SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Cristalóides e Colóides na prática clínica
Farm. Isabela Miguez de Almeida
Cristalóides e Colóides
Conceito
Cristalódes
Soluções de íons inorgânicos e pequenas moléculas orgânicas
dissolvidas em água.
Colóides
Substância homogênea não cristalina, consistindo de grandes
moléculas ou partículas ultramicroscópicas de uma substância
dispersa em outra.
Indicações
Reposição volêmica → expansão plasmática.
Expansores do Plasma. José Otávio Costa Auler Júnior, Luiz Guilherme Villares da
Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
Cristalóides e Colóides
Expansores do Plasma. José Otávio Costa Auler Júnior, Luiz Guilherme Villares da
Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
Expansor ideal
Expansão rápida e duradoura do volume plasmático
Objetivo
- Otimização das variáveis hemodinâmicas
- Melhora da perfusão
- Mínimo comprometimento orgânico
DC = débito cardíaco
FC = frequência cardíaca
VS = volume sistólico
Contratilidade
Pré-carga
Pós-carga
Resistência vascular
periférica
Resistência valvular
aórtica
Complacência da aorta
Retorno venoso
Volemia
Tônus muscular
periférico
Soluções isotônicas
Cloreto de sódio 0,9%
Ringer
Ringer lactato
Solução Plasma Lyte
Soluções hipertônicas
Cloreto de sódio 7,5%
Cloreto de sódio 10%
Cloreto de sódio 20%
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte
Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176
Proteicas
Albumina
Não Proteicas
Gelatinas
Dextrans
Amidos
CRISTALÓIDES COLÓIDES
Cristalóides: soluções isotônicas
Farmacocinética
Atravessa facilmente a barreira endotelial e tendem a se acumular
em maior quantidade no interstício.
Após 1 hora: apenas 20 - 25% do volume infundido permanece no
espaço intravascular → Reposição três a quatro vezes maior que a
perda estimada.
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides: soluções isotônicas
Bula do medicamento: Solução de Ringer, Solução de Ringer Lactato e Solução
de Plasma Lyte - Baxter
Eletrólito (mEq/mL) SF 0,9% Ringer
Ringer
Lactato
Plasma
Lyte
Plasma
Sódio 154,0 147,5 130,0 140,0 136 - 145
Potássio - 4,0 4,0 5,0 3,5 – 5,0
Cálcio - 4,5 3,0 - 4,4 – 5,2
Cloreto 154,0 156,0 109,0 98,0 98 - 106
Magnésio - - - 3,0 1,6 – 2,4
Lactato - - 28 - -
Acetato - - - 27 -
Gluconato - - - 23 -
Osmolaridade (mOsm/L) 309 309 272 294 290 - 303
pH 5,5 – 6,2 5,0 – 7,5 6,0 – 7,5
7,4
(6,5 – 8,0)
7,4
Cristalóides: soluções isotônicas
Soro fisiológico:
Vantagens:
• Baixo risco de eventos adversos
• Baixo custo
• Indicada para pacientes com comprometimento da
barreira hemato-encefálica (BHE). Ex: TCE – alcalose
metabólica hiperclorêmica e hiponatremia.
Desvantagens:
• Acidose metabólica hiperclorêmica
• Hipernatremia
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides: soluções isotônicas
Ringer, Ringer Lactato e Plasma Lyte:
Vantagens:
• Composição balanceada de eletrólitos
• Capacidade tampão
• Baixo risco de eventos adversos
• Sem distúrbios de coagulação
• Efeito diurético
• Baixo custo
Desvantagens:
• Amplas quantidades necessárias
• Redução de pressão colóido-osmótica
• Risco de super-hidratação
• Edema e hiponatremia
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides: soluções isotônicas
Ringer, Ringer Lactato e Plasma Lyte:
Precauções:
• Hipercalemia
Ringer Lactato
Precauções:
• Choque e trauma → capacidade de metabolização do
lactato pelos rins e fígado pode estar diminuída → piora
da acidose
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides: soluções hipertônicas
Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20%
Bula do medicamento: Cloreto de sódio 10% e 20% - Isofarma
Eletrólito (mEq/L) NaCl 7,5% NaCl 10% NaCl 20%
Sódio 1275 1700 3400
Cloreto 1275 1700 3400
Osmolaridade (mOsm/L) 2566 3422 6845
pH 4,5 – 7,0 4,5 – 7,0 4,5 – 7,0
NaCl 10% e 20%
apresentação padronizada
no HSL: 10mL
NaCl 7,5% apresentação de
250mL padronizada no HSL
(manipulada)
Cristalóides: soluções hipertônicas
Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20%
Pequenos volumes → Expandem o volume intravascular, elevam a
pressão arterial e o débito cardíaco → favorecem o fluxo de água
do interstício para o intravascular
Podem expandir a volemia em áte 10 vezes mais do que a solução
de Ringer lactato.
Principais indicações:
• Choque hemorrágico
• Politrauma
• Hipertensão intracraniana
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides: soluções hipertônicas
Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20%
Vantagens:
• Baixo custo
• Necessidade de pouco volume
Desvantagens:
• Efeito benéfico temporário
• Flebite em vasos de pequeno calibre
• Hipertensão se infusão rápida (< 5min)
• Hipernatremia, hipercloremia e hiperosmolaridade →
risco de mielinólise e convulsões
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Colóides: proteicos
Albumina 20%
Proteína plasmática natural obtida para uso clínico a partir do
plasma de vários doadores por cromatografia ou fracionamento
por resfriamento.
Farmacocinética
Extravasamento transcapilar com meia vida de distribuição de 15
horas.
Biodisponibilidade rápida e completa.
Meia-vida biológica de 19 dias aproximadamente.
Volumes > 200mL: reposição de eletrólitos para balanço.
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina
Perioperatória. Capítulo 43
Albumin Drug Information - UpToDate
Colóides: proteicos
Albumina 20%
Indicações:
• Aumento da pressão oncótica
• Intolerância a cristalóides ou colóides sintéticos
• Otimização da resposta diurética quando co-administrado
com furosemida
Desvantagens:
• Alto custo
• Risco de reações anafiláticas
• Riscos infecciosos (hepatite A, B, C e HIV)
• Distúrbios de coagulação
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Cristalóides vs Colóide
A Comparison of Albumin and Saline for Fluid Resuscitation in the Intensive Care
Unit (Safe study). N Engl J Med may, 2004
Multicêntrico
Duplo-cego
Randomizado
6997 pacientes
SAFE study (2004): Albumina vs Solução salina
Não há benefício da
albumina em
relação a solução
salina
Colóides: não proteicos
Hidroxietilamido (Voluven®6%)
Soluções sintéticas coloidais modificadas a partir da amilopectina.
Cada 1000mL:
Hidroxietilamido (130/0,4) 60g
Cloreto de sódio 9g
Água para injeção qsp 1000mL
Osmolaridade 308 mOsm/L
pH 4,0 – 5,0
Dose usual: 20mL/kg/dia
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
Colóides: não proteicos
Hidroxietilamido (Voluven®6%)
Vantagens sugeridas:
• Atenuação da resposta inflamatória
• Redução da permeabilidade capilar
• Diminuição da lesão/ativação endotelial
Desvantagens:
• Distúrbios de coagulação → diminuição do fator VIII e
complexo de Von Willebrand
• Disfunção renal
• Reações anafiláticas
• Prurido (depósito de amido)
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
Colóides: não proteicos
Hidroxietilamido
Recomendações para o uso:
• Monitorar função renal e coagulação
• Observar doses usuais
• Não utilizar por mais de 5 dias consecutivos
• Evitar o uso em pacientes com risco de sangramento
Dose diária máxima: 50mL/kg
Não há evidências de que uma solução colóide seja superior a
outra.
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
Cristalóides vs Colóide
Hydroxyethyl Starch or Saline for Fluid Resuscitation in Intensive Care. N Engl J
Med 367;20 november, 2012
Multicêntrico
Cego
Randomizado
7000 pacientes
CHEST study (2012): Hidroxietilamido vs Solução Salina
Desfecho primário: mortalidade em 90 dias
Hidroxietilamido:
Aumento do risco de
injúria renal com
necessidade de terapia
de substituição
Cristalóides vs Colóide
Hydroxyethyl Starch or Saline for Fluid Resuscitation in Intensive Care. N Engl J
Med 367;20 november, 2012
Cristalóides vs Colóide
Hydroxyethyl Starch 130/0.42 versus Ringer’s Acetate in Severe Sepsis (6S
trial). N Engl J Med 367;2 july, 2012
Multicêntrico
Cego
Randomizado
804 pacientes
6S trial (2012): Hidroxietilamido vs Ringer Acetato
Desfecho primário: mortalidade em 90 dias
Hidroxietilamido:
Aumento do risco de
injúria renal com
necessidade de terapia
de substituição
Cristalóides vs Colóide
Hydroxyethyl Starch 130/0.42 versus Ringer’s Acetate in Severe Sepsis (6S
trial). N Engl J Med 367;2 july, 2012
Colóides: não proteicos
Gelatinas
Produzidas a partir de colágeno hidrolizado de bovinos, com efeito
expansor entre 4 e 6 horas.
Existem diferentes preparações e diferentes concentrações de
eletrólitos.
Desvantagens:
• Reações anafiláticas
• Distúrbios de coagulação
• Insuficiência renal aguda
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Apresentação padronizada
no HSL:
Gelafundin 500mL
Colóides: não proteicos
Dextran
Polímeros de glicose produzidos a partir de bactérias cultivadas em
meio de sacarose.
São descritos pelos seus pesos moleculares:
Dextran 40 (40.000Da)
Dextran 70 (70.000Da)
Associados a soluções fisiológicas hipertônicas, isotônicas e de
glicose.
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Colóides: não proteicos
Dextran
Desvantagens:
• Reações anafiláticas
• Distúrbios de coagulação → podem induzir a síndrome de
Von Willebrand adquirida, aumentar a fibrinólise e
diminuir a agregação plaquetária
• Insuficiência renal aguda
Não há benefícios clínicos comprovados em comparação a reposição
volêmica com soluções cristalóides.
Não há recomendações para uso.
Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI,
2006;18:2: 161-176
Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória.
Capítulo 43
Não há padronização no
HSL
Cristalóides vs Colóides
Revisão sistemática de estudos controlados randomizados
comparativos entre cristalóides e colóides (2009):
Não há evidência de que o uso de colóides diminua a mortalidade
quando comparado com pacientes que receberam cristalóides para
reposição volêmica.
Os colóides não estão relacionados com aumento da sobrevida e
são mais caros.
Colloids versus crystalloids for fluid resuscitation in critically ill patients (Review).
The Cochrane Collaboration, 2009
Cristalóides vs Colóides
Reposição volêmica inicial com cristalóides.
• Sepse com hipotensão e hipoperfusão: 30mL/kg de
cristalóide.
• Choque séptico associado a hipotensão: 20mL/kg de
cristalóide (ou albumina equivalente) por 5 a 10 min
Considerar adição de albumina em pacientes que estejam
necessitando de grandes quantidades de cristalóides para manter
a pressão arterial.
Evitar uso de hidroxietilamido.
Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Severe Sepsis
and Septic Shock, 2012. Intensive Care Med (2013) 39:165–228
Cristalóides vs Colóides: análise de custo
Brasíndice
Solução Custo (R$)
SF 0,9% 500mL 4,40
SF 0,9% 1000mL 6,00
Ringer 500mL 4,80
Ringer lactato 500mL 5,09
Plasma Lyte 500mL 101,89
Albumina 20% 10mL 52,25
Albumina 20% 50mL 212,69
Voluven 6% 500mL 97,68
Gelafundin 500mL 67,00
Cristalóides vs Colóides: escolha??
PERFIL DO PACIENTE EVIDÊNCIAS
Choque
séptico
Hipotensão
Má
perfusão
Choque
hemorrágico
Hipercalemia
Neurológico Hipoalbuminemia
Caso Clínico
Paciente do sexo masculino, 58 anos.
Admitido com choque séptico com hipotensão e má perfusão.
Sem disfunção renal.
Sem disfunção hepática.
Albumina 1,4g/dL (referência 3,5 – 5,2 g/dL).
Cristalóide? Colóide?
Conclusão
Maior benefício clínico
Menores eventos adversos
Menor custo
CRISTALÓIDES COLÓIDES
Uso na urgência
Maiores eventos adversos
Maior custo
Obrigada.
isabela.malmeida@hsl.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoBrenda Lahlou
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapiaRodrigo Abreu
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxBrenda Lahlou
 
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de LaboratórioSheyla Amorim
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...José Alexandre Pires de Almeida
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)João Marcos
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxJucie Vasconcelos
 
Ressucitação volêmica
Ressucitação volêmicaRessucitação volêmica
Ressucitação volêmicajaninemagalhaes
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosArquivo-FClinico
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonardapab
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IIpauloalambert
 

Mais procurados (20)

DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso ClínicoDERRAME PLEURAL - Caso Clínico
DERRAME PLEURAL - Caso Clínico
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Sinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de TóraxSinais do Raio X de Tórax
Sinais do Raio X de Tórax
 
Fimose
FimoseFimose
Fimose
 
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de Laboratório
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Ressucitação volêmica
Ressucitação volêmicaRessucitação volêmica
Ressucitação volêmica
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
 
Semiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome IISemiologia de Abdome II
Semiologia de Abdome II
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 

Destaque

Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Yuri Assis
 
Cristaloides y coloides
Cristaloides y coloidesCristaloides y coloides
Cristaloides y coloideshadoken Boveri
 
ReposiçãO VolêMica Em Uti
ReposiçãO VolêMica Em UtiReposiçãO VolêMica Em Uti
ReposiçãO VolêMica Em Utigalegoo
 
Tipos de soluciones
Tipos de solucionesTipos de soluciones
Tipos de solucionesjeessale
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRubens Kon
 
Reposição volêmica em cirurgia de alto risco
Reposição volêmica em cirurgia de alto riscoReposição volêmica em cirurgia de alto risco
Reposição volêmica em cirurgia de alto riscoYuri Assis
 
Generalidades sobreea beehe
Generalidades sobreea beeheGeneralidades sobreea beehe
Generalidades sobreea beehePelo Siro
 
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y Emergencia
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y EmergenciaFluidoterapia Intravenosa en Urgencia y Emergencia
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y EmergenciaDiagnostico X
 
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrolIv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrolctisaolucascopacabana
 
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...Yuri Assis
 
Sueroterapia urgencias
Sueroterapia urgenciasSueroterapia urgencias
Sueroterapia urgenciasConni Olivares
 
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy DogsIdeias na Laje
 
Anesthesia review
Anesthesia reviewAnesthesia review
Anesthesia reviewstanbridge
 
Blood Transfusion in Animals
Blood Transfusion in AnimalsBlood Transfusion in Animals
Blood Transfusion in AnimalsDr. Fakhar
 

Destaque (20)

Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
Reposição volêmica em terapia intensiva 2014
 
Cristaloides y coloides
Cristaloides y coloidesCristaloides y coloides
Cristaloides y coloides
 
ReposiçãO VolêMica Em Uti
ReposiçãO VolêMica Em UtiReposiçãO VolêMica Em Uti
ReposiçãO VolêMica Em Uti
 
Tipos de soluciones
Tipos de solucionesTipos de soluciones
Tipos de soluciones
 
Cristaloides y coloides
Cristaloides y coloidesCristaloides y coloides
Cristaloides y coloides
 
REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS – PORTARIA Nº 10, DE 04 DE JANEIRO DE 2017
REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS – PORTARIA Nº 10, DE 04 DE JANEIRO DE 2017REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS – PORTARIA Nº 10, DE 04 DE JANEIRO DE 2017
REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS – PORTARIA Nº 10, DE 04 DE JANEIRO DE 2017
 
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e EmergênciasExposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
 
Colóides
ColóidesColóides
Colóides
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs leste
 
Reposição volêmica em cirurgia de alto risco
Reposição volêmica em cirurgia de alto riscoReposição volêmica em cirurgia de alto risco
Reposição volêmica em cirurgia de alto risco
 
Generalidades sobreea beehe
Generalidades sobreea beeheGeneralidades sobreea beehe
Generalidades sobreea beehe
 
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y Emergencia
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y EmergenciaFluidoterapia Intravenosa en Urgencia y Emergencia
Fluidoterapia Intravenosa en Urgencia y Emergencia
 
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrolIv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
 
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...
Reposição volêmica no paciente cirúrgico: diferentes soluções, diferentes res...
 
Grapes and Raisins
Grapes and RaisinsGrapes and Raisins
Grapes and Raisins
 
Sueroterapia urgencias
Sueroterapia urgenciasSueroterapia urgencias
Sueroterapia urgencias
 
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs
11º Ideias na Laje - Apresentação 5.0 // Doggy Dogs
 
Anesthesia review
Anesthesia reviewAnesthesia review
Anesthesia review
 
Shock hipovolémico
Shock hipovolémicoShock hipovolémico
Shock hipovolémico
 
Blood Transfusion in Animals
Blood Transfusion in AnimalsBlood Transfusion in Animals
Blood Transfusion in Animals
 

Semelhante a Cristalóides e colóides na prática clínica

RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSERESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSEYuri Assis
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaRaphael Machado
 
relatorio 2.docx
relatorio 2.docxrelatorio 2.docx
relatorio 2.docxisadora76
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações Liliana Mendes
 
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010Arquivo-FClinico
 
Litíase Urinária
Litíase UrináriaLitíase Urinária
Litíase UrináriaUrovideo.org
 
Litíase Urinária
Litíase UrináriaLitíase Urinária
Litíase UrináriaUrovideo.org
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterialresenfe2013
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoDanimilene
 
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICO
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICOOXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICO
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICOLUCIANA CACCAVO
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemRui Lopes
 

Semelhante a Cristalóides e colóides na prática clínica (20)

RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSERESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
RESPOSTA A FLUIDOTERAPIA NA SEPSE
 
fluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdffluidoterapia-2015.pdf
fluidoterapia-2015.pdf
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Glicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - FarmacologiaGlicocorticoides - Farmacologia
Glicocorticoides - Farmacologia
 
relatorio 2.docx
relatorio 2.docxrelatorio 2.docx
relatorio 2.docx
 
DISNATREMIAS+CA+P.pptx
DISNATREMIAS+CA+P.pptxDISNATREMIAS+CA+P.pptx
DISNATREMIAS+CA+P.pptx
 
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
LILIANA MENDES Mini curso jovem gastro df cirrose e suas complicações
 
Hiponatremia
HiponatremiaHiponatremia
Hiponatremia
 
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010
Pcdt anemia irc_alfaepoetina_livro_2010
 
Litíase Urinária
Litíase UrináriaLitíase Urinária
Litíase Urinária
 
Litíase Urinária
Litíase UrináriaLitíase Urinária
Litíase Urinária
 
SIHAD
SIHADSIHAD
SIHAD
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Vitamina D - Um teste em crescimento
Vitamina D - Um teste em crescimentoVitamina D - Um teste em crescimento
Vitamina D - Um teste em crescimento
 
Glicocorticóides ro
Glicocorticóides roGlicocorticóides ro
Glicocorticóides ro
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de caso
 
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICO
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICOOXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICO
OXIGENOTERAPIA X PÉ DIABÉTICO
 
Pacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdfPacientes Graves - 13.pdf
Pacientes Graves - 13.pdf
 
Choques
ChoquesChoques
Choques
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
 

Mais de Arquivo-FClinico

Ebola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeEbola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeArquivo-FClinico
 
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Arquivo-FClinico
 
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArmazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArquivo-FClinico
 
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio LibanêsFarmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio LibanêsArquivo-FClinico
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internaçãoArquivo-FClinico
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ramArquivo-FClinico
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoArquivo-FClinico
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialArquivo-FClinico
 
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaNomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaArquivo-FClinico
 
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaArquivo-FClinico
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Arquivo-FClinico
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSArquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSArquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSArquivo-FClinico
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSArquivo-FClinico
 

Mais de Arquivo-FClinico (20)

Ebola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeEbola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da Saúde
 
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
 
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArmazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
 
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio LibanêsFarmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
 
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaNomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
 
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MS
 
Osteoporose -MS
Osteoporose -MSOsteoporose -MS
Osteoporose -MS
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MS
 
Glaucoma - MS
Glaucoma - MSGlaucoma - MS
Glaucoma - MS
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MS
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
 

Último

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 

Último (11)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 

Cristalóides e colóides na prática clínica

  • 1. Cristalóides e Colóides na prática clínica Farm. Isabela Miguez de Almeida
  • 2. Cristalóides e Colóides Conceito Cristalódes Soluções de íons inorgânicos e pequenas moléculas orgânicas dissolvidas em água. Colóides Substância homogênea não cristalina, consistindo de grandes moléculas ou partículas ultramicroscópicas de uma substância dispersa em outra. Indicações Reposição volêmica → expansão plasmática. Expansores do Plasma. José Otávio Costa Auler Júnior, Luiz Guilherme Villares da Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 3. Cristalóides e Colóides Expansores do Plasma. José Otávio Costa Auler Júnior, Luiz Guilherme Villares da Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43 Expansor ideal Expansão rápida e duradoura do volume plasmático Objetivo - Otimização das variáveis hemodinâmicas - Melhora da perfusão - Mínimo comprometimento orgânico
  • 4. DC = débito cardíaco FC = frequência cardíaca VS = volume sistólico Contratilidade Pré-carga Pós-carga Resistência vascular periférica Resistência valvular aórtica Complacência da aorta Retorno venoso Volemia Tônus muscular periférico
  • 5. Soluções isotônicas Cloreto de sódio 0,9% Ringer Ringer lactato Solução Plasma Lyte Soluções hipertônicas Cloreto de sódio 7,5% Cloreto de sódio 10% Cloreto de sódio 20% Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Proteicas Albumina Não Proteicas Gelatinas Dextrans Amidos CRISTALÓIDES COLÓIDES
  • 6. Cristalóides: soluções isotônicas Farmacocinética Atravessa facilmente a barreira endotelial e tendem a se acumular em maior quantidade no interstício. Após 1 hora: apenas 20 - 25% do volume infundido permanece no espaço intravascular → Reposição três a quatro vezes maior que a perda estimada. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 7. Cristalóides: soluções isotônicas Bula do medicamento: Solução de Ringer, Solução de Ringer Lactato e Solução de Plasma Lyte - Baxter Eletrólito (mEq/mL) SF 0,9% Ringer Ringer Lactato Plasma Lyte Plasma Sódio 154,0 147,5 130,0 140,0 136 - 145 Potássio - 4,0 4,0 5,0 3,5 – 5,0 Cálcio - 4,5 3,0 - 4,4 – 5,2 Cloreto 154,0 156,0 109,0 98,0 98 - 106 Magnésio - - - 3,0 1,6 – 2,4 Lactato - - 28 - - Acetato - - - 27 - Gluconato - - - 23 - Osmolaridade (mOsm/L) 309 309 272 294 290 - 303 pH 5,5 – 6,2 5,0 – 7,5 6,0 – 7,5 7,4 (6,5 – 8,0) 7,4
  • 8. Cristalóides: soluções isotônicas Soro fisiológico: Vantagens: • Baixo risco de eventos adversos • Baixo custo • Indicada para pacientes com comprometimento da barreira hemato-encefálica (BHE). Ex: TCE – alcalose metabólica hiperclorêmica e hiponatremia. Desvantagens: • Acidose metabólica hiperclorêmica • Hipernatremia Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 9. Cristalóides: soluções isotônicas Ringer, Ringer Lactato e Plasma Lyte: Vantagens: • Composição balanceada de eletrólitos • Capacidade tampão • Baixo risco de eventos adversos • Sem distúrbios de coagulação • Efeito diurético • Baixo custo Desvantagens: • Amplas quantidades necessárias • Redução de pressão colóido-osmótica • Risco de super-hidratação • Edema e hiponatremia Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 10. Cristalóides: soluções isotônicas Ringer, Ringer Lactato e Plasma Lyte: Precauções: • Hipercalemia Ringer Lactato Precauções: • Choque e trauma → capacidade de metabolização do lactato pelos rins e fígado pode estar diminuída → piora da acidose Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 11. Cristalóides: soluções hipertônicas Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20% Bula do medicamento: Cloreto de sódio 10% e 20% - Isofarma Eletrólito (mEq/L) NaCl 7,5% NaCl 10% NaCl 20% Sódio 1275 1700 3400 Cloreto 1275 1700 3400 Osmolaridade (mOsm/L) 2566 3422 6845 pH 4,5 – 7,0 4,5 – 7,0 4,5 – 7,0 NaCl 10% e 20% apresentação padronizada no HSL: 10mL NaCl 7,5% apresentação de 250mL padronizada no HSL (manipulada)
  • 12. Cristalóides: soluções hipertônicas Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20% Pequenos volumes → Expandem o volume intravascular, elevam a pressão arterial e o débito cardíaco → favorecem o fluxo de água do interstício para o intravascular Podem expandir a volemia em áte 10 vezes mais do que a solução de Ringer lactato. Principais indicações: • Choque hemorrágico • Politrauma • Hipertensão intracraniana Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 13. Cristalóides: soluções hipertônicas Cloreto de sódio 7,5%, 10% e 20% Vantagens: • Baixo custo • Necessidade de pouco volume Desvantagens: • Efeito benéfico temporário • Flebite em vasos de pequeno calibre • Hipertensão se infusão rápida (< 5min) • Hipernatremia, hipercloremia e hiperosmolaridade → risco de mielinólise e convulsões Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 14. Colóides: proteicos Albumina 20% Proteína plasmática natural obtida para uso clínico a partir do plasma de vários doadores por cromatografia ou fracionamento por resfriamento. Farmacocinética Extravasamento transcapilar com meia vida de distribuição de 15 horas. Biodisponibilidade rápida e completa. Meia-vida biológica de 19 dias aproximadamente. Volumes > 200mL: reposição de eletrólitos para balanço. Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43 Albumin Drug Information - UpToDate
  • 15. Colóides: proteicos Albumina 20% Indicações: • Aumento da pressão oncótica • Intolerância a cristalóides ou colóides sintéticos • Otimização da resposta diurética quando co-administrado com furosemida Desvantagens: • Alto custo • Risco de reações anafiláticas • Riscos infecciosos (hepatite A, B, C e HIV) • Distúrbios de coagulação Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43
  • 16. Cristalóides vs Colóide A Comparison of Albumin and Saline for Fluid Resuscitation in the Intensive Care Unit (Safe study). N Engl J Med may, 2004 Multicêntrico Duplo-cego Randomizado 6997 pacientes SAFE study (2004): Albumina vs Solução salina Não há benefício da albumina em relação a solução salina
  • 17. Colóides: não proteicos Hidroxietilamido (Voluven®6%) Soluções sintéticas coloidais modificadas a partir da amilopectina. Cada 1000mL: Hidroxietilamido (130/0,4) 60g Cloreto de sódio 9g Água para injeção qsp 1000mL Osmolaridade 308 mOsm/L pH 4,0 – 5,0 Dose usual: 20mL/kg/dia Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
  • 18. Colóides: não proteicos Hidroxietilamido (Voluven®6%) Vantagens sugeridas: • Atenuação da resposta inflamatória • Redução da permeabilidade capilar • Diminuição da lesão/ativação endotelial Desvantagens: • Distúrbios de coagulação → diminuição do fator VIII e complexo de Von Willebrand • Disfunção renal • Reações anafiláticas • Prurido (depósito de amido) Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
  • 19. Colóides: não proteicos Hidroxietilamido Recomendações para o uso: • Monitorar função renal e coagulação • Observar doses usuais • Não utilizar por mais de 5 dias consecutivos • Evitar o uso em pacientes com risco de sangramento Dose diária máxima: 50mL/kg Não há evidências de que uma solução colóide seja superior a outra. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 A Systematic Review of the Comparative Safety of Colloids. ARCH SURG/VOL 139, MAY 2004
  • 20. Cristalóides vs Colóide Hydroxyethyl Starch or Saline for Fluid Resuscitation in Intensive Care. N Engl J Med 367;20 november, 2012 Multicêntrico Cego Randomizado 7000 pacientes CHEST study (2012): Hidroxietilamido vs Solução Salina Desfecho primário: mortalidade em 90 dias Hidroxietilamido: Aumento do risco de injúria renal com necessidade de terapia de substituição
  • 21. Cristalóides vs Colóide Hydroxyethyl Starch or Saline for Fluid Resuscitation in Intensive Care. N Engl J Med 367;20 november, 2012
  • 22. Cristalóides vs Colóide Hydroxyethyl Starch 130/0.42 versus Ringer’s Acetate in Severe Sepsis (6S trial). N Engl J Med 367;2 july, 2012 Multicêntrico Cego Randomizado 804 pacientes 6S trial (2012): Hidroxietilamido vs Ringer Acetato Desfecho primário: mortalidade em 90 dias Hidroxietilamido: Aumento do risco de injúria renal com necessidade de terapia de substituição
  • 23. Cristalóides vs Colóide Hydroxyethyl Starch 130/0.42 versus Ringer’s Acetate in Severe Sepsis (6S trial). N Engl J Med 367;2 july, 2012
  • 24. Colóides: não proteicos Gelatinas Produzidas a partir de colágeno hidrolizado de bovinos, com efeito expansor entre 4 e 6 horas. Existem diferentes preparações e diferentes concentrações de eletrólitos. Desvantagens: • Reações anafiláticas • Distúrbios de coagulação • Insuficiência renal aguda Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Apresentação padronizada no HSL: Gelafundin 500mL
  • 25. Colóides: não proteicos Dextran Polímeros de glicose produzidos a partir de bactérias cultivadas em meio de sacarose. São descritos pelos seus pesos moleculares: Dextran 40 (40.000Da) Dextran 70 (70.000Da) Associados a soluções fisiológicas hipertônicas, isotônicas e de glicose. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176
  • 26. Colóides: não proteicos Dextran Desvantagens: • Reações anafiláticas • Distúrbios de coagulação → podem induzir a síndrome de Von Willebrand adquirida, aumentar a fibrinólise e diminuir a agregação plaquetária • Insuficiência renal aguda Não há benefícios clínicos comprovados em comparação a reposição volêmica com soluções cristalóides. Não há recomendações para uso. Consenso Brasileiro de Monitorização e Suporte Hemodinâmico - Parte V: Suporte Hemodinâmico. RBTI, 2006;18:2: 161-176 Expansores do Plasma. José Otávio C. A. Júnior, Luiz Guilherme V. Costa. Medicina Perioperatória. Capítulo 43 Não há padronização no HSL
  • 27. Cristalóides vs Colóides Revisão sistemática de estudos controlados randomizados comparativos entre cristalóides e colóides (2009): Não há evidência de que o uso de colóides diminua a mortalidade quando comparado com pacientes que receberam cristalóides para reposição volêmica. Os colóides não estão relacionados com aumento da sobrevida e são mais caros. Colloids versus crystalloids for fluid resuscitation in critically ill patients (Review). The Cochrane Collaboration, 2009
  • 28. Cristalóides vs Colóides Reposição volêmica inicial com cristalóides. • Sepse com hipotensão e hipoperfusão: 30mL/kg de cristalóide. • Choque séptico associado a hipotensão: 20mL/kg de cristalóide (ou albumina equivalente) por 5 a 10 min Considerar adição de albumina em pacientes que estejam necessitando de grandes quantidades de cristalóides para manter a pressão arterial. Evitar uso de hidroxietilamido. Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Severe Sepsis and Septic Shock, 2012. Intensive Care Med (2013) 39:165–228
  • 29. Cristalóides vs Colóides: análise de custo Brasíndice Solução Custo (R$) SF 0,9% 500mL 4,40 SF 0,9% 1000mL 6,00 Ringer 500mL 4,80 Ringer lactato 500mL 5,09 Plasma Lyte 500mL 101,89 Albumina 20% 10mL 52,25 Albumina 20% 50mL 212,69 Voluven 6% 500mL 97,68 Gelafundin 500mL 67,00
  • 30. Cristalóides vs Colóides: escolha?? PERFIL DO PACIENTE EVIDÊNCIAS Choque séptico Hipotensão Má perfusão Choque hemorrágico Hipercalemia Neurológico Hipoalbuminemia
  • 31. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 58 anos. Admitido com choque séptico com hipotensão e má perfusão. Sem disfunção renal. Sem disfunção hepática. Albumina 1,4g/dL (referência 3,5 – 5,2 g/dL). Cristalóide? Colóide?
  • 32. Conclusão Maior benefício clínico Menores eventos adversos Menor custo CRISTALÓIDES COLÓIDES Uso na urgência Maiores eventos adversos Maior custo