SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
DOENÇAS DO NORDESTE
 CAUSA- A tripanossomíase americana, é uma 
doença tropical parasitária causada pelo 
protozoário Trypanosoma cruzi transmitida 
principalmente por insetos da subfamília 
Triatominae.
 SINTOMAS-A doença apresenta dois estágios 
em seres humanos: uma fase aguda, que ocorre 
pouco tempo após a infecção, e uma fase 
crônica que se desenvolve ao longo de muitos 
anos.
A fase aguda ocorre durante as primeiras 
semanas ou meses desde a infecção. 
Geralmente, ela não é notada por ser 
assintomática ou por exibir apenas sintomas 
moderados que não são únicos da doença de 
Chagas. Os sintomas podem incluir febre, 
fadiga, dor no corpo, dor de cabeça, exantema( 
é uma erupção cutânea), perda de apetite, 
diarreia e vômitos. Os sinais no exame físico 
podem incluir aumento moderado do fígado, 
do baço e de linfonodos, e inchaço no local da 
picada do barbeiro.
O marcador mais conhecido da fase aguda da doença de 
Chagas é chamado sinal de Romaña. O sinal é caracterizado 
pelo edema das pálpebras do mesmo lado do rosto em que 
se localiza a ferida produzida pela picada do barbeiro, onde 
as fezes foram depositadas pelo inseto ou mesmo quando 
acidentalmente esfregadas para dentro do olho. Raramente, 
crianças e adultos morrem durante a fase aguda da doença, 
porém pode ocorrer uma grave inflamação do músculo 
cardíaco (miocardite) ou do cérebro, que colocam a vida em 
risco. A fase aguda também pode ser grave em pessoas com 
o sistema imunitário comprometido. 
Se houver o desenvolvimento de sintomas durante a fase 
aguda, eles geralmente se resolvem espontaneamente dentro 
de três a oito semanas em aproximadamente 90% dos 
indivíduos.Embora os sintomas se resolvam, mesmo com o 
tratamento, a infecção persiste e entra em sua fase crônica. 
Dos indivíduos com doença de Chagas crônica, 60–80% 
jamais desenvolverão sintomas (chamada doença de Chagas 
crônica indeterminada), enquanto 20–40% desenvolverão 
sintomas cardíacos e/ou problemas digestivos (chamada 
doença de Chagas crônica determinada).
A doença crônica sintomática (determinada) 
afeta vários sistemas do organismo, como 
nervoso, digestório e cardíaco. Cerca de dois 
terços das pessoas com sintomas crônicos 
apresentam danos ao coração, incluindo a 
miocardiopatia dilatada, que causa 
anormalidades do ritmo cardíaco e pode 
resultar em morte súbita. Cerca de um terço 
dos pacientes apresenta danos ao sistema 
digestório, acompanhados de grave 
emagrecimento. A dificuldade de 
deglutição pode ser o primeiro sintoma dos 
distúrbios digestivos e pode levar à 
desnutrição.
 PREVENÇÃO-Atualmente, ainda não existe 
uma vacina contra a doença de Chagas e a 
prevenção é, em geral, focada em eliminar o 
inseto vetor com a utilização de spray e tintas 
contendo inseticidas , e em melhorar as 
condições de saneamento e habitação nas áreas 
rurais.Para os moradores de áreas urbanas que 
vão passar temporadas, como férias ou 
acampamentos, em regiões endêmicas, 
recomenda-se o uso de mosquiteiros.
 CAUSA- Muitas múmias egípcias apresentam 
as lesões inconfundíveis da esquistossomose 
por S. haematobium. A infecção pelos parasitas 
dava-se nos trabalhos de irrigação da 
agricultura. As cheias do Nilo sempre foram a 
fonte da prosperidade do Egito, mas também 
traziam os caracóis portadores dos 
schistosomas. O hábito dos agricultores de 
fazer as plantações e trabalhos de irrigação com 
os pés descalços metidos na água parada, 
favorecia a disseminação da doença crônica 
causada por estes parasitas.
O povo, cronicamente debilitado pela doença, 
era facilmente dominável por uma classe de 
guerreiros que, uma vez que não praticavam a 
agricultura irrigada, não contraíam a doença, 
mantendo-se vigorosos. Estas condições 
permitiram talvez a cobrança de impostos em 
larga escala com excedentes consideráveis que 
revertiam para a nova elite de guerreiros, uma 
estratificação social devida à doença, que se 
transformaria nas civilizações
A doença foi descrita cientificamente pela 
primeira vez em 1851 pelo médico alemão 
Theodor Maximilian Bilharz, que lhe dá o 
nome alternativo de bilharzíase.
 SINTOMAS- A fase de penetração é o nome 
dado a sintomas que podem ocorrer quando 
da penetração da cercária na pele, mas 
frequentemente é assintomática, exceto em 
indivíduos já infectados antes. Nestes casos é 
comum surgir eritema (vermelhidão), reação 
de sensibilidade com urticária (dermatite 
cercariana) e prurido e pele avermelhada ou 
pápulas na pele no local penetrado, que duram 
alguns dias.
Na fase inicial ou aguda, a disseminação das 
larvas pelo sangue, e principalmente o início da 
postura de ovos o paciente apresenta, mal 
estar, cefaléias (dores de cabeça), astenia 
(fraqueza), dor abdominal, diarreia 
sanguinolenta, dispneia (falta de ar), hemoptise 
(tosse com sangue), artralgias, 
linfonodomegalia e esplenomegalia, um 
conjunto de sintomas conhecido por síndrome 
de Katayama, que geralmente aparece após três 
a nove semanas após a penetração das 
cercárias. Nas análises sanguíneas há 
eosinofilia (aumento dos eosinófilos, células do 
sistema imunitário antiparasitas).
Estes quadros só ocorrem secundariamente à 
hipersensibilidade ao parasita, sendo uma 
doença mais comum em pacientes moradores 
de áreas não endêmicas que se expõem a 
coleções hídricas contaminadas. Estes quadros 
duram em geral alguns dias, mas podem durar 
até meses e em casos raros podem ser fatais. 
Estes pacientes apresentam grandes 
granulomas periovulares necrótico-exsudativos 
dispersos pelos intestinos, fígado e outros 
órgãos. Estes sintomas podem ceder 
espontaneamente ou podem nem sequer surgir, 
mas a doença crônica silenciosa.
Os sintomas crônicos são quase todos devidos à 
produção de ovos imunogénicos. Estes são 
destrutivos por si mesmos, com o seus espinhos e 
enzimas, mas é a inflamação com que o sistema 
imunitário lhes reage que causa os maiores danos. 
As formas adultas não são atacadas porque usam 
moléculas self do próprio hóspede para se 
camuflar. Os sintomas desta fase crônica podem 
ser a hepatopatias/enteropatias com 
hepatomegalia, ascite, diarreia no caso da 
esquistossomose mansônica, única que existe no 
Brasil. As formas mais graves com hepatomegalia 
e hipertensão portal são as principais causas de 
morte por esquistossomose no Brasil. A 
esquistossomose hematóbia, que existe em países 
africanos pode levar a patologias urinárias como 
disúria/hematúria, nefropatias, câncer da bexiga.
Outras formas de esquistossomose graves são 
as formas ectópicas cujas mais importantes são 
neurológicas que pode ser medular, conhecida 
como mielopatia esquistossomótica ou 
esquistossomose medular , ou cerebral, quando 
atingem o cérebro, existem também casos 
de esquistossomose ectópica na pele, pulmão, 
tuba uterina e outras vísceras.
 PREVENÇÃO- O tratamento é feito com 
antiparasitários (praziquante ou oxamniquina) 
para matar o parasita dentro do corpo e dura 1 
ou 2 dias. 
Em junho de 2012, a Fundação Oswaldo 
Cruz anunciou a criação de uma vacina contra 
a esquistossomose,utilizando a proteína sm14, 
que encontra-se em fase final de testes.
 DEFINIÇÃO- Cólera é uma infecção do 
intestino delgado que provoca grande 
quantidade de diarreia aquosa. 
 CAUSA-Cólera é causada pela bactéria Vibrião 
colérico (Vibrio cholerae). A bactéria libera 
uma toxina que provoca maior liberação de 
água das células nos intestinos o que produz 
diarreia grave.
 As pessoas são infectadas ao comer alimentos 
ou beber água contaminada.Um tipo de 
bactéria vibrião também foi associado a 
crustáceos, especialmente ostras cruas. 
 Fatores de risco incluem: 
1. Exposição a água contaminada ou não tratada 
2. Viver ou viajar para áreas em que haja cólera
 SINTOMAS- Cólicas abdominais 
1. Membranas das mucosas ou boca seca 
2. Pele ressecada 
3. Sede em excesso 
4. Olhos fundos ou olhar vago 
5. Falta de lágrimas 
6. Letargia 
7. Pouca micção
1. Náusea 
2. Desidratação rápida 
3. Pulso rápido (frequência cardíaca) 
4. Pontos macios afundados (fontanelas) em 
bebês 
5. Sonolência incomum ou cansaço 
6. Vômitos 
7. Diarreia aquosa que começa de repente e tem 
um odor de "peixe"
 PREVENÇÃO- Os Centros de Controle eOs 
Centros de Controle e Prevenção de Doenças 
dos Estados Unidos não recomendam vacinas 
contra cólera para a maioria dos viajantes. 
(Essa vacina não está disponível nos Estados 
Unidos.) 
 Os viajantes sempre devem tomar precauções 
com alimentos e água, mesmo se vacinados. 
 Na ocorrência de epidemias de cólera, os 
esforços devem ser direcionados no sentido 
de garantir água limpa, alimento e 
saneamento, porque a vacinação não é muito 
eficiente no controle de epidemias.
 CAUSA-A transmissão da enfermidade não é 
feita diretamente de uma pessoa para outra. Para 
isso, é necessário que o mosquito pique uma 
pessoa infectada e, após o vírus da febre amarela, 
(pertencente ao gênero Flavivirus, da família 
Flaviviridae) ter se multiplicado (9 a 12 dias), 
pique um indivíduo que ainda não teve a doença 
e não tenha sido vacinado. O vírus e a evolução 
clínica da doença são idênticos para os casos de 
febre amarela urbana e de febre amarela silvestre, 
diferenciando-se apenas o transmissor da doença
 A febre amarela silvestre 
ocorre, principalmente, por 
intermédio de mosquitos do 
gênero Haemagogus. Uma vez 
infectado em área silvestre, a 
pessoa pode, ao retornar, servir 
como fonte de infecção para o 
Aedes aegypti (também vetor 
do dengue), principal 
transmissor da febre amarela
 SINTOMAS- A febre amarela é uma doença infecciosa 
grave, causada por vírus e transmitida por vetores. 
Geralmente, quem contrai este vírus não chega a 
apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. 
As primeiras manifestações da doença são repentinas: 
febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor 
muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A 
forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer 
após um breve período de bem-estar (até dois dias), 
quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, 
icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações 
hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos 
infectados se recupera bem e adquire imunização 
permanente contra a febre amarela.
 PREVENÇÃO- Como a transmissão urbana da 
febre amarela só é possível através da picada 
de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da 
doença deve ser feita evitando sua 
disseminação. Os mosquitos criam-se na água e 
proliferam-se dentro dos domicílios e suas 
adjacências. Qualquer recipiente como caixas 
d'água, latas e pneus contendo água limpa são 
ambientes ideais para que a fêmea do mosquito 
ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, 
após desenvolverem-se na água, se tornarão 
novos mosquitos.
 Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada 
em recipientes destampados. Para eliminar o 
mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue 
ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de 
inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem 
ser tomadas medidas de proteção individual, como 
a vacinação contra a febre amarela, especialmente 
para aqueles que moram ou vão viajar para áreas 
com indícios da doença. Outras medidas 
preventivas são o uso de repelente de insetos, 
mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.
CRÉDITOS 
1. Doença de Chagas- LUCCA TAOÃ 
2. Esquistossomose- ALAN COELHO 
3. Cólera- JOÃO VITOR TORRES 
4. Febre Amarela- REBECA 
 FONTES- 1- Wikipédia 2- Wikipédia 
3- www.minha vida.com.br 
4- www.minhavida.com.br e 
www.bio.fiocruz.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia   seminário - família enterobacteriaceaeMicrobiologia   seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Filho João Evangelista
 
Cumaio saci 4
Cumaio saci 4Cumaio saci 4
Cumaio saci 4
cumaio02
 
Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.
juninhowwave
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 

Mais procurados (20)

Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Leptospirose
Leptospirose Leptospirose
Leptospirose
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia   seminário - família enterobacteriaceaeMicrobiologia   seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
 
Cumaio saci 4
Cumaio saci 4Cumaio saci 4
Cumaio saci 4
 
doenças
  doenças  doenças
doenças
 
Aula 9 den
Aula 9 denAula 9 den
Aula 9 den
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.
 
Aula parasito
Aula parasitoAula parasito
Aula parasito
 
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE CCÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
CÓLERA, CAXUMBA, HEPATITE B E HEPATITE C
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
trabalho de bio doenças completo parte 2
trabalho de bio   doenças completo parte 2trabalho de bio   doenças completo parte 2
trabalho de bio doenças completo parte 2
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 

Semelhante a Feira da cultura

O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viral
antonio ferreira
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
joaopaulobrito3
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
joaopaulobrito4
 

Semelhante a Feira da cultura (20)

Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viral
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!
 
Regiao nordeste
Regiao nordesteRegiao nordeste
Regiao nordeste
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
viroses
virosesviroses
viroses
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 

Mais de professorajulianafigueirdocamara

Mais de professorajulianafigueirdocamara (20)

Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
Criando um catálogo de ofertas.pptx turma 2
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
 
Apresentação partes do computador
Apresentação partes do computadorApresentação partes do computador
Apresentação partes do computador
 
Regras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informáticaRegras no laboratório de informática
Regras no laboratório de informática
 
Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702Trabalho de geografia 702
Trabalho de geografia 702
 
Cartografia ana carolina
Cartografia ana carolinaCartografia ana carolina
Cartografia ana carolina
 
Apresentação5
Apresentação5Apresentação5
Apresentação5
 
Kenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 okKenzo e victor hugo 402 ok
Kenzo e victor hugo 402 ok
 
Caio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caikeCaio norat, guilherme e caike
Caio norat, guilherme e caike
 
Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)Thales,murilo e pedro (2)
Thales,murilo e pedro (2)
 
Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)Karen e ana beatriz (3)
Karen e ana beatriz (3)
 
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
Joao victor jo'ao pedro e caio cesar (3)
 
Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402Kenzo e victor hugo 402
Kenzo e victor hugo 402
 
402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela402 samara,luísa e rafaela
402 samara,luísa e rafaela
 
Lucas b. e vitor
Lucas b. e vitorLucas b. e vitor
Lucas b. e vitor
 
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara
Lia , malu e lara
 
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Natalia leal
 
Natalia leal
Natalia lealNatalia leal
Natalia leal
 
Lucas b. e v itor
Lucas b. e v itorLucas b. e v itor
Lucas b. e v itor
 
Lia , malu e lara
Lia , malu  e lara Lia , malu  e lara
Lia , malu e lara
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Feira da cultura

  • 2.  CAUSA- A tripanossomíase americana, é uma doença tropical parasitária causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi transmitida principalmente por insetos da subfamília Triatominae.
  • 3.
  • 4.  SINTOMAS-A doença apresenta dois estágios em seres humanos: uma fase aguda, que ocorre pouco tempo após a infecção, e uma fase crônica que se desenvolve ao longo de muitos anos.
  • 5. A fase aguda ocorre durante as primeiras semanas ou meses desde a infecção. Geralmente, ela não é notada por ser assintomática ou por exibir apenas sintomas moderados que não são únicos da doença de Chagas. Os sintomas podem incluir febre, fadiga, dor no corpo, dor de cabeça, exantema( é uma erupção cutânea), perda de apetite, diarreia e vômitos. Os sinais no exame físico podem incluir aumento moderado do fígado, do baço e de linfonodos, e inchaço no local da picada do barbeiro.
  • 6. O marcador mais conhecido da fase aguda da doença de Chagas é chamado sinal de Romaña. O sinal é caracterizado pelo edema das pálpebras do mesmo lado do rosto em que se localiza a ferida produzida pela picada do barbeiro, onde as fezes foram depositadas pelo inseto ou mesmo quando acidentalmente esfregadas para dentro do olho. Raramente, crianças e adultos morrem durante a fase aguda da doença, porém pode ocorrer uma grave inflamação do músculo cardíaco (miocardite) ou do cérebro, que colocam a vida em risco. A fase aguda também pode ser grave em pessoas com o sistema imunitário comprometido. Se houver o desenvolvimento de sintomas durante a fase aguda, eles geralmente se resolvem espontaneamente dentro de três a oito semanas em aproximadamente 90% dos indivíduos.Embora os sintomas se resolvam, mesmo com o tratamento, a infecção persiste e entra em sua fase crônica. Dos indivíduos com doença de Chagas crônica, 60–80% jamais desenvolverão sintomas (chamada doença de Chagas crônica indeterminada), enquanto 20–40% desenvolverão sintomas cardíacos e/ou problemas digestivos (chamada doença de Chagas crônica determinada).
  • 7. A doença crônica sintomática (determinada) afeta vários sistemas do organismo, como nervoso, digestório e cardíaco. Cerca de dois terços das pessoas com sintomas crônicos apresentam danos ao coração, incluindo a miocardiopatia dilatada, que causa anormalidades do ritmo cardíaco e pode resultar em morte súbita. Cerca de um terço dos pacientes apresenta danos ao sistema digestório, acompanhados de grave emagrecimento. A dificuldade de deglutição pode ser o primeiro sintoma dos distúrbios digestivos e pode levar à desnutrição.
  • 8.  PREVENÇÃO-Atualmente, ainda não existe uma vacina contra a doença de Chagas e a prevenção é, em geral, focada em eliminar o inseto vetor com a utilização de spray e tintas contendo inseticidas , e em melhorar as condições de saneamento e habitação nas áreas rurais.Para os moradores de áreas urbanas que vão passar temporadas, como férias ou acampamentos, em regiões endêmicas, recomenda-se o uso de mosquiteiros.
  • 9.  CAUSA- Muitas múmias egípcias apresentam as lesões inconfundíveis da esquistossomose por S. haematobium. A infecção pelos parasitas dava-se nos trabalhos de irrigação da agricultura. As cheias do Nilo sempre foram a fonte da prosperidade do Egito, mas também traziam os caracóis portadores dos schistosomas. O hábito dos agricultores de fazer as plantações e trabalhos de irrigação com os pés descalços metidos na água parada, favorecia a disseminação da doença crônica causada por estes parasitas.
  • 10. O povo, cronicamente debilitado pela doença, era facilmente dominável por uma classe de guerreiros que, uma vez que não praticavam a agricultura irrigada, não contraíam a doença, mantendo-se vigorosos. Estas condições permitiram talvez a cobrança de impostos em larga escala com excedentes consideráveis que revertiam para a nova elite de guerreiros, uma estratificação social devida à doença, que se transformaria nas civilizações
  • 11. A doença foi descrita cientificamente pela primeira vez em 1851 pelo médico alemão Theodor Maximilian Bilharz, que lhe dá o nome alternativo de bilharzíase.
  • 12.  SINTOMAS- A fase de penetração é o nome dado a sintomas que podem ocorrer quando da penetração da cercária na pele, mas frequentemente é assintomática, exceto em indivíduos já infectados antes. Nestes casos é comum surgir eritema (vermelhidão), reação de sensibilidade com urticária (dermatite cercariana) e prurido e pele avermelhada ou pápulas na pele no local penetrado, que duram alguns dias.
  • 13. Na fase inicial ou aguda, a disseminação das larvas pelo sangue, e principalmente o início da postura de ovos o paciente apresenta, mal estar, cefaléias (dores de cabeça), astenia (fraqueza), dor abdominal, diarreia sanguinolenta, dispneia (falta de ar), hemoptise (tosse com sangue), artralgias, linfonodomegalia e esplenomegalia, um conjunto de sintomas conhecido por síndrome de Katayama, que geralmente aparece após três a nove semanas após a penetração das cercárias. Nas análises sanguíneas há eosinofilia (aumento dos eosinófilos, células do sistema imunitário antiparasitas).
  • 14. Estes quadros só ocorrem secundariamente à hipersensibilidade ao parasita, sendo uma doença mais comum em pacientes moradores de áreas não endêmicas que se expõem a coleções hídricas contaminadas. Estes quadros duram em geral alguns dias, mas podem durar até meses e em casos raros podem ser fatais. Estes pacientes apresentam grandes granulomas periovulares necrótico-exsudativos dispersos pelos intestinos, fígado e outros órgãos. Estes sintomas podem ceder espontaneamente ou podem nem sequer surgir, mas a doença crônica silenciosa.
  • 15. Os sintomas crônicos são quase todos devidos à produção de ovos imunogénicos. Estes são destrutivos por si mesmos, com o seus espinhos e enzimas, mas é a inflamação com que o sistema imunitário lhes reage que causa os maiores danos. As formas adultas não são atacadas porque usam moléculas self do próprio hóspede para se camuflar. Os sintomas desta fase crônica podem ser a hepatopatias/enteropatias com hepatomegalia, ascite, diarreia no caso da esquistossomose mansônica, única que existe no Brasil. As formas mais graves com hepatomegalia e hipertensão portal são as principais causas de morte por esquistossomose no Brasil. A esquistossomose hematóbia, que existe em países africanos pode levar a patologias urinárias como disúria/hematúria, nefropatias, câncer da bexiga.
  • 16. Outras formas de esquistossomose graves são as formas ectópicas cujas mais importantes são neurológicas que pode ser medular, conhecida como mielopatia esquistossomótica ou esquistossomose medular , ou cerebral, quando atingem o cérebro, existem também casos de esquistossomose ectópica na pele, pulmão, tuba uterina e outras vísceras.
  • 17.
  • 18.  PREVENÇÃO- O tratamento é feito com antiparasitários (praziquante ou oxamniquina) para matar o parasita dentro do corpo e dura 1 ou 2 dias. Em junho de 2012, a Fundação Oswaldo Cruz anunciou a criação de uma vacina contra a esquistossomose,utilizando a proteína sm14, que encontra-se em fase final de testes.
  • 19.  DEFINIÇÃO- Cólera é uma infecção do intestino delgado que provoca grande quantidade de diarreia aquosa.  CAUSA-Cólera é causada pela bactéria Vibrião colérico (Vibrio cholerae). A bactéria libera uma toxina que provoca maior liberação de água das células nos intestinos o que produz diarreia grave.
  • 20.  As pessoas são infectadas ao comer alimentos ou beber água contaminada.Um tipo de bactéria vibrião também foi associado a crustáceos, especialmente ostras cruas.  Fatores de risco incluem: 1. Exposição a água contaminada ou não tratada 2. Viver ou viajar para áreas em que haja cólera
  • 21.  SINTOMAS- Cólicas abdominais 1. Membranas das mucosas ou boca seca 2. Pele ressecada 3. Sede em excesso 4. Olhos fundos ou olhar vago 5. Falta de lágrimas 6. Letargia 7. Pouca micção
  • 22. 1. Náusea 2. Desidratação rápida 3. Pulso rápido (frequência cardíaca) 4. Pontos macios afundados (fontanelas) em bebês 5. Sonolência incomum ou cansaço 6. Vômitos 7. Diarreia aquosa que começa de repente e tem um odor de "peixe"
  • 23.  PREVENÇÃO- Os Centros de Controle eOs Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos não recomendam vacinas contra cólera para a maioria dos viajantes. (Essa vacina não está disponível nos Estados Unidos.)  Os viajantes sempre devem tomar precauções com alimentos e água, mesmo se vacinados.  Na ocorrência de epidemias de cólera, os esforços devem ser direcionados no sentido de garantir água limpa, alimento e saneamento, porque a vacinação não é muito eficiente no controle de epidemias.
  • 24.  CAUSA-A transmissão da enfermidade não é feita diretamente de uma pessoa para outra. Para isso, é necessário que o mosquito pique uma pessoa infectada e, após o vírus da febre amarela, (pertencente ao gênero Flavivirus, da família Flaviviridae) ter se multiplicado (9 a 12 dias), pique um indivíduo que ainda não teve a doença e não tenha sido vacinado. O vírus e a evolução clínica da doença são idênticos para os casos de febre amarela urbana e de febre amarela silvestre, diferenciando-se apenas o transmissor da doença
  • 25.  A febre amarela silvestre ocorre, principalmente, por intermédio de mosquitos do gênero Haemagogus. Uma vez infectado em área silvestre, a pessoa pode, ao retornar, servir como fonte de infecção para o Aedes aegypti (também vetor do dengue), principal transmissor da febre amarela
  • 26.  SINTOMAS- A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.
  • 27.  PREVENÇÃO- Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos.
  • 28.  Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.
  • 29. CRÉDITOS 1. Doença de Chagas- LUCCA TAOÃ 2. Esquistossomose- ALAN COELHO 3. Cólera- JOÃO VITOR TORRES 4. Febre Amarela- REBECA  FONTES- 1- Wikipédia 2- Wikipédia 3- www.minha vida.com.br 4- www.minhavida.com.br e www.bio.fiocruz.br