SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução a Tecnologia
Têxtil
Prof.: Fabiana Mendes
Email : fdml@hotmail.com
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
1
Conteúdo da Disciplina
• A roupa e a moda
• Conteúdos da roupa e players da cadeia têxtil “O Cone”.
• Entendendo a matéria prima: tecidos planos
• Entendendo a matéria prima: malharia
• Beneficiamentos: As cores
• Beneficiamentos: Os acabamentos e estamparia
• Os fios
• Conhecendo as fibras têxteis e suas possibilidades
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
2
Objetivo da disciplina
•Apresentar os mecanismos e componentes da cadeia têxtil.
•Apresentar as possibilidades de se criar novas matérias
conforme os diferentes componentes da industria têxtil
brasileira.
•Apresentar vocabulário técnico afim de facilitar a comunicação
com os players da cadeia têxtil.
•Despertar o interesse em atuar nas outras áreas da cadeia
têxtil.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
3
Capítulo I
Introdução - A roupa
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
4
A roupa e a moda
Para o consumidor final:
• Cor
• Modelo
• Caimento:
fluidez e estrutura
• Detalhes
• Tamanho
• Beneficios que a
roupa vai proporcionar:
- Imagem
- Conforto
- Proteção
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
5
A roupa e a moda
Para o profissional de moda:
• Publico alvo
• Cor Pantone
• Modelo inspiração
• Caimento:
fluidez e estrutura
- tecido
• Detalhes:
aviamentos
• Tamanho
• Custo beneficio
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
6
Ondas de Evolução da Roupa
70 mil A.C.- Pele de animais
Século 5 – Seda. Diversificação de materiais : seda para os
ricos, lã e linho para a população e peles para os pobres. As
túnicas gregas e romanas dão lugar a roupas mais justas.
Século 14 - Moda - Renascimento
Vestuário começa a ser mais diferenciado
entre homens e mulheres.
Atualmente – Foco Jovem
Novos materiais, como
sintéticos, tecidos
inteligentes e fios
metálicos.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
7
A roupa do século XXI
• A variedade dos tecidos e roupas está diretamente ligada ao
contexto histórico.
• De proteção contra o frio, a roupa virou identidade.
• As roupas refletem, a evolução e trajetória da existência
humana.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
8
A roupa do século XXI
Aspecto visual
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
9
A roupa do século XXI
A influencia dos temas étnicos
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
10
A roupa do século XXI
A influencia do esporte para a moda
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
11
Roupas funcionais
Evolução dos artigios texteis:
1. PROTEÇÃO – Aspecto Físico
2. BELEZA – Aspecto Psicológico
3. DIFERENCIAÇÃO – Aspecto Psicológico e Social
4. COMFORTO – Aspecto Físico e Psicológico
5. FUNCIONALIDADE – Aspecto Físico – NECESSIDADE
6. TÊXTEIS INTELIGENTES – Aspecto Físico - CIÊNCIA
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
12
Roupas funcionais no cotidiano
• Com stress da vida moderna surge a necessidade de esporte físico
e mudança da rotina diária.
• O consumidor passa a compreender os benefícios das roupas que
contribuem para a melhora de sua vida cotidiana através de
etiquetas explicativas.
• As novas fibras proporcionam um melhor rendimento e maior
comodidade.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
13
Roupas funcionais existentes
Segmento Sportswear
Exposicição a intemperie
(sol e chuva)
Esforço físico e suor
Melhorar o desempenho
- Proteção solar
- Controle de térmico
- Secagem rápida
-Inibir mal odor.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
14
Roupas funcionais existentes
Segmento Casual
- Camisa que não
necessita ser
passada
- Fácil cuidado e
limpeza
- Inibidora odores
- Secagem rápida
Reuniões de negócios
Ambientes de stress,
Ocasiões especiais e
eventos
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
15
Roupas funcionais existentes
Segmento moda praia
- Proteção solar
- Anti odor
- Anti microbianos
e bolor.
Calor e humidade
Muito tempo de
exposição ao sol
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
16
Roupas funcionais existentes
Dockers http://mnagano.wordpress.com/categ
ory/tecnologia/
Fabrican
http://revistaplatina.com/index.php?option
=com_content&view=article&id=1609&Item
id=96
http://www.uvline.com.br/
UV Line
1. 2.
3.
4.
5.
6.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
17
Roupas funcionais existentes
Cute Circuite
http://www.cutecircuit.com/projects/weara
bles/thehugshirt/
Eleksen
www.elektex.com
http://www.us.levi.com/lsco
Redwire
Beauty and the Geek
http://www.yankodesign.com/2008/04/22/beauty-
is-skin-deep-geekness-is-to-the-core
7.
8.
9.
10. 11.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
18
Roupas funcionais existentes
Fonte: http://www.newlook.co.uk/women/store.aspx
Tan Timer
Luminex
http://www.luminex.it/
www.absurdee.com
HearWear
www.ripcurl.com/index.php?hbomb#restart
H Bomb
12. 13.
14.
14.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
19
Atividade – 1 ponto
1. Organizem-se em grupos de 4 pessoas
2. Definir um segmento de mercado, exemplo: infantil, 3ª
idade, tamanhos especiais, feminino esportivo, masculino
executivo, etc..
3. Criar um look croqui + desenho técnico
4. Definir tipo de tecido
5. Criar duas funcionalidades para a roupa considerando
necessidade de desempenho e conforto.
6. Apresentar na proxima aula ilustração e apresentação em
folhas de cartolina.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
20
Capítulo II
A Roupa e a Moda
Desenvolvimento de Produto de Moda
Pesquisa de Tendências
Definindo cartela de cores
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
21
Próxima aula:
Players da Cadeia Textil , atores
do cenário
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
22
Varejo - Confecção
Decoração: Cama, mesa e banho
Artigos técnicos: Embalagens, fraldas, manta asfaltica, etc…
Vestuário: Roupas e acessórios
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
23
Planejamento e
desenvolvimento de coleção
1. Pesquisa de mercado e produtos comercializados
2. Avaliação de coleções anteriores
3. Definição de cronograma
4. Pesquisa de público alvo, cultura regional e climática
5. Pesquisa de tendências e definição de tema/inspiração
6. Pesquisa internacional – decodificação das informações
7. Definição da cartela de cores
8. Criação
9. Definição das matérias primas
10. Desenvolvimento das fichas técnicas (com desenhos
técnicos)
11. Elaboração de plano de coleção
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
24
Conhecendo o produto
O produto como centro da empresa exige o conhecimento de
todas as condições atuais determinantes, desde sua concepção
até sua distribuição.
A partir do produto se determina:
• a previsão de vendas;
• a necessidade dos recursos financeiros;
• o dimensionamento dos materiais, dos equipamentos e da
mão-de-obra necessárias;
• previsão do lucro.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
25
Planejamento e
Desenvolvimento do Produto
Garante a autonomia para definição de preços e produtos no
mercado.
O ciclo de vida de um produto pode ser dividido em quatro
fases:
• Introdução
• Crescimento
• Maturidade
• Declínio
Atenção aos sub-mercados, pois um mesmo produto pode estar
em declínio para um determinado público alvo e no entanto,
estar na maturidade para um outro, e ainda no estágio de
crescimento para um terceiro público alvo.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
26
Fluxograma da confecção
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
27
Criação de novos produtos
Os desejos e necessidades dos consumidores
+
Objetivos gerais da empresa
+
Disponibilidade e o uso efetivo dos recursos
=
Orientação do processo de criação
Existem alguns fatores a serem considerado no processo de
criação:
• Desejos e necessidades do consumidor;
• Objetivos gerais da empresa;
• Disponibilidade e uso efetivo dos recursos.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
28
Desenvolvimento de coleção
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
29
Mecanismos da moda mundial
(Fluxo)
Cool Hunters: pesquisador que observa em 360 graus o que está
acontecendo de novos comportamentos em uma determinada região,
não só a moda.
Atividade: Cool Hunting
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
30
http://www.futureconceptlab.com/pt
Caçadores de tendências
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
31
Ferramentas de pesquisa
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
32
Ferramentas de pesquisa
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
33
http://www.carlin-international.com/web/en/
Carlin International Trends Herbst/Winter 2014/15
Mecanismos da moda mundial
(Fluxo)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
34
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
35
Mecanismos da moda mundial
(Fluxo)
Feiras internacionais - PV
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
36
Première Vision
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
37
Première Vision
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
38
Forum de tendências
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
39
Fashion Trends
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
40
http://www.carlin-international.com/web/en/
Carlin International Trends Herbst/Winter 2014/15
Mecanismos da moda mundial
(Fluxo)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
41
Mecanismos da moda mundial
(Fluxo)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
42
Bread & Butter
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
43
Bread & Butter
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
44
Pesquisa das tendências
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
45
- relevos
acentuados
- aplicações
-corrosão da cor
-plissado
Definição da cartela de cores
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
46
Pantone
TPX TCX
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
47
Desenvolvimento da cor
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
48
Referêcia
Spectrofotometro: Medição de cor
Softwear de receita
Desenvolvimento da cor
Formulação da cor - Receita
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
49
Tingimento do tecido -
Preparação
•Produtos que preparam o tecido ou o fio
para receber o corante.
•Produtos que preparam o substrato, a água,
e o maquinário.
• Ex: antimigrante, emulsionante, engomagem,
alvejante,anticloro, amaciante, umectante,
antiespumante, antioxidante, etc.
Uma boa preparação pode evitar muitos problemas como
manchas (não igualização da cor).
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
50
Tingimento do tecido
Os corantes se dividem conforme:
• substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster,
mesclas, poliamida, acetato, etc.
• processos: esgotamento ou contínuo
• efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco
ótico.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
51
Colorimetria
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
52
Capítulo III
Beneficiamento
Normas de segurança para têxteis
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
53
Beneficiamentos
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
54
Beneficiamento
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
55
Desenvolvimento da cor
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
56
Referêcia
Spectrofotometro: Medição de cor
Softwear de receita
Desenvolvimento da cor
Formulação da cor - Receita
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
57
Tingimento
Para o processo de tingimento é necessário a utilização de
corantes, brancos óticos ou pigmentos.
Os corantes se dividem conforme:
• substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster,
mesclas, poliamida, acetato, etc.
• processos: esgotamento ou contínuo
• efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco
ótico.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
58
Possibilidades de tingimento
Tingimento em fibra
Processo mais usado para fibras longas (lã) e filamentos.
Consegue artigos mesclados. No caso de artigos sintéticos pode-
se conseguir as cores com a adição de pigmentos antes mesmo
da fabricação do filamento.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
59
Possibilidades de tingimento
Tingimento no fio
O processo mais comum é o tingimento em bobinas, mas sendo
também possível durante outros processos da fiação. Mais
indicado para produção de tecidos listrados, xadrez ou jacquard.
O tingimento em fios favorece obter cores mais igualizadas,
porém tem o inconveniente de ter que verificar alguns
processos que representam gastos de tempo e mão-de-obra.
Outro tingimento de fio muito usado é o tingimento em
urdume, que pode ser com o urdume em aberto ou em corda.
Ambos muito utilizados para o tingimento com corante índigo.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
60
Possibilidades de tingimento
Tingimento em Tecido
Processo mais desenvolvido nos últimos anos devido a muitas
vantagens, como maior igualização em todo o comprimento da
peça, menor desperdício de corante, menor quantidade de
processos, já que está junto com as operações de
beneficiamento de tecidos. Produz um tecido com cor lisa. Pode
ser realizada com o tecido em corda (ocupa menos espaço,
tecido pode ficar mais relaxado) ou em aberto (não forma
vincos, pode-se trabalhar em processo contínuo).
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
61
Fluxograma do processo de
beneficiamento
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
62
Beneficiadoras
Indústrias que beneficiam o tecido conforme as tendências
ou demanda de seus clientes:
- Tinturarias industriais
- Lavanderias industriais
- Estamparias
Preparam, modificam ou agregam o tecido ou malha:
- CORES
- TOQUES
- CAIMENTO
- EFEITOS
- ACABAMENTOS ESPECIAIS
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
63
Tingimento do tecido
1ª etapa- Preparação
•Produtos que preparam o tecido ou o fio
para receber o corante.
•Produtos que preparam o substrato, a água,
e o maquinário.
• Ex: antimigrante, emulsionante, engomagem,
alvejante,anticloro, amaciante, umectante,
antiespumante, antioxidante, etc.
Uma boa preparação pode evitar muitos problemas como
manchas (não igualização da cor).
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
64
Beneficiamento primário
O Beneficiamento Primário tem por finalidade eliminar:
gomas, ceras, gorduras e sujeiras, deixando-o mais limpo,
hidrófilo, pronto para as etapas seguintes:
• Purga;
• Alvejamento;
• Mercerização;
• Desengomagem;
• Chamuscagem.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
65
Limpeza ou purga
É o processo efetuado para aumentar o grau de
hidrofilidade do substrato têxtil, e diminuir as suas
impurezas como oleos vegetais e minerais.
É o processo efetuado para aumentar o grau de branco do
substrato, para tingimentos em tonalidade limpa e
brilhante limpando resíduos cascas ou caules.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
66
Alvejamento
Chamuscagem
Características :
• Melhor aspecto
visual;
• Melhor toque;
• Eliminação das
fibrilas;
• Diminui o risco de
formação de “pilling”
( bolinhas);
• Diminuição do
residual formado por
fibras soltas nos -
primeiros
tratamentos
molhados;
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
67
Beneficiamento secundário
O Beneficiamento Secundário vai aplicar ao material têxtil
cor e/ou estampa.
Tingimento: Aplicar corantes em toda a extensão do
material têxtil, de forma homogênea.
Estamparia: Vai fornecer coloração atravez dos pigmentos
ao material têxtil, através de impressões de desenhos.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
68
2ª etapa - Tingimento
Os corantes se dividem conforme:
• substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster,
mesclas, poliamida, acetato, etc.
• processos: esgotamento ou contínuo
• efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco
ótico.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
69
Classe dos corantes
Diretos
Reativos
Acidos
Dispersos
Branco ótico
Corantes sulfurosos
Corante a Tina
Corantes Azoicos
Pigmento
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
70
Corantes diretos
São corantes aniônicos tendo afinidade com a fibra quando
aplicados em banho contendo eletrólito (sal).
Características:
• Para fibras de lã, seda
• São corantes solúveis em água
• Fácil aplicação
• Média solidez a lavagem
• Média a boa solidez a luz
• Cores não muito brilhante ( vivas )
• Mais utilizados em cores claras
• Custo Baixo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
71
Corantes reativos
São corantes aniônicos que tem afinidade com as fibras
quando aplicados em banho com eletrólito, e estes reagem
quimicamente com a fibra na presença de um alcali (
barrilha, soda caustica).
Características:
• Para fibras de algodão e poliester
• São corantes solúveis em água
• Fácil aplicação
• Boa solidez a lavagem
• Média a boa solidez a luz
• Cores brilhante ( vivas )
• Utilizados em cores claras e cores intensas
• Médio custo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
72
Corantes sulfurosos (enxofre)
Corantes insolúveis em água que precisam ser reduzidos
para ter afinidade e montar na fibra, depois que aplicados
na fibra são oxidados retornando a forma original,
insolúvel a água.
Características:
• Baixo custo
• Processo delicado
• Cores apagadas
• Boa solidez a luz/lavagem
• Média solidez a frícção
• Mais aplicado em lavanderias
• Usado mais para preto, marrom
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
73
Principio de montagem
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
74
Corante oxidado Corante reduzido Corante substantivo
Corante adsorvido Corante oxidado fibra Fibra tinta
Resumo
Em tingimentos sobre fibras celulósicas existem as
seguintes classes de corantes: direto, reativo, a tina,
sulfuros e azoicos.
Corantes mais utilizados são os corante reativos e corantes
diretos mais utilizado para cores claras (85 %).
Para lavanderia e cores escuras ( preto) o mais utilizado são
os sulfurosos
Cores para roupa industrial/fios os corantes a tina ou
azoicos
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
75
Corantes azoicos
São corantes que se formam durante o processo de aplicação.
(Naftol que é aplicado ao substrato)
Base que é copulada ao naftol forma o corante azóico.
Características:
• Processo “super” delicado
• Cores vivas
• Ótima solidez a luz/lavagem
• Média solidez a fricção
• Necessita de baixas temperaturas (10 - 15 ºc)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
76
Corantes dispersos
São corantes que são insolúveis em água e se apresentam em
forma de dispersão estes corantes estão divididos em três tipos:
Características:
• Para nylon e poliester
• Molécula pequena, média e grande
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
77
Corantes acidos
são corantes aniônicos que tem afinidade por radicais
nitrogenados que estão na fibra. Esta reação de montagem
é aumentada em meio ácido. Eles montam ao tecido por
uma temperatura média de até 40 graus.
Características:
• Para fibras de lã, seda e poliamida.
• Solúvel em água
• Média a boa solidez a lavagem
• Média a boa solidez a luz
• Processo simples
• Cores vivas
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
78
Processo de tingimento
Os processos que compõe o beneficiamento têxtil são :
• Processo descontínuo ou esgotamento
• Processo Semi-Contínuo
• Processo Contínuo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
79
Processo por esgotamento
Características:
• Baixa produção
( pequenos lotes)
• Diversificação
• Ato consumo de água
• Máquinario mais ou
menos sofisticado
• Substrato têxtil fica “
mergulhado” no banho
• Barca, jigger, Over-Flow,
Turbo, HT
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
80
Processo semi-contínuo ou
repouso
Características:
• média a alta produção
• baixa diversificação
• baixo consumo de água
• baixo consumo de energia
• Pad- Batch
• repouso de 6 a 24 horas
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
81
(Pad – Bach)
Processo contínuo
Características :
• Alta produção
• baixa diversificação
• baixo consumo de água
• alto consumo de energia
• Pad - Termofix - calor seco
• Pad - Steam - calor úmido
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
82
Processo contínuo
Fluxo do tingimento:
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
83
(Pad – Steam)
Processo contínuo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
84
(Pad – Steam)
Processo contínuo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
85
(Pad Dry-Termofix))
Processo contínuo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
86
(Pad Dry OX)
Processo contínuo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
87
(Pad Dry OX)
Corantes branco ótico
São corantes que captam os raios UV e devolvem em
comprimentos de ondas situados na cor azul, disfarçando a
tonalidade amarelada do ST.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
88
Estamparia
Todos os corantes citados nessa disciplina possuem
afinidade para com o substrato têxtil para que o mesmo
possa ser colorido, porém os pigmentos não possuem
afinidade para com nenhum substrato e a sua aplicação
consiste em usar um ligante que tem a finalidade de
“colar” o pigmento junto ao substrato.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
89
Estamparia
Pigmentosas = pasta composta de
produtos químicos e corantes.
Tipos de estampas: em cilindro (tecido
corrido), a quadro (localizados), hot
stamp (localizados) e lazer (ambos).
O pigmento pode conter outros
elementos como: glitter, cheiro,
diferentes tipos de toque, diferentes
expessuras, etc.
Para melhor fixação é necessário secar
em alta temperatura.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
90
Coating / Raclagem
Por pasta (paste)
Processo no qual o efeito
de cobertura total se dá em
forma de pasta composta
de produtos químicos e
corantes ou pigmento.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
91
Coating por pasta
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
92
Coating por espuma (Foam)
Processo no qual o efeito de
cobertura total se dá em forma
de espuma composta de
produtos químicos. Neste caso o
processo é mais rápido e a
cobertura é melhor em
comparação a pasta.
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
93
Coating por espuma (Foam)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
94
Acabamento final
Beneficiamento final, é um conjunto de processos aplicados ao
material têxtil, produzindo melhorias no aspecto e propriedades
gerais.
• Benefícios Físicos: sanforização, calandragem, flanelagem,
navalhagem, esmerilhagem…
• Benefícios Químicos: antirugas, encorpamento,
Antichamas, encorpantes, amaciantes, antimicrobianos…
• Físicos-Químicos: gofragem, chintz, coating, estamparia…
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
95
Resultado
Diferença entre o tecido acabado e o não acabado
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
96
Texteis, ecologia e segurança
Produtos químicos em geral passam por diversas analises e laudos e
deve-se considerar:
• Composição química & status de registro
• Dados de inflamabilidade ou categoria de estoque
• Toxicidade oral aguda
• Irritação dermatológica aguda (tempo crítico)
• Classificação do transporte
• Certificação de conformidade com requerimentos dos varejistas
(RSL)
• Certificação de conformidade com regulamentações de contato
alimentício
• Certificação de conformidade com regulamentações de bens de
consumo
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
97
Lista de substâncias restritas
(RSL)
Lista de Substancias Restritas (RSL)
Lista criada pelos varejistas para garantir a segurança do
seu consumidor:
- Adidas
- Nike
- Levi’s
- Wall Mart
- C&A
http://textiles.archroma.com/
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
98
Lista de substâncias restritas
(RSL)
Lista criada pelos varejistas para garantir a segurança do
seu consumidor:
- Adidas
- Nike
- Levi’s
- Wall Mart
- C&A
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
99
Lista de substâncias restritas
(RSL)
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
100
Segurança do consumidor
Meio ambiente
Prof.FabianaMendes
fdml@hotmail.com
101
Oeko-Tex Standard 100.
WWW.Oeko-tex.com
Padrão Global para Têxteis Orgânicos GOTS
www..global-standard.org
bluesign® Standard

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
Barbara Allexia
 
Tipos de tecidos
Tipos de tecidosTipos de tecidos
Tipos de tecidos
Barbara Allexia
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Débora Cseri
 
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
tcredu
 
Segmentação do Mercado de Vestuário - Moda
Segmentação do Mercado de Vestuário - ModaSegmentação do Mercado de Vestuário - Moda
Segmentação do Mercado de Vestuário - Moda
Débora Cseri
 
Apostila beneficiamentosprimriosamido
Apostila beneficiamentosprimriosamidoApostila beneficiamentosprimriosamido
Apostila beneficiamentosprimriosamido
Leandro
 
Tecido. o que é tecido
Tecido. o que é tecidoTecido. o que é tecido
Tecido. o que é tecido
tcredu
 
Fibras têxteis
Fibras têxteis Fibras têxteis
Fibras têxteis
maariane27
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
Augusto Junior
 
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Consultor em negócios de moda mineira
 
Desenho de moda aula 12 tendência e mercado
Desenho de moda aula 12 tendência e mercadoDesenho de moda aula 12 tendência e mercado
Desenho de moda aula 12 tendência e mercado
Emone Peccini
 
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Débora Cseri
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
PEDRO PACHECO
 
Intro tecelagem pg
Intro tecelagem pgIntro tecelagem pg
Intro tecelagem pg
felins
 
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de CosturaDefinições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
Débora Cseri
 
Fibras Quimicas
Fibras QuimicasFibras Quimicas
Fibras Quimicas
Larissa Alves
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
tcredu
 
Apostilaintroduoatecnologiatextil
ApostilaintroduoatecnologiatextilApostilaintroduoatecnologiatextil
Apostilaintroduoatecnologiatextil
Benedito Cruz
 
Universo da Costura
Universo da CosturaUniverso da Costura
Universo da Costura
Nilzeth Gusmao
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
wsilveirasouza
 

Mais procurados (20)

Mostruário de tecidos
Mostruário de tecidosMostruário de tecidos
Mostruário de tecidos
 
Tipos de tecidos
Tipos de tecidosTipos de tecidos
Tipos de tecidos
 
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidadeFundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
Fundamentos de malharia - Estudo do fator de elasticidade
 
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiaçãoOs fios têxteis e a tecnologia da fiação
Os fios têxteis e a tecnologia da fiação
 
Segmentação do Mercado de Vestuário - Moda
Segmentação do Mercado de Vestuário - ModaSegmentação do Mercado de Vestuário - Moda
Segmentação do Mercado de Vestuário - Moda
 
Apostila beneficiamentosprimriosamido
Apostila beneficiamentosprimriosamidoApostila beneficiamentosprimriosamido
Apostila beneficiamentosprimriosamido
 
Tecido. o que é tecido
Tecido. o que é tecidoTecido. o que é tecido
Tecido. o que é tecido
 
Fibras têxteis
Fibras têxteis Fibras têxteis
Fibras têxteis
 
Processos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidosProcessos formadores de tecidos
Processos formadores de tecidos
 
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
 
Desenho de moda aula 12 tendência e mercado
Desenho de moda aula 12 tendência e mercadoDesenho de moda aula 12 tendência e mercado
Desenho de moda aula 12 tendência e mercado
 
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
Definições de Tipos de Fios e Linhas para Costura
 
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De AlgodaoTestes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
Testes Fisicos De Controle De Qualidade Da Fibra E Fio De Algodao
 
Intro tecelagem pg
Intro tecelagem pgIntro tecelagem pg
Intro tecelagem pg
 
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de CosturaDefinições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
Definições de Tipos de Agulhas para Máquinas de Costura
 
Fibras Quimicas
Fibras QuimicasFibras Quimicas
Fibras Quimicas
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
 
Apostilaintroduoatecnologiatextil
ApostilaintroduoatecnologiatextilApostilaintroduoatecnologiatextil
Apostilaintroduoatecnologiatextil
 
Universo da Costura
Universo da CosturaUniverso da Costura
Universo da Costura
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
 

Semelhante a Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim

Design de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
Design de vestuário de moda contemporânea criação versus proDesign de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
Design de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
Sabrine Souza
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
sollavanderias
 
Modelista - Apostila1
Modelista - Apostila1Modelista - Apostila1
Modelista - Apostila1
eadrede
 
Projeto de pesquisa sobre moda sem gênero
Projeto de pesquisa sobre moda sem gêneroProjeto de pesquisa sobre moda sem gênero
Projeto de pesquisa sobre moda sem gênero
Liz Rafaela Borba
 
Kogan
KoganKogan
Costureiro - Apostia 1
Costureiro - Apostia 1 Costureiro - Apostia 1
Costureiro - Apostia 1
eadrede
 
Apostila ppcp-textil
Apostila ppcp-textilApostila ppcp-textil
Apostila ppcp-textil
30062000
 
Relatórios midias sociais
Relatórios midias sociaisRelatórios midias sociais
Relatórios midias sociais
Debora Soares dos Anjos
 
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
Cariane Camargo
 
Projeto Ponto Zero Institucional
Projeto Ponto Zero InstitucionalProjeto Ponto Zero Institucional
Projeto Ponto Zero Institucional
Beto_Lago
 
Estudo de caso tecidos desejo 2011.1
Estudo de caso   tecidos desejo 2011.1Estudo de caso   tecidos desejo 2011.1
Estudo de caso tecidos desejo 2011.1
Angelo Peres
 
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
Alexandra Difa
 
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docxAPOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
CLAUDINIAAPARECIDADA1
 
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docxAPOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
CLAUDINIAAPARECIDADA1
 
Demetra 2012
Demetra 2012Demetra 2012
Demetra 2012
AlexSamir22
 
A influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagemA influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagem
Carolina Domingues
 
Eletiva 2014 1
Eletiva 2014 1Eletiva 2014 1
Modulo de moda
Modulo de modaModulo de moda
Modulo de moda
fabisena
 
Desafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
Desafio SnowFly: Pesquisa MercadológicaDesafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
Desafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
Ibrahim Cesar
 
Design de produto com valor de moda
Design de produto com valor de modaDesign de produto com valor de moda
Design de produto com valor de moda
Sabrine Souza
 

Semelhante a Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim (20)

Design de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
Design de vestuário de moda contemporânea criação versus proDesign de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
Design de vestuário de moda contemporânea criação versus pro
 
Apostila ppcp textil
Apostila ppcp textilApostila ppcp textil
Apostila ppcp textil
 
Modelista - Apostila1
Modelista - Apostila1Modelista - Apostila1
Modelista - Apostila1
 
Projeto de pesquisa sobre moda sem gênero
Projeto de pesquisa sobre moda sem gêneroProjeto de pesquisa sobre moda sem gênero
Projeto de pesquisa sobre moda sem gênero
 
Kogan
KoganKogan
Kogan
 
Costureiro - Apostia 1
Costureiro - Apostia 1 Costureiro - Apostia 1
Costureiro - Apostia 1
 
Apostila ppcp-textil
Apostila ppcp-textilApostila ppcp-textil
Apostila ppcp-textil
 
Relatórios midias sociais
Relatórios midias sociaisRelatórios midias sociais
Relatórios midias sociais
 
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS DO DESIGN APLICADOS AO ENSINO DE PROJETO DE PRODUTO ...
 
Projeto Ponto Zero Institucional
Projeto Ponto Zero InstitucionalProjeto Ponto Zero Institucional
Projeto Ponto Zero Institucional
 
Estudo de caso tecidos desejo 2011.1
Estudo de caso   tecidos desejo 2011.1Estudo de caso   tecidos desejo 2011.1
Estudo de caso tecidos desejo 2011.1
 
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
A RELEVÂNCIA DO CATÁLOGO LOOK BOOK PARA O MERCADO DE MODA REGIONAL E O PAPEL ...
 
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docxAPOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
APOSTILA - modelagem feminina ,moda Julianova.docx
 
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docxAPOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
APOSTILA - modelagem VESTUÁRIOJulianova.docx
 
Demetra 2012
Demetra 2012Demetra 2012
Demetra 2012
 
A influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagemA influência histórica do vestuário na modelagem
A influência histórica do vestuário na modelagem
 
Eletiva 2014 1
Eletiva 2014 1Eletiva 2014 1
Eletiva 2014 1
 
Modulo de moda
Modulo de modaModulo de moda
Modulo de moda
 
Desafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
Desafio SnowFly: Pesquisa MercadológicaDesafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
Desafio SnowFly: Pesquisa Mercadológica
 
Design de produto com valor de moda
Design de produto com valor de modaDesign de produto com valor de moda
Design de produto com valor de moda
 

Último

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim

  • 1. Introdução a Tecnologia Têxtil Prof.: Fabiana Mendes Email : fdml@hotmail.com Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 1
  • 2. Conteúdo da Disciplina • A roupa e a moda • Conteúdos da roupa e players da cadeia têxtil “O Cone”. • Entendendo a matéria prima: tecidos planos • Entendendo a matéria prima: malharia • Beneficiamentos: As cores • Beneficiamentos: Os acabamentos e estamparia • Os fios • Conhecendo as fibras têxteis e suas possibilidades Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 2
  • 3. Objetivo da disciplina •Apresentar os mecanismos e componentes da cadeia têxtil. •Apresentar as possibilidades de se criar novas matérias conforme os diferentes componentes da industria têxtil brasileira. •Apresentar vocabulário técnico afim de facilitar a comunicação com os players da cadeia têxtil. •Despertar o interesse em atuar nas outras áreas da cadeia têxtil. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 3
  • 4. Capítulo I Introdução - A roupa Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 4
  • 5. A roupa e a moda Para o consumidor final: • Cor • Modelo • Caimento: fluidez e estrutura • Detalhes • Tamanho • Beneficios que a roupa vai proporcionar: - Imagem - Conforto - Proteção Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 5
  • 6. A roupa e a moda Para o profissional de moda: • Publico alvo • Cor Pantone • Modelo inspiração • Caimento: fluidez e estrutura - tecido • Detalhes: aviamentos • Tamanho • Custo beneficio Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 6
  • 7. Ondas de Evolução da Roupa 70 mil A.C.- Pele de animais Século 5 – Seda. Diversificação de materiais : seda para os ricos, lã e linho para a população e peles para os pobres. As túnicas gregas e romanas dão lugar a roupas mais justas. Século 14 - Moda - Renascimento Vestuário começa a ser mais diferenciado entre homens e mulheres. Atualmente – Foco Jovem Novos materiais, como sintéticos, tecidos inteligentes e fios metálicos. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 7
  • 8. A roupa do século XXI • A variedade dos tecidos e roupas está diretamente ligada ao contexto histórico. • De proteção contra o frio, a roupa virou identidade. • As roupas refletem, a evolução e trajetória da existência humana. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 8
  • 9. A roupa do século XXI Aspecto visual Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 9
  • 10. A roupa do século XXI A influencia dos temas étnicos Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 10
  • 11. A roupa do século XXI A influencia do esporte para a moda Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 11
  • 12. Roupas funcionais Evolução dos artigios texteis: 1. PROTEÇÃO – Aspecto Físico 2. BELEZA – Aspecto Psicológico 3. DIFERENCIAÇÃO – Aspecto Psicológico e Social 4. COMFORTO – Aspecto Físico e Psicológico 5. FUNCIONALIDADE – Aspecto Físico – NECESSIDADE 6. TÊXTEIS INTELIGENTES – Aspecto Físico - CIÊNCIA Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 12
  • 13. Roupas funcionais no cotidiano • Com stress da vida moderna surge a necessidade de esporte físico e mudança da rotina diária. • O consumidor passa a compreender os benefícios das roupas que contribuem para a melhora de sua vida cotidiana através de etiquetas explicativas. • As novas fibras proporcionam um melhor rendimento e maior comodidade. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 13
  • 14. Roupas funcionais existentes Segmento Sportswear Exposicição a intemperie (sol e chuva) Esforço físico e suor Melhorar o desempenho - Proteção solar - Controle de térmico - Secagem rápida -Inibir mal odor. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 14
  • 15. Roupas funcionais existentes Segmento Casual - Camisa que não necessita ser passada - Fácil cuidado e limpeza - Inibidora odores - Secagem rápida Reuniões de negócios Ambientes de stress, Ocasiões especiais e eventos Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 15
  • 16. Roupas funcionais existentes Segmento moda praia - Proteção solar - Anti odor - Anti microbianos e bolor. Calor e humidade Muito tempo de exposição ao sol Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 16
  • 17. Roupas funcionais existentes Dockers http://mnagano.wordpress.com/categ ory/tecnologia/ Fabrican http://revistaplatina.com/index.php?option =com_content&view=article&id=1609&Item id=96 http://www.uvline.com.br/ UV Line 1. 2. 3. 4. 5. 6. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 17
  • 18. Roupas funcionais existentes Cute Circuite http://www.cutecircuit.com/projects/weara bles/thehugshirt/ Eleksen www.elektex.com http://www.us.levi.com/lsco Redwire Beauty and the Geek http://www.yankodesign.com/2008/04/22/beauty- is-skin-deep-geekness-is-to-the-core 7. 8. 9. 10. 11. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 18
  • 19. Roupas funcionais existentes Fonte: http://www.newlook.co.uk/women/store.aspx Tan Timer Luminex http://www.luminex.it/ www.absurdee.com HearWear www.ripcurl.com/index.php?hbomb#restart H Bomb 12. 13. 14. 14. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 19
  • 20. Atividade – 1 ponto 1. Organizem-se em grupos de 4 pessoas 2. Definir um segmento de mercado, exemplo: infantil, 3ª idade, tamanhos especiais, feminino esportivo, masculino executivo, etc.. 3. Criar um look croqui + desenho técnico 4. Definir tipo de tecido 5. Criar duas funcionalidades para a roupa considerando necessidade de desempenho e conforto. 6. Apresentar na proxima aula ilustração e apresentação em folhas de cartolina. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 20
  • 21. Capítulo II A Roupa e a Moda Desenvolvimento de Produto de Moda Pesquisa de Tendências Definindo cartela de cores Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 21
  • 22. Próxima aula: Players da Cadeia Textil , atores do cenário Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 22
  • 23. Varejo - Confecção Decoração: Cama, mesa e banho Artigos técnicos: Embalagens, fraldas, manta asfaltica, etc… Vestuário: Roupas e acessórios Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 23
  • 24. Planejamento e desenvolvimento de coleção 1. Pesquisa de mercado e produtos comercializados 2. Avaliação de coleções anteriores 3. Definição de cronograma 4. Pesquisa de público alvo, cultura regional e climática 5. Pesquisa de tendências e definição de tema/inspiração 6. Pesquisa internacional – decodificação das informações 7. Definição da cartela de cores 8. Criação 9. Definição das matérias primas 10. Desenvolvimento das fichas técnicas (com desenhos técnicos) 11. Elaboração de plano de coleção Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 24
  • 25. Conhecendo o produto O produto como centro da empresa exige o conhecimento de todas as condições atuais determinantes, desde sua concepção até sua distribuição. A partir do produto se determina: • a previsão de vendas; • a necessidade dos recursos financeiros; • o dimensionamento dos materiais, dos equipamentos e da mão-de-obra necessárias; • previsão do lucro. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 25
  • 26. Planejamento e Desenvolvimento do Produto Garante a autonomia para definição de preços e produtos no mercado. O ciclo de vida de um produto pode ser dividido em quatro fases: • Introdução • Crescimento • Maturidade • Declínio Atenção aos sub-mercados, pois um mesmo produto pode estar em declínio para um determinado público alvo e no entanto, estar na maturidade para um outro, e ainda no estágio de crescimento para um terceiro público alvo. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 26
  • 28. Criação de novos produtos Os desejos e necessidades dos consumidores + Objetivos gerais da empresa + Disponibilidade e o uso efetivo dos recursos = Orientação do processo de criação Existem alguns fatores a serem considerado no processo de criação: • Desejos e necessidades do consumidor; • Objetivos gerais da empresa; • Disponibilidade e uso efetivo dos recursos. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 28
  • 30. Mecanismos da moda mundial (Fluxo) Cool Hunters: pesquisador que observa em 360 graus o que está acontecendo de novos comportamentos em uma determinada região, não só a moda. Atividade: Cool Hunting Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 30 http://www.futureconceptlab.com/pt
  • 34. Mecanismos da moda mundial (Fluxo) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 34
  • 36. Feiras internacionais - PV Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 36
  • 41. Mecanismos da moda mundial (Fluxo) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 41
  • 42. Mecanismos da moda mundial (Fluxo) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 42
  • 45. Pesquisa das tendências Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 45 - relevos acentuados - aplicações -corrosão da cor -plissado
  • 46. Definição da cartela de cores Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 46
  • 48. Desenvolvimento da cor Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 48 Referêcia Spectrofotometro: Medição de cor Softwear de receita Desenvolvimento da cor
  • 49. Formulação da cor - Receita Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 49
  • 50. Tingimento do tecido - Preparação •Produtos que preparam o tecido ou o fio para receber o corante. •Produtos que preparam o substrato, a água, e o maquinário. • Ex: antimigrante, emulsionante, engomagem, alvejante,anticloro, amaciante, umectante, antiespumante, antioxidante, etc. Uma boa preparação pode evitar muitos problemas como manchas (não igualização da cor). Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 50
  • 51. Tingimento do tecido Os corantes se dividem conforme: • substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster, mesclas, poliamida, acetato, etc. • processos: esgotamento ou contínuo • efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco ótico. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 51
  • 53. Capítulo III Beneficiamento Normas de segurança para têxteis Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 53
  • 56. Desenvolvimento da cor Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 56 Referêcia Spectrofotometro: Medição de cor Softwear de receita Desenvolvimento da cor
  • 57. Formulação da cor - Receita Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 57
  • 58. Tingimento Para o processo de tingimento é necessário a utilização de corantes, brancos óticos ou pigmentos. Os corantes se dividem conforme: • substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster, mesclas, poliamida, acetato, etc. • processos: esgotamento ou contínuo • efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco ótico. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 58
  • 59. Possibilidades de tingimento Tingimento em fibra Processo mais usado para fibras longas (lã) e filamentos. Consegue artigos mesclados. No caso de artigos sintéticos pode- se conseguir as cores com a adição de pigmentos antes mesmo da fabricação do filamento. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 59
  • 60. Possibilidades de tingimento Tingimento no fio O processo mais comum é o tingimento em bobinas, mas sendo também possível durante outros processos da fiação. Mais indicado para produção de tecidos listrados, xadrez ou jacquard. O tingimento em fios favorece obter cores mais igualizadas, porém tem o inconveniente de ter que verificar alguns processos que representam gastos de tempo e mão-de-obra. Outro tingimento de fio muito usado é o tingimento em urdume, que pode ser com o urdume em aberto ou em corda. Ambos muito utilizados para o tingimento com corante índigo. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 60
  • 61. Possibilidades de tingimento Tingimento em Tecido Processo mais desenvolvido nos últimos anos devido a muitas vantagens, como maior igualização em todo o comprimento da peça, menor desperdício de corante, menor quantidade de processos, já que está junto com as operações de beneficiamento de tecidos. Produz um tecido com cor lisa. Pode ser realizada com o tecido em corda (ocupa menos espaço, tecido pode ficar mais relaxado) ou em aberto (não forma vincos, pode-se trabalhar em processo contínuo). Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 61
  • 62. Fluxograma do processo de beneficiamento Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 62
  • 63. Beneficiadoras Indústrias que beneficiam o tecido conforme as tendências ou demanda de seus clientes: - Tinturarias industriais - Lavanderias industriais - Estamparias Preparam, modificam ou agregam o tecido ou malha: - CORES - TOQUES - CAIMENTO - EFEITOS - ACABAMENTOS ESPECIAIS Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 63
  • 64. Tingimento do tecido 1ª etapa- Preparação •Produtos que preparam o tecido ou o fio para receber o corante. •Produtos que preparam o substrato, a água, e o maquinário. • Ex: antimigrante, emulsionante, engomagem, alvejante,anticloro, amaciante, umectante, antiespumante, antioxidante, etc. Uma boa preparação pode evitar muitos problemas como manchas (não igualização da cor). Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 64
  • 65. Beneficiamento primário O Beneficiamento Primário tem por finalidade eliminar: gomas, ceras, gorduras e sujeiras, deixando-o mais limpo, hidrófilo, pronto para as etapas seguintes: • Purga; • Alvejamento; • Mercerização; • Desengomagem; • Chamuscagem. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 65
  • 66. Limpeza ou purga É o processo efetuado para aumentar o grau de hidrofilidade do substrato têxtil, e diminuir as suas impurezas como oleos vegetais e minerais. É o processo efetuado para aumentar o grau de branco do substrato, para tingimentos em tonalidade limpa e brilhante limpando resíduos cascas ou caules. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 66 Alvejamento
  • 67. Chamuscagem Características : • Melhor aspecto visual; • Melhor toque; • Eliminação das fibrilas; • Diminui o risco de formação de “pilling” ( bolinhas); • Diminuição do residual formado por fibras soltas nos - primeiros tratamentos molhados; Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 67
  • 68. Beneficiamento secundário O Beneficiamento Secundário vai aplicar ao material têxtil cor e/ou estampa. Tingimento: Aplicar corantes em toda a extensão do material têxtil, de forma homogênea. Estamparia: Vai fornecer coloração atravez dos pigmentos ao material têxtil, através de impressões de desenhos. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 68
  • 69. 2ª etapa - Tingimento Os corantes se dividem conforme: • substrato: Algodão ou celulósicos, acrílicos, poliéster, mesclas, poliamida, acetato, etc. • processos: esgotamento ou contínuo • efeitos de moda: corantes para desbote, fixos, preto, branco ótico. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 69
  • 70. Classe dos corantes Diretos Reativos Acidos Dispersos Branco ótico Corantes sulfurosos Corante a Tina Corantes Azoicos Pigmento Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 70
  • 71. Corantes diretos São corantes aniônicos tendo afinidade com a fibra quando aplicados em banho contendo eletrólito (sal). Características: • Para fibras de lã, seda • São corantes solúveis em água • Fácil aplicação • Média solidez a lavagem • Média a boa solidez a luz • Cores não muito brilhante ( vivas ) • Mais utilizados em cores claras • Custo Baixo Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 71
  • 72. Corantes reativos São corantes aniônicos que tem afinidade com as fibras quando aplicados em banho com eletrólito, e estes reagem quimicamente com a fibra na presença de um alcali ( barrilha, soda caustica). Características: • Para fibras de algodão e poliester • São corantes solúveis em água • Fácil aplicação • Boa solidez a lavagem • Média a boa solidez a luz • Cores brilhante ( vivas ) • Utilizados em cores claras e cores intensas • Médio custo Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 72
  • 73. Corantes sulfurosos (enxofre) Corantes insolúveis em água que precisam ser reduzidos para ter afinidade e montar na fibra, depois que aplicados na fibra são oxidados retornando a forma original, insolúvel a água. Características: • Baixo custo • Processo delicado • Cores apagadas • Boa solidez a luz/lavagem • Média solidez a frícção • Mais aplicado em lavanderias • Usado mais para preto, marrom Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 73
  • 74. Principio de montagem Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 74 Corante oxidado Corante reduzido Corante substantivo Corante adsorvido Corante oxidado fibra Fibra tinta
  • 75. Resumo Em tingimentos sobre fibras celulósicas existem as seguintes classes de corantes: direto, reativo, a tina, sulfuros e azoicos. Corantes mais utilizados são os corante reativos e corantes diretos mais utilizado para cores claras (85 %). Para lavanderia e cores escuras ( preto) o mais utilizado são os sulfurosos Cores para roupa industrial/fios os corantes a tina ou azoicos Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 75
  • 76. Corantes azoicos São corantes que se formam durante o processo de aplicação. (Naftol que é aplicado ao substrato) Base que é copulada ao naftol forma o corante azóico. Características: • Processo “super” delicado • Cores vivas • Ótima solidez a luz/lavagem • Média solidez a fricção • Necessita de baixas temperaturas (10 - 15 ºc) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 76
  • 77. Corantes dispersos São corantes que são insolúveis em água e se apresentam em forma de dispersão estes corantes estão divididos em três tipos: Características: • Para nylon e poliester • Molécula pequena, média e grande Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 77
  • 78. Corantes acidos são corantes aniônicos que tem afinidade por radicais nitrogenados que estão na fibra. Esta reação de montagem é aumentada em meio ácido. Eles montam ao tecido por uma temperatura média de até 40 graus. Características: • Para fibras de lã, seda e poliamida. • Solúvel em água • Média a boa solidez a lavagem • Média a boa solidez a luz • Processo simples • Cores vivas Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 78
  • 79. Processo de tingimento Os processos que compõe o beneficiamento têxtil são : • Processo descontínuo ou esgotamento • Processo Semi-Contínuo • Processo Contínuo Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 79
  • 80. Processo por esgotamento Características: • Baixa produção ( pequenos lotes) • Diversificação • Ato consumo de água • Máquinario mais ou menos sofisticado • Substrato têxtil fica “ mergulhado” no banho • Barca, jigger, Over-Flow, Turbo, HT Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 80
  • 81. Processo semi-contínuo ou repouso Características: • média a alta produção • baixa diversificação • baixo consumo de água • baixo consumo de energia • Pad- Batch • repouso de 6 a 24 horas Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 81 (Pad – Bach)
  • 82. Processo contínuo Características : • Alta produção • baixa diversificação • baixo consumo de água • alto consumo de energia • Pad - Termofix - calor seco • Pad - Steam - calor úmido Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 82
  • 83. Processo contínuo Fluxo do tingimento: Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 83 (Pad – Steam)
  • 88. Corantes branco ótico São corantes que captam os raios UV e devolvem em comprimentos de ondas situados na cor azul, disfarçando a tonalidade amarelada do ST. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 88
  • 89. Estamparia Todos os corantes citados nessa disciplina possuem afinidade para com o substrato têxtil para que o mesmo possa ser colorido, porém os pigmentos não possuem afinidade para com nenhum substrato e a sua aplicação consiste em usar um ligante que tem a finalidade de “colar” o pigmento junto ao substrato. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 89
  • 90. Estamparia Pigmentosas = pasta composta de produtos químicos e corantes. Tipos de estampas: em cilindro (tecido corrido), a quadro (localizados), hot stamp (localizados) e lazer (ambos). O pigmento pode conter outros elementos como: glitter, cheiro, diferentes tipos de toque, diferentes expessuras, etc. Para melhor fixação é necessário secar em alta temperatura. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 90
  • 91. Coating / Raclagem Por pasta (paste) Processo no qual o efeito de cobertura total se dá em forma de pasta composta de produtos químicos e corantes ou pigmento. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 91
  • 93. Coating por espuma (Foam) Processo no qual o efeito de cobertura total se dá em forma de espuma composta de produtos químicos. Neste caso o processo é mais rápido e a cobertura é melhor em comparação a pasta. Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 93
  • 94. Coating por espuma (Foam) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 94
  • 95. Acabamento final Beneficiamento final, é um conjunto de processos aplicados ao material têxtil, produzindo melhorias no aspecto e propriedades gerais. • Benefícios Físicos: sanforização, calandragem, flanelagem, navalhagem, esmerilhagem… • Benefícios Químicos: antirugas, encorpamento, Antichamas, encorpantes, amaciantes, antimicrobianos… • Físicos-Químicos: gofragem, chintz, coating, estamparia… Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 95
  • 96. Resultado Diferença entre o tecido acabado e o não acabado Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 96
  • 97. Texteis, ecologia e segurança Produtos químicos em geral passam por diversas analises e laudos e deve-se considerar: • Composição química & status de registro • Dados de inflamabilidade ou categoria de estoque • Toxicidade oral aguda • Irritação dermatológica aguda (tempo crítico) • Classificação do transporte • Certificação de conformidade com requerimentos dos varejistas (RSL) • Certificação de conformidade com regulamentações de contato alimentício • Certificação de conformidade com regulamentações de bens de consumo Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 97
  • 98. Lista de substâncias restritas (RSL) Lista de Substancias Restritas (RSL) Lista criada pelos varejistas para garantir a segurança do seu consumidor: - Adidas - Nike - Levi’s - Wall Mart - C&A http://textiles.archroma.com/ Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 98
  • 99. Lista de substâncias restritas (RSL) Lista criada pelos varejistas para garantir a segurança do seu consumidor: - Adidas - Nike - Levi’s - Wall Mart - C&A Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 99
  • 100. Lista de substâncias restritas (RSL) Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 100
  • 101. Segurança do consumidor Meio ambiente Prof.FabianaMendes fdml@hotmail.com 101 Oeko-Tex Standard 100. WWW.Oeko-tex.com Padrão Global para Têxteis Orgânicos GOTS www..global-standard.org bluesign® Standard