SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA – UFFS
CAMPUS- CERRO LARGO
SEMENTES
AGRONOMIA
MATURAÇÃO DE SEMENTES
ANDERSON MACHADO
ANDRESSA PINTO DOS SANTOS
KATIA SUZANA RENGER
LANA BRUNA OLIVEIRA
LARA VORPAGEL
MARCIA E. FRANK
RITA CAROLINE
VENESA PINTO DOS SANTOS
CERRO LARGO
2015
Maturação fisiológica:
• A maturação fisiológica das sementes
compreende uma sequência ordenada de
alterações de caráter:
– fisiológico
– bioquímico,
– físico,
– anatômico
– morfológico,
• ocorridas a partir da fertilização (fecundação) do óvulo
• Até o desligamento da semente com a planta,
deixando assim de receber nutriente da mesma.
TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES
• Logo a após a formação das sementes, o teor de
água oscila entre 70 e 80%.
• Com a fertilização, ocorre:
– pequena elevação do teor de água
– Na seqüência esse valor sofre um progressivo
decréscimo,
– equilíbrio com o meio ambiente entre 14 e 20% de
umidade.
• Fenômeno gira entorno de variáveis como:
– espécie de planta, a cultivar,
– condições climáticas
– estádio de desenvolvimento da planta,
• Fase seguinte ocorre:
– de rápida desidratação,
– influenciada pelas condições climáticas
Modificações no conteúdo de água de sementes de
frutos secos, durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES
• sementes ortodoxas a média encontrada de
teor de água fica dentro de uma faixa de 30 a
50%
• sementes recalcitrantes a maturidade
fisiológica, essa faixa de teor de água é bem
superior ( 50 a 70%).
• O conhecimento das modificações no teor de
umidade das sementes:
– vital importância no planejamento da colheita.
• Medida em que ocorre a perda do conteúdo
de água:
– as reações metabólicas da semente diminuem,
• como forma de impedir uma germinação precoce
ainda no fruto, entre outras funções como manter a
reserva acumuladas mantendo a qualidade fisiológica
da semente.
TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES
Modificações no peso das sementes
• O processo de desenvolvimento da semente:
– envolvido durante a sua maturação é acompanhado
pelo aumento de peso,
• tanto em termos de matéria seca quanto de matéria verde,
até atingir um valor máximo de peso (Popinigis, 1985),
• A partir deste ponto a redução do peso das
sementes se da em função:
– do processo de respiração, que consome matéria seca
das sementes,
Modificações no tamanho das
sementes
• Desde o momento da fertilização até a semente atingir
o máximo teor de umidade ocorre :
– o aumento progressivo do tamanho,
– após isso o tamanho da semente declina ligeiramente
quando esta perde umidade (Popinigis,1985)
• O rápido crescimento do tamanho da semente, é dado
em função:
– da multiplicação e desenvolvimento das células que
constituem o eixo embrionário (cotilédones, endosperma
e/ou perisperma).
• O tamanho da semente é um indicativo importante de
sua qualidade fisiológica,
Modificação no tamanho de sementes
durante a maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
tempo, após o início do florescimento, para sementes
de algumas espécies atingirem seu máximo tamanho
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Variação do tamanho
Modificações na matéria seca das
sementes
• Divisão celular mais lenta que o desenvolvimento
das sementes logo após a fecundação do óvulo.
– processo inicial ocorrer um lento acúmulo de matéria
seca na semente em formação,
– período geralmente curto,
• Seguido de uma fase de rápido e constante
acúmulo de matéria seca,
• máximo acúmulo da matéria seca,
• Pode sofrer um pequeno decréscimo, como resultado de
perdas pela respiração das sementes (CARVALHO;
NAKAGAWA, 2000).
Modificação no conteúdo de matéria seca de sementes,
durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
• Durante esta fase em que a semente acumula
muita matéria seca ‘’o teor de água da
semente permanece alto,
– visto ser a água o veículo responsável pela
translocação do material fotossintetizado da
planta para a semente,
• fase é primordial que haja adequada disponibilidade
de água e de nutrientes no solo para que o
“enchimento” das sementes seja satisfatório(PESKE et
al., 2003).
Modificações na matéria seca das
sementes
Modificações na matéria seca das
sementes
• Ponto de máximo conteúdo de matéria seca é o
melhor e mais seguro indicativo de que as
sementes atingiram a maturidade fisiológica,
devido ao fato:
– do ponto coincidir no momento que a semente atinge
o máximo vigor e poder germinativo,
– Ponde de desempenho e eficiência plena, de todas as
funções fisiológicas a ela inerentes.
– Em geral, deste ponto em diante o vigor e o poder
germinativo tendem a decrescer.
• No entanto só é razoável considerar este
ponto como bom indicativo desde que se
considere:
– como maturidade fisiológica aquele ponto o qual
a semente não recebe mais nada ou praticamente
nada da planta nutrientes da planta mãe.
Modificações na matéria seca das
sementes
Modificações no poder germinativo
das sementes
• Conforme Popinigis (1985)
• o poder germinativo de uma semente esta ligado à:
– capacidade do embrião reiniciar o crescimento
– originar uma plântula normal sob condições ambientais,
• a proporção desta semente aumenta gradativamente
até que um máximo de germinação é atingido
concomitantemente ou imediatamente antes que as
sementes atinjam o máximo peso de matéria seca.
Número de dias, após a antese, exigido por algumas espécies
para que as sementes apresentem alguma germinação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Modificações no poder germinativo
das sementes
• No entanto, de forma geral a germinação da semente é tida como de difícil
avaliação por Carvalho e Nakagawa (2000) devido a questoes como:
– interferência do fenômeno de dormência no processo de germinação.
• Pode ser visualizado de duas formas de sementes segundo seu poder germinativo
• Primeiro tipo :
– composto por espécies de rápida capacidade de germinação
– possuem dormência relativamente curta que coincide com o início da fase de rápida
desidratação,
– as semente voltam rapidamente a apresentar a capacidade de germinar,
• Segundo tipo:
– composto por espécies de capacidade de germinação depois de um longo tempo,
– o decréscimo no teor de água está se processando de modo cada vez mais acentuado,
– a capacidade de germinação cresce de maneira ininterrupta até um ponto máximo,
– a possibilidade das sementes germinar no próprio é reduzida.
Germinação (%) sementes de soja em
alguns estádios de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Modificações na capacidade de germinação de
sementes durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Modificações no vigor das sementes
• O vigor é caracterizado como:
– a soma de todos os atributos da semente, que favorecem o
estabelecimento de um stand sob condições desfavoráveis
• É um indicativo da magnitude da deterioração fisiológica
e/ou da integridade de um lote de sementes de alta
germinação (PESKE et al., 2003).
• O vigor tende crescer à medida que o teor de matéria seca
aumenta,
• Desta forma:
– o máximo vigor ocorrerá paralelamente quando a semente
atingir o máximo peso de matéria.
Modificação no vigor de sementes
durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Análise das modificações:
• As características químicas e fisiológicas da
maturação, aparentemente expressam que a
germinação, vigor e teor de matéria seca
chegam a um ponto máximo praticamente ao
mesmo tempo.
– o qual praticamente coincide com o ponto em que
o teor de água começa a cair .
Modificações em algumas características fisiológicas de
sementes durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
• o processo de transformação, deposição e
aproveitamento de material fotossintetizante por
parte da semente é dependente de um meio
aquoso.
– durante toda a fase em que as sementes estão
acumulando matéria seca,
– o teor de água é mantido alto, até atingir o equilíbrio,
– desse ponto em diante a semente não mais recebe
fotossintetizados
– a partir daí o teor de água que a semente tende a
decrescer.
Análise das modificações:
• O momento ideal para colheita de sementes depende de vários
fatores, por exemplo:
– conhecimento do processo de maturação das sementes da variedade
cultivada
• Geralmente as características utilizadas para indicar a época de
colheita de sementes são:
– o teor de água
– máximo de acúmulo de matéria seca
• Entretanto, essas características podem sofrer alterações devido a
fatores climáticos, temporais e genéticos, não constituindo
indicativos seguros do ponto de colheita.
• Assim, um outro método para predizer e estimar a maturidade
fisiológica das sementes de milho por exemplo, que é a formação
de uma camada preta na semente.
Análise das modificações:
• Milho
• Arroz
• Soja
• Trigo
Análise das modificações:
FEIJÃO - R9= Maturação: mudança de cor das vagens de verde para amarelo
palha, com ou sem pigmentação, conforme a variedade. As folhas amarelam e
grãos perdem umidade. Com 15% de água, os grãos adquirem sua cor e brilho
característicos.
Trabalhos com diversas espécies:
• Marília Barbério (2013) avaliou a maturação
de sementes de pau-angelim na restinga e os
resultados indicam que a maturidade
fisiológica foi encontrada aos 152 dias após a
floração, com 40,47 % de teor de água, 3,63 g
de massa seca e 97,2 % de germinação, sendo
que a colheita pode ser estendida até os 222
dias após a floração sem perda de vigor das
sementes.
• Carlos Augusto Del Ducca (2012) avaliou
maturação fisiológica e acúmulo de óleo em
sementes de pinhão-manso e identificou que o
quarto estágio de desenvolvimento dos frutos,
aos 75 dias após o aparecimento das flores, foi o
que apresentou as melhores características
fisiológicas de maturação das sementes. Nesta
fase, onde a cor do epicarpo dos frutos é de
amarelo com manchas marrons a totalmente
marrons com as sementes pretas, encontraram-
se os maiores teores de lipídios com 34,29%,
emergência de plântulas com 90,75% e alto vigor.
Trabalhos com diversas espécies:
• Calil et al. (2005) avaliaram a época de coleta
de sementes de Maytenus dasyclada no
Jardim Botânico de Porto Alegre e
identificaram que a época indicada para a
coleta dos frutos corresponde ao período
entre 132 a 153 dias após a antese, quando o
teor de água oscila entre 50,8% e 45%.
Trabalhos com diversas espécies:
MATURAÇÃO E COLHEITA
Maturidade e colheita
• O momento certo de colheita deve ser aquele em que a semente
atingiu a maturidade fisiológica
• a colheita no entanto não pode ser realizada exatamente nessa
fase, devido a uma serie de problemas como:
– a planta ainda se encontra com uma quantidade relativamente
grande de folhas e ramos verde, úmidos o que dificulta a ação da
colhedora.
– material tende a obstruir os órgãos ativos da colhedora.
– Pode levar a injuria mecânica dado o alto teor de água no ponto
máximo peso de matéria seca ( 30-50%)
– semente fica suscetível a injurias mecânicas por armazenamento.
– sementes ortodoxas teor de água pós-colheita deve ser reduzido em
um período de tempo extremamente curto ( 2 a 3 dias)
• processo de deterioração inutilizando as sementes para a semeadura.
Maturação e colheita
Maturidade e colheita
• Alternativa:
– Dispor de secadores artificiais para conseguir uma
secagem eficiente e rápida.
– Aplicação, de produtos químicos de ação
desfolhante, ou dessecante no ponto de
maturidade fisiológica.
• Uso tradicional para algumas culturas como a
batatinha e a do algodão
• Experiências no soja
• Caravalho et al, 1978, Durigan et al, 1978
apud Carvalho & Nakagawa (2000).
– aplicação de paraquat, quando o teor de água nas
sementes era de aproximadamente de 50%,
– permitiu uma antecipação na colheita em 15 dias,
– sem afetar a produção e mantendo um elevado
nível de qualidade fisiológica das sementes e
tecnologia dos grãos
Maturidade e colheita
Maturidade e colheita
• Durigan et al 1980
– mostrou que aplicação desses produtos deve ser
feita unicamente quando se trata da produção de
sementes,
– Paraquat deixa resíduos altíssimos na semente,
tornando-as totalmente inadequadas para o
consumo.
• Costa et al ( 1983),
• aplicação do dessecante por meio de
equipamento tracionados por trator:
– resultar no acamamento das plantas,
– conseqüência poderia ser a redução significativa
na produção, conforme constatado na cultura do
soja
Maturidade e colheita
Maturidade e colheita
• Vieira e Sartorato ( 1984)
• Em feijão:
• A utilização de desfolhante após a maturidade
fisiológica, com o uso do paraquat permitiu a
colheita com 4 a 5 dias após aplicação
– antecipação da colheita em ate 20 dias na cultura de
inverno,
– sem acarretar efeitos negativos a qualidade
fisiológica da sementes.
– ocorrência de resíduos do produto nas sementes
Maturidade e colheita
• Carvalho & Nakagawa (2000) sobre o fato
descreve o seguinte:
“A não ser que se consiga desenvolver maquinas
capazes de efetuar a colheita de plantas e sementes
com teor de água elevado, a aplicação de dessecante
parece ser a única saída viável para colher sementes no
ponto de maturidade fisiológica em áreas extensa de
produção.”
Maturidade e colheita: TRIGO
Fonte: FAPA 2011
Maturidade e colheita: cevada
Fonte: FAPA 2011
Maturidade e colheita: TRIGO
Fonte: FAPA 2011
Efeito do dessecante sobre a
germinação
Dessecação pré-colheita e efeitos sobre a
produtividade e qualidade fisiológica de sementes de
soja
Fonte: Lamego et al. (2013)
Dessecação pré colheita soja
Fonte: Lamego et al. (2013)
Maturidade e colheita
• Sementes recém colhidas se ainda úmidas,
usualmente apresentam capacidade de
germinação inferior a que exibiriam se fossem
previamente secadas.
• De acordo com Bewley & Black 1985, é
provável que durante essa secagem se verifica
o desenvolvimento de processos essenciais a
germinação.
Características de maturidade na soja
e no milho
• Em soja, a maturidade fisiológica pode ser
caracterizada por: início da redução do
tamanho das sementes, ausência de sementes
verde-amareladas e hilo não apresentando
mais a mesma coloração do tegumento. No
caso de sementes de milho, aparece a ponta
negra
Maturidade Fisiológica:
reconhecimento
Redução do tamanho
Maturação do milho: análise do
estádio fenológico
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Fonte: Thomas, 2009
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Fonte: Thomas, 2009
Fonte: Thomas, 2009
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Fonte: Thomas, 2009
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Fonte: Thomas, 2009
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Fonte: Thomas, 2009
Amostragem a campo da maturidade
fisiológica e ponto de colheita: SOJA
Maturação fisiológica
• Em suma, o processo de maturação pode ser resumido da seguinte forma:
– após a fertilização, o tamanho da semente aumenta rapidamente,
– atingindo o máximo em curto período de tempo em relação à duração total do período de
maturação.
– Este rápido crescimento é devido à multiplicação e ao desenvolvimento das células do
embrião e do tecido de reserva.
– Após atingir o máximo, o tamanho vai diminuindo devido à perda de água pelas sementes.
– Paralelamente, os produtos formados nas folhas, pela fotossíntese, são encaminhados para a
semente em formação, onde são transformados aproveitados para a formação de novas
células, tecidos e como futuro material de reserva.
– Logo após a fertilização, o acúmulo de matéria seca se processa de maneira lenta, pois as
divisões celulares predominam, ou seja, está ocorrendo um aumento expressivo no número
de células.
– Em seguida, verifica-se um aumento contínuo e rápido na matéria seca acompanhado por um
aumento na germinação e no vigor, até atingir o máximo.
– Desse modo, pode-se afirmar que, em geral, a semente deve atingir a sua máxima qualidade
fisiológica quando o conteúdo de matéria seca for máximo.
Modificações em algumas características fisiológicas de
sementes durante o processo de maturação
Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
Referências bibliográficas
• CARVALHO, N.M. de & NAKAGAWA, J. Sementes. Ciência, Tecnologia e Produção. Fundação Cargill, Campinas, 2000.
• CHIN, et al. Seed moisture: recalcitrants vs, orthodox seed. In: Stanford, P. C.; Mcdonald, M.B., Seed Moisture. Madison,
Crop Science Society of America, 1989. p.15-22.
• DANTAS, B. F. Importância, formação, maturação e composição de sementes. 2013. Disponível em:
http://pt.slideshare.net/BabitaDantas/importancia-formao-maturao-e-composio-de-sementes-2013. Acesso em: 24 de mar.
2015.
• DELOUCHE, J.C. CALDWELL, W. N. Seed vigor and vigor tests. Proc. Ass. Off. Seed Analisis, 50: 124-129, 1960.
•
• PEIXOTO, A. M. et al. Enciclopédia Agrícola Brasileira. 1 ed. São Paulo: Edusp - Editora da Universidade de São Paulo, v. 1,
1995.
•
• PESKE, S. T. et al. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. Pelotas. Editora universitária, 2003.
•
• PESKE, S. T. O momento de colher. Seed news. Pelotas - Ano XIV, n. 3 maio/jun 2010.
•
• POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2.ed. Brasilia: 1985 289p.
•
• SILVEIRA, M. A. M.; VILLELA, F. A.; TILLMANN, M. A. A. Maturação fisiológica de sementes de calêndula (Calendula officinalis
l.). Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 2, p.31-37, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
Bruno Rodrigues
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
Geraldo Henrique
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Lenildo Araujo
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
helrijesus
 
Germinação
GerminaçãoGerminação
Germinação
Joseanny Pereira
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTESAULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Bruno Rodrigues
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
Geagra UFG
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Matheus Majela
 
Estádios fenológicos para o arroz
Estádios fenológicos para o arrozEstádios fenológicos para o arroz
Estádios fenológicos para o arroz
murilosabater
 
Colheita - Milho
Colheita - MilhoColheita - Milho
Colheita - Milho
Geagra UFG
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 

Mais procurados (20)

Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
 
Germinação
GerminaçãoGerminação
Germinação
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTESAULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
AULA DE DETERIORACÃO DE SEMENTES
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
Estádios fenológicos para o arroz
Estádios fenológicos para o arrozEstádios fenológicos para o arroz
Estádios fenológicos para o arroz
 
Colheita - Milho
Colheita - MilhoColheita - Milho
Colheita - Milho
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 

Destaque

Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicosLivro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Dheime Miranda
 
Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementes
Arnaldo Nonato
 
Semente historico e importância
Semente historico e importânciaSemente historico e importância
Semente historico e importância
Universidade Federal do Ceará - UFCE
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
José Teles Monteiro
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
Bruno Rodrigues
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
CULTURA DO TRIGO
CULTURA DO TRIGOCULTURA DO TRIGO
CULTURA DO TRIGO
Rose vargas
 
Manual de inspeção de sementes
Manual de inspeção de sementesManual de inspeção de sementes
Manual de inspeção de sementes
Portal Canal Rural
 
Apresentação destiladores kjeldahl março 2015
Apresentação destiladores kjeldahl   março 2015Apresentação destiladores kjeldahl   março 2015
Apresentação destiladores kjeldahl março 2015
Alexandre Pallota
 
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementesBrasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
Bruno Rodrigues
 
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Bruna Regensburger
 
Manual análise sanintária de sementes
Manual análise sanintária de sementesManual análise sanintária de sementes
Manual análise sanintária de sementes
Giselle Rodolfo
 
Germinação de sementes
Germinação de sementesGerminação de sementes
Germinação de sementes
marcia64
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
Samanta Lacerda
 
Germinação de Sementes
Germinação de SementesGerminação de Sementes
Germinação de Sementes
goncotrin
 
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ADÃO Graciano
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
Germinação e Formação da semente e fruto
Germinação e Formação da semente e frutoGerminação e Formação da semente e fruto
Germinação e Formação da semente e fruto
Dayanne Joyce
 

Destaque (18)

Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicosLivro   sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
Livro sementes - fundamentos científicos e tecnológicos
 
Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementes
 
Semente historico e importância
Semente historico e importânciaSemente historico e importância
Semente historico e importância
 
Sementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia VegetalSementes - Morfologia Vegetal
Sementes - Morfologia Vegetal
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
CULTURA DO TRIGO
CULTURA DO TRIGOCULTURA DO TRIGO
CULTURA DO TRIGO
 
Manual de inspeção de sementes
Manual de inspeção de sementesManual de inspeção de sementes
Manual de inspeção de sementes
 
Apresentação destiladores kjeldahl março 2015
Apresentação destiladores kjeldahl   março 2015Apresentação destiladores kjeldahl   março 2015
Apresentação destiladores kjeldahl março 2015
 
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementesBrasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
Brasil 2009 manual de analise sanitaria de sementes
 
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
 
Manual análise sanintária de sementes
Manual análise sanintária de sementesManual análise sanintária de sementes
Manual análise sanintária de sementes
 
Germinação de sementes
Germinação de sementesGerminação de sementes
Germinação de sementes
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
 
Germinação de Sementes
Germinação de SementesGerminação de Sementes
Germinação de Sementes
 
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Germinação e Formação da semente e fruto
Germinação e Formação da semente e frutoGerminação e Formação da semente e fruto
Germinação e Formação da semente e fruto
 

Semelhante a Grupo 2sementes ppt

aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdfaspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
MonizJanuario
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
HeribertoRodrigues2
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
rrodrigues57
 
Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
Gabrielen Dias
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
Circ 76 milho
Circ 76 milhoCirc 76 milho
Circ 76 milho
Daniela Chaves
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Marília Gomes
 
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo   como a soja desenvolveArquivo do agrônomo   como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
gersonagronomia
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
Ednaldo Tavares Tavares
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
JaquelineRumo
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Revista Cafeicultura
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
Revista Cafeicultura
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
ElvisRicardo12
 
Modelo do resumo
Modelo do resumoModelo do resumo
Modelo do resumo
Bruno Rodrigues
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Algodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdfAlgodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdf
Tatiane Paulino
 

Semelhante a Grupo 2sementes ppt (20)

aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdfaspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
 
5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes5 morfologia vegetal_sementes
5 morfologia vegetal_sementes
 
Circ 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milhoCirc 87 cultura do milho
Circ 87 cultura do milho
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Circ 76 milho
Circ 76 milhoCirc 76 milho
Circ 76 milho
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo   como a soja desenvolveArquivo do agrônomo   como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
Palestra: Floração do Cafeeiro – Grande Problema, Difícil Solução - Alemar Br...
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
 
Modelo do resumo
Modelo do resumoModelo do resumo
Modelo do resumo
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Algodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdfAlgodoeiro.pdf
Algodoeiro.pdf
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Grupo 2sementes ppt

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA – UFFS CAMPUS- CERRO LARGO SEMENTES AGRONOMIA MATURAÇÃO DE SEMENTES ANDERSON MACHADO ANDRESSA PINTO DOS SANTOS KATIA SUZANA RENGER LANA BRUNA OLIVEIRA LARA VORPAGEL MARCIA E. FRANK RITA CAROLINE VENESA PINTO DOS SANTOS CERRO LARGO 2015
  • 2. Maturação fisiológica: • A maturação fisiológica das sementes compreende uma sequência ordenada de alterações de caráter: – fisiológico – bioquímico, – físico, – anatômico – morfológico, • ocorridas a partir da fertilização (fecundação) do óvulo • Até o desligamento da semente com a planta, deixando assim de receber nutriente da mesma.
  • 3. TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES • Logo a após a formação das sementes, o teor de água oscila entre 70 e 80%. • Com a fertilização, ocorre: – pequena elevação do teor de água – Na seqüência esse valor sofre um progressivo decréscimo, – equilíbrio com o meio ambiente entre 14 e 20% de umidade. • Fenômeno gira entorno de variáveis como: – espécie de planta, a cultivar, – condições climáticas – estádio de desenvolvimento da planta, • Fase seguinte ocorre: – de rápida desidratação, – influenciada pelas condições climáticas
  • 4. Modificações no conteúdo de água de sementes de frutos secos, durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 5.
  • 6. TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES • sementes ortodoxas a média encontrada de teor de água fica dentro de uma faixa de 30 a 50% • sementes recalcitrantes a maturidade fisiológica, essa faixa de teor de água é bem superior ( 50 a 70%).
  • 7. • O conhecimento das modificações no teor de umidade das sementes: – vital importância no planejamento da colheita. • Medida em que ocorre a perda do conteúdo de água: – as reações metabólicas da semente diminuem, • como forma de impedir uma germinação precoce ainda no fruto, entre outras funções como manter a reserva acumuladas mantendo a qualidade fisiológica da semente. TEOR DE ÁGUA DAS SEMENTES
  • 8. Modificações no peso das sementes • O processo de desenvolvimento da semente: – envolvido durante a sua maturação é acompanhado pelo aumento de peso, • tanto em termos de matéria seca quanto de matéria verde, até atingir um valor máximo de peso (Popinigis, 1985), • A partir deste ponto a redução do peso das sementes se da em função: – do processo de respiração, que consome matéria seca das sementes,
  • 9. Modificações no tamanho das sementes • Desde o momento da fertilização até a semente atingir o máximo teor de umidade ocorre : – o aumento progressivo do tamanho, – após isso o tamanho da semente declina ligeiramente quando esta perde umidade (Popinigis,1985) • O rápido crescimento do tamanho da semente, é dado em função: – da multiplicação e desenvolvimento das células que constituem o eixo embrionário (cotilédones, endosperma e/ou perisperma). • O tamanho da semente é um indicativo importante de sua qualidade fisiológica,
  • 10. Modificação no tamanho de sementes durante a maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 11. tempo, após o início do florescimento, para sementes de algumas espécies atingirem seu máximo tamanho Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 13.
  • 14. Modificações na matéria seca das sementes • Divisão celular mais lenta que o desenvolvimento das sementes logo após a fecundação do óvulo. – processo inicial ocorrer um lento acúmulo de matéria seca na semente em formação, – período geralmente curto, • Seguido de uma fase de rápido e constante acúmulo de matéria seca, • máximo acúmulo da matéria seca, • Pode sofrer um pequeno decréscimo, como resultado de perdas pela respiração das sementes (CARVALHO; NAKAGAWA, 2000).
  • 15. Modificação no conteúdo de matéria seca de sementes, durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 16. • Durante esta fase em que a semente acumula muita matéria seca ‘’o teor de água da semente permanece alto, – visto ser a água o veículo responsável pela translocação do material fotossintetizado da planta para a semente, • fase é primordial que haja adequada disponibilidade de água e de nutrientes no solo para que o “enchimento” das sementes seja satisfatório(PESKE et al., 2003). Modificações na matéria seca das sementes
  • 17.
  • 18. Modificações na matéria seca das sementes • Ponto de máximo conteúdo de matéria seca é o melhor e mais seguro indicativo de que as sementes atingiram a maturidade fisiológica, devido ao fato: – do ponto coincidir no momento que a semente atinge o máximo vigor e poder germinativo, – Ponde de desempenho e eficiência plena, de todas as funções fisiológicas a ela inerentes. – Em geral, deste ponto em diante o vigor e o poder germinativo tendem a decrescer.
  • 19. • No entanto só é razoável considerar este ponto como bom indicativo desde que se considere: – como maturidade fisiológica aquele ponto o qual a semente não recebe mais nada ou praticamente nada da planta nutrientes da planta mãe. Modificações na matéria seca das sementes
  • 20. Modificações no poder germinativo das sementes • Conforme Popinigis (1985) • o poder germinativo de uma semente esta ligado à: – capacidade do embrião reiniciar o crescimento – originar uma plântula normal sob condições ambientais, • a proporção desta semente aumenta gradativamente até que um máximo de germinação é atingido concomitantemente ou imediatamente antes que as sementes atinjam o máximo peso de matéria seca.
  • 21. Número de dias, após a antese, exigido por algumas espécies para que as sementes apresentem alguma germinação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 22. Modificações no poder germinativo das sementes • No entanto, de forma geral a germinação da semente é tida como de difícil avaliação por Carvalho e Nakagawa (2000) devido a questoes como: – interferência do fenômeno de dormência no processo de germinação. • Pode ser visualizado de duas formas de sementes segundo seu poder germinativo • Primeiro tipo : – composto por espécies de rápida capacidade de germinação – possuem dormência relativamente curta que coincide com o início da fase de rápida desidratação, – as semente voltam rapidamente a apresentar a capacidade de germinar, • Segundo tipo: – composto por espécies de capacidade de germinação depois de um longo tempo, – o decréscimo no teor de água está se processando de modo cada vez mais acentuado, – a capacidade de germinação cresce de maneira ininterrupta até um ponto máximo, – a possibilidade das sementes germinar no próprio é reduzida.
  • 23. Germinação (%) sementes de soja em alguns estádios de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 24. Modificações na capacidade de germinação de sementes durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 25. Modificações no vigor das sementes • O vigor é caracterizado como: – a soma de todos os atributos da semente, que favorecem o estabelecimento de um stand sob condições desfavoráveis • É um indicativo da magnitude da deterioração fisiológica e/ou da integridade de um lote de sementes de alta germinação (PESKE et al., 2003). • O vigor tende crescer à medida que o teor de matéria seca aumenta, • Desta forma: – o máximo vigor ocorrerá paralelamente quando a semente atingir o máximo peso de matéria.
  • 26. Modificação no vigor de sementes durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 27. Análise das modificações: • As características químicas e fisiológicas da maturação, aparentemente expressam que a germinação, vigor e teor de matéria seca chegam a um ponto máximo praticamente ao mesmo tempo. – o qual praticamente coincide com o ponto em que o teor de água começa a cair .
  • 28. Modificações em algumas características fisiológicas de sementes durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 29. • o processo de transformação, deposição e aproveitamento de material fotossintetizante por parte da semente é dependente de um meio aquoso. – durante toda a fase em que as sementes estão acumulando matéria seca, – o teor de água é mantido alto, até atingir o equilíbrio, – desse ponto em diante a semente não mais recebe fotossintetizados – a partir daí o teor de água que a semente tende a decrescer. Análise das modificações:
  • 30. • O momento ideal para colheita de sementes depende de vários fatores, por exemplo: – conhecimento do processo de maturação das sementes da variedade cultivada • Geralmente as características utilizadas para indicar a época de colheita de sementes são: – o teor de água – máximo de acúmulo de matéria seca • Entretanto, essas características podem sofrer alterações devido a fatores climáticos, temporais e genéticos, não constituindo indicativos seguros do ponto de colheita. • Assim, um outro método para predizer e estimar a maturidade fisiológica das sementes de milho por exemplo, que é a formação de uma camada preta na semente. Análise das modificações:
  • 31. • Milho • Arroz • Soja • Trigo Análise das modificações:
  • 32. FEIJÃO - R9= Maturação: mudança de cor das vagens de verde para amarelo palha, com ou sem pigmentação, conforme a variedade. As folhas amarelam e grãos perdem umidade. Com 15% de água, os grãos adquirem sua cor e brilho característicos.
  • 33. Trabalhos com diversas espécies: • Marília Barbério (2013) avaliou a maturação de sementes de pau-angelim na restinga e os resultados indicam que a maturidade fisiológica foi encontrada aos 152 dias após a floração, com 40,47 % de teor de água, 3,63 g de massa seca e 97,2 % de germinação, sendo que a colheita pode ser estendida até os 222 dias após a floração sem perda de vigor das sementes.
  • 34. • Carlos Augusto Del Ducca (2012) avaliou maturação fisiológica e acúmulo de óleo em sementes de pinhão-manso e identificou que o quarto estágio de desenvolvimento dos frutos, aos 75 dias após o aparecimento das flores, foi o que apresentou as melhores características fisiológicas de maturação das sementes. Nesta fase, onde a cor do epicarpo dos frutos é de amarelo com manchas marrons a totalmente marrons com as sementes pretas, encontraram- se os maiores teores de lipídios com 34,29%, emergência de plântulas com 90,75% e alto vigor. Trabalhos com diversas espécies:
  • 35. • Calil et al. (2005) avaliaram a época de coleta de sementes de Maytenus dasyclada no Jardim Botânico de Porto Alegre e identificaram que a época indicada para a coleta dos frutos corresponde ao período entre 132 a 153 dias após a antese, quando o teor de água oscila entre 50,8% e 45%. Trabalhos com diversas espécies:
  • 37. Maturidade e colheita • O momento certo de colheita deve ser aquele em que a semente atingiu a maturidade fisiológica • a colheita no entanto não pode ser realizada exatamente nessa fase, devido a uma serie de problemas como: – a planta ainda se encontra com uma quantidade relativamente grande de folhas e ramos verde, úmidos o que dificulta a ação da colhedora. – material tende a obstruir os órgãos ativos da colhedora. – Pode levar a injuria mecânica dado o alto teor de água no ponto máximo peso de matéria seca ( 30-50%) – semente fica suscetível a injurias mecânicas por armazenamento. – sementes ortodoxas teor de água pós-colheita deve ser reduzido em um período de tempo extremamente curto ( 2 a 3 dias) • processo de deterioração inutilizando as sementes para a semeadura.
  • 39. Maturidade e colheita • Alternativa: – Dispor de secadores artificiais para conseguir uma secagem eficiente e rápida. – Aplicação, de produtos químicos de ação desfolhante, ou dessecante no ponto de maturidade fisiológica. • Uso tradicional para algumas culturas como a batatinha e a do algodão
  • 40. • Experiências no soja • Caravalho et al, 1978, Durigan et al, 1978 apud Carvalho & Nakagawa (2000). – aplicação de paraquat, quando o teor de água nas sementes era de aproximadamente de 50%, – permitiu uma antecipação na colheita em 15 dias, – sem afetar a produção e mantendo um elevado nível de qualidade fisiológica das sementes e tecnologia dos grãos Maturidade e colheita
  • 41. Maturidade e colheita • Durigan et al 1980 – mostrou que aplicação desses produtos deve ser feita unicamente quando se trata da produção de sementes, – Paraquat deixa resíduos altíssimos na semente, tornando-as totalmente inadequadas para o consumo.
  • 42. • Costa et al ( 1983), • aplicação do dessecante por meio de equipamento tracionados por trator: – resultar no acamamento das plantas, – conseqüência poderia ser a redução significativa na produção, conforme constatado na cultura do soja Maturidade e colheita
  • 43. Maturidade e colheita • Vieira e Sartorato ( 1984) • Em feijão: • A utilização de desfolhante após a maturidade fisiológica, com o uso do paraquat permitiu a colheita com 4 a 5 dias após aplicação – antecipação da colheita em ate 20 dias na cultura de inverno, – sem acarretar efeitos negativos a qualidade fisiológica da sementes. – ocorrência de resíduos do produto nas sementes
  • 44. Maturidade e colheita • Carvalho & Nakagawa (2000) sobre o fato descreve o seguinte: “A não ser que se consiga desenvolver maquinas capazes de efetuar a colheita de plantas e sementes com teor de água elevado, a aplicação de dessecante parece ser a única saída viável para colher sementes no ponto de maturidade fisiológica em áreas extensa de produção.”
  • 45. Maturidade e colheita: TRIGO Fonte: FAPA 2011
  • 46. Maturidade e colheita: cevada Fonte: FAPA 2011
  • 47. Maturidade e colheita: TRIGO Fonte: FAPA 2011
  • 48. Efeito do dessecante sobre a germinação
  • 49. Dessecação pré-colheita e efeitos sobre a produtividade e qualidade fisiológica de sementes de soja Fonte: Lamego et al. (2013)
  • 50. Dessecação pré colheita soja Fonte: Lamego et al. (2013)
  • 51. Maturidade e colheita • Sementes recém colhidas se ainda úmidas, usualmente apresentam capacidade de germinação inferior a que exibiriam se fossem previamente secadas. • De acordo com Bewley & Black 1985, é provável que durante essa secagem se verifica o desenvolvimento de processos essenciais a germinação.
  • 52. Características de maturidade na soja e no milho • Em soja, a maturidade fisiológica pode ser caracterizada por: início da redução do tamanho das sementes, ausência de sementes verde-amareladas e hilo não apresentando mais a mesma coloração do tegumento. No caso de sementes de milho, aparece a ponta negra
  • 54. Maturação do milho: análise do estádio fenológico
  • 55.
  • 56. Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA Fonte: Thomas, 2009
  • 57. Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA Fonte: Thomas, 2009
  • 58. Fonte: Thomas, 2009 Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA
  • 59. Fonte: Thomas, 2009 Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA
  • 60. Fonte: Thomas, 2009 Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA
  • 61. Fonte: Thomas, 2009 Amostragem a campo da maturidade fisiológica e ponto de colheita: SOJA
  • 62. Maturação fisiológica • Em suma, o processo de maturação pode ser resumido da seguinte forma: – após a fertilização, o tamanho da semente aumenta rapidamente, – atingindo o máximo em curto período de tempo em relação à duração total do período de maturação. – Este rápido crescimento é devido à multiplicação e ao desenvolvimento das células do embrião e do tecido de reserva. – Após atingir o máximo, o tamanho vai diminuindo devido à perda de água pelas sementes. – Paralelamente, os produtos formados nas folhas, pela fotossíntese, são encaminhados para a semente em formação, onde são transformados aproveitados para a formação de novas células, tecidos e como futuro material de reserva. – Logo após a fertilização, o acúmulo de matéria seca se processa de maneira lenta, pois as divisões celulares predominam, ou seja, está ocorrendo um aumento expressivo no número de células. – Em seguida, verifica-se um aumento contínuo e rápido na matéria seca acompanhado por um aumento na germinação e no vigor, até atingir o máximo. – Desse modo, pode-se afirmar que, em geral, a semente deve atingir a sua máxima qualidade fisiológica quando o conteúdo de matéria seca for máximo.
  • 63. Modificações em algumas características fisiológicas de sementes durante o processo de maturação Fonte: Carvalho & Nakagawa (2000)
  • 64. Referências bibliográficas • CARVALHO, N.M. de & NAKAGAWA, J. Sementes. Ciência, Tecnologia e Produção. Fundação Cargill, Campinas, 2000. • CHIN, et al. Seed moisture: recalcitrants vs, orthodox seed. In: Stanford, P. C.; Mcdonald, M.B., Seed Moisture. Madison, Crop Science Society of America, 1989. p.15-22. • DANTAS, B. F. Importância, formação, maturação e composição de sementes. 2013. Disponível em: http://pt.slideshare.net/BabitaDantas/importancia-formao-maturao-e-composio-de-sementes-2013. Acesso em: 24 de mar. 2015. • DELOUCHE, J.C. CALDWELL, W. N. Seed vigor and vigor tests. Proc. Ass. Off. Seed Analisis, 50: 124-129, 1960. • • PEIXOTO, A. M. et al. Enciclopédia Agrícola Brasileira. 1 ed. São Paulo: Edusp - Editora da Universidade de São Paulo, v. 1, 1995. • • PESKE, S. T. et al. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. Pelotas. Editora universitária, 2003. • • PESKE, S. T. O momento de colher. Seed news. Pelotas - Ano XIV, n. 3 maio/jun 2010. • • POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. 2.ed. Brasilia: 1985 289p. • • SILVEIRA, M. A. M.; VILLELA, F. A.; TILLMANN, M. A. A. Maturação fisiológica de sementes de calêndula (Calendula officinalis l.). Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 2, p.31-37, 2002.