SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 1
As Sementes
- Semente e sua função na reprodução
As sementes têm a função de perpetuação e multiplicação das espécies.
É o elemento principal no estabelecimento, expansão, diversificação e desenvolvimento
da agricultura.
As sementes iniciam nas flores, com a fertilização dos óvulos, ou seja, a recombinação
genética dos gâmetas masculino e feminino, estabelecendo uma variabilidade genética
favorável à adaptação das espécies.
Uma semente é um óvulo fertilizado e desenvolvido, com grandes diferenças físicas
entre as espécies, porém as suas semelhanças são muitas e talvez mais importantes.
Muitas vezes, o termo semente é usado em seu sentido funcional, indicando toda e
qualquer estrutura vegetal capaz de reproduzir uma planta.
As sementes grandes ou pequenas são constituídas de três componentes integrados:
 Cobertura
 Tecido de reserva
 Eixo embrionário
A cobertura da semente tem como funções manter unidas a parte interna das sementes,
bem como fornecer proteção mecânica contra choques, microrganismos e insetos.
Também, lhe são atribuídas às funções reguladoras no processo de germinação. A
cobertura da semente regula a entrada de água e oxigénio, necessários à
germinação, podendo causar uma impermeabilidade da cobertura a esses
elementos, o que é reconhecido como um mecanismo de dormência.
O tecido de reserva serve de suprimento nutritivo para o eixo embrionário,
suportando seu crescimento inicial. Nas plantas superiores, como nas Poáceas (arroz,
milho, trigo), as reservas estão no endosperma das sementes.
Entretanto, em muitas espécies de importância agronómica, o endosperma é parcial ou
totalmente absorvido durante o desenvolvimento da semente em favor dos cotilédones,
que assume a função de tecido de reserva, nas Fagáceas (feijão, soja).
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 2
O eixo embrionário é a unidade de propagação (mini planta), cuja função é retomar o
crescimento e formar um novo indivíduo adulto. O eixo embrionário mais o (s)
cotilédones formam o embrião (Fig. 1).
Figura 1 - Sementes de Sibipiruna (Caesalpinea Peltophoroides). Três sementes
normais, mostrando o eixo embrionário e cotilédones e uma semente deteriorada.
Os cotilédones são estruturas seminais, de formato variável, ligadas ao eixo
embrionário, com função de absorver e reservar alimentos do endosperma e/ou
perisperma, que serão usados durante a germinação.
A perda de vigor e viabilidade das sementes envolve principalmente alterações no eixo
embrionário.
As sementes de alta qualidade, possuem boa capacidade para germinar, emergir,
produzir uma população adequada de plantas vigorosas e saudáveis, facilitando a
implantação das culturas.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 3
O termo qualidade aplicado à semente envolve quatro aspetos:
 Genético
 Físico
 Fisiológico
 Sanitário
As características genéticas têm influência dominante na produtividade da colheita,
pois é o conjunto do gnoma que contém as qualidades específicas atribuídas a cada
cultivar.
A qualidade física diz respeito à composição dos lotes, pois aqueles compostos apenas
por sementes da espécie e cultivar escolhida, de tamanho uniforme facilitam o
manuseio e influenciam na decisão do comprador.
A qualidade fisiológica indica a capacidade das sementes germinarem e estabelecerem
uma população adequada de plantas. É a qualidade mais considerada e avaliada pelos
produtores e que causa maior preocupação, porque sementes sem qualidade
fisiológica não servem para a sementeira.
A qualidade sanitária indica a presença, junto das sementes, de microrganismos
patogénicos ou insetos, os quais podem ser carregados nas sementes, afetando o
desempenho das plantas e a produtividade.
O cumprimento da função biológica, ou seja, a propagação da espécie ocorre com a
germinação da semente.
A germinação é o processo do crescimento ativo do eixo embrionário. Consiste da
sequência ordenada de atividades metabólicas, que inicia com a humidificação
das sementes, estabelece a retomada do desenvolvimento do embrião até a formação de
uma plântula normal, depende de humidade, temperatura e oxigénio.
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 4
O grau de humidade exigido para a germinação varia entre as espécies.
Sementes monocotiledóneas (Poáceas), como os cereais, devem atingir 35 a 40%,
para que haja germinação.
As dicotiledóneas (Fagáceas), (Bolota, Lande) devido às diferenças na morfologia e
composição química só germinam após alcançar 50 a 55% de água.
A velocidade de hidratação é influenciada por fatores tais como a permeabilidade da
cobertura da semente, o grau de humidade inicial, a temperatura e a área de
contato semente/substrato.
As variações de temperatura afetam não só o total de germinação, como também a
velocidade e a uniformidade do processo. A temperatura ótima para a germinação
das sementes é aquela em que o maior número de sementes germina no mais curto
período, para a maioria das espécies cultivadas, encontra-se entre 20 e 30°C. Ao se
reduzir a temperatura, a partir da ótima, reduz-se a velocidade de germinação, enquanto
o aumento, em direção aos valores máximos suportados pela espécie, proporciona
redução tanto na velocidade quanto na % de germinação.
O oxigénio é necessário para o grande aumento na atividade respiratória exigida no
processo de germinação e subsequente crescimento e desenvolvimento da plântula.
A atmosfera contém oxigénio suficiente (± 21%), para a germinação das sementes, este
somente se torna limitante quando sua disponibilidade para o embrião é bloqueada ou
FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
Rik Página 5
impedida por um fator ambiental ou condição da semente, como o excesso de humidade
no substrato e impermeabilidade da cobertura, respetivamente.
A germinação pode não ocorrer devido à dormência, danos mecânicos severos ou
deterioração das sementes.
Endereços de referência:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Semente
http://frutosatrativosdocerrado.bio.br/index.php/cerrado/morfologia
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/semente/semente-2.php

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_ritaAprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_rita
Pelo Siro
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
eli292011
 
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e EtilenoHormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Carolina Sobrenome
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Turma Olímpica
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
3a2011
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
Gleyciane Fernandes
 
Biologia 2ºEM - parte 2
Biologia 2ºEM - parte 2Biologia 2ºEM - parte 2
Biologia 2ºEM - parte 2
DealdyPony
 
Fitormonios
FitormoniosFitormonios
Fitormonios
Rodrigo Jovê
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
Turma Olímpica
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
Rita Galrito
 
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
Hugo Martins
 
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
Escola Modelo de Iguatu
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Fatima Comiotto
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
Valdete Zorate
 
Fisveg aula3
Fisveg aula3Fisveg aula3
Fisveg aula3
Mariana Luz Viscarra
 
Hormônios vegetais (1)
Hormônios vegetais (1)Hormônios vegetais (1)
Hormônios vegetais (1)
paramore146
 
Cien barros 7.3
Cien barros 7.3Cien barros 7.3
Cien barros 7.3
bleckmouth
 
Giberelinas
GiberelinasGiberelinas
Giberelinas
Emanuel Fraca
 
Reino das Plantas
Reino das PlantasReino das Plantas
Reino das Plantas
00367p
 

Mais procurados (19)

Aprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_ritaAprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_rita
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
 
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e EtilenoHormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Biologia 2ºEM - parte 2
Biologia 2ºEM - parte 2Biologia 2ºEM - parte 2
Biologia 2ºEM - parte 2
 
Fitormonios
FitormoniosFitormonios
Fitormonios
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Reino Plantae
Reino PlantaeReino Plantae
Reino Plantae
 
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
 
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
 
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermasAula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
Aula de briófitas, pteridófitas, gimnospermas e angiospermas
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
 
Fisveg aula3
Fisveg aula3Fisveg aula3
Fisveg aula3
 
Hormônios vegetais (1)
Hormônios vegetais (1)Hormônios vegetais (1)
Hormônios vegetais (1)
 
Cien barros 7.3
Cien barros 7.3Cien barros 7.3
Cien barros 7.3
 
Giberelinas
GiberelinasGiberelinas
Giberelinas
 
Reino das Plantas
Reino das PlantasReino das Plantas
Reino das Plantas
 

Semelhante a 5 morfologia vegetal_sementes

Fisiologia XI_ reproducao
Fisiologia XI_ reproducaoFisiologia XI_ reproducao
Fisiologia XI_ reproducao
Rodrigo Marques
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Bruno Rodrigues
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
VitorOliveiraRodrigu
 
Germinação
GerminaçãoGerminação
Germinação
Joseanny Pereira
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
FranciscoFranca8
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Lenildo Araujo
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
ElvisRicardo12
 
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdfaspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
MonizJanuario
 
JORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
JORNAL PROTOCOLO.pdfdddddddddddddddddddddJORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
JORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
jornalgoncalvesjoao
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
jrturra
 
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
AI Publications
 
Micropropação da videira
Micropropação da videiraMicropropação da videira
Micropropação da videira
Luís Filipe Marinho
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Bruno Rodrigues
 
Allan smith
Allan smithAllan smith
Allan smith
colegiopacostasilva
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
sedis-suporte
 
Fisiologia XII _ frutificacao
Fisiologia XII _ frutificacaoFisiologia XII _ frutificacao
Fisiologia XII _ frutificacao
Rodrigo Marques
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
Denysson Amorim
 
Anatomia fernando
Anatomia fernandoAnatomia fernando
Anatomia fernando
Magno Oliveira
 
Embrapa propagação abacaxi
Embrapa propagação abacaxiEmbrapa propagação abacaxi
Embrapa propagação abacaxi
pauloweimann
 

Semelhante a 5 morfologia vegetal_sementes (20)

Fisiologia XI_ reproducao
Fisiologia XI_ reproducaoFisiologia XI_ reproducao
Fisiologia XI_ reproducao
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
 
Germinação
GerminaçãoGerminação
Germinação
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
 
Apostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferasApostila propagacao de arvores frutiferas
Apostila propagacao de arvores frutiferas
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
 
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdfaspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
aspectos_gerais_da_producao_de_sementes.pdf
 
JORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
JORNAL PROTOCOLO.pdfdddddddddddddddddddddJORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
JORNAL PROTOCOLO.pdfddddddddddddddddddddd
 
Apostila de enxertia
Apostila de enxertiaApostila de enxertia
Apostila de enxertia
 
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
Influence of the Size of Soybean Seeds on Germination, Vigor and Seedling Per...
 
Micropropação da videira
Micropropação da videiraMicropropação da videira
Micropropação da videira
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Allan smith
Allan smithAllan smith
Allan smith
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
Fisiologia XII _ frutificacao
Fisiologia XII _ frutificacaoFisiologia XII _ frutificacao
Fisiologia XII _ frutificacao
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
 
Anatomia fernando
Anatomia fernandoAnatomia fernando
Anatomia fernando
 
Embrapa propagação abacaxi
Embrapa propagação abacaxiEmbrapa propagação abacaxi
Embrapa propagação abacaxi
 

Mais de rrodrigues57

O estudo dos solos
O estudo dos solosO estudo dos solos
O estudo dos solos
rrodrigues57
 
3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
rrodrigues57
 
6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas
rrodrigues57
 
4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores
rrodrigues57
 
3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
rrodrigues57
 
2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule
rrodrigues57
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
rrodrigues57
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
rrodrigues57
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
rrodrigues57
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
rrodrigues57
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
rrodrigues57
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
rrodrigues57
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
rrodrigues57
 
Pãezinhos
PãezinhosPãezinhos
Pãezinhos
rrodrigues57
 

Mais de rrodrigues57 (14)

O estudo dos solos
O estudo dos solosO estudo dos solos
O estudo dos solos
 
3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
 
6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas6 morfologia vegetal_hormonas
6 morfologia vegetal_hormonas
 
4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores4 morfologia vegetal_flores
4 morfologia vegetal_flores
 
3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas3 morfologia vegetal_folhas
3 morfologia vegetal_folhas
 
2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule2 morfologia vegetal_caule
2 morfologia vegetal_caule
 
1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz1 morfologia vegetal_raiz
1 morfologia vegetal_raiz
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
 
Grelha de avaliação
Grelha de avaliaçãoGrelha de avaliação
Grelha de avaliação
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
 
Aromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientadaAromaticas pesquisa orientada
Aromaticas pesquisa orientada
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Reflexão
ReflexãoReflexão
Reflexão
 
Pãezinhos
PãezinhosPãezinhos
Pãezinhos
 

Último

Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

5 morfologia vegetal_sementes

  • 1. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 1 As Sementes - Semente e sua função na reprodução As sementes têm a função de perpetuação e multiplicação das espécies. É o elemento principal no estabelecimento, expansão, diversificação e desenvolvimento da agricultura. As sementes iniciam nas flores, com a fertilização dos óvulos, ou seja, a recombinação genética dos gâmetas masculino e feminino, estabelecendo uma variabilidade genética favorável à adaptação das espécies. Uma semente é um óvulo fertilizado e desenvolvido, com grandes diferenças físicas entre as espécies, porém as suas semelhanças são muitas e talvez mais importantes. Muitas vezes, o termo semente é usado em seu sentido funcional, indicando toda e qualquer estrutura vegetal capaz de reproduzir uma planta. As sementes grandes ou pequenas são constituídas de três componentes integrados:  Cobertura  Tecido de reserva  Eixo embrionário A cobertura da semente tem como funções manter unidas a parte interna das sementes, bem como fornecer proteção mecânica contra choques, microrganismos e insetos. Também, lhe são atribuídas às funções reguladoras no processo de germinação. A cobertura da semente regula a entrada de água e oxigénio, necessários à germinação, podendo causar uma impermeabilidade da cobertura a esses elementos, o que é reconhecido como um mecanismo de dormência. O tecido de reserva serve de suprimento nutritivo para o eixo embrionário, suportando seu crescimento inicial. Nas plantas superiores, como nas Poáceas (arroz, milho, trigo), as reservas estão no endosperma das sementes. Entretanto, em muitas espécies de importância agronómica, o endosperma é parcial ou totalmente absorvido durante o desenvolvimento da semente em favor dos cotilédones, que assume a função de tecido de reserva, nas Fagáceas (feijão, soja).
  • 2. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 2 O eixo embrionário é a unidade de propagação (mini planta), cuja função é retomar o crescimento e formar um novo indivíduo adulto. O eixo embrionário mais o (s) cotilédones formam o embrião (Fig. 1). Figura 1 - Sementes de Sibipiruna (Caesalpinea Peltophoroides). Três sementes normais, mostrando o eixo embrionário e cotilédones e uma semente deteriorada. Os cotilédones são estruturas seminais, de formato variável, ligadas ao eixo embrionário, com função de absorver e reservar alimentos do endosperma e/ou perisperma, que serão usados durante a germinação. A perda de vigor e viabilidade das sementes envolve principalmente alterações no eixo embrionário. As sementes de alta qualidade, possuem boa capacidade para germinar, emergir, produzir uma população adequada de plantas vigorosas e saudáveis, facilitando a implantação das culturas.
  • 3. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 3 O termo qualidade aplicado à semente envolve quatro aspetos:  Genético  Físico  Fisiológico  Sanitário As características genéticas têm influência dominante na produtividade da colheita, pois é o conjunto do gnoma que contém as qualidades específicas atribuídas a cada cultivar. A qualidade física diz respeito à composição dos lotes, pois aqueles compostos apenas por sementes da espécie e cultivar escolhida, de tamanho uniforme facilitam o manuseio e influenciam na decisão do comprador. A qualidade fisiológica indica a capacidade das sementes germinarem e estabelecerem uma população adequada de plantas. É a qualidade mais considerada e avaliada pelos produtores e que causa maior preocupação, porque sementes sem qualidade fisiológica não servem para a sementeira. A qualidade sanitária indica a presença, junto das sementes, de microrganismos patogénicos ou insetos, os quais podem ser carregados nas sementes, afetando o desempenho das plantas e a produtividade. O cumprimento da função biológica, ou seja, a propagação da espécie ocorre com a germinação da semente. A germinação é o processo do crescimento ativo do eixo embrionário. Consiste da sequência ordenada de atividades metabólicas, que inicia com a humidificação das sementes, estabelece a retomada do desenvolvimento do embrião até a formação de uma plântula normal, depende de humidade, temperatura e oxigénio.
  • 4. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 4 O grau de humidade exigido para a germinação varia entre as espécies. Sementes monocotiledóneas (Poáceas), como os cereais, devem atingir 35 a 40%, para que haja germinação. As dicotiledóneas (Fagáceas), (Bolota, Lande) devido às diferenças na morfologia e composição química só germinam após alcançar 50 a 55% de água. A velocidade de hidratação é influenciada por fatores tais como a permeabilidade da cobertura da semente, o grau de humidade inicial, a temperatura e a área de contato semente/substrato. As variações de temperatura afetam não só o total de germinação, como também a velocidade e a uniformidade do processo. A temperatura ótima para a germinação das sementes é aquela em que o maior número de sementes germina no mais curto período, para a maioria das espécies cultivadas, encontra-se entre 20 e 30°C. Ao se reduzir a temperatura, a partir da ótima, reduz-se a velocidade de germinação, enquanto o aumento, em direção aos valores máximos suportados pela espécie, proporciona redução tanto na velocidade quanto na % de germinação. O oxigénio é necessário para o grande aumento na atividade respiratória exigida no processo de germinação e subsequente crescimento e desenvolvimento da plântula. A atmosfera contém oxigénio suficiente (± 21%), para a germinação das sementes, este somente se torna limitante quando sua disponibilidade para o embrião é bloqueada ou
  • 5. FORMAÇÃO TECNOLÓGICA Rik Página 5 impedida por um fator ambiental ou condição da semente, como o excesso de humidade no substrato e impermeabilidade da cobertura, respetivamente. A germinação pode não ocorrer devido à dormência, danos mecânicos severos ou deterioração das sementes. Endereços de referência: http://pt.wikipedia.org/wiki/Semente http://frutosatrativosdocerrado.bio.br/index.php/cerrado/morfologia http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/semente/semente-2.php