SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Palestrante Especialista: Dilaina Costa
JULHO
2021
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
De maneira global passamos por diversas mudanças durante os
séculos XVIII, XIX, XX e XXI, mudanças essas impulsionadas por
movimentos sociais e científicos que reivindicavam mais igualdade
entre todos os cidadãos, assim como a superação de qualquer tipo de
discriminação e exclusão das pessoas com deficiência.
EXCLUÇÃO – Os grupos vistos como minorizados(por conta de sua cor, gênero,
deficiência ou qualquer outra condição tida como diferente). Historicamente,
eram ignorados rejeitados, perseguidos, explorados e até mesmo levados á
morte , vistos como sujeitos sem nenhum direitos civis ;
SEGREGAÇÃO - Aqui as pessoas começam a
serem reconhecidas como funcionais para vida
laboral reconhecendo seus direitos civis porém sem
liberdade e empoderamento de seus direitos, sempre
ficando na dependência de algum e ou de terceiros,
elas ainda continuavam distanciadas da sociedade e
da família, geralmente atendidas em instituições
específicas e isoladas por motivos religiosos ou
filantrópicos, e em muito a questão da qualidade vida
era nenhuma.
Um jovem amarrado a sua cama em uma instituição para 32 pessoas
com deficiência no Rio de Janeiro. Funcionários em algumas
instituições para pessoas com deficiência no Brasil restringem o
movimento de adultos amarrando-os às barras das camas com
pedaços de pano em volta dos braços ou cintura. © 2017 Human
Rights Watch
INTEGRAÇÃO – A pessoa com deficiência começou a
ter acesso à classe regular, desde que se adaptasse e
não causasse nenhum transtorno ao contexto escolar,
começamos a presenciar a fase de integração na linha
do tempo da educação inclusiva. A integração nas
organizações envolve inserir times diversos em quase
todas as áreas, mas sem alterar a estrutura e/ou cultura
da empresa, em todo esse processo as pessoas com
deficiência precisavam se adequarem ao todo, porém foi
ai que esse processo começou a ser questionado e
timidamente iniciávamos um novo processo.
INCLUSÃO - No século XX os princípios da inclusão ganharam força, o que não
quer dizer que já tenhamos superado todos os obstáculos e resistências, mas as
linhas estão definidas e até mesmo assumidas pela sociedade brasileira.
Caminhando na construção de um sistema educacional e profissional inclusivo, o
Brasil adota o paradigma da inclusão, transformando as políticas e as práticas em
atitudes concretas para assegurar o pleno acesso à educação e ao mercado de
trabalho, de forma que todas as pessoas com deficiência possam estar em uma
sala de aula e estar aprendendo a fim de poder participar efetivamente do mercado
de trabalho e assim se tornar cidadãos conscientes de seu potencial.
¨A educação especial se organizou tradicionalmente como atendimento educacional
especializado substitutivo ao ensino comum, evidenciando diferentes
compreensões, terminologias e modalidades que levaram a criação de instituições
especializadas, escolas especiais e classes especiais. Essa organização,
fundamentada no conceito de normalidade/anormalidade, determina formas de
atendimento clínico terapêuticos fortemente ancorados nos testes psicométricos
que definem, por meio de diagnósticos, as práticas escolares para os alunos com
deficiência¨. (BRASIL, 2008, p. 2).
CARACTERIZAÇÃO
Substitutiva - Concepção clinica - Foco na deficiência - Segregadora
ASPECTOS POLITICOS E LEGAIS
No Brasil, o atendimento às pessoas com deficiência teve início na época do Império
com a criação de duas instituições:
O Imperial Instituto dos Meninos Cegos, em 1854, atual Instituto Benjamin Constant –
IBC;
Instituto dos Surdos Mudos, em 1857, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos
– INES, ambos no Rio de Janeiro.
No início do século XX é fundado o Instituto Pestalozzi - 1926, instituição especializada
no atendimento às pessoas com deficiência mental;
1954 é fundada a primeira Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE e;
1945 é criado o primeiro atendimento educacional especializado às pessoas com
superdotação na Sociedade Pestalozzi, por Helena Antipoff.
1961, o atendimento educacional às pessoas com deficiência passa ser
fundamentado pelas disposições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional,
Lei nº. 7 4.024/61, que aponta o direito dos “excepcionais” à educação,
preferencialmente dentro do sistema geral de ensino.
A Lei nº. 5.692/71, que altera a LDBEN de 1961, ao definir ‘tratamento especial’
para os alunos com “deficiências físicas, mentais, os que se encontrem em atraso
considerável quanto à idade regular de matrícula e os superdotados”, não promove a
organização de um sistema de ensino capaz de atender as necessidades
educacionais especiais e acaba reforçando o encaminhamento dos alunos para
as classes e escolas especiais.
Em 1973, é criado no MEC, o Centro Nacional de Educação Especial – CENESP,
responsável pela gerência da educação especial no Brasil, que, sob a égide
integracionista, impulsionou ações educacionais voltadas às pessoas com
deficiência e às pessoas com superdotação; ainda configuradas por campanhas
assistenciais e ações isoladas do Estado.
Nesse período, não se efetiva uma política pública de acesso universal à educação,
permanecendo a concepção de ‘políticas especiais’ para tratar da temática da
educação de alunos com deficiência e, no que se refere aos alunos com
superdotação, apesar do acesso ao ensino regular, não é organizado um
atendimento especializado que considere as singularidades de aprendizagem
desses alunos.
EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA DE
EDUCAÇÃO INSCLUSIVA
Reconhecendo a pessoa com deficiência com de direitos e
deveres e como forma de enfatizar seus potenciais dentro e fora
do espaço educacional e pelas lutas. A educação inclusiva
constitui um paradigma educacional fundamentado na
concepção de direitos humanos, que conjuga igualdade e
diferença como valores indissociáveis, e que avança em relação
à ideia de equidade formal ao contextualizar as circunstâncias
históricas da produção da exclusão dentro e fora da escola.
A inclusão destas crianças na escola é um princípio de valorização do ser
humano sem nenhum tipo de preconceito, para que elas possam exercer
sua cidadania e se sentir inte gradas na sociedade, participando ativamente
do processo de aprendizagem e das atividades educacionais propostas ,
contando com o apoio da escola , da equipe multidisciplinar, professores,
família e comunidade
Para garantir o direito de todos os alunos , independente da sua condição,
de estarem juntos participando e aprendendo, sem ser discriminad o, o
Ministéri o da Educação apresenta a Política Nacional de Educação
Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que visa constituir po líticas
públicas promotoras de uma educaçãode qualidade para todos.
CARACTERIZAÇÃO
Complementar - Concepção Educacional - Foco no Potencial da Pessoa com
deficiência - Inclusiva no AEE.
Acompanhando o processo de mudanças, as Diretrizes Nacionais para a Educação
Especial na Educação Básica, Resolução CNE/CEB nº 2/2001, no artigo 2º,
determinam que:
Os sistemas de ensino devem matricular todos os
alunos, cabendo às escolas organizar-se para o
atendimento aos educandos com necessidades
educacionais especiais, assegurando as
condições necessárias para uma educação de
qualidade para todos. (MEC/SEESP, 2001).
A Convenção da Guatemala (1999), promulgada no Brasil pelo Decreto nº
3.956/2001, afirma que as pessoas com deficiência têm os mesmos direitos
humanos e liberdades fundamentais que as demais pessoas, definindo como
discriminação com base na deficiência, toda diferenciação ou exclusão que possa
impedir ou anular o exercício dos direitos humanos e de suas liberdades
fundamentais. Esse Decreto tem importante repercussão na educação, exigindo
uma reinterpretação da educação especial, compreendida no contexto da
diferenciação adotada para promover a eliminação das barreiras que impedem o
acesso à escolarização.
Reconhecendo todo esse processo elencado foi verificado que os alunos
com deficiência não eram atendidos em suas necessidades especificas
desrespeitando o seu direito equânime.
Tem como objetivo assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiência,
transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação.
Orientando os sistemas de ensino para garantir: acesso ao ensino regular, com
participação, aprendizagem e continuidade nos níveis mais elevados do ensino;
transversalidade da modalidade de educação especial desde a educação infantil até
a educação superior;
COM ADVENTO DA NOVA POLÍTICA
Oferta do ;
• Formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais
profissionais da educação para a inclusão;
• Participação da família e da comunidade;
• Acessibilidade arquitetônica, nos transportes, nos mobiliários, nas comunicações e
informação;
• Articulação Inter setorial na implementação das políticas públicas.
Na perspectiva da educação inclusiva, a educação especial passa a constituir
a proposta pedagógica da escola, (PPP) definindo como seu público-alvo os
alunos com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas
habilidades/superdotação.
Resolução nº 4 de 2 de outubro de 2009, institui diretrizes
operacionais para o Atendimento Educacional Especializado
na educação básica, modalidade da educação especial
Consideram-se alunos com deficiência aqueles que têm impedimentos de longo
prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que em interação com
diversas barreiras podem ter restringida sua participação plena e efetiva na escola e
na sociedade.
Os alunos com transtornos globais do desenvolvimento são aqueles que apresentam
alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um
repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se
nesse grupo alunos com autismo, síndromes do espectro do autismo e psicose
infantil.
Alunos com altas habilidades/superdotação demonstram potencial elevado
em qualquer uma das seguintes áreas, isoladas ou combinadas: intelectual,
acadêmica, liderança, psicomotricidade e artes.
Dentre os transtornos funcionais específicos estão: dislexia, disortografiade
envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu
interesse. Dentre os transtornos funcionais específicos estão: dislexia,
disortografia, disgrafia, discalculia, transtorno de atenção e hiperatividade, entre
outros.
DIRETRIZES OPERACIONAIS
• A educação especial é uma modalidade de ensino que perpassa todos os
níveis, etapas e modalidades.
• Realiza o atendimento educacional especializado,
• Disponibiliza os serviços e recursos próprios desse atendimento e
• Orienta os alunos e seus professores quanto a sua utilização nas turmas
comuns do ensino regular.
O Atendimento Educacional Especializado – AEE
• Identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade
que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos,
considerando as suas necessidades específicas.
• O AEE é organizado para apoiar o desenvolvimento dos alunos,
constituindo oferta obrigatória dos sistemas de ensino e deve ser
realizado no turno inverso ao da classe comum, na própria escola ou
centro especializado que realize esse serviço educacional.
Desse modo, na modalidade de educação de jovens e adultos e educação
profissional, as ações da educação especial possibilitam a ampliação de
oportunidades de escolarização, formação para a inserção no mundo do
trabalho e efetiva participação social.
A interface da educação especial na educação indígena, do campo e quilombola
deve assegurar que os recursos, serviços e atendimento educacional
especializado estejam presentes nos projetos pedagógicos construídos com base
nas diferenças socioculturais desses grupos.
Na educação superior, a transversalidade da educação especial se efetiva por
meio de ações que promovam o acesso, a permanência e a participação dos
alunos. Estas ações envolvem o planejamento e a organização de recursos e
serviços para a promoção da acessibilidade arquitetônica, nas comunicações, nos
sistemas de informação, nos materiais didáticos e pedagógicos, que devem ser
disponibilizados nos processos seletivos e no desenvolvimento de todas as
atividades que envolvem o ensino, a pesquisa e a extensão.
Para a inclusão dos alunos surdos, nas escolas comuns, a educação
bilíngue - Língua Portuguesa/LIBRAS, desenvolve o ensino escolar na
Língua Portuguesa e na língua de sinais, o ensino da Língua
Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para alunos
surdos, os serviços de tradutor/intérprete de Libras e Língua
Portuguesa e o ensino da Libras para os demais alunos da escola.
O AEE é ofertado, tanto na modalidade oral e escrita, quanto na língua de
sinais. Devido à diferença linguística, na medida do possível, o aluno surdo
deve estar com outros pares surdos em turmas comuns na escola regular.
Cabe aos sistemas de ensino, ao organizar a educação especial na
perspectiva da educação inclusiva, disponibilizar as funções de instrutor,
tradutor/intérprete de Libras e guia intérprete, bem como de monitor ou cuidador
aos alunos com necessidade de apoio nas atividades de higiene, alimentação,
locomoção, entre outras que exijam auxílio constante no cotidiano escolar.
DA FORMAÇÃO EXIGIDA PARA ATUAR COM ALUNOS COM
DEFICIÊNCIA
Para atuar na educação especial, o professor deve ter como base da sua
formação, inicial e continuada, conhecimentos gerais para o exercício da docência e
conhecimentos específicos da área. Essa formação possibilita a sua atuação no
atendimento educacional especializado e deve aprofundar o caráter interativo e
interdisciplinar da atuação nas salas comuns do ensino regular, nas salas de
recursos, nos centros de atendimento educacional especializado, nos núcleos de
acessibilidade das instituições de educação superior, nas classes hospitalares e nos
ambientes domiciliares, para a oferta dos serviços e recursos de educação especial.
Esta formação deve contemplar conhecimentos de gestão de sistema educacional
inclusivo, tendo em vista o desenvolvimento de projetos em parceria com outras
áreas, visando à acessibilidade arquitetônica, os atendimentos de saúde, a promoção
de ações de assistência social, trabalho e justiça.
LEI N. 2.965, DE 2 DE JULHO DE 2015 “Aprova o
Plano Estadual de Educação para o decênio 2015-
2024 e dá outras providências.”
Meta 4: Universalizar, para a população de quatro a dezessete anos com
deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, transtorno do déficit de
atenção e hiperatividade, altas habilidades e/ou superdotação, dislexia,
discalculia, disgrafia, disortografia e distúrbio de processamento auditivo
central, o acesso à Educação Básica e ao atendimento educacional especializado,
preferencialmente na rede regular de ensino, com a garantia de sistema
educacional inclusivo, de salas
.
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001 DE 30 DE JANEIRO DE 2018. Regulamenta
diretrizes pedagógicas e administrativas sobre o atendimento educacional
especializado, no âmbito da educação básica no Estado do Acre.
RESOLUÇÃO CEE/AC Nº 277/2017 Altera no que couber a Resolução CEE/AC nº
166/2013 que estabelece normas para a Educação Especial, no tocante ao
atendimento de pessoa com deficiência ou altas habilidades nas Escolas de
Educação Básica do Estado do Acre
Divisão de Educação Especial que tem como principal papel
articular a Politica de Educação Especial em uma perspectiva
inclusiva subordinada a SEE, composta por alguns espaços
que fortalecem o contexto educacional inclusivo;
CAS – Centro de Apoio aos Surdos e Profissionais da Educação;
NAAHS – Núcleo de Altas Habilidades e Surpedotação;
CAP/AC – Centro de Atendimento Pedagógico as Pessoas com Deficiência Visual;
DOM BOSCO – Centro de Atendimento as Pessoas com Deficiência
intelectual/Multiplas deficiências;
APD – Atendimento Pedagógico Domiciliar
CLASSES HOSPITALARES
Uma estrutura mantida por profissionais especializados tais como: Profissionais
especializados, mediadores, atendentes Pessoais, professores de Libras,
professores brasilitas, professores intepretes.
PRATICAS INCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO
PROFISSIONAL E TECNOLOGIA
Venho vivenciando o contexto inclusivo há 29 anos, experiências que muito me deixam animada.
pois temos que reconhecer que os avanços são muitos, sobretudo no que se refere a legislação que o
arcabouço é enorme. Porém são politicas que precisam ser avaliadas, implementadas e sobretudo
fortalecida. No Instituto de Educação Profissional e Tecnológica - IEPTEC/Dom Moacyr gestão é um
serviço novo, desafiador. Na plataforma do nosso curso de pós graduação observo que nas aulas são
utilizadas ferramentas que contemplam todo os alunos com ou sem deficiência em seus aspectos de
flexibilidade de tempo, comunicação, orientações e diversas mídias que só enriquecem nossas
aprendizagens. No IEPTEC/Dom Moacyr não é diferente ele tem se tornado acessivel para Os Surdos
usuarios da LIBRAS, para eu que atuo como intéprete de Libras, é um serviço desafiador por ser novo
dentro da modalidade Educação Profissional e Tecnologica. A cada aula ministrada é um desafio para
encontro de novos vocabularios.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolarCartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolarSA Asperger
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialVera Zacharias
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusivaceciliaconserva
 
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.Kátia Rumbelsperger
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASPedagogo Santos
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosThiago de Almeida
 
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1Fabio Oliveira
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...Germano Santos da Silva
 
Palestra emanoele inclusão ou integração
Palestra emanoele   inclusão ou integraçãoPalestra emanoele   inclusão ou integração
Palestra emanoele inclusão ou integraçãoEmanoele freitas
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricularKaren Araki
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricularosorioramos
 

Mais procurados (20)

Cartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolarCartilha inclusao escolar
Cartilha inclusao escolar
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
Aee aspectos legais_orientacoes_pedagogicas1
 
Inclusão Social
Inclusão SocialInclusão Social
Inclusão Social
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
 
Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1Ed inclusiva unidade 1
Ed inclusiva unidade 1
 
Palestra emanoele inclusão ou integração
Palestra emanoele   inclusão ou integraçãoPalestra emanoele   inclusão ou integração
Palestra emanoele inclusão ou integração
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
 

Semelhante a Educação inclusiva compreende a educação especial

Politica de educação especial
Politica de educação especialPolitica de educação especial
Politica de educação especialCre Educação
 
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...Bianca Medeiros
 
Educação especial e inclusiva
Educação  especial e inclusivaEducação  especial e inclusiva
Educação especial e inclusivaMichelle Lima
 
Politica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especialPolitica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especialsibilapa
 
Politica pnee na educação inclusiva
Politica   pnee na educação inclusivaPolitica   pnee na educação inclusiva
Politica pnee na educação inclusivaEducation secretary
 
Politica Nacional de Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação InclusivaCLIP_ColegioOswald
 
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...Helenilson Silveira
 
Politica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialPolitica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialDaniela Gil
 
Politica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialPolitica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialDaniela Gil
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARchristianceapcursos
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...christianceapcursos
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergênciasGizéle Vianna
 
Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2 Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2 Renata Louchard
 

Semelhante a Educação inclusiva compreende a educação especial (20)

Nb m07t02 politicanacional
Nb m07t02 politicanacionalNb m07t02 politicanacional
Nb m07t02 politicanacional
 
Politica de educação especial
Politica de educação especialPolitica de educação especial
Politica de educação especial
 
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...
1. brasil. secretaria_de_educação_especial._política_nacional_de_educação_esp...
 
Educação especial e inclusiva
Educação  especial e inclusivaEducação  especial e inclusiva
Educação especial e inclusiva
 
Politica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especialPolitica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especial
 
Politica pnee na educação inclusiva
Politica   pnee na educação inclusivaPolitica   pnee na educação inclusiva
Politica pnee na educação inclusiva
 
Politica Nacional de Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação InclusivaPolitica Nacional de Educação Inclusiva
Politica Nacional de Educação Inclusiva
 
Politica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especialPolitica nacional educacao_especial
Politica nacional educacao_especial
 
Politica
PoliticaPolitica
Politica
 
Politica nacional
Politica nacionalPolitica nacional
Politica nacional
 
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...
Politica nacional de_educacao_especial_na_perspectiva_da_educacao_inclusiva_0...
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Politica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialPolitica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especial
 
Politica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especialPolitica nacional edu_especial
Politica nacional edu_especial
 
INCLUSÃO.ppt
INCLUSÃO.pptINCLUSÃO.ppt
INCLUSÃO.ppt
 
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULARA INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
A INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR
 
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
5. a inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular maria mi...
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
 
Convenção e Política Pública
Convenção e Política PúblicaConvenção e Política Pública
Convenção e Política Pública
 
Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2 Projeto educacao inclusiva2
Projeto educacao inclusiva2
 

Mais de dilaina maria araujo maria

Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...dilaina maria araujo maria
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...dilaina maria araujo maria
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancodilaina maria araujo maria
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.dilaina maria araujo maria
 

Mais de dilaina maria araujo maria (20)

Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.
 
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiroLei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
 
Lei complementar
Lei complementarLei complementar
Lei complementar
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
Municipio do Acre em libras
Municipio do Acre em librasMunicipio do Acre em libras
Municipio do Acre em libras
 
Corpo humano
Corpo humanoCorpo humano
Corpo humano
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
 
Calendário no contexto da libras
Calendário  no contexto da librasCalendário  no contexto da libras
Calendário no contexto da libras
 
Sistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da LibrasSistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da Libras
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
 
Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?
 
Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Identidade surda
Identidade surdaIdentidade surda
Identidade surda
 
Sistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em librasSistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em libras
 

Último

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Educação inclusiva compreende a educação especial

  • 2. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL De maneira global passamos por diversas mudanças durante os séculos XVIII, XIX, XX e XXI, mudanças essas impulsionadas por movimentos sociais e científicos que reivindicavam mais igualdade entre todos os cidadãos, assim como a superação de qualquer tipo de discriminação e exclusão das pessoas com deficiência.
  • 3. EXCLUÇÃO – Os grupos vistos como minorizados(por conta de sua cor, gênero, deficiência ou qualquer outra condição tida como diferente). Historicamente, eram ignorados rejeitados, perseguidos, explorados e até mesmo levados á morte , vistos como sujeitos sem nenhum direitos civis ;
  • 4. SEGREGAÇÃO - Aqui as pessoas começam a serem reconhecidas como funcionais para vida laboral reconhecendo seus direitos civis porém sem liberdade e empoderamento de seus direitos, sempre ficando na dependência de algum e ou de terceiros, elas ainda continuavam distanciadas da sociedade e da família, geralmente atendidas em instituições específicas e isoladas por motivos religiosos ou filantrópicos, e em muito a questão da qualidade vida era nenhuma. Um jovem amarrado a sua cama em uma instituição para 32 pessoas com deficiência no Rio de Janeiro. Funcionários em algumas instituições para pessoas com deficiência no Brasil restringem o movimento de adultos amarrando-os às barras das camas com pedaços de pano em volta dos braços ou cintura. © 2017 Human Rights Watch
  • 5. INTEGRAÇÃO – A pessoa com deficiência começou a ter acesso à classe regular, desde que se adaptasse e não causasse nenhum transtorno ao contexto escolar, começamos a presenciar a fase de integração na linha do tempo da educação inclusiva. A integração nas organizações envolve inserir times diversos em quase todas as áreas, mas sem alterar a estrutura e/ou cultura da empresa, em todo esse processo as pessoas com deficiência precisavam se adequarem ao todo, porém foi ai que esse processo começou a ser questionado e timidamente iniciávamos um novo processo.
  • 6. INCLUSÃO - No século XX os princípios da inclusão ganharam força, o que não quer dizer que já tenhamos superado todos os obstáculos e resistências, mas as linhas estão definidas e até mesmo assumidas pela sociedade brasileira. Caminhando na construção de um sistema educacional e profissional inclusivo, o Brasil adota o paradigma da inclusão, transformando as políticas e as práticas em atitudes concretas para assegurar o pleno acesso à educação e ao mercado de trabalho, de forma que todas as pessoas com deficiência possam estar em uma sala de aula e estar aprendendo a fim de poder participar efetivamente do mercado de trabalho e assim se tornar cidadãos conscientes de seu potencial.
  • 7.
  • 8. ¨A educação especial se organizou tradicionalmente como atendimento educacional especializado substitutivo ao ensino comum, evidenciando diferentes compreensões, terminologias e modalidades que levaram a criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais. Essa organização, fundamentada no conceito de normalidade/anormalidade, determina formas de atendimento clínico terapêuticos fortemente ancorados nos testes psicométricos que definem, por meio de diagnósticos, as práticas escolares para os alunos com deficiência¨. (BRASIL, 2008, p. 2). CARACTERIZAÇÃO Substitutiva - Concepção clinica - Foco na deficiência - Segregadora
  • 9. ASPECTOS POLITICOS E LEGAIS No Brasil, o atendimento às pessoas com deficiência teve início na época do Império com a criação de duas instituições: O Imperial Instituto dos Meninos Cegos, em 1854, atual Instituto Benjamin Constant – IBC; Instituto dos Surdos Mudos, em 1857, atual Instituto Nacional da Educação dos Surdos – INES, ambos no Rio de Janeiro. No início do século XX é fundado o Instituto Pestalozzi - 1926, instituição especializada no atendimento às pessoas com deficiência mental; 1954 é fundada a primeira Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE e;
  • 10. 1945 é criado o primeiro atendimento educacional especializado às pessoas com superdotação na Sociedade Pestalozzi, por Helena Antipoff. 1961, o atendimento educacional às pessoas com deficiência passa ser fundamentado pelas disposições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº. 7 4.024/61, que aponta o direito dos “excepcionais” à educação, preferencialmente dentro do sistema geral de ensino. A Lei nº. 5.692/71, que altera a LDBEN de 1961, ao definir ‘tratamento especial’ para os alunos com “deficiências físicas, mentais, os que se encontrem em atraso considerável quanto à idade regular de matrícula e os superdotados”, não promove a organização de um sistema de ensino capaz de atender as necessidades educacionais especiais e acaba reforçando o encaminhamento dos alunos para as classes e escolas especiais.
  • 11. Em 1973, é criado no MEC, o Centro Nacional de Educação Especial – CENESP, responsável pela gerência da educação especial no Brasil, que, sob a égide integracionista, impulsionou ações educacionais voltadas às pessoas com deficiência e às pessoas com superdotação; ainda configuradas por campanhas assistenciais e ações isoladas do Estado. Nesse período, não se efetiva uma política pública de acesso universal à educação, permanecendo a concepção de ‘políticas especiais’ para tratar da temática da educação de alunos com deficiência e, no que se refere aos alunos com superdotação, apesar do acesso ao ensino regular, não é organizado um atendimento especializado que considere as singularidades de aprendizagem desses alunos.
  • 12. EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA DE EDUCAÇÃO INSCLUSIVA Reconhecendo a pessoa com deficiência com de direitos e deveres e como forma de enfatizar seus potenciais dentro e fora do espaço educacional e pelas lutas. A educação inclusiva constitui um paradigma educacional fundamentado na concepção de direitos humanos, que conjuga igualdade e diferença como valores indissociáveis, e que avança em relação à ideia de equidade formal ao contextualizar as circunstâncias históricas da produção da exclusão dentro e fora da escola.
  • 13. A inclusão destas crianças na escola é um princípio de valorização do ser humano sem nenhum tipo de preconceito, para que elas possam exercer sua cidadania e se sentir inte gradas na sociedade, participando ativamente do processo de aprendizagem e das atividades educacionais propostas , contando com o apoio da escola , da equipe multidisciplinar, professores, família e comunidade Para garantir o direito de todos os alunos , independente da sua condição, de estarem juntos participando e aprendendo, sem ser discriminad o, o Ministéri o da Educação apresenta a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que visa constituir po líticas públicas promotoras de uma educaçãode qualidade para todos.
  • 14. CARACTERIZAÇÃO Complementar - Concepção Educacional - Foco no Potencial da Pessoa com deficiência - Inclusiva no AEE. Acompanhando o processo de mudanças, as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, Resolução CNE/CEB nº 2/2001, no artigo 2º, determinam que: Os sistemas de ensino devem matricular todos os alunos, cabendo às escolas organizar-se para o atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais, assegurando as condições necessárias para uma educação de qualidade para todos. (MEC/SEESP, 2001).
  • 15. A Convenção da Guatemala (1999), promulgada no Brasil pelo Decreto nº 3.956/2001, afirma que as pessoas com deficiência têm os mesmos direitos humanos e liberdades fundamentais que as demais pessoas, definindo como discriminação com base na deficiência, toda diferenciação ou exclusão que possa impedir ou anular o exercício dos direitos humanos e de suas liberdades fundamentais. Esse Decreto tem importante repercussão na educação, exigindo uma reinterpretação da educação especial, compreendida no contexto da diferenciação adotada para promover a eliminação das barreiras que impedem o acesso à escolarização. Reconhecendo todo esse processo elencado foi verificado que os alunos com deficiência não eram atendidos em suas necessidades especificas desrespeitando o seu direito equânime.
  • 16. Tem como objetivo assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. Orientando os sistemas de ensino para garantir: acesso ao ensino regular, com participação, aprendizagem e continuidade nos níveis mais elevados do ensino; transversalidade da modalidade de educação especial desde a educação infantil até a educação superior; COM ADVENTO DA NOVA POLÍTICA
  • 18. • Formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais profissionais da educação para a inclusão; • Participação da família e da comunidade; • Acessibilidade arquitetônica, nos transportes, nos mobiliários, nas comunicações e informação; • Articulação Inter setorial na implementação das políticas públicas.
  • 19. Na perspectiva da educação inclusiva, a educação especial passa a constituir a proposta pedagógica da escola, (PPP) definindo como seu público-alvo os alunos com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação. Resolução nº 4 de 2 de outubro de 2009, institui diretrizes operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na educação básica, modalidade da educação especial
  • 20. Consideram-se alunos com deficiência aqueles que têm impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que em interação com diversas barreiras podem ter restringida sua participação plena e efetiva na escola e na sociedade. Os alunos com transtornos globais do desenvolvimento são aqueles que apresentam alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se nesse grupo alunos com autismo, síndromes do espectro do autismo e psicose infantil.
  • 21. Alunos com altas habilidades/superdotação demonstram potencial elevado em qualquer uma das seguintes áreas, isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança, psicomotricidade e artes. Dentre os transtornos funcionais específicos estão: dislexia, disortografiade envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de seu interesse. Dentre os transtornos funcionais específicos estão: dislexia, disortografia, disgrafia, discalculia, transtorno de atenção e hiperatividade, entre outros.
  • 22. DIRETRIZES OPERACIONAIS • A educação especial é uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, etapas e modalidades. • Realiza o atendimento educacional especializado, • Disponibiliza os serviços e recursos próprios desse atendimento e • Orienta os alunos e seus professores quanto a sua utilização nas turmas comuns do ensino regular.
  • 23. O Atendimento Educacional Especializado – AEE • Identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando as suas necessidades específicas. • O AEE é organizado para apoiar o desenvolvimento dos alunos, constituindo oferta obrigatória dos sistemas de ensino e deve ser realizado no turno inverso ao da classe comum, na própria escola ou centro especializado que realize esse serviço educacional.
  • 24. Desse modo, na modalidade de educação de jovens e adultos e educação profissional, as ações da educação especial possibilitam a ampliação de oportunidades de escolarização, formação para a inserção no mundo do trabalho e efetiva participação social. A interface da educação especial na educação indígena, do campo e quilombola deve assegurar que os recursos, serviços e atendimento educacional especializado estejam presentes nos projetos pedagógicos construídos com base nas diferenças socioculturais desses grupos.
  • 25. Na educação superior, a transversalidade da educação especial se efetiva por meio de ações que promovam o acesso, a permanência e a participação dos alunos. Estas ações envolvem o planejamento e a organização de recursos e serviços para a promoção da acessibilidade arquitetônica, nas comunicações, nos sistemas de informação, nos materiais didáticos e pedagógicos, que devem ser disponibilizados nos processos seletivos e no desenvolvimento de todas as atividades que envolvem o ensino, a pesquisa e a extensão.
  • 26. Para a inclusão dos alunos surdos, nas escolas comuns, a educação bilíngue - Língua Portuguesa/LIBRAS, desenvolve o ensino escolar na Língua Portuguesa e na língua de sinais, o ensino da Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para alunos surdos, os serviços de tradutor/intérprete de Libras e Língua Portuguesa e o ensino da Libras para os demais alunos da escola.
  • 27. O AEE é ofertado, tanto na modalidade oral e escrita, quanto na língua de sinais. Devido à diferença linguística, na medida do possível, o aluno surdo deve estar com outros pares surdos em turmas comuns na escola regular. Cabe aos sistemas de ensino, ao organizar a educação especial na perspectiva da educação inclusiva, disponibilizar as funções de instrutor, tradutor/intérprete de Libras e guia intérprete, bem como de monitor ou cuidador aos alunos com necessidade de apoio nas atividades de higiene, alimentação, locomoção, entre outras que exijam auxílio constante no cotidiano escolar.
  • 28. DA FORMAÇÃO EXIGIDA PARA ATUAR COM ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Para atuar na educação especial, o professor deve ter como base da sua formação, inicial e continuada, conhecimentos gerais para o exercício da docência e conhecimentos específicos da área. Essa formação possibilita a sua atuação no atendimento educacional especializado e deve aprofundar o caráter interativo e interdisciplinar da atuação nas salas comuns do ensino regular, nas salas de recursos, nos centros de atendimento educacional especializado, nos núcleos de acessibilidade das instituições de educação superior, nas classes hospitalares e nos ambientes domiciliares, para a oferta dos serviços e recursos de educação especial.
  • 29. Esta formação deve contemplar conhecimentos de gestão de sistema educacional inclusivo, tendo em vista o desenvolvimento de projetos em parceria com outras áreas, visando à acessibilidade arquitetônica, os atendimentos de saúde, a promoção de ações de assistência social, trabalho e justiça. LEI N. 2.965, DE 2 DE JULHO DE 2015 “Aprova o Plano Estadual de Educação para o decênio 2015- 2024 e dá outras providências.”
  • 30. Meta 4: Universalizar, para a população de quatro a dezessete anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, altas habilidades e/ou superdotação, dislexia, discalculia, disgrafia, disortografia e distúrbio de processamento auditivo central, o acesso à Educação Básica e ao atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino, com a garantia de sistema educacional inclusivo, de salas .
  • 31. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 001 DE 30 DE JANEIRO DE 2018. Regulamenta diretrizes pedagógicas e administrativas sobre o atendimento educacional especializado, no âmbito da educação básica no Estado do Acre. RESOLUÇÃO CEE/AC Nº 277/2017 Altera no que couber a Resolução CEE/AC nº 166/2013 que estabelece normas para a Educação Especial, no tocante ao atendimento de pessoa com deficiência ou altas habilidades nas Escolas de Educação Básica do Estado do Acre
  • 32. Divisão de Educação Especial que tem como principal papel articular a Politica de Educação Especial em uma perspectiva inclusiva subordinada a SEE, composta por alguns espaços que fortalecem o contexto educacional inclusivo; CAS – Centro de Apoio aos Surdos e Profissionais da Educação; NAAHS – Núcleo de Altas Habilidades e Surpedotação; CAP/AC – Centro de Atendimento Pedagógico as Pessoas com Deficiência Visual;
  • 33. DOM BOSCO – Centro de Atendimento as Pessoas com Deficiência intelectual/Multiplas deficiências; APD – Atendimento Pedagógico Domiciliar CLASSES HOSPITALARES Uma estrutura mantida por profissionais especializados tais como: Profissionais especializados, mediadores, atendentes Pessoais, professores de Libras, professores brasilitas, professores intepretes.
  • 34. PRATICAS INCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA Venho vivenciando o contexto inclusivo há 29 anos, experiências que muito me deixam animada. pois temos que reconhecer que os avanços são muitos, sobretudo no que se refere a legislação que o arcabouço é enorme. Porém são politicas que precisam ser avaliadas, implementadas e sobretudo fortalecida. No Instituto de Educação Profissional e Tecnológica - IEPTEC/Dom Moacyr gestão é um serviço novo, desafiador. Na plataforma do nosso curso de pós graduação observo que nas aulas são utilizadas ferramentas que contemplam todo os alunos com ou sem deficiência em seus aspectos de flexibilidade de tempo, comunicação, orientações e diversas mídias que só enriquecem nossas aprendizagens. No IEPTEC/Dom Moacyr não é diferente ele tem se tornado acessivel para Os Surdos usuarios da LIBRAS, para eu que atuo como intéprete de Libras, é um serviço desafiador por ser novo dentro da modalidade Educação Profissional e Tecnologica. A cada aula ministrada é um desafio para encontro de novos vocabularios.