SlideShare uma empresa Scribd logo
Importância das Sementes
para a Agricultura
Histórico
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Histórico
Dez mil anos atrás o homem verificou que a semente, quando plantada em
condições adequadas  origem a uma planta igual a àquela que a formou
e que está multiplicaria dezenas, ou até centenas de vezes, a semente
original.
Na época  enormes modificações nos processos mentais dos seres
humanos  as sementes passaram a ser material de grande importância
para a tranqüilidade e prosperidade dos povos.
Divisão do trabalho:
 agricultores que só produzissem sementes,
 enquanto outros produzissem grãos.
Histórico
Relatos históricos de cerca de 10 mil anos:
 As sementes passaram a desempenhar um papel cada vez mais
importante para um número cada vez maior de populações humanas.
• No Oriente Médio, transformação verificada entre 7500 e 6750 a.C., com o início da cultura dos cereais;
• Na América do Sul, cerca de 5600 a.C., com o plantio do feijão;
• Na América Central e na China (milho e arroz, respectivamente), por volta de 5000 a.C.
• As gramíneas, constituíram-se na base de todas as civilizações do mundo:
• O trigo, provavelmente a mais velha planta cultivada da Humanidade, serviu de sustento para as
civilizações da Mesopotâmia e do Nilo, e para aquelas que se desenvolveram posteriormente na
Europa;
• O arroz foi e é a base de civilizações Asiáticas;
• O sorgo, na África
• O milho, nas Américas.
• Ao lado dessas gramíneas, outras espécies serviram, para fornecer os complementos em proteínas e
lipídios, destacando-se, entre elas, as leguminosas.
Histórico
As sementes passaram por muitos processos de adaptação e
sobrevivência ao longo destes milhares de anos de história.
A produção de sementes teve impulso após a REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.
Mecanização dos meios de produção e transporte
Maior concentração urbana e redução da população rural
Aparecimento de novas cidades
Maior produção de alimentos e matéria prima para a indústrias.
Histórico
Objeto de fraudes:
Desde os primórdios, mas a partir do século XIX foram tomadas as
primeiras providências efetivas para tentar coibir abusos desse tipo.
Em 1816, em Berna, Suíça, surgiu o primeiro decreto proibindo a venda de
sementes de trevo adulteradas.
Mistura de trevo + areia ou sementes de outra espécies mais baratas.
Trevo com 50% de pureza e 18% de germinação
A promulgação de uma lei para evitar fraude não chega a ser suficiente.
 criar um órgão ou instituição que verifique, mediante critérios
padronizados, e se a lei em questão está sendo ou não observada.
Histórico
No caso de sementes esse órgão é um LABORATÓRIO no qual as
sementes, que se propõem vender, sejam analisadas para verificar se
enquadram nos padrões de qualidade impostos pela lei.
Em 1869, na Alemanha  primeiro laboratório de análise de sementes do
mundo, chefiado por Friederich Nobbe (botânico e geneticista alemão).
- se tornava necessária a criação de regras para analisar sementes
que fossem observadas por todos os laboratórios, com resultados
próximos.
Nobbe trabalhou durante 7 anos e em 1876, editou seu “Handbuch der
Samenkund” com 631 páginas.
- por 50 anos, o manual orientou trabalhos dos laboratórios de sementes.
Histórico
Em 1897, norte-americano Jenkins lançou novo manual de regras para
análise de sementes.
Em 1893, só na Alemanha tinha registro de 40 laboratórios; e EUA, em
1905, 130 laboratórios.
Produtores, compradores, analistas e pesquisadores de sementes, já
estavam perfeitamente integrados. Talvez o fator mais importante para o
comércio de sementes, era não somente uma rígida observação das regras
mais sim sua observação completa.
 Em 1908, nos EUA, uniram-se e fundaram a
“Association of Official Seed Analysts” (AOSA).
Histórico
No plano internacional, a organização do setor sementeiro demorou um
pouco mais para acontecer em virtude das grandes dificuldades de
comunicação da época.
Em 1906, em Hamburgo, Alemanha  foi realizada a Conferência
Européia para Análise de Sementes.
Em 1921  Associação Européia.
Em 1924, em Copenhague, Dinamarca, foi transformada na
International Seed Testing Association (ISTA).
A ISTA, em 1931, pela primeira vez, conseguiu editar
regras internacionais para análise de sementes.
Histórico – no Brasil
Apontam o ano de 1956 como sendo aquele em que, pela primeira vez, se
organizou um manual de Regras para Análise de Sementes (RAS), por
iniciativa da Divisão de Sementes e Mudas da Secretaria de Agricultura do
Estado de são Paulo. (Eng. Agr. Oswaldo Bacchi).
A partir da edição de 1967, por decisão do Ministério da Agricultura, as
RAS passaram a ter validade nacional.
Histórico – no Brasil
Evolução no Brasil
1957 - Manual de DISEM
1965 - Lei 4727
1977 - Lei 6507
1992 - RAS - ABRATES
1999 - SNPC Portaria – 215 / Soja transgênica – 293
2001 - ISO 17.025
2003 - 05/08 Nova Lei de sementes - 10.711
Importância das sementes
Semente  dupla função em culturas de expressão econômica.
1. Material utilizado para a multiplicação de plantas
(implantação da cultura)
2. Estrutura colhida para a comercialização
(grãos para consumo)
“SEMENTES” e “GRÃOS” 
 destinam à identificação das formas de utilização;
 ponto de vista botânico não há distinção;
 atributos de qualidade não são os mesmos, de modo que o manejo de
uma cultura deve ser dirigido ao atendimento da finalidade de utilização do produto.
Ex.: Sementes devem atingir requisitos mínimos de pureza varietal e de germinação
>>> aspectos não considerados para grãos.
Importância das sementes
1. Como mecanismo de perpetuação da espécie
 meio de sobrevivência da espécie.
 difusão da vida.
As sementes teriam surgido como extensão da heterosporia (esporos
assexuais) com resposta a pressões ambientais.
Sucesso da semente como órgão de perpetuação e disseminação das
espécies vegetais deve-se:
1. Capacidade de distribuir a germinação no tempo
 mecanismos da dormência.
2. Capacidade de distribuir a germinação no espaço
 mecanismos de dispersão:
espinhos, asas, pêlos, mucilagem, rugosidade, etc.
Importância das sementes
2. Como elemento modificador da história do homem
 Nômade
 Semente-planta-semente
A semente é a “ pedra fundamental” da civilização.
 Sedentária
 Comunidade: organização social, econômica e política
Importância das sementes
3. Como alimento
Tecidos básicos: meristemáticos (“eixo embrionário”);
tecido de reserva (cotiledonar, endospermático ou perispermático);
tecido de proteção mecânica (envoltório da semente, “casca”).
Tecido de reserva:
- carboidratos
- lipídios
- proteínas
Na composição química das sementes – quantidade é variável.
Importância das sementes
Tecido de reserva:
sementes amiláceas
 sementes oleaginosas
 sementes protéicas
Amido:
substância de mais
fácil obtenção para a
confecção de diversos
tipos de alimentos.
Gramíneas – base de
todas as civilizações
do mundo.
Trigo: serviu de sustento para as civilizações da Mesopotâmia e do Nilo;
Arroz: base das civilizações asiáticas;
Sorgo: na África;
Milho: nas Américas
Além dos carboidratos serem facilmente industrialiuzáveis;
São alimentos calóricos (sensação de saciedade);
Em gramíneas, por ex., ocorrem em proporções superiores à 60%
Importância das sementes
As sementes foram, e ainda são, a maneira mais fácil e mais barata de
alimentação de um povo.
- Em 1972, Kozlowski & Gunn: composição percentual na dieta
humana de grãos (cereais e leguminosas) e produtos de origem animal
(carne, leite, ovos, etc).
Países subdesenvolvidos: 65-75% (grãos) / 25-35% (origem animal)
Países desenvolvidos: +35% (grãos) / +65% (origem animal)
Além do valor como alimento (direta/indiretamente), também constitui matéria-prima
para a produção de vários artigos essenciais ou representam os materiais de
multiplicação de plantas importantes para a produção de:
- vestuário; - produtos medicinais; - bebidas;
- madeira; - papel; - combustíveis; - rações para animais; - etc.
Importância das sementes
4. Como material de pesquisa
Tamanho e forma: recipientes pequenos; armazenadas em grande quantidade.
Desidratação: conservar por longos períodos de tempo.
Organização fisiológica e bioquímica.
Tecnologia de armazenamento de sementes
Bancos de germoplasma
Importância das sementes
Melhoramento genético de plantas  via sexuada
As sementes constituem o centro das alterações genéticas naturais ou das
planejadas pelos melhoristas.
Características de concentram nas sementes  obtenção e difusão das
características incorporadas aos novos cultivares.
Mecanismo mais rápido e eficiente de difusão de novos cultivares.
Importância das sementes
5. Como inimigo do homem
 problemas causados por sementes
Mecanismos de dispersão e de dormência
Conquista da Terra x controle de plantas daninhas
Sementes produzidas com cuidado e de origem idônea 
- sementes de plantas daninhas, que podem hospedar organismos nocivos, causar
dificuldades à colheita e ao beneficiamento, impedir a comercialização dos lotes
- queda de 5-10% da produção mundial de grãos.
Disseminação de pragas e doenças
- Principal veículo de reprodução das plantas através do tempo e no
espaço.
- Forma de distribuir os melhoramentos genéticos às sucessivas
gerações.
- Importância econômica como alimento (correspondem a 60-70% dos
alimentos consumidos mundialmente).
- Transformadas pela agroindústria em uma variedade de produtos.
(EMBRAPA, 2005)
Importância da semente
O mercado de sementes
Semente  MAIS IMPORTANTE INSUMO AGRÍCOLA
1. Conduz ao campo as características genéticas
determinantes do desempenho do cultivar;
2. Responsável ou contribui decisivamente para o
sucesso do estabelecimento do estande desejado,
fornecendo a base para a produção rentável.
O mercado de sementes
Novos desafios da AGRICULTURA
 Crescimento populacional;
 Aumento da renda média nos países em desenvolvimento;
 Aumento da demanda por alimentos;
 Aumento da produtividade;
 Produção sustentável;
 Novas fontes de energia.
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Kg/ha
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Considerações Finais
 Percebe-se a importância da semente, desde os primórdios da
humanidade até os dias atuais.
Semente insumo básico em qualquer produção agrícola;
 Uma das soluções para alimentar a crescente população mundial passa
pelo aumento na produção de grãos, proporcionado pela utilização de
sementes de alta qualidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Bruno Rodrigues
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Bruno Rodrigues
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 
Tomate
TomateTomate
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
 Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat... Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
Rural Pecuária
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdfAula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
AdilsonAmorimBrando
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementesUnidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
Unidade 02 formação e desenvolvimento das sementes
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
Tomate
TomateTomate
Tomate
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
 Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat... Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
Guia prático para quebra de dormência de sementes florestais de espécies nat...
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdfAula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
Aula 1 - Milho - Origem e importância.pdf
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 

Destaque

Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementes
Arnaldo Nonato
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
Bruno Rodrigues
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
Geraldo Henrique
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
Venesa Santos
 
Gênesis a semente
Gênesis a sementeGênesis a semente
Gênesis a semente
Alcedir Sentalin
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleo
makemx
 
Planilha Pais 1ªS 2010
Planilha Pais 1ªS 2010Planilha Pais 1ªS 2010
Planilha Pais 1ªS 2010
adrizinhalp01
 
Rótulo anvisa
Rótulo anvisaRótulo anvisa
Rótulo anvisa
visacamacan
 
Apresentação do projeto de serra branca
Apresentação do projeto de serra brancaApresentação do projeto de serra branca
Apresentação do projeto de serra branca
Maria Jose Crispim
 
Aula3 bov
Aula3 bovAula3 bov
Aula3 bov
Gilson Furtado
 
Descritores mat 2_bim_ 2014
Descritores mat 2_bim_ 2014Descritores mat 2_bim_ 2014
Descritores mat 2_bim_ 2014
Janete Guedes
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
msanchez93
 
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
BeefPoint
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ADÃO Graciano
 
Números Complexos - Representação Geométrica
Números Complexos - Representação GeométricaNúmeros Complexos - Representação Geométrica
Números Complexos - Representação Geométrica
Raphael Silveira
 
Ginástica
Ginástica Ginástica
Ginástica
Joemille Leal
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Mayjö .
 
Mudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e PecuáriaMudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e Pecuária
Agricultura Sao Paulo
 

Destaque (20)

Aula1. introdução e importância das sementes
Aula1. introdução e  importância das sementesAula1. introdução e  importância das sementes
Aula1. introdução e importância das sementes
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
 
Gênesis a semente
Gênesis a sementeGênesis a semente
Gênesis a semente
 
Pró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleoPró álcool e-pró-óleo
Pró álcool e-pró-óleo
 
Planilha Pais 1ªS 2010
Planilha Pais 1ªS 2010Planilha Pais 1ªS 2010
Planilha Pais 1ªS 2010
 
Rótulo anvisa
Rótulo anvisaRótulo anvisa
Rótulo anvisa
 
Apresentação do projeto de serra branca
Apresentação do projeto de serra brancaApresentação do projeto de serra branca
Apresentação do projeto de serra branca
 
Aula3 bov
Aula3 bovAula3 bov
Aula3 bov
 
Descritores mat 2_bim_ 2014
Descritores mat 2_bim_ 2014Descritores mat 2_bim_ 2014
Descritores mat 2_bim_ 2014
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
Pecuária sustentável, nicho de mercado e acesso a mercados na visão do WWF - ...
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA
 
Números Complexos - Representação Geométrica
Números Complexos - Representação GeométricaNúmeros Complexos - Representação Geométrica
Números Complexos - Representação Geométrica
 
Ginástica
Ginástica Ginástica
Ginástica
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Mudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e PecuáriaMudanças Climáticas e Pecuária
Mudanças Climáticas e Pecuária
 

Semelhante a Unidade 01 importância das sementes para a agricultura

Guia do milho_cib
Guia do milho_cibGuia do milho_cib
Guia do milho_cib
Erivaldo Laurindo Gomes
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
UERGS
 
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
Dac moda ano internacional das leguminosas   2016Dac moda ano internacional das leguminosas   2016
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
cgtsfumec
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
ElvisRicardo12
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
cleversaueressig
 
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Manualhortaurbana
ManualhortaurbanaManualhortaurbana
Manualhortaurbana
Carol Daemon
 
ParaBaixar_Manualhortaurbana
ParaBaixar_ManualhortaurbanaParaBaixar_Manualhortaurbana
ParaBaixar_Manualhortaurbana
Carol Daemon
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
VitorOliveiraRodrigu
 
Manual hortaliças web f
Manual hortaliças web fManual hortaliças web f
Manual hortaliças web f
Joao Rebelo da Cruz
 
Manual hortalicas-selvagens
Manual hortalicas-selvagensManual hortalicas-selvagens
Manual hortalicas-selvagens
Joyce Muzy
 
Manual de hortaliças não convencionais-mapa
Manual de hortaliças não convencionais-mapaManual de hortaliças não convencionais-mapa
Manual de hortaliças não convencionais-mapa
vaniambcunha
 

Semelhante a Unidade 01 importância das sementes para a agricultura (20)

Guia do milho_cib
Guia do milho_cibGuia do milho_cib
Guia do milho_cib
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
Dac moda ano internacional das leguminosas   2016Dac moda ano internacional das leguminosas   2016
Dac moda ano internacional das leguminosas 2016
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
Cartilha hortalicas nao convencionais (1)
 
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
Aula de Manejo de Recursos Genéticos Parte 1
 
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
 
Manualhortaurbana
ManualhortaurbanaManualhortaurbana
Manualhortaurbana
 
ParaBaixar_Manualhortaurbana
ParaBaixar_ManualhortaurbanaParaBaixar_Manualhortaurbana
ParaBaixar_Manualhortaurbana
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx1- Importância das sementes.pptx
1- Importância das sementes.pptx
 
Manual hortaliças web f
Manual hortaliças web fManual hortaliças web f
Manual hortaliças web f
 
Manual hortalicas-selvagens
Manual hortalicas-selvagensManual hortalicas-selvagens
Manual hortalicas-selvagens
 
Manual de hortaliças não convencionais-mapa
Manual de hortaliças não convencionais-mapaManual de hortaliças não convencionais-mapa
Manual de hortaliças não convencionais-mapa
 

Mais de Bruno Rodrigues

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
Bruno Rodrigues
 
Manicoba
ManicobaManicoba
Manicoba
Bruno Rodrigues
 
832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Bruno Rodrigues
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
Bruno Rodrigues
 
Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203
Bruno Rodrigues
 
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemiDocumentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Bruno Rodrigues
 
Curation protocol portuguese
Curation protocol portugueseCuration protocol portuguese
Curation protocol portuguese
Bruno Rodrigues
 
12261 sementes -web
12261 sementes -web12261 sementes -web
12261 sementes -web
Bruno Rodrigues
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
Bruno Rodrigues
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Bruno Rodrigues
 
Genética agropecuária
Genética agropecuáriaGenética agropecuária
Genética agropecuária
Bruno Rodrigues
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
Bruno Rodrigues
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Bruno Rodrigues
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
Bruno Rodrigues
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Bruno Rodrigues
 

Mais de Bruno Rodrigues (20)

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
 
Manicoba
ManicobaManicoba
Manicoba
 
832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
Sementesflorestais guiaparagerminaode100espciesnativas-130806124231-phpapp01
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
 
Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203Guia de sementes_final_203
Guia de sementes_final_203
 
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemiDocumentos  -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
Documentos -colheita_de_sementes_e_producao_de_mudas_-_noemi
 
Curation protocol portuguese
Curation protocol portugueseCuration protocol portuguese
Curation protocol portuguese
 
12261 sementes -web
12261 sementes -web12261 sementes -web
12261 sementes -web
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
 
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)Germinação e dormência de sementes florestais (1)
Germinação e dormência de sementes florestais (1)
 
Genética agropecuária
Genética agropecuáriaGenética agropecuária
Genética agropecuária
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
 
Unidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementesUnidade 04 germinação das sementes
Unidade 04 germinação das sementes
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
 

Unidade 01 importância das sementes para a agricultura

  • 4. Histórico Dez mil anos atrás o homem verificou que a semente, quando plantada em condições adequadas  origem a uma planta igual a àquela que a formou e que está multiplicaria dezenas, ou até centenas de vezes, a semente original. Na época  enormes modificações nos processos mentais dos seres humanos  as sementes passaram a ser material de grande importância para a tranqüilidade e prosperidade dos povos. Divisão do trabalho:  agricultores que só produzissem sementes,  enquanto outros produzissem grãos.
  • 5. Histórico Relatos históricos de cerca de 10 mil anos:  As sementes passaram a desempenhar um papel cada vez mais importante para um número cada vez maior de populações humanas. • No Oriente Médio, transformação verificada entre 7500 e 6750 a.C., com o início da cultura dos cereais; • Na América do Sul, cerca de 5600 a.C., com o plantio do feijão; • Na América Central e na China (milho e arroz, respectivamente), por volta de 5000 a.C. • As gramíneas, constituíram-se na base de todas as civilizações do mundo: • O trigo, provavelmente a mais velha planta cultivada da Humanidade, serviu de sustento para as civilizações da Mesopotâmia e do Nilo, e para aquelas que se desenvolveram posteriormente na Europa; • O arroz foi e é a base de civilizações Asiáticas; • O sorgo, na África • O milho, nas Américas. • Ao lado dessas gramíneas, outras espécies serviram, para fornecer os complementos em proteínas e lipídios, destacando-se, entre elas, as leguminosas.
  • 6. Histórico As sementes passaram por muitos processos de adaptação e sobrevivência ao longo destes milhares de anos de história. A produção de sementes teve impulso após a REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Mecanização dos meios de produção e transporte Maior concentração urbana e redução da população rural Aparecimento de novas cidades Maior produção de alimentos e matéria prima para a indústrias.
  • 7. Histórico Objeto de fraudes: Desde os primórdios, mas a partir do século XIX foram tomadas as primeiras providências efetivas para tentar coibir abusos desse tipo. Em 1816, em Berna, Suíça, surgiu o primeiro decreto proibindo a venda de sementes de trevo adulteradas. Mistura de trevo + areia ou sementes de outra espécies mais baratas. Trevo com 50% de pureza e 18% de germinação A promulgação de uma lei para evitar fraude não chega a ser suficiente.  criar um órgão ou instituição que verifique, mediante critérios padronizados, e se a lei em questão está sendo ou não observada.
  • 8. Histórico No caso de sementes esse órgão é um LABORATÓRIO no qual as sementes, que se propõem vender, sejam analisadas para verificar se enquadram nos padrões de qualidade impostos pela lei. Em 1869, na Alemanha  primeiro laboratório de análise de sementes do mundo, chefiado por Friederich Nobbe (botânico e geneticista alemão). - se tornava necessária a criação de regras para analisar sementes que fossem observadas por todos os laboratórios, com resultados próximos. Nobbe trabalhou durante 7 anos e em 1876, editou seu “Handbuch der Samenkund” com 631 páginas. - por 50 anos, o manual orientou trabalhos dos laboratórios de sementes.
  • 9. Histórico Em 1897, norte-americano Jenkins lançou novo manual de regras para análise de sementes. Em 1893, só na Alemanha tinha registro de 40 laboratórios; e EUA, em 1905, 130 laboratórios. Produtores, compradores, analistas e pesquisadores de sementes, já estavam perfeitamente integrados. Talvez o fator mais importante para o comércio de sementes, era não somente uma rígida observação das regras mais sim sua observação completa.  Em 1908, nos EUA, uniram-se e fundaram a “Association of Official Seed Analysts” (AOSA).
  • 10. Histórico No plano internacional, a organização do setor sementeiro demorou um pouco mais para acontecer em virtude das grandes dificuldades de comunicação da época. Em 1906, em Hamburgo, Alemanha  foi realizada a Conferência Européia para Análise de Sementes. Em 1921  Associação Européia. Em 1924, em Copenhague, Dinamarca, foi transformada na International Seed Testing Association (ISTA). A ISTA, em 1931, pela primeira vez, conseguiu editar regras internacionais para análise de sementes.
  • 11. Histórico – no Brasil Apontam o ano de 1956 como sendo aquele em que, pela primeira vez, se organizou um manual de Regras para Análise de Sementes (RAS), por iniciativa da Divisão de Sementes e Mudas da Secretaria de Agricultura do Estado de são Paulo. (Eng. Agr. Oswaldo Bacchi). A partir da edição de 1967, por decisão do Ministério da Agricultura, as RAS passaram a ter validade nacional.
  • 12. Histórico – no Brasil Evolução no Brasil 1957 - Manual de DISEM 1965 - Lei 4727 1977 - Lei 6507 1992 - RAS - ABRATES 1999 - SNPC Portaria – 215 / Soja transgênica – 293 2001 - ISO 17.025 2003 - 05/08 Nova Lei de sementes - 10.711
  • 13. Importância das sementes Semente  dupla função em culturas de expressão econômica. 1. Material utilizado para a multiplicação de plantas (implantação da cultura) 2. Estrutura colhida para a comercialização (grãos para consumo) “SEMENTES” e “GRÃOS”   destinam à identificação das formas de utilização;  ponto de vista botânico não há distinção;  atributos de qualidade não são os mesmos, de modo que o manejo de uma cultura deve ser dirigido ao atendimento da finalidade de utilização do produto. Ex.: Sementes devem atingir requisitos mínimos de pureza varietal e de germinação >>> aspectos não considerados para grãos.
  • 14. Importância das sementes 1. Como mecanismo de perpetuação da espécie  meio de sobrevivência da espécie.  difusão da vida. As sementes teriam surgido como extensão da heterosporia (esporos assexuais) com resposta a pressões ambientais. Sucesso da semente como órgão de perpetuação e disseminação das espécies vegetais deve-se: 1. Capacidade de distribuir a germinação no tempo  mecanismos da dormência. 2. Capacidade de distribuir a germinação no espaço  mecanismos de dispersão: espinhos, asas, pêlos, mucilagem, rugosidade, etc.
  • 15. Importância das sementes 2. Como elemento modificador da história do homem  Nômade  Semente-planta-semente A semente é a “ pedra fundamental” da civilização.  Sedentária  Comunidade: organização social, econômica e política
  • 16. Importância das sementes 3. Como alimento Tecidos básicos: meristemáticos (“eixo embrionário”); tecido de reserva (cotiledonar, endospermático ou perispermático); tecido de proteção mecânica (envoltório da semente, “casca”). Tecido de reserva: - carboidratos - lipídios - proteínas Na composição química das sementes – quantidade é variável.
  • 17. Importância das sementes Tecido de reserva: sementes amiláceas  sementes oleaginosas  sementes protéicas Amido: substância de mais fácil obtenção para a confecção de diversos tipos de alimentos. Gramíneas – base de todas as civilizações do mundo. Trigo: serviu de sustento para as civilizações da Mesopotâmia e do Nilo; Arroz: base das civilizações asiáticas; Sorgo: na África; Milho: nas Américas Além dos carboidratos serem facilmente industrialiuzáveis; São alimentos calóricos (sensação de saciedade); Em gramíneas, por ex., ocorrem em proporções superiores à 60%
  • 18. Importância das sementes As sementes foram, e ainda são, a maneira mais fácil e mais barata de alimentação de um povo. - Em 1972, Kozlowski & Gunn: composição percentual na dieta humana de grãos (cereais e leguminosas) e produtos de origem animal (carne, leite, ovos, etc). Países subdesenvolvidos: 65-75% (grãos) / 25-35% (origem animal) Países desenvolvidos: +35% (grãos) / +65% (origem animal) Além do valor como alimento (direta/indiretamente), também constitui matéria-prima para a produção de vários artigos essenciais ou representam os materiais de multiplicação de plantas importantes para a produção de: - vestuário; - produtos medicinais; - bebidas; - madeira; - papel; - combustíveis; - rações para animais; - etc.
  • 19. Importância das sementes 4. Como material de pesquisa Tamanho e forma: recipientes pequenos; armazenadas em grande quantidade. Desidratação: conservar por longos períodos de tempo. Organização fisiológica e bioquímica. Tecnologia de armazenamento de sementes Bancos de germoplasma
  • 20. Importância das sementes Melhoramento genético de plantas  via sexuada As sementes constituem o centro das alterações genéticas naturais ou das planejadas pelos melhoristas. Características de concentram nas sementes  obtenção e difusão das características incorporadas aos novos cultivares. Mecanismo mais rápido e eficiente de difusão de novos cultivares.
  • 21. Importância das sementes 5. Como inimigo do homem  problemas causados por sementes Mecanismos de dispersão e de dormência Conquista da Terra x controle de plantas daninhas Sementes produzidas com cuidado e de origem idônea  - sementes de plantas daninhas, que podem hospedar organismos nocivos, causar dificuldades à colheita e ao beneficiamento, impedir a comercialização dos lotes - queda de 5-10% da produção mundial de grãos. Disseminação de pragas e doenças
  • 22. - Principal veículo de reprodução das plantas através do tempo e no espaço. - Forma de distribuir os melhoramentos genéticos às sucessivas gerações. - Importância econômica como alimento (correspondem a 60-70% dos alimentos consumidos mundialmente). - Transformadas pela agroindústria em uma variedade de produtos. (EMBRAPA, 2005) Importância da semente
  • 23. O mercado de sementes Semente  MAIS IMPORTANTE INSUMO AGRÍCOLA 1. Conduz ao campo as características genéticas determinantes do desempenho do cultivar; 2. Responsável ou contribui decisivamente para o sucesso do estabelecimento do estande desejado, fornecendo a base para a produção rentável.
  • 24. O mercado de sementes Novos desafios da AGRICULTURA  Crescimento populacional;  Aumento da renda média nos países em desenvolvimento;  Aumento da demanda por alimentos;  Aumento da produtividade;  Produção sustentável;  Novas fontes de energia.
  • 30. Kg/ha
  • 38. Considerações Finais  Percebe-se a importância da semente, desde os primórdios da humanidade até os dias atuais. Semente insumo básico em qualquer produção agrícola;  Uma das soluções para alimentar a crescente população mundial passa pelo aumento na produção de grãos, proporcionado pela utilização de sementes de alta qualidade.