SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTROLADORIA
Maurício AGOSTINHO
1
A FERRAMENTA AMIGA DO EMPREENDEDOR
PROPOSTA DA PALESTRA
Visão Geral
A importância para o Empreendedor
Tratar de questões estratégicas
Pilar de apoio às decisões empresariais
2
CENÁRIO MUNDIAL
COMPETIÇÃOGLOBALIZAÇÃO DA
ECONOMIA
APERFEIÇOAMENTO
TECNOLÓGICO
DIVERSIFICAÇÃO DA
PRODUÇÃO
COMPETITIVIDADE
EM PREÇO E
QUALIDADE
AUMENTO DA
CONCORRÊNCIA
FOCO NO
CLIENTE
CRESCIMENTO DO
SETOR DE SERVIÇOS
ECOLOGIA E
QUALIDADE DE
VIDA
TECNOLOGIA DA
INFORMAÇÃO
EMPREENDEDOR – EQUILIBRISTA
RECURSOS
INSUMOS
SERVIÇOS
PESSOAS
INFORMAÇÕES
TECNOLOGIA
DINHEIRO
CULTURA
ETC.
EMPRESA
PRODUTOS
SERVIÇOS
VARIÁVEIS AMBIENTAIS PRÓXIMAS
VARIÁVEIS AMBIENTAIS REMOTAS
ECONÔMICAS
SOCIAIS
POLÍTICAS
CULTURAIS
REGULATÓRIAS
EDUCACIONAIS TECNOLÓGICAS
ECOLÓGICAS
OUTRAS
CLIENTES
FORNECEDORES
ACIONISTAS
CONCORRENTES
GOVERNOSINDICATOS
BANCOS
COMUNIDADE
ORGÃOS REGULADORES
A EMPRESA E O ECOSSISTEMA
IMPACTO DA TECNOLOGIA
6
EMPREENDEDOR – EQUILIBRISTA
Empreendedores geralmente começam inspirados por uma boa ideia
e o desafio é transformá-la em uma ideia de sucesso.
Parece simples, mas o processo segue inúmeras etapas e um erro
pode ser suficiente para acabar na lista de empresas em recuperação
judicial ou falência.
O esforço para “equilibrar todos os pratos” de uma gestão
empresarial nem sempre é suficiente.
Muitos empreendedores acreditam que podem cuidar de todos os
processos de uma só vez e quando se dão conta já é tarde demais.
Pesquisas do IBGE indicam que 48,2% dos negócios fecham no prazo
de 3 anos.
7
8
9
EMPRESAS PRECISAM
SER EFICAZES E
PRODUZIR COM
EFICIÊNCIA
NOVO CENÁRIO
MUNDIAL
NECESSÁRIO À
SOBREVIVÊNCIA E AO
DESENVOLVIMENTO
EMPRESARIAL
DESCENTRALIZAÇÃO
DELEGAÇÃO DE
AUTORIDADE
NOVOS
MODELOS DE
GESTÃO
CONSEQUÊNCIAS PARA AS EMPRESAS
A CONTROLADORIA É SUA AMIGA NESTAS HORAS
O nome pode assustar ou dar impressão de
que é algo fora do mundo do empreendedor
Acredita-se que só as grandes empresas têm
capital para investir na implantação de um
sistema de informação e da área de
controladoria.
11
MAS AFINAL, O QUE É E PARA QUE SERVE A CONTROLADORIA?
Ciência tem por objetivo fornecer subsídios para que
você, como empreendedor, tome decisões acertadas e
tenha o controle de todas as operações efetuadas no seu
negócio.
Está diretamente ligada à gestão, trazendo mais
eficiência aos processos e garantindo rota adequada ao
sucesso para a sua empresa, especialmente nos primeiros
anos de vida, fase crucial para o desenvolvimento e
sobrevivência do negócio.
12
A CONTROLADORIA PODE SE ADAPTAR A TODOS OS TAMANHOS DE EMPRESAS
O sistema de informação pode ser feito com Excel (planilhas),
VBA (Visual Basic for Application) e Access ( Banco de Dados).
É possível organizar toda a operação da empresa em tabelas
simples.
Não há necessidade de manter um fornecedor de software
mensal, apesar de excelentes opções ( cloud ) no mercado.
Consultoria por curtíssimo período para “orientar” , “organizar” ,
“disseminar conhecimento” na equipe
Assim, o empreendedor dá continuidade ao seu negócio !!!
13
COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA?
Para aplicar essa estratégia no seu
negócio, o primeiro passo é fazer
o alinhamento com o planejamento
estratégico.
A partir disso, você consegue verificar
quais são as necessidades da empresa
e define qual ou quais caminhos
devem ser seguidos.
14
COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA?
A estratégia tem o objetivo de controlar os processos e a gestão.
Sua divisão pode ser feita em administrativa e contábil.
Apesar de serem um pouco diferentes, as duas abordagens geralmente são exercidas pelo mesmo
profissional, chamado de controller.
Esse profissional tem a responsabilidade de ajudar a empresa a se destacar, ganhando
competitividade e atendendo às exigências dos clientes.
Assim, de acordo com o planejamento estratégico traçado pela empresa, o controller tem a função
de aperfeiçoar as decisões por meio de informações úteis, eficazes e transparentes.
Em outras palavras, monitoramento dos impactos causados pela gestão econômica para que os
resultados sejam aprimorados e tragam mais benefícios ao negócio.
15
COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA?
Apesar do responsável ser o controller, é importante que todos os
colaboradores façam parte da estratégia, abrangendo desde os
empregados até a direção.
Aliás, a diretoria é ainda mais importante, porque serve como
modelo para o restante da empresa.
16
PRIMEIROS PASSOS
Primeiro, organizar e estruturar as operações contábeis, das áreas de apoio e financeiras aliadas a
estratégia da empresa.
Segundo, o foco deve ser a redução dos gastos ( despesas e custos ) e a precificação de produtos e
serviços, lembrando ainda, evitar desperdícios e outras perdas e fraudes.
Terceiro, é importante inserir outros aspectos que interferem na tomada de decisões, como o
orçamento da empresa, a projeção do fluxo de caixa, eventuais fontes de captação de recursos, etc.
Quarto, com esses dados em mãos, é possível criar os padrões e projetar os resultados de acordo
com os objetivos estabelecidos,
Quinto, nesse cenário, cabe ao Controller a responsabilidade de comparar os padrões definidos no
planejamento inicial com os resultados obtidos, identificando desvios, analisando o impacto no
alcance dos objetivos estabelecidos na estratégia.
É fundamental que a cultura organizacional se adapte a esse novo contexto.
17
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
Você já sabe que o controller é o profissional responsável pela estratégia que
está sendo abordada. Mas quais são as reais funções desse profissional?
Em resumo, o controller é o contador-chefe da empresa, porque faz a gestão de
assuntos fiscais, o controle de custos, faz análises de demonstrações financeiras
e seus indicadores, estudos de viabilidade de projeto, etc.
Dessa forma, esse profissional tem a capacidade de prever possíveis problemas,
coletando informações que você, como empreendedor, precisa naquele
momento.
18
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
VISÃO ESTRATÉGICA
O profissional de controladoria é aquela pessoa que enxerga longe e tem uma
visão panorâmica da empresa.
Isso porque para exercer sua função ele precisa ter contato com todos os setores
da organização, agregando valor em cada setor e ajudando as operações a
fluírem de maneira eficiente e ágil.
Com uma ampla visão do funcionamento do negócio (especialmente seus
números), a importância do controller é ainda maior, pois ele busca otimizar o
trabalho de toda a organização.
19
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA
O profissional de controladoria tem a responsabilidade de elaborar o orçamento,
incluindo no pacote a coleta, análise, e consolidação dos dados.
Além disso, a importância do controller está em monitorar as variações no orçamento e
investigar a origem e o motivo dessas variações.
Ao ter essa informação em mãos, o profissional de controladoria tem dados concretos
para trabalhar e melhor direcionar os gestores e diretores.
Com esse modelo, você pode verificar quais investimentos são passíveis de serem
realizados e quais ainda devem esperar pela melhoria ou estabilidade da saúde financeira
do negócio.
20
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
CONTROLE DE PROCESSOS
A melhoria do negócio proporcionada por essa ferramenta garante a excelência
das operações realizadas e reduz os custos. E isso só pode ser feito por meio de
um controle de processos.
A ideia nesse modelo é analisar desperdícios que podem ser transformados
em produtividade, como desperdícios no estoque, no tempo e até mesmo no
beneficiamento da matéria-prima.
O resultado é um trabalho melhor, mais intensificado e o aumento da
rentabilidade da empresa (ou seja, os investimentos realizados trazem mais
retorno).
21
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
CONTABILIDADE GERENCIAL
Ajuda a diminuir a possibilidade de falência do negócio, já que seu foco é indicar
as ações estratégicas que podem ser aplicadas e os planejamentos que devem
ser seguidos pela empresa.
Esse modelo abrange desde questões relativas a impostos até aquisição de bens
e ativos.
Além disso, sua finalidade é garantir a comunicação dos fatos contábeis às
pessoas que efetivamente tomam as decisões na organização.
22
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
CONTABILIDADE DE CUSTOS e FORMAÇÃO DE PREÇOS
Por meio desse método, os gastos produtivos são monitorados mediante o
registro contábil de cada operação realizada na empresa.
Utilizando essa técnica, cada produto tem um ponto de equilíbrio definido, ou
seja, um valor definido em que os custos são iguais às receitas. A partir
desse valor, a empresa começa a ter lucro.
No entanto, para delimitar os custos, é necessário analisar especificamente o
preço de venda e o posicionamento da marca perante o mercado.
23
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS
Os balanços são analisados a fim de que a empresa consiga obter melhores
resultados na questão de finanças.
Esse método apoia a contabilidade gerencial e permite o acompanhamento de
indicadores a fim de verificar o status financeiro da empresa.
Assim, você pode conhecer o patrimônio, as movimentações contábeis e outros
elementos necessários para a tomada de decisão.
24
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
RELATÓRIO FINANCEIRO E AUDITORIA.
O controller é também o responsável por monitorar a condição financeira de
uma empresa.
Para isso, o controlador trabalha com auditores externos a fim de garantir uma
maior transparência nos relatórios financeiros e contábeis, além da
conformidade com a Governança Corporativa.
Somado a isso, podemos ainda dizer que o profissional de controladoria
estabelece, monitora e controla os relatórios financeiros mensais, bimestrais,
semestrais e anuais.
25
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
CONFORMIDADE COM NORMAS E REGULAMENTOS.
A importância do controller está ligada também com a coordenação da
prestação de informações para auditorias externas.
Adicionalmente, ele é responsável por garantir que a empresa esteja
cumprindo com o pagamento dos impostos municipais, estaduais e federais.
Ou seja, o profissional de controladoria é responsável por garantir o famoso
Compliance.
26
Gestão Econômica
QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA
A empresa não sobrevive sem uma boa Gestão Econômica a não ser que esteja em um Oceano
Azul quando atua em mercado de baixa competição. Exemplo temos diversos, como o “boom”
competitivo do mercado têxtil na década de 90 e os impactos para o setor.
Beto Sicupira, sócio de Jorge Paulo Lemann, cita que “custos são como unhas, devem sempre ser
aparados”, portanto, dentro de uma empresa, devemos organizar os números de forma
estruturada, com fácil acesso e com qualidade.
Muito mais do que isso, alguém tem que observar os números com atenção e agir sobre eles,
pois não podemos observar de forma passiva aos custos, eles tem de ser conhecidos e
administrados para que a organização consiga sobreviver, crescer e prosperar.
Aqui entra a Gestão Orçamentária, que basicamente é o processo de prever cenários econômicos,
simulá-los e acompanha-los de forma estruturada, garantindo o sucesso econômico da organização.
28
FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA
29
Um dos pontos fundamentais de uma Gestão voltada para o
Alto Desempenho, é ter um embasamento técnico na parte
Econômica e Financeira, de forma consistente.
A utilização da Gestão Econômica com uso do Orçamento como
premissa, ainda é muitorecente.
Pesquisas do SEBRAE e da CNI, mostram que as empresas
brasileiras ainda tem muito o que evoluir no que diz respeito à
Provisão e Gestão adequada de Custos e Despesas.
Essa pesquisa revelou dados preocupantes: 38,5% ainda não
possuem uma área de Planejamento e Controladoria, e
somente 25% delas, possuem essa área (ou pessoas) atuantes
em Planejar e Gerir Custos de formaefetiva.
A pergunta é:
Sua empresa sabe trabalhar "certo" ou tem um
esforço gigantesco para atingir baixas margens?
Se a CRISE é tão devastadora assim, como
temos empresas crescendo?
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Toda e qualquer organização precisa dar resultados, mesmo
Instituições sem Fins Lucrativos.
E o resultado é medido de uma forma universal:EBITDA.
EBITDA é o resultado da equação de um Planejamento bem
elaborado com Eficiência Operacional, ou seja, uma boa
Execução.
Para elevar o EBITDA de forma consistente, só existem 2 formas.
Para tal, pense em um Funil:
1. Ou eleva-se a entrada do funil, com mais
faturamento, mais receita;
2. Ou (pode ser um “E” ao invés de “OU”) você
entende, controla e atua sobre seus custos,
aumentando a diferença do que entra, para o que
sai.
A resposta é muito simples!
Elas focam em controlar e elevar seu EBITDA!
Você sabe o que é isso?
30
EBITDA é a sigla em inglês para Earnings Before
Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, que
traduzindo literalmente para português significa:
"Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e
Amortização(LAJIDA)".
Se você crescer de forma perene esse é o caminho.
FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
O foco do EBITDA é equilibrar as demandas do seu
negócio, que consumem recursos ($) com processos,
investimentos, recursos, insumos, pessoas e claro,
inovação, gerando resultado.
QUAL O FOCO DO EBITDA?
Resultado | Lucro Investimento
Pessoas
Inovação
DemaisRecursos
31Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
COMO O EBITDA É MEDIDO?
Ele é medido de uma forma, muitosimples.
Basicamente, o EBITDA é o seu Faturamento,
menos os impostos, seus custos operacionais,
despesas, etc, ou seja, seu Resultado
Operacional, quanto seu negócio gerou de
"valor"econômico:
OportunidadedeGestão
+ FaturamentoBruto
- Imposto eDevoluções
- Custos comMateriais
- Custos deTransformação
- Custos comMão-de-obra
- Custos e DespesasFixas
S
S
EBITDA
32Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Receita
• Capacidade
da empresa
existir
MCB
• Produtos
são
rentáveis?
MCL
• Produtos colocados no
ponto de venda são
rentáveis?
EBITDA
(EBIT)
• Operação pura da
empresa, sem
“fardos” é viável?
Resultado
após JDF
• Operação paga
a eventual
dívida onerosa?
Custos
Variáveis
(Diretos)
Despesas
Variáveis
(Entrega)
Custos Fixos
(Estruturais)
Juros e
Despesas
Financeiras
Uso do Caixa
COMO O EBITDA É MEDIDO?
33
COMO GERAR EBITDA?
Entendido isso, temos que entender nosso
"pricing", ou seja, como precificamos?
Estamos alocando todos os custos na
nossa precificação?
Além disso, temos que ter Planejamento e
Gestão dos custos, para garantir
competitividade.
VisãoTradicionalVisãoCompetitiva
Preço
Mercado
Preço
Mercado
Preço = Custo + Lucro
Lucro = Preço - Custo
Gestão e Planejamento
PreçoPreço
Tempo
Tempo
34Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
O empreendedor brasileiro ainda não utiliza, nem de
perto, o potencial que as ferramentas de gestão
disponíveis tem para oferecer.
Ainda são poucas as empresas que possuem uma área de
Planejamento e Controladoria ou mesmo uma pessoa
exercendo este papel, muitas empresas trabalham com
planilhas, outras usam sistemas, e algumas nem mesmo
planilhas utilizam.
Mas se por um lado isto é preocupante, por outro lado
mostra que há possibilidades de melhorar os resultados
nestas empresas com medidas simples, como a criação de
uma área controladoria ou a implantação de uma solução
especializada em Gestão Orçamentária, por exemplo.
USO DA GESTÃO ECONÔMICA
35Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
USO DA GESTÃO ECONÔMICA
Há quantos anos existe a área de Planejamento e
Controladoria em sua empresa?
36Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
O QUE O BRASILEIRO SABE SOBRE GESTÃO?
Percentual de empresas que utilizam alguma planilha,
software ou aplicativo para apurar/ acompanhar os
custos envolvidos em sua atividade:
37Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Percentual de empresários que afirmaram conhecer sua
composição de custos para fins de precificação e gestão:
O QUE O BRASILEIRO NÃO SABE SOBRE GESTÃO?
38Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
QUAIS FERRAMENTAS SUA EMPRESA UTILIZA PARA REALIZAR SEU PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO?
39Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
QUAIS METODOLOGIAS SÃO UTILIZADAS POR SUA EMPRESAPARA A GESTÃO ORÇAMENTÁRIA?
40Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
QUEM É O RESPONSÁVEL PELO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO EM SUA EMPRESA?
41Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Controle efetivo é completamente
diferente de burocracia. Nenhum
processo é autogerido.
Willian Deming já dizia: "Não se gerencia o
que não se mede, não mede o que não se
define, não se define o que não se
entende, e não há sucesso no que não se
gerencia".
Lembre-se: O Diamante e o Grafite tem a
mesma composição química. O que muda
é a Organização.
42
CONTROLE E AÇÃO
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
O QUE SUA EMPRESA PLANEJA E ACOMPANHA?
43Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Conforme o gráfico anterior, conseguimos
perceber que por volta de 40% das
empresas não acompanha Custos e
DespesasVariáveis.
Levando em consideração que, os Custos
Variáveis são, em geral, os mais
impactantes para o aumento de volume
das empresas e o mesmo não tem a devida
atenção, imaginem o que acontece com as
Despesas Fixas.
44
CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
NÍVEL DE DETALHE DO ORÇAMENTO
A projeção e acompanhamento do Faturamento
de sua empresa é detalhada por Produtos?
A projeção e acompanhamento do
Faturamento de sua empresa é detalhada por
Canais de Distribuição?
45Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
NÍVEL DE DETALHE DO ORÇAMENTO
A projeção e acompanhamento das Despesas
Operacionais de sua empresa é detalhada por
Centros de Custos?
Quais demonstrativos sua empresa projeta e
acompanha mensalmente?
46Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Mais do que ser um simples plano, o Orçamento deve ser um
guia para a Execução.
Tendo isso em vista, a extração de Indicadores de Gestão
(KPI’s) no seu uso, é essencial.
Além do EBITDA, podemos elencar o % de Margem de
Contribuição, % Lucratividade, % de Inadimplência, % de
Overhead, etc.
Obviamente, além de extrair e analisarmos esses
indicadores, devemos atuar efetivamente sobre os mesmos.
Daí surge a equação I + A = R.
Informação de Qualidade, com Ações embasadas,
consistentes e
tomadas na hora certa, geram Resultados.
INFORMAÇÃO + AÇÃO = RESULTADOS
47Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
NÍVEL DE I + A = R
48
Quais destes indicadores sua empresa
extrai do Processo Orçamentário?
Quais ações são realizadas em cima das
análises dos valores Planejados x
Realizados x Históricos?
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
NÍVEL DE I + A = R
49
Você considera que a empresa utiliza efetivamente os dados gerados
pelo Processo Orçamentário para embasar a tomada de decisões?
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
INFORMAÇÃO + AÇÃO = RESULTADOS
Com as análises anteriores, fica clara a disparidade entre
acesso a informação e uso efetivo da mesma.
Somente 30% dos pesquisados tomam efetivamente
ações sobre os desvios identificados no Planejado x
Realizado do orçamento, sendo que 22% não tomam
ações e quase metade (48%) só tomam ações em alguns
casos.
Além disso, somente 28,5% tomam ações para aproveitar
as oportunidades e somente 21,9% documentam prazo e
responsável em um FCA (Fato, Causa, Ação ou 5W2H).
50Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
SOBRE A MECÂNICA DO ORÇAMENTO
Quanto tempo leva o processo de
Elaboração do Orçamento?
51Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
SOBRE A MECÂNICA DO ORÇAMENTO
Quanto tempo leva mensalmente para obter as
informações realizadas para o Acompanhamento
Orçamentário?
Sua empresa utiliza indexadores (Dólar, IGPM,
Inflação, etc.) para manter seu Planejamento
Orçamentário sempre compatível com o cenário
econômico em que está inserida?
52Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS
Qual foi o maior desafio da sua empresa no que
tange Planejamento e Controladoria em 2016?
Qual você acredita que será o maior desafio da
sua empresa no que tange Planejamento e
Controladoria em 2017?
53Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Cortar custos por si só, jamais vai resolver o
problema de uma empresa, se ela não
possuir um bom e organizado "Funil de
Vendas".
Você conhece o Mercado?
Quantos clientes potenciais?
Qual a sua Penetração, Taxa de Conversão e
Fatia do Mercado e os seus Motivos de Não
Venda?
54
GESTÃO COMERCIAL
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS
55
Quais iniciativas de controle ou corte de custos
sua empresa pretende fazer para 2017?
As iniciativas serão feitas de forma interna ou
com contratação de serviços de terceiros?
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS
56
Quanto sua empresa conseguiu economizar em
Custos Variáveis Diretos em 2016, em relação
ano anterior? (com evidências)
Quanto sua empresa conseguiu economizar em
Despesas Operacionais este ano, em relação ano
anterior? (com evidências)
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
CONHECIMENTO DE FERRAMENTAS
Quando você precisa de mais conhecimento sobre
Custos, Controladoria, Orçamento, etc, qual a
primeira ferramenta que te vem em mente?
57Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS
58
Já ouviu falar em Cost Deployment
(Desdobramento de Custos), que pode auxiliar
na redução do Custo Variável Direto?
Já ouviu falar do conceito de Ínterim Management
ou BPO, ambos voltados a Alta Performance
Econômica Financeira, com foco na redução de
Custos e Despesas?
Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
CONCLUSÃO
Fica claro que ainda temos uma longa trilha a caminhar.
Vemos também, que o principal receio para 2017 será a queda
de faturamento, fato que ocorreu em 2016 com quase 60% dos
pesquisados e tende-se a acontecer com mais 50% nesse novo
ano que se inicia.
Isso tudo seguido dos Custos Fixos e Variáveis, que permeiam
quase 40% das preocupações.
A maior parte das pessoas ainda se embasa em pesquisas de
livros e conversas com colegas para acessar novas metodologias
e ferramentas, ainda resistindo a nova tendência como YouTube,
talvez até pela escassez desse tipo de informação nesse canal.
Porém, nos canais tradicionais como Livros, metodologias como
OBZ (Orçamento Base Zero) e CD (Cost Deployment) ainda são
muito escassas.
Com isso temos 44% das pessoas que nunca ouviram falar de
OBZ, 72% que não conhecem CD e quase 90% que nunca
ouviram sequer citar o termo Controller
Um ponto que também chama atenção é que 61,5% das
empresas ainda utilizam planilhas para execução do
orçamento.
Por fim, o equilíbrio de Informações + Ação = Resultados é
muito frágil e temos muitas oportunidades para serem
exploradas, possibilitando que sejamos mais competitivos e
lucrativos.
59Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
CONCLUSÃO
É preciso buscar fazer diferente!
Enquanto áreas como Marketing e Vendas evoluem, a passos largos, as áreas de Planejamento e Controladoria
ainda estão estacionadas no tempo.
Isso faz com que negócios e empregos sejam perdidos, gerando ainda mais crise, que poderia ser contornada com
o simples fato de executar melhor a gestão.
60Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
Referencias / Bibliografias / Citações / Quadros / Mapas /
61
• Sthephen Kanitz e Melhores e Maiores
• Resulta Consultoria Contabil – Mauricio Agostinho
• Resulta Consultoria Contabil – Jose Luis Castilho
• Controladoria Estratégica e Operacional – Clovis Padovese
• Tata Consulting Services
• Básico Gerencial de Custos – Clovis Padovese
• Treasy Planejamento e Controladoria
• Contabilidade Gerencial – Clovis Padovese
• Análise das Demonstrações Financeiras – Clovis Padovese
• Ferreira Filho Associados
• Orçamento Empresarial – Clovis Padovese
www.resultaconsultoria.com.br
E-mail: agostinho@resultaconsultoria.com.br
Cel.: (11) 9 8502 4390
62
Muito obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Francine Manhabosco
 
Introdução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da AdministraçãoIntrodução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da Administração
Rubens Vinicius Conte
 
Contabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO ContadoresContabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO Contadores
Leonardo Novaes
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Adriano Bruni
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira  Professor Danilo PiresIntrodução a administração financeira  Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
Disciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_iDisciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_i
MarceloJLemos
 
Governança Corporativa
Governança CorporativaGovernança Corporativa
Governança Corporativa
Edmilson Palermo Soares
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
Rafhael Sena
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Wandick Rocha de Aquino
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
Tadeu Mendes
 
Introdução à Gestão da Produção
Introdução à Gestão da ProduçãoIntrodução à Gestão da Produção
Introdução à Gestão da Produção
Eliseu Fortolan
 
Processos Organizacionais
Processos OrganizacionaisProcessos Organizacionais
Processos Organizacionais
Elias Guilherme
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
SALVADOR SERRATO
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
Cursos Profissionalizantes
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
Kleber Mantovanelli
 
A história da contabilidade!
A história da contabilidade!A história da contabilidade!
A história da contabilidade!
wrssantos
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
PMY TECNOLOGIA LTDA
 

Mais procurados (20)

Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Introdução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da AdministraçãoIntrodução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da Administração
 
Contabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO ContadoresContabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO Contadores
 
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
Aulas de Custos (Margem de Contribuicao)
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira  Professor Danilo PiresIntrodução a administração financeira  Professor Danilo Pires
Introdução a administração financeira Professor Danilo Pires
 
Disciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_iDisciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_i
 
Governança Corporativa
Governança CorporativaGovernança Corporativa
Governança Corporativa
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de VendaEntendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
Entendendo Custos, Despesas e Formação do Preço de Venda
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Introdução à Gestão da Produção
Introdução à Gestão da ProduçãoIntrodução à Gestão da Produção
Introdução à Gestão da Produção
 
Processos Organizacionais
Processos OrganizacionaisProcessos Organizacionais
Processos Organizacionais
 
Indicadores Financeiros
Indicadores FinanceirosIndicadores Financeiros
Indicadores Financeiros
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
 
A história da contabilidade!
A história da contabilidade!A história da contabilidade!
A história da contabilidade!
 
Aula 4 adm administração clássica
Aula 4 adm   administração clássicaAula 4 adm   administração clássica
Aula 4 adm administração clássica
 

Semelhante a Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores

Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
Edivan Barreto
 
Contabilidade gerencial capitulo i
Contabilidade gerencial capitulo iContabilidade gerencial capitulo i
Contabilidade gerencial capitulo i
Ariovaldo Silva
 
Apostila contabilidade custos 2004
Apostila contabilidade custos 2004Apostila contabilidade custos 2004
Apostila contabilidade custos 2004
simuladocontabil
 
Apostila contabilidade custos_2004
Apostila contabilidade custos_2004Apostila contabilidade custos_2004
Apostila contabilidade custos_2004
razonetecontabil
 
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêuticoGestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
Antonio Artur de Souza
 
Indicadores de Desempenho.pdf
Indicadores de Desempenho.pdfIndicadores de Desempenho.pdf
Indicadores de Desempenho.pdf
Pedro Luis Moraes
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
SoniaMoreira44
 
Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01
razonetecontabil
 
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Universidade Corporativa do Transporte
 
Criação e gestão de indicadores processo 1a parte
Criação e gestão de indicadores processo   1a parteCriação e gestão de indicadores processo   1a parte
Criação e gestão de indicadores processo 1a parte
Priscila Nogueira
 
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª faseAtps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
Renato Ogassawara
 
Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006
zeramento contabil
 
Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006
simuladocontabil
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
090774
 
Guia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
Guia | Criar e Manter uma Empresa EficienteGuia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
Guia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
Procenge
 
Importância da controladoria na empresa
Importância da controladoria na empresaImportância da controladoria na empresa
Importância da controladoria na empresa
claudineifcc
 
Ebook Processos Poderosos de Negócios
Ebook Processos Poderosos de NegóciosEbook Processos Poderosos de Negócios
Ebook Processos Poderosos de Negócios
Ideia Consultoria
 
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptxSISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
RobsonBispo11
 

Semelhante a Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores (20)

Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
 
Contabilidade gerencial capitulo i
Contabilidade gerencial capitulo iContabilidade gerencial capitulo i
Contabilidade gerencial capitulo i
 
Apostila contabilidade custos 2004
Apostila contabilidade custos 2004Apostila contabilidade custos 2004
Apostila contabilidade custos 2004
 
Apostila contabilidade custos_2004
Apostila contabilidade custos_2004Apostila contabilidade custos_2004
Apostila contabilidade custos_2004
 
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
 
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêuticoGestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
Gestao financeira e controle gerencial no varejo farmacêutico
 
Indicadores de Desempenho.pdf
Indicadores de Desempenho.pdfIndicadores de Desempenho.pdf
Indicadores de Desempenho.pdf
 
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptxmodulo_16_-_controlo_oramental.pptx
modulo_16_-_controlo_oramental.pptx
 
Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01Fundamentos de contabilidade de custos 01
Fundamentos de contabilidade de custos 01
 
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
Ferramentas para a Gestão de Empresas Transportadoras de Passageiros - BGM Ro...
 
Criação e gestão de indicadores processo 1a parte
Criação e gestão de indicadores processo   1a parteCriação e gestão de indicadores processo   1a parte
Criação e gestão de indicadores processo 1a parte
 
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª faseAtps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
Atps de planejamento e controle da produção adm 6ª fase
 
Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006
 
Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006Apostila contabilidade custos2006
Apostila contabilidade custos2006
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Guia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
Guia | Criar e Manter uma Empresa EficienteGuia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
Guia | Criar e Manter uma Empresa Eficiente
 
Importância da controladoria na empresa
Importância da controladoria na empresaImportância da controladoria na empresa
Importância da controladoria na empresa
 
Ebook Processos Poderosos de Negócios
Ebook Processos Poderosos de NegóciosEbook Processos Poderosos de Negócios
Ebook Processos Poderosos de Negócios
 
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptxSISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
SISTEMA DE CUSTOS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS.pptx
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores

  • 2. PROPOSTA DA PALESTRA Visão Geral A importância para o Empreendedor Tratar de questões estratégicas Pilar de apoio às decisões empresariais 2
  • 3. CENÁRIO MUNDIAL COMPETIÇÃOGLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO COMPETITIVIDADE EM PREÇO E QUALIDADE AUMENTO DA CONCORRÊNCIA FOCO NO CLIENTE CRESCIMENTO DO SETOR DE SERVIÇOS ECOLOGIA E QUALIDADE DE VIDA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
  • 5. RECURSOS INSUMOS SERVIÇOS PESSOAS INFORMAÇÕES TECNOLOGIA DINHEIRO CULTURA ETC. EMPRESA PRODUTOS SERVIÇOS VARIÁVEIS AMBIENTAIS PRÓXIMAS VARIÁVEIS AMBIENTAIS REMOTAS ECONÔMICAS SOCIAIS POLÍTICAS CULTURAIS REGULATÓRIAS EDUCACIONAIS TECNOLÓGICAS ECOLÓGICAS OUTRAS CLIENTES FORNECEDORES ACIONISTAS CONCORRENTES GOVERNOSINDICATOS BANCOS COMUNIDADE ORGÃOS REGULADORES A EMPRESA E O ECOSSISTEMA
  • 7. EMPREENDEDOR – EQUILIBRISTA Empreendedores geralmente começam inspirados por uma boa ideia e o desafio é transformá-la em uma ideia de sucesso. Parece simples, mas o processo segue inúmeras etapas e um erro pode ser suficiente para acabar na lista de empresas em recuperação judicial ou falência. O esforço para “equilibrar todos os pratos” de uma gestão empresarial nem sempre é suficiente. Muitos empreendedores acreditam que podem cuidar de todos os processos de uma só vez e quando se dão conta já é tarde demais. Pesquisas do IBGE indicam que 48,2% dos negócios fecham no prazo de 3 anos. 7
  • 8. 8
  • 9. 9
  • 10. EMPRESAS PRECISAM SER EFICAZES E PRODUZIR COM EFICIÊNCIA NOVO CENÁRIO MUNDIAL NECESSÁRIO À SOBREVIVÊNCIA E AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DESCENTRALIZAÇÃO DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE NOVOS MODELOS DE GESTÃO CONSEQUÊNCIAS PARA AS EMPRESAS
  • 11. A CONTROLADORIA É SUA AMIGA NESTAS HORAS O nome pode assustar ou dar impressão de que é algo fora do mundo do empreendedor Acredita-se que só as grandes empresas têm capital para investir na implantação de um sistema de informação e da área de controladoria. 11
  • 12. MAS AFINAL, O QUE É E PARA QUE SERVE A CONTROLADORIA? Ciência tem por objetivo fornecer subsídios para que você, como empreendedor, tome decisões acertadas e tenha o controle de todas as operações efetuadas no seu negócio. Está diretamente ligada à gestão, trazendo mais eficiência aos processos e garantindo rota adequada ao sucesso para a sua empresa, especialmente nos primeiros anos de vida, fase crucial para o desenvolvimento e sobrevivência do negócio. 12
  • 13. A CONTROLADORIA PODE SE ADAPTAR A TODOS OS TAMANHOS DE EMPRESAS O sistema de informação pode ser feito com Excel (planilhas), VBA (Visual Basic for Application) e Access ( Banco de Dados). É possível organizar toda a operação da empresa em tabelas simples. Não há necessidade de manter um fornecedor de software mensal, apesar de excelentes opções ( cloud ) no mercado. Consultoria por curtíssimo período para “orientar” , “organizar” , “disseminar conhecimento” na equipe Assim, o empreendedor dá continuidade ao seu negócio !!! 13
  • 14. COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA? Para aplicar essa estratégia no seu negócio, o primeiro passo é fazer o alinhamento com o planejamento estratégico. A partir disso, você consegue verificar quais são as necessidades da empresa e define qual ou quais caminhos devem ser seguidos. 14
  • 15. COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA? A estratégia tem o objetivo de controlar os processos e a gestão. Sua divisão pode ser feita em administrativa e contábil. Apesar de serem um pouco diferentes, as duas abordagens geralmente são exercidas pelo mesmo profissional, chamado de controller. Esse profissional tem a responsabilidade de ajudar a empresa a se destacar, ganhando competitividade e atendendo às exigências dos clientes. Assim, de acordo com o planejamento estratégico traçado pela empresa, o controller tem a função de aperfeiçoar as decisões por meio de informações úteis, eficazes e transparentes. Em outras palavras, monitoramento dos impactos causados pela gestão econômica para que os resultados sejam aprimorados e tragam mais benefícios ao negócio. 15
  • 16. COMO A CONTROLADORIA É APLICADA NO DIA A DIA? Apesar do responsável ser o controller, é importante que todos os colaboradores façam parte da estratégia, abrangendo desde os empregados até a direção. Aliás, a diretoria é ainda mais importante, porque serve como modelo para o restante da empresa. 16
  • 17. PRIMEIROS PASSOS Primeiro, organizar e estruturar as operações contábeis, das áreas de apoio e financeiras aliadas a estratégia da empresa. Segundo, o foco deve ser a redução dos gastos ( despesas e custos ) e a precificação de produtos e serviços, lembrando ainda, evitar desperdícios e outras perdas e fraudes. Terceiro, é importante inserir outros aspectos que interferem na tomada de decisões, como o orçamento da empresa, a projeção do fluxo de caixa, eventuais fontes de captação de recursos, etc. Quarto, com esses dados em mãos, é possível criar os padrões e projetar os resultados de acordo com os objetivos estabelecidos, Quinto, nesse cenário, cabe ao Controller a responsabilidade de comparar os padrões definidos no planejamento inicial com os resultados obtidos, identificando desvios, analisando o impacto no alcance dos objetivos estabelecidos na estratégia. É fundamental que a cultura organizacional se adapte a esse novo contexto. 17
  • 18. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? Você já sabe que o controller é o profissional responsável pela estratégia que está sendo abordada. Mas quais são as reais funções desse profissional? Em resumo, o controller é o contador-chefe da empresa, porque faz a gestão de assuntos fiscais, o controle de custos, faz análises de demonstrações financeiras e seus indicadores, estudos de viabilidade de projeto, etc. Dessa forma, esse profissional tem a capacidade de prever possíveis problemas, coletando informações que você, como empreendedor, precisa naquele momento. 18
  • 19. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? VISÃO ESTRATÉGICA O profissional de controladoria é aquela pessoa que enxerga longe e tem uma visão panorâmica da empresa. Isso porque para exercer sua função ele precisa ter contato com todos os setores da organização, agregando valor em cada setor e ajudando as operações a fluírem de maneira eficiente e ágil. Com uma ampla visão do funcionamento do negócio (especialmente seus números), a importância do controller é ainda maior, pois ele busca otimizar o trabalho de toda a organização. 19
  • 20. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA O profissional de controladoria tem a responsabilidade de elaborar o orçamento, incluindo no pacote a coleta, análise, e consolidação dos dados. Além disso, a importância do controller está em monitorar as variações no orçamento e investigar a origem e o motivo dessas variações. Ao ter essa informação em mãos, o profissional de controladoria tem dados concretos para trabalhar e melhor direcionar os gestores e diretores. Com esse modelo, você pode verificar quais investimentos são passíveis de serem realizados e quais ainda devem esperar pela melhoria ou estabilidade da saúde financeira do negócio. 20
  • 21. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? CONTROLE DE PROCESSOS A melhoria do negócio proporcionada por essa ferramenta garante a excelência das operações realizadas e reduz os custos. E isso só pode ser feito por meio de um controle de processos. A ideia nesse modelo é analisar desperdícios que podem ser transformados em produtividade, como desperdícios no estoque, no tempo e até mesmo no beneficiamento da matéria-prima. O resultado é um trabalho melhor, mais intensificado e o aumento da rentabilidade da empresa (ou seja, os investimentos realizados trazem mais retorno). 21
  • 22. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? CONTABILIDADE GERENCIAL Ajuda a diminuir a possibilidade de falência do negócio, já que seu foco é indicar as ações estratégicas que podem ser aplicadas e os planejamentos que devem ser seguidos pela empresa. Esse modelo abrange desde questões relativas a impostos até aquisição de bens e ativos. Além disso, sua finalidade é garantir a comunicação dos fatos contábeis às pessoas que efetivamente tomam as decisões na organização. 22
  • 23. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? CONTABILIDADE DE CUSTOS e FORMAÇÃO DE PREÇOS Por meio desse método, os gastos produtivos são monitorados mediante o registro contábil de cada operação realizada na empresa. Utilizando essa técnica, cada produto tem um ponto de equilíbrio definido, ou seja, um valor definido em que os custos são iguais às receitas. A partir desse valor, a empresa começa a ter lucro. No entanto, para delimitar os custos, é necessário analisar especificamente o preço de venda e o posicionamento da marca perante o mercado. 23
  • 24. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Os balanços são analisados a fim de que a empresa consiga obter melhores resultados na questão de finanças. Esse método apoia a contabilidade gerencial e permite o acompanhamento de indicadores a fim de verificar o status financeiro da empresa. Assim, você pode conhecer o patrimônio, as movimentações contábeis e outros elementos necessários para a tomada de decisão. 24
  • 25. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? RELATÓRIO FINANCEIRO E AUDITORIA. O controller é também o responsável por monitorar a condição financeira de uma empresa. Para isso, o controlador trabalha com auditores externos a fim de garantir uma maior transparência nos relatórios financeiros e contábeis, além da conformidade com a Governança Corporativa. Somado a isso, podemos ainda dizer que o profissional de controladoria estabelece, monitora e controla os relatórios financeiros mensais, bimestrais, semestrais e anuais. 25
  • 26. QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER? CONFORMIDADE COM NORMAS E REGULAMENTOS. A importância do controller está ligada também com a coordenação da prestação de informações para auditorias externas. Adicionalmente, ele é responsável por garantir que a empresa esteja cumprindo com o pagamento dos impostos municipais, estaduais e federais. Ou seja, o profissional de controladoria é responsável por garantir o famoso Compliance. 26
  • 27. Gestão Econômica QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DO CONTROLLER?
  • 28. FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA A empresa não sobrevive sem uma boa Gestão Econômica a não ser que esteja em um Oceano Azul quando atua em mercado de baixa competição. Exemplo temos diversos, como o “boom” competitivo do mercado têxtil na década de 90 e os impactos para o setor. Beto Sicupira, sócio de Jorge Paulo Lemann, cita que “custos são como unhas, devem sempre ser aparados”, portanto, dentro de uma empresa, devemos organizar os números de forma estruturada, com fácil acesso e com qualidade. Muito mais do que isso, alguém tem que observar os números com atenção e agir sobre eles, pois não podemos observar de forma passiva aos custos, eles tem de ser conhecidos e administrados para que a organização consiga sobreviver, crescer e prosperar. Aqui entra a Gestão Orçamentária, que basicamente é o processo de prever cenários econômicos, simulá-los e acompanha-los de forma estruturada, garantindo o sucesso econômico da organização. 28
  • 29. FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA 29 Um dos pontos fundamentais de uma Gestão voltada para o Alto Desempenho, é ter um embasamento técnico na parte Econômica e Financeira, de forma consistente. A utilização da Gestão Econômica com uso do Orçamento como premissa, ainda é muitorecente. Pesquisas do SEBRAE e da CNI, mostram que as empresas brasileiras ainda tem muito o que evoluir no que diz respeito à Provisão e Gestão adequada de Custos e Despesas. Essa pesquisa revelou dados preocupantes: 38,5% ainda não possuem uma área de Planejamento e Controladoria, e somente 25% delas, possuem essa área (ou pessoas) atuantes em Planejar e Gerir Custos de formaefetiva. A pergunta é: Sua empresa sabe trabalhar "certo" ou tem um esforço gigantesco para atingir baixas margens? Se a CRISE é tão devastadora assim, como temos empresas crescendo? Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 30. Toda e qualquer organização precisa dar resultados, mesmo Instituições sem Fins Lucrativos. E o resultado é medido de uma forma universal:EBITDA. EBITDA é o resultado da equação de um Planejamento bem elaborado com Eficiência Operacional, ou seja, uma boa Execução. Para elevar o EBITDA de forma consistente, só existem 2 formas. Para tal, pense em um Funil: 1. Ou eleva-se a entrada do funil, com mais faturamento, mais receita; 2. Ou (pode ser um “E” ao invés de “OU”) você entende, controla e atua sobre seus custos, aumentando a diferença do que entra, para o que sai. A resposta é muito simples! Elas focam em controlar e elevar seu EBITDA! Você sabe o que é isso? 30 EBITDA é a sigla em inglês para Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, que traduzindo literalmente para português significa: "Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização(LAJIDA)". Se você crescer de forma perene esse é o caminho. FOCO NA GESTÃO ECONÔMICA Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 31. O foco do EBITDA é equilibrar as demandas do seu negócio, que consumem recursos ($) com processos, investimentos, recursos, insumos, pessoas e claro, inovação, gerando resultado. QUAL O FOCO DO EBITDA? Resultado | Lucro Investimento Pessoas Inovação DemaisRecursos 31Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 32. COMO O EBITDA É MEDIDO? Ele é medido de uma forma, muitosimples. Basicamente, o EBITDA é o seu Faturamento, menos os impostos, seus custos operacionais, despesas, etc, ou seja, seu Resultado Operacional, quanto seu negócio gerou de "valor"econômico: OportunidadedeGestão + FaturamentoBruto - Imposto eDevoluções - Custos comMateriais - Custos deTransformação - Custos comMão-de-obra - Custos e DespesasFixas S S EBITDA 32Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 33. Receita • Capacidade da empresa existir MCB • Produtos são rentáveis? MCL • Produtos colocados no ponto de venda são rentáveis? EBITDA (EBIT) • Operação pura da empresa, sem “fardos” é viável? Resultado após JDF • Operação paga a eventual dívida onerosa? Custos Variáveis (Diretos) Despesas Variáveis (Entrega) Custos Fixos (Estruturais) Juros e Despesas Financeiras Uso do Caixa COMO O EBITDA É MEDIDO? 33
  • 34. COMO GERAR EBITDA? Entendido isso, temos que entender nosso "pricing", ou seja, como precificamos? Estamos alocando todos os custos na nossa precificação? Além disso, temos que ter Planejamento e Gestão dos custos, para garantir competitividade. VisãoTradicionalVisãoCompetitiva Preço Mercado Preço Mercado Preço = Custo + Lucro Lucro = Preço - Custo Gestão e Planejamento PreçoPreço Tempo Tempo 34Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 35. O empreendedor brasileiro ainda não utiliza, nem de perto, o potencial que as ferramentas de gestão disponíveis tem para oferecer. Ainda são poucas as empresas que possuem uma área de Planejamento e Controladoria ou mesmo uma pessoa exercendo este papel, muitas empresas trabalham com planilhas, outras usam sistemas, e algumas nem mesmo planilhas utilizam. Mas se por um lado isto é preocupante, por outro lado mostra que há possibilidades de melhorar os resultados nestas empresas com medidas simples, como a criação de uma área controladoria ou a implantação de uma solução especializada em Gestão Orçamentária, por exemplo. USO DA GESTÃO ECONÔMICA 35Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 36. USO DA GESTÃO ECONÔMICA Há quantos anos existe a área de Planejamento e Controladoria em sua empresa? 36Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 37. O QUE O BRASILEIRO SABE SOBRE GESTÃO? Percentual de empresas que utilizam alguma planilha, software ou aplicativo para apurar/ acompanhar os custos envolvidos em sua atividade: 37Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 38. Percentual de empresários que afirmaram conhecer sua composição de custos para fins de precificação e gestão: O QUE O BRASILEIRO NÃO SABE SOBRE GESTÃO? 38Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 39. QUAIS FERRAMENTAS SUA EMPRESA UTILIZA PARA REALIZAR SEU PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO? 39Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 40. QUAIS METODOLOGIAS SÃO UTILIZADAS POR SUA EMPRESAPARA A GESTÃO ORÇAMENTÁRIA? 40Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 41. QUEM É O RESPONSÁVEL PELO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO EM SUA EMPRESA? 41Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 42. Controle efetivo é completamente diferente de burocracia. Nenhum processo é autogerido. Willian Deming já dizia: "Não se gerencia o que não se mede, não mede o que não se define, não se define o que não se entende, e não há sucesso no que não se gerencia". Lembre-se: O Diamante e o Grafite tem a mesma composição química. O que muda é a Organização. 42 CONTROLE E AÇÃO Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 43. O QUE SUA EMPRESA PLANEJA E ACOMPANHA? 43Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 44. Conforme o gráfico anterior, conseguimos perceber que por volta de 40% das empresas não acompanha Custos e DespesasVariáveis. Levando em consideração que, os Custos Variáveis são, em geral, os mais impactantes para o aumento de volume das empresas e o mesmo não tem a devida atenção, imaginem o que acontece com as Despesas Fixas. 44 CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 45. NÍVEL DE DETALHE DO ORÇAMENTO A projeção e acompanhamento do Faturamento de sua empresa é detalhada por Produtos? A projeção e acompanhamento do Faturamento de sua empresa é detalhada por Canais de Distribuição? 45Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 46. NÍVEL DE DETALHE DO ORÇAMENTO A projeção e acompanhamento das Despesas Operacionais de sua empresa é detalhada por Centros de Custos? Quais demonstrativos sua empresa projeta e acompanha mensalmente? 46Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 47. Mais do que ser um simples plano, o Orçamento deve ser um guia para a Execução. Tendo isso em vista, a extração de Indicadores de Gestão (KPI’s) no seu uso, é essencial. Além do EBITDA, podemos elencar o % de Margem de Contribuição, % Lucratividade, % de Inadimplência, % de Overhead, etc. Obviamente, além de extrair e analisarmos esses indicadores, devemos atuar efetivamente sobre os mesmos. Daí surge a equação I + A = R. Informação de Qualidade, com Ações embasadas, consistentes e tomadas na hora certa, geram Resultados. INFORMAÇÃO + AÇÃO = RESULTADOS 47Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 48. NÍVEL DE I + A = R 48 Quais destes indicadores sua empresa extrai do Processo Orçamentário? Quais ações são realizadas em cima das análises dos valores Planejados x Realizados x Históricos? Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 49. NÍVEL DE I + A = R 49 Você considera que a empresa utiliza efetivamente os dados gerados pelo Processo Orçamentário para embasar a tomada de decisões? Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 50. INFORMAÇÃO + AÇÃO = RESULTADOS Com as análises anteriores, fica clara a disparidade entre acesso a informação e uso efetivo da mesma. Somente 30% dos pesquisados tomam efetivamente ações sobre os desvios identificados no Planejado x Realizado do orçamento, sendo que 22% não tomam ações e quase metade (48%) só tomam ações em alguns casos. Além disso, somente 28,5% tomam ações para aproveitar as oportunidades e somente 21,9% documentam prazo e responsável em um FCA (Fato, Causa, Ação ou 5W2H). 50Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 51. SOBRE A MECÂNICA DO ORÇAMENTO Quanto tempo leva o processo de Elaboração do Orçamento? 51Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 52. SOBRE A MECÂNICA DO ORÇAMENTO Quanto tempo leva mensalmente para obter as informações realizadas para o Acompanhamento Orçamentário? Sua empresa utiliza indexadores (Dólar, IGPM, Inflação, etc.) para manter seu Planejamento Orçamentário sempre compatível com o cenário econômico em que está inserida? 52Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 53. DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS Qual foi o maior desafio da sua empresa no que tange Planejamento e Controladoria em 2016? Qual você acredita que será o maior desafio da sua empresa no que tange Planejamento e Controladoria em 2017? 53Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 54. Cortar custos por si só, jamais vai resolver o problema de uma empresa, se ela não possuir um bom e organizado "Funil de Vendas". Você conhece o Mercado? Quantos clientes potenciais? Qual a sua Penetração, Taxa de Conversão e Fatia do Mercado e os seus Motivos de Não Venda? 54 GESTÃO COMERCIAL Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 55. DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS 55 Quais iniciativas de controle ou corte de custos sua empresa pretende fazer para 2017? As iniciativas serão feitas de forma interna ou com contratação de serviços de terceiros? Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 56. DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS 56 Quanto sua empresa conseguiu economizar em Custos Variáveis Diretos em 2016, em relação ano anterior? (com evidências) Quanto sua empresa conseguiu economizar em Despesas Operacionais este ano, em relação ano anterior? (com evidências) Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 57. CONHECIMENTO DE FERRAMENTAS Quando você precisa de mais conhecimento sobre Custos, Controladoria, Orçamento, etc, qual a primeira ferramenta que te vem em mente? 57Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 58. DESAFIOS VENCIDOS E VINDOUROS 58 Já ouviu falar em Cost Deployment (Desdobramento de Custos), que pode auxiliar na redução do Custo Variável Direto? Já ouviu falar do conceito de Ínterim Management ou BPO, ambos voltados a Alta Performance Econômica Financeira, com foco na redução de Custos e Despesas? Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 59. CONCLUSÃO Fica claro que ainda temos uma longa trilha a caminhar. Vemos também, que o principal receio para 2017 será a queda de faturamento, fato que ocorreu em 2016 com quase 60% dos pesquisados e tende-se a acontecer com mais 50% nesse novo ano que se inicia. Isso tudo seguido dos Custos Fixos e Variáveis, que permeiam quase 40% das preocupações. A maior parte das pessoas ainda se embasa em pesquisas de livros e conversas com colegas para acessar novas metodologias e ferramentas, ainda resistindo a nova tendência como YouTube, talvez até pela escassez desse tipo de informação nesse canal. Porém, nos canais tradicionais como Livros, metodologias como OBZ (Orçamento Base Zero) e CD (Cost Deployment) ainda são muito escassas. Com isso temos 44% das pessoas que nunca ouviram falar de OBZ, 72% que não conhecem CD e quase 90% que nunca ouviram sequer citar o termo Controller Um ponto que também chama atenção é que 61,5% das empresas ainda utilizam planilhas para execução do orçamento. Por fim, o equilíbrio de Informações + Ação = Resultados é muito frágil e temos muitas oportunidades para serem exploradas, possibilitando que sejamos mais competitivos e lucrativos. 59Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 60. CONCLUSÃO É preciso buscar fazer diferente! Enquanto áreas como Marketing e Vendas evoluem, a passos largos, as áreas de Planejamento e Controladoria ainda estão estacionadas no tempo. Isso faz com que negócios e empregos sejam perdidos, gerando ainda mais crise, que poderia ser contornada com o simples fato de executar melhor a gestão. 60Treasy + Ferreira Filho = Budget Trends2017
  • 61. Referencias / Bibliografias / Citações / Quadros / Mapas / 61 • Sthephen Kanitz e Melhores e Maiores • Resulta Consultoria Contabil – Mauricio Agostinho • Resulta Consultoria Contabil – Jose Luis Castilho • Controladoria Estratégica e Operacional – Clovis Padovese • Tata Consulting Services • Básico Gerencial de Custos – Clovis Padovese • Treasy Planejamento e Controladoria • Contabilidade Gerencial – Clovis Padovese • Análise das Demonstrações Financeiras – Clovis Padovese • Ferreira Filho Associados • Orçamento Empresarial – Clovis Padovese