SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Trabalho sobre Kamban Patrícia Miranda de Castro
7 – KANBAN
Kanban é uma palavra do vocabulário Japonês que significa ETIQUETA Baseia-se todo seu funcionamento na circulação de etiquetas entre postos de trabalho. Foi desenvolvido no Japão depois da 2ª Guerra mundial por M. Ohno na  Toyota Motor Company . Surgiu devido, à necessidade de encontrar um sistema de informação que permite se transmitir as necessidades de jusante para montante do processo produtivo
O fluxo de produção circula da esquerda para a direita, passando por um posto e depois por outro Linha de Produção
Sobrepor ao fluxo físico de produtos um fluxo inverso de informações Fluxo de KANBAN
As etiquetas Kanban encontram-se assim: Colocadas nos contentores aguardando utilização junto ao posto de trabalho 2 Quadro de Planejamento KANBAN no posto 1 aguardando a fabricação de novas peças
A regra de gestão de um posto de trabalho: Se existem etiquetas Kanban no quadro de planejamento do meu posto de trabalho, produzo; se não existir nenhuma etiqueta, não devo produzir. Os lançamentos em fabrico do posto a montante são assim geridos pelas necessidades do posto a jusante, Fluxo Tenso Uma etiqueta Kanban circula apenas entre dois postos de trabalho. => Kanban de Produção No caso de operações de transporte. => Kanban de Transferência
Kanban de produção
Kanban de Transferência Quando o posto 2 utiliza um contentor de peças, retira-se o Kanban de transferência e coloca-se sobre o quadro de planejamento de transferência; O responsável pelo transporte vai então procurar um contentor na área de armazenagem do posto 1. O responsável pela movimentação dos contentores retira o Kanban de produção, e o coloca no quadro de planejamento do posto 1, dando ordem para produzir um contentor de peças.
Kanban de Transferência
Kanban de fornecedor externo
3. Gestão das prioridades em Kanban Exista, ou não necessidade de operações de transferência, um posto fornecedor a montante, produz a maior parte do tempo, vários produtos para o posto ou postos clientes, a jusante Não deverá fabricar mais de dez produtos Quando utilizamos o método Kanban é necessário normalizar os produtos que circulam entre o fornecedor e o cliente e reduzir para menos de dez componentes diferentes. Para que o posto fornecedor possa responder corretamente às necessidades do ou dos postos clientes, é necessário que saiba gerir corretamente as suas prioridades. Se o quadro de planejamento Kanban de um posto de trabalho contém vários tipos de Kanbans, o principal problema do operador é o da escolha do tipo de peça a fabricar em primeiro lugar.
3. Gestão das prioridades em Kanban Painéis ou quadros de sinalização junto aos pontos de armazenagem espalhados pela produção, tem a finalidade de sinalizar o fluxo de movimentação e consumo dos itens a partir da fixação dos cartões kanban nestes quadros.
Sistema Kanban com dois cartões
Sistema Kanban com um cartão
Sistema Kanban para fornecedores externos
Cálculo do número de cartões Kanban Pode ser encarada sob dois aspectos: o tamanho do lote do item para cada contenedor e cartão, e o número total de contenedores e cartões por item, definindo o nível total de estoques do item no sistema. Na prática, apesar de a busca pelo lote unitário ser contínua, normalmente definimos o tamanho do lote em função de dois fatores: O número de setup que nos dispomos a fazer por dia: Quanto maior for o tempo de setup, maior o tamanho do lote para diluir seus custos e menor a sua freqüência de produção diária. O tamanho do contenedor onde serão colocados os itens: Deve-se procurar reduzir os tipos de contenedores.
Cálculo do número de cartões Kanban Estabelecido para cada item o tamanho do lote por contenedor, pode-se projetar o número total de lotes no sistema.  A determinação do número de cartões kanban é função do tempo gasto para a produção e movimentação dos lotes no sistema produtivo, bem como, da segurança projetada.
Cálculo do número de cartões Kanban Sistema com dois cartões: D = 500 itens/dia; Q = 20 itens/cartão;  S = 0,1 do dia; Tprod = 0,2 do dia (em função dos custos de setup da máquina, pretendemos fazer em média 5 preparações por dia para este item); Tmov = 0,25 do dia (o funcionário responsável pela movimentação dos lotes entre o produtor e o consumidor está encarregado de fazer 8 viagens por dia); N = 5,5 + 6,87 N = 6 cartões kanban de produção + 7 cartões kanban de movimentação
Cálculo do número de cartões Kanban Sistema com um cartão: D = 1500 itens/dia; Q = 10 itens/cartão;  S = 0,05 do dia; Tprod = 0,062 do dia (o produtor emprega entre preparação da máquina e produção de um lote de 10 itens, 30 minutos de um dia de 480 minutos); Tmov = 0;
Vantagens do sistema Kanban Executa as atividades de programação, acompanhamento e controle da produção, de forma simples e direta: As funções de administração dos estoques estão contidas dentro do próprio sistema de funcionamento do kanban.  O seqüenciamento do programa de produção segue as regras de prioridades estabelecidas nos painéis porta-kanban.  A emissão das ordens pelo PCP se dá em um único momento. A liberação das ordens aos postos de trabalho se dá a nível de chão-de-fábrica. O sistema kanban permite, de forma simples, o acompanhamento e controle visual e automático do programa de produção.
Vantagens do sistema Kanban Estimula a iniciativa e o sentido de propriedade nos mesmos;  Facilita os trabalhos dos grupos de melhorias na identificação e eliminação de problemas; Permite a identificação imediata de problemas através da redução planejada do número de cartões kanban em circulação no sistema;  Reduz a necessidade de equipamentos de movimentação e acusa imediatamente problemas de qualidade nos itens; Implementa efetivamente os conceitos de organização, simplicidade, padronização e limpeza nos estoques do sistema produtivo; Dispensa a necessidade de inventários periódicos nos estoques; Estimula o emprego do conceito de operador polivalente; Facilita o cumprimento dos padrões de trabalho.
Pré-requisitos para o sistema Kanban Os pré-requisitos de funcionamento do sistema kanban são as próprias ferramentas que compõem a filosofia JIT/TQC, e que determinam quão eficiente o sistema produtivo é, quais sejam: Estabilidade de projeto de produtos; Estabilidade no programa mestre de produção; Índices de qualidade altos; Fluxos produtivos bem definidos; Lotes pequenos; Operários treinados e motivados com os objetivos do melhoramento contínuo; Equipamentos em perfeito estado de conservação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii
Homero Alves de Lima
 
Apresentacao kanban
Apresentacao kanbanApresentacao kanban
Apresentacao kanban
Cleber Rebello
 
Sistema Kanban
Sistema KanbanSistema Kanban
Sistema Kanban
Gabriel Galdino
 
Sistema de Produção Puxada
Sistema de Produção PuxadaSistema de Produção Puxada
Sistema de Produção Puxada
マルセロ 白井
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Rafael Santos Adriano
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
HealthMinds Academy
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
guestbdad729
 
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
Rogerio Riedo Picilli
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
lourinha321
 
PCP
PCPPCP
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
Aula 01  introdução, endereçamento e wmsAula 01  introdução, endereçamento e wms
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
Adilson Paradella
 
Logistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exerciciosLogistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exercicios
Fernanda do Nascimento Reis
 
07 aula armazenagem l
07 aula armazenagem l07 aula armazenagem l
07 aula armazenagem l
Homero Alves de Lima
 
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Jeuziane Duarte Lamim
 
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdfAulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Giancarlo Alves Simões
 
Estudo sobre gestão de compras
Estudo sobre gestão de comprasEstudo sobre gestão de compras
Estudo sobre gestão de compras
Gustavo Amorim
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
Sirlei Vieira
 
Milk-run
Milk-runMilk-run
Milk-run
Carlos Garcia
 
Logística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de materialLogística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de material
Marcelo Aparecido Sampaio
 

Mais procurados (20)

08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii
 
Apresentacao kanban
Apresentacao kanbanApresentacao kanban
Apresentacao kanban
 
Sistema Kanban
Sistema KanbanSistema Kanban
Sistema Kanban
 
Sistema de Produção Puxada
Sistema de Produção PuxadaSistema de Produção Puxada
Sistema de Produção Puxada
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Gestão de Armazens
Gestão de ArmazensGestão de Armazens
Gestão de Armazens
 
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
 
PCP
PCPPCP
PCP
 
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
Aula 01  introdução, endereçamento e wmsAula 01  introdução, endereçamento e wms
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
 
Logistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exerciciosLogistica respostas dos exercicios
Logistica respostas dos exercicios
 
07 aula armazenagem l
07 aula armazenagem l07 aula armazenagem l
07 aula armazenagem l
 
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
 
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdfAulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
 
Estudo sobre gestão de compras
Estudo sobre gestão de comprasEstudo sobre gestão de compras
Estudo sobre gestão de compras
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
 
Milk-run
Milk-runMilk-run
Milk-run
 
Logística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de materialLogística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de material
 

Destaque

Design Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google CampusDesign Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google Campus
Leonardo Veri
 
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysisApplying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Universidade Federal Fluminense
 
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem SolvingIntrodução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
Raksha77
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
Grazi Mendes Rangel
 
Kanban
KanbanKanban
Governança de TI
Governança de TIGovernança de TI
Governança de TI
Rildo (@rildosan) Santos
 
Modelos de Governança
Modelos de GovernançaModelos de Governança
Modelos de Governança
fviberti
 

Destaque (7)

Design Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google CampusDesign Para Líderes - Google Campus
Design Para Líderes - Google Campus
 
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysisApplying root cause analysis and failure mode and effect analysis
Applying root cause analysis and failure mode and effect analysis
 
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem SolvingIntrodução às tecnicas de Creative Problem Solving
Introdução às tecnicas de Creative Problem Solving
 
Guia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativosGuia prático de processos criativos
Guia prático de processos criativos
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Governança de TI
Governança de TIGovernança de TI
Governança de TI
 
Modelos de Governança
Modelos de GovernançaModelos de Governança
Modelos de Governança
 

Semelhante a Slide Kamban

Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015
CLT Valuebased Services
 
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Alisson Baptista Figueiró
 
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Rogério Tolentino
 
Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)
edumm001
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Jit kanban
Jit kanbanJit kanban
Jit kanban
Alberto Santos
 
Just in time metodologia ágel
Just in time metodologia ágelJust in time metodologia ágel
Just in time metodologia ágel
wellington tenorio
 
Just in time metodologia ágil
Just in time metodologia ágilJust in time metodologia ágil
Just in time metodologia ágil
wellington tenorio
 
Kamban
KambanKamban
Kamban
guest5a17a4
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturing
institutocarvalho
 
Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.ppt
TulioGonalves3
 
Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.ppt
MaressaCosta9
 
Treinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�adoTreinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�ado
ogerente
 
Método Kanban de Produção
Método Kanban de ProduçãoMétodo Kanban de Produção
Método Kanban de Produção
Adriano Pereira
 
Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761
Cleber Rebello
 
Apresentação Drummer e-Kanban
Apresentação Drummer e-KanbanApresentação Drummer e-Kanban
Apresentação Drummer e-Kanban
Linter
 
Kanban - Aula 1.pptx
Kanban - Aula 1.pptxKanban - Aula 1.pptx
Kanban - Aula 1.pptx
Janaina669059
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodle
Telmo Telles
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
Eduardo Braga Jr
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
Eduardo Braga Jr
 

Semelhante a Slide Kamban (20)

Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015Kanban lean scm 2015
Kanban lean scm 2015
 
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
Sistemas de produção 2014 02 (módulo v)
 
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
Kanban15jun13 130708115143-phpapp01
 
Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)Etiquetas (kanban)
Etiquetas (kanban)
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Jit kanban
Jit kanbanJit kanban
Jit kanban
 
Just in time metodologia ágel
Just in time metodologia ágelJust in time metodologia ágel
Just in time metodologia ágel
 
Just in time metodologia ágil
Just in time metodologia ágilJust in time metodologia ágil
Just in time metodologia ágil
 
Kamban
KambanKamban
Kamban
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturing
 
Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.ppt
 
Sistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.pptSistema Kanban 2.ppt
Sistema Kanban 2.ppt
 
Treinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�adoTreinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�ado
 
Método Kanban de Produção
Método Kanban de ProduçãoMétodo Kanban de Produção
Método Kanban de Produção
 
Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761Treinamento kanban-avanado-29761
Treinamento kanban-avanado-29761
 
Apresentação Drummer e-Kanban
Apresentação Drummer e-KanbanApresentação Drummer e-Kanban
Apresentação Drummer e-Kanban
 
Kanban - Aula 1.pptx
Kanban - Aula 1.pptxKanban - Aula 1.pptx
Kanban - Aula 1.pptx
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodle
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 
Administração de operações
Administração de operaçõesAdministração de operações
Administração de operações
 

Slide Kamban

  • 1.  
  • 2. Trabalho sobre Kamban Patrícia Miranda de Castro
  • 4. Kanban é uma palavra do vocabulário Japonês que significa ETIQUETA Baseia-se todo seu funcionamento na circulação de etiquetas entre postos de trabalho. Foi desenvolvido no Japão depois da 2ª Guerra mundial por M. Ohno na Toyota Motor Company . Surgiu devido, à necessidade de encontrar um sistema de informação que permite se transmitir as necessidades de jusante para montante do processo produtivo
  • 5. O fluxo de produção circula da esquerda para a direita, passando por um posto e depois por outro Linha de Produção
  • 6. Sobrepor ao fluxo físico de produtos um fluxo inverso de informações Fluxo de KANBAN
  • 7. As etiquetas Kanban encontram-se assim: Colocadas nos contentores aguardando utilização junto ao posto de trabalho 2 Quadro de Planejamento KANBAN no posto 1 aguardando a fabricação de novas peças
  • 8. A regra de gestão de um posto de trabalho: Se existem etiquetas Kanban no quadro de planejamento do meu posto de trabalho, produzo; se não existir nenhuma etiqueta, não devo produzir. Os lançamentos em fabrico do posto a montante são assim geridos pelas necessidades do posto a jusante, Fluxo Tenso Uma etiqueta Kanban circula apenas entre dois postos de trabalho. => Kanban de Produção No caso de operações de transporte. => Kanban de Transferência
  • 10. Kanban de Transferência Quando o posto 2 utiliza um contentor de peças, retira-se o Kanban de transferência e coloca-se sobre o quadro de planejamento de transferência; O responsável pelo transporte vai então procurar um contentor na área de armazenagem do posto 1. O responsável pela movimentação dos contentores retira o Kanban de produção, e o coloca no quadro de planejamento do posto 1, dando ordem para produzir um contentor de peças.
  • 13. 3. Gestão das prioridades em Kanban Exista, ou não necessidade de operações de transferência, um posto fornecedor a montante, produz a maior parte do tempo, vários produtos para o posto ou postos clientes, a jusante Não deverá fabricar mais de dez produtos Quando utilizamos o método Kanban é necessário normalizar os produtos que circulam entre o fornecedor e o cliente e reduzir para menos de dez componentes diferentes. Para que o posto fornecedor possa responder corretamente às necessidades do ou dos postos clientes, é necessário que saiba gerir corretamente as suas prioridades. Se o quadro de planejamento Kanban de um posto de trabalho contém vários tipos de Kanbans, o principal problema do operador é o da escolha do tipo de peça a fabricar em primeiro lugar.
  • 14. 3. Gestão das prioridades em Kanban Painéis ou quadros de sinalização junto aos pontos de armazenagem espalhados pela produção, tem a finalidade de sinalizar o fluxo de movimentação e consumo dos itens a partir da fixação dos cartões kanban nestes quadros.
  • 15. Sistema Kanban com dois cartões
  • 16. Sistema Kanban com um cartão
  • 17. Sistema Kanban para fornecedores externos
  • 18. Cálculo do número de cartões Kanban Pode ser encarada sob dois aspectos: o tamanho do lote do item para cada contenedor e cartão, e o número total de contenedores e cartões por item, definindo o nível total de estoques do item no sistema. Na prática, apesar de a busca pelo lote unitário ser contínua, normalmente definimos o tamanho do lote em função de dois fatores: O número de setup que nos dispomos a fazer por dia: Quanto maior for o tempo de setup, maior o tamanho do lote para diluir seus custos e menor a sua freqüência de produção diária. O tamanho do contenedor onde serão colocados os itens: Deve-se procurar reduzir os tipos de contenedores.
  • 19. Cálculo do número de cartões Kanban Estabelecido para cada item o tamanho do lote por contenedor, pode-se projetar o número total de lotes no sistema. A determinação do número de cartões kanban é função do tempo gasto para a produção e movimentação dos lotes no sistema produtivo, bem como, da segurança projetada.
  • 20. Cálculo do número de cartões Kanban Sistema com dois cartões: D = 500 itens/dia; Q = 20 itens/cartão; S = 0,1 do dia; Tprod = 0,2 do dia (em função dos custos de setup da máquina, pretendemos fazer em média 5 preparações por dia para este item); Tmov = 0,25 do dia (o funcionário responsável pela movimentação dos lotes entre o produtor e o consumidor está encarregado de fazer 8 viagens por dia); N = 5,5 + 6,87 N = 6 cartões kanban de produção + 7 cartões kanban de movimentação
  • 21. Cálculo do número de cartões Kanban Sistema com um cartão: D = 1500 itens/dia; Q = 10 itens/cartão; S = 0,05 do dia; Tprod = 0,062 do dia (o produtor emprega entre preparação da máquina e produção de um lote de 10 itens, 30 minutos de um dia de 480 minutos); Tmov = 0;
  • 22. Vantagens do sistema Kanban Executa as atividades de programação, acompanhamento e controle da produção, de forma simples e direta: As funções de administração dos estoques estão contidas dentro do próprio sistema de funcionamento do kanban. O seqüenciamento do programa de produção segue as regras de prioridades estabelecidas nos painéis porta-kanban. A emissão das ordens pelo PCP se dá em um único momento. A liberação das ordens aos postos de trabalho se dá a nível de chão-de-fábrica. O sistema kanban permite, de forma simples, o acompanhamento e controle visual e automático do programa de produção.
  • 23. Vantagens do sistema Kanban Estimula a iniciativa e o sentido de propriedade nos mesmos; Facilita os trabalhos dos grupos de melhorias na identificação e eliminação de problemas; Permite a identificação imediata de problemas através da redução planejada do número de cartões kanban em circulação no sistema; Reduz a necessidade de equipamentos de movimentação e acusa imediatamente problemas de qualidade nos itens; Implementa efetivamente os conceitos de organização, simplicidade, padronização e limpeza nos estoques do sistema produtivo; Dispensa a necessidade de inventários periódicos nos estoques; Estimula o emprego do conceito de operador polivalente; Facilita o cumprimento dos padrões de trabalho.
  • 24. Pré-requisitos para o sistema Kanban Os pré-requisitos de funcionamento do sistema kanban são as próprias ferramentas que compõem a filosofia JIT/TQC, e que determinam quão eficiente o sistema produtivo é, quais sejam: Estabilidade de projeto de produtos; Estabilidade no programa mestre de produção; Índices de qualidade altos; Fluxos produtivos bem definidos; Lotes pequenos; Operários treinados e motivados com os objetivos do melhoramento contínuo; Equipamentos em perfeito estado de conservação.