SlideShare uma empresa Scribd logo
Análises de Grãos e
Sementes
Avaliar a Qualidade do Grão
Qualidades Básicas
• A avaliação da qualidade dos grãos pode
variar de acordo com a atualização final do
produto. Em geral, é o consumidor que deve
especificar as características desejadas do
grão, de maneira que o produtor e/ou
processador possa fornecer um produto com
qualidade a um custo mínimo.
Qualidade Fisiológica
• As características biológicas a serem preservadas
dizem respeito aos aspecto anatômicos,
morfológicos, fisiológicos e organolépticos.
• Um grão sadio e bem formado, sem alterações
no pericarpo, endosperma e embrião, apresenta
normalidade para as funções biofisiológicas,
como respiração, germinação e higroscopia
própria do material biológico, bem como
coloração, odor e sabor próprio da espécie
gerada.
Monitoramento da Qualidade
• O monitoramento da qualidade é realizado
através do acompanhamento das variáveis de
depreciação do grão, a fim de se detectar, de
forma rápida, as alterações na qualidade do
produto para a manutenção da qualidade final.
• Esse monitoramento deve ser realizado durante
todo o processo produtivo, seja no campo,
durante a colheita, seja no armazenamento, por
meio de inspeções periódicas, baseadas em
sistemas de amostragens de insetos, fungos,
temperatura e umidade do grão.
Determinar o momento ideal para
proceder à colheita
• Ponto de Maturidade
Durante a maturação, os grãos passam por
distintas modificações, facilmente
identificáveis no campo: grãos
leitosos, grãos em massa mole
e grãos em massa dura.
Neste estádio de desenvolvimento ocorre a ruptura entre a
planta-mãe e o grão, não havendo mais acréscimo de
matéria seca, estando a umidade entre 25% a 30%.
Ao perder umidade, o grão reduz o seu tamanho e torna-se
mais consistente.
O ponto de maturação fisiológica do grão de soja é quando
ele apresenta 25% de base úmida.
Teoricamente, o ponto de maturidade fisiológica seria o
ideal para se proceder a colheita; no entanto, os níveis de
umidade dos grãos dificultam a colheita mecânica,
podendo acarretar danos nestes e embuchamentos por
folhas e partes da planta nos sistemas de corte e
transporte das automotrizes. Para evitar esses problemas,
retarda-se a colheita, aguardando índices inferiores de
umidade, porém não abaixo de 16%, para evitar perdas
por degrana, insetos, fungos e outras causas.
Para a cultura da soja, o momento ideal de colheita é
quando a faixa de umidade está entre 22% a 18%.
Faça a amostragem da Lavoura
Ex: Soja
As amostras coletadas devem ser colocadas em
um balde
Etapas
Vá até o talhão da
lavoura a ser amostrado
Percorra a área ao acaso até o
primeiro Ponto
Pontos de coleta de amostras
Colete as vagens
Para se obter uma amostra uniforme, deve-se coletar as vagens em toda a
extensão da planta.
Coloque as vagens no balde
Repita as operações nos outros pontos
Debulhe as Vagens
Retire as impurezas
Atenção: Para retirar as
impurezas finas sobre os
grãos, pode-se utilizar a força
do vento ou soprá-las
Misture bem os grãos debulhados
Retire do balde 250 gramas,
aproximadamente , dos grãos debulhados
Verifique a consistência dos Grãos
A verificação da consistência dos grãos é uma prática usada para
confirmar a possibilidade de início da colheita mecânica.
Pegue 25 gramas,
aproximadamente, da amostra
Pressione os grãos para verificar
a sua consistência.
Se, ao pressionar os grãos, 50%
ou mais estiverem com
consistência de grão duro, isto
significa que a lavoura está no
ponto ideal de colheita.
Importância da Patologia de Sementes
• Requisitos Básicos
• Objetivo dos Testes de Sanidade
• Importância
Métodos Utilizados
• Detecção de fungos
o Incubação em papel absorvente (“blotter”)
o Incubação em meio ágar
o Cultivo em Solo
o Métodos especiais
o Métodos de Detecção de Bactérias e Vírus
o Detecção de Nematóides
O Transporte de Microorganismos pelas
sementes
• De modo geral, a transporte de patógenos por sementes pode ser
efetuada de três maneiras.
 No primeiro caso, a patógeno, separado ou não, encontra-se em
mistura com as sementes, fazenda parte da fração impura do lote.
 Uma segunda maneira pela qual certos patógenos podem ser
transportados pelas sementes é por adesão passiva à superfície
destas.
 A presença de inoculo no
interior das
sementes, seja nas
camadas externas,
ou no embrião, caracteriza
a terceira maneira
de transporte interno
de patógenos.
Significado da Associação de
Patógenos com Sementes
• Considerações Econômicas
 Tipos de danos causados por patógenos associados a
sementes
 A semente como meio de sobrevivência de Patógenos
 A semente como meio de
Introdução e acúmulo
de inoculo em áreas de Cultivo
 A semente como meio de
disseminação de Patógenos à
longas distancias.
 A patologia de sementes e a quarentena
Mecanismos e Dinâmica da Transmissão
de Patógenos por Sementes
Ao lado de fatores do solo, tais como umidade,
temperatura, acidez, nutrientes minerais e
orgânicos, o potencial de inoculo, a microflora do
solo e da semente e a próprio tipo de germinação
são alguns dos fatores que podem afetar
estabelecimento do patógeno em uma cultura a
partir da semeadura.
Métodos de controle em campos de
sementes (fase pré-colheita)
Seleção de cultivares
• Seleção de Áreas
• Práticas Culturais
• Inspeções de Campo
 Métodos de Controle em Sementes (fase pós-colheita)
• Medidas Separatórias na Fase de beneficiamento
• Inativação de inoculo durante o armazenamento
• Indexação de Sementes
• Tratamento direto de sementes
1. Métodos Biológicos
2. Métodos Físicos
3. O tratamento químico de Sementes
Características que afetam a
Qualidade das Sementes
• Pureza varietal
• Pureza física
a) sementes puras: são as pertencentes a espécie e variedade indicadas pelo
remetente (produtor), maduras e não danificadas;
b) sementes de outras plantas cultivadas: são as de espécie ou variedade diferente das
sementes puras, porém do plantas cultivadas;
c) sementes de plantas silvestres: são as sementes, bulbilhos ou tubérculos de plantas
reconhecidas como ervas-más.
d) material inerte: tudo que acompanha o lote e não é semente, inclusive fragmento
menor que a metade do tamanho original das sementes, sementes chochas, etc.
• Germinação
• Valor cultural
• Vigor
• Teor de umidade
• Presença de microorganismos
• Presença de insetos
• Uniformidade
• Peso volumétrico
FIMMarcel Thomas Job
Estudante de Engenharia Agrícola e Ambiental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
Rural Pecuária
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
Geagra UFG
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
Andre Vinicius
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Matheus Majela
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
Evangela Gielow
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
carlinhosmatos
 
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à ColheitaCANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
GETA - UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Marcos Fontes
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Revista Cafeicultura
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
Cristóvão Lopes
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Bruno Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Tratamento de sementes
Tratamento de sementesTratamento de sementes
Tratamento de sementes
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHOBIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
BIOTECNOLOGIAS DE SOJA E MILHO
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à ColheitaCANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
CANA DE AÇÚCAR Plantio à Colheita
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCAApresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
Apresentação Culturas Anuais Caxias - MA, MILHO, ARROZ, FEIJÃO E MANDIOCA
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agriculturaUnidade 01 importância das sementes para a agricultura
Unidade 01 importância das sementes para a agricultura
 

Destaque

Classificação de Cereais
Classificação de Cereais Classificação de Cereais
Classificação de Cereais
André Sá
 
Grãos
GrãosGrãos
TCC classificação de grãos
TCC classificação de grãos TCC classificação de grãos
TCC classificação de grãos
Waldo Santos
 
Classificação atualizada
Classificação atualizadaClassificação atualizada
Classificação atualizada
André Sá
 
Os cereais.
Os cereais.Os cereais.
Os cereais.
Yoan Rodriguez
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
Alvaro Galdos
 
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr IvomboaIncidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Ivaristo Americo
 
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
equipeagroplus
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Pelo Siro
 
Folheto Camilo Semedo
Folheto Camilo SemedoFolheto Camilo Semedo
Folheto Camilo Semedo
Isi Soares
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
Controle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitaisControle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitais
BIOMAX Controle de Pragas
 
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
Elvio Giasson
 
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n
Sandro Marcelo de Caires
 
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicosPeske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Bruno Rodrigues
 
Agric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 bAgric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 b
Dirceu Gassen
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Bruno Rodrigues
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Elvio Giasson
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
CETEP, FTC, FASA..
 

Destaque (20)

Classificação de Cereais
Classificação de Cereais Classificação de Cereais
Classificação de Cereais
 
Grãos
GrãosGrãos
Grãos
 
TCC classificação de grãos
TCC classificação de grãos TCC classificação de grãos
TCC classificação de grãos
 
Classificação atualizada
Classificação atualizadaClassificação atualizada
Classificação atualizada
 
Os cereais.
Os cereais.Os cereais.
Os cereais.
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
 
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr IvomboaIncidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
Incidência das perdas causadas pelas pragas no pos colheita dr Ivomboa
 
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
SojaPlusMG_Workshop3_Apresentacao_Abiove_Bernardo.2015.04.24
 
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenadosFungos e micotoxinas em graos armazenados
Fungos e micotoxinas em graos armazenados
 
Folheto Camilo Semedo
Folheto Camilo SemedoFolheto Camilo Semedo
Folheto Camilo Semedo
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Controle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitaisControle de pragas para hospitais
Controle de pragas para hospitais
 
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
Sistema Brasileiro de Classificação da Aptidão Agrícola das Terras (SiBCAAT)
 
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
Aprendar a identificar os amigos naturais do agricultor agroecológico
 
20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n20 perguntas sobre fixação biológica de n
20 perguntas sobre fixação biológica de n
 
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicosPeske et al. 2003 sementes   fundamentos cientificos e tecnologicos
Peske et al. 2003 sementes fundamentos cientificos e tecnologicos
 
Agric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 bAgric prec 25set2013 b
Agric prec 25set2013 b
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
 

Semelhante a Análises de Grãos

C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
sedis-suporte
 
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - finalThiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago Pinheiro
 
Controle Alternativo na Patologia de Sementes
Controle Alternativo na Patologia de SementesControle Alternativo na Patologia de Sementes
Controle Alternativo na Patologia de Sementes
David Vitor
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
HeribertoRodrigues2
 
Teste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdfTeste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdf
DiegoAntoniodomingos
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
IFRO
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
rigottims
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
AprendizRuralPardinho
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
Bruno Rodrigues
 
Na trilha do sucesso
Na trilha do sucessoNa trilha do sucesso
Na trilha do sucesso
Agricultura Sao Paulo
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Embrapa Milho e Sorgo
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Bruno Rodrigues
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
AprendizRuralPardinho
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Emidio Barros
 
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Bruna Regensburger
 
Colheitas...............................
Colheitas...............................Colheitas...............................
Colheitas...............................
JaymeTavares4
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
UERGS
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
AprendizRuralPardinho
 
Xenobióticos no solo
Xenobióticos no soloXenobióticos no solo
Xenobióticos no solo
Jadson Belem de Moura
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
FranciscoFranca8
 

Semelhante a Análises de Grãos (20)

C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - finalThiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
Thiago M. Pinheiro - Painel Congresso Brasileiro de Fitopatologia 2010 - final
 
Controle Alternativo na Patologia de Sementes
Controle Alternativo na Patologia de SementesControle Alternativo na Patologia de Sementes
Controle Alternativo na Patologia de Sementes
 
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A ESTRESSE SALINO EM SEMENTES DE ARROZ COM O USO DE MOL...
 
Teste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdfTeste de Sanidade.pdf
Teste de Sanidade.pdf
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
 
Cultivo 1
Cultivo 1Cultivo 1
Cultivo 1
 
Revista aprendiz
Revista aprendizRevista aprendiz
Revista aprendiz
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
 
Na trilha do sucesso
Na trilha do sucessoNa trilha do sucesso
Na trilha do sucesso
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementesUnidade 03 composição química e maturação das sementes
Unidade 03 composição química e maturação das sementes
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)
 
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
 
Colheitas...............................
Colheitas...............................Colheitas...............................
Colheitas...............................
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
 
Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012Revista aprendiz2012
Revista aprendiz2012
 
Xenobióticos no solo
Xenobióticos no soloXenobióticos no solo
Xenobióticos no solo
 
Micropropagação.pdf
Micropropagação.pdfMicropropagação.pdf
Micropropagação.pdf
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Análises de Grãos

  • 1. Análises de Grãos e Sementes
  • 3. Qualidades Básicas • A avaliação da qualidade dos grãos pode variar de acordo com a atualização final do produto. Em geral, é o consumidor que deve especificar as características desejadas do grão, de maneira que o produtor e/ou processador possa fornecer um produto com qualidade a um custo mínimo.
  • 4. Qualidade Fisiológica • As características biológicas a serem preservadas dizem respeito aos aspecto anatômicos, morfológicos, fisiológicos e organolépticos. • Um grão sadio e bem formado, sem alterações no pericarpo, endosperma e embrião, apresenta normalidade para as funções biofisiológicas, como respiração, germinação e higroscopia própria do material biológico, bem como coloração, odor e sabor próprio da espécie gerada.
  • 5. Monitoramento da Qualidade • O monitoramento da qualidade é realizado através do acompanhamento das variáveis de depreciação do grão, a fim de se detectar, de forma rápida, as alterações na qualidade do produto para a manutenção da qualidade final. • Esse monitoramento deve ser realizado durante todo o processo produtivo, seja no campo, durante a colheita, seja no armazenamento, por meio de inspeções periódicas, baseadas em sistemas de amostragens de insetos, fungos, temperatura e umidade do grão.
  • 6. Determinar o momento ideal para proceder à colheita • Ponto de Maturidade Durante a maturação, os grãos passam por distintas modificações, facilmente identificáveis no campo: grãos leitosos, grãos em massa mole e grãos em massa dura.
  • 7. Neste estádio de desenvolvimento ocorre a ruptura entre a planta-mãe e o grão, não havendo mais acréscimo de matéria seca, estando a umidade entre 25% a 30%. Ao perder umidade, o grão reduz o seu tamanho e torna-se mais consistente. O ponto de maturação fisiológica do grão de soja é quando ele apresenta 25% de base úmida. Teoricamente, o ponto de maturidade fisiológica seria o ideal para se proceder a colheita; no entanto, os níveis de umidade dos grãos dificultam a colheita mecânica, podendo acarretar danos nestes e embuchamentos por folhas e partes da planta nos sistemas de corte e transporte das automotrizes. Para evitar esses problemas, retarda-se a colheita, aguardando índices inferiores de umidade, porém não abaixo de 16%, para evitar perdas por degrana, insetos, fungos e outras causas. Para a cultura da soja, o momento ideal de colheita é quando a faixa de umidade está entre 22% a 18%.
  • 8. Faça a amostragem da Lavoura Ex: Soja As amostras coletadas devem ser colocadas em um balde
  • 9. Etapas Vá até o talhão da lavoura a ser amostrado Percorra a área ao acaso até o primeiro Ponto Pontos de coleta de amostras
  • 10. Colete as vagens Para se obter uma amostra uniforme, deve-se coletar as vagens em toda a extensão da planta. Coloque as vagens no balde
  • 11. Repita as operações nos outros pontos Debulhe as Vagens
  • 12. Retire as impurezas Atenção: Para retirar as impurezas finas sobre os grãos, pode-se utilizar a força do vento ou soprá-las Misture bem os grãos debulhados Retire do balde 250 gramas, aproximadamente , dos grãos debulhados
  • 13. Verifique a consistência dos Grãos A verificação da consistência dos grãos é uma prática usada para confirmar a possibilidade de início da colheita mecânica. Pegue 25 gramas, aproximadamente, da amostra Pressione os grãos para verificar a sua consistência. Se, ao pressionar os grãos, 50% ou mais estiverem com consistência de grão duro, isto significa que a lavoura está no ponto ideal de colheita.
  • 14. Importância da Patologia de Sementes • Requisitos Básicos • Objetivo dos Testes de Sanidade • Importância
  • 15. Métodos Utilizados • Detecção de fungos o Incubação em papel absorvente (“blotter”) o Incubação em meio ágar o Cultivo em Solo o Métodos especiais o Métodos de Detecção de Bactérias e Vírus o Detecção de Nematóides
  • 16. O Transporte de Microorganismos pelas sementes • De modo geral, a transporte de patógenos por sementes pode ser efetuada de três maneiras.  No primeiro caso, a patógeno, separado ou não, encontra-se em mistura com as sementes, fazenda parte da fração impura do lote.  Uma segunda maneira pela qual certos patógenos podem ser transportados pelas sementes é por adesão passiva à superfície destas.  A presença de inoculo no interior das sementes, seja nas camadas externas, ou no embrião, caracteriza a terceira maneira de transporte interno de patógenos.
  • 17. Significado da Associação de Patógenos com Sementes • Considerações Econômicas  Tipos de danos causados por patógenos associados a sementes  A semente como meio de sobrevivência de Patógenos  A semente como meio de Introdução e acúmulo de inoculo em áreas de Cultivo  A semente como meio de disseminação de Patógenos à longas distancias.  A patologia de sementes e a quarentena
  • 18. Mecanismos e Dinâmica da Transmissão de Patógenos por Sementes Ao lado de fatores do solo, tais como umidade, temperatura, acidez, nutrientes minerais e orgânicos, o potencial de inoculo, a microflora do solo e da semente e a próprio tipo de germinação são alguns dos fatores que podem afetar estabelecimento do patógeno em uma cultura a partir da semeadura.
  • 19. Métodos de controle em campos de sementes (fase pré-colheita) Seleção de cultivares • Seleção de Áreas • Práticas Culturais • Inspeções de Campo  Métodos de Controle em Sementes (fase pós-colheita) • Medidas Separatórias na Fase de beneficiamento • Inativação de inoculo durante o armazenamento • Indexação de Sementes • Tratamento direto de sementes 1. Métodos Biológicos 2. Métodos Físicos 3. O tratamento químico de Sementes
  • 20. Características que afetam a Qualidade das Sementes • Pureza varietal • Pureza física a) sementes puras: são as pertencentes a espécie e variedade indicadas pelo remetente (produtor), maduras e não danificadas; b) sementes de outras plantas cultivadas: são as de espécie ou variedade diferente das sementes puras, porém do plantas cultivadas; c) sementes de plantas silvestres: são as sementes, bulbilhos ou tubérculos de plantas reconhecidas como ervas-más. d) material inerte: tudo que acompanha o lote e não é semente, inclusive fragmento menor que a metade do tamanho original das sementes, sementes chochas, etc. • Germinação • Valor cultural • Vigor • Teor de umidade • Presença de microorganismos • Presença de insetos • Uniformidade • Peso volumétrico
  • 21. FIMMarcel Thomas Job Estudante de Engenharia Agrícola e Ambiental