SlideShare uma empresa Scribd logo
SANEAMENTO DO MEIO II
DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA
Definir doenças de veiculação hídrica, sua forma de contagem, tratamento e como evitá-las.   Também, fará parte deste escopo, uma breve explanação sobre “bactérias”. Objetivos
Proêmio A água, tão necessária à vida do homem, pode ser também responsável por muitas doenças, denominadas doenças de veiculação hídrica. Das diversas doenças hídricas existentes, apresentaremos três, quais sejam: Amebíase; Febres tifóide e paratifóide; Cólera.
Bactérias NOTA: Percebemos que ao estudar sobre doenças, notamos uma grande menção de “bactérias”, portanto entendemos a necessidade de explanarmos sobre o que são, antes de aprofundarmos na temática.
Bactérias As bactérias são seres minúsculos (microrganismos) que recobrem toda a terra. Vivem na imundice e no fundo do mar. Flutuam no ar e desenvolvem-se no corpo de qualquer ser vivo. Elas não são plantas, não são animais, não são fungos. Pertencem a um grupo de seres vivos chamado  MONERA .
Bactérias Uma bactéria, pode se dividir em 1milhão de bactérias na metade de um dia! Metade do que seu corpo joga fora ao  defecar  é bactéria, algumas são inofensivas, outras não.
COMO NASCEM A MAIORIA DAS DOENÇAS HÍDRICAS? DOENÇAS
AMEBÍASE
A  Entamoeba hystolitica  e a  Entamoeba coli  são parasitas minúsculos, que só podem ser vistos com auxílio do microscópio. Geralmente, fala-se de ameba ( Entamoeba ) sempre que há diarréias persistentes. A  Entamoeba coli  é um parasita que se localiza no intestino do homem, mas que não o prejudica e, portanto, não precisa ser tratada. A  Entamoeba hystolitica  é prejudicial e precisa ser eliminada. AMEBÍASE , é uma infecção intestinal parasitária causada por amebas e que se caracteritizam por disenteria  e lesões no cólon (intestino grosso), fígado e baço.
COMO SE CONTRAI
Esses parasitas são eliminados com as  fezes  de uma pessoa, e quando essas  são deixadas nas proximidades de córregos, valas de irrigação ou lagoas, contaminam suas águas. Num quintal pequeno, se a fossa for construída a poucos metros de distância da cisterna, as  fezes  contaminadas por amebas podem contaminar a água. Moscas e baratas, ao se alimentar de  fezes  de pessoas infectadas, também transmitem a parasitose a outras pessoas, defecando sobre os alimentos ou utensílios.
O QUE CAUSA
Os portadores de ameba, em geral, queixam-se de: •  dores abdominais; •  febre baixa; •  ataque de diarréia, seguido de períodos de prisão de ventre, disenteria aguda com  fezes   sanguinolentas  etc. Somente através do exame de  fezes , as pessoas ficam sabendo se têm ameba ou outros parasitas.
COMO EVITAR
Fazer com que todos da casa usem a privada . Se as crianças menores usarem penicos, as  fezes  devem ser jogadas na privada ; Proteger todos os alimentos contra moscas e baratas; Conservar os alimentos e utensílios cobertos ou dentro de armários; Proteger as águas das minas, cisternas, poços, lagoas, açudes e valas de irrigação, não permitindo que sejam contaminadas por fezes humanas;
FEBRES TIFÓIDE E PARATIFÓIDE
A  FEBRE TIFÓIDE  é uma doença grave, produzida pela bactéria  Salmonella typhi . Evolui,  geralmente, num período de quatro semanas. Do momento em que a pessoa adquire a infecção até o aparecimento dos primeiros sintomas, decorrem de 5 a 23 dias (período de incubação). A fonte de infecção é o doente, desde o instante em que ingeriu os bacilos até muitos anos depois, já que os bacilos persistem em suas  fezes . A  FEBRE PARATIFÓIDE  é mais rara que a tifóide. Produzida pela Salmonella paratyphi dos tipos “A”, “B” ou “C”, sua fonte de infecção é a mesma da febre tifóide: doentes e portadores.
COMO SE CONTRAI
A doença se transmite pelas descargas do intestino ( fezes ), que contaminam as mãos, as roupas, os alimentos e a água. O bacilo tifóide é ingerido com os alimentos e a água contaminada.
O QUE CAUSA
A doença se manifesta pelos seguintes sintomas: dor de cabeça, mal-estar, fadiga, boca amarga, febre, calafrios, indisposição gástrica, diarréia e aumento do baço.
COMO EVITAR
Destinar convenientemente os dejetos ( FEZES ) humanos em fossas ou redes de esgotos; Tratar a água ; Combater as moscas ; Efetuar exame e vacinação e promover a educação sanitária dos manipuladores de alimentos ;
CÓLERA
A  CÓLERA  é uma doença causada pelo micróbio  Vibrio cholerae , que se localiza no intestino das pessoas, provocando, nos casos graves, diarréia e vômitos intensos.  Em decorrência das diarréias e dos vômitos, o indivíduo perde grande parte dos líquidos de seu organismo, ficando desidratado rapidamente. Se não for tratada logo, essa desidratação poderá levar o doente à morte em pouco tempo.
COMO SE CONTRAI
A doença é transmitida, principalmente, através da água contaminada pelas  fezes  e vômitos dos doentes. Também pode ser transmitida por alimentos que foram lavados com água já contaminada pelo micróbio causador da doença e não foram bem cozidos, ou pelas mãos sujas de doentes ou portadores. São considerados portadores aqueles indivíduos que, embora já tenham o micróbio nos seus intestinos, não apresentam sintomas da doença.
O QUE CAUSA
O principal sintoma é uma diarréia intensa, que começa de repente. As evacuações do doente de cólera são de cor esverdeada com uma espuma branca em cima, sem muco ou sangue. A febre, quando existe, é baixa. Junto com a diarréia, podem aparecer, também, vômitos e cólicas abdominais. A pessoa doente chega a evacuar, desde o início, uma média de um a dois litros por hora. Dessa maneira, a desidratação ocorre rapidamente, o que pode levar o doente ao estado de choque em poucas horas.
COMO TRATAR
Toda pessoa que apresentar os sintomas da doença deve ser levada imediatamente para o serviço de saúde mais próximo.  A recuperação do doente de cólera depende, em grande parte, da rapidez com que a doença for diagnosticada e tratada. O tratamento é simples e bastante eficaz e consiste na reposição dos líquidos perdidos pela diarréia e vômitos. Dependendo do estado do paciente, faz-se uso da reidratação oral ou da intravenosa e administram-se antibióticos indicados pelo médico.
COMO EVITAR
A cólera pode ser evitada através da adoção de três ações básicas: •  controle da qualidade da água; •  destino adequado das  fezes ; •  adoção de bons hábitos de higiene.
Alunos Anderson Barbosa n.º 02 Danilo Lima n.º 08 Gabriel Vieira n.º 16 Odair Medrado n.º 31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírusISJ
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano guest3519e1
 
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!Ana Filadelfi
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeLeonardo Kaplan
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAdila Trubat
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsLeonardo Kaplan
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básicoThaisRocha05
 

Mais procurados (20)

Doenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermesDoenças causadas por vermes
Doenças causadas por vermes
 
7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
 
Slides sobre a dengue
Slides sobre a dengueSlides sobre a dengue
Slides sobre a dengue
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano
 
Seres vivos 7o ano vírus
Seres vivos 7o ano   vírusSeres vivos 7o ano   vírus
Seres vivos 7o ano vírus
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!
Aula 4 Noções básicas de higiene e saúde: cuidados importantes!!
 
mosquito da Dengue
mosquito da Denguemosquito da Dengue
mosquito da Dengue
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - Sexualidade
 
Higiene e Saúde
Higiene e SaúdeHigiene e Saúde
Higiene e Saúde
 
04 aula cólera
04 aula   cólera04 aula   cólera
04 aula cólera
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
 
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemasFluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e de energia nos ecossistemas
 
Conceitos básicos agroecologia
Conceitos básicos agroecologiaConceitos básicos agroecologia
Conceitos básicos agroecologia
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
 
8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência8 ano puberdade e adolescência
8 ano puberdade e adolescência
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 

Destaque

Doenças transmitidas pela água
Doenças transmitidas pela águaDoenças transmitidas pela água
Doenças transmitidas pela águajaninepraxedes
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaSamuel Coelho
 
Doenças veiculação hídrica
Doenças veiculação hídricaDoenças veiculação hídrica
Doenças veiculação hídricaJoel Vieira Caldas
 
Doenças Hidoveiculadas Dra. Clea
Doenças Hidoveiculadas Dra. CleaDoenças Hidoveiculadas Dra. Clea
Doenças Hidoveiculadas Dra. CleaOscar Luiz Neto
 
Guia saúde ambiental cmt
Guia saúde ambiental cmtGuia saúde ambiental cmt
Guia saúde ambiental cmtdinaflopes
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Águaelisabetemfc
 
Apresentação da josiani
Apresentação da josianiApresentação da josiani
Apresentação da josianiFábio Luz
 
Contaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da águaContaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da águaSGC
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaTaniaRaquel
 
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃOCUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃOIvanilson Gomes
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Dayane Almeida
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA Larah Oliveira
 
Evangelização - O Efeito da Cólera
Evangelização - O Efeito da CóleraEvangelização - O Efeito da Cólera
Evangelização - O Efeito da CóleraAntonino Silva
 

Destaque (20)

Doenças de veiculação hidrica
Doenças de veiculação hidricaDoenças de veiculação hidrica
Doenças de veiculação hidrica
 
Doenças Transmissíveis por Água
Doenças Transmissíveis por ÁguaDoenças Transmissíveis por Água
Doenças Transmissíveis por Água
 
Doenças transmitidas pela água
Doenças transmitidas pela águaDoenças transmitidas pela água
Doenças transmitidas pela água
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Doenças veiculação hídrica
Doenças veiculação hídricaDoenças veiculação hídrica
Doenças veiculação hídrica
 
Doenças Hidoveiculadas Dra. Clea
Doenças Hidoveiculadas Dra. CleaDoenças Hidoveiculadas Dra. Clea
Doenças Hidoveiculadas Dra. Clea
 
Guia saúde ambiental cmt
Guia saúde ambiental cmtGuia saúde ambiental cmt
Guia saúde ambiental cmt
 
Qualidade da Água
Qualidade da ÁguaQualidade da Água
Qualidade da Água
 
História de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de ÁguaHistória de uma Gotinha de Água
História de uma Gotinha de Água
 
Apresentação da josiani
Apresentação da josianiApresentação da josiani
Apresentação da josiani
 
Contaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da águaContaminação e poluição da água
Contaminação e poluição da água
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGua
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃOCUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
CUIDADOS COM A SAÚDE NO VERÃO
 
Problemas de esgoto
Problemas de esgotoProblemas de esgoto
Problemas de esgoto
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
 
Evangelização - O Efeito da Cólera
Evangelização - O Efeito da CóleraEvangelização - O Efeito da Cólera
Evangelização - O Efeito da Cólera
 
Visa cosméticos
Visa   cosméticosVisa   cosméticos
Visa cosméticos
 
Leptospirose final
Leptospirose  finalLeptospirose  final
Leptospirose final
 

Semelhante a Doencas de Veiculacao Hidrica

Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasCopasa Digital
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasAndré Luiz Fachardo
 
Veiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptxVeiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptxadrianaalves784598
 
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos Microbiologia e biotecnologia dos alimentos
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos Juliana Sena
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Lúhh Sousa
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicaisURCA
 
Trabalho colera
Trabalho coleraTrabalho colera
Trabalho colera191298amor
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxRaquelOlimpio1
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxRaquelOlimpio1
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfjoaopaulobrito3
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfjoaopaulobrito4
 

Semelhante a Doencas de Veiculacao Hidrica (20)

Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. ColliEnterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
003 cólera
003   cólera003   cólera
003 cólera
 
Veiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptxVeiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptx
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos Microbiologia e biotecnologia dos alimentos
Microbiologia e biotecnologia dos alimentos
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
 
Doenças tropicais
Doenças tropicaisDoenças tropicais
Doenças tropicais
 
Trabalho colera
Trabalho coleraTrabalho colera
Trabalho colera
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 

Doencas de Veiculacao Hidrica

  • 3. Definir doenças de veiculação hídrica, sua forma de contagem, tratamento e como evitá-las. Também, fará parte deste escopo, uma breve explanação sobre “bactérias”. Objetivos
  • 4. Proêmio A água, tão necessária à vida do homem, pode ser também responsável por muitas doenças, denominadas doenças de veiculação hídrica. Das diversas doenças hídricas existentes, apresentaremos três, quais sejam: Amebíase; Febres tifóide e paratifóide; Cólera.
  • 5. Bactérias NOTA: Percebemos que ao estudar sobre doenças, notamos uma grande menção de “bactérias”, portanto entendemos a necessidade de explanarmos sobre o que são, antes de aprofundarmos na temática.
  • 6. Bactérias As bactérias são seres minúsculos (microrganismos) que recobrem toda a terra. Vivem na imundice e no fundo do mar. Flutuam no ar e desenvolvem-se no corpo de qualquer ser vivo. Elas não são plantas, não são animais, não são fungos. Pertencem a um grupo de seres vivos chamado MONERA .
  • 7. Bactérias Uma bactéria, pode se dividir em 1milhão de bactérias na metade de um dia! Metade do que seu corpo joga fora ao defecar é bactéria, algumas são inofensivas, outras não.
  • 8. COMO NASCEM A MAIORIA DAS DOENÇAS HÍDRICAS? DOENÇAS
  • 10. A Entamoeba hystolitica e a Entamoeba coli são parasitas minúsculos, que só podem ser vistos com auxílio do microscópio. Geralmente, fala-se de ameba ( Entamoeba ) sempre que há diarréias persistentes. A Entamoeba coli é um parasita que se localiza no intestino do homem, mas que não o prejudica e, portanto, não precisa ser tratada. A Entamoeba hystolitica é prejudicial e precisa ser eliminada. AMEBÍASE , é uma infecção intestinal parasitária causada por amebas e que se caracteritizam por disenteria e lesões no cólon (intestino grosso), fígado e baço.
  • 12. Esses parasitas são eliminados com as fezes de uma pessoa, e quando essas são deixadas nas proximidades de córregos, valas de irrigação ou lagoas, contaminam suas águas. Num quintal pequeno, se a fossa for construída a poucos metros de distância da cisterna, as fezes contaminadas por amebas podem contaminar a água. Moscas e baratas, ao se alimentar de fezes de pessoas infectadas, também transmitem a parasitose a outras pessoas, defecando sobre os alimentos ou utensílios.
  • 14. Os portadores de ameba, em geral, queixam-se de: • dores abdominais; • febre baixa; • ataque de diarréia, seguido de períodos de prisão de ventre, disenteria aguda com fezes sanguinolentas etc. Somente através do exame de fezes , as pessoas ficam sabendo se têm ameba ou outros parasitas.
  • 16. Fazer com que todos da casa usem a privada . Se as crianças menores usarem penicos, as fezes devem ser jogadas na privada ; Proteger todos os alimentos contra moscas e baratas; Conservar os alimentos e utensílios cobertos ou dentro de armários; Proteger as águas das minas, cisternas, poços, lagoas, açudes e valas de irrigação, não permitindo que sejam contaminadas por fezes humanas;
  • 17. FEBRES TIFÓIDE E PARATIFÓIDE
  • 18. A FEBRE TIFÓIDE é uma doença grave, produzida pela bactéria Salmonella typhi . Evolui,  geralmente, num período de quatro semanas. Do momento em que a pessoa adquire a infecção até o aparecimento dos primeiros sintomas, decorrem de 5 a 23 dias (período de incubação). A fonte de infecção é o doente, desde o instante em que ingeriu os bacilos até muitos anos depois, já que os bacilos persistem em suas fezes . A FEBRE PARATIFÓIDE é mais rara que a tifóide. Produzida pela Salmonella paratyphi dos tipos “A”, “B” ou “C”, sua fonte de infecção é a mesma da febre tifóide: doentes e portadores.
  • 20. A doença se transmite pelas descargas do intestino ( fezes ), que contaminam as mãos, as roupas, os alimentos e a água. O bacilo tifóide é ingerido com os alimentos e a água contaminada.
  • 22. A doença se manifesta pelos seguintes sintomas: dor de cabeça, mal-estar, fadiga, boca amarga, febre, calafrios, indisposição gástrica, diarréia e aumento do baço.
  • 24. Destinar convenientemente os dejetos ( FEZES ) humanos em fossas ou redes de esgotos; Tratar a água ; Combater as moscas ; Efetuar exame e vacinação e promover a educação sanitária dos manipuladores de alimentos ;
  • 26. A CÓLERA é uma doença causada pelo micróbio Vibrio cholerae , que se localiza no intestino das pessoas, provocando, nos casos graves, diarréia e vômitos intensos. Em decorrência das diarréias e dos vômitos, o indivíduo perde grande parte dos líquidos de seu organismo, ficando desidratado rapidamente. Se não for tratada logo, essa desidratação poderá levar o doente à morte em pouco tempo.
  • 28. A doença é transmitida, principalmente, através da água contaminada pelas fezes e vômitos dos doentes. Também pode ser transmitida por alimentos que foram lavados com água já contaminada pelo micróbio causador da doença e não foram bem cozidos, ou pelas mãos sujas de doentes ou portadores. São considerados portadores aqueles indivíduos que, embora já tenham o micróbio nos seus intestinos, não apresentam sintomas da doença.
  • 30. O principal sintoma é uma diarréia intensa, que começa de repente. As evacuações do doente de cólera são de cor esverdeada com uma espuma branca em cima, sem muco ou sangue. A febre, quando existe, é baixa. Junto com a diarréia, podem aparecer, também, vômitos e cólicas abdominais. A pessoa doente chega a evacuar, desde o início, uma média de um a dois litros por hora. Dessa maneira, a desidratação ocorre rapidamente, o que pode levar o doente ao estado de choque em poucas horas.
  • 32. Toda pessoa que apresentar os sintomas da doença deve ser levada imediatamente para o serviço de saúde mais próximo. A recuperação do doente de cólera depende, em grande parte, da rapidez com que a doença for diagnosticada e tratada. O tratamento é simples e bastante eficaz e consiste na reposição dos líquidos perdidos pela diarréia e vômitos. Dependendo do estado do paciente, faz-se uso da reidratação oral ou da intravenosa e administram-se antibióticos indicados pelo médico.
  • 34. A cólera pode ser evitada através da adoção de três ações básicas: • controle da qualidade da água; • destino adequado das fezes ; • adoção de bons hábitos de higiene.
  • 35. Alunos Anderson Barbosa n.º 02 Danilo Lima n.º 08 Gabriel Vieira n.º 16 Odair Medrado n.º 31