SlideShare uma empresa Scribd logo
O ESTADO NECESSIDADES INDIVIDUAIS COLECTIVAS ESCOLHAS INDIVIDUAIS ESCOLHAS COLECTIVAS INDIVÍDUOS EMPRESAS ESTADO
O ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO: TERRITÓRIO COMUNIDADE PODER POLÍTICO
O ESTADO FUNÇÕES DO ESTADO : JURÍDICAS NÃO JURÍDICAS JURISDICIONAL LEGISLATIVA POLÍTICA ADMINISTRATIVA
O ESTADO ÓRGAÕS DE SOBERANIA: PRESIDENTE DA REPÚBLICA GOVERNO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TRIBUNAIS Função Política e Fiscalizadora Função Política, Administrativa e Legislativa Função Legislativa, Política e Fiscalizadora Função Jurisdicional
O ESTADO AS TAREFAS DO ESTADO: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Artº 9 da Constituição da República Portuguesa
O ESTADO ÁREAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICA ECONÓMICA SOCIAL Saúde, Educação, Segurança Social, Cultura, Formação… Produção, regulação mercados, controlo monetário… Grandes opções…
O ESTADO O PAPEL DO ESTADO: DINAMIZADOR REGULADOR PLANIFICADOR FISCALIZADOR Estabelecer condições ao desenvolvimento económico Estabelecimento de regras no funcionamento da economia Assegurar o cumprimento de normas Ajustar os recursos aos objectivos
O ESTADO O ESTADO COMO DINAMIZADOR: Sector Público Administrativo Sector Empresarial do Estado
O ESTADO O ESTADO COMO REGULADOR: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O ESTADO O ESTADO COMO PLANIFICADOR: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O ESTADO O ESTADO COMO FISCALIZADOR: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],- Ministério Público e Tribunais - Governo e Assembleia da República (Comissões)
O ESTADO O PAPEL DO ESTADO: Organismos Públicos Associativismo – corporações Distribuição social Distribuição pela participação no processo produtivo Preços sociais Preços de mercado Plano imperativo Mecanismo de mercado Propriedade pública Propriedade privada Iniciativa Estado Livre iniciativa ECONOMIAS CENTRALIZADAS ECONOMIAS MERCADO
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ORÇAMENTO PLANO POLÍTICAS ECONÓMICAS PROJECTOS
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: O PLANO: Fixação de objectivos, recursos e estratégias com vista a atingir um determinado fim.  Curto, Médio e Longo prazo Gerais e Sectoriais Nacionais, Regionais e Locais Imperativo e/ou Indicativo PLANEAMENTO PLANO
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ORÇAMENTO : Documento que prevê e autoriza as receitas e despesas do Estado para um ano com ligação funcional ao Plano Elementos  ECONÓMICO POLÍTICO JURÍDICO Previsão da actividade financeira Autorização para a realização das despesas Controlo legislativo e jurisdicional (Tribunal de Contas) de acordo com a divisão dos poderes. Orçamento assume a forma de lei.
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: FUNÇÕES DO ORÇAMENTO ,[object Object],[object Object],[object Object]
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: REGRAS DO ORÇAMENTO UNIDADE  :  documento único de previsão R/D; ESPECIFICAÇÃO :  Receitas e Despesas devem ser especificadas; NÃO CONSIGNAÇÃO : As  Receitas são indiscriminadamente afectas às despesas ; UNIVERSALIDADE :  Todas as Receitas e Despesas devem constar no Orçamento.
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ESTRUTURA DO ORÇAMENTO AS RECEITAS RECEITAS CORRENTES  (Impostos, Taxas e multas ) e RECEITAS DE CAPITAL ( venda de património, bens de investimento, poupança e empréstimos) RECEITAS PATRIMONIAIS ou Voluntárias e TRIBUTÁRIAS ou Coactivas Receitas CREDÍTICIAS
GRANDES OPÇÕES DE POLÍTICA ECONÓMICA E SOCIAL 2005-2009 1ª Opção  –  Assegurar uma Trajectória de Crescimento Sustentado, Assente no Conhecimento, na Inovação e na Qualificação dos Recursos Humanos; 2ª Opção  –  Reforçar a Coesão, Reduzindo a Pobreza e Criando Mais Igualdade de Oportunidades; 3ª Opção  –  Melhorar a Qualidade de Vida e Reforçar a Coesão Territorial num QuadroSustentável de Desenvolvimento; 4ª Opção  –  Elevar a Qualidade da Democracia, Modernizando o Sistema Político e Colocando a Justiça e a Segurança ao Serviço de uma Plena Cidadania; 5ª Opção  –  Valorizar o Posicionamento Externo de Portugal e Construir uma Política de Defesa Adequada à Melhor Inserção Internacional do País;
GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2005-2009 1ªOPÇÃO -  Lançar o Plano Tecnológico , convocando o País para a sociedade da informação, a inovação, a ciência e a tecnologia, o conhecimento e a qualificação dos recursos humanos, enquanto pilares de um novo modelo de crescimento económico sustentado; -  Promover a eficiência do investimento e da dinâmica empresarial , estimulando novas áreas de criação de emprego, aumentando a capacidade competitiva, desburocratizando e criando um bom ambiente de negócios, fomentando a concorrência, garantindo a regulação e melhorando a governação societária; -  Consolidar as finanças públicas , contributo essencial para a sustentação do crescimento, promovendo as reformas estruturais necessárias, ao mesmo tempo que se reorienta o investimento para intervenções que contribuem para o crescimento e o emprego; -  Modernizar a Administração Pública , tornando-a amigável para os cidadãos e para as empresas e adequando-a aos objectivos do crescimento.
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS Medidas e acções do Estado com vista a atingir determinados objectivos económicos e/ou sociais. Conjunturais ou de estabilização Estruturais Têm em vista promover a estabilização da economia corrigindo os desequilíbrios de curto prazo. Têm em vista promover uma alteração do funcionamento e das estruturas em que assenta a economia, a médio e longo prazo.
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO Política Fiscal Política Monetária Política de Preços Política de Emprego Política de Rendimentos Política Orçamental Política Cambial
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS ESTRUTURAIS Política Agrícola Política Industrial Política Comercial Política de Transportes Política Ambiental Política de Saúde
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA FISCAL ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA FISCAL EXEMPLO: Diminuição dos impostos directos Famílias + rendimento disponível Mais Poupança Mais Consumo Estímulo à Produção  Baixam taxas de Juro Estímulo ao Investimento
Portugal foi o terceiro país da OCDE e o primeiro na União Europeia a Quinze a apresentar um  maior acréscimo da carga fiscal  durante os últimos 20 anos. De acordo com os dados publicados pela OCDE, entre 1985 e 2004, a soma das receitas fiscais e das contribuições sociais em percentagem do PIB  aumentou 9,3% em Portugal, passando de 25,2% para 34,5%.  É de notar, contudo, que Portugal partiu, em 1985, de carga fiscal muito abaixo da média. Há duas décadas atrás, Portugal era o quarto país da OCDE com um menor peso dos impostos na economia, apenas superando o México, Turquia e Coreia do Sul. A carga fiscal portuguesa era, nessa altura, mais baixa do que nos Estados Unidos. E mesmo agora, Portugal continua a apresentar um peso da receita fiscal e das contribuições sociais no PIB inferior à média dos países pertencentes a esta organização e à União Europeia a Quinze. Países como a Suécia, França e Alemanha já apresentavam em 1985 valores da carga fiscal próximos ou acima de 40% do PIB e mantêm, actualmente valores idênticos. A descida portuguesa da tributação sobre as empresas registada a partir da segunda metade dos anos 90 não evitou esta aproximação. POLÍTICA FISCAL
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA MONETÁRIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO Baixa das taxas de juro Aumento da procura interna Saída de capitais para o estrangeiro Aumento PIB Inflação + imports. + emprego Défice da B. Comercial Défice B. Capitais EXEMPLO: POLÍTICA MONETÁRIA
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA MONETÁRIA Em 2007 encerrar-se-ão os ciclos de política monetária de cariz mais contraccionista, excepto no Japão onde apenas se deu o primeiro passo no processo de normalização das taxas de juro. Nos EUA, o ciclo terminou em Junho de 2006, sendo provável que as taxas de juro de referência se mantenham inalteradas até meados do novo ano; na UEM e na Suíça, as autoridades monetárias poderão prolongar o ciclo até ao final do primeiro semestre, colocando as taxas em 4% e 2.5%, respectivamente; no Reino Unido, ainda é possível que o Banco de Inglaterra anuncie mais uma aumento da taxa de referência, colocando-a em 5.25%.
O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA MONETÁRIA A fim de manter a estabilidade de preços, o Conselho do BCE concordou em adoptar uma estratégia de política monetária, constituída por dois elementos chave: -  À moeda será atribuído um papel decisivo . O valor de referência referir-se-á ao agregado monetário alargado M3. O agregado M3 será constituído pela moeda em circulação e por algumas responsabilidades das Instituições Financeiras Monetárias (IFM) residentes na área do euro e, no caso de depósitos, pelas responsabilidades de algumas instituições pertencentes à administração central.  -  O valor de referência para o crescimento monetário deverá ser consistente com - e contribuir para alcançar - a estabilidade de preços . Os desvios do crescimento monetário verificados em relação ao valor de referência assinalam em circunstâncias normais riscos para a estabilidade de preços. Além disso, o valor de referência para o crescimento monetário deve ter em consideração o crescimento real do produto e as alterações à velocidade de circulação. Tomando em consideração todos estes elementos, o Conselho do BCE decidiu anunciar uma taxa de referência de 4½ % .
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],2. O Orçamento é elaborado de harmonia com as  grandes opções em matéria de planeamento  (…) 3. O orçamento é  unitário  e especifica as despesas segundo a respectiva  classificação orgânica e funcional , de modo a impedir a existência de dotações e fundos secretos (…) 4. O orçamento prevê as  receitas necessárias para cobrir as despesas , definindo a lei as regras da sua execução, as condições a que deve obedecer o recurso ao crédito (…)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Artº 107 (Fiscalização) A execução do Orçamento será fiscalizada pelo  Tribunal de Contas  e pela  Assembleia da República  (…)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
RaQuel Oliveira
 
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitáriaA valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
Ilda Bicacro
 
Cidadania europeia.
Cidadania europeia.Cidadania europeia.
Cidadania europeia.
Bruno Rafael Tavares Sousa
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
Cacilda Basto
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º ano
Daniela Azevedo
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
Maria Adelaide
 
As TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impactoAs TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impacto
Joana Filipa Rodrigues
 
A Região e o Espaço Nacional
A Região e o Espaço NacionalA Região e o Espaço Nacional
A Região e o Espaço Nacional
UAlg
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
kyzinha
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
Helena Fonseca
 
maastricht
maastrichtmaastricht
maastricht
Filipe Cunha
 
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptxA economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
RosaSousa40
 
Poupança e investimento
Poupança e investimentoPoupança e investimento
Poupança e investimento
ISCAP
 
A União Europeia
A União EuropeiaA União Europeia
A União Europeia
João Moreira
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Teresa Furtado Coelho
 
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdfCP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
arodatos81
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
713773
 
Papel do estado na economia pdf
Papel do estado na economia pdfPapel do estado na economia pdf
Papel do estado na economia pdf
Leandro Sperotto SPEROTTO
 

Mais procurados (20)

A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
 
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitáriaA valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
A valorização ambiental em portugal e a política ambiental comunitária
 
Cidadania europeia.
Cidadania europeia.Cidadania europeia.
Cidadania europeia.
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º ano
 
A Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana NacionalA Rede Urbana Nacional
A Rede Urbana Nacional
 
As TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impactoAs TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impacto
 
A Região e o Espaço Nacional
A Região e o Espaço NacionalA Região e o Espaço Nacional
A Região e o Espaço Nacional
 
opinião pública
opinião públicaopinião pública
opinião pública
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
maastricht
maastrichtmaastricht
maastricht
 
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptxA economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
A economia e o problema económico (síntese) (2) NN.pptx
 
Poupança e investimento
Poupança e investimentoPoupança e investimento
Poupança e investimento
 
A União Europeia
A União EuropeiaA União Europeia
A União Europeia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdfCP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
CP 1 Fich. Trab. n.º 1 - Liberdade e Responsabilidade Pessoal (1).pdf
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
A organização das áreas urbanas em Portugal: as áreas funcionais - Geografia ...
 
Papel do estado na economia pdf
Papel do estado na economia pdfPapel do estado na economia pdf
Papel do estado na economia pdf
 

Destaque

O estado e atividade economica
O estado e atividade economicaO estado e atividade economica
O estado e atividade economica
Daniel Gonçalves
 
Sistema de governo em portugal
Sistema de governo em portugalSistema de governo em portugal
Sistema de governo em portugal
Manuela Santos
 
Os órgãos de soberania da república portuguesa
Os órgãos de soberania da república portuguesaOs órgãos de soberania da república portuguesa
Os órgãos de soberania da república portuguesa
Jonathan Vieira
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
Filazambuja
 
Orçamento de Estado para 2017
Orçamento de Estado para 2017Orçamento de Estado para 2017
Orçamento de Estado para 2017
Do outro lado da barricada
 
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadas
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadasPropostas sociais, políticas e econômicas comparadas
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadas
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
refugiodosanjos
 
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
A. Rui Teixeira Santos
 
Portugal e os seu Orgãos de Soberania
Portugal e os seu Orgãos de SoberaniaPortugal e os seu Orgãos de Soberania
Portugal e os seu Orgãos de Soberania
rodrigonunes2014
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estado
Ana Cristina F
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
Rosária Zamith
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
Alfredo Garcia
 
II Encontro PES da região centro
II Encontro PES da região centroII Encontro PES da região centro
II Encontro PES da região centro
Iolanda Pereira
 
O bigode do tigre
O bigode do tigreO bigode do tigre
O bigode do tigre
Mensagens Virtuais
 
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privadaDireito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
Adriano Almeida
 
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo LulaPlanalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
Ideli Salvatti
 
TAP em Acção
TAP em Acção TAP em Acção
TAP em Acção
paulocarrega
 
tigre de bengala
tigre de bengalatigre de bengala
tigre de bengala
biologia-conectado
 
Estratégia Orçamental - 2011-2015
Estratégia Orçamental - 2011-2015Estratégia Orçamental - 2011-2015
Estratégia Orçamental - 2011-2015
uqslarquitectura
 
Política Monetária
Política MonetáriaPolítica Monetária
Política Monetária
Diego Lopes
 

Destaque (20)

O estado e atividade economica
O estado e atividade economicaO estado e atividade economica
O estado e atividade economica
 
Sistema de governo em portugal
Sistema de governo em portugalSistema de governo em portugal
Sistema de governo em portugal
 
Os órgãos de soberania da república portuguesa
Os órgãos de soberania da república portuguesaOs órgãos de soberania da república portuguesa
Os órgãos de soberania da república portuguesa
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
 
Orçamento de Estado para 2017
Orçamento de Estado para 2017Orçamento de Estado para 2017
Orçamento de Estado para 2017
 
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadas
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadasPropostas sociais, políticas e econômicas comparadas
Propostas sociais, políticas e econômicas comparadas
 
Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)Receita publica (Gustavo)
Receita publica (Gustavo)
 
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
As funções sociais do estado e a reforma do Estado Social ‘por Anabela Coelho...
 
Portugal e os seu Orgãos de Soberania
Portugal e os seu Orgãos de SoberaniaPortugal e os seu Orgãos de Soberania
Portugal e os seu Orgãos de Soberania
 
Organização do estado
Organização do estadoOrganização do estado
Organização do estado
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
 
Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?Estado - O que é o Estado?
Estado - O que é o Estado?
 
II Encontro PES da região centro
II Encontro PES da região centroII Encontro PES da região centro
II Encontro PES da região centro
 
O bigode do tigre
O bigode do tigreO bigode do tigre
O bigode do tigre
 
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privadaDireito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
Direito adminstrativo intervenção do estado na propriedade privada
 
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo LulaPlanalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
Planalto Serrano - Políticas Sociais do Governo Lula
 
TAP em Acção
TAP em Acção TAP em Acção
TAP em Acção
 
tigre de bengala
tigre de bengalatigre de bengala
tigre de bengala
 
Estratégia Orçamental - 2011-2015
Estratégia Orçamental - 2011-2015Estratégia Orçamental - 2011-2015
Estratégia Orçamental - 2011-2015
 
Política Monetária
Política MonetáriaPolítica Monetária
Política Monetária
 

Semelhante a Estadoeeconomia

AIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
AIMINHO - Braga - Investimento Português no BrasilAIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
AIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
rschlaw
 
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
berbone
 
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Iolar Demartini Junior
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
kisb1337
 
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
Roxane Dias
 
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela GagliardiArtigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
Daniela_Gagliardi
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
CETUR
 
Modelo gestaosus
Modelo gestaosusModelo gestaosus
Modelo gestaosus
Regiane Irineu Lima
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Eloi Menezes
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
Michel Freller
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
Michel Freller
 
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
APF6
 
Trabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschyTrabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschy
HosanaFritschy
 
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana FritschyTrabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
HosanaFritschy
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
HosanaFritschy
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
berbone
 
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY	23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
CNseg
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
UsuarioManeiro
 
ModeloGestaoSUS.ppt
ModeloGestaoSUS.pptModeloGestaoSUS.ppt
ModeloGestaoSUS.ppt
LuanMiguelCosta
 

Semelhante a Estadoeeconomia (20)

AIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
AIMINHO - Braga - Investimento Português no BrasilAIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
AIMINHO - Braga - Investimento Português no Brasil
 
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
Os custos tributários impactam o crescimento econômico?
 
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
Curso Regular de AFO em Exercícios - Aula 06
 
Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176Administração financeira e orçamentária pg176
Administração financeira e orçamentária pg176
 
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
Slides Aula 9.pptSlides Aula 9.pptSlides Aula 9.ppt
 
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela GagliardiArtigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
Artigo Jornalistico - Direito Financeiro - Daniela Gagliardi
 
Aula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo IIIAula 1 - Módulo III
Aula 1 - Módulo III
 
Modelo gestaosus
Modelo gestaosusModelo gestaosus
Modelo gestaosus
 
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
Livro pdf gestão pública em saúde-4.2
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
 
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
9º Encontro Paulista de Fundações – 2º painel: Simples Social – Regime Tribut...
 
Trabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschyTrabalho final individual hosana fritschy
Trabalho final individual hosana fritschy
 
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana FritschyTrabalho Final Individual Hosana Fritschy
Trabalho Final Individual Hosana Fritschy
 
Tarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschyTarefa final individual hosana fritschy
Tarefa final individual hosana fritschy
 
SUAS - 2015
SUAS -   2015SUAS -   2015
SUAS - 2015
 
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
O simples nacional provoca o recolhimento de tributos sobre a renda nas micro...
 
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY	23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
23º ENCONTRO DE LÍDERES DO MERCADO SEGURADOR - LUIZ CARLOS HAULY
 
Política fiscal e monetária
Política fiscal e monetáriaPolítica fiscal e monetária
Política fiscal e monetária
 
ModeloGestaoSUS.ppt
ModeloGestaoSUS.pptModeloGestaoSUS.ppt
ModeloGestaoSUS.ppt
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 

Estadoeeconomia

  • 1. O ESTADO NECESSIDADES INDIVIDUAIS COLECTIVAS ESCOLHAS INDIVIDUAIS ESCOLHAS COLECTIVAS INDIVÍDUOS EMPRESAS ESTADO
  • 2. O ESTADO ELEMENTOS DO ESTADO: TERRITÓRIO COMUNIDADE PODER POLÍTICO
  • 3. O ESTADO FUNÇÕES DO ESTADO : JURÍDICAS NÃO JURÍDICAS JURISDICIONAL LEGISLATIVA POLÍTICA ADMINISTRATIVA
  • 4. O ESTADO ÓRGAÕS DE SOBERANIA: PRESIDENTE DA REPÚBLICA GOVERNO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TRIBUNAIS Função Política e Fiscalizadora Função Política, Administrativa e Legislativa Função Legislativa, Política e Fiscalizadora Função Jurisdicional
  • 5.
  • 6. O ESTADO ÁREAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICA ECONÓMICA SOCIAL Saúde, Educação, Segurança Social, Cultura, Formação… Produção, regulação mercados, controlo monetário… Grandes opções…
  • 7. O ESTADO O PAPEL DO ESTADO: DINAMIZADOR REGULADOR PLANIFICADOR FISCALIZADOR Estabelecer condições ao desenvolvimento económico Estabelecimento de regras no funcionamento da economia Assegurar o cumprimento de normas Ajustar os recursos aos objectivos
  • 8. O ESTADO O ESTADO COMO DINAMIZADOR: Sector Público Administrativo Sector Empresarial do Estado
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. O ESTADO O PAPEL DO ESTADO: Organismos Públicos Associativismo – corporações Distribuição social Distribuição pela participação no processo produtivo Preços sociais Preços de mercado Plano imperativo Mecanismo de mercado Propriedade pública Propriedade privada Iniciativa Estado Livre iniciativa ECONOMIAS CENTRALIZADAS ECONOMIAS MERCADO
  • 13. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ORÇAMENTO PLANO POLÍTICAS ECONÓMICAS PROJECTOS
  • 14. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: O PLANO: Fixação de objectivos, recursos e estratégias com vista a atingir um determinado fim. Curto, Médio e Longo prazo Gerais e Sectoriais Nacionais, Regionais e Locais Imperativo e/ou Indicativo PLANEAMENTO PLANO
  • 15. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ORÇAMENTO : Documento que prevê e autoriza as receitas e despesas do Estado para um ano com ligação funcional ao Plano Elementos ECONÓMICO POLÍTICO JURÍDICO Previsão da actividade financeira Autorização para a realização das despesas Controlo legislativo e jurisdicional (Tribunal de Contas) de acordo com a divisão dos poderes. Orçamento assume a forma de lei.
  • 16.
  • 17. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: REGRAS DO ORÇAMENTO UNIDADE : documento único de previsão R/D; ESPECIFICAÇÃO : Receitas e Despesas devem ser especificadas; NÃO CONSIGNAÇÃO : As Receitas são indiscriminadamente afectas às despesas ; UNIVERSALIDADE : Todas as Receitas e Despesas devem constar no Orçamento.
  • 18. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: ESTRUTURA DO ORÇAMENTO AS RECEITAS RECEITAS CORRENTES (Impostos, Taxas e multas ) e RECEITAS DE CAPITAL ( venda de património, bens de investimento, poupança e empréstimos) RECEITAS PATRIMONIAIS ou Voluntárias e TRIBUTÁRIAS ou Coactivas Receitas CREDÍTICIAS
  • 19. GRANDES OPÇÕES DE POLÍTICA ECONÓMICA E SOCIAL 2005-2009 1ª Opção – Assegurar uma Trajectória de Crescimento Sustentado, Assente no Conhecimento, na Inovação e na Qualificação dos Recursos Humanos; 2ª Opção – Reforçar a Coesão, Reduzindo a Pobreza e Criando Mais Igualdade de Oportunidades; 3ª Opção – Melhorar a Qualidade de Vida e Reforçar a Coesão Territorial num QuadroSustentável de Desenvolvimento; 4ª Opção – Elevar a Qualidade da Democracia, Modernizando o Sistema Político e Colocando a Justiça e a Segurança ao Serviço de uma Plena Cidadania; 5ª Opção – Valorizar o Posicionamento Externo de Portugal e Construir uma Política de Defesa Adequada à Melhor Inserção Internacional do País;
  • 20. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2005-2009 1ªOPÇÃO - Lançar o Plano Tecnológico , convocando o País para a sociedade da informação, a inovação, a ciência e a tecnologia, o conhecimento e a qualificação dos recursos humanos, enquanto pilares de um novo modelo de crescimento económico sustentado; - Promover a eficiência do investimento e da dinâmica empresarial , estimulando novas áreas de criação de emprego, aumentando a capacidade competitiva, desburocratizando e criando um bom ambiente de negócios, fomentando a concorrência, garantindo a regulação e melhorando a governação societária; - Consolidar as finanças públicas , contributo essencial para a sustentação do crescimento, promovendo as reformas estruturais necessárias, ao mesmo tempo que se reorienta o investimento para intervenções que contribuem para o crescimento e o emprego; - Modernizar a Administração Pública , tornando-a amigável para os cidadãos e para as empresas e adequando-a aos objectivos do crescimento.
  • 21. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS Medidas e acções do Estado com vista a atingir determinados objectivos económicos e/ou sociais. Conjunturais ou de estabilização Estruturais Têm em vista promover a estabilização da economia corrigindo os desequilíbrios de curto prazo. Têm em vista promover uma alteração do funcionamento e das estruturas em que assenta a economia, a médio e longo prazo.
  • 22. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO Política Fiscal Política Monetária Política de Preços Política de Emprego Política de Rendimentos Política Orçamental Política Cambial
  • 23. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS ESTRUTURAIS Política Agrícola Política Industrial Política Comercial Política de Transportes Política Ambiental Política de Saúde
  • 24.
  • 25. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA FISCAL EXEMPLO: Diminuição dos impostos directos Famílias + rendimento disponível Mais Poupança Mais Consumo Estímulo à Produção Baixam taxas de Juro Estímulo ao Investimento
  • 26. Portugal foi o terceiro país da OCDE e o primeiro na União Europeia a Quinze a apresentar um maior acréscimo da carga fiscal durante os últimos 20 anos. De acordo com os dados publicados pela OCDE, entre 1985 e 2004, a soma das receitas fiscais e das contribuições sociais em percentagem do PIB aumentou 9,3% em Portugal, passando de 25,2% para 34,5%. É de notar, contudo, que Portugal partiu, em 1985, de carga fiscal muito abaixo da média. Há duas décadas atrás, Portugal era o quarto país da OCDE com um menor peso dos impostos na economia, apenas superando o México, Turquia e Coreia do Sul. A carga fiscal portuguesa era, nessa altura, mais baixa do que nos Estados Unidos. E mesmo agora, Portugal continua a apresentar um peso da receita fiscal e das contribuições sociais no PIB inferior à média dos países pertencentes a esta organização e à União Europeia a Quinze. Países como a Suécia, França e Alemanha já apresentavam em 1985 valores da carga fiscal próximos ou acima de 40% do PIB e mantêm, actualmente valores idênticos. A descida portuguesa da tributação sobre as empresas registada a partir da segunda metade dos anos 90 não evitou esta aproximação. POLÍTICA FISCAL
  • 27.
  • 28. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO Baixa das taxas de juro Aumento da procura interna Saída de capitais para o estrangeiro Aumento PIB Inflação + imports. + emprego Défice da B. Comercial Défice B. Capitais EXEMPLO: POLÍTICA MONETÁRIA
  • 29. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA MONETÁRIA Em 2007 encerrar-se-ão os ciclos de política monetária de cariz mais contraccionista, excepto no Japão onde apenas se deu o primeiro passo no processo de normalização das taxas de juro. Nos EUA, o ciclo terminou em Junho de 2006, sendo provável que as taxas de juro de referência se mantenham inalteradas até meados do novo ano; na UEM e na Suíça, as autoridades monetárias poderão prolongar o ciclo até ao final do primeiro semestre, colocando as taxas em 4% e 2.5%, respectivamente; no Reino Unido, ainda é possível que o Banco de Inglaterra anuncie mais uma aumento da taxa de referência, colocando-a em 5.25%.
  • 30. O ESTADO INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO: POLÍTICAS ECONÓMICAS E/OU SOCIAIS CONJUNTURAIS OU DE ESTABILIZAÇÃO POLÍTICA MONETÁRIA A fim de manter a estabilidade de preços, o Conselho do BCE concordou em adoptar uma estratégia de política monetária, constituída por dois elementos chave: - À moeda será atribuído um papel decisivo . O valor de referência referir-se-á ao agregado monetário alargado M3. O agregado M3 será constituído pela moeda em circulação e por algumas responsabilidades das Instituições Financeiras Monetárias (IFM) residentes na área do euro e, no caso de depósitos, pelas responsabilidades de algumas instituições pertencentes à administração central. - O valor de referência para o crescimento monetário deverá ser consistente com - e contribuir para alcançar - a estabilidade de preços . Os desvios do crescimento monetário verificados em relação ao valor de referência assinalam em circunstâncias normais riscos para a estabilidade de preços. Além disso, o valor de referência para o crescimento monetário deve ter em consideração o crescimento real do produto e as alterações à velocidade de circulação. Tomando em consideração todos estes elementos, o Conselho do BCE decidiu anunciar uma taxa de referência de 4½ % .
  • 31.
  • 32.
  • 33.