SlideShare uma empresa Scribd logo
ROTEIRO 1: O CONTEXTO HISTÓRICO DO SÉCULO XIX NA EUROPA
PARTE II - NAPOLEÃOPARTE II - NAPOLEÃO
ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITAESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA
PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I – MÓDULO IPROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I – MÓDULO I
1
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMOINTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMO
INTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMOINTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMO
2
1.1. O contexto históricoO contexto histórico
do Século XIX nado Século XIX na
Europa:Europa:
PARTE I – RevoluçõesPARTE I – Revoluções
PARTE II - NapoleãoPARTE II - Napoleão
2.2. Espiritismo ouEspiritismo ou
Doutrina Espírita:Doutrina Espírita:
conceito e objetoconceito e objeto
3.3. Tríplice Aspecto daTríplice Aspecto da
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
4.4. Pontos Principais daPontos Principais da
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
3
1789
DOMÍNIO
NA EUROPA
1799 a 1815
ALLAN KARDEC
1804 – 1869
1857
O LIVRO DOS
ESPÍRITOS
NAPOLEÃO
1769 – 1821
1875
O LIVRO
DOS
ESPÍRITOS
PUBLICADO
NO BRASIL
1808 e 1821 - CORTE PORTUGUESA PARA O BRASIL
1888
ABOLIÇÃO DA
ESCRAVATUR
A
1889
BRASIL
REPÚBLICA
ALLAN KARDECALLAN KARDEC (1804 – 1869)(1804 – 1869)
• Espiritismo
• Trabalho inestimável do
professor francês
HIPPOLYTE LÉON
DENIZARD RIVAIL
• Codificador da
Doutrina Espírita
4
5
1799 a 18151799 a 1815
política europeia está centrada napolítica europeia está centrada na
figura carismática defigura carismática de
NAPOLEÃO BONAPARTENAPOLEÃO BONAPARTE
NAPOLEÃO BONAPARTENAPOLEÃO BONAPARTE (1769 – 1821)
• Líder político e militar durante os
últimos estágios da Revolução
Francesa.
• Possuía um espírito compatível com
as ideias do Iluminismo – criativo,
imaginativo e pronto a repensar as
coisas.
• Seus principais interesses eram a
história, o direito e a matemática. (4)
6
NAPOLEÃO - PERSONALIDADENAPOLEÃO - PERSONALIDADE
• Cultivava as maneiras rudes
arrivista (ambicioso), perdendo as
estribeiras, trapaceando no jogo,
tirando partido das situações
como podia, sem atentar às
convenções da sociedade polida.
• Com esse comportamento ganhava as
simpatias dos cidadãos de uma Europa
triunfantemente burguesa.
BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das
cavernas às naves espaciais – v.2, 40ª edição, São Paulo: Globo, 2001.
7
NAPOLEÃO – LÍDERNAPOLEÃO – LÍDER
• Capacidade de conceber planos
financeiros, legais ou militares e
depois dominar cada um de seus
pormenores.
• Capacidade de inspirar outras
pessoas
• Convicção de ser por destino
salvador da França . (...) obsessão
que o conduziu à ruína.
8
NAPOLEÃO - REENCARNAÇÕESNAPOLEÃO - REENCARNAÇÕES
ALEXANDRE MAGNO
• Rei da MacedôniaRei da Macedônia
(356 a.C.- 323 a.C.)(356 a.C.- 323 a.C.)
CAIO JÚLIO CESAR
• Imperador de RomaImperador de Roma
(ano 43)(ano 43)
9
(Cartas e Crônicas, 28, Irmão X, F. C. Xavier, edição FEB)
NAPOLEÃO - REENCARNAÇÕESNAPOLEÃO - REENCARNAÇÕES
ALEXANDRE MAGNO
• FOI REI DO REINO GREGO
ANTIGO DA MACEDONIA
• CONQUISTADOR MILITAR
DA ÁSIA À ÁFRICA,
CRIANDO UM DOS
MAIORES IMPÉRIOS DO
ANTIGO MUNDO
• MORREU INVICTO NAS
BATALHAS
CAIO JÚLIO CESAR
• PARTRÍCIOPARTRÍCIO
• LIDER MILITAR E POLÍTICOLIDER MILITAR E POLÍTICO
• CONSIDERADO UM DOSCONSIDERADO UM DOS
MAIORES COMANDANTESMAIORES COMANDANTES
MILITARES DA HISTÓRIAMILITARES DA HISTÓRIA
10
(Cartas e Crônicas, 28, Irmão X, F. C. Xavier, edição FEB)
NAPOLEÃO - REALIZAÇÕESNAPOLEÃO - REALIZAÇÕES
• CRIA O ENSINO
CONTROLADO PELO
ESTADO
(ensino público) reforma
educacional, instalação de
vários liceus e colégios (9)
• DECLARA LAICO O
ESTADO
separação do Estado e
da igreja
• PROMULGA O CÓDIGO
NAPOLEÔNICO
que garante a liberdade
individual, a igualdade
perante a lei, o direito à
propriedade privada, o
divórcio – e adota o
primeiro código
comercial. (1)
11
NAPOLEÃO - REALIZAÇÕESNAPOLEÃO - REALIZAÇÕES
• PROMULGA UMA
NOVA CONSTITUIÇÃO.
• CONCORDATA COM A
IGREJA CATÓLICA
retornou os padres ao
território francês
• CRIAÇÃO DO BANCO
DA FRANÇA
e do franco que durou
até a entrada do Euro
• REESTRUTURA O
APARELHO
BUROCRÁTICO.
Centralização do poder
após anos de
instabilidade depois da
Revolução Francesa
12
13
A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO
A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO
• Sua história está igualmente cheia
de traços brilhantes e escuros,
demonstrando que a sua
personalidade de general manteve-
se oscilante entre as forças do mal
e do bem.
• Com as suas vitórias, garantia a
integridade do solo francês, mas
espalhava a miséria e a ruína no
seio de outros povos. (1)
14
Sua fronte de soldado
pode ficar laureada, para
o mundo, de tradições
gloriosas, e verdade é que
ele foi um missionário do
Alto, embora traído em
suas próprias forças [...]. (1)
15
A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO
A LIBERDADE GUIANDO O POVO
Eugène Delacroix - Revolução de Julho de 1830 - Queda de Carlos X. 16
NUMEROSOS ESCRITORES SE ENGAJAM NA LUTA
POLÍTICA E SOCIAL, ATRAVÉS DE SUAS OBRAS E AÇÃO
• LAMARTINE e VÍCTOR HUGO são eleitos deputados,
tornando-se o próprio Lamartine – que muito contribuiu
para o advento da República – chefe do governo provisório.
• ZOLA, militam na causa republicana ou socialista. (1)
17
LAMARTINE VICTOR HUGO ZOLA
NUMEROSOS ESCRITORES SE ENGAJAM NA LUTA
POLÍTICA E SOCIAL, ATRAVÉS DE SUAS OBRAS E AÇÃO
• STENDHAL e PAUL LOUIS COURIER, são liberais e
anticlericais.
• CHATEAUBRIAND torna-se liberal, e prevê o advento da
Democracia. (1)
18
STENDHAL PAUL L. COURIER CHATEAUBRIAND GÖETHE
19
A REVOLUÇÃO INDUSTRIALA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
E AS SUAS REPERCUSSÕESE AS SUAS REPERCUSSÕES
20
FERRO E CARVÃO
William Bell Scott - 1855-60
REVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
TRANSFORMAÇÕESTRANSFORMAÇÕES
• Derrubada do absolutismo,
do mercantilismo e dos
últimos vestígios do regime
senhoril
• Êxito econômico da classe
média
• Declínio das antigas
aristocracias fundiárias
• Desenvolvimento da
consciência de classe entre
os trabalhadores urbanos
• Disseminação do
liberalismo burguês
• Produziram a teorias e a
prática do individualismo
econômico e do liberalismo
político.
• Desenvolvimento do
nacionalismo e do
autoritarismo
• Criação de uma nova
ordem social urbana (7)
21
• Progresso tecnológico
• Invenção de máquinas e de
equipamentos sofisticados
• Desenvolvimento das
relações internacionais.
• O mundo numa aldeia
global.
• Desenvolvimento da rede de
comunicações
• Emprego inteligente da
energia elétrica e da
eletrônica.
• Ampliação dos meios de
transportes - marítimo e
aéreo.
• Pesquisas médicas-
sanitárias
• controle das doenças
epidêmicas
• Aumento das faixas da
sobrevida humana
22
REVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
TRANSFORMAÇÕESTRANSFORMAÇÕES
DESEQUILIBRIOS PRODUZIDOSDESEQUILIBRIOS PRODUZIDOS
• Nas relações trabalhistas.
• Exploração do trabalho e
pelas deficientes condições
de segurança e higiene
laborais, ocorridas em
gradações diversas.
23
24
MANIFESTAÇÕES
ARTÍSTICAS E CULTURAIS
MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICASMANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS
• ROMANTISMO
• Pesquisava-se a cultura popular e o
FOLCLORE para a produção de
pinturas, esculturas e peças musicais.
• As obras românticas de caráter épico
destacam o heroísmo.
– Lutas políticas e sociais da época: os
sacrifícios da população, o sangue
derramado nas batalhas e até as
dificuldades encontradas nas disputas
amorosas.
25
PINTURAPINTURA
• Na segunda metade do século XIX, a pintura
europeia passa por uma verdadeira
transformação, desencadeada pelo
movimento chamado Impressionismo.
26
DELACROIX DAVID MONET CÉZANNE DEGAS RENOIR MANET
IMPRESSÃO, NASCER DO SOL
Monet 27
MÚSICAMÚSICA
28
• Para os românticos não era só uma obra de
arte, mas um meio de comunicação com o
estado de alma.
WAGNERWAGNER CHOPIN ROSSINI BEETHOVEN BELLINI VERDICHOPIN ROSSINI BEETHOVEN BELLINI VERDI LISZTLISZT
CIÊNCIACIÊNCIA
• Mudanças fundamentais ao progresso
científico e tecnológico dos dias futuros.
29
LE VERRIER DARWIN PASTEUR MARIE CURIE PIERRELE VERRIER DARWIN PASTEUR MARIE CURIE PIERRE CURIE QUESNAYCURIE QUESNAY
FILOSOFIAFILOSOFIA
• Pessimismo
• Exageros do
cientificismo, em
que a fé na ciência
se torna a
verdadeira fé.
• Certeza racional e
científica.
• Recolheu-se no seu
negativismo
transcendente,
aplicando às suas
manifestações os
mesmos princípios da
ciência racional e
materialista.
(1)
30
FILOSOFIAFILOSOFIA
• Exageros do cientificismo, em que a fé na
Ciência se torna a verdadeira fé.
31
SCHOPENHAUER SPENCERSCHOPENHAUER SPENCER COMTECOMTE
Acredita-se que a Ciência vá resolver todos os
problemas, elucidar todos os mistérios do mundo.
Tornar inúteis a religião e a metafísica.
Este entusiasmo é revelado na conhecida obra literária
O Futuro da Ciência - L´Avenir de la Science.
JOSEPH ERNEST RENANJOSEPH ERNEST RENAN
32
ARTHUR SCHOPENHAERARTHUR SCHOPENHAER
• “No Reino dos
pensamentos somos
espíritos incorpóreos,
sem gravidade e sem
necessidade.”
• Pessimismo
• Filosofo alemão
(1788-1860)
33
AUGUSTE COMTEAUGUSTE COMTE
• “Cansamo-nos de agir e
até de pensar, mas jamais
nos cansamos de amar.”
• Conhecimentos positivos,
fundados numa certeza
racional e científica.
• Francês.
• (1798 – 1857)
34
““O Amor por princípio e a Ordem por base; oO Amor por princípio e a Ordem por base; o
Progresso por fim.”Progresso por fim.” Augusto Comte.Augusto Comte.
A frase “Ordem e Progresso” que encontramos na
bandeira brasileira é de inspiração positivista. (8)
35
POLÍTICAPOLÍTICA
Movimentos procuravam formas de
governo mais liberais, com menor ou
nenhuma participação do Estado.
Surgem conceitos como :
 ANARQUISMO
 COLETIVISMO,
 MARXISMO
 COMUNISMO
 SOCIALISMO.
36
Captura do terrorista
anarquista francês
Ravachol pela polícia
francesa nos anos
1890
POLÍTICAPOLÍTICA
ANARQUISMO
• Sistema político que
defende a anarquia,
que busca o fim do
Estado e da sua
autoridade. O termo
anarquismo tem origem
na palavra grega
anarkhia, que significa
"ausência de governo".
http://www.significados.com.br/?s=anarquismo
COLETIVISMO
• Sistema que vê a
solução da questão
social na apropriação
coletiva dos meios
de produção.
http://www.significados.com.br/?s=COLETIVISMO
37
POLÍTICAPOLÍTICA
COMUNISMO
• Doutrina social,
segundo a qual se pode
e deve "restabelecer" o
que se chama "estado
natural", em que todos
teriam o mesmo direito
a tudo, mediante a
abolição da
propriedade privada.
http://www.significados.com.br/?s=comunismo
SOCIALISMO
• Doutrina política e
econômica se
caracteriza pela ideia de
transformação da
sociedade através da
distribuição equilibrada
de riquezas e
propriedades,...
http://www.significados.com.br/?s=SOCIALISMO
38
MARXISMO
• Sistema ideológico que
critica radicalmente o
capitalismo e proclama
a emancipação da
humanidade numa
sociedade sem classes
e igualitária.
http://www.significados.com.br/marxismo/
39
POLÍTICAPOLÍTICA
KARL MARX
(1818 - 1883) 
RELIGIÃORELIGIÃO
• Movimentos políticos (...) confrontam
as práticas religiosas conduzidas pela
Igreja Católica que, desviada dos
princípios morais do estabelecimento
de um império espiritual no coração dos
homens, aproxima-se (...) da nobreza
reinante na Europa.
• Igreja Católica que, fragilizada, abria
espaço para as doutrinas divulgadas
pelas Igreja Reformada –
Protestantismo (1)
40
MARTINHO LUTERO
MARTINHO LUTEROMARTINHO LUTERO
• Martin Luther – alemão (1483 – 1546)
• Monge agostiniano e professor
de Teologia tornou-se uma das figuras
centrais da Reforma Protestante.
• Contra diversos dogmas
do catolicismo romano, contestando
sobretudo a doutrina de que o perdão
de Deus poderia ser adquirido pelo
comércio das indulgências.
41
• Máquina a vapor de
James Watt (1763)
• Sistema Fabril (1780)
• Lavoiser
Indestrutibilidade da
matéria (1789)
• Primeira rodovia,
Inglaterra (1825)
• Máquina de costura
(1850)
• Descoberta do raio X
(1895)
• Microbiologia - trabalhos
de Pasteur (1822-1895)
• KARDEC, O LIVRO DOSKARDEC, O LIVRO DOS
ESPÍRITOS 18/04/1857ESPÍRITOS 18/04/1857
• Darwin, Origem das
espécies, de (1859)
• Abertura do canal de Suez
(1869)
• Invenção do telefone
(1876)
• Estudos de Pierre e Marie
Curie sobre energias
emitidas pelo rádio (1898)
• Invenção do telégrafo sem
fio (1899) (7)
42
CIÊNCIAEINDÚSTRIACIÊNCIAEINDÚSTRIA
• É nesse cenário de
transformações, que
surge Allan Kardec com
sua missão de
esclarecimentos e de
consolação, lançando as
bases da Doutrina
Espírita . 43
ESPIRITISMOESPIRITISMO
BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA
1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – Programa Fundamental – Tomo I, FEB, 2010
2. http://www.suapesquisa.com/biografias/voltaire.htm, 04/03/2013 – 20:31
3. http://www.brasilescola.com/biografia/francois-quesnay.htm,
04/03/2013 – 21:36
4. http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/EcFrQnay.html, 04/03/2013 – 21:40
5. http://www.corecon-rj.org.br/Grandes_Economistas_Resultado.asp?ID=131, 04/03/2013 –
21:55
6. http://www.algosobre.com.br/biografias/francois-quesnay.html, 04/03/2013 – 22:15
7. BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas às naves
espaciais – v.2, 40ª edição, São Paulo: Globo, 2001.
8. http://www.suapesquisa.com/o_que_e/positivismo.htm, 2/4/2013, 19:59
9. ((http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/imperio-napoleonico/era-napoleonica.php,
18/03/2013, 15:34)
44
45
Muito obrigada!
2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parteSlides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Célio Alves de Moura
 
A Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa EspíritaA Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa Espírita
igmateus
 
O meu reino não é deste mundo
O meu reino não é deste mundoO meu reino não é deste mundo
O meu reino não é deste mundo
Maxuel Alves
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
Sergio Menezes
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDECO CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
Jorge Luiz dos Santos
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
home
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
Ricardo Azevedo
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
Power Point
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
Jorge Luiz dos Santos
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Graça Maciel
 
Meu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoiMeu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoi
Vanda Machado
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17
Graça Maciel
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Leonardo Pereira
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternasCei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
Carlos Alberto Freire De Souza
 

Mais procurados (20)

Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parteSlides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
 
A Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa EspíritaA Ação Educativa da Casa Espírita
A Ação Educativa da Casa Espírita
 
O meu reino não é deste mundo
O meu reino não é deste mundoO meu reino não é deste mundo
O meu reino não é deste mundo
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
Missão do homem inteligente na terra (Leonardo Pereira).
 
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDECO CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
O CENTRO ESPÍRITA SEGUNDO ALLAN KARDEC
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
 
Allan Kardec
Allan KardecAllan Kardec
Allan Kardec
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
 
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina EspíritaResumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
Resumo dos Pontos Principais Doutrina Espírita
 
Meu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoiMeu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoi
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!Criação e evolução a luz do espiritismo!
Criação e evolução a luz do espiritismo!
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternasCei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
Cei 100224-i-cap. 6-doutrina das penas eternas
 

Destaque

02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
Denise Aguiar
 
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - GovernantesContexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Denise Aguiar
 
Contexto Histórico do século XIX - escritores
Contexto Histórico do século XIX - escritoresContexto Histórico do século XIX - escritores
Contexto Histórico do século XIX - escritores
Denise Aguiar
 
Contexto histórico - Espiritismo
Contexto histórico - EspiritismoContexto histórico - Espiritismo
Contexto histórico - Espiritismo
Denise Aguiar
 
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
CeiClarencio
 
Antecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRitaAntecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRita
Power Point
 
Grandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terraGrandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terra
acatarina82
 
Reflexões espiritas e espiritualistas
Reflexões espiritas e espiritualistasReflexões espiritas e espiritualistas
Reflexões espiritas e espiritualistas
Izabel Cristina Fonseca
 
Contexto Histórico - Espiritismo - Pintores
Contexto Histórico - Espiritismo - PintoresContexto Histórico - Espiritismo - Pintores
Contexto Histórico - Espiritismo - Pintores
Denise Aguiar
 
Fatos que antecederam a codificação do espiritismo
Fatos que antecederam a codificação do espiritismoFatos que antecederam a codificação do espiritismo
Fatos que antecederam a codificação do espiritismo
Márcia Albuquerque
 
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismoAula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Denise Aguiar
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
Denise Aguiar
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Denise Aguiar
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Denise Aguiar
 
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. FilósofosContexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
02.01 fenominos parte 1_hydesville
02.01 fenominos parte 1_hydesville02.01 fenominos parte 1_hydesville
02.01 fenominos parte 1_hydesville
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
Denise Aguiar
 

Destaque (20)

02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
 
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - GovernantesContexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
 
Contexto Histórico do século XIX - escritores
Contexto Histórico do século XIX - escritoresContexto Histórico do século XIX - escritores
Contexto Histórico do século XIX - escritores
 
Contexto histórico - Espiritismo
Contexto histórico - EspiritismoContexto histórico - Espiritismo
Contexto histórico - Espiritismo
 
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
 
Antecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRitaAntecedentes Da Doutrina EspíRita
Antecedentes Da Doutrina EspíRita
 
Grandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terraGrandes etapas da história da terra
Grandes etapas da história da terra
 
Reflexões espiritas e espiritualistas
Reflexões espiritas e espiritualistasReflexões espiritas e espiritualistas
Reflexões espiritas e espiritualistas
 
Contexto Histórico - Espiritismo - Pintores
Contexto Histórico - Espiritismo - PintoresContexto Histórico - Espiritismo - Pintores
Contexto Histórico - Espiritismo - Pintores
 
Fatos que antecederam a codificação do espiritismo
Fatos que antecederam a codificação do espiritismoFatos que antecederam a codificação do espiritismo
Fatos que antecederam a codificação do espiritismo
 
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismoAula materialismo, espiritualismo e espiritismo
Aula materialismo, espiritualismo e espiritismo
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
 
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espiritaEsdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
Esdei 01.03 triplice aspecto da doutrina espirita
 
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistasIntrodução ao estudo do espiritismo - cientistas
Introdução ao estudo do espiritismo - cientistas
 
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. FilósofosContexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
Contexto histórico da Doutrina Espírita. Filósofos
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
02.01 fenominos parte 1_hydesville
02.01 fenominos parte 1_hydesville02.01 fenominos parte 1_hydesville
02.01 fenominos parte 1_hydesville
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
 

Semelhante a Esdei 01.01 parte ii_2016

( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
glauci coelho
 
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira RevoluçãoApresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
CEFEbr
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
FRANCISCO PALOSQUE
 
Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013
Isabel Aguiar
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
angelamoliveira
 
Imperialismo 2013b
Imperialismo 2013bImperialismo 2013b
Imperialismo 2013b
Fabio Salvari
 
classicismo.pdf
classicismo.pdfclassicismo.pdf
classicismo.pdf
PolivalenteAbreueLim
 
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
GiseleFinatti
 
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptxhistoria_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
ErnandesLinhares1
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Valéria Shoujofan
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Marcio Duarte
 
Historia da filosofia contemporânea
Historia da filosofia contemporâneaHistoria da filosofia contemporânea
Historia da filosofia contemporânea
Luiz
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
Lucas Campos
 
Sociologia apresentacao
Sociologia apresentacaoSociologia apresentacao
Sociologia apresentacao
1980261531
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Muffordtotalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
Diogenes Mufford
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
Juliana618850
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
IdinneyMax1
 

Semelhante a Esdei 01.01 parte ii_2016 (20)

( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...( Espiritismo)   # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
( Espiritismo) # - alvaro chirispino - o livro dos espiritos no contexto do...
 
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
Aula 05 as cidades renascentistas e as utopias [revisado em 20160921]
 
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira RevoluçãoApresentação CEFE - Antecedentes Históricos  Mundiais face à Terceira Revolução
Apresentação CEFE - Antecedentes Históricos Mundiais face à Terceira Revolução
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
 
Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013
 
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 O Renascimento e a formação da mentalidade moderna. O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
O Renascimento e a formação da mentalidade moderna.
 
Imperialismo 2013b
Imperialismo 2013bImperialismo 2013b
Imperialismo 2013b
 
classicismo.pdf
classicismo.pdfclassicismo.pdf
classicismo.pdf
 
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
3as imperialismo-gobineau-e-racismo-semana1-14a18-fevereiro
 
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptxhistoria_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismoAula 05 neoclassicismo-romantismo
Aula 05 neoclassicismo-romantismo
 
Historia da filosofia contemporânea
Historia da filosofia contemporâneaHistoria da filosofia contemporânea
Historia da filosofia contemporânea
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 
Sociologia apresentacao
Sociologia apresentacaoSociologia apresentacao
Sociologia apresentacao
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
Enem 2012
 
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Muffordtotalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
totalitarismo na península Ibérica - Prof: Diogenes Mufford
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 

Mais de Denise Aguiar

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
Denise Aguiar
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
Denise Aguiar
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
Denise Aguiar
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Denise Aguiar
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
Denise Aguiar
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
Denise Aguiar
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
Denise Aguiar
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
Denise Aguiar
 
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásiaTerminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Denise Aguiar
 
Tipos de Psicografia
Tipos de PsicografiaTipos de Psicografia
Tipos de Psicografia
Denise Aguiar
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
Denise Aguiar
 

Mais de Denise Aguiar (20)

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
 
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásiaTerminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
Terminalidade, a eutanásia, a distanásia e ortotanásia
 
Tipos de Psicografia
Tipos de PsicografiaTipos de Psicografia
Tipos de Psicografia
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
 

Último

11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 

Último (15)

11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 

Esdei 01.01 parte ii_2016

  • 1. ROTEIRO 1: O CONTEXTO HISTÓRICO DO SÉCULO XIX NA EUROPA PARTE II - NAPOLEÃOPARTE II - NAPOLEÃO ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITAESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA PROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I – MÓDULO IPROGRAMA FUNDAMENTAL - TOMO I – MÓDULO I 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMOINTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ESPIRITISMO
  • 2. INTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMOINTRODUÇÃOAOESTUDODOESPIRITISMO 2 1.1. O contexto históricoO contexto histórico do Século XIX nado Século XIX na Europa:Europa: PARTE I – RevoluçõesPARTE I – Revoluções PARTE II - NapoleãoPARTE II - Napoleão 2.2. Espiritismo ouEspiritismo ou Doutrina Espírita:Doutrina Espírita: conceito e objetoconceito e objeto 3.3. Tríplice Aspecto daTríplice Aspecto da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita 4.4. Pontos Principais daPontos Principais da Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
  • 3. 3 1789 DOMÍNIO NA EUROPA 1799 a 1815 ALLAN KARDEC 1804 – 1869 1857 O LIVRO DOS ESPÍRITOS NAPOLEÃO 1769 – 1821 1875 O LIVRO DOS ESPÍRITOS PUBLICADO NO BRASIL 1808 e 1821 - CORTE PORTUGUESA PARA O BRASIL 1888 ABOLIÇÃO DA ESCRAVATUR A 1889 BRASIL REPÚBLICA
  • 4. ALLAN KARDECALLAN KARDEC (1804 – 1869)(1804 – 1869) • Espiritismo • Trabalho inestimável do professor francês HIPPOLYTE LÉON DENIZARD RIVAIL • Codificador da Doutrina Espírita 4
  • 5. 5 1799 a 18151799 a 1815 política europeia está centrada napolítica europeia está centrada na figura carismática defigura carismática de NAPOLEÃO BONAPARTENAPOLEÃO BONAPARTE
  • 6. NAPOLEÃO BONAPARTENAPOLEÃO BONAPARTE (1769 – 1821) • Líder político e militar durante os últimos estágios da Revolução Francesa. • Possuía um espírito compatível com as ideias do Iluminismo – criativo, imaginativo e pronto a repensar as coisas. • Seus principais interesses eram a história, o direito e a matemática. (4) 6
  • 7. NAPOLEÃO - PERSONALIDADENAPOLEÃO - PERSONALIDADE • Cultivava as maneiras rudes arrivista (ambicioso), perdendo as estribeiras, trapaceando no jogo, tirando partido das situações como podia, sem atentar às convenções da sociedade polida. • Com esse comportamento ganhava as simpatias dos cidadãos de uma Europa triunfantemente burguesa. BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas às naves espaciais – v.2, 40ª edição, São Paulo: Globo, 2001. 7
  • 8. NAPOLEÃO – LÍDERNAPOLEÃO – LÍDER • Capacidade de conceber planos financeiros, legais ou militares e depois dominar cada um de seus pormenores. • Capacidade de inspirar outras pessoas • Convicção de ser por destino salvador da França . (...) obsessão que o conduziu à ruína. 8
  • 9. NAPOLEÃO - REENCARNAÇÕESNAPOLEÃO - REENCARNAÇÕES ALEXANDRE MAGNO • Rei da MacedôniaRei da Macedônia (356 a.C.- 323 a.C.)(356 a.C.- 323 a.C.) CAIO JÚLIO CESAR • Imperador de RomaImperador de Roma (ano 43)(ano 43) 9 (Cartas e Crônicas, 28, Irmão X, F. C. Xavier, edição FEB)
  • 10. NAPOLEÃO - REENCARNAÇÕESNAPOLEÃO - REENCARNAÇÕES ALEXANDRE MAGNO • FOI REI DO REINO GREGO ANTIGO DA MACEDONIA • CONQUISTADOR MILITAR DA ÁSIA À ÁFRICA, CRIANDO UM DOS MAIORES IMPÉRIOS DO ANTIGO MUNDO • MORREU INVICTO NAS BATALHAS CAIO JÚLIO CESAR • PARTRÍCIOPARTRÍCIO • LIDER MILITAR E POLÍTICOLIDER MILITAR E POLÍTICO • CONSIDERADO UM DOSCONSIDERADO UM DOS MAIORES COMANDANTESMAIORES COMANDANTES MILITARES DA HISTÓRIAMILITARES DA HISTÓRIA 10 (Cartas e Crônicas, 28, Irmão X, F. C. Xavier, edição FEB)
  • 11. NAPOLEÃO - REALIZAÇÕESNAPOLEÃO - REALIZAÇÕES • CRIA O ENSINO CONTROLADO PELO ESTADO (ensino público) reforma educacional, instalação de vários liceus e colégios (9) • DECLARA LAICO O ESTADO separação do Estado e da igreja • PROMULGA O CÓDIGO NAPOLEÔNICO que garante a liberdade individual, a igualdade perante a lei, o direito à propriedade privada, o divórcio – e adota o primeiro código comercial. (1) 11
  • 12. NAPOLEÃO - REALIZAÇÕESNAPOLEÃO - REALIZAÇÕES • PROMULGA UMA NOVA CONSTITUIÇÃO. • CONCORDATA COM A IGREJA CATÓLICA retornou os padres ao território francês • CRIAÇÃO DO BANCO DA FRANÇA e do franco que durou até a entrada do Euro • REESTRUTURA O APARELHO BUROCRÁTICO. Centralização do poder após anos de instabilidade depois da Revolução Francesa 12
  • 13. 13 A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO
  • 14. A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO • Sua história está igualmente cheia de traços brilhantes e escuros, demonstrando que a sua personalidade de general manteve- se oscilante entre as forças do mal e do bem. • Com as suas vitórias, garantia a integridade do solo francês, mas espalhava a miséria e a ruína no seio de outros povos. (1) 14
  • 15. Sua fronte de soldado pode ficar laureada, para o mundo, de tradições gloriosas, e verdade é que ele foi um missionário do Alto, embora traído em suas próprias forças [...]. (1) 15 A MISSÃO DE NAPOLEÃOA MISSÃO DE NAPOLEÃO
  • 16. A LIBERDADE GUIANDO O POVO Eugène Delacroix - Revolução de Julho de 1830 - Queda de Carlos X. 16
  • 17. NUMEROSOS ESCRITORES SE ENGAJAM NA LUTA POLÍTICA E SOCIAL, ATRAVÉS DE SUAS OBRAS E AÇÃO • LAMARTINE e VÍCTOR HUGO são eleitos deputados, tornando-se o próprio Lamartine – que muito contribuiu para o advento da República – chefe do governo provisório. • ZOLA, militam na causa republicana ou socialista. (1) 17 LAMARTINE VICTOR HUGO ZOLA
  • 18. NUMEROSOS ESCRITORES SE ENGAJAM NA LUTA POLÍTICA E SOCIAL, ATRAVÉS DE SUAS OBRAS E AÇÃO • STENDHAL e PAUL LOUIS COURIER, são liberais e anticlericais. • CHATEAUBRIAND torna-se liberal, e prevê o advento da Democracia. (1) 18 STENDHAL PAUL L. COURIER CHATEAUBRIAND GÖETHE
  • 19. 19 A REVOLUÇÃO INDUSTRIALA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E AS SUAS REPERCUSSÕESE AS SUAS REPERCUSSÕES
  • 20. 20 FERRO E CARVÃO William Bell Scott - 1855-60
  • 21. REVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÕESTRANSFORMAÇÕES • Derrubada do absolutismo, do mercantilismo e dos últimos vestígios do regime senhoril • Êxito econômico da classe média • Declínio das antigas aristocracias fundiárias • Desenvolvimento da consciência de classe entre os trabalhadores urbanos • Disseminação do liberalismo burguês • Produziram a teorias e a prática do individualismo econômico e do liberalismo político. • Desenvolvimento do nacionalismo e do autoritarismo • Criação de uma nova ordem social urbana (7) 21
  • 22. • Progresso tecnológico • Invenção de máquinas e de equipamentos sofisticados • Desenvolvimento das relações internacionais. • O mundo numa aldeia global. • Desenvolvimento da rede de comunicações • Emprego inteligente da energia elétrica e da eletrônica. • Ampliação dos meios de transportes - marítimo e aéreo. • Pesquisas médicas- sanitárias • controle das doenças epidêmicas • Aumento das faixas da sobrevida humana 22 REVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO FRANCESA - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÕESTRANSFORMAÇÕES
  • 23. DESEQUILIBRIOS PRODUZIDOSDESEQUILIBRIOS PRODUZIDOS • Nas relações trabalhistas. • Exploração do trabalho e pelas deficientes condições de segurança e higiene laborais, ocorridas em gradações diversas. 23
  • 25. MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICASMANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS • ROMANTISMO • Pesquisava-se a cultura popular e o FOLCLORE para a produção de pinturas, esculturas e peças musicais. • As obras românticas de caráter épico destacam o heroísmo. – Lutas políticas e sociais da época: os sacrifícios da população, o sangue derramado nas batalhas e até as dificuldades encontradas nas disputas amorosas. 25
  • 26. PINTURAPINTURA • Na segunda metade do século XIX, a pintura europeia passa por uma verdadeira transformação, desencadeada pelo movimento chamado Impressionismo. 26 DELACROIX DAVID MONET CÉZANNE DEGAS RENOIR MANET
  • 27. IMPRESSÃO, NASCER DO SOL Monet 27
  • 28. MÚSICAMÚSICA 28 • Para os românticos não era só uma obra de arte, mas um meio de comunicação com o estado de alma. WAGNERWAGNER CHOPIN ROSSINI BEETHOVEN BELLINI VERDICHOPIN ROSSINI BEETHOVEN BELLINI VERDI LISZTLISZT
  • 29. CIÊNCIACIÊNCIA • Mudanças fundamentais ao progresso científico e tecnológico dos dias futuros. 29 LE VERRIER DARWIN PASTEUR MARIE CURIE PIERRELE VERRIER DARWIN PASTEUR MARIE CURIE PIERRE CURIE QUESNAYCURIE QUESNAY
  • 30. FILOSOFIAFILOSOFIA • Pessimismo • Exageros do cientificismo, em que a fé na ciência se torna a verdadeira fé. • Certeza racional e científica. • Recolheu-se no seu negativismo transcendente, aplicando às suas manifestações os mesmos princípios da ciência racional e materialista. (1) 30
  • 31. FILOSOFIAFILOSOFIA • Exageros do cientificismo, em que a fé na Ciência se torna a verdadeira fé. 31 SCHOPENHAUER SPENCERSCHOPENHAUER SPENCER COMTECOMTE
  • 32. Acredita-se que a Ciência vá resolver todos os problemas, elucidar todos os mistérios do mundo. Tornar inúteis a religião e a metafísica. Este entusiasmo é revelado na conhecida obra literária O Futuro da Ciência - L´Avenir de la Science. JOSEPH ERNEST RENANJOSEPH ERNEST RENAN 32
  • 33. ARTHUR SCHOPENHAERARTHUR SCHOPENHAER • “No Reino dos pensamentos somos espíritos incorpóreos, sem gravidade e sem necessidade.” • Pessimismo • Filosofo alemão (1788-1860) 33
  • 34. AUGUSTE COMTEAUGUSTE COMTE • “Cansamo-nos de agir e até de pensar, mas jamais nos cansamos de amar.” • Conhecimentos positivos, fundados numa certeza racional e científica. • Francês. • (1798 – 1857) 34
  • 35. ““O Amor por princípio e a Ordem por base; oO Amor por princípio e a Ordem por base; o Progresso por fim.”Progresso por fim.” Augusto Comte.Augusto Comte. A frase “Ordem e Progresso” que encontramos na bandeira brasileira é de inspiração positivista. (8) 35
  • 36. POLÍTICAPOLÍTICA Movimentos procuravam formas de governo mais liberais, com menor ou nenhuma participação do Estado. Surgem conceitos como :  ANARQUISMO  COLETIVISMO,  MARXISMO  COMUNISMO  SOCIALISMO. 36 Captura do terrorista anarquista francês Ravachol pela polícia francesa nos anos 1890
  • 37. POLÍTICAPOLÍTICA ANARQUISMO • Sistema político que defende a anarquia, que busca o fim do Estado e da sua autoridade. O termo anarquismo tem origem na palavra grega anarkhia, que significa "ausência de governo". http://www.significados.com.br/?s=anarquismo COLETIVISMO • Sistema que vê a solução da questão social na apropriação coletiva dos meios de produção. http://www.significados.com.br/?s=COLETIVISMO 37
  • 38. POLÍTICAPOLÍTICA COMUNISMO • Doutrina social, segundo a qual se pode e deve "restabelecer" o que se chama "estado natural", em que todos teriam o mesmo direito a tudo, mediante a abolição da propriedade privada. http://www.significados.com.br/?s=comunismo SOCIALISMO • Doutrina política e econômica se caracteriza pela ideia de transformação da sociedade através da distribuição equilibrada de riquezas e propriedades,... http://www.significados.com.br/?s=SOCIALISMO 38
  • 39. MARXISMO • Sistema ideológico que critica radicalmente o capitalismo e proclama a emancipação da humanidade numa sociedade sem classes e igualitária. http://www.significados.com.br/marxismo/ 39 POLÍTICAPOLÍTICA KARL MARX (1818 - 1883) 
  • 40. RELIGIÃORELIGIÃO • Movimentos políticos (...) confrontam as práticas religiosas conduzidas pela Igreja Católica que, desviada dos princípios morais do estabelecimento de um império espiritual no coração dos homens, aproxima-se (...) da nobreza reinante na Europa. • Igreja Católica que, fragilizada, abria espaço para as doutrinas divulgadas pelas Igreja Reformada – Protestantismo (1) 40 MARTINHO LUTERO
  • 41. MARTINHO LUTEROMARTINHO LUTERO • Martin Luther – alemão (1483 – 1546) • Monge agostiniano e professor de Teologia tornou-se uma das figuras centrais da Reforma Protestante. • Contra diversos dogmas do catolicismo romano, contestando sobretudo a doutrina de que o perdão de Deus poderia ser adquirido pelo comércio das indulgências. 41
  • 42. • Máquina a vapor de James Watt (1763) • Sistema Fabril (1780) • Lavoiser Indestrutibilidade da matéria (1789) • Primeira rodovia, Inglaterra (1825) • Máquina de costura (1850) • Descoberta do raio X (1895) • Microbiologia - trabalhos de Pasteur (1822-1895) • KARDEC, O LIVRO DOSKARDEC, O LIVRO DOS ESPÍRITOS 18/04/1857ESPÍRITOS 18/04/1857 • Darwin, Origem das espécies, de (1859) • Abertura do canal de Suez (1869) • Invenção do telefone (1876) • Estudos de Pierre e Marie Curie sobre energias emitidas pelo rádio (1898) • Invenção do telégrafo sem fio (1899) (7) 42 CIÊNCIAEINDÚSTRIACIÊNCIAEINDÚSTRIA
  • 43. • É nesse cenário de transformações, que surge Allan Kardec com sua missão de esclarecimentos e de consolação, lançando as bases da Doutrina Espírita . 43 ESPIRITISMOESPIRITISMO
  • 44. BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA 1. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – Programa Fundamental – Tomo I, FEB, 2010 2. http://www.suapesquisa.com/biografias/voltaire.htm, 04/03/2013 – 20:31 3. http://www.brasilescola.com/biografia/francois-quesnay.htm, 04/03/2013 – 21:36 4. http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/EcFrQnay.html, 04/03/2013 – 21:40 5. http://www.corecon-rj.org.br/Grandes_Economistas_Resultado.asp?ID=131, 04/03/2013 – 21:55 6. http://www.algosobre.com.br/biografias/francois-quesnay.html, 04/03/2013 – 22:15 7. BURNS, Edward McNall. História da Civilização Ocidental: do homem das cavernas às naves espaciais – v.2, 40ª edição, São Paulo: Globo, 2001. 8. http://www.suapesquisa.com/o_que_e/positivismo.htm, 2/4/2013, 19:59 9. ((http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/imperio-napoleonico/era-napoleonica.php, 18/03/2013, 15:34) 44

Notas do Editor

  1. Le 2 décembre 1805 : La bataille d'Austerlitz, par François Gérard.
  2. O Bonaparte, Premier consul, par Jean-Auguste-Dominique Ingres.
  3. Touca da Revol. É ao Dr. Travassos (ele era médico) que o Brasil espírita deve a primeira tradução das obras de Kardec. Foi ele, em 1860  Obras espíritas chegam ao Brasil1860  Obras espíritas chegam ao Brasil, sob o pseudônimo de Fortúnio, a fazer a primeira tradução para o português de O Livro dos Espíritos, a partir da 20a edição francesa. A publicação foi feita pela primeira editora no Brasil a publicar as obras básicas de Allan Kardec: a B. L. Garnier, fundada em 1844, no Rio de Janeiro, por Baptiste-Louis Garnier, um jovem empreendedor de 21 anos, recém-chegado da França. ução Francesa: O barrete frígio ou barrete da liberdade é uma espécie de touca ou carapuça
  4. http://pt.wikipedia.org/wiki/Napole%C3%A3o_Bonaparte, 18/03/2013, 15:00
  5. A prisão de Ravachol, ilustração da captura do terrorista anarquista francês Ravachol pela polícia francesa nos anos 1890. Autor: Henri Meyer. Fonte:  http://www.estelnegre.org/documents/detencioravachol/detencioravachol.html .05/03/2013 – 20:11
  6. Legenda: A Internacional, Canção Revolucionária, capa de partitura do hino da Associação Internacional dos Trabalhadores. Autor: Théophile Alexandre Steinlen. Fonte:  http://www.colin-patrice.fr/Images/Musee/Objet/Partitions/Internationale1.gif.