SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE MUSSA BIN BIQUE
FACULDADE DE GESTÃO E CONTABILIDADE
CONTABILIDADE DE GESTÃO II
GESTÃO ORÇAMENTAL
Introdução
O funcionamento de uma empresa industrial caracteriza-se, de modo sucinto, pela aquisição,
armazenagem e transformação de matérias em produtos acabados com recurso a máquinas e operários.
Os produtos fabricados aguardam, no armazém, por sua vez, a recepção dos pedidos dos clientes, cuja
execução dá origem a facturas e consequentes recebimentos.
Contudo, podem se levantar algumas questões:Como fixar o programa de fabrico? E o nível de stocks
adequado? As matérias-primas são suficientes? Os meios envolvem o recurso ao crédito alheio?
Etc...
Hoje não é conceptível que o gestor possa desempenhar a sua função na empresa sem dispor de um
plano de acção, o qual tem que assentar em pressupostos minimamente válidos.
A gestão orçamental abrange as funções de planeamento e controlo; logo, não é mais do que uma
aplicação restrita dos princípios gerais da gestão de empresas, abrangendo as referidas funções de
planeamento e controlo.
Planeamento
A gestão tradicional é baseada na óptica da exploração: estar mais de perto relacionado com os
problemas quotidianos da empresa e conduzir a resultados imediatos.
A gestão moderna das empresa tem que ser considerada segundo duas ópticas, que se completam: a
óptica da exploração e a óptica do planeamento.
A óptica do planeamento consiste em fixar os objectivos da empresa nos domínios fundamentais da
sua actividade, para um período determinado (um ou mais anos) e obter a adesão a esses objectivos por
todos os elementos da empresa.
As necessidades de planeamento variam de empresa para empresa, dentre as quais destacamos:
1. Razões de ordem externa:
- Evolução das condições políticas, sociais e económicas;
- Integração económica dos países;
- Exigência de uma análise de mercados aperfeiçoados, devido ao aumento progressivo dos
rendimentos disponíveis;
- Aumento da dimensão das empresas, o que implica um investimento cada vez maior de
capitais;
- Aceleração do ritmo do progresso tecnológico (computadores, robots, automação, etc.);
- Revisões dos métodos de gestão - aparecimento dos computadores, estatísticas,
investigação operacional, etc.
2. Imperativos de agressividade:
- No plano empresarial, os gestores têm cada vez mais necessidade de reagir ao meio que os
rodeia;
- O improviso conduz normalmente a situações de desequilíbrio.
- Torna-se necessário definir um plano harmonioso de modo que a empresa tome a iniciativa
das operações, propondo-se atingir os seus objectivos.
3. Crise interna
- Abaixamento da taxa de crescimento das vendas (produtos secundários e de luxo);
- Envelhecimento dos produtos;
- Pressão da concorrência (nacional e internacional);
- Existência de recursos não aproveitados ou mal aproveitados (empresas de construção
civil);
- Pressões salariais.
4. Razões de oportunidade
- Reorganização de serviços;
- Adopção do planeamento por parte das empresas concorrentes;
VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PLANEAMENTO
VANTAGENS:
A elaboração de planos cria custos para a empresa. Todavia, daí advêm vantagens que são:
- os planos permitem a detecção de dificuldades e estrangulamentos (a prior);
- os planos obrigam mesmo a fazer um diagnóstico da empresa: conhecimento dos seus
pontos fortes e fracos, análise do meio em que a empresa se insere, detecção de ameaças
futuras e ocasiões favoráveis a serem aproveitadas;
- os planos incitam os responsáveis a aplicar a direcção por objectivos;
Sergio Alfredo Macore
- os planos facilitam a coordenação da gestão corrente;
- os planos conduzem à participação dos responsáveis na construção do destino da empresa.
DESVANTAGENS:
O insucesso do planeamento deve-se, fundamentalmente, às seguintes causas:
- os diversos elementos do plano não foram convenientemente apreendidos;
- alguns dos gestores não estão comprometidos no planeamento. Convém que estejam todos,
- a responsabilidade do planeamento pertence apenas ao departamento de planeamento; não
pode ser;
- espera-se que os planos sejam cumpridos na íntegra, quando estes devem ser flexíveis;
- o arranque do planeamento é tardio, pelo que deve ser sacrificada a perfeição pela rapidez,
principalmente no primeiro ano;
- os planos devem ser seguidos, devem-se utilizar numa informação adequada.
Controlo
Comparação entre as actividades planeadas e realizadas e análise dos respectivos desvios, para
accionamento de um mecanismo de "feed-back", que permite:
- a correcção nas próximas actividades, do modelo adoptado;
- a escolha de outro modelo de actividades, quando o anterior se revelar ineficaz;
- a revisão do método de previsão, quando o anterior se revelar pouco realista
Ora, estas tarefas (planeamento e controlo) só podem ser satisfatoriamente realizadas quando os
respectivos responsáveis dispõem de informações abundantes, precisas e oportunas, as quais, na sua
maior parte, hão de ser fornecidas pela Contabilidade, como técnica de informação ao serviço da
empresa.
A gestão orçamental trata do planeamento a curto prazo e consiste no seguinte:
1) Previsão
É o estudo antecipado da decisão, ou seja, o estudo da possibilidade e desejo de concretizar. É uma
atitude voluntária, colectiva e científica face à acção futura.
É uma atitude voluntária, pois baseia-se na descrição do quadro interior da empresa, onde esta se terá
de inserir.
É uma atitude colectiva, pois cada um, no nível em que se situa, vai participar na elaboração dos
programas. Todos os responsáveis interessados se associam ao projecto e colaboram na sua
concretização.
É uma atitude científica, de base estatística e económica, não esquecendo a intenção de cada um dos
intervenientes no processo.
2) Elaboração de orçamentos
Os orçamentos devem ser elaborados por meses. Normalmente, em Novembro/Dezembro do ano
anterior são elaborados os orçamentos do ano, por trimestres. Em Dezembro, elabora-se o
Sergio Alfredo Macore
reajustamento do orçamento, discriminado por meses, relativo a Janeiro, Fevereiro e Março, e assim
sucessivamente. No mês anterior é elaborado o orçamento do mês seguinte, por semanas.
No fim de cada trimestre, após a comparação com o real, podemos ajustar os orçamentos dos trimestre
seguintes.
3) Cálculo dos desvios
Faz-se a comparação dos orçamentos com o real, isto é, calculam-se os desvios. Devem ser efectuados
todos os meses.
Estes desvios devem ser enviados para todos os responsáveis que elaboraram os orçamentos a fim de
estes apreciarem os desvios, e justificarem perante o serviço de controlo orçamental.
4) Justificação dos desvios
A administração da empresa, após receber a justificação dos desvios, deve repensar a actividade e
transmitir pelos respectivos órgãos hierárquicos directivas no sentido de corrigir as anomalias que se
estão a verificar.
5) Descentralização da responsabilidade
Esta técnica pressupõe uma descentralização da responsabilidade por centros de responsabilidade
(direcção) e estes divididos por centros de custos (departamentos), mas também pressupõe a
responsabilidade global por parte da administração.
6) Responsabilidade
A responsabilidade de um orçamento implica o acordo do responsável pelo orçamento e do seu
superior hierárquico. Só assim é possível a co-responsabilidade.
7) Filosofia da empresa
Por vezes, surgem dificuldades na montagem desta nova filosofia nas empresa, devido,
fundamentalmente, ao seguinte:
- ignorância em matérias de gestão por parte dos gestores;
- há relutância por parte das pessoas em debruçar-se sobre o futuro e elaborar previsões;
- normalmente, mantêm-se as previsões como certezas, o que, no nosso entender, são
estimativas e não certezas;
- resulta de uma má informação. O controller não consegue transmitir aos responsáveis as
vantagens e benefícios que esta nova técnica permite. Este pode ajudar os outros órgãos a
elaborar os orçamentos, mas deverá explicar que o interesse destes é para eles e não para si.
Não podemos ter pretensões de logo no primeiro ano termos bons resultados na elaboração dos
orçamentos. A experiência diz-nos que só ao fim de três a quatro anos nos é possível elaborar bons
Sergio Alfredo Macore
orçamentos, apurar desvios e tomar medidas correctivas acertadas. Regra geral, o pivot dos orçamentos
é o orçamento das vendas, pois sem mercado nada feito.
Dentre as várias técnicas de gestão, entende-se por controlo orçamental a tradução quantitativa e
previsional de um programa de acção, que virá, mais tarde, a ser comparado com os resultados
efectivos dessa acção.
Nem sempre é fácil projectar o futuro da vida de empresa. Todavia, nos dias de hoje, torna-se
imperiosa a implantação do controlo orçamental, dadas as seguintes vantagens:
 elaborar previsões, sendo avaliado o risco das decisões a tomar,
 descentralização eficaz e segura;
 participação do pessoal na vida e no comportamento da empresa.
Para a sua implementação os passos a seguir são os seguintes:
1º. Previsão - inventariação das hipóteses;
2º. Programa - escolha e quantificação das hipóteses;
3º. Orçamento - valorização das hipóteses;
4º. Controlo - comparação com a realidade;
5º. Desvios- determinação das causas dos desvios,
6º. Tomada de decisões - tomada de decisões correctivas de molde a evitar os mesmos desvios.
Gerir uma empresa, tal como governar um país, implica sempre uma acção e a necessidade de
previsão.
FASES DO MÉTODO ORÇAMENTAL
1ª) Previsão
A previsão consiste no estudo antecipado da decisão, bem como a possibilidade e o desejo de a
concretizar.,
Este estudo compreende:
⇒ Definição do estudo previsional propriamente dito
• desejo de fundamentar o conhecimento futuro em métodos científicos e quantitativos;
• desejo de que seja reconhecido entre os participantes na vida da empresa;
• a previsão deve ser uma atitude voluntária entre os compromissos dos vários intervenientes.
⇒ Objectivos e meios de acção
• a previsão contém a vontade de querer modificar a situação actual da empresa, mas melhorá-la;
• estabelecer compromissos entre os objectivos e os meios que a empresa dispões e definir os
objectivos razoáveis.
Sergio Alfredo Macore
2ª) Programa e o Orçamento
Consiste em definir o programa de acção da política geral para cada uma das suas funções (vendas,
aprovisionamento, produção, etc.) e traduzir este programa no orçamento (em quantidades e valores).
Nesta fase temos que ter em atenção:
⇒ A organização da empresa
• divisão dos orçamentos por níveis de responsabilidade;
• reorganização das estruturas da empresa;
• utilização da contabilidade analítica, adaptando esta à medição da organização orçamental;
• identidade entre centros de custo e centros de responsabilidade.
⇒ O equilíbrio microeconómico
• o orçamento representa, entre encargos e proveitos, bem como entre receitas e despesas, bem
como entre pagamentos e recebimentos;
• o equilíbrio global deve ser ponderado, tendo em vista o ano futuro, como os próximos anos (é
o caso do orçamento dos investimentos);
• reflexão da evolução económica, nomeadamente: variação da actividade, variação dos preços e
conjuntura actual.
⇒ Revisão do orçamento, ou seja, qualquer orçamento pode ser revisto, sempre que as circunstâncias
o exigirem.
3ª) Controlo e análise dos desvios
Consiste na comparação entre as previsões e as realizações, bem como na análise dos desvios. Nesta
fase temos que ter em atenção:
• para uma perfeita comparação, torna-se necessário comparar as rubricas orçamentadas e
contabilísticas (idênticas);
• a comparação deve ser rápida, pois um desvio significativo pode indicar um erro de gestão. É
necessário informar o interessado o mais breve possível;
• na prática, considera-se como razoável o apuramento dos desvios nos orçamentos mensais, ao
fim do prazo de dez dias. No orçamento anual, ao fim de um mês após terminar o ano em
causa;
• só o interessado recebe a informação que lhe diz respeito;
• são considerados desvios sem significado os que estejam abaixo de + 3%;
• todos os responsáveis devem interpretar os desvios, determinar as razões de uma ocorrência e
propor medidas correctivas ao superior hierárquico.
A interpretação global dos desvios deverá ser atribuida a uma única pessoa (controller de gestão).
Este controller deverá elaborar um relatório de síntese, pelo método das excepções, chamando a
atenção para os resultados anormais que é necessário corrigir.
Depois de diversas reuniões entre os vários responsáveis pelos orçamentos, deverão surgir as acções
correctivas. Nestas reuniões, ao mais alto nível da direcçaõ da empresa, são analisados os documentos-
síntese, bem como os comentários e esclarecimentos neles contidos. Assim, surgem os orçamentos
ajustados.
Sergio Alfredo Macore
VANTAGENS DA GESTÃO ORÇAMENTAL
Ninguém tem dúvidas acerca das vantagens que advêm para a empresa derivadas da aplicação do
método da gestão orçamental. No entanto, isto não significa que a sua implementação na generalidade
das empresas não acarreta dificuldades nada fáceis de ultrapassar.
Em primeiro lugar, existe uma grande ignorância dos princípios de gestão. Em muitas empresa,
normalmente, as pessoas vêm os orçamentos como um meio de controlo dos superiores hierárquicos e
não como um auxiliar da sua gestão. Daí a sua grande descrença relativamente ao sistema.
Em segundo lugar, as pessoas não gostam de prever o futuro. De um modo geral, argumentam que as
previsões nunca coincidem com a realidade e isto serve de autojustificação para a não elaboração de
quaisquer previsões ou estimativas.
Por último, para que os orçamentos possibilitem uma acção eficaz, torna-se necessário que sejam
elaborados e discutidos com os diversos responsáveis da empresa. Há a tendência para encarregar a sua
elaboração a um órgão de "staff" (controlo de gestão, controlo orçamental, planeamento e controlo,
…), atendendo à capacidade vulgarmente demonstrada pelas pessoas que aqui trabalham e não recorrer
aos responsáveis pelas diversas áreas funcionais (embora com o apoio daquele órgão).
A implantação da Gestão Orçamental numa empresa permite:
- criar hábitos de ordem, de previsão e de cumprimento de prazos;
- fomentar o espírito de equipa, como consequência da necessidade de coordenação entre os
diversos sectores da empresa;
- contribuir para a definição concreta das responsabilidades, para a descentralização das
mesmas e para a tomada de consciência pelos responsáveis das consequências das acções
por eles empreedidas.
DIFICULDADES DA GESTÃO ORÇAMENTAL
1- Estrutura orgânica
A implantação da Contabilidade Analítica exige que a estrutura orgânica da empresa
(organograma, funções dos órgãos e seus responsáveis) se encontrem convenientemente definidos.
Se assim não for, é difícil atribuir responsabilidades pelos desvios;
2- Reacção dos quadros
Deve-se estar preparado para a reacção que certos quadros da empresa manifestam em relação à
implantação da Gestão Orçamental, fundamentalmente por duas razões:
- os hábitos adquiridos de não planificar as actividades e com a aversão a pensar no futuro;
- o facto de sentirem que irão ser controlados se se implantar o sistema;
3- Os objectivos que se fixarem devem ser aqueles que é possível alcansar em condições normais de
funcionamento da empresa e do meio em que se insere. Portanto, não devem ser estabelecidos
objectivos não alcançáveis e que por isso desinteressem os gestores que por eles devem responder,
nem o caso inverso.
Sergio Alfredo Macore
4- Formação
A implantação da Gestão Orçamental deve ser precedida de acções de formação tendentes a que os
responsáveis das diversas áreas da empresa disponham dos conhecimentos mínimos necessários
sobre as técnica orçamental, conheçam o sistema em termos gerais e sejam predispostos
psicologicamente para as tarefas que implica.
Também, a implantação da gestão orçamental exige o empenho da administração da empresas e
dos seus quadros superiores, sem o qual tal acção estará certamente condenada ao fracasso.
A implantação de um orçamento leva tempo. Muitas vezes a administração se impacienta e perde
interesse, pois espera grandes coisas cedo demais.
IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ORÇAMENTAL
A implantação da Gestão Orçamental exige as seguintes condições prévias:
1. Organização racional da empresa e definição de responsabilidades;
2. Existência de informação de base de dados computarizados;
3. Adaptação da Contabilidade Geral e Analítica;
4. Adesão dos responsáveis;
5. Bom clima de trabalho;
6. Definição dos objectivos.
O programa da implantação deve ser desta ordem:
1) Preparação, dois meses:
- divisão da empresa em centros de responsabilidade;
- preparação dos standards;
- definir os encargos fixos e variáveis;
- sessão de infromação e propostas de orçamentos;
2) Arranque, dois meses:
- exame do primeiro mês de resultados;
- análise dos primeiros desvios;
- convocação de reuniões orçamentais.
3) Revisão, um mês:
- revisão dos standards;
- sessões de aperfeiçoamento;
- melhoramento da qualidade dos resultados.
4) Sistematização, três meses:
- divulgação dos primeiros resultados, a 15 do mês seguinte;
- divulgação semanal de determinados resultados.
FUNÇÕES DO CONTROLO ORÇAMENTAL
Sergio Alfredo Macore
Deve ser criado um departamento de controlo da gestão sempre que a empresa tivere um volume de
negócios significativo, um número de efectivos e um volume de investimentos considerável.
Nas pequenas e médias empresas, a função é desempenhada pelo director financeiro. Nas empresas
com mais de 1 000 pessoas devem criar um serviço próprio a nível de director de serviço ou chefe de
divisão.
Independentemente da posição hierárquica que possa desempenhar, o controller ou controlador de
gestão, deve possuir as seguintes qualidades:
1. Ser um bom manipulador de números;
2. Deve familiarizar-se com os serviços ou departamentos,
3. Deve ter preocupações de rentabilidade;
4. Deve inspirar confiança para poder convencer;
5. Deve ser aberto, isto é, ter espírito diplomático;
6. Prática na condução de reuniões.
ORÇAMENTOS DA EMPRESA
Os orçamentos resultam de previsões feitas no curto prazo (até um ano). Tais planos devem ser
sempre fixados, para cada nível de decisão, com acordo mútuo do responsável de determinado nível e
do responsável do nível imediatamente superior. Este princípio é fundamental para a ulterior
responsabilização pelos desvios verificados, além de envolver o princípio da participação de todos os
responsáveis (cada um a seu nível) no processo de gestão da empresa.
Um orçamento é um documento formalmente escrito para os planos da gestão a desenvolver no futuro.
Um orçamento indica o curso da acção futura, servindo às principais funções da gestão, do mesmo
modo que os desenhos do arquitecto ajudam o construtor e o plano de voo auxilia o piloto de um avião.
O orçamento deve integrar objectivos sérios e atingíveis, o que determina que o planeamento deve ser
baseado em estudos cuidadosos. Os fundamentos da orçamentação são:
- estabelecer objectivos específicos para as operações futuras;
- comparar periodicamente os resultados actuais com aqueles objectivos.
Entre o objectivos fundamentais a atingir por uma empresa privada pode considerar-se uma
determinada rendibilidade do seu activo ou dos capitais próprios.
Embora os orçamentos sejam normalmente associados a organizações lucrativas, eles desempenham
igualmente um papel importante em organizações não lucrativas, como sejam escolas, hospitais,
departamentos governamentais, etc.
O sistema de elaboraçaõ e controlo dos orçamentos pode ser efectuado pelo tipo e grau de
complexidade de uma empresa determinada, montante da sua facturação, importância relativa da sua
estrutura organizacional e outros factores. Por outro lado, as diferenças entre um sistema delineado
para operações industriais de qualquer tipo e uma empresa de serviços podem ser significativas.
Sergio Alfredo Macore
O desenvolvimento do orçamento para um determinado ano começa normalmente vários meses antes
de terminar o ano anterior. A resposnsabilidade pelo seu desenvolvimento é confiada a cada um dos
responsáveis pelas direcções do Planeamento Financeiro, Pessoal, Produção e Vendas, coordenados
por um Administrador-Delegado ou estrutura equivalente.
PRINCIPAIS ORÇAMENTOS E SUA ARTICULAÇÃO
1. ORÇAMENTO DE VENDAS
Dado que a gestão das vendas é o tema central da quase totalidade das empresas, a determinação a
previsão das vendas é o mais importante e complexo problema orçamental.
Determinar as vendas é, no fundo, conciliar as possibilidades e as exigências, ou seja, aquilo que se
quer e aquilo que se pode. É a determinação do volumen de vendas óptimo, num contexto interno e
externo da empresa.
O interesse da previsão das vendas é determinado pelos seguintes factos:
• pode implicar investimento;
• pode implicar financiamento;
• elaboraçaõ do programa de produção;
• é determinante na elaboração dos orçamentos de distribuição, aprovisionamento, tesouraria,
etc..
A complexidade da previsão das vendas é determinada pelos seguintes factos:
• os produtos surgem como novos, mais tarde desaparecem;
• o poder de compra varia muito de produto para produto;
• a noção de gama de produção: muitos produtos ou poucos produtos;
• a noção de concorrência é difícil de determinar;
• a capacidade de produção.
Com base nas estatísticas oficiais da indústria, comércio ou outras, tiram-se os dados mais relevantes
para a empresa.
Os dados devem ser classificados e confrontados com os dados da própria empresa, tentando elaborar
previsões de:
• médio e longo prazo;
• curto prazo
A previsão de médio e longo prazo deve ter em conta:
• prever a evolução técnica e comercial;
• prever a capacidade de produção e de distribuição;
• tradução do volume de negócios em horas de mão de obra, horas/máquina e áreas de
vendas, etc.;
• estrangulamentos do sector;
Sergio Alfredo Macore
• estudo das tendências a médio e longo prazos, a partir das curvas de trend e das
correlações;
• estudos de mercado (para os próximos anos);
• a previsão final será discutida ao mais alto nível entre o Director Geral e os seus
colaboradores mais próximos: Directores Financeiro, Comercial, de Produçao, do Pessoal,
da Distribuição, etc.
A previsão a curto prazo deve ter em atenção:
• a gama dos produtos, ainda está para durar;
• encomendas em carteira (caso das indústrias metalomecânicas);
• estudo do mercado em curvas de correlação e tendências;
• questionários aos vendedores e concessionários;
• os meios comerciais: redes de vendas, vendedores, publicidade e preços de venda;
• as margens dos produtos;
• lançamento de novos produtos (reacção do público e dos concorrentes);
Os métodos mais utilizados para a previsão das vendas são:
1º- Métodos qualitativos:
- júris de opinião (directores e quadros);
- questionários (vendedores);
- estudos de mercado (clientes);
2º - Métodos causais:
- correlações;
- econométricos;
3º - Métodos quantitativos:
- Trend
- Total móvel
- Alisamento exponencial.
2. ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Um orçamento de produção é estabelecido em unidades físicas. Com frequência, ele é meramente o
orçamento de vendas ajustado para quaisquer mudanças de inventário.
O orçamento de produção, à semelhança de outros orçamentos será pormenorizado por meses ou
trimestres, ao longo de um orçamento anual. O orçamento detalhado deve ser dividido pelos locais de
trabalho para comparaçao com a produção real. A disposição da fábrica, o tipo da produção e outros
factores, determinarão a natureza da divisão.
A coordenação do orçamento da produção com o orçamento de vendas é de extrema importância; de
outro modo, pode se desequilibrar. O departamento de vendas pode acentuar o volume e menosprezar
o equilíbrio. O pessoal de vendas pode concentrar-se na venda do que julgue ser as linhas mais
lucrativas e subestimar os produtos para os quais a empresa tem instalações para produzir e que não
Sergio Alfredo Macore
podem ser usadas para outros produtos. Tal condição pode resultar em capacidade ociosa, com perdas
resultantes maiores do que se o esforço de vendas se concentrasse de outra forma.
3. ORÇAMENTO DOS CUSTOS DAS SECÇÕES HOMOGÉNEAS
De um ponto de vista orçamental, a secção homogénea representa um conjunto de meios criados com
vista a permitir uma certa actividade.
Um primeiro passo será referenciar os meios e determinar os custos.
Outro passo será determinar a actividade da secçaõ, em função do volume de produçao estabelecido
A seguir é estabelecer aquilo que deverá ser um emprego óptimo da secção, ou seja, a actividade
normal. Para uns, será a actividade…..
4. ORÇAMENTO DE IMOBILIZAÇÕES
Quando a empresa não tem capacidade para cumprir o programa de produção derivado da previsão de
vendas e da política de aprivionamento de produtos fabricados, uma das hipóteses que se colocam é a
ampliação do parque de máquinas e/ou dos próprios edifícios. O orçamento onde se incluem tais custos
é o orçamento de imobilizações ou investimentos.
O orçamento de imobilizações engloba ainda os investimentos necessários à substituiução dos
equipamentos com vista a manter o nível de produção - os denominados investimentos de substituição.
Sabemos que qualquer bem imibilizado tem uma determinada vida útil ao fim da qual a sua exploração
deixa de ser económica, pelo que se torna necessário promover a sua substituição.
O estudo e aprovação dos investiementos a efectuar pela empresa (investimentos de expansão e de
substituição) envolve, normalmente, as seguintes etapas:
- elaboração de propostas de investimentos pelos vários responsáveis susceptíveis de
produzir economias ou lucros adicionais em relação à situação presente;
- realização de estudos técnicos e de comercialização com vista a tornar efectivo o
investimento se vier a ser adoptado;
- reunião de todos os dados relativos a cada investimento e elaborar os respectivos estudos de
viabilidade;
- comparação dos diferentes investimentos propostos em funçao dos critérios definidos e
determinar o montante a investir e a sua repartição pelos diferentes projectos de
investimento.
5. ORÇAMENTO DOS CUSTOS COMERCIAIS
O que é que se entende por custos comerciais (também designados por custos de distribuição e de
venda)? São custos relativos à função comercial. Por outras palavras, são os custos administrados pelo
departamento comercial com vista a vender e entregar os produtos aos clientes.
Sergio Alfredo Macore
Os custos comerciais pode assumir a natureza de variáveis, fixos e semi variáveis. Os primeiros são
aqueles que varia directamente com o volume de vendas ou com o respectivo valor. São exemplo dos
primeiros os transportes, dado que o preço destes varia normalmente em função das vendas. Os
custos fixos são os que não variam directamente com o volume de vendas (departamento comercial da
sede), delegação comercial da sucursal, etc.).
Os custos com a publicidade tanto podem ser considerados variáveis como fixos, tudo dependendo da
sua relação com as vendas (os custos de uma campanha de lançamento de um produto assumem a
natureza de plurianuais).
O orçamento dos custos comerciais variáveis pode desdobrar-se em tantas rubricas quantos os tipos
diferentes de custos que existam (comissões aos vendedores, fretes, direitos de importação, seguros de
transporte, etc.). Dentro de cada rubrica há a considerar tantas quantos os prazos de pagamento, pois
esta indicação é importante na elaboração do orçamento de tesouraria.
6. ORÇAMENTO DE TESOURARIA
Um dos instrumentos fundamentais para uma boa gestão financeira da empresa é o denominado
orçamento de tesouraria. Este destina-se a apurar as diferenças mensais entre os recebimentos e os
pagamentos previstos em consequência dos orçamentos anteriormente analisados. Assim, torna-se
importante indicar quais os prazos de pagamentos e recebimentos previstos nos orçamentos que
originam fluxos de tesouraria.
No grupo dos recebimentos, há a considerar os recebimentos das vendas do período e de períodos
anteriores e de outras operações (vendas de elementos do imobilizado, da carteira de participações
financeiras, etc.)
Quanto aos pagamentos, estes abrangem os oriundos das compras, dos custos comerciais fixos e
variáveis, dos custos da área fabril e da área não fabril. Os juros podem ser ou não aqui incluidos, pois
tudo depende de se querer alterar o saldo mensal em consequência do esquema de financiamento
previsto no orçamento financeiro.
Os objectivos de tesouraria são:
⇒ fazer a utilização dos débitos;
⇒ acelerar o pagamento dos débitos;
⇒ acelerar o recebimento dos créditos;
⇒ manter um saldo mínimo de disponibilidades adequado às necessidades;
⇒ o director financeiro deve colaborar com outros sectores na fixação da política de crédito a
conceder aos clientes e a obter dos fornecedores.
A estrutura do orçamento de tesouraria pode apresentar-se da seguinte forma:
Sergio Alfredo Macore
Orçamento de Tesouraria para o Ano 2 00X
Descrição Janeiro Fevereiro Março … Total
1. Recebimentos
Vendas do ano
Vendas do ano anterior
Vendas de equip. usado
Desconto do pessoal
Soma
2. Pagamentos
Do ano anterior
Do ano corrente
Compras
Despesas correntes
Ordenados
Telefones
Água
…
Impostos
Soma
3. Superavit/Deficit
4. Superavit/Deficit acumulado
7. ORÇAMENTO FINANCEIRO
O objectivo deste orçamento é o planeamento dos movimentos financeiros da empresa, é um
complemento do orçamento de tesouraria. É importante para a indicação das datas em que é necessário
recorrer a financiamentos internos ou externos, permitindo, assim , negociar com tempo as melhores
condições.
È também a partir dele que o director financeiro pode programar a aplicação das disponibilidades
excedentárias.
Sempre que haja actualização e ajustamentos no orçamento de tesouraria, terá que se fazer o mesmo no
orçamento financeiro, desde que aqueles sejam profundos.
Temos que ter sempre presente que o ciclo do numerário compreende:
"A transformação do numerário disponível em bens e serviços e, pela venda destes, a sua subsequente
entrada nos cofres da empresa".
Este ciclo tem de ser rápido e para tal devem contribuir todas as funções e órgãos da empresa.
Compete ao gestor financeiro controlar e medir a rapidez do mesmo.
No desempenho das suas atribuições deve o gestor financeiro tomar as medidas adequadas para as
cobranças se processarem como o previsto, bem como controlar os pagamento. Deve ser definido
quem pode autorizar os pagamentos e os respectivos montantes, bem como quem pode assinar os
cheques, livranças, letras a pagar e a receber e outros compromissos.
Sergio Alfredo Macore
A manutenção de um saldo mínimo de numerário adequado tem que ser uma das preocupações
fundamentais do director financeiro a fim de evitar estrangulamentos.
Mais uma vez se realça que não se devem esquecer as boas relações pessoais com os bancos
comerciais e de investimento. Eles devem ser tratados como amigos da empresa.
Não se deve esquecer que vale mais ter previsões menos precisas, mas actualizadas do que ter valores
melhor preparados mas desactualizados. A melhor previsão é aquela que fornece à gestão os dados
mais realistas que permitem tomar as decisões racionais em tempo oportuno.
O traçado do mapa do orçamento financeiro será idêntico ao seguinte exemplo:
Descrição Janeiro Fevereiro Março … Total
1. Origens de fundos
Saldo inicial de caixa/bancos
Superavit de tesouraria
Fundos necessários
Soma
2. Aplicações de fundos
Saldo mínimo de caixa/ bancos
Deficit de tesouraria
Fundos disponíveis
Soma
3. Fundos necessários
Disponível acumulado
4. Novos financiamentos
5. Redução de financiamento
6. Excesso de disponível
7. Aplicações de Tesouraria
NÃO TE ESQUEÇA DE AGRADECER
Nome: Sérgio Alfredo Macore ou Helldriver Rapper
Nascido: 22 de Fevereiro de 1992
Natural: Cabo Delgado – Pemba
Contacto: +258 826677547 ou +258 846458829
Email: Sergio.macore@gamil.com
Facebook: Helldriver Rapper Rapper ou Sergio Alfredo Macore
Formação: Gestão de Empresas e Finanças
NB: Se precisar de algo, não tenha vergonha de pedir, estou a sua disposicao para te ajudar,me contacte.
Sergio Alfredo Macore

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestao orcamental
Gestao orcamentalGestao orcamental
Gestao orcamental
Universidade Pedagogica
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Marlon de Freitas
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
Universidade Pedagogica
 
Aula 07 secretariado
Aula 07 secretariadoAula 07 secretariado
Aula 07 secretariado
Homero Alves de Lima
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
Laercio27
 
Fundo de maneio completo
Fundo de maneio completoFundo de maneio completo
Fundo de maneio completo
Calculos Na Veia
 
Custeio por processos
Custeio por processosCusteio por processos
Custeio por processos
Felipe Da Silveira
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
RitasAlmeidaMartins
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
Walter Moraes
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
razonetecontabil
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
André Faria Gomes
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
Claudia Marinho
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentário
fevechi
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
simuladocontabil
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
Caio Roberto de Souza Filho
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
Daniela Lema Barros
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Diego Lopes
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
GJ MARKETING DIGITAL
 

Mais procurados (20)

Gestao orcamental
Gestao orcamentalGestao orcamental
Gestao orcamental
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Rácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicosRácios financeiros e económicos
Rácios financeiros e económicos
 
Aula 07 secretariado
Aula 07 secretariadoAula 07 secretariado
Aula 07 secretariado
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Fundo de maneio completo
Fundo de maneio completoFundo de maneio completo
Fundo de maneio completo
 
Custeio por processos
Custeio por processosCusteio por processos
Custeio por processos
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade1000 exercicios resolvidos contabilidade
1000 exercicios resolvidos contabilidade
 
Contabilidade Básica
Contabilidade BásicaContabilidade Básica
Contabilidade Básica
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Planejamento orçamentário
Planejamento orçamentárioPlanejamento orçamentário
Planejamento orçamentário
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
 
Plano de sessão
Plano de sessãoPlano de sessão
Plano de sessão
 
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
Contabilidade de Custos - Classificação dos Custos - Parte 2
 
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - GabaritosExercícios de Auditoria - Gabaritos
Exercícios de Auditoria - Gabaritos
 

Destaque

Aula 2 noções de orçamentos
Aula 2   noções de orçamentosAula 2   noções de orçamentos
Aula 2 noções de orçamentos
ISMENIA10
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
Juliane Aparecida Alves
 
Aula 1 orçamento empresarial
Aula 1   orçamento empresarialAula 1   orçamento empresarial
Aula 1 orçamento empresarial
PAULO Leal
 
Aula teste orçamento empresarial
Aula teste orçamento empresarialAula teste orçamento empresarial
Aula teste orçamento empresarial
duartedebora
 
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
D S Correia Silva
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
Edivan Barreto
 
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariaisApresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Fatima Castro
 
Aula4
Aula4Aula4
Apostila 03 orçamento de vendas
Apostila 03   orçamento de vendasApostila 03   orçamento de vendas
Apostila 03 orçamento de vendas
katiagomide
 
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipúOrçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
Gis Viana de Brito
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Universidade Pedagogica
 
Melhores práticas de planejamento orçamentário
Melhores práticas de planejamento orçamentárioMelhores práticas de planejamento orçamentário
Melhores práticas de planejamento orçamentário
Valini & Associates
 
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami KuperchmitOrçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Sami Kuperchmit
 
Sistemas de Controlo de Gestão
Sistemas de Controlo de GestãoSistemas de Controlo de Gestão
Sistemas de Controlo de Gestão
Paulino Silva
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Alexandre Pereira
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Rafael Gonçalves
 
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFOSistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
Edson Motta, MSc, MBA, PMP®, ITIL®
 
Como Fazer Orcamento
Como Fazer OrcamentoComo Fazer Orcamento
Como Fazer Orcamento
claudio miguel
 
Problemas socio economicos
Problemas socio economicosProblemas socio economicos
Problemas socio economicos
anaantiqueira
 
12 1 Capí
12 1 Capí12 1 Capí
12 1 Capí
Fasup
 

Destaque (20)

Aula 2 noções de orçamentos
Aula 2   noções de orçamentosAula 2   noções de orçamentos
Aula 2 noções de orçamentos
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
 
Aula 1 orçamento empresarial
Aula 1   orçamento empresarialAula 1   orçamento empresarial
Aula 1 orçamento empresarial
 
Aula teste orçamento empresarial
Aula teste orçamento empresarialAula teste orçamento empresarial
Aula teste orçamento empresarial
 
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
Orçamento empresarial - aula 01 - 08.03.2013
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
 
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariaisApresentação slides grupo - orçamentos empresariais
Apresentação slides grupo - orçamentos empresariais
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Apostila 03 orçamento de vendas
Apostila 03   orçamento de vendasApostila 03   orçamento de vendas
Apostila 03 orçamento de vendas
 
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipúOrçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
Orçamento empresarial 13 05-2014-slide 1ª ap - turma de ipú
 
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilísticaMétodos contabilísticos e a normalização contabilística
Métodos contabilísticos e a normalização contabilística
 
Melhores práticas de planejamento orçamentário
Melhores práticas de planejamento orçamentárioMelhores práticas de planejamento orçamentário
Melhores práticas de planejamento orçamentário
 
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami KuperchmitOrçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
 
Sistemas de Controlo de Gestão
Sistemas de Controlo de GestãoSistemas de Controlo de Gestão
Sistemas de Controlo de Gestão
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFOSistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
Sistema de Gestão Financeira e Orçamentária - S.GFO
 
Como Fazer Orcamento
Como Fazer OrcamentoComo Fazer Orcamento
Como Fazer Orcamento
 
Problemas socio economicos
Problemas socio economicosProblemas socio economicos
Problemas socio economicos
 
12 1 Capí
12 1 Capí12 1 Capí
12 1 Capí
 

Semelhante a Gestão orçamental

4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
Pedro Luis Moraes
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
SoniaMoreira44
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
GJ MARKETING DIGITAL
 
Orçamento artigo
Orçamento artigoOrçamento artigo
Orçamento artigo
Fabio Castelo Branco
 
Como fazer planejamento estratégico
Como fazer planejamento estratégicoComo fazer planejamento estratégico
Como fazer planejamento estratégico
Mauricio Santana
 
Apostila controladoria 5 _v2
Apostila controladoria 5 _v2Apostila controladoria 5 _v2
Apostila controladoria 5 _v2
controladoriacontab
 
Amostra rotinas financeiras
Amostra rotinas financeirasAmostra rotinas financeiras
Amostra rotinas financeiras
Wellington Silva
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Fluxo de caixa
Fluxo de  caixaFluxo de  caixa
Fluxo de caixa
Albina Araujo
 
Apostila afoe cont
Apostila afoe contApostila afoe cont
Apostila afoe cont
Carolina França
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Etapa 4 de processo administrativo
Etapa 4 de processo administrativo Etapa 4 de processo administrativo
Etapa 4 de processo administrativo
tiago201301
 
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenickOrçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Maxsuel Pereira
 
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1   fundamentos do planejamento estratégicoMódulo 1   fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
NSLZ
 
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1   fundamentos do planejamento estratégicoMódulo 1   fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
NSLZ
 
Ge 7, como planejar o proximo passo
Ge 7, como planejar o proximo passoGe 7, como planejar o proximo passo
Ge 7, como planejar o proximo passo
Simone Serra
 
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarialPré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
Carlos Alexandre Sá
 
Trabalho 4° orçamento
Trabalho 4° orçamentoTrabalho 4° orçamento
Trabalho 4° orçamento
Sabrina Gomes Gomes
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Alexandre Pereira
 
Capitulo 1 Introducao.pdf
Capitulo 1 Introducao.pdfCapitulo 1 Introducao.pdf
Capitulo 1 Introducao.pdf
RaulPinheiro20
 

Semelhante a Gestão orçamental (20)

4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
4ª Aula Finanças Corporativas - Orçamento Empresarial.pptx
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
 
Orçamento artigo
Orçamento artigoOrçamento artigo
Orçamento artigo
 
Como fazer planejamento estratégico
Como fazer planejamento estratégicoComo fazer planejamento estratégico
Como fazer planejamento estratégico
 
Apostila controladoria 5 _v2
Apostila controladoria 5 _v2Apostila controladoria 5 _v2
Apostila controladoria 5 _v2
 
Amostra rotinas financeiras
Amostra rotinas financeirasAmostra rotinas financeiras
Amostra rotinas financeiras
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Fluxo de caixa
Fluxo de  caixaFluxo de  caixa
Fluxo de caixa
 
Apostila afoe cont
Apostila afoe contApostila afoe cont
Apostila afoe cont
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Etapa 4 de processo administrativo
Etapa 4 de processo administrativo Etapa 4 de processo administrativo
Etapa 4 de processo administrativo
 
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenickOrçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
Orçamento empresarial base zero e incremental por tomislav femenick
 
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1   fundamentos do planejamento estratégicoMódulo 1   fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
 
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1   fundamentos do planejamento estratégicoMódulo 1   fundamentos do planejamento estratégico
Módulo 1 fundamentos do planejamento estratégico
 
Ge 7, como planejar o proximo passo
Ge 7, como planejar o proximo passoGe 7, como planejar o proximo passo
Ge 7, como planejar o proximo passo
 
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarialPré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
Pré-requisitos para a implantação do orçamento empresarial
 
Trabalho 4° orçamento
Trabalho 4° orçamentoTrabalho 4° orçamento
Trabalho 4° orçamento
 
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2Plano Orçamentário  e Controladoria - Seçao 2
Plano Orçamentário e Controladoria - Seçao 2
 
Capitulo 1 Introducao.pdf
Capitulo 1 Introducao.pdfCapitulo 1 Introducao.pdf
Capitulo 1 Introducao.pdf
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Universidade Pedagogica
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Universidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Universidade Pedagogica
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
Universidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Universidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Universidade Pedagogica
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 

Gestão orçamental

  • 1. UNIVERSIDADE MUSSA BIN BIQUE FACULDADE DE GESTÃO E CONTABILIDADE CONTABILIDADE DE GESTÃO II GESTÃO ORÇAMENTAL Introdução O funcionamento de uma empresa industrial caracteriza-se, de modo sucinto, pela aquisição, armazenagem e transformação de matérias em produtos acabados com recurso a máquinas e operários. Os produtos fabricados aguardam, no armazém, por sua vez, a recepção dos pedidos dos clientes, cuja execução dá origem a facturas e consequentes recebimentos. Contudo, podem se levantar algumas questões:Como fixar o programa de fabrico? E o nível de stocks adequado? As matérias-primas são suficientes? Os meios envolvem o recurso ao crédito alheio? Etc... Hoje não é conceptível que o gestor possa desempenhar a sua função na empresa sem dispor de um plano de acção, o qual tem que assentar em pressupostos minimamente válidos. A gestão orçamental abrange as funções de planeamento e controlo; logo, não é mais do que uma aplicação restrita dos princípios gerais da gestão de empresas, abrangendo as referidas funções de planeamento e controlo. Planeamento A gestão tradicional é baseada na óptica da exploração: estar mais de perto relacionado com os problemas quotidianos da empresa e conduzir a resultados imediatos.
  • 2. A gestão moderna das empresa tem que ser considerada segundo duas ópticas, que se completam: a óptica da exploração e a óptica do planeamento. A óptica do planeamento consiste em fixar os objectivos da empresa nos domínios fundamentais da sua actividade, para um período determinado (um ou mais anos) e obter a adesão a esses objectivos por todos os elementos da empresa. As necessidades de planeamento variam de empresa para empresa, dentre as quais destacamos: 1. Razões de ordem externa: - Evolução das condições políticas, sociais e económicas; - Integração económica dos países; - Exigência de uma análise de mercados aperfeiçoados, devido ao aumento progressivo dos rendimentos disponíveis; - Aumento da dimensão das empresas, o que implica um investimento cada vez maior de capitais; - Aceleração do ritmo do progresso tecnológico (computadores, robots, automação, etc.); - Revisões dos métodos de gestão - aparecimento dos computadores, estatísticas, investigação operacional, etc. 2. Imperativos de agressividade: - No plano empresarial, os gestores têm cada vez mais necessidade de reagir ao meio que os rodeia; - O improviso conduz normalmente a situações de desequilíbrio. - Torna-se necessário definir um plano harmonioso de modo que a empresa tome a iniciativa das operações, propondo-se atingir os seus objectivos. 3. Crise interna - Abaixamento da taxa de crescimento das vendas (produtos secundários e de luxo); - Envelhecimento dos produtos; - Pressão da concorrência (nacional e internacional); - Existência de recursos não aproveitados ou mal aproveitados (empresas de construção civil); - Pressões salariais. 4. Razões de oportunidade - Reorganização de serviços; - Adopção do planeamento por parte das empresas concorrentes; VANTAGENS E DESVANTAGENS DO PLANEAMENTO VANTAGENS: A elaboração de planos cria custos para a empresa. Todavia, daí advêm vantagens que são: - os planos permitem a detecção de dificuldades e estrangulamentos (a prior); - os planos obrigam mesmo a fazer um diagnóstico da empresa: conhecimento dos seus pontos fortes e fracos, análise do meio em que a empresa se insere, detecção de ameaças futuras e ocasiões favoráveis a serem aproveitadas; - os planos incitam os responsáveis a aplicar a direcção por objectivos; Sergio Alfredo Macore
  • 3. - os planos facilitam a coordenação da gestão corrente; - os planos conduzem à participação dos responsáveis na construção do destino da empresa. DESVANTAGENS: O insucesso do planeamento deve-se, fundamentalmente, às seguintes causas: - os diversos elementos do plano não foram convenientemente apreendidos; - alguns dos gestores não estão comprometidos no planeamento. Convém que estejam todos, - a responsabilidade do planeamento pertence apenas ao departamento de planeamento; não pode ser; - espera-se que os planos sejam cumpridos na íntegra, quando estes devem ser flexíveis; - o arranque do planeamento é tardio, pelo que deve ser sacrificada a perfeição pela rapidez, principalmente no primeiro ano; - os planos devem ser seguidos, devem-se utilizar numa informação adequada. Controlo Comparação entre as actividades planeadas e realizadas e análise dos respectivos desvios, para accionamento de um mecanismo de "feed-back", que permite: - a correcção nas próximas actividades, do modelo adoptado; - a escolha de outro modelo de actividades, quando o anterior se revelar ineficaz; - a revisão do método de previsão, quando o anterior se revelar pouco realista Ora, estas tarefas (planeamento e controlo) só podem ser satisfatoriamente realizadas quando os respectivos responsáveis dispõem de informações abundantes, precisas e oportunas, as quais, na sua maior parte, hão de ser fornecidas pela Contabilidade, como técnica de informação ao serviço da empresa. A gestão orçamental trata do planeamento a curto prazo e consiste no seguinte: 1) Previsão É o estudo antecipado da decisão, ou seja, o estudo da possibilidade e desejo de concretizar. É uma atitude voluntária, colectiva e científica face à acção futura. É uma atitude voluntária, pois baseia-se na descrição do quadro interior da empresa, onde esta se terá de inserir. É uma atitude colectiva, pois cada um, no nível em que se situa, vai participar na elaboração dos programas. Todos os responsáveis interessados se associam ao projecto e colaboram na sua concretização. É uma atitude científica, de base estatística e económica, não esquecendo a intenção de cada um dos intervenientes no processo. 2) Elaboração de orçamentos Os orçamentos devem ser elaborados por meses. Normalmente, em Novembro/Dezembro do ano anterior são elaborados os orçamentos do ano, por trimestres. Em Dezembro, elabora-se o Sergio Alfredo Macore
  • 4. reajustamento do orçamento, discriminado por meses, relativo a Janeiro, Fevereiro e Março, e assim sucessivamente. No mês anterior é elaborado o orçamento do mês seguinte, por semanas. No fim de cada trimestre, após a comparação com o real, podemos ajustar os orçamentos dos trimestre seguintes. 3) Cálculo dos desvios Faz-se a comparação dos orçamentos com o real, isto é, calculam-se os desvios. Devem ser efectuados todos os meses. Estes desvios devem ser enviados para todos os responsáveis que elaboraram os orçamentos a fim de estes apreciarem os desvios, e justificarem perante o serviço de controlo orçamental. 4) Justificação dos desvios A administração da empresa, após receber a justificação dos desvios, deve repensar a actividade e transmitir pelos respectivos órgãos hierárquicos directivas no sentido de corrigir as anomalias que se estão a verificar. 5) Descentralização da responsabilidade Esta técnica pressupõe uma descentralização da responsabilidade por centros de responsabilidade (direcção) e estes divididos por centros de custos (departamentos), mas também pressupõe a responsabilidade global por parte da administração. 6) Responsabilidade A responsabilidade de um orçamento implica o acordo do responsável pelo orçamento e do seu superior hierárquico. Só assim é possível a co-responsabilidade. 7) Filosofia da empresa Por vezes, surgem dificuldades na montagem desta nova filosofia nas empresa, devido, fundamentalmente, ao seguinte: - ignorância em matérias de gestão por parte dos gestores; - há relutância por parte das pessoas em debruçar-se sobre o futuro e elaborar previsões; - normalmente, mantêm-se as previsões como certezas, o que, no nosso entender, são estimativas e não certezas; - resulta de uma má informação. O controller não consegue transmitir aos responsáveis as vantagens e benefícios que esta nova técnica permite. Este pode ajudar os outros órgãos a elaborar os orçamentos, mas deverá explicar que o interesse destes é para eles e não para si. Não podemos ter pretensões de logo no primeiro ano termos bons resultados na elaboração dos orçamentos. A experiência diz-nos que só ao fim de três a quatro anos nos é possível elaborar bons Sergio Alfredo Macore
  • 5. orçamentos, apurar desvios e tomar medidas correctivas acertadas. Regra geral, o pivot dos orçamentos é o orçamento das vendas, pois sem mercado nada feito. Dentre as várias técnicas de gestão, entende-se por controlo orçamental a tradução quantitativa e previsional de um programa de acção, que virá, mais tarde, a ser comparado com os resultados efectivos dessa acção. Nem sempre é fácil projectar o futuro da vida de empresa. Todavia, nos dias de hoje, torna-se imperiosa a implantação do controlo orçamental, dadas as seguintes vantagens:  elaborar previsões, sendo avaliado o risco das decisões a tomar,  descentralização eficaz e segura;  participação do pessoal na vida e no comportamento da empresa. Para a sua implementação os passos a seguir são os seguintes: 1º. Previsão - inventariação das hipóteses; 2º. Programa - escolha e quantificação das hipóteses; 3º. Orçamento - valorização das hipóteses; 4º. Controlo - comparação com a realidade; 5º. Desvios- determinação das causas dos desvios, 6º. Tomada de decisões - tomada de decisões correctivas de molde a evitar os mesmos desvios. Gerir uma empresa, tal como governar um país, implica sempre uma acção e a necessidade de previsão. FASES DO MÉTODO ORÇAMENTAL 1ª) Previsão A previsão consiste no estudo antecipado da decisão, bem como a possibilidade e o desejo de a concretizar., Este estudo compreende: ⇒ Definição do estudo previsional propriamente dito • desejo de fundamentar o conhecimento futuro em métodos científicos e quantitativos; • desejo de que seja reconhecido entre os participantes na vida da empresa; • a previsão deve ser uma atitude voluntária entre os compromissos dos vários intervenientes. ⇒ Objectivos e meios de acção • a previsão contém a vontade de querer modificar a situação actual da empresa, mas melhorá-la; • estabelecer compromissos entre os objectivos e os meios que a empresa dispões e definir os objectivos razoáveis. Sergio Alfredo Macore
  • 6. 2ª) Programa e o Orçamento Consiste em definir o programa de acção da política geral para cada uma das suas funções (vendas, aprovisionamento, produção, etc.) e traduzir este programa no orçamento (em quantidades e valores). Nesta fase temos que ter em atenção: ⇒ A organização da empresa • divisão dos orçamentos por níveis de responsabilidade; • reorganização das estruturas da empresa; • utilização da contabilidade analítica, adaptando esta à medição da organização orçamental; • identidade entre centros de custo e centros de responsabilidade. ⇒ O equilíbrio microeconómico • o orçamento representa, entre encargos e proveitos, bem como entre receitas e despesas, bem como entre pagamentos e recebimentos; • o equilíbrio global deve ser ponderado, tendo em vista o ano futuro, como os próximos anos (é o caso do orçamento dos investimentos); • reflexão da evolução económica, nomeadamente: variação da actividade, variação dos preços e conjuntura actual. ⇒ Revisão do orçamento, ou seja, qualquer orçamento pode ser revisto, sempre que as circunstâncias o exigirem. 3ª) Controlo e análise dos desvios Consiste na comparação entre as previsões e as realizações, bem como na análise dos desvios. Nesta fase temos que ter em atenção: • para uma perfeita comparação, torna-se necessário comparar as rubricas orçamentadas e contabilísticas (idênticas); • a comparação deve ser rápida, pois um desvio significativo pode indicar um erro de gestão. É necessário informar o interessado o mais breve possível; • na prática, considera-se como razoável o apuramento dos desvios nos orçamentos mensais, ao fim do prazo de dez dias. No orçamento anual, ao fim de um mês após terminar o ano em causa; • só o interessado recebe a informação que lhe diz respeito; • são considerados desvios sem significado os que estejam abaixo de + 3%; • todos os responsáveis devem interpretar os desvios, determinar as razões de uma ocorrência e propor medidas correctivas ao superior hierárquico. A interpretação global dos desvios deverá ser atribuida a uma única pessoa (controller de gestão). Este controller deverá elaborar um relatório de síntese, pelo método das excepções, chamando a atenção para os resultados anormais que é necessário corrigir. Depois de diversas reuniões entre os vários responsáveis pelos orçamentos, deverão surgir as acções correctivas. Nestas reuniões, ao mais alto nível da direcçaõ da empresa, são analisados os documentos- síntese, bem como os comentários e esclarecimentos neles contidos. Assim, surgem os orçamentos ajustados. Sergio Alfredo Macore
  • 7. VANTAGENS DA GESTÃO ORÇAMENTAL Ninguém tem dúvidas acerca das vantagens que advêm para a empresa derivadas da aplicação do método da gestão orçamental. No entanto, isto não significa que a sua implementação na generalidade das empresas não acarreta dificuldades nada fáceis de ultrapassar. Em primeiro lugar, existe uma grande ignorância dos princípios de gestão. Em muitas empresa, normalmente, as pessoas vêm os orçamentos como um meio de controlo dos superiores hierárquicos e não como um auxiliar da sua gestão. Daí a sua grande descrença relativamente ao sistema. Em segundo lugar, as pessoas não gostam de prever o futuro. De um modo geral, argumentam que as previsões nunca coincidem com a realidade e isto serve de autojustificação para a não elaboração de quaisquer previsões ou estimativas. Por último, para que os orçamentos possibilitem uma acção eficaz, torna-se necessário que sejam elaborados e discutidos com os diversos responsáveis da empresa. Há a tendência para encarregar a sua elaboração a um órgão de "staff" (controlo de gestão, controlo orçamental, planeamento e controlo, …), atendendo à capacidade vulgarmente demonstrada pelas pessoas que aqui trabalham e não recorrer aos responsáveis pelas diversas áreas funcionais (embora com o apoio daquele órgão). A implantação da Gestão Orçamental numa empresa permite: - criar hábitos de ordem, de previsão e de cumprimento de prazos; - fomentar o espírito de equipa, como consequência da necessidade de coordenação entre os diversos sectores da empresa; - contribuir para a definição concreta das responsabilidades, para a descentralização das mesmas e para a tomada de consciência pelos responsáveis das consequências das acções por eles empreedidas. DIFICULDADES DA GESTÃO ORÇAMENTAL 1- Estrutura orgânica A implantação da Contabilidade Analítica exige que a estrutura orgânica da empresa (organograma, funções dos órgãos e seus responsáveis) se encontrem convenientemente definidos. Se assim não for, é difícil atribuir responsabilidades pelos desvios; 2- Reacção dos quadros Deve-se estar preparado para a reacção que certos quadros da empresa manifestam em relação à implantação da Gestão Orçamental, fundamentalmente por duas razões: - os hábitos adquiridos de não planificar as actividades e com a aversão a pensar no futuro; - o facto de sentirem que irão ser controlados se se implantar o sistema; 3- Os objectivos que se fixarem devem ser aqueles que é possível alcansar em condições normais de funcionamento da empresa e do meio em que se insere. Portanto, não devem ser estabelecidos objectivos não alcançáveis e que por isso desinteressem os gestores que por eles devem responder, nem o caso inverso. Sergio Alfredo Macore
  • 8. 4- Formação A implantação da Gestão Orçamental deve ser precedida de acções de formação tendentes a que os responsáveis das diversas áreas da empresa disponham dos conhecimentos mínimos necessários sobre as técnica orçamental, conheçam o sistema em termos gerais e sejam predispostos psicologicamente para as tarefas que implica. Também, a implantação da gestão orçamental exige o empenho da administração da empresas e dos seus quadros superiores, sem o qual tal acção estará certamente condenada ao fracasso. A implantação de um orçamento leva tempo. Muitas vezes a administração se impacienta e perde interesse, pois espera grandes coisas cedo demais. IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ORÇAMENTAL A implantação da Gestão Orçamental exige as seguintes condições prévias: 1. Organização racional da empresa e definição de responsabilidades; 2. Existência de informação de base de dados computarizados; 3. Adaptação da Contabilidade Geral e Analítica; 4. Adesão dos responsáveis; 5. Bom clima de trabalho; 6. Definição dos objectivos. O programa da implantação deve ser desta ordem: 1) Preparação, dois meses: - divisão da empresa em centros de responsabilidade; - preparação dos standards; - definir os encargos fixos e variáveis; - sessão de infromação e propostas de orçamentos; 2) Arranque, dois meses: - exame do primeiro mês de resultados; - análise dos primeiros desvios; - convocação de reuniões orçamentais. 3) Revisão, um mês: - revisão dos standards; - sessões de aperfeiçoamento; - melhoramento da qualidade dos resultados. 4) Sistematização, três meses: - divulgação dos primeiros resultados, a 15 do mês seguinte; - divulgação semanal de determinados resultados. FUNÇÕES DO CONTROLO ORÇAMENTAL Sergio Alfredo Macore
  • 9. Deve ser criado um departamento de controlo da gestão sempre que a empresa tivere um volume de negócios significativo, um número de efectivos e um volume de investimentos considerável. Nas pequenas e médias empresas, a função é desempenhada pelo director financeiro. Nas empresas com mais de 1 000 pessoas devem criar um serviço próprio a nível de director de serviço ou chefe de divisão. Independentemente da posição hierárquica que possa desempenhar, o controller ou controlador de gestão, deve possuir as seguintes qualidades: 1. Ser um bom manipulador de números; 2. Deve familiarizar-se com os serviços ou departamentos, 3. Deve ter preocupações de rentabilidade; 4. Deve inspirar confiança para poder convencer; 5. Deve ser aberto, isto é, ter espírito diplomático; 6. Prática na condução de reuniões. ORÇAMENTOS DA EMPRESA Os orçamentos resultam de previsões feitas no curto prazo (até um ano). Tais planos devem ser sempre fixados, para cada nível de decisão, com acordo mútuo do responsável de determinado nível e do responsável do nível imediatamente superior. Este princípio é fundamental para a ulterior responsabilização pelos desvios verificados, além de envolver o princípio da participação de todos os responsáveis (cada um a seu nível) no processo de gestão da empresa. Um orçamento é um documento formalmente escrito para os planos da gestão a desenvolver no futuro. Um orçamento indica o curso da acção futura, servindo às principais funções da gestão, do mesmo modo que os desenhos do arquitecto ajudam o construtor e o plano de voo auxilia o piloto de um avião. O orçamento deve integrar objectivos sérios e atingíveis, o que determina que o planeamento deve ser baseado em estudos cuidadosos. Os fundamentos da orçamentação são: - estabelecer objectivos específicos para as operações futuras; - comparar periodicamente os resultados actuais com aqueles objectivos. Entre o objectivos fundamentais a atingir por uma empresa privada pode considerar-se uma determinada rendibilidade do seu activo ou dos capitais próprios. Embora os orçamentos sejam normalmente associados a organizações lucrativas, eles desempenham igualmente um papel importante em organizações não lucrativas, como sejam escolas, hospitais, departamentos governamentais, etc. O sistema de elaboraçaõ e controlo dos orçamentos pode ser efectuado pelo tipo e grau de complexidade de uma empresa determinada, montante da sua facturação, importância relativa da sua estrutura organizacional e outros factores. Por outro lado, as diferenças entre um sistema delineado para operações industriais de qualquer tipo e uma empresa de serviços podem ser significativas. Sergio Alfredo Macore
  • 10. O desenvolvimento do orçamento para um determinado ano começa normalmente vários meses antes de terminar o ano anterior. A resposnsabilidade pelo seu desenvolvimento é confiada a cada um dos responsáveis pelas direcções do Planeamento Financeiro, Pessoal, Produção e Vendas, coordenados por um Administrador-Delegado ou estrutura equivalente. PRINCIPAIS ORÇAMENTOS E SUA ARTICULAÇÃO 1. ORÇAMENTO DE VENDAS Dado que a gestão das vendas é o tema central da quase totalidade das empresas, a determinação a previsão das vendas é o mais importante e complexo problema orçamental. Determinar as vendas é, no fundo, conciliar as possibilidades e as exigências, ou seja, aquilo que se quer e aquilo que se pode. É a determinação do volumen de vendas óptimo, num contexto interno e externo da empresa. O interesse da previsão das vendas é determinado pelos seguintes factos: • pode implicar investimento; • pode implicar financiamento; • elaboraçaõ do programa de produção; • é determinante na elaboração dos orçamentos de distribuição, aprovisionamento, tesouraria, etc.. A complexidade da previsão das vendas é determinada pelos seguintes factos: • os produtos surgem como novos, mais tarde desaparecem; • o poder de compra varia muito de produto para produto; • a noção de gama de produção: muitos produtos ou poucos produtos; • a noção de concorrência é difícil de determinar; • a capacidade de produção. Com base nas estatísticas oficiais da indústria, comércio ou outras, tiram-se os dados mais relevantes para a empresa. Os dados devem ser classificados e confrontados com os dados da própria empresa, tentando elaborar previsões de: • médio e longo prazo; • curto prazo A previsão de médio e longo prazo deve ter em conta: • prever a evolução técnica e comercial; • prever a capacidade de produção e de distribuição; • tradução do volume de negócios em horas de mão de obra, horas/máquina e áreas de vendas, etc.; • estrangulamentos do sector; Sergio Alfredo Macore
  • 11. • estudo das tendências a médio e longo prazos, a partir das curvas de trend e das correlações; • estudos de mercado (para os próximos anos); • a previsão final será discutida ao mais alto nível entre o Director Geral e os seus colaboradores mais próximos: Directores Financeiro, Comercial, de Produçao, do Pessoal, da Distribuição, etc. A previsão a curto prazo deve ter em atenção: • a gama dos produtos, ainda está para durar; • encomendas em carteira (caso das indústrias metalomecânicas); • estudo do mercado em curvas de correlação e tendências; • questionários aos vendedores e concessionários; • os meios comerciais: redes de vendas, vendedores, publicidade e preços de venda; • as margens dos produtos; • lançamento de novos produtos (reacção do público e dos concorrentes); Os métodos mais utilizados para a previsão das vendas são: 1º- Métodos qualitativos: - júris de opinião (directores e quadros); - questionários (vendedores); - estudos de mercado (clientes); 2º - Métodos causais: - correlações; - econométricos; 3º - Métodos quantitativos: - Trend - Total móvel - Alisamento exponencial. 2. ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Um orçamento de produção é estabelecido em unidades físicas. Com frequência, ele é meramente o orçamento de vendas ajustado para quaisquer mudanças de inventário. O orçamento de produção, à semelhança de outros orçamentos será pormenorizado por meses ou trimestres, ao longo de um orçamento anual. O orçamento detalhado deve ser dividido pelos locais de trabalho para comparaçao com a produção real. A disposição da fábrica, o tipo da produção e outros factores, determinarão a natureza da divisão. A coordenação do orçamento da produção com o orçamento de vendas é de extrema importância; de outro modo, pode se desequilibrar. O departamento de vendas pode acentuar o volume e menosprezar o equilíbrio. O pessoal de vendas pode concentrar-se na venda do que julgue ser as linhas mais lucrativas e subestimar os produtos para os quais a empresa tem instalações para produzir e que não Sergio Alfredo Macore
  • 12. podem ser usadas para outros produtos. Tal condição pode resultar em capacidade ociosa, com perdas resultantes maiores do que se o esforço de vendas se concentrasse de outra forma. 3. ORÇAMENTO DOS CUSTOS DAS SECÇÕES HOMOGÉNEAS De um ponto de vista orçamental, a secção homogénea representa um conjunto de meios criados com vista a permitir uma certa actividade. Um primeiro passo será referenciar os meios e determinar os custos. Outro passo será determinar a actividade da secçaõ, em função do volume de produçao estabelecido A seguir é estabelecer aquilo que deverá ser um emprego óptimo da secção, ou seja, a actividade normal. Para uns, será a actividade….. 4. ORÇAMENTO DE IMOBILIZAÇÕES Quando a empresa não tem capacidade para cumprir o programa de produção derivado da previsão de vendas e da política de aprivionamento de produtos fabricados, uma das hipóteses que se colocam é a ampliação do parque de máquinas e/ou dos próprios edifícios. O orçamento onde se incluem tais custos é o orçamento de imobilizações ou investimentos. O orçamento de imobilizações engloba ainda os investimentos necessários à substituiução dos equipamentos com vista a manter o nível de produção - os denominados investimentos de substituição. Sabemos que qualquer bem imibilizado tem uma determinada vida útil ao fim da qual a sua exploração deixa de ser económica, pelo que se torna necessário promover a sua substituição. O estudo e aprovação dos investiementos a efectuar pela empresa (investimentos de expansão e de substituição) envolve, normalmente, as seguintes etapas: - elaboração de propostas de investimentos pelos vários responsáveis susceptíveis de produzir economias ou lucros adicionais em relação à situação presente; - realização de estudos técnicos e de comercialização com vista a tornar efectivo o investimento se vier a ser adoptado; - reunião de todos os dados relativos a cada investimento e elaborar os respectivos estudos de viabilidade; - comparação dos diferentes investimentos propostos em funçao dos critérios definidos e determinar o montante a investir e a sua repartição pelos diferentes projectos de investimento. 5. ORÇAMENTO DOS CUSTOS COMERCIAIS O que é que se entende por custos comerciais (também designados por custos de distribuição e de venda)? São custos relativos à função comercial. Por outras palavras, são os custos administrados pelo departamento comercial com vista a vender e entregar os produtos aos clientes. Sergio Alfredo Macore
  • 13. Os custos comerciais pode assumir a natureza de variáveis, fixos e semi variáveis. Os primeiros são aqueles que varia directamente com o volume de vendas ou com o respectivo valor. São exemplo dos primeiros os transportes, dado que o preço destes varia normalmente em função das vendas. Os custos fixos são os que não variam directamente com o volume de vendas (departamento comercial da sede), delegação comercial da sucursal, etc.). Os custos com a publicidade tanto podem ser considerados variáveis como fixos, tudo dependendo da sua relação com as vendas (os custos de uma campanha de lançamento de um produto assumem a natureza de plurianuais). O orçamento dos custos comerciais variáveis pode desdobrar-se em tantas rubricas quantos os tipos diferentes de custos que existam (comissões aos vendedores, fretes, direitos de importação, seguros de transporte, etc.). Dentro de cada rubrica há a considerar tantas quantos os prazos de pagamento, pois esta indicação é importante na elaboração do orçamento de tesouraria. 6. ORÇAMENTO DE TESOURARIA Um dos instrumentos fundamentais para uma boa gestão financeira da empresa é o denominado orçamento de tesouraria. Este destina-se a apurar as diferenças mensais entre os recebimentos e os pagamentos previstos em consequência dos orçamentos anteriormente analisados. Assim, torna-se importante indicar quais os prazos de pagamentos e recebimentos previstos nos orçamentos que originam fluxos de tesouraria. No grupo dos recebimentos, há a considerar os recebimentos das vendas do período e de períodos anteriores e de outras operações (vendas de elementos do imobilizado, da carteira de participações financeiras, etc.) Quanto aos pagamentos, estes abrangem os oriundos das compras, dos custos comerciais fixos e variáveis, dos custos da área fabril e da área não fabril. Os juros podem ser ou não aqui incluidos, pois tudo depende de se querer alterar o saldo mensal em consequência do esquema de financiamento previsto no orçamento financeiro. Os objectivos de tesouraria são: ⇒ fazer a utilização dos débitos; ⇒ acelerar o pagamento dos débitos; ⇒ acelerar o recebimento dos créditos; ⇒ manter um saldo mínimo de disponibilidades adequado às necessidades; ⇒ o director financeiro deve colaborar com outros sectores na fixação da política de crédito a conceder aos clientes e a obter dos fornecedores. A estrutura do orçamento de tesouraria pode apresentar-se da seguinte forma: Sergio Alfredo Macore
  • 14. Orçamento de Tesouraria para o Ano 2 00X Descrição Janeiro Fevereiro Março … Total 1. Recebimentos Vendas do ano Vendas do ano anterior Vendas de equip. usado Desconto do pessoal Soma 2. Pagamentos Do ano anterior Do ano corrente Compras Despesas correntes Ordenados Telefones Água … Impostos Soma 3. Superavit/Deficit 4. Superavit/Deficit acumulado 7. ORÇAMENTO FINANCEIRO O objectivo deste orçamento é o planeamento dos movimentos financeiros da empresa, é um complemento do orçamento de tesouraria. É importante para a indicação das datas em que é necessário recorrer a financiamentos internos ou externos, permitindo, assim , negociar com tempo as melhores condições. È também a partir dele que o director financeiro pode programar a aplicação das disponibilidades excedentárias. Sempre que haja actualização e ajustamentos no orçamento de tesouraria, terá que se fazer o mesmo no orçamento financeiro, desde que aqueles sejam profundos. Temos que ter sempre presente que o ciclo do numerário compreende: "A transformação do numerário disponível em bens e serviços e, pela venda destes, a sua subsequente entrada nos cofres da empresa". Este ciclo tem de ser rápido e para tal devem contribuir todas as funções e órgãos da empresa. Compete ao gestor financeiro controlar e medir a rapidez do mesmo. No desempenho das suas atribuições deve o gestor financeiro tomar as medidas adequadas para as cobranças se processarem como o previsto, bem como controlar os pagamento. Deve ser definido quem pode autorizar os pagamentos e os respectivos montantes, bem como quem pode assinar os cheques, livranças, letras a pagar e a receber e outros compromissos. Sergio Alfredo Macore
  • 15. A manutenção de um saldo mínimo de numerário adequado tem que ser uma das preocupações fundamentais do director financeiro a fim de evitar estrangulamentos. Mais uma vez se realça que não se devem esquecer as boas relações pessoais com os bancos comerciais e de investimento. Eles devem ser tratados como amigos da empresa. Não se deve esquecer que vale mais ter previsões menos precisas, mas actualizadas do que ter valores melhor preparados mas desactualizados. A melhor previsão é aquela que fornece à gestão os dados mais realistas que permitem tomar as decisões racionais em tempo oportuno. O traçado do mapa do orçamento financeiro será idêntico ao seguinte exemplo: Descrição Janeiro Fevereiro Março … Total 1. Origens de fundos Saldo inicial de caixa/bancos Superavit de tesouraria Fundos necessários Soma 2. Aplicações de fundos Saldo mínimo de caixa/ bancos Deficit de tesouraria Fundos disponíveis Soma 3. Fundos necessários Disponível acumulado 4. Novos financiamentos 5. Redução de financiamento 6. Excesso de disponível 7. Aplicações de Tesouraria NÃO TE ESQUEÇA DE AGRADECER Nome: Sérgio Alfredo Macore ou Helldriver Rapper Nascido: 22 de Fevereiro de 1992 Natural: Cabo Delgado – Pemba Contacto: +258 826677547 ou +258 846458829 Email: Sergio.macore@gamil.com Facebook: Helldriver Rapper Rapper ou Sergio Alfredo Macore Formação: Gestão de Empresas e Finanças NB: Se precisar de algo, não tenha vergonha de pedir, estou a sua disposicao para te ajudar,me contacte. Sergio Alfredo Macore