SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças transmitidas pela
falta de tratamento da água
Profª Enfª Raquel Olimpio Silva
Leptospirose
A leptospirose é uma doença infecciosa febril aguda que é transmitida a partir
da exposição direta ou indireta à urina de animais (principalmente ratos)
infectados pela bactéria Leptospira; sua penetração ocorre a partir da pele com
lesões, pele íntegra imersa por longos períodos em água contaminada ou por
meio de mucosas. O período de incubação, ou seja, intervalo de tempo entre a
transmissão da infecção até o início das manifestações dos sinais e sintomas, pode
variar de 1 a 30 dias e normalmente ocorre entre 7 a 14 dias após a exposição a
situações de risco. A doença apresenta elevada incidência em determinadas
áreas além do risco de letalidade, que pode chegar a 40% nos casos mais graves.
Sua ocorrência está relacionada às condições precárias de infraestrutura sanitária
e alta infestação de roedores infectados. As inundações propiciam a disseminação
e a persistência da bactéria no ambiente, facilitando a ocorrência de surtos.
Leptospirose
Sintomas
São parecidos com os de outras doenças como gripe, febre amarela,
dengue, malária, hantavirose e hepatites. Os principais são: febre, dor de
cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da-
perna). Em 10% dos casos, pode ocorrer a forma grave da doença, com o
aparecimento de icterícia (coloração amarelada da pele e das mucosas) por
insuficiência hepática, manifestações hemorrágicas (equimoses,
sangramentos em nariz, gengivas e pulmões) e comprometimento dos rins.
A evolução para o coma e a morte pode ocorrer em cerca de 10% das
formas graves. Os primeiros sintomas aparecem de dois a 30 dias depois do
contato com a contaminação. Na maior parte dos casos, aparece sete a 14
dias após o contato.
Leptospirose
Transmissão
A transmissão ocorre, principalmente, através do contato com a água ou
lama de enchentes contaminadas com urina de animais portadores,
sobretudo os ratos. A penetração da Leptospira no corpo, através da pele,
é facilitada pela presença de algum ferimento ou arranhão. Também pode
ser transmitida por ingestão de água ou alimentos contaminados.
Leptospirose
Prevenção
Evitar o contato com água ou lama que possam estar contaminados pela
urina de rato. Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulhos e
desentupimento de esgoto devem usar botas e luvas de borracha.
Medidas ligadas ao meio ambiente, tais como o controle de roedores,
obras de saneamento básico (abastecimento de água, lixo e esgoto) e
melhorias nas habitações humanas também ajudam na prevenção.
Amebíase
A infecção começa quando se ingere os cistos. Os cistos se abrem, liberando
os trofozoítos que se multiplicam e provocam úlceras no revestimento
intestinal. Ocasionalmente, eles se espalham para o fígado ou outras partes
do corpo. Alguns trofozoítos se tornam cistos que são excretados nas fezes
juntamente com os trofozoítos. Fora do corpo, os trofozoítos frágeis
morrem. No entanto, os cistos resistentes podem sobreviver.
Amebíase
Sintomas
A maioria das pessoas infectadas apresenta poucos ou nenhum sintoma. No entanto,
elas excretam os cistos nas fezes e, dessa forma, podem disseminar a infecção.
Os sintomas de amebíase normalmente se desenvolvem ao longo de uma a três
semanas e podem incluir
Diarreia, às vezes com sangue visível nas fezes
Dor abdominal acompanhada de cólicas
Perda de peso e febre
Em casos graves, o abdômen fica dolorido ao toque, e as pessoas podem desenvolver
diarreia grave com fezes que contêm muco e sangue (chamado disenteria). Algumas
pessoas sofrem cólicas abdominais intensas acompanhadas de febre alta. A diarreia
pode levar à desidratação. Pode haver debilitação progressiva do organismo
(emaciação) e anemia em pessoas com infecção crônica.
Amebíase
Hepatite infecciosa
Hepatite A: é transmitida por água e alimentos contaminados ou de uma
pessoa para outra; a doença fica incubada entre 10 e 50 dias e normalmente
não causa sintomas, porém quando presentes, os mais comuns são febre, pele
e olhos amarelados, náusea e vômitos, mal-estar, desconforto abdominal, falta
de apetite, urina com cor de coca-cola e fezes esbranquiçadas. A detecção se
faz por exame de sangue e não há tratamento específico, esperando-se que o
paciente reaja sozinho contra a doença. Apesar de existir vacina contra o vírus
da hepatite A (HAV), a melhor maneira de evitá-la se dá pelo saneamento
básico, tratamento adequado da água, alimentos bem cozidos e pelo ato de
lavar sempre as mãos antes das refeições.
Hepatite infecciosa
Transmissão:
Hepatite infecciosa
Tratamento:
Não existe tratamento para a forma aguda. Se necessário, apenas para
sintomas como náuseas e vômitos. O repouso é considerado importante pela
própria condição do paciente.
Prevenção:
A melhor estratégia de prevenção da hepatite A inclui a melhoria das
condições de vida, com adequação do saneamento básico e medidas
educacionais de higiene. A vacina específica contra o vírus A está indicada
conforme preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).
Cólera
A cólera é uma doença que afeta o intestino delgado e é causada pela
bactéria Vibrio cholerae, que entra no organismo de um indivíduo por meio
do consumo de água e de alimentos que foram previamente contaminados
pelo bacilo.
Essa é uma doença relacionada majoritariamente à higiene e ao saneamento
básico sendo que em regiões onde há uma falta de infraestrutura básica,
como redes de esgoto, é comum ter vários casos de cólera assolando a
população local. A cólera é uma condição relativamente grave, que pode
levar o paciente a óbito.
Cólera
Transmissão
Cólera
Sintomas
A cólera nem sempre apresenta sintomas claros e, muitas vezes, tudo o que o paciente
pode apresentar é uma forma de diarreia leve. No entanto, certos casos de maior
gravidade de cólera necessitam de tratamento médico para evitar que eles evoluam e
causem complicações ao paciente. Entre os principais sintomas de cólera, podemos
destacar: diarreia volumosa, fezes líquidas e acinzentadas, náuseas e vômitos, febre
leve, dores e cólicas abdominais, desidratação, letargia, pele seca e sede excessiva,
baixa da pressão arterial, e Cãibra musculares
Tratamento da cólera
Para tratar a cólera, o tratamento consiste na reposição dos líquidos e minerais que são
perdidos na diarreia. Além disso, o paciente pode tomar antibióticos com o objetivo de
matar a bactéria causadora da cólera.
Giardíase
A Giardíase é uma infecção do aparelho digestivo causada pelo parasita
Giardia intestinalis.
A sua transmissão é feita através do consumo de alimentos ou ingestão
de água contaminadas por fezes contendo cistos do parasita, sendo
uma doença infecciosa que pode ser transmitida entre pessoas.
Principais Sintomas: dor abdominal, diarreia, febre, náusea, fraqueza
ou perda de peso.
Como é o Tratamento: o tratamento é feito com medicamentos que
combatem o parasita, como Metronidazol ou Tinidazol, indicados pelo
médico.
Giardíase
Tracoma
Também chamado de tracoma ocular, tracoma é um tipo de
conjuntivite, ou seja, é uma inflamação da córnea e da conjuntiva,
parte dos olhos.
O tracoma costuma ser crônico, sendo que o olho passa por momentos
de crise aguda, com infecção ativa, e momentos sem sintomas ou
sinais. Essa repetição nas inflamações pode fazer com que cicatrizes se
formem na parte interna da pálpebra. Se essas lesões não forem
tratadas, elas podem causar marcas na córnea e levar o indivíduo
infectado com a doença à cegueira.
Tracoma
Tracoma
Sintomas de tracoma
Entre os sintomas de tracoma, podemos destacar: coceira nos olhos,
sensação de que há algo nos olhos, irritação e ardência nos olhos,
lacrimejamento, vermelhidão nos olhos, sensibilidade à luz, olhos
avermelhados e inchados, e pupila dilatada.
Tratamento do tracoma
O tratamento do tracoma é feito por meio de uso de antibióticos
tópicos e orais, que devem ser seguidos à risca para evitar o
fortalecimento da bactéria que causa a doença. A atenção médica é
necessária porque o tracoma é uma condição grave, capaz de causar a
cegueira.
Esquistossomose
Esquistossomose
Período de incubação
Em média, é de duas a seis semanas após a infecção, período que corresponde desde
a fase de penetração e desenvolvimento das cercarias, até a instalação dos vermes
adultos no interior do hospedeiro definitivo.
Período de transmissibilidade
A transmissão da esquistossomose não ocorre por meio do contato direto, homem→
doente→ homem suscetível. Também não ocorre “auto-infecção. O homem
infectado pode eliminar ovos viáveis de S. mansoni a partir de 5 semanas após a
infecção e por um período de 6 a 10 anos, podendo chegar até mais de 20 anos.
Os hospedeiros intermediários começam a eliminar cercarias após 4 a 7 semanas da
infecção pelos miracídios. Os caramujos infectados eliminam cercarias por toda a
vida, que é aproximadamente de um ano.
Esquistossomose
Sintomas
A esquistossomose é uma doença parasitária, causada pelo trematódeo Schistosoma
mansoni, cujas formas adultas habitam os vasos mesentéricos do hospedeiro
definitivo (homem) e as formas intermediárias se desenvolvem em caramujos
gastrópodes aquáticos do gênero Biomphalaria. Trata-se de uma doença,
inicialmente assintomática, que pode evoluir para formas clínicas extremamente
graves e levar o paciente a óbito. A magnitude de sua prevalência, associada à
severidade das formas clínicas e a sua evolução, conferem a esquistossomose uma
grande relevância como problema de saúde pública.
A maioria dos portadores são assintomáticos. No entanto, na fase aguda, o paciente
infectado por esquistossomose pode apresentar diversos sintomas, como: Febre,
Dor de cabeça, Calafrios, Suores, Fraqueza, Falta de apetite, Dor muscular, Tosse,
Diarreia.
Esquistossomose
A esquistossomose é uma doença parasitária, causada pelo
trematódeo Schistosoma mansoni, cujas formas adultas habitam os
vasos mesentéricos do hospedeiro definitivo (homem) e as formas
intermediárias se desenvolvem em caramujos gastrópodes aquáticos
do gênero Biomphalaria. Trata-se de uma doença, inicialmente
assintomática, que pode evoluir para formas clínicas extremamente
graves e levar o paciente a óbito. A magnitude de sua prevalência,
associada à severidade das formas clínicas e a sua evolução, conferem
a esquistossomose uma grande relevância como problema de saúde
pública.
Malária
A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por
protozoários do gênero Plasmodium transmitidos pela picada da fêmea
infectada do mosquito do gênero Anopheles, também conhecido como
mosquito-prego. É uma doença que tem cura e o tratamento é eficaz,
simples e gratuito. Entretanto, a doença pode evoluir para suas formas
graves se não for diagnosticada e tratada de forma oportuna e
adequada. No Brasil, a maioria dos casos de malária concentram-se na
região Amazônica.
Malária
Malária
Sintomas
Os sintomas da malária são febre alta, calafrios, tremores, sudorese e
dor de cabeça (que podem ocorrer de forma cíclica). Há pessoas que,
antes de apresentarem tais manifestações, sentem náuseas, vômitos,
cansaço e falta de apetite.
Transmissão
A malária é transmitida por meio da picada de fêmeas do mosquito
Anopheles infectadas pelo protozoário Plasmodium. O período de
incubação da malária varia de acordo com a espécie de plasmódio. A
malária não pode ser transmitida pela água.
Febre Amarela
A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por
um vírus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de
transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de
floresta) e urbano. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos
transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a
pessoa. A febre amarela tem importância epidemiológica por sua
gravidade clínica e potencial de disseminação em áreas urbanas
infestadas pelo mosquito Aedes aegypti.
Febre Amarela
Febre Amarela
Sintomas
As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor
de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da
doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias),
quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados),
manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem
e adquire imunização permanente contra a febre amarela.
Tratamento
Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-
se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas
medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente
para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas
preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o
corpo.
Elefantíase
A elefantíase é uma condição também chamada de filariose linfática, causada
por um parasita transmitido pela picada de um mosquito, levando a uma
inflamação no sistema linfático, fazendo com que o paciente desenvolva um
grande inchaço (também conhecido como edema) em seus membros e em
pontos como os seios e a bolsa escrotal.
O inchaço causado pela elefantíase é tão grande que pode ser incapacitante e
impedir que o paciente viva uma vida normal, já que seus movimentos acabam
sendo limitados.
A principal causa da elefantíase é a exposição a diferentes tipos de vermes,
dentre os quais podemos destacar o Wuchereria. Esse verme é encontrado em
um mosquito e, uma vez que ele pica um indivíduo, é capaz de invadir sua
corrente sanguínea, chegando aos diferentes pontos do corpo humano.
Elefantíase
Elefantíase
Sintomas
Acúmulo anormal de líquido nas pernas e nos braços, além de pontos como os
testículos e seios, aumento de tamanho anormal e acelerado nos seios e nos
testículos, febre, dor de cabeça, dor muscular, calor e vermelhidão nos
membros inferiores, coceira na pele, mal-estar generalizado.
Tratamento
A elefantíase tem cura. Essa condição é tratada por meio de medicamentos que
matam o verme que a causa. Também podem ser usados analgésicos, além de
técnicas que melhoram a drenagem do corpo, como o aumento do consumo de
água e o uso de meias de compressão, além da aplicação de gelo. No entanto,
caso o tratamento demore para ser aplicado no paciente, ele pode acabar por
desenvolver sequelas permanentes da elefantíase em seu corpo.
Poliomielite
A Poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma
doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar
crianças e adultos por meio do contato direto com fezes ou com
secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes e provocar ou não
paralisia. Nos casos graves, em que acontecem as paralisias
musculares, os membros inferiores são os mais atingidos.
Os sinais e sintomas da poliomielite variam conforme as formas
clínicas, desde ausência de sintomas até manifestações neurológicas
mais graves. A poliomielite pode causar paralisia e até mesmo a morte,
mas a maioria das pessoas infectadas não fica doente e não manifesta
sintomas, deixando a doença passar despercebida.
Poliomielite
Os sintomas mais frequentes são:
Febre, mal-estar, dor de cabeça, dor de garganta e no corpo, vômitos, diarreia,
constipação (prisão de ventre), espasmos, rigidez na nuca, meningite
Na forma paralítica ocorre:
Instalação súbita de deficiência motora, acompanhada de febre, assimetria
acometendo, sobretudo a musculatura dos membros, com mais frequência os
inferiores, flacidez muscular, com diminuição ou abolição de reflexos profundos na
área paralisada, Sensibilidade conservada, persistência de paralisia residual
(sequela) após 60 dias do início da doença.
Tratamento
Não existe tratamento específico, todas as vítimas de contágio devem ser
hospitalizadas, recebendo tratamento dos sintomas, de acordo com o quadro
clínico do paciente.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx

Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
Samuel Coelho
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
Tiago Silva
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
2° Ta - cotuca
 
Doenças gastrointestinal - II
Doenças gastrointestinal - IIDoenças gastrointestinal - II
Doenças gastrointestinal - II
NEELLITON SANTOS
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
eld09
 
Doenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação HídricaDoenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação Hídrica
Shirley Alencar
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
Odair Medrado
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
crishmuler
 
6B - Vinnycius
6B - Vinnycius6B - Vinnycius
6B - Vinnycius
viannota
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
2° Ta - cotuca
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
pratesclaudio
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
LauraMarques72
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
JoanaPaiva16
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
Luiz BORGES
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Charles Carvalho
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
ANA FONSECA
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
André Luiz Fachardo
 
6B - Isabely e karolina
6B - Isabely  e karolina6B - Isabely  e karolina
6B - Isabely e karolina
viannota
 
Herpes
HerpesHerpes
Herpes
BitchOfKlaus
 

Semelhante a Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx (20)

Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Doenças gastrointestinal - II
Doenças gastrointestinal - IIDoenças gastrointestinal - II
Doenças gastrointestinal - II
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
 
Doenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação HídricaDoenças de veiculação Hídrica
Doenças de veiculação Hídrica
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
6B - Vinnycius
6B - Vinnycius6B - Vinnycius
6B - Vinnycius
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Verminoses
VerminosesVerminoses
Verminoses
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
6B - Isabely e karolina
6B - Isabely  e karolina6B - Isabely  e karolina
6B - Isabely e karolina
 
Herpes
HerpesHerpes
Herpes
 

Mais de RaquelOlimpio1

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdfAula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdfAula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdfAula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdfAula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdfAula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
RaquelOlimpio1
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
RaquelOlimpio1
 
Normas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptxNormas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptx
RaquelOlimpio1
 
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptxBiossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
RaquelOlimpio1
 
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptxApresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
RaquelOlimpio1
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
RaquelOlimpio1
 
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptxInfecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
RaquelOlimpio1
 
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptxpower concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
RaquelOlimpio1
 
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdfhigienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
RaquelOlimpio1
 
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdflimpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
RaquelOlimpio1
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
RaquelOlimpio1
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
RaquelOlimpio1
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
RaquelOlimpio1
 

Mais de RaquelOlimpio1 (20)

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
 
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdfAula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
 
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdfAula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
 
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdfAula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
 
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdfAula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
 
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
 
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdfAula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
 
Normas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptxNormas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptx
 
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptxBiossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
 
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptxApresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
 
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptxInfecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
 
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptxpower concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
 
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdfhigienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
 
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdflimpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
 

Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx

  • 1. Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água Profª Enfª Raquel Olimpio Silva
  • 2. Leptospirose A leptospirose é uma doença infecciosa febril aguda que é transmitida a partir da exposição direta ou indireta à urina de animais (principalmente ratos) infectados pela bactéria Leptospira; sua penetração ocorre a partir da pele com lesões, pele íntegra imersa por longos períodos em água contaminada ou por meio de mucosas. O período de incubação, ou seja, intervalo de tempo entre a transmissão da infecção até o início das manifestações dos sinais e sintomas, pode variar de 1 a 30 dias e normalmente ocorre entre 7 a 14 dias após a exposição a situações de risco. A doença apresenta elevada incidência em determinadas áreas além do risco de letalidade, que pode chegar a 40% nos casos mais graves. Sua ocorrência está relacionada às condições precárias de infraestrutura sanitária e alta infestação de roedores infectados. As inundações propiciam a disseminação e a persistência da bactéria no ambiente, facilitando a ocorrência de surtos.
  • 3. Leptospirose Sintomas São parecidos com os de outras doenças como gripe, febre amarela, dengue, malária, hantavirose e hepatites. Os principais são: febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da- perna). Em 10% dos casos, pode ocorrer a forma grave da doença, com o aparecimento de icterícia (coloração amarelada da pele e das mucosas) por insuficiência hepática, manifestações hemorrágicas (equimoses, sangramentos em nariz, gengivas e pulmões) e comprometimento dos rins. A evolução para o coma e a morte pode ocorrer em cerca de 10% das formas graves. Os primeiros sintomas aparecem de dois a 30 dias depois do contato com a contaminação. Na maior parte dos casos, aparece sete a 14 dias após o contato.
  • 4. Leptospirose Transmissão A transmissão ocorre, principalmente, através do contato com a água ou lama de enchentes contaminadas com urina de animais portadores, sobretudo os ratos. A penetração da Leptospira no corpo, através da pele, é facilitada pela presença de algum ferimento ou arranhão. Também pode ser transmitida por ingestão de água ou alimentos contaminados.
  • 5. Leptospirose Prevenção Evitar o contato com água ou lama que possam estar contaminados pela urina de rato. Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulhos e desentupimento de esgoto devem usar botas e luvas de borracha. Medidas ligadas ao meio ambiente, tais como o controle de roedores, obras de saneamento básico (abastecimento de água, lixo e esgoto) e melhorias nas habitações humanas também ajudam na prevenção.
  • 6. Amebíase A infecção começa quando se ingere os cistos. Os cistos se abrem, liberando os trofozoítos que se multiplicam e provocam úlceras no revestimento intestinal. Ocasionalmente, eles se espalham para o fígado ou outras partes do corpo. Alguns trofozoítos se tornam cistos que são excretados nas fezes juntamente com os trofozoítos. Fora do corpo, os trofozoítos frágeis morrem. No entanto, os cistos resistentes podem sobreviver.
  • 7. Amebíase Sintomas A maioria das pessoas infectadas apresenta poucos ou nenhum sintoma. No entanto, elas excretam os cistos nas fezes e, dessa forma, podem disseminar a infecção. Os sintomas de amebíase normalmente se desenvolvem ao longo de uma a três semanas e podem incluir Diarreia, às vezes com sangue visível nas fezes Dor abdominal acompanhada de cólicas Perda de peso e febre Em casos graves, o abdômen fica dolorido ao toque, e as pessoas podem desenvolver diarreia grave com fezes que contêm muco e sangue (chamado disenteria). Algumas pessoas sofrem cólicas abdominais intensas acompanhadas de febre alta. A diarreia pode levar à desidratação. Pode haver debilitação progressiva do organismo (emaciação) e anemia em pessoas com infecção crônica.
  • 9. Hepatite infecciosa Hepatite A: é transmitida por água e alimentos contaminados ou de uma pessoa para outra; a doença fica incubada entre 10 e 50 dias e normalmente não causa sintomas, porém quando presentes, os mais comuns são febre, pele e olhos amarelados, náusea e vômitos, mal-estar, desconforto abdominal, falta de apetite, urina com cor de coca-cola e fezes esbranquiçadas. A detecção se faz por exame de sangue e não há tratamento específico, esperando-se que o paciente reaja sozinho contra a doença. Apesar de existir vacina contra o vírus da hepatite A (HAV), a melhor maneira de evitá-la se dá pelo saneamento básico, tratamento adequado da água, alimentos bem cozidos e pelo ato de lavar sempre as mãos antes das refeições.
  • 11. Hepatite infecciosa Tratamento: Não existe tratamento para a forma aguda. Se necessário, apenas para sintomas como náuseas e vômitos. O repouso é considerado importante pela própria condição do paciente. Prevenção: A melhor estratégia de prevenção da hepatite A inclui a melhoria das condições de vida, com adequação do saneamento básico e medidas educacionais de higiene. A vacina específica contra o vírus A está indicada conforme preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).
  • 12. Cólera A cólera é uma doença que afeta o intestino delgado e é causada pela bactéria Vibrio cholerae, que entra no organismo de um indivíduo por meio do consumo de água e de alimentos que foram previamente contaminados pelo bacilo. Essa é uma doença relacionada majoritariamente à higiene e ao saneamento básico sendo que em regiões onde há uma falta de infraestrutura básica, como redes de esgoto, é comum ter vários casos de cólera assolando a população local. A cólera é uma condição relativamente grave, que pode levar o paciente a óbito.
  • 14. Cólera Sintomas A cólera nem sempre apresenta sintomas claros e, muitas vezes, tudo o que o paciente pode apresentar é uma forma de diarreia leve. No entanto, certos casos de maior gravidade de cólera necessitam de tratamento médico para evitar que eles evoluam e causem complicações ao paciente. Entre os principais sintomas de cólera, podemos destacar: diarreia volumosa, fezes líquidas e acinzentadas, náuseas e vômitos, febre leve, dores e cólicas abdominais, desidratação, letargia, pele seca e sede excessiva, baixa da pressão arterial, e Cãibra musculares Tratamento da cólera Para tratar a cólera, o tratamento consiste na reposição dos líquidos e minerais que são perdidos na diarreia. Além disso, o paciente pode tomar antibióticos com o objetivo de matar a bactéria causadora da cólera.
  • 15. Giardíase A Giardíase é uma infecção do aparelho digestivo causada pelo parasita Giardia intestinalis. A sua transmissão é feita através do consumo de alimentos ou ingestão de água contaminadas por fezes contendo cistos do parasita, sendo uma doença infecciosa que pode ser transmitida entre pessoas. Principais Sintomas: dor abdominal, diarreia, febre, náusea, fraqueza ou perda de peso. Como é o Tratamento: o tratamento é feito com medicamentos que combatem o parasita, como Metronidazol ou Tinidazol, indicados pelo médico.
  • 17. Tracoma Também chamado de tracoma ocular, tracoma é um tipo de conjuntivite, ou seja, é uma inflamação da córnea e da conjuntiva, parte dos olhos. O tracoma costuma ser crônico, sendo que o olho passa por momentos de crise aguda, com infecção ativa, e momentos sem sintomas ou sinais. Essa repetição nas inflamações pode fazer com que cicatrizes se formem na parte interna da pálpebra. Se essas lesões não forem tratadas, elas podem causar marcas na córnea e levar o indivíduo infectado com a doença à cegueira.
  • 19. Tracoma Sintomas de tracoma Entre os sintomas de tracoma, podemos destacar: coceira nos olhos, sensação de que há algo nos olhos, irritação e ardência nos olhos, lacrimejamento, vermelhidão nos olhos, sensibilidade à luz, olhos avermelhados e inchados, e pupila dilatada. Tratamento do tracoma O tratamento do tracoma é feito por meio de uso de antibióticos tópicos e orais, que devem ser seguidos à risca para evitar o fortalecimento da bactéria que causa a doença. A atenção médica é necessária porque o tracoma é uma condição grave, capaz de causar a cegueira.
  • 21. Esquistossomose Período de incubação Em média, é de duas a seis semanas após a infecção, período que corresponde desde a fase de penetração e desenvolvimento das cercarias, até a instalação dos vermes adultos no interior do hospedeiro definitivo. Período de transmissibilidade A transmissão da esquistossomose não ocorre por meio do contato direto, homem→ doente→ homem suscetível. Também não ocorre “auto-infecção. O homem infectado pode eliminar ovos viáveis de S. mansoni a partir de 5 semanas após a infecção e por um período de 6 a 10 anos, podendo chegar até mais de 20 anos. Os hospedeiros intermediários começam a eliminar cercarias após 4 a 7 semanas da infecção pelos miracídios. Os caramujos infectados eliminam cercarias por toda a vida, que é aproximadamente de um ano.
  • 22. Esquistossomose Sintomas A esquistossomose é uma doença parasitária, causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, cujas formas adultas habitam os vasos mesentéricos do hospedeiro definitivo (homem) e as formas intermediárias se desenvolvem em caramujos gastrópodes aquáticos do gênero Biomphalaria. Trata-se de uma doença, inicialmente assintomática, que pode evoluir para formas clínicas extremamente graves e levar o paciente a óbito. A magnitude de sua prevalência, associada à severidade das formas clínicas e a sua evolução, conferem a esquistossomose uma grande relevância como problema de saúde pública. A maioria dos portadores são assintomáticos. No entanto, na fase aguda, o paciente infectado por esquistossomose pode apresentar diversos sintomas, como: Febre, Dor de cabeça, Calafrios, Suores, Fraqueza, Falta de apetite, Dor muscular, Tosse, Diarreia.
  • 23. Esquistossomose A esquistossomose é uma doença parasitária, causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, cujas formas adultas habitam os vasos mesentéricos do hospedeiro definitivo (homem) e as formas intermediárias se desenvolvem em caramujos gastrópodes aquáticos do gênero Biomphalaria. Trata-se de uma doença, inicialmente assintomática, que pode evoluir para formas clínicas extremamente graves e levar o paciente a óbito. A magnitude de sua prevalência, associada à severidade das formas clínicas e a sua evolução, conferem a esquistossomose uma grande relevância como problema de saúde pública.
  • 24. Malária A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários do gênero Plasmodium transmitidos pela picada da fêmea infectada do mosquito do gênero Anopheles, também conhecido como mosquito-prego. É uma doença que tem cura e o tratamento é eficaz, simples e gratuito. Entretanto, a doença pode evoluir para suas formas graves se não for diagnosticada e tratada de forma oportuna e adequada. No Brasil, a maioria dos casos de malária concentram-se na região Amazônica.
  • 26. Malária Sintomas Os sintomas da malária são febre alta, calafrios, tremores, sudorese e dor de cabeça (que podem ocorrer de forma cíclica). Há pessoas que, antes de apresentarem tais manifestações, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite. Transmissão A malária é transmitida por meio da picada de fêmeas do mosquito Anopheles infectadas pelo protozoário Plasmodium. O período de incubação da malária varia de acordo com a espécie de plasmódio. A malária não pode ser transmitida pela água.
  • 27. Febre Amarela A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. A febre amarela tem importância epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação em áreas urbanas infestadas pelo mosquito Aedes aegypti.
  • 29. Febre Amarela Sintomas As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela. Tratamento Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve- se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.
  • 30. Elefantíase A elefantíase é uma condição também chamada de filariose linfática, causada por um parasita transmitido pela picada de um mosquito, levando a uma inflamação no sistema linfático, fazendo com que o paciente desenvolva um grande inchaço (também conhecido como edema) em seus membros e em pontos como os seios e a bolsa escrotal. O inchaço causado pela elefantíase é tão grande que pode ser incapacitante e impedir que o paciente viva uma vida normal, já que seus movimentos acabam sendo limitados. A principal causa da elefantíase é a exposição a diferentes tipos de vermes, dentre os quais podemos destacar o Wuchereria. Esse verme é encontrado em um mosquito e, uma vez que ele pica um indivíduo, é capaz de invadir sua corrente sanguínea, chegando aos diferentes pontos do corpo humano.
  • 32. Elefantíase Sintomas Acúmulo anormal de líquido nas pernas e nos braços, além de pontos como os testículos e seios, aumento de tamanho anormal e acelerado nos seios e nos testículos, febre, dor de cabeça, dor muscular, calor e vermelhidão nos membros inferiores, coceira na pele, mal-estar generalizado. Tratamento A elefantíase tem cura. Essa condição é tratada por meio de medicamentos que matam o verme que a causa. Também podem ser usados analgésicos, além de técnicas que melhoram a drenagem do corpo, como o aumento do consumo de água e o uso de meias de compressão, além da aplicação de gelo. No entanto, caso o tratamento demore para ser aplicado no paciente, ele pode acabar por desenvolver sequelas permanentes da elefantíase em seu corpo.
  • 33. Poliomielite A Poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que pode infectar crianças e adultos por meio do contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas doentes e provocar ou não paralisia. Nos casos graves, em que acontecem as paralisias musculares, os membros inferiores são os mais atingidos. Os sinais e sintomas da poliomielite variam conforme as formas clínicas, desde ausência de sintomas até manifestações neurológicas mais graves. A poliomielite pode causar paralisia e até mesmo a morte, mas a maioria das pessoas infectadas não fica doente e não manifesta sintomas, deixando a doença passar despercebida.
  • 34. Poliomielite Os sintomas mais frequentes são: Febre, mal-estar, dor de cabeça, dor de garganta e no corpo, vômitos, diarreia, constipação (prisão de ventre), espasmos, rigidez na nuca, meningite Na forma paralítica ocorre: Instalação súbita de deficiência motora, acompanhada de febre, assimetria acometendo, sobretudo a musculatura dos membros, com mais frequência os inferiores, flacidez muscular, com diminuição ou abolição de reflexos profundos na área paralisada, Sensibilidade conservada, persistência de paralisia residual (sequela) após 60 dias do início da doença. Tratamento Não existe tratamento específico, todas as vítimas de contágio devem ser hospitalizadas, recebendo tratamento dos sintomas, de acordo com o quadro clínico do paciente.