SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ
DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I
1
A PSICOGRAFIA
A psicografia é a faculdade de escrever sob a ação dos espíritos. Portanto são
deles a ideia, o tema, o estilo, enfim, toda a mensagem captada pelo médium. O
espírito comunicante, ao transmitir o seu pensamento, igualmente o impulsiona a
escrever. (1)
A velocidade de escrever varia de um médium para outro bem como a
caligrafia, que nem sempreé legível facilmente. Kardec diz que, de todos os meios
de comunicação mediúnica, a escrita manual é o mais simples, o mais cômodo e
o mais completo. Para esse meio devem tender todos os esforços, porquanto ele
permite se estabeleçam com os Espíritos relações continuadas e regulares, como
as que existem entre nós, e é por ele que os Espíritos revelam melhor sua
natureza e o grau do seu aperfeiçoamento ou de sua inferioridade.
Fazendo uso dessa mediunidade com Jesus, Zilda Gama (1878 - 1969),
Yvonne do Amaral Pereira (1900 – 1984), Francisco Cândido Xavier (1910 –
2002), Divaldo Pereira Franco (1027 -), José Raul Teixeira (1949 -) e outros, nos últimos anos, vêm
cooperando com exemplo de abnegação, colocando-se na condição de fieis intérpretes do plano espiritual
superior, para a implantação do Espiritismo no Brasil e no mundo, com suas obras literárias. (2)
A PSICOGRAFIA PODE SER: MECÂNICA,
SEMIMECÂNICAE INTUITIVA.
Na psicografia mecânica o espírito atua diretamente na
mão do médium e a escrita é produzida rapidamente sem que
o médium tenha consciência do que escreve. Existem casos
em que o médium escreve uma mensagem com a mão diretita
e outra, totalmente diferente, com a esquerda, evidenciando a
atuação de dois espíritos distintos. É uma faculdade muito rara
e muito preciosa, pois, conforme ensina Kardec, em “O Livro
dos Médiuns”, a escrita produzida por este processo não deixa
margem à dúvida quanto à sua autenticidade. (2)
O notável médium português, Fernando de Lacerda,
que escrevia mediunicamente com ambas as mãos, em prosa
e verso, conversava com os amigos enquanto era acionado
pelos escritores clássicos portugueses.“Às vezes, despachava
com a mão direita papéis da repartição em que trabalhava,
enquanto psicografava com a esquerda, páginas de Alexandre
Herculano, Eça de Queirós, Camilo, etc. O mesmo acontecia
com Cármine Mirabelli (1880 – 1951) que, também
conversando, psicografava com as duas mãos, teses
científicas ou filosóficas, em línguas diferentes” (xenografia).
Tais fatos mostram a autonomia do médium em relação
ao comunicante, embora a atuação deste sobre o sistema
nervoso do medianeiro aconteça com o aproveitamento,
também, de seus arquivos mnemônicos, de vez que o Espírito
só pode expressar-se, falando ou escrevendo, com apoio nos recursos intelectuais, vocabulares e
gramaticais disponibilizados pela mente do médium, produto de aprendizagens atuais ou pretéritas. (3)
Os médiuns que trabalharam diretamente com Allan Kardec possuíam a psicografia mecânica,
imprescindível para que não houvesse, na transmissão de todo o grandioso conjunto de ensinamentos dos
Espíritos Superiores, a mínima interferência.
Um pouco diferente é a psicografia semimecânica, pois o impulso para escrever está associado às
ideias que brotam na mente do médium. Ele tem uma certa consciência do que está psicografando.
Na psicografia intuitiva, o médium tem consciência do que o espírito está ditando, sendo esta a
característica mais comum, entre os tipos de psicografia.
INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ
DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I
2
O Codificador esclarece que a diferença entre um tipo e outro de psicógrafo consiste em que o papel
do médium mecânico é o de uma máquina e o intuitivo age como intérprete.
Convém, porém, explicar que, na psicografia intuitiva, embora o médium tenha consciência do que
está escrevendo, ele sabe que as ideias que está passandopara o papel não lhe pertencem. O que evidencia
esta certeza é o fato de que tais ideias brotam em sua mente com um fluxo muito veloz e de forma muito
intensa, sendo este o motivo pelo qual o médium necessita escrever com rapidez para dar vazão a essa
torrente de pensamentos e não perder o fio do raciocínio. (1)
Tanto o processo psicográfico semimecânico, como o
mecânico, podem desenvolver-se de forma ordinária ou xenoglóssica.
Na psicografia ordinária, o comunicante emprega a linguagem
corrente, atual, de uso corriqueiro pelo médium e assistentes.
Na psicografia xenoglóssica ou xenopsicografia, o comunicante
se expressa em língua estranha ao médium e aos circunstantes,muitas
vezes, até, já desaparecidas.
Trata-se de um fenômeno singular e particularmente importante,
a atestar, de maneira incontestável, a realidade mediúnica.
Allan Kardec, (1804 – 1869), estudando o fenômeno, catalogou
os médiuns que falavam ou escreviam em línguas que lhes eram
desconhecidas, como médiuns poliglotas. (O Livro dos Médiuns, item
191, Cap. XVI)
No Brasil, destacam-se médiuns famosos como Cármine
Mirabelli Francisco Xavier e Divaldo Pereira Franco, e outros, servindo
a notáveis demonstrações xenoglóssicas.
Tanto na psicografia semimecânica, como na mecânica,
ordinária ou xenoglóssica, o Espírito comunicante pode expressar-se
de forma normal, ou seja, de modo que sua mensagem pode ser lida
diretamente, como ocorre com qualquer texto, ou em forma especular, em que o texto é psicografado em
sentido inverso ao grafismo normal da língua e cuja leitura requisita um espelho.
Evidentemente, a psicografia especular xenoglóssica é um fenômeno mais raro, ainda, a exigir
avançada aptidão mediúnica, constituindo, ao lado de outras provas, valiosa demonstraçãoda sobrevivência
e da interexistência.
Por último, uma referência ao processoque se pode denominar psicodigitação ou psicografia digital, em que
o Espírito, por meio do médium, transmite sua mensagem utilizando as teclas de um computador.
São, ainda, muito raras, as notícias a respeito, mas com os avanços tecnológicos que marcam nosso
tempo, nada impede que
isso ocorra, se o
comunicante e o médium
forem conhecedores da
respectiva técnica. De
acordo com Marlene Nobre,
o médium e expositor Élzio
Ferreira de Souza recebeu
seus livros e mensagens
por esse meio. (O Dom da
Mediunidade).
Segundo Lamartine
Palhano Jr., Mirabelli, às
vezes mediunizado,
datilografava as
mensagens que recebia.
Narra o autor interessante
INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ
DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I
3
episódio protagonizado pelo médium:
“O Sr. Oscar de Oliveira Borges procurou Mirabelli para que este lhe desse um conselho sobre
determinada carta que havia recebido de Nova York. O médium, atendendo, transportou-se, em espírito,
àquela cidade americana, descreveu ao interessado o andamento dos negócios e revelou os passos dados
nesse sentido, naquela cidade, alguns dias após a remessa
da carta. Numa reunião posterior, diurna, na residência do Sr.
Oscar,napresença de Mirabelli e de outras pessoas, chegou,
pelo correio, a resposta esperada. A carta estava escrita em
inglês e o Sr. Oscar disse que precisava pagar a um tradutor,
para conseguir a versão do texto em português. Mirabelli,
naquele mesmo instante, passou a um transe mediúnico e
houve a incorporação de uma entidade espiritual. A carta
permaneceu nas mãos do Sr. Oscar,enquanto o médium, em
transe, numa máquina de datilografia, em poucos minutos,
traduziu-a, corretamente, para o português, francês, italiano,
alemão e hebraico. A carta resposta não diferia, em uma
vírgula sequer, da comunicação obtida por Mirabelli.” (L.
Palhano Jr, Mirabelli: Um Médium Extraordinário.)
Se ontem os recursos datilográficos podiam servir à
comunicação dos Espíritos, nada mais natural, hoje, que o
computador seja usado para tal fim.
Não só o computador. Francisco Cândido Xavier,
como sabido, chegava a grafar em Braille (sistema de escrita
para cegos, com pontos de relevo que são produzidos com
um aparelho próprio par isso).
Indubitavelmente, fenômenos como esses, e
numerosos outros, servem à decisiva comprovação da
realidade interexistencial do ser humano.
(1) Mediunidade: Caminho Para Ser Feliz. Suely Caldas Schubert
(2) A Complexidade da Prática Mediúnica. Waldehir Bezerra de Almeida
(3) Teoria da Mediunidade. Zalmino Zimmermann

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
Denise Aguiar
 
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Curso de passe   centro de força 2011113 v1Curso de passe   centro de força 2011113 v1
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Tiburcio Santos
 
Curso de Passe
Curso de PasseCurso de Passe
Curso de Passe
Adão Salles
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
Graça Maciel
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
Marcelo Gomez Brito Junior
 
Transe mediúnico
Transe mediúnicoTranse mediúnico
Transe mediúnico
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
2.1.2 mundo normal primitivo
2.1.2   mundo normal primitivo2.1.2   mundo normal primitivo
2.1.2 mundo normal primitivo
Marta Gomes
 
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Flávio Soares
 
Fluidos e Perispírito
Fluidos e PerispíritoFluidos e Perispírito
Fluidos e Perispírito
igmateus
 
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
Louis Oliver
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Helio Cruz
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
Marta Gomes
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
OS MÉDIUNS
OS MÉDIUNSOS MÉDIUNS
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
Graça Maciel
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Fórum Espírita
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
jcevadro
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Helio Cruz
 

Mais procurados (20)

Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Curso de passe   centro de força 2011113 v1Curso de passe   centro de força 2011113 v1
Curso de passe centro de força 2011113 v1
 
Curso de Passe
Curso de PasseCurso de Passe
Curso de Passe
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
 
Transe mediúnico
Transe mediúnicoTranse mediúnico
Transe mediúnico
 
2.1.2 mundo normal primitivo
2.1.2   mundo normal primitivo2.1.2   mundo normal primitivo
2.1.2 mundo normal primitivo
 
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
 
Fluidos e Perispírito
Fluidos e PerispíritoFluidos e Perispírito
Fluidos e Perispírito
 
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escolha das provas - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Sintonia e vibração
Sintonia e vibraçãoSintonia e vibração
Sintonia e vibração
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
OS MÉDIUNS
OS MÉDIUNSOS MÉDIUNS
OS MÉDIUNS
 
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)Estudando a mediunidade (martins peralva)
Estudando a mediunidade (martins peralva)
 

Destaque

3Com 7920-02
3Com 7920-023Com 7920-02
3Com 7920-02
savomir
 
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
grasia77
 
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
Cirkev bratská Svätý Jur
 
HRM from A to Z
HRM from A to ZHRM from A to Z
Historia clinica
Historia clinicaHistoria clinica
Historia clinica
Med School
 
Biblioteca uniminuto
Biblioteca uniminutoBiblioteca uniminuto
Biblioteca uniminuto
paola aranda sua
 
Print screens.pptx
Print screens.pptxPrint screens.pptx
Print screens.pptx
lyndon19999
 
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
AnastasiyaF
 
No+le+cuentes+cuentos
No+le+cuentes+cuentosNo+le+cuentes+cuentos
No+le+cuentes+cuentos
Silvia Vera
 
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
AnastasiyaF
 
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales ProductivityHow Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
Perficient, Inc.
 
Program Evaluation: The Structured Interview
Program Evaluation: The Structured InterviewProgram Evaluation: The Structured Interview
Program Evaluation: The Structured Interview
Swords to Plowshares
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
Denise Aguiar
 
Formatos Arquivos - Qual devo usar?
Formatos Arquivos - Qual devo usar?Formatos Arquivos - Qual devo usar?
Formatos Arquivos - Qual devo usar?
dualpixel
 
Esdei 01.01 parte ii_2016
Esdei 01.01 parte ii_2016Esdei 01.01 parte ii_2016
Esdei 01.01 parte ii_2016
Denise Aguiar
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
Denise Aguiar
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
Denise Aguiar
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
Denise Aguiar
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
Denise Aguiar
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Denise Aguiar
 

Destaque (20)

3Com 7920-02
3Com 7920-023Com 7920-02
3Com 7920-02
 
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
129393572 instalacoes-eletricas-noberto-nery-pdf
 
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
História zboru cirkvi bratskej v bratislave 2017
 
HRM from A to Z
HRM from A to ZHRM from A to Z
HRM from A to Z
 
Historia clinica
Historia clinicaHistoria clinica
Historia clinica
 
Biblioteca uniminuto
Biblioteca uniminutoBiblioteca uniminuto
Biblioteca uniminuto
 
Print screens.pptx
Print screens.pptxPrint screens.pptx
Print screens.pptx
 
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
22. Мастацтва Беларусі ў 20 ст.
 
No+le+cuentes+cuentos
No+le+cuentes+cuentosNo+le+cuentes+cuentos
No+le+cuentes+cuentos
 
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
21. Мастацтва Беларусі ад Рэнесансу да пачатку ХХ стагоддзя
 
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales ProductivityHow Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
How Oracle Sales Cloud Release 12 Will Boost Sales Productivity
 
Program Evaluation: The Structured Interview
Program Evaluation: The Structured InterviewProgram Evaluation: The Structured Interview
Program Evaluation: The Structured Interview
 
Esdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objetoEsdei 01.02 conceito e objeto
Esdei 01.02 conceito e objeto
 
Formatos Arquivos - Qual devo usar?
Formatos Arquivos - Qual devo usar?Formatos Arquivos - Qual devo usar?
Formatos Arquivos - Qual devo usar?
 
Esdei 01.01 parte ii_2016
Esdei 01.01 parte ii_2016Esdei 01.01 parte ii_2016
Esdei 01.01 parte ii_2016
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
 
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
02.01 fenominos parte 2_mesas girantes
 
02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte02.02 allan kardec 1_parte
02.02 allan kardec 1_parte
 
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDOESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
ESDE I - PROGRAMA DE ESTUDO
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
 

Semelhante a Tipos de Psicografia

Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - PsicografiaQuarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
CeiClarencio
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicografiaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Sergio Lima Dias Junior
 
Compreendendo a psicografia.pptx
Compreendendo a psicografia.pptxCompreendendo a psicografia.pptx
Compreendendo a psicografia.pptx
Simone Ivo Sousa
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
jcevadro
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
# Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
#   Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]#   Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
# Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
home
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Animismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrináriaAnimismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrinária
Alexandra Strama
 
Mediunidade de psicografia v.2.0
Mediunidade de psicografia v.2.0Mediunidade de psicografia v.2.0
Mediunidade de psicografia v.2.0
Moacyr Costa Júnior
 
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografiaOlm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Carlos Alberto Freire De Souza
 
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
Artomy Jado
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
Wagner Quadros
 
_ Pneumatografia ou escrita direta.pptx
_        Pneumatografia ou escrita direta.pptx_        Pneumatografia ou escrita direta.pptx
_ Pneumatografia ou escrita direta.pptx
Ione Dias de Oliva
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade
carlos freire
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
Henrique Vieira
 
Somos todos médiuns
Somos todos médiunsSomos todos médiuns
Somos todos médiuns
Helio Cruz
 
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
14   29.05.2014 - classificação da mediunidade14   29.05.2014 - classificação da mediunidade
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
Wilma Badan C.G.
 
Classificação da mediunidade
Classificação da mediunidadeClassificação da mediunidade
Classificação da mediunidade
Wilma Badan C.G.
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Wilma Badan C.G.
 

Semelhante a Tipos de Psicografia (20)

Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - PsicografiaQuarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
Quarto Módulo - 5ª aula - Psicografia
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - PsicografiaMocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
Mocidade Espírita Chico Xavier - Psicografia
 
Compreendendo a psicografia.pptx
Compreendendo a psicografia.pptxCompreendendo a psicografia.pptx
Compreendendo a psicografia.pptx
 
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografiaA categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a  psicografia
A categoria de médiuns de efeitos intelectuais - a psicografia
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
# Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
#   Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]#   Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
# Flávio boleiz jr. - a psicografia - [ espiritismo]
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Animismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrináriaAnimismo aula orientação doutrinária
Animismo aula orientação doutrinária
 
Mediunidade de psicografia v.2.0
Mediunidade de psicografia v.2.0Mediunidade de psicografia v.2.0
Mediunidade de psicografia v.2.0
 
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografiaOlm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
Olm 100908-natureza das comunicações-sematologia-voz direta-psicografia
 
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula2013   cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
2013 cem - modus operandi dos espíritos - parte a -12a aula
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 
_ Pneumatografia ou escrita direta.pptx
_        Pneumatografia ou escrita direta.pptx_        Pneumatografia ou escrita direta.pptx
_ Pneumatografia ou escrita direta.pptx
 
animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade animismo e-mediunidade
animismo e-mediunidade
 
Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861Allan kardec revista espirita 1861
Allan kardec revista espirita 1861
 
Somos todos médiuns
Somos todos médiunsSomos todos médiuns
Somos todos médiuns
 
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
14   29.05.2014 - classificação da mediunidade14   29.05.2014 - classificação da mediunidade
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
 
Classificação da mediunidade
Classificação da mediunidadeClassificação da mediunidade
Classificação da mediunidade
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
 

Mais de Denise Aguiar

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
Denise Aguiar
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
Denise Aguiar
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
Denise Aguiar
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Denise Aguiar
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Denise Aguiar
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Denise Aguiar
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
Denise Aguiar
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
Denise Aguiar
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
Denise Aguiar
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
Denise Aguiar
 

Mais de Denise Aguiar (20)

CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃOCAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
CAPÍTULO 1 - A FAMÍLIA SOARES - LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO
 
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
EXAMINANDO A OBSESSÃO - PARTE 2 DO LIVRO ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OB...
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
 
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTASCientistas   estudo da evolução   quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
Cientistas estudo da evolução quadro TEORIAS EVOLUCIONISTAS
 
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 4 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 3 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 2 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene NobrePARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
PARTE 1 - O PASSE COMO CURA MAGNÉTICA de Marlene Nobre
 
Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3Origem e natureza do Espirito parte 3
Origem e natureza do Espirito parte 3
 
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
Origem e natureza do Espirito. Origem do espírito Parte 2
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Poesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimentoPoesia o mal e o sofrimento
Poesia o mal e o sofrimento
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
Atributos da divindade
Atributos da divindadeAtributos da divindade
Atributos da divindade
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Provas da existência Deus
Provas da existência DeusProvas da existência Deus
Provas da existência Deus
 
Existência de Deus
Existência de DeusExistência de Deus
Existência de Deus
 

Último

11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Tipos de Psicografia

  • 1. INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I 1 A PSICOGRAFIA A psicografia é a faculdade de escrever sob a ação dos espíritos. Portanto são deles a ideia, o tema, o estilo, enfim, toda a mensagem captada pelo médium. O espírito comunicante, ao transmitir o seu pensamento, igualmente o impulsiona a escrever. (1) A velocidade de escrever varia de um médium para outro bem como a caligrafia, que nem sempreé legível facilmente. Kardec diz que, de todos os meios de comunicação mediúnica, a escrita manual é o mais simples, o mais cômodo e o mais completo. Para esse meio devem tender todos os esforços, porquanto ele permite se estabeleçam com os Espíritos relações continuadas e regulares, como as que existem entre nós, e é por ele que os Espíritos revelam melhor sua natureza e o grau do seu aperfeiçoamento ou de sua inferioridade. Fazendo uso dessa mediunidade com Jesus, Zilda Gama (1878 - 1969), Yvonne do Amaral Pereira (1900 – 1984), Francisco Cândido Xavier (1910 – 2002), Divaldo Pereira Franco (1027 -), José Raul Teixeira (1949 -) e outros, nos últimos anos, vêm cooperando com exemplo de abnegação, colocando-se na condição de fieis intérpretes do plano espiritual superior, para a implantação do Espiritismo no Brasil e no mundo, com suas obras literárias. (2) A PSICOGRAFIA PODE SER: MECÂNICA, SEMIMECÂNICAE INTUITIVA. Na psicografia mecânica o espírito atua diretamente na mão do médium e a escrita é produzida rapidamente sem que o médium tenha consciência do que escreve. Existem casos em que o médium escreve uma mensagem com a mão diretita e outra, totalmente diferente, com a esquerda, evidenciando a atuação de dois espíritos distintos. É uma faculdade muito rara e muito preciosa, pois, conforme ensina Kardec, em “O Livro dos Médiuns”, a escrita produzida por este processo não deixa margem à dúvida quanto à sua autenticidade. (2) O notável médium português, Fernando de Lacerda, que escrevia mediunicamente com ambas as mãos, em prosa e verso, conversava com os amigos enquanto era acionado pelos escritores clássicos portugueses.“Às vezes, despachava com a mão direita papéis da repartição em que trabalhava, enquanto psicografava com a esquerda, páginas de Alexandre Herculano, Eça de Queirós, Camilo, etc. O mesmo acontecia com Cármine Mirabelli (1880 – 1951) que, também conversando, psicografava com as duas mãos, teses científicas ou filosóficas, em línguas diferentes” (xenografia). Tais fatos mostram a autonomia do médium em relação ao comunicante, embora a atuação deste sobre o sistema nervoso do medianeiro aconteça com o aproveitamento, também, de seus arquivos mnemônicos, de vez que o Espírito só pode expressar-se, falando ou escrevendo, com apoio nos recursos intelectuais, vocabulares e gramaticais disponibilizados pela mente do médium, produto de aprendizagens atuais ou pretéritas. (3) Os médiuns que trabalharam diretamente com Allan Kardec possuíam a psicografia mecânica, imprescindível para que não houvesse, na transmissão de todo o grandioso conjunto de ensinamentos dos Espíritos Superiores, a mínima interferência. Um pouco diferente é a psicografia semimecânica, pois o impulso para escrever está associado às ideias que brotam na mente do médium. Ele tem uma certa consciência do que está psicografando. Na psicografia intuitiva, o médium tem consciência do que o espírito está ditando, sendo esta a característica mais comum, entre os tipos de psicografia.
  • 2. INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I 2 O Codificador esclarece que a diferença entre um tipo e outro de psicógrafo consiste em que o papel do médium mecânico é o de uma máquina e o intuitivo age como intérprete. Convém, porém, explicar que, na psicografia intuitiva, embora o médium tenha consciência do que está escrevendo, ele sabe que as ideias que está passandopara o papel não lhe pertencem. O que evidencia esta certeza é o fato de que tais ideias brotam em sua mente com um fluxo muito veloz e de forma muito intensa, sendo este o motivo pelo qual o médium necessita escrever com rapidez para dar vazão a essa torrente de pensamentos e não perder o fio do raciocínio. (1) Tanto o processo psicográfico semimecânico, como o mecânico, podem desenvolver-se de forma ordinária ou xenoglóssica. Na psicografia ordinária, o comunicante emprega a linguagem corrente, atual, de uso corriqueiro pelo médium e assistentes. Na psicografia xenoglóssica ou xenopsicografia, o comunicante se expressa em língua estranha ao médium e aos circunstantes,muitas vezes, até, já desaparecidas. Trata-se de um fenômeno singular e particularmente importante, a atestar, de maneira incontestável, a realidade mediúnica. Allan Kardec, (1804 – 1869), estudando o fenômeno, catalogou os médiuns que falavam ou escreviam em línguas que lhes eram desconhecidas, como médiuns poliglotas. (O Livro dos Médiuns, item 191, Cap. XVI) No Brasil, destacam-se médiuns famosos como Cármine Mirabelli Francisco Xavier e Divaldo Pereira Franco, e outros, servindo a notáveis demonstrações xenoglóssicas. Tanto na psicografia semimecânica, como na mecânica, ordinária ou xenoglóssica, o Espírito comunicante pode expressar-se de forma normal, ou seja, de modo que sua mensagem pode ser lida diretamente, como ocorre com qualquer texto, ou em forma especular, em que o texto é psicografado em sentido inverso ao grafismo normal da língua e cuja leitura requisita um espelho. Evidentemente, a psicografia especular xenoglóssica é um fenômeno mais raro, ainda, a exigir avançada aptidão mediúnica, constituindo, ao lado de outras provas, valiosa demonstraçãoda sobrevivência e da interexistência. Por último, uma referência ao processoque se pode denominar psicodigitação ou psicografia digital, em que o Espírito, por meio do médium, transmite sua mensagem utilizando as teclas de um computador. São, ainda, muito raras, as notícias a respeito, mas com os avanços tecnológicos que marcam nosso tempo, nada impede que isso ocorra, se o comunicante e o médium forem conhecedores da respectiva técnica. De acordo com Marlene Nobre, o médium e expositor Élzio Ferreira de Souza recebeu seus livros e mensagens por esse meio. (O Dom da Mediunidade). Segundo Lamartine Palhano Jr., Mirabelli, às vezes mediunizado, datilografava as mensagens que recebia. Narra o autor interessante
  • 3. INSTITUTO ESPÍRITA DIAS DA CRUZ DAE - GRUPO FORÇA E LUZ I 3 episódio protagonizado pelo médium: “O Sr. Oscar de Oliveira Borges procurou Mirabelli para que este lhe desse um conselho sobre determinada carta que havia recebido de Nova York. O médium, atendendo, transportou-se, em espírito, àquela cidade americana, descreveu ao interessado o andamento dos negócios e revelou os passos dados nesse sentido, naquela cidade, alguns dias após a remessa da carta. Numa reunião posterior, diurna, na residência do Sr. Oscar,napresença de Mirabelli e de outras pessoas, chegou, pelo correio, a resposta esperada. A carta estava escrita em inglês e o Sr. Oscar disse que precisava pagar a um tradutor, para conseguir a versão do texto em português. Mirabelli, naquele mesmo instante, passou a um transe mediúnico e houve a incorporação de uma entidade espiritual. A carta permaneceu nas mãos do Sr. Oscar,enquanto o médium, em transe, numa máquina de datilografia, em poucos minutos, traduziu-a, corretamente, para o português, francês, italiano, alemão e hebraico. A carta resposta não diferia, em uma vírgula sequer, da comunicação obtida por Mirabelli.” (L. Palhano Jr, Mirabelli: Um Médium Extraordinário.) Se ontem os recursos datilográficos podiam servir à comunicação dos Espíritos, nada mais natural, hoje, que o computador seja usado para tal fim. Não só o computador. Francisco Cândido Xavier, como sabido, chegava a grafar em Braille (sistema de escrita para cegos, com pontos de relevo que são produzidos com um aparelho próprio par isso). Indubitavelmente, fenômenos como esses, e numerosos outros, servem à decisiva comprovação da realidade interexistencial do ser humano. (1) Mediunidade: Caminho Para Ser Feliz. Suely Caldas Schubert (2) A Complexidade da Prática Mediúnica. Waldehir Bezerra de Almeida (3) Teoria da Mediunidade. Zalmino Zimmermann