SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS
E AMBIENTAIS
Profa
. Andréia Neves
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
• Conhecer os conceitos de recursos físicos e ambientais e
entender a importância do gerenciamento dos mesmos
• Conhecer gerenciamento de resíduos.
 
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Garante condições adequadas de trabalho, tanto no que se
refere ao atendimento das necessidades dos usuários como
das necessidades dos profissionais da área, sendo
responsabilidade do todos os integrantes da instituição
assegurar essas condições.
As ações gerenciais, no que se refere à infraestrutura para
assistência à saúde, visam garantir segurança aos
profissionais e a clientela, diminuindo o risco ocupacional.
GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E
AMBIENTAIS
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Consiste na participação do enfermeiro na alocação de
recursos, com o objetivo de promover segurança,
privacidade,
conforto e adequadas condições de trabalho.
Considera a legislação em vigor com a RDC 50 da ANVISA
(agência nacional de vigilância sanitária).
 
GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CONCEITOS:
RECURSOS FÍSICOS: Compreendem as áreas externas e internas
que compõem um serviço de saúde.
UNIDADE: compreende o espaço físico determinado e
especializado para o desenvolvimento de atividades
assistenciais.
DIMENSÃO: refere-se ao tamanho da unidade em função do
equipamento, da população a ser atendida e das atividades a
serem realizadas.
ESTABELECIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (EAS): é
entendido como qualquer edificação destinada à prestação de
assistência à saúde da população em qualquer nível de
complexidade.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
FATORES A CONSIDERAR
• Modelo assistencial
• Aspectos técnicos
• Econômicos
• Ambientais
• Arquitetura
• Instalações (elétrica, hidráulica, climatização etc.)
 
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
GERENCIAMENTO DE RECURSOS AMBIENTAIS
(RDC 306/2004 – ANVISA)
Conceito:
O gerenciamento dos RSS e (resíduos de serviços de saúde)
constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão,
planejados e implementados a partir de bases científicas e
técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a
produção de resíduos e proporcionar aos resíduos gerados, um
encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando à
proteção dos trabalhadores, a preservação da saúde pública,
dos recursos naturais e do meio ambiente.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
O gerenciamento deve abranger todas as etapas de
planejamento dos recursos físicos, dos recursos materiais e da
capacitação dos recursos humanos envolvidos no manejo dos
RSS.
Deve se elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de
Serviços de Saúde - PGRSS, baseado nas características dos
resíduos gerados.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
 
Grupo A: Resíduos infectantes, que por suas características
de maior virulência, infectividade e concentração de
patógenos, apresenta risco potencial adicional à saúde
pública;
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
GRUPO A1- culturas e estoques de microrganismos resíduos
de fabricação de produtos biológicos, exceto os
hemoderivados; meios de cultura e instrumentais utilizados
para transferência, inoculação ou mistura de culturas;
resíduos de laboratórios de manipulação genética. Estes
resíduos não podem deixar a unidade geradora sem
tratamento prévio.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
GRUPO A2- Carcaças, peças anatômicas, vísceras e outros
resíduos provenientes de animais submetidos a processos de
experimentação com inoculação de microorganismos, bem
como suas forrações, e os cadáveres de animais suspeitos de
serem portadores de microrganismos de relevância
epidemiológica e com risco de disseminação, que foram
submetidos ou não a estudo anátomo-patológico ou
confirmação diagnóstica. Devem ser submetidos a
tratamento antes da disposição final.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
GRUPO A3- Peças anatômicas (membros) do ser humano;
produto de fecundação sem sinais vitais, com peso menor
que 500 gramas ou estatura menor que 25 centímetros ou
idade gestacional menor que 20 semanas, que não tenham
valor científico ou legal e não tenha havido requisição pelo
paciente ou seus familiares.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
GRUPO A4- Kits de linhas arteriais, endovenosas e
dialisadores;
filtros de ar e gases aspirados de área contaminada;
membrana filtrante de equipamento médico-hospitalar e de
pesquisa, entre outros similares;
sobras de amostras de laboratório e seus recipientes
contendo fezes, urina e secreções, provenientes de pacientes
que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes
Classe de Risco 4,
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
GRUPO A4 - Não apresentem relevância epidemiológica e
risco de disseminação, ou microrganismo causador de
doença emergente que se torne epidemiologicamente
importante ou cujo mecanismo de transmissão seja
desconhecido ou com suspeita de contaminação com
príons;
tecido adiposo proveniente de lipoaspiração, lipoescultura
ou outro procedimento de cirurgia plástica; peças
anatômicas (órgãos e tecidos) e outros resíduos
provenientes de procedimentos cirúrgicos ou de estudos
anátomo-patológicos ou de confirmação diagnóstica;
Bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós-
transfusão.
+ GRUPO A2
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
GRUPO A5- Órgãos, tecidos, fluidos orgânicos, materiais
perfuro cortantes ou escarificantes e demais materiais
resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais,
com suspeita ou certeza de contaminação com príons.
OBS.: Príons é um agente infeccioso composto
por proteínas
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
Grupo B: Químicos - resíduos contendo substâncias químicas
que apresentam risco à saúde pública ou ao meio ambiente,
independente de suas características de inflamabilidade,
corrosividade, reatividade e toxicidade.
Grupo C: Rejeitos radioativos.
São considerados rejeitos radioativos quaisquer materiais
resultantes de atividades humanas que contenham
radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de
isenção especificados na norma Cnen-NE-6.02.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:
Grupo D: Resíduos comuns - são todos os resíduos gerados nos
serviços de saúde e que, por suas características, não
necessitam de processos diferenciados relacionados ao
acondicionamento, identificação e tratamento, devendo ser
considerados resíduos sólidos urbanos . RSU. Por sua
semelhança aos resíduos domiciliares, não apresentam risco
adicional à saúde pública.
Grupo E: Perfuro cortantes - são os objetos e instrumentos
contendo cantos, bordas, pontos ou protuberâncias rígidas e
agudas, capazes de cortar ou perfurar.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
RESPONSABILIDADES
Compete aos serviços geradores de RSS:
A elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de
serviços de Saúde - PGRSS, obedecendo a critérios técnicos,
legislação ambiental, normas de coleta e transporte dos
serviços locais de limpeza urbana e outras orientações contidas
no Regulamento.
 
O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde
é o documento que aponta e descreve as ações relativas ao
manejo dos resíduos sólidos, no âmbito dos estabelecimentos,
contemplando os aspectos referentes à geração, segregação,
acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte,
tratamento e disposição final, e as ações de proteção à
saúde pública e ao meio ambiente.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
ETAPAS DO PGRSS:
• MANEJO:
O manejo dos RSS é entendido como a ação de gerenciar os
resíduos em seus aspectos intra e extra estabelecimento,
desde a geração até a disposição final, incluindo as seguintes
etapas:
• SEGREGAÇÃO:
Consiste na separação dos resíduos no
momento e local de sua geração, de acordo com as
características físicas, químicas, biológicas, o seu estado
físico e os riscos envolvidos.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• ACONDICIONAMENTO:
Consiste no ato de embalar os resíduos segregados, em
sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às
ações de punctura e ruptura. A capacidade dos recipientes
de acondicionamento deve ser compatível com a geração
diária de cada tipo de resíduo.
• IDENTIFICAÇÃO:
Consiste no conjunto de medidas que permite o
reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e
recipientes, fornecendo informações ao correto manejo dos
RSS.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• TRANSPORTE INTERNO:
Consiste no traslado dos resíduos dos pontos de geração até
o local destinado ao armazenamento temporário ou
armazenamento externo com a finalidade de apresentação
para a coleta.
• ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO:
Consiste na guarda temporária dos recipientes contendo os
resíduos já acondicionados, em local próximo aos pontos de
geração, para otimizar o deslocamento entre os pontos
geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta
externa. Não pode ser feito armazenamento temporário com
os sacos sobre o piso, sendo obrigatória a conservação dos
saco em recipientes de acondicionamento proprios.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• TRATAMENTO:
Consiste na aplicação de método, técnica ou processo que
modifique as características dos riscos inerentes aos resíduos,
reduzindo ou eliminando o risco de contaminação, de
acidentes ocupacionais ou de dano ao meio ambiente. O
tratamento pode ser aplicado no próprio estabelecimento
gerador ou em outro estabelecimento, observadas as
condições de segurança para o transporte entre o
estabelecimento gerador e o local do tratamento.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• ARMAZENAMENTO EXTERNO:
Consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a
realização da etapa de coleta externa, em ambiente
exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS:
Consistem na remoção dos RSS do abrigo de resíduos
(armazenamento externo) até a unidade de tratamento ou
disposição final, utilizando técnicas que garantam a
preservação das condições de acondicionamento e a
integridade dos trabalhadores, da população e do meio
ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos
órgãos de limpeza urbana.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
• DISPOSIÇÃO FINAL :
Consiste na disposição de resíduos no solo, previamente
preparado para recebê-los, obedecendo a critérios técnicos
de construção e operação, e com licenciamento ambiental de
acordo com a Resolução CONAMA nº 237/97.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
SEGURANÇA OCUPACIONAL
 
O pessoal envolvido diretamente com os processos de coleta,
transporte, tratamento, higienização e armazenamento, deve
ser submetido a exame médico admissional, periódico, de
retorno ao trabalho, de mudança de função e demissional.
O pessoal envolvido diretamente com o gerenciamento de
resíduos deve:
• ser capacitado na ocasião de sua admissão e
• mantido sob treinamento periódico para as atividades de
manejo de resíduos,
• deve receber orientação quanto a higiene pessoal e dos
materiais
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Equipamentos de proteção individual (EPIs)
 
Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), serão
adequados, e destinados a proteger a integridade física do
trabalhador e obedecerão à normatização da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Equipamentos de proteção individual (EPIs)
• Uniforme : será composto por calça comprida e camisa com
manga três quartos, de tecido brim de cor branca;
• Luvas : de PVC, impermeáveis, resistentes,
antiderrapante, de cano longo e na cor branca;
• Botas : de PVC, impermeáveis, resistentes, solado
antiderrapante, cano três quartos e na cor branca;
 
• Gorro : terá forma e tamanho para
Cobrir e proteger completamente os
cabelos e será da cor branca;
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Equipamentos de proteção individual (EPIs)
• Máscara : será respiratória, impermeável, tipo semifacial
ajustável que cubra nariz e boca;
• Óculos : de plásticos resistentes, com armação em plástico
flexível, com proteção lateral, válvulas para ventilação, com
lente panorâmica, incolor que protegerá a mucosa ocular;
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Equipamentos de proteção individual (EPIs)
• Colete : para coleta noturna será cor
fosforescente;
 
• Boné : será de cor branca, de forma e tamanho
para cobrir e proteger os cabelos.
Avental : de PVC, impermeável, de médio
comprimento, com largura suficiente para cobrir o
uniforme;
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Observações (NR 32)
1.A segregação dos resíduos deve ser realizada no local onde
são gerados, devendo ser observado que:
a)sejam utilizados recipientes que atendam as normas da
ABNT, em número suficiente para o armazenamento;
b) os recipientes estejam localizados próximos da fonte
geradora;
c) os recipientes sejam constituídos de material lavável,
resistente à punctura, ruptura e vazamento, com tampa
provida de sistema de abertura sem contato manual, com
cantos arredondados e que sejam resistentes ao tombamento;
d) os recipientes sejam identificados e sinalizados segundo
as normas da ABNT.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Observações (NR 32)
 
2. Os recipientes existentes nas salas de cirurgia e de parto
não necessitam de tampa para vedação.
 
3. Para os recipientes destinados a coleta de material
perfuro cortante, o limite máximo de enchimento deve
estar localizado 5 cm abaixo do bocal.
 
4. O recipiente para acondicionamento dos perfuro cortantes
deve ser mantido em suporte exclusivo e em altura que
permita a visualização da abertura para descarte.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Observações (NR 32)
5. O transporte manual do recipiente de segregação deve ser
realizado de forma que não exista o contato do mesmo com
outras partes do corpo, sendo vedado o arrasto.
 
6. Sempre que o transporte do recipiente de segregação
possa comprometer a segurança e a saúde do trabalhador,
devem ser utilizados meios técnicos apropriados, de modo a
preservar a sua saúde e integridade física.
 
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
7. A sala de armazenamento temporário dos recipientes de
transporte deve atender, no mínimo, às seguintes
características:
I. ser dotada de:
a) pisos e paredes laváveis;
b) ralo sifonado;
c) ponto de água;
d) ponto de luz;
e) ventilação adequada;
f) abertura dimensionada de forma a permitir a entrada dos
recipientes de transporte.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
II. ser mantida limpa e com controle de vetores;
 
III. conter somente os recipientes de coleta, armazenamento
ou transporte;
 
IV. ser utilizada apenas para os fins a que se destina;
 
V. estar devidamente sinalizada e identificada.
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
8. O transporte dos resíduos para a área de armazenamento
externo deve atender aos seguintes requisitos:
a)ser feito através de carros constituídos de material rígido,
lavável, impermeável, provido de tampo articulado ao
próprio corpo do equipamento e cantos arredondados;
b)ser realizado em sentido único com roteiro definido em
horários não coincidentes com a distribuição de roupas,
alimentos e medicamentos, períodos de visita ou de maior
fluxo de pessoas
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
Nesta Aula, você:
• Você teve a oportunidade de conhecer os conceitos de
gerenciamento de recursos hospitalares
• Aprendeu como proceder no gerenciamento dos RSS
• Conheceu a importância dos EPIs dentro das normas
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
NA PRÓXIMA AULA
Vamos Falar sobre:
• Qualidade total em serviços de saúde
• Aprenderá sobre acreditação hospitalar
AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
ESPERO POR VOCÊ !!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
santhdalcin
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Aroldo Gavioli
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Erivaldo Rosendo
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
Samira Rahaamid Paz
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
Carlos Brasil
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
luzienne moraes
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Viviane da Silva
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
universitária
 

Mais procurados (20)

Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 

Destaque

Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
januarioneto
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostila
Wilma Medeiros
 
Aula 08 (4)
Aula 08 (4)Aula 08 (4)
Aula 08 (4)
Samira Rahaamid Paz
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Luciane Santana
 
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Jorge Luiz de Souza Neto
 
Administração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJAdministração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJ
Ismael Costa
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúde
calinesa
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Lixo eletroeletronico
Lixo eletroeletronicoLixo eletroeletronico
Lixo eletroeletronico
Lucelio de Oliveira Lemos
 
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúdeManual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Nestor Neto
 
Morfologia e Fisiologia dos Príons
Morfologia e Fisiologia dos PríonsMorfologia e Fisiologia dos Príons
Morfologia e Fisiologia dos Príons
João Marcos Galúcio
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Karol Cantuaria
 
Normograma gestion de recursos fisicos
Normograma gestion de recursos fisicosNormograma gestion de recursos fisicos
Normograma gestion de recursos fisicos
hospitalruu
 
Recursos hídricos na amazônia
Recursos hídricos na amazôniaRecursos hídricos na amazônia
Recursos hídricos na amazônia
Rafaelle Luane
 
Gerenciamento
GerenciamentoGerenciamento
Gerenciamento
07082001
 
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
Pelo Siro
 
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
Pelo Siro
 
Cara
CaraCara
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-20142ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
Seminário CME
 

Destaque (20)

Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Administração apliacada à enfermagem apostila
Administração apliacada à enfermagem   apostilaAdministração apliacada à enfermagem   apostila
Administração apliacada à enfermagem apostila
 
Aula 08 (4)
Aula 08 (4)Aula 08 (4)
Aula 08 (4)
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
 
Administração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJAdministração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJ
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúde
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Lixo eletroeletronico
Lixo eletroeletronicoLixo eletroeletronico
Lixo eletroeletronico
 
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúdeManual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
 
Morfologia e Fisiologia dos Príons
Morfologia e Fisiologia dos PríonsMorfologia e Fisiologia dos Príons
Morfologia e Fisiologia dos Príons
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Normograma gestion de recursos fisicos
Normograma gestion de recursos fisicosNormograma gestion de recursos fisicos
Normograma gestion de recursos fisicos
 
Recursos hídricos na amazônia
Recursos hídricos na amazôniaRecursos hídricos na amazônia
Recursos hídricos na amazônia
 
Gerenciamento
GerenciamentoGerenciamento
Gerenciamento
 
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
1187129430 a contribuicao_da_saude_e_seguranca_no_trabalho_para_a_qualidade_d...
 
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
1232726845 7 tecnicas_de_procura_de_emprego
 
Cara
CaraCara
Cara
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-20142ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
2ª Edição do 1º Seminário CME - Sobre Resíduos Hospitalares Frente a RDC 15-2014
 

Semelhante a Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.

Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
DanieladaGraadeOlive
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
Raquel Braga
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Gerenciamento de rss
Gerenciamento de rssGerenciamento de rss
Gerenciamento de rss
Ediones Costa
 
ARTRITIS
ARTRITISARTRITIS
ARTRITIS
Giullia_10
 
gerenciamento dos residuos dos serviços de saude
gerenciamento dos residuos dos serviços de saudegerenciamento dos residuos dos serviços de saude
gerenciamento dos residuos dos serviços de saude
sarabarbosa97
 
Trab de biologia e saude
Trab de biologia e saudeTrab de biologia e saude
Trab de biologia e saude
Maria Menezes
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
GABRIELA ELISE
 
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdfBiossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
potgasAce
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
ojcn
 
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos HospitalaresIFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
Gabriel Almeida
 
Apostila eletronica pgrss
Apostila eletronica pgrssApostila eletronica pgrss
Apostila eletronica pgrss
Denis Candeias
 
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalhoMonografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
✪ Paulo Montenegro Eng Seg do Trabalho
 
AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
VanessaPereira757054
 
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição  Ambiental - Tema Lixo HospitalarPoluição  Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Lukas Lima
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Luciane Santana
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
RaquelOlimpio1
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
RaquelOlimpio1
 
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdfRita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Andréia Silva
 
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptxBiosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
ssuser87b501
 

Semelhante a Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais. (20)

Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
Residuosdos servicosdesaude ebserh-see_15052014
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Gerenciamento de rss
Gerenciamento de rssGerenciamento de rss
Gerenciamento de rss
 
ARTRITIS
ARTRITISARTRITIS
ARTRITIS
 
gerenciamento dos residuos dos serviços de saude
gerenciamento dos residuos dos serviços de saudegerenciamento dos residuos dos serviços de saude
gerenciamento dos residuos dos serviços de saude
 
Trab de biologia e saude
Trab de biologia e saudeTrab de biologia e saude
Trab de biologia e saude
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
 
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdfBiossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos HospitalaresIFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
IFAM - SEDF12 - GESTÃO AMBIENTAL, GRUPO III: Gestão de Resíduos Hospitalares
 
Apostila eletronica pgrss
Apostila eletronica pgrssApostila eletronica pgrss
Apostila eletronica pgrss
 
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalhoMonografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
Monografia paulo de_souza_montenegro_eng_seg_trabalho
 
AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
 
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição  Ambiental - Tema Lixo HospitalarPoluição  Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
 
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
Programa de gerenciamento de resíduos em serviço De saúde.
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
 
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdfRita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
 
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptxBiosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
Biosseguranca_ambiente_cirurgico.pptx
 

Último

Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.

  • 1. ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS Profa . Andréia Neves
  • 2. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CONTEÚDO PROGRAMÁTICO • Conhecer os conceitos de recursos físicos e ambientais e entender a importância do gerenciamento dos mesmos • Conhecer gerenciamento de resíduos.  
  • 3. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Garante condições adequadas de trabalho, tanto no que se refere ao atendimento das necessidades dos usuários como das necessidades dos profissionais da área, sendo responsabilidade do todos os integrantes da instituição assegurar essas condições. As ações gerenciais, no que se refere à infraestrutura para assistência à saúde, visam garantir segurança aos profissionais e a clientela, diminuindo o risco ocupacional. GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS
  • 4. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Consiste na participação do enfermeiro na alocação de recursos, com o objetivo de promover segurança, privacidade, conforto e adequadas condições de trabalho. Considera a legislação em vigor com a RDC 50 da ANVISA (agência nacional de vigilância sanitária).   GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS
  • 5. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CONCEITOS: RECURSOS FÍSICOS: Compreendem as áreas externas e internas que compõem um serviço de saúde. UNIDADE: compreende o espaço físico determinado e especializado para o desenvolvimento de atividades assistenciais. DIMENSÃO: refere-se ao tamanho da unidade em função do equipamento, da população a ser atendida e das atividades a serem realizadas. ESTABELECIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE (EAS): é entendido como qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população em qualquer nível de complexidade.
  • 6. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM FATORES A CONSIDERAR • Modelo assistencial • Aspectos técnicos • Econômicos • Ambientais • Arquitetura • Instalações (elétrica, hidráulica, climatização etc.)  
  • 7. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM GERENCIAMENTO DE RECURSOS AMBIENTAIS (RDC 306/2004 – ANVISA) Conceito: O gerenciamento dos RSS e (resíduos de serviços de saúde) constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases científicas e técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a produção de resíduos e proporcionar aos resíduos gerados, um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando à proteção dos trabalhadores, a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio ambiente.
  • 8. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM O gerenciamento deve abranger todas as etapas de planejamento dos recursos físicos, dos recursos materiais e da capacitação dos recursos humanos envolvidos no manejo dos RSS. Deve se elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS, baseado nas características dos resíduos gerados.
  • 9. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS:   Grupo A: Resíduos infectantes, que por suas características de maior virulência, infectividade e concentração de patógenos, apresenta risco potencial adicional à saúde pública;
  • 10. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: GRUPO A1- culturas e estoques de microrganismos resíduos de fabricação de produtos biológicos, exceto os hemoderivados; meios de cultura e instrumentais utilizados para transferência, inoculação ou mistura de culturas; resíduos de laboratórios de manipulação genética. Estes resíduos não podem deixar a unidade geradora sem tratamento prévio.
  • 11. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: GRUPO A2- Carcaças, peças anatômicas, vísceras e outros resíduos provenientes de animais submetidos a processos de experimentação com inoculação de microorganismos, bem como suas forrações, e os cadáveres de animais suspeitos de serem portadores de microrganismos de relevância epidemiológica e com risco de disseminação, que foram submetidos ou não a estudo anátomo-patológico ou confirmação diagnóstica. Devem ser submetidos a tratamento antes da disposição final.
  • 12. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: GRUPO A3- Peças anatômicas (membros) do ser humano; produto de fecundação sem sinais vitais, com peso menor que 500 gramas ou estatura menor que 25 centímetros ou idade gestacional menor que 20 semanas, que não tenham valor científico ou legal e não tenha havido requisição pelo paciente ou seus familiares.
  • 13. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: GRUPO A4- Kits de linhas arteriais, endovenosas e dialisadores; filtros de ar e gases aspirados de área contaminada; membrana filtrante de equipamento médico-hospitalar e de pesquisa, entre outros similares; sobras de amostras de laboratório e seus recipientes contendo fezes, urina e secreções, provenientes de pacientes que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes Classe de Risco 4,
  • 14. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM GRUPO A4 - Não apresentem relevância epidemiológica e risco de disseminação, ou microrganismo causador de doença emergente que se torne epidemiologicamente importante ou cujo mecanismo de transmissão seja desconhecido ou com suspeita de contaminação com príons; tecido adiposo proveniente de lipoaspiração, lipoescultura ou outro procedimento de cirurgia plástica; peças anatômicas (órgãos e tecidos) e outros resíduos provenientes de procedimentos cirúrgicos ou de estudos anátomo-patológicos ou de confirmação diagnóstica; Bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós- transfusão. + GRUPO A2
  • 15. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: GRUPO A5- Órgãos, tecidos, fluidos orgânicos, materiais perfuro cortantes ou escarificantes e demais materiais resultantes da atenção à saúde de indivíduos ou animais, com suspeita ou certeza de contaminação com príons. OBS.: Príons é um agente infeccioso composto por proteínas
  • 16. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: Grupo B: Químicos - resíduos contendo substâncias químicas que apresentam risco à saúde pública ou ao meio ambiente, independente de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Grupo C: Rejeitos radioativos. São considerados rejeitos radioativos quaisquer materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de isenção especificados na norma Cnen-NE-6.02.
  • 17. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS: Grupo D: Resíduos comuns - são todos os resíduos gerados nos serviços de saúde e que, por suas características, não necessitam de processos diferenciados relacionados ao acondicionamento, identificação e tratamento, devendo ser considerados resíduos sólidos urbanos . RSU. Por sua semelhança aos resíduos domiciliares, não apresentam risco adicional à saúde pública. Grupo E: Perfuro cortantes - são os objetos e instrumentos contendo cantos, bordas, pontos ou protuberâncias rígidas e agudas, capazes de cortar ou perfurar.
  • 18. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM RESPONSABILIDADES Compete aos serviços geradores de RSS: A elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de serviços de Saúde - PGRSS, obedecendo a critérios técnicos, legislação ambiental, normas de coleta e transporte dos serviços locais de limpeza urbana e outras orientações contidas no Regulamento.   O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde é o documento que aponta e descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final, e as ações de proteção à saúde pública e ao meio ambiente.
  • 19. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ETAPAS DO PGRSS: • MANEJO: O manejo dos RSS é entendido como a ação de gerenciar os resíduos em seus aspectos intra e extra estabelecimento, desde a geração até a disposição final, incluindo as seguintes etapas: • SEGREGAÇÃO: Consiste na separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, o seu estado físico e os riscos envolvidos.
  • 20. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • ACONDICIONAMENTO: Consiste no ato de embalar os resíduos segregados, em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a geração diária de cada tipo de resíduo. • IDENTIFICAÇÃO: Consiste no conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e recipientes, fornecendo informações ao correto manejo dos RSS.
  • 21. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • TRANSPORTE INTERNO: Consiste no traslado dos resíduos dos pontos de geração até o local destinado ao armazenamento temporário ou armazenamento externo com a finalidade de apresentação para a coleta. • ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO: Consiste na guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já acondicionados, em local próximo aos pontos de geração, para otimizar o deslocamento entre os pontos geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta externa. Não pode ser feito armazenamento temporário com os sacos sobre o piso, sendo obrigatória a conservação dos saco em recipientes de acondicionamento proprios.
  • 22. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • TRATAMENTO: Consiste na aplicação de método, técnica ou processo que modifique as características dos riscos inerentes aos resíduos, reduzindo ou eliminando o risco de contaminação, de acidentes ocupacionais ou de dano ao meio ambiente. O tratamento pode ser aplicado no próprio estabelecimento gerador ou em outro estabelecimento, observadas as condições de segurança para o transporte entre o estabelecimento gerador e o local do tratamento.
  • 23. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • ARMAZENAMENTO EXTERNO: Consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores.
  • 24. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS: Consistem na remoção dos RSS do abrigo de resíduos (armazenamento externo) até a unidade de tratamento ou disposição final, utilizando técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores, da população e do meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana.
  • 25. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM • DISPOSIÇÃO FINAL : Consiste na disposição de resíduos no solo, previamente preparado para recebê-los, obedecendo a critérios técnicos de construção e operação, e com licenciamento ambiental de acordo com a Resolução CONAMA nº 237/97.
  • 26. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM SEGURANÇA OCUPACIONAL   O pessoal envolvido diretamente com os processos de coleta, transporte, tratamento, higienização e armazenamento, deve ser submetido a exame médico admissional, periódico, de retorno ao trabalho, de mudança de função e demissional. O pessoal envolvido diretamente com o gerenciamento de resíduos deve: • ser capacitado na ocasião de sua admissão e • mantido sob treinamento periódico para as atividades de manejo de resíduos, • deve receber orientação quanto a higiene pessoal e dos materiais
  • 27. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Equipamentos de proteção individual (EPIs)   Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), serão adequados, e destinados a proteger a integridade física do trabalhador e obedecerão à normatização da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
  • 28. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Equipamentos de proteção individual (EPIs) • Uniforme : será composto por calça comprida e camisa com manga três quartos, de tecido brim de cor branca; • Luvas : de PVC, impermeáveis, resistentes, antiderrapante, de cano longo e na cor branca; • Botas : de PVC, impermeáveis, resistentes, solado antiderrapante, cano três quartos e na cor branca;   • Gorro : terá forma e tamanho para Cobrir e proteger completamente os cabelos e será da cor branca;
  • 29. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Equipamentos de proteção individual (EPIs) • Máscara : será respiratória, impermeável, tipo semifacial ajustável que cubra nariz e boca; • Óculos : de plásticos resistentes, com armação em plástico flexível, com proteção lateral, válvulas para ventilação, com lente panorâmica, incolor que protegerá a mucosa ocular;
  • 30. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Equipamentos de proteção individual (EPIs) • Colete : para coleta noturna será cor fosforescente;   • Boné : será de cor branca, de forma e tamanho para cobrir e proteger os cabelos. Avental : de PVC, impermeável, de médio comprimento, com largura suficiente para cobrir o uniforme;
  • 31. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Observações (NR 32) 1.A segregação dos resíduos deve ser realizada no local onde são gerados, devendo ser observado que: a)sejam utilizados recipientes que atendam as normas da ABNT, em número suficiente para o armazenamento; b) os recipientes estejam localizados próximos da fonte geradora; c) os recipientes sejam constituídos de material lavável, resistente à punctura, ruptura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e que sejam resistentes ao tombamento; d) os recipientes sejam identificados e sinalizados segundo as normas da ABNT.
  • 32. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Observações (NR 32)   2. Os recipientes existentes nas salas de cirurgia e de parto não necessitam de tampa para vedação.   3. Para os recipientes destinados a coleta de material perfuro cortante, o limite máximo de enchimento deve estar localizado 5 cm abaixo do bocal.   4. O recipiente para acondicionamento dos perfuro cortantes deve ser mantido em suporte exclusivo e em altura que permita a visualização da abertura para descarte.
  • 33. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Observações (NR 32) 5. O transporte manual do recipiente de segregação deve ser realizado de forma que não exista o contato do mesmo com outras partes do corpo, sendo vedado o arrasto.   6. Sempre que o transporte do recipiente de segregação possa comprometer a segurança e a saúde do trabalhador, devem ser utilizados meios técnicos apropriados, de modo a preservar a sua saúde e integridade física.  
  • 34. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM 7. A sala de armazenamento temporário dos recipientes de transporte deve atender, no mínimo, às seguintes características: I. ser dotada de: a) pisos e paredes laváveis; b) ralo sifonado; c) ponto de água; d) ponto de luz; e) ventilação adequada; f) abertura dimensionada de forma a permitir a entrada dos recipientes de transporte.
  • 35. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM II. ser mantida limpa e com controle de vetores;   III. conter somente os recipientes de coleta, armazenamento ou transporte;   IV. ser utilizada apenas para os fins a que se destina;   V. estar devidamente sinalizada e identificada.
  • 36. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM 8. O transporte dos resíduos para a área de armazenamento externo deve atender aos seguintes requisitos: a)ser feito através de carros constituídos de material rígido, lavável, impermeável, provido de tampo articulado ao próprio corpo do equipamento e cantos arredondados; b)ser realizado em sentido único com roteiro definido em horários não coincidentes com a distribuição de roupas, alimentos e medicamentos, períodos de visita ou de maior fluxo de pessoas
  • 37. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM
  • 38. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM Nesta Aula, você: • Você teve a oportunidade de conhecer os conceitos de gerenciamento de recursos hospitalares • Aprendeu como proceder no gerenciamento dos RSS • Conheceu a importância dos EPIs dentro das normas
  • 39. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM NA PRÓXIMA AULA Vamos Falar sobre: • Qualidade total em serviços de saúde • Aprenderá sobre acreditação hospitalar
  • 40. AULA 09: GERENCIAMENTO DE RECURSOS FÍSICOS E AMBIENTAIS ADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEMADMINISTRAÇÃO E GERENCIA EM ENFERMAGEM ESPERO POR VOCÊ !!