SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Farmacovigilância
Mayra Carvalho Ribeiro
Pressupostos do uso de medicamentos:
Nenhum medicamento é totalmente seguro, exceto se ele não possui
efeito farmacológico algum;
Cada paciente é único (uma escolha adequada para mim pode ser
uma escolha ruim para você);
Cada tratamento é único;
As recomendações são baseadas em evidências populacionais, nem
sempre aplicáveis à indivíduos.
Farmacovigilância: Por que fazer?
Garantir segurança e eficácia dos medicamentos;
Preocupações humanitárias (“First do no harm” – Hipócrates);
Redução do custo dos eventos adversos relacionados a medicamentos;
Garantir que o público confie nos medicamentos e no sistema de
monitoramento;
Promoção do uso racional de medicamentos e adesão a terapia.
• Necessidade de avaliação e reavaliação contínuas, de
modo a entender se os benefícios superam os riscos;
•Monitorar e entender a segurança como um processo que
continua durante todo o ciclo de utilização do
medicamento.
Qual o escopo da farmacovigilância?
Programas de tratamento em
massa (Vacinação, HIV, TB)
RAM
Problemas
relacionados ao uso
de medicamentos
(Prescrição,
dispensação,
administração,
adesão, uso
incorreto);
Problemas relacionados a produção,
transporte e
armazenamento (problemas de
qualidade e falsificação);
Resistência a
antimicrobianos;
Onde estamos neste contexto?
Princípio da Notificação
Causalidade
Por que fazer?
Como fazer? Quais os instrumentos disponíveis?
Existe algum instrumento validado?
• Relação temporal;
• Plausabilidade biológica;
• Administração-
Readministração;
• Sintomas que cessam
após administração de
antídoto;
• Comprovação laboratorial
• Ausência de outra
explicação.
Caso para discussão de causalidade
Paciente HIV positivo com histórico de episódios de cálculo renal tratado
com Fosamprenavir, Ritonavir e Delavirdina com sintomas de dor das
costas em maio de 2012. Resultado do ultrasson indicou cálculo renal
tratado com Litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO).
Medicamentos:
• Fosamprenavir desde 2009
• Ritonavir desde 2009
• Delavirdina sem data de início
Investigação:
• Concentração sérica de cálcio e fosfato normais;
• PTH normal
• Análise das pedras: 95%amprenavir e 5% ritonavir
Profissional da saúdePaciente
Notificação pelo paciente
Saúde individual e Saúde coletiva
1 caso em 100.000
Sinais em farmacovigilância
Informação não é comunicação!
Obrigada
26/06/2013
mayra.cribeiro@hsl.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Luis Antonio Cezar Junior
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de Medicamentos
Safia Naser
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
Suzana Zaba Walczak
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
Farmacêutico Digital
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Giovanni Oliveira
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Cassyano Correr
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a Homeopatia
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de Medicamentos
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalarFarmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
Farmácia hospitalar a importância da farmácia hospitalar
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
 
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
 
Investigação de Farmacovigilância
Investigação de Farmacovigilância Investigação de Farmacovigilância
Investigação de Farmacovigilância
 
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para FarmacêuticosPrincípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a Homeopatia
 

Destaque

FARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
FARMACOVIGILANCIA HOSPITALARFARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
FARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
Roberto Taffarel
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Arquivo-FClinico
 
Farmacovigilância 2013
Farmacovigilância 2013Farmacovigilância 2013
Farmacovigilância 2013
Ts Agency
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Arquivo-FClinico
 
Cap 16 -_anestesicos_gerais
Cap 16 -_anestesicos_geraisCap 16 -_anestesicos_gerais
Cap 16 -_anestesicos_gerais
Deivid Ramos
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
Rinaldo Ferreira
 
Manual de quimoterapia
Manual de quimoterapiaManual de quimoterapia
Manual de quimoterapia
Laryssasampaio
 
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritoresCapã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
Lucas Almeida Sá
 

Destaque (20)

Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
 
FARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
FARMACOVIGILANCIA HOSPITALARFARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
FARMACOVIGILANCIA HOSPITALAR
 
Farmacovigilância: Manual do farmacêutico notificador
Farmacovigilância: Manual do farmacêutico notificador Farmacovigilância: Manual do farmacêutico notificador
Farmacovigilância: Manual do farmacêutico notificador
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
 
Farmacovigilancia
FarmacovigilanciaFarmacovigilancia
Farmacovigilancia
 
Farmacovigilância 2013
Farmacovigilância 2013Farmacovigilância 2013
Farmacovigilância 2013
 
Aula 1 Farmacovigilância Introdução, conceitos, dados estatísticos
Aula 1 Farmacovigilância   Introdução, conceitos, dados estatísticosAula 1 Farmacovigilância   Introdução, conceitos, dados estatísticos
Aula 1 Farmacovigilância Introdução, conceitos, dados estatísticos
 
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArmazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
 
20140426 notificacao espontanea ram utentes_sf_vs02
20140426 notificacao espontanea ram utentes_sf_vs0220140426 notificacao espontanea ram utentes_sf_vs02
20140426 notificacao espontanea ram utentes_sf_vs02
 
Relatório de Sustentabilidade 2012 Hospital Sírio-Libanês
Relatório de Sustentabilidade 2012   Hospital Sírio-LibanêsRelatório de Sustentabilidade 2012   Hospital Sírio-Libanês
Relatório de Sustentabilidade 2012 Hospital Sírio-Libanês
 
Cap 16 -_anestesicos_gerais
Cap 16 -_anestesicos_geraisCap 16 -_anestesicos_gerais
Cap 16 -_anestesicos_gerais
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
 
Farmacovigilância básica
Farmacovigilância básicaFarmacovigilância básica
Farmacovigilância básica
 
Extravasamento
ExtravasamentoExtravasamento
Extravasamento
 
Manual de quimoterapia
Manual de quimoterapiaManual de quimoterapia
Manual de quimoterapia
 
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritoresCapã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
Capã­tulo 3 -_farmacologia_dos_vasocontritores
 
Cepss cardiovascular
Cepss cardiovascularCepss cardiovascular
Cepss cardiovascular
 

Semelhante a Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês

praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
MarcioCruz62
 
A gestao do risco hospitalar
A gestao do risco hospitalar A gestao do risco hospitalar
A gestao do risco hospitalar
Renatbar
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
ProfYasminBlanco
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
farmaefarma
 
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo PolacowErros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Marcelo Polacow Bisson
 
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
farmaefarma
 
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
farmaefarma
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5
itesoto
 

Semelhante a Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês (20)

8901
89018901
8901
 
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptxPraticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
Praticas-Seguras-na-Dispensacao-de-Medicamentos.pptx
 
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdfpraticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
praticas-seguras-na-dispensacao-de-medicamentos-230630180632-43dcaa83.pdf
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
A gestao do risco hospitalar
A gestao do risco hospitalar A gestao do risco hospitalar
A gestao do risco hospitalar
 
Urm lenita wannmacher
Urm   lenita wannmacherUrm   lenita wannmacher
Urm lenita wannmacher
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
 
aula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptxaula 1 - conceitos.pptx
aula 1 - conceitos.pptx
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
 
Big Cim
Big CimBig Cim
Big Cim
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
Métodos contracetivos hormonais.pptx
Métodos contracetivos hormonais.pptxMétodos contracetivos hormonais.pptx
Métodos contracetivos hormonais.pptx
 
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo PolacowErros de Medicação - Marcelo Polacow
Erros de Medicação - Marcelo Polacow
 
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
 
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
Serviço clínico farmacêutico gerando tráfego, fidelização e remuneração diret...
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Aula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatriaAula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatria
 

Mais de Arquivo-FClinico

Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Arquivo-FClinico
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
Arquivo-FClinico
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MS
Arquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
Arquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Dislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MSDislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Disfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MSDisfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MS
Arquivo-FClinico
 
Anemia por deficiência de ferro - MS
Anemia por deficiência de ferro - MSAnemia por deficiência de ferro - MS
Anemia por deficiência de ferro - MS
Arquivo-FClinico
 

Mais de Arquivo-FClinico (20)

Ebola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeEbola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da Saúde
 
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
 
Cristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínicaCristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínica
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
 
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaNomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
 
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MS
 
Osteoporose -MS
Osteoporose -MSOsteoporose -MS
Osteoporose -MS
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MS
 
Glaucoma - MS
Glaucoma - MSGlaucoma - MS
Glaucoma - MS
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MS
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
 
Dislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MSDislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MS
 
Disfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MSDisfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MS
 
Disfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MSDisfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MS
 
Anemia por deficiência de ferro - MS
Anemia por deficiência de ferro - MSAnemia por deficiência de ferro - MS
Anemia por deficiência de ferro - MS
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (9)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês

  • 2. Pressupostos do uso de medicamentos: Nenhum medicamento é totalmente seguro, exceto se ele não possui efeito farmacológico algum; Cada paciente é único (uma escolha adequada para mim pode ser uma escolha ruim para você); Cada tratamento é único; As recomendações são baseadas em evidências populacionais, nem sempre aplicáveis à indivíduos.
  • 3. Farmacovigilância: Por que fazer? Garantir segurança e eficácia dos medicamentos; Preocupações humanitárias (“First do no harm” – Hipócrates); Redução do custo dos eventos adversos relacionados a medicamentos; Garantir que o público confie nos medicamentos e no sistema de monitoramento; Promoção do uso racional de medicamentos e adesão a terapia. • Necessidade de avaliação e reavaliação contínuas, de modo a entender se os benefícios superam os riscos; •Monitorar e entender a segurança como um processo que continua durante todo o ciclo de utilização do medicamento.
  • 4. Qual o escopo da farmacovigilância? Programas de tratamento em massa (Vacinação, HIV, TB) RAM Problemas relacionados ao uso de medicamentos (Prescrição, dispensação, administração, adesão, uso incorreto); Problemas relacionados a produção, transporte e armazenamento (problemas de qualidade e falsificação); Resistência a antimicrobianos;
  • 5. Onde estamos neste contexto?
  • 7. Causalidade Por que fazer? Como fazer? Quais os instrumentos disponíveis? Existe algum instrumento validado?
  • 8. • Relação temporal; • Plausabilidade biológica; • Administração- Readministração; • Sintomas que cessam após administração de antídoto; • Comprovação laboratorial • Ausência de outra explicação.
  • 9. Caso para discussão de causalidade Paciente HIV positivo com histórico de episódios de cálculo renal tratado com Fosamprenavir, Ritonavir e Delavirdina com sintomas de dor das costas em maio de 2012. Resultado do ultrasson indicou cálculo renal tratado com Litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO). Medicamentos: • Fosamprenavir desde 2009 • Ritonavir desde 2009 • Delavirdina sem data de início Investigação: • Concentração sérica de cálcio e fosfato normais; • PTH normal • Análise das pedras: 95%amprenavir e 5% ritonavir
  • 11. Saúde individual e Saúde coletiva 1 caso em 100.000
  • 13. Informação não é comunicação!
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.