SlideShare uma empresa Scribd logo
+




    Estética
    Natureza e tarefa da estética
+
    Estética

    n    Do grego aisthesis, que significa sensação, percepção
          sensível.

    n    Nasce como ramo do saber em meados do século XVIII;

    n    Ramo da filosofia que tem por objeto o estudo da natureza do
          belo e dos fundamentos da arte;

    n    Destinada a estudar uma forma de conhecimento obscura,
          logo, com uma esmagadora carga especulativa;

    n    Também pode ocupar-se do sublime, ou da privação da
          beleza, ou seja, o que pode ser considerado feio, ou até
          mesmo ridículo.
+
    Estética

    n    A estética ajuda o espectador a recuperar consciência do
          lugar que ocupa em sua relação direta e imediata com um
          objeto estético ou com um produto artístico em particular.

    n    Se a realidade é dinâmica a Estética o será também.

    n    A estética é uma teoria não normativa, fecunda para a prática
          artística.
+
    Problemas da estética

    n    1º- Especificação do objeto;

    n    2º - Definição da própria estética, sua utilidade e vantagem;

    n    Universo estético: seres naturais e objetos artificiais;

    n    Dentro desse universos estético existem aqueles objetos que
          não recebem a atenção de nenhuma ciência específica,
          portanto, faz-se necessária uma ciência especial que se
          ocupe desses objetos e do comportamento humano em
          relação a ele, essa ciência é a Estética.
+
    Estética como filosofia do belo




       O que é o Belo?
+
    Estética como filosofia do belo

    n    Platão: é o perfeito, absoluto e atemporal; É
          uma ideia;

    n    Aristóteles: possui ordem, limite, simetria;

    n    Estética cristã e medieval: é medida e forma,
          ordem e proporção;

    n    Renascimento: é consonância e integração
          mútua das partes;

    n    Antes do século XVIII: qualidade das coisas,
          da realidade.
+
    Estética como filosofia do belo

    n    A partir do século XVIII:
          n    Hutcheson: é uma percepção da mente;
          n    Hume: existe na mente daquele que a
                contempla.

    n    Todo o belo é estético, mas nem todo estético
          é belo,

    n    A arte não pode reduzir-se à sua versão
          clássica ou classicista.

    n    A Estética não pode ser definida como a
          ciêcia do belo.
+
+
    Estética como filosofia da arte

    n    O estético ou o belo deixam de interessar como problema
          especial ou exclusivo, e a atenção se concentra na arte, onde
          um e outro acontecem;

    n    Em favor dessa concepção atua o papel privilegiado que
          desde o Renascimento foi atribuído à arte;

    n    É atribuída ao homem a capacidade criadora.
+
    Estética como filosofia da arte

    n    Antes a arte só existia com uma dupla condição servil:
          n    Como meio ou instrumento de uma finalidade alheia, a serviço
                dos homens ou dos deuses;
          n    Como uma atividade própria de artesãos ou servos;

    n    Com o renascimento a arte passa a ocupar o lugar central
          nas digressões estéticas.
+
    Estética como filosofia da arte

    n    Embora para a Estética a arte seja um objeto de estudo
          fundamental, não pode ser exclusivo;

    n    A arte é apenas uma forma do comportamento estético
          humano;

    n    A relação estética não se dá apenas na arte e na recepção de
          seus produtos, mas também na contemplação da natureza,
          assim como no comportamento humano com objetos
          produzidos com uma finalidade prático-utilitária.
+
    Estética como filosofia da arte

    n    A definição da Estética como filosofia da arte é duplamente
          limitativa:
          n    Restringe o campo do estético ao artístico, como também o da
                arte com outras atividades humanas;
          n    Assim como a vinculação de todo o campo artístico com a
                sociedade em que ocorre e com as diversas relações sociais que
                a condicionam;

    n    Trata-se de uma teoria limitada diante da amplitude do
          universo estético.
+
    Estética e ciência da arte

    n    O que a diferencia da filosofia da arte é o modo que concebe
          o objeto, a arte;

    n    Já não se tende a vê-la por um único lado, o estético, mas sim
          em todos os seus aspectos e relações;

    n    Estético: é o que pode suscitar uma percepção
          desinteressada;

    n    Artístico: compreende os valores diversos que se revelam na
          obra de arte.
+
    Estética e ciência da arte

    n    Pode considerar uma obra artística determinada levando em
          conta seus valores não exatamente estéticos: religiosos,
          morais, racionais ou sociais;

    n    A arte se liberta assim de sua submissão à beleza e, mais
          exatamente, a beleza clássica;

    n    A ciência da arte considera a obra artística não só pelo seu
          lado estético, mas como um todo que inclui valores extra-
          estéticos.
+
+
    Conclusão

    n    Estética caracteriza um comportamento específico com a
          realidade.

    n    A Estética é a ciência de um modo específico de apropriação
          da realidade, vinculado a outros modos de apropriação
          humana do mundo e com as condições históricas, sociais e
          culturais em que ocorre.
+
    Exemplo

    n    Pintura rupestre pré-histórica;

    n    Pia batismal de uma igreja medieval;

    n    Coatlicue.
+
+
    Exemplo

    n    Bisão saltando:
          n    Finalidade ou funções mágicas;
          n    Meio de exercer uma ação real;
          n    Ferramenta de caça.
+
    Exemplo

    n    Pia batismal:
          n    Função ritual-religiosa;
          n    Meio para a administração de um sacramento;
          n    Ressaltar a importância do batismo.
+
    Exemplo

    n    Coatlicue:
          n    Função mítica;
          n    Remete à ideia do poder onipotente e
                tremendo da deusa da Terra sobre tudo
                aquilo que nasce e morre;
          n    Despertar a crença do poder terrível da
                deusa.
+
    Exemplo

    n    Os objetos possuem concepções diferentes do mundo:
          mágica, religiosa e mítica;

    n    Hoje os três tem em comum o fato de serem dignos de
          contemplação;

    n    Possuem a mesma relação: estética;

    n    Hoje cumprem a mesma função estética.

    n    Antes cumpriam a função mágico-venatória, ritual-cristã e
          mítico-religiosa.
+
    Exemplo

    n    Desligadas de suas funções originais, voltamos nossa
          atenção para a forma que o executante imprimiu à matéria;

    n    Contudo, a obra não se reduz apenas à forma;

    n    Seu significado não se perde ou dilui na obra formada ao
          perder-se ou diluir-se sua função original.
+
    Exemplo

    n    O bisão não mais funciona magicamente, mas não se reduz à
          combinação de linhas e cores;

    n    O desenho não só testemunha o domínio da matéria, mas
          também a encarnação de certa atitude do homem pré-
          histórico em frente do mundo;

    n    Significado ideológico.
+
    Exemplo

    n    O mesmo acontece com a pia batismal;

    n    Crente ou não, ao deslocada a atenção para a forma o objeto
          perde sua função ritualística;

    n    A obra mantém seu significado religioso.
+
    Exemplo

    n    Hoje, não vemos com terror a estátua asteca, mas com
          adminiração;

    n    Coatlicue perdeu seu poder terrível, mas não perdeu o seu
          significado;

    n    Todos esses objetos cumprem a mesma função: estética.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
Experiências Português
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Aline Corso
 
Fundamentos da arte
Fundamentos da arteFundamentos da arte
Fundamentos da arte
Luciana Estivalet
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Rafael Lucas da Silva
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
Itamir Beserra
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
A arte em meio ao belo e ao feio.
A arte em meio ao belo e ao feio.A arte em meio ao belo e ao feio.
A arte em meio ao belo e ao feio.
josivaldopassos
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
Adriana Martins Christianini
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
Aline Corso
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
Rafael Serra
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
Wellinton Augusto
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da ArtesFundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Susanne Messias
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
António Daniel
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Arte na antiguidade
Arte na antiguidadeArte na antiguidade
Arte na antiguidade
Rafael Lucas da Silva
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
Junior Onildo
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexões
Rosalina Simão Nunes
 

Mais procurados (20)

História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Fundamentos da arte
Fundamentos da arteFundamentos da arte
Fundamentos da arte
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
A arte em meio ao belo e ao feio.
A arte em meio ao belo e ao feio.A arte em meio ao belo e ao feio.
A arte em meio ao belo e ao feio.
 
A estética do belo
A estética do beloA estética do belo
A estética do belo
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da ArtesFundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino da Artes
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Arte na antiguidade
Arte na antiguidadeArte na antiguidade
Arte na antiguidade
 
Linguagem teatral
Linguagem teatralLinguagem teatral
Linguagem teatral
 
Teatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexõesTeatro - definição, história e reflexões
Teatro - definição, história e reflexões
 

Destaque

A arte na história
A arte na históriaA arte na história
A arte na história
Artedoiscmb Cmb
 
Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)
Thiago Castro Bueno
 
Lucas mezzadri 23 mp
Lucas mezzadri 23 mpLucas mezzadri 23 mp
Lucas mezzadri 23 mp
alemisturini
 
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPEO BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
Pedagogiapibid
 
Fuentes de la estetica
Fuentes de la esteticaFuentes de la estetica
Fuentes de la estetica
Black Lotus Jael MASTER
 
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativaUma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
ecoarte
 
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativaUma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Fernando Krum
 
Filosofia da arte
Filosofia da arteFilosofia da arte
Filosofia da arte
CEEJA VILHENA
 
Percepcao_visual_formas
Percepcao_visual_formasPercepcao_visual_formas
Percepcao_visual_formas
Diego Avila
 
Sistema de promoción y publicidad
Sistema de promoción y publicidadSistema de promoción y publicidad
Sistema de promoción y publicidad
José Cardozo
 
Percepcao visual
Percepcao visualPercepcao visual
Percepcao visual
sergioborgato
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
Alexandre Misturini
 
Sintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visualSintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visual
André Conti Silva
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
SofiaOliveira96
 
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do ProdutoDesign e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Philippe Elias
 
Fundamentos Percepcao
Fundamentos PercepcaoFundamentos Percepcao
Fundamentos Percepcao
STELASAKON
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
Raphael Araujo
 
Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01
Arteduka Arte E Educação
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. DondisSintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
Elizabeth Fantauzzi
 

Destaque (20)

A arte na história
A arte na históriaA arte na história
A arte na história
 
Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)Filosofia uel (3)
Filosofia uel (3)
 
Lucas mezzadri 23 mp
Lucas mezzadri 23 mpLucas mezzadri 23 mp
Lucas mezzadri 23 mp
 
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPEO BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
O BELO E O FEIO: INTERPRETAÇÕES INFANTIS SOBRE A RUA SERGIPE
 
Fuentes de la estetica
Fuentes de la esteticaFuentes de la estetica
Fuentes de la estetica
 
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativaUma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
 
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativaUma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
Uma percepção estética do meio ambiente a partir da arte digital interativa
 
Filosofia da arte
Filosofia da arteFilosofia da arte
Filosofia da arte
 
Percepcao_visual_formas
Percepcao_visual_formasPercepcao_visual_formas
Percepcao_visual_formas
 
Sistema de promoción y publicidad
Sistema de promoción y publicidadSistema de promoción y publicidad
Sistema de promoción y publicidad
 
Percepcao visual
Percepcao visualPercepcao visual
Percepcao visual
 
Estética 31
Estética 31Estética 31
Estética 31
 
Sintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visualSintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visual
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do ProdutoDesign e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
 
Fundamentos Percepcao
Fundamentos PercepcaoFundamentos Percepcao
Fundamentos Percepcao
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01Alfabetismo+visual 01
Alfabetismo+visual 01
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. DondisSintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
Sintaxe da Linguagem Visual - Donis A. Dondis
 

Semelhante a 3º - Estética (Ala 01)

3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
Caio Cæsar
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Duzg
 
3º - Definição de arte
3º - Definição de arte3º - Definição de arte
3º - Definição de arte
Caio Cæsar
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
graduartes
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Marcela Marangon Ribeiro
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
Ensaio estética
Ensaio estéticaEnsaio estética
Ensaio estética
barbarasm1
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
3000zxsc
 
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
RecepoTuju
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
alemisturini
 
Estética
Estética Estética
Estética
geehrodrigues
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
fernandobueno774792
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
Fábia Michelle Pereira
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arq
Wívian Diniz
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
Marcos Santos
 

Semelhante a 3º - Estética (Ala 01) (20)

3º estética (hegel)
3º   estética (hegel)3º   estética (hegel)
3º estética (hegel)
 
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
Apostila do 2º ano   3º e 4º biApostila do 2º ano   3º e 4º bi
Apostila do 2º ano 3º e 4º bi
 
3º - Definição de arte
3º - Definição de arte3º - Definição de arte
3º - Definição de arte
 
Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013Entenda a arte 2013
Entenda a arte 2013
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
Ensaio estética
Ensaio estéticaEnsaio estética
Ensaio estética
 
Arte (2)
Arte (2)Arte (2)
Arte (2)
 
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
 
Arte (1)
Arte (1)Arte (1)
Arte (1)
 
A Estética
A EstéticaA Estética
A Estética
 
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
357727624-Historia-Da-Arte-Aplicada-Ao-Turismo-Aula-02.pptx
 
Estética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 mEstética na filosofia laura 31 m
Estética na filosofia laura 31 m
 
Estética
Estética Estética
Estética
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
estética -pp2003.ppt filosofia e arte da estética.
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
 
Introdução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arqIntrodução teoria arte_arq
Introdução teoria arte_arq
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Estética e ensino de arte
Estética e ensino de arteEstética e ensino de arte
Estética e ensino de arte
 

Mais de Caio Cæsar

Aula - Pós Moda
Aula - Pós ModaAula - Pós Moda
Aula - Pós Moda
Caio Cæsar
 
Pós - Moda e Comunicação
Pós - Moda e ComunicaçãoPós - Moda e Comunicação
Pós - Moda e Comunicação
Caio Cæsar
 
A nova classe média brasileira
A nova classe média brasileiraA nova classe média brasileira
A nova classe média brasileira
Caio Cæsar
 
Criação Publicitária - Aula 02
Criação Publicitária - Aula 02Criação Publicitária - Aula 02
Criação Publicitária - Aula 02
Caio Cæsar
 
Criação Públicitária - Aula 01
Criação Públicitária - Aula 01Criação Públicitária - Aula 01
Criação Públicitária - Aula 01
Caio Cæsar
 
3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual
Caio Cæsar
 

Mais de Caio Cæsar (6)

Aula - Pós Moda
Aula - Pós ModaAula - Pós Moda
Aula - Pós Moda
 
Pós - Moda e Comunicação
Pós - Moda e ComunicaçãoPós - Moda e Comunicação
Pós - Moda e Comunicação
 
A nova classe média brasileira
A nova classe média brasileiraA nova classe média brasileira
A nova classe média brasileira
 
Criação Publicitária - Aula 02
Criação Publicitária - Aula 02Criação Publicitária - Aula 02
Criação Publicitária - Aula 02
 
Criação Públicitária - Aula 01
Criação Públicitária - Aula 01Criação Públicitária - Aula 01
Criação Públicitária - Aula 01
 
3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual3º - Sintaxe visual
3º - Sintaxe visual
 

3º - Estética (Ala 01)

  • 1. + Estética Natureza e tarefa da estética
  • 2. + Estética n  Do grego aisthesis, que significa sensação, percepção sensível. n  Nasce como ramo do saber em meados do século XVIII; n  Ramo da filosofia que tem por objeto o estudo da natureza do belo e dos fundamentos da arte; n  Destinada a estudar uma forma de conhecimento obscura, logo, com uma esmagadora carga especulativa; n  Também pode ocupar-se do sublime, ou da privação da beleza, ou seja, o que pode ser considerado feio, ou até mesmo ridículo.
  • 3. + Estética n  A estética ajuda o espectador a recuperar consciência do lugar que ocupa em sua relação direta e imediata com um objeto estético ou com um produto artístico em particular. n  Se a realidade é dinâmica a Estética o será também. n  A estética é uma teoria não normativa, fecunda para a prática artística.
  • 4. + Problemas da estética n  1º- Especificação do objeto; n  2º - Definição da própria estética, sua utilidade e vantagem; n  Universo estético: seres naturais e objetos artificiais; n  Dentro desse universos estético existem aqueles objetos que não recebem a atenção de nenhuma ciência específica, portanto, faz-se necessária uma ciência especial que se ocupe desses objetos e do comportamento humano em relação a ele, essa ciência é a Estética.
  • 5. + Estética como filosofia do belo O que é o Belo?
  • 6. + Estética como filosofia do belo n  Platão: é o perfeito, absoluto e atemporal; É uma ideia; n  Aristóteles: possui ordem, limite, simetria; n  Estética cristã e medieval: é medida e forma, ordem e proporção; n  Renascimento: é consonância e integração mútua das partes; n  Antes do século XVIII: qualidade das coisas, da realidade.
  • 7. + Estética como filosofia do belo n  A partir do século XVIII: n  Hutcheson: é uma percepção da mente; n  Hume: existe na mente daquele que a contempla. n  Todo o belo é estético, mas nem todo estético é belo, n  A arte não pode reduzir-se à sua versão clássica ou classicista. n  A Estética não pode ser definida como a ciêcia do belo.
  • 8. +
  • 9. + Estética como filosofia da arte n  O estético ou o belo deixam de interessar como problema especial ou exclusivo, e a atenção se concentra na arte, onde um e outro acontecem; n  Em favor dessa concepção atua o papel privilegiado que desde o Renascimento foi atribuído à arte; n  É atribuída ao homem a capacidade criadora.
  • 10. + Estética como filosofia da arte n  Antes a arte só existia com uma dupla condição servil: n  Como meio ou instrumento de uma finalidade alheia, a serviço dos homens ou dos deuses; n  Como uma atividade própria de artesãos ou servos; n  Com o renascimento a arte passa a ocupar o lugar central nas digressões estéticas.
  • 11. + Estética como filosofia da arte n  Embora para a Estética a arte seja um objeto de estudo fundamental, não pode ser exclusivo; n  A arte é apenas uma forma do comportamento estético humano; n  A relação estética não se dá apenas na arte e na recepção de seus produtos, mas também na contemplação da natureza, assim como no comportamento humano com objetos produzidos com uma finalidade prático-utilitária.
  • 12. + Estética como filosofia da arte n  A definição da Estética como filosofia da arte é duplamente limitativa: n  Restringe o campo do estético ao artístico, como também o da arte com outras atividades humanas; n  Assim como a vinculação de todo o campo artístico com a sociedade em que ocorre e com as diversas relações sociais que a condicionam; n  Trata-se de uma teoria limitada diante da amplitude do universo estético.
  • 13. + Estética e ciência da arte n  O que a diferencia da filosofia da arte é o modo que concebe o objeto, a arte; n  Já não se tende a vê-la por um único lado, o estético, mas sim em todos os seus aspectos e relações; n  Estético: é o que pode suscitar uma percepção desinteressada; n  Artístico: compreende os valores diversos que se revelam na obra de arte.
  • 14. + Estética e ciência da arte n  Pode considerar uma obra artística determinada levando em conta seus valores não exatamente estéticos: religiosos, morais, racionais ou sociais; n  A arte se liberta assim de sua submissão à beleza e, mais exatamente, a beleza clássica; n  A ciência da arte considera a obra artística não só pelo seu lado estético, mas como um todo que inclui valores extra- estéticos.
  • 15. +
  • 16. + Conclusão n  Estética caracteriza um comportamento específico com a realidade. n  A Estética é a ciência de um modo específico de apropriação da realidade, vinculado a outros modos de apropriação humana do mundo e com as condições históricas, sociais e culturais em que ocorre.
  • 17. + Exemplo n  Pintura rupestre pré-histórica; n  Pia batismal de uma igreja medieval; n  Coatlicue.
  • 18. +
  • 19. + Exemplo n  Bisão saltando: n  Finalidade ou funções mágicas; n  Meio de exercer uma ação real; n  Ferramenta de caça.
  • 20. + Exemplo n  Pia batismal: n  Função ritual-religiosa; n  Meio para a administração de um sacramento; n  Ressaltar a importância do batismo.
  • 21. + Exemplo n  Coatlicue: n  Função mítica; n  Remete à ideia do poder onipotente e tremendo da deusa da Terra sobre tudo aquilo que nasce e morre; n  Despertar a crença do poder terrível da deusa.
  • 22. + Exemplo n  Os objetos possuem concepções diferentes do mundo: mágica, religiosa e mítica; n  Hoje os três tem em comum o fato de serem dignos de contemplação; n  Possuem a mesma relação: estética; n  Hoje cumprem a mesma função estética. n  Antes cumpriam a função mágico-venatória, ritual-cristã e mítico-religiosa.
  • 23. + Exemplo n  Desligadas de suas funções originais, voltamos nossa atenção para a forma que o executante imprimiu à matéria; n  Contudo, a obra não se reduz apenas à forma; n  Seu significado não se perde ou dilui na obra formada ao perder-se ou diluir-se sua função original.
  • 24. + Exemplo n  O bisão não mais funciona magicamente, mas não se reduz à combinação de linhas e cores; n  O desenho não só testemunha o domínio da matéria, mas também a encarnação de certa atitude do homem pré- histórico em frente do mundo; n  Significado ideológico.
  • 25. + Exemplo n  O mesmo acontece com a pia batismal; n  Crente ou não, ao deslocada a atenção para a forma o objeto perde sua função ritualística; n  A obra mantém seu significado religioso.
  • 26. + Exemplo n  Hoje, não vemos com terror a estátua asteca, mas com adminiração; n  Coatlicue perdeu seu poder terrível, mas não perdeu o seu significado; n  Todos esses objetos cumprem a mesma função: estética.