
 
Conhecendo o Ministério de Pregação
Conhecendo o Ministério de PregaçãoConhecendo o Ministério de Pregação
Conhecendo o Ministério de Pregação
 
Ensino 6 grupo de perseverança
Ensino 6    grupo de perseverançaEnsino 6    grupo de perseverança
Ensino 6 grupo de perseverança
 
Desenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igrejaDesenvolvimento natural da igreja
Desenvolvimento natural da igreja
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
 
Direcionamento a servos e coordenadores
Direcionamento a servos e coordenadoresDirecionamento a servos e coordenadores
Direcionamento a servos e coordenadores
 
Movimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igrejaMovimento de crescimento de igreja
Movimento de crescimento de igreja
 
O desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igrejaO desenvolvimento natural da igreja
O desenvolvimento natural da igreja
 
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo SalesEclesiologia - Desenvolvimento  Natural Da  Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
Eclesiologia - Desenvolvimento Natural Da Igreja - Blog do Prof. Eduardo Sales
 
DNI, Visão, Missão, Valores IBCI
DNI, Visão, Missão, Valores IBCIDNI, Visão, Missão, Valores IBCI
DNI, Visão, Missão, Valores IBCI
 
Programa de evangelismo integrado distrital.
Programa de  evangelismo  integrado distrital.Programa de  evangelismo  integrado distrital.
Programa de evangelismo integrado distrital.
 
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
Adm eclesiástica 2 sem 2017 aula 1
 
05 contexto-eclesial-da-rcc
05 contexto-eclesial-da-rcc05 contexto-eclesial-da-rcc
05 contexto-eclesial-da-rcc
 
Planejando a igreja local
Planejando a igreja localPlanejando a igreja local
Planejando a igreja local
 
G.P.´s líderes
G.P.´s líderesG.P.´s líderes
G.P.´s líderes
 
Planejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIBPlanejamento Estratégico PIB
Planejamento Estratégico PIB
 
Projeto de Pequenos Grupos - IBS
Projeto de Pequenos Grupos - IBSProjeto de Pequenos Grupos - IBS
Projeto de Pequenos Grupos - IBS
 
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
 
Dons e talentos
Dons e talentosDons e talentos
Dons e talentos
 
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e MissionaisO Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
O Plantador de Igrejas Transformadoras e Missionais
 

Destaque

1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoas
José Santos
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2
José Santos
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1
José Santos
 
Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2
Jana Franpe
 
Aprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemiasAprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemias
Márcio Pereira
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
José Carlos Polozi
 
Mídia e religiões
Mídia e religiõesMídia e religiões
Mídia e religiões
Janaineaires
 
O ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igrejaO ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igreja
Elsemara Alípio
 
Direcionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessãoDirecionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessão
Cassio Felipe
 
Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2  Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2
Cassio Felipe
 
Neemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de EdificarNeemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de Edificar
Pr Rafa Carmo
 
Visão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessãoVisão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessão
Cassio Felipe
 
Simpósio Intercessão
Simpósio IntercessãoSimpósio Intercessão
Simpósio Intercessão
Jana Franpe
 
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Eduardo Bispo Silva
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
Timóteo Marques
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
GILMAR BASTOS
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Herberti Pedroso
 
Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
Marcos Fernando Moreira
 

Destaque (18)

1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoas
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1
 
Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2Simpósio Intercessão parte 2
Simpósio Intercessão parte 2
 
Aprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemiasAprendendo algumas lições com neemias
Aprendendo algumas lições com neemias
 
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
[EBD Maranata] Revista O Poder e o Ministério da Oração | Lição 10 - O minist...
 
Mídia e religiões
Mídia e religiõesMídia e religiões
Mídia e religiões
 
O ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igrejaO ministério de oração da igreja
O ministério de oração da igreja
 
Direcionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessãoDirecionamento Ministério de intercessão
Direcionamento Ministério de intercessão
 
Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2  Módulo serviço – apostila 2
Módulo serviço – apostila 2
 
Neemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de EdificarNeemias - Tempo de Edificar
Neemias - Tempo de Edificar
 
Visão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessãoVisão para o ministério de intercessão
Visão para o ministério de intercessão
 
Simpósio Intercessão
Simpósio IntercessãoSimpósio Intercessão
Simpósio Intercessão
 
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
Apostila completa seminario de cura e libertacao (1)
 
apostila-cura-interior
 apostila-cura-interior apostila-cura-interior
apostila-cura-interior
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
 
Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
 

Semelhante a 6 a congregação equipada e o crescimento

Boletim cbg n°_37_14_set_2014
Boletim cbg n°_37_14_set_2014Boletim cbg n°_37_14_set_2014
Boletim cbg n°_37_14_set_2014
Silas Roberto Nogueira
 
Texto 4 os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
Texto 4   os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silvaTexto 4   os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
Texto 4 os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
Paulo Dias Nogueira
 
A mística mariana da alegria do evangelho v2
A mística mariana da alegria do evangelho v2A mística mariana da alegria do evangelho v2
A mística mariana da alegria do evangelho v2
Afonso Murad (FAJE)
 
Curso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para EvangelistaCurso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para Evangelista
Sergio Silva
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)
guest9c2db2e
 
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao TanqueFormação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
IvaneideRodrigues6
 
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdfPregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
Benjamim Martins A. Filho
 
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdfPregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
Benjamim Martins A. Filho
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de Comunidades
Adriano Matilha
 
A MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJAA MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJA
Romildo Fernandes Gurgel Gurgel
 
Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2
Renata R. Lucas
 
O rosto mariano da igreja fundamentos teologicos
O rosto mariano da igreja  fundamentos teologicosO rosto mariano da igreja  fundamentos teologicos
O rosto mariano da igreja fundamentos teologicos
Afonso Murad (FAJE)
 
aula -02 - evangelismo.pptx
aula -02 - evangelismo.pptxaula -02 - evangelismo.pptx
aula -02 - evangelismo.pptx
lindalva da cruz
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2
fogotv
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
boasnovassena
 
Documento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
Documento 85 CNBB - Evangelização da JuventudeDocumento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
Documento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
Reinaldo Oliveira Do Carmo
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
Rodrigo Oliveira
 
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJANATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
Paulo David
 
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
Bernadetecebs .
 

Semelhante a 6 a congregação equipada e o crescimento (20)

Boletim cbg n°_37_14_set_2014
Boletim cbg n°_37_14_set_2014Boletim cbg n°_37_14_set_2014
Boletim cbg n°_37_14_set_2014
 
Texto 4 os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
Texto 4   os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silvaTexto 4   os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
Texto 4 os deveres pastorais - bispo osvaldo dias da silva
 
A mística mariana da alegria do evangelho v2
A mística mariana da alegria do evangelho v2A mística mariana da alegria do evangelho v2
A mística mariana da alegria do evangelho v2
 
Curso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para EvangelistaCurso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para Evangelista
 
Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)Aula 01 evangelismo (etcam)
Aula 01 evangelismo (etcam)
 
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao TanqueFormação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
Formação de Catequistas da paróquia de São Sebastiao Tanque
 
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdfPregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
Pregacao poderosa para o crescimento da igreja Capa.pdf
 
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdfPregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
Pregação poderosa para o crescimento da Igreja.pdf
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de Comunidades
 
A MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJAA MISSÃO DA IGREJA
A MISSÃO DA IGREJA
 
Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2
 
O rosto mariano da igreja fundamentos teologicos
O rosto mariano da igreja  fundamentos teologicosO rosto mariano da igreja  fundamentos teologicos
O rosto mariano da igreja fundamentos teologicos
 
aula -02 - evangelismo.pptx
aula -02 - evangelismo.pptxaula -02 - evangelismo.pptx
aula -02 - evangelismo.pptx
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2Doutrina Da Igreja Modulo 2
Doutrina Da Igreja Modulo 2
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Documento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
Documento 85 CNBB - Evangelização da JuventudeDocumento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
Documento 85 CNBB - Evangelização da Juventude
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJANATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
NATUREZA MISSIONÁRIA DA IGREJA
 
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
Cartilha 2 cm2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas Cartilha de Pr...
 

Mais de José Santos

A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
José Santos
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
José Santos
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativo
José Santos
 
Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuário
José Santos
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuário
José Santos
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuário
José Santos
 
Dia da expiação
Dia da expiaçãoDia da expiação
Dia da expiação
José Santos
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de números
José Santos
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticos
José Santos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômio
José Santos
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
José Santos
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
José Santos
 
Apresentação do santuário
Apresentação do santuárioApresentação do santuário
Apresentação do santuário
José Santos
 
Autoria mosaica do pentateuco
Autoria mosaica do pentateucoAutoria mosaica do pentateuco
Autoria mosaica do pentateuco
José Santos
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
José Santos
 
Subordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da TrindadeSubordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da Trindade
José Santos
 
A natureza humana de Cristo
A natureza humana de CristoA natureza humana de Cristo
A natureza humana de Cristo
José Santos
 
Aula 11 as crises da iasd 2
Aula 11   as crises da iasd 2Aula 11   as crises da iasd 2
Aula 11 as crises da iasd 2
José Santos
 
Aula 10 as crises da iasd 1
Aula 10   as crises da iasd 1Aula 10   as crises da iasd 1
Aula 10 as crises da iasd 1
José Santos
 
Aula 9 missões adventistas
Aula 9   missões adventistasAula 9   missões adventistas
Aula 9 missões adventistas
José Santos
 

Mais de José Santos (20)

A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativo
 
Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuário
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuário
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuário
 
Dia da expiação
Dia da expiaçãoDia da expiação
Dia da expiação
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de números
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômio
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
 
Apresentação do santuário
Apresentação do santuárioApresentação do santuário
Apresentação do santuário
 
Autoria mosaica do pentateuco
Autoria mosaica do pentateucoAutoria mosaica do pentateuco
Autoria mosaica do pentateuco
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
 
Subordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da TrindadeSubordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da Trindade
 
A natureza humana de Cristo
A natureza humana de CristoA natureza humana de Cristo
A natureza humana de Cristo
 
Aula 11 as crises da iasd 2
Aula 11   as crises da iasd 2Aula 11   as crises da iasd 2
Aula 11 as crises da iasd 2
 
Aula 10 as crises da iasd 1
Aula 10   as crises da iasd 1Aula 10   as crises da iasd 1
Aula 10 as crises da iasd 1
 
Aula 9 missões adventistas
Aula 9   missões adventistasAula 9   missões adventistas
Aula 9 missões adventistas
 

Último

Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 

Último (14)

Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 

6 a congregação equipada e o crescimento

  • 3.  TRAGÉDIA DE UMA CONGREGAÇÃO NÃO EQUIPADA  Quando encontramos um cristão que não está integrado à vida missionária da igreja e não participa em nenhum plano de evangelização que ela projeta, quando tampouco conhece suas habilidades e ignora como poderia colaborar com Deus na salvação de outros pecadores, estamos ante um cristão não equipado, sem armas e inoperante.  Se permanece assim, corre o perigo de ser declarado "servo mau, negligente e inútil" quando encontrar a seu Salvador no dia final (Mt 25:26,30). A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 4.  É uma operação hábil de satanás, porque ele “está tratando de manter o povo de Deus num estado de inatividade a fim de o impedir de desempenhar sua parte na disseminação da verdade, para que afinal sejam pesados na balança e achado em falta”.  É a negligência nossa, os pastores. Com frequencia cometemos o erro de trabalhar sozinhos, sem pedir a ajuda e colaboração dos membros da igreja. Segundo James Kennedy, “nem 2% dos pastores saem com os membros de sua igreja a evangelizar”.  “Os ministros não devem fazer a obra que pertence à igreja, fatigando-se assim, e impedindo que outros cumpram seu dever”. Advertiu Ellen G. White. E acrescenta, “Eles devem ensinar os membros a trabalharem na igreja e entre a vizinhança”. (Serviço Cristão, 69 A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 5.  A pior tragédia é pensar que o haver feito profissão de fé, permanecemos em Cristo ainda que não façamos nada para colaborar com Ele em Seu plano de salvar aos que estão perdidos em seus “delitos e pecados”( Ef. 2:1). A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 6.  QUANDO UM CRENTE ESTÁ EQUIPADO  Quando um crente está equipado? Davi e Golias  Paulo disse “revesti-vos de toda a armadura de Deus” (Ef 6:11,13). Em que consiste?  Em conhecer a verdade “tal qual é em Jesus” (Ef 4:21).  Aceitar a justiça de Deus.  Saber comunicar o evangelho da paz.  Saber como avançar pela fé na carreira cristã. A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 7.  Esta classe de equipamento deu êxito  Ao gadareno restaurado.  Diácono Felipe, um proeminente pregador (Atos 8:26-40).  Áquila e Priscila de cristãos fugitivos em missionários leigos de êxito que colaboram com S. Paulo criando “igrejas de família” por todas as partes (Atos 18:1, 2, 19, 26; Rm 16:3, 1 Co 16:19).  Como reconhecer ao crente equipado? Começa com uma resposta de gratidão e amor a Deus pelo perdão dos pecados.  Maria Madalena A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 8.  Testemunho de amor e gratidão a Deus tem muita transparência Porque é o resultado da obra de Espírito Santo, sem ele, as palavras e as argumentações do homem seriam sem sentido e sem resultado.  De modo que o equipamento do crente começa com sua valorização do dom da salvação.  assim como o fizeram Maria Madalena, a mulher samaritana e o gadareno, este processo de dedicação ao serviço, à causa de seu Salvador, e a parte essencial de seu equipamento que contribuirá para o desenvolvimento de sua vida e a de sua igreja. A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 9.  FUNÇÃO PASTORAL DO EQUIPAMENTO  O neófito deve ser ensinado a ser um ganhador de almas para cristo.  É dever do pastor e de todo crente que se ocupa na evangelização, ensinar a seus “catecúmenos”, que o batismo é testemunho público do começo de sua nova vida em cristo  O pastor cumpre seu papel quando ajuda ao recém-nascido em cristo, a crescer “em sabedoria, estatura e graça, diante de deus e dos homens” assim como se desenvolveu o senhor jesus (lucas 2:52).  o papel pastoral inclui o ajudar ao crente na descoberta de seus dons a fim de desenvolvê-los e utilizá-los em ser um efetivo transmissor do evangelho. A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO
  • 10.  MÉTODOS DE EQUIPAMENTO  Começar com um programa de reavivamento.  Os membros recém-batizados devem ser capacitados para servir  Os crentes devem ser equipados de acordo com seus dons.  Todos os crentes capacitados devem ser iniciados na tarefa missionária da igreja.  O equipamento inclui educação continua avançada. A CONGREGAÇÃO EQUIPADA E O CRESCIMENTO