SlideShare uma empresa Scribd logo
Resíduos de serviço de saúde e
lixo hospitalar
Profª Enfª Raquel Olimpio Silva
Lixo ou resíduo hospitalar
O lixo hospitalar, também chamado de resíduo hospitalar e de Resíduo de
Serviços de Saúde (RSS), é todo tipo de lixo proveniente do atendimento a
pacientes ou de qualquer estabelecimento de saúde ou unidade que execute
atividades de natureza de atendimento médico, tanto para seres humanos
quanto para animais, assim como também pode ser encontrado em centros de
pesquisa e laboratórios de farmacologia.
Seja qual for a origem ou tipo, o RSS deve ser feito seguindo regras específicas
que evitem a contaminação.
Resíduo hospitalar
O resíduo hospitalar pode representar risco à saúde humana e ao meio
ambiente se não houver adoção de procedimentos técnicos adequados no
manejo dos diferentes tipos de lixo gerados. Alguns exemplos de lixo
hospitalar são: materiais biológicos contaminados com sangue ou patógenos,
peças anatômicas, seringas e outros materiais plásticos; além de uma grande
variedade de substâncias tóxicas, inflamáveis e até radioativas.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabeleceu regras nacionais
sobre acondicionamento e tratamento do lixo hospitalar gerado. O objetivo da
medida é evitar danos ao meio ambiente e prevenir acidentes que atinjam
profissionais que trabalham diretamente nos processos de coleta seletiva do
lixo hospitalar, bem como no armazenamento, transporte, tratamento e
destinação desses resíduos.
Resíduo hospitalar
A geração de resíduos esta interligada aos procedimentos desenvolvidos pelas
equipes de enfermagem, como o preparo e a administração de medicamentos e
assistência aos pacientes. Sendo assim, aperfeiçoar o profissional, com vistas a
uma melhor gestão destes resíduos é o melhor caminho para evitar
contaminação do ambiente hospitalar e para a saúde de todos os envolvidos no
processo.
Como é feito este descarte
Deve ser feito de maneira adequada, visto a quantidade de bactérias e vírus
(resíduos infectantes) que apresentam os quais podem levar ao contágio de
doenças infecciosas. Além disso, os remédios contêm sustâncias tóxicas e
radioativas que podem contaminar e alterar
A qualidade do solo e a água. Lembrando que, mesmo em casa, não devemos
descartar os medicamentos vencidos, pois segundo a coleta seletiva eles são
levados aos aterros sanitários, o que pode prejudicar a vida das Pessoas que
coletam o lixo, bem como contaminar a área.
Para tanto, seu destino deve ser realizado mediante uma coleta de lixo
hospitalar própria e realizada por caminhões específicos que os levam aos locais
para incineração, ou seja, para serem queimados em altas temperaturas. Além
da incineração, alguns casos são realizados o aterramento e a radiação.
Tipos de lixo hospitalar
De acordo com a Resolução RDC nº 33/03, os resíduos hospitalares são
classificados como:
Grupo A (potencialmente infectantes) – que tenham presença de agentes
biológicos que apresentem risco de infecção. Ex.: bolsas de sangue
contaminado;
Grupo B (químicos) – que contenham substâncias químicas capazes de causar
risco à saúde ou ao meio ambiente, independente de suas características
inflamáveis, de corrosividade, reatividade e toxicidade. Por exemplo,
medicamentos para tratamento de câncer, reagentes para laboratório e
substâncias para revelação de filmes de Raio-X;
Tipos de lixo hospitalar
• Grupo C (rejeitos radioativos) – materiais que contenham radioatividade em
carga acima do padrão e que não possam ser reutilizados, como exames de
medicina nuclear;
• Grupo D (resíduos comuns) – qualquer lixo hospitalar que não tenha sido
contaminado ou possa provocar acidentes, como: gesso, luvas, gazes,
materiais passíveis de reciclagem e papéis;
• Grupo E (perfurocortantes) – objetos e instrumentos que possam furar ou
cortar, como lâminas, bisturis, agulhas e ampolas de vidro.
Os Subgrupos
Os Subgrupos do Grupo A : Infectantes
• Grupo A1: Resíduos provenientes de manipulação de micro-organismos,
inoculação, manipulação genética, ampolas e frascos e todo material
envolvido em vacinação, materiais envolvidos em manipulação laboratorial,
material contendo sangue, bolsas de sangue ou contendo
hernocomponentes. Este resíduo deve ser acondicionado pelo gerador em
saco branco leitoso com símbolo de risco infectante.
• Grupo A2: Corresponde a carcaças, peças anatômicas, vísceras animais e
até mesmo animais que foram submetidos a processo de experimentação
com microrganismos que possam causar epidérmica. Como estes resíduos
possuem um alto grau de risco, devem ser acondicionados em sacos
vermelhos contendo símbolo de risco infectante.
Os Subgrupos
• Grupo A4: Kits de linha arteriais, filtros de ar e de gases aspirados de áreas
contaminadas, sobras de laboratório contendo fezes, urina e secreções, tecidos e
materiais utilizados em serviços de assistência å saúde humana ou animal, órgãos e
tecidos humanos, carcaças, peças anatômicas de animais, cadáveres de animais e
outros resíduos que não tenham contaminação ou mesmo suspeita de contaminação
com doença ou microrganismos de importância epidemiológica. Estes resíduos devem
ser acondicionados pelo gerador em sacos branco leitoso com símbolo de risco
• Grupo A5: Órgãos, tecidos, fluidos e todos os materiais envolvidos na saúde de
indivíduos Ou animais com suspeita ou certeza de contaminação por prions lagentes
infecciosos compostos por proteínas modificadas). Estes materiais devem ser
acondicionados pelo gerador em 2 sacos vermelhos (um dentro de outro) contendo
simbolo de risco infectante.
Os Cuidados de Enfermagem com os
Resíduos Hospitalares
• O primeiro cuidado que devemos ter no ambiente hospitalar é em relação a lavagem das mãos,
esse deve ser feito de forma rigorosa, pois trata tanto da prevenção da saúde do paciente quanto
do profissional. As mãos devem ser lavadas antes e após qualquer cuidado prestado a um paciente.
Lembrando que o uso da luva não exclui a necessidade de lavagem das mãos.
• Os cuidados com materiais contaminados é de extrema importância, pois visa a proteção do
profissional e auxilia também no controle de infecção hospitalar, devendo ser acondicionados em
locais apropriados.
• E importante o uso de máscaras e protetor ocular quando o paciente possa gerar respingos ou
aerossóis de secreções ou fluidos corporais durante o procedimento prestado.
• O uso do avental é para proteger o profissional da umidade das roupas durante atividades com o
paciente. A equipe de enfermagem também deve ter um cuidado especial com relação ao descarte
do lixo hospitalar, afim de prevenir acidentes e infecção. Lembrando que o lixo deve ser separado de
forma rigorosa, para cada classe existe um tipo de coleta e destinação, e necessário a identificação
com a respectiva simbologia e seu transporte deve ser realizado por profissionais capacitados e
Manejo
O manejo dos resíduos de serviços de saúde é o conjunto de ações voltadas ao
gerenciamento dos resíduos gerados. Deve focar os aspectos intra e extra
estabelecimento, indo desde a geração até a disposição final, incluindo as
seguintes etapas:
1 – Segregação Consiste na separação dos resíduos no momento e local de sua
geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, o seu estado
físico e os riscos envolvidos.
2 – Acondicionamento Consiste no ato de embalar os resíduos segregados, em
sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e
ruptura. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível
com a geração diária de cada tipo de resíduo.
Os resíduos sólidos devem ser acondicionados em sacos resistentes à ruptura e
vazamento e impermeáveis, de acordo com a NBR 9191/2000 da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Manejo
Deve ser respeitado o limite de peso de cada saco, além de ser proibido o seu
esvaziamento ou reaproveitamento.
Colocar os sacos em coletores de material lavável, resistente ao processo de
descontaminação utilizado pelo laboratório, com tampa provida de sistema de
abertura sem contato manual, e possuir cantos arredondados.
Os resíduos perfurocortantes devem ser acondicionados em recipientes
resistentes à punctura, ruptura e vazamento, e ao processo de
descontaminação utilizado pelo laboratório, com tampa provida de sistema de
abertura sem contato manual, e possuir cantos arredondados.
Os resíduos perfurocortantes devem ser acondicionados em recipientes
resistentes à punctura, ruptura e vazamento, e ao processo de
descontaminação utilizado pelo laboratório.
Manejo
3–Identificação
Esta etapa do manejo dos resíduos, permite o reconhecimento dos
resíduos contidos nos sacos e recipientes, fornecendo informações ao
correto manejo dos RSS.
Os sacos de acondicionamento, os recipientes de coleta interna e
externa, os recipientes de transporte interno e externo, e os locais de
armazenamento devem ser identificados de tal forma a permitir fácil
visualização, de forma indelével, utilizando-se símbolos, cores e frases,
atendendo aos parâmetros referendados na norma NBR 7.500 da
ABNT, além de outras exigências relacionadas à identificação de
conteúdo e ao risco específico de cada grupo de resíduos.
Manejo
4-Transporte Interno
Esta etapa consiste no translado dos resíduos dos pontos de geração até local destinado
ao armazenamento temporário ou armazenamento externo com a finalidade de
apresentação para a coleta.
O transporte interno de resíduos deve ser realizado atendendo roteiro previamente
definido e em horários não coincidentes com a distribuição de roupas, alimentos e
medicamentos, períodos de visita ou de maior fluxo de pessoas ou de atividades. Deve
ser feito separadamente de acordo com o grupo de resíduos e em recipientes
específicos a cada grupo de resíduos.
Os carros para transporte interno devem ser constituídos de material rígido, lavável,
impermeável, resistente ao processo de descontaminação determinado pelo
laboratório, provido de tampa articulada ao próprio corpo do equipamento, cantos e
bordas arredondados, e identificados com o símbolo correspondente ao risco do
resíduo neles contidos. Devem ser providos de rodas revestidas de material que reduza
o ruído.
Manejo
5-ArmazenamentoTemporário
Consiste na guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já
acondicionados, em local próximo aos pontos de geração, visando agilizar a coleta
dentro do estabelecimento e otimizar o deslocamento entre os pontos geradores e
o ponto destinado à apresentação para coleta externa. Não pode ser feito
armazenamento temporário com disposição direta dos sacos sobre o piso, sendo
obrigatória a conservação dos sacos em recipientes de acondicionamento.
O armazenamento temporário pode ser dispensado nos casos em que a distância
entre o ponto de geração e o armazenamento externo justifiquem.
Manejo
6–Tratamento
O tratamento preliminar consiste na descontaminação dos resíduos (desinfecção ou
esterilização) por meios físicos ou químicos, realizado em condições de segurança e
eficácia comprovada, no local de geração, a fim de modificar as características
químicas, físicas ou biológicas dos resíduos e promover a redução, a eliminação ou a
neutralização dos agentes nocivos à saúde humana, animal e ao ambiente.
7-Armazenamento Externo
Consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta
externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores.
Neste local não é permitido a manutenção dos sacos de resíduos fora dos
recipientes ali estacionados.
Manejo
8 – Coleta e Transporte Externos
Consistem na remoção dos RSS do abrigo de resíduos (armazenamento externo) até
a unidade de tratamento ou disposição final, utilizando-se técnicas que garantam a
preservação das condições de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores,
da população e do meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos
órgãos de limpeza urbana.
9 - Disposição Final
Consiste na disposição de resíduos no solo, previamente preparado para recebê-los,
obedecendo a critérios técnicos de construção e operação, e com licenciamento
ambiental de acordo com a Resolução CONAMA nº.237/97.
Plano de Gerenciamento (ações e objetivos)
Veja abaixo, modelo básico para a criação de um plano de gerenciamento com ações e objetivos
que o profissional de enfermagem deve desenvolver em seu ambiente de trabalho, juntamente com
todas as partes interessadas no processo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx

Gereciamento de residuos na area de saude grupo ii
Gereciamento de residuos na area de saude grupo iiGereciamento de residuos na area de saude grupo ii
Gereciamento de residuos na area de saude grupo ii
Tatiane Silva
 
AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
VanessaPereira757054
 
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdfRita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Andréia Silva
 
Resíduo hospitalar
Resíduo hospitalarResíduo hospitalar
Resíduo hospitalar
japa1994
 
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição  Ambiental - Tema Lixo HospitalarPoluição  Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Lukas Lima
 
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
MendesAanjossMeendes
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Cep 5 grss_2_cartilha
Cep 5 grss_2_cartilhaCep 5 grss_2_cartilha
Cep 5 grss_2_cartilha
Célia Bernardo
 
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador HospitalarGerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Fernanda Cabral
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
GABRIELA ELISE
 
Residuos hospitalares
Residuos hospitalares Residuos hospitalares
Residuos hospitalares
micaelaneves
 
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
TERCERIZADOS
 
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdfBIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BRENORIBEIRO49
 
Manual 0906
Manual 0906Manual 0906
Manual 0906
Lívia Oliveira
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdfBiossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
potgasAce
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
ojcn
 
Aula 03.pdf
Aula 03.pdfAula 03.pdf
Aula 03.pdf
ValldineyCruz
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
Raquel Braga
 
Regras gerais de segurança em laboratórios
Regras gerais de segurança em laboratóriosRegras gerais de segurança em laboratórios
Regras gerais de segurança em laboratórios
DanielVenicius
 

Semelhante a Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx (20)

Gereciamento de residuos na area de saude grupo ii
Gereciamento de residuos na area de saude grupo iiGereciamento de residuos na area de saude grupo ii
Gereciamento de residuos na area de saude grupo ii
 
AULA 13.pptx
AULA 13.pptxAULA 13.pptx
AULA 13.pptx
 
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdfRita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
Rita_congresso_biosseguranca_2016.pdf
 
Resíduo hospitalar
Resíduo hospitalarResíduo hospitalar
Resíduo hospitalar
 
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição  Ambiental - Tema Lixo HospitalarPoluição  Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
Poluição Ambiental - Tema Lixo Hospitalar
 
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
Classificação, coleta, transporte, armazenamento, tratamento e destino final ...
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Cep 5 grss_2_cartilha
Cep 5 grss_2_cartilhaCep 5 grss_2_cartilha
Cep 5 grss_2_cartilha
 
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador HospitalarGerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e Incinerador Hospitalar
 
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
PGRSS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS - Gabriela Elise / Enfermeira
 
Residuos hospitalares
Residuos hospitalares Residuos hospitalares
Residuos hospitalares
 
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543Procedimento  Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR  NOS FAZEMOS(11)98950 3543
Procedimento Limpeza CONDOMINIOS HOSPITALAR NOS FAZEMOS(11)98950 3543
 
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdfBIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
BIOSSEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS.pdf
 
Manual 0906
Manual 0906Manual 0906
Manual 0906
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdfBiossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
Biossegurança gerenciamento de residuos 1.pdf
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
Aula 03.pdf
Aula 03.pdfAula 03.pdf
Aula 03.pdf
 
Cartilha pgrssa
Cartilha pgrssaCartilha pgrssa
Cartilha pgrssa
 
Regras gerais de segurança em laboratórios
Regras gerais de segurança em laboratóriosRegras gerais de segurança em laboratórios
Regras gerais de segurança em laboratórios
 

Mais de RaquelOlimpio1

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdfAula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdfAula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdfAula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdfAula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdfAula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
RaquelOlimpio1
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
RaquelOlimpio1
 
Normas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptxNormas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptx
RaquelOlimpio1
 
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptxBiossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
RaquelOlimpio1
 
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptxApresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
RaquelOlimpio1
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
RaquelOlimpio1
 
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptxInfecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
RaquelOlimpio1
 
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptxpower concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
RaquelOlimpio1
 
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdfhigienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
RaquelOlimpio1
 
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdflimpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
RaquelOlimpio1
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
RaquelOlimpio1
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
RaquelOlimpio1
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
RaquelOlimpio1
 

Mais de RaquelOlimpio1 (20)

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
 
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdfAula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
Aula Unidades 3 - Erros de Medicacao.pdf
 
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdfAula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
Aula Unidade 1 - Mecanismos de Identificação de Pacientes Serviços de Saude.pdf
 
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdfAula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
Aula Unidade 1 - Prevencao de Lesão por Pressao.pdf
 
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdfAula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
Aula Unidade 4 - Processamento de Produtos para Saúde.pdf
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
 
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdfAula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
Aula Unidade 2 - Higiene das Mãos em Serviços de Saúde.pdf
 
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdfAula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
Aula Unidade 1 - Vigilância_notificação_ monitoramento e investigação.pdf
 
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptxDIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
DIA DOS POVOS INDÍGENAS trabalho desenvolvido por acadêmicas.pptx
 
Normas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptxNormas e técnica de descontaminação pptx
Normas e técnica de descontaminação pptx
 
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptxBiossegurança_20240506_120054_00000.pptx
Biossegurança_20240506_120054_00000.pptx
 
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptxApresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
Apresentação, normas e técnicas em segurança de acidente de trabalho.pptx
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
 
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptxInfecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
Infecção hospitalar, apresentação de discentes .pptx
 
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptxpower concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
power concorrente e terminal-higiene-230308141449-37a4b77c (2).pptx
 
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdfhigienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
higienemental5anosrgio-131023050654-phpapp01.pdf
 
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdflimpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
limpeza concorrente e limpeza terminal.pdf
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
 

Último

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 

Último (6)

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 

Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx

  • 1. Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar Profª Enfª Raquel Olimpio Silva
  • 2. Lixo ou resíduo hospitalar O lixo hospitalar, também chamado de resíduo hospitalar e de Resíduo de Serviços de Saúde (RSS), é todo tipo de lixo proveniente do atendimento a pacientes ou de qualquer estabelecimento de saúde ou unidade que execute atividades de natureza de atendimento médico, tanto para seres humanos quanto para animais, assim como também pode ser encontrado em centros de pesquisa e laboratórios de farmacologia. Seja qual for a origem ou tipo, o RSS deve ser feito seguindo regras específicas que evitem a contaminação.
  • 3. Resíduo hospitalar O resíduo hospitalar pode representar risco à saúde humana e ao meio ambiente se não houver adoção de procedimentos técnicos adequados no manejo dos diferentes tipos de lixo gerados. Alguns exemplos de lixo hospitalar são: materiais biológicos contaminados com sangue ou patógenos, peças anatômicas, seringas e outros materiais plásticos; além de uma grande variedade de substâncias tóxicas, inflamáveis e até radioativas. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabeleceu regras nacionais sobre acondicionamento e tratamento do lixo hospitalar gerado. O objetivo da medida é evitar danos ao meio ambiente e prevenir acidentes que atinjam profissionais que trabalham diretamente nos processos de coleta seletiva do lixo hospitalar, bem como no armazenamento, transporte, tratamento e destinação desses resíduos.
  • 4. Resíduo hospitalar A geração de resíduos esta interligada aos procedimentos desenvolvidos pelas equipes de enfermagem, como o preparo e a administração de medicamentos e assistência aos pacientes. Sendo assim, aperfeiçoar o profissional, com vistas a uma melhor gestão destes resíduos é o melhor caminho para evitar contaminação do ambiente hospitalar e para a saúde de todos os envolvidos no processo.
  • 5. Como é feito este descarte Deve ser feito de maneira adequada, visto a quantidade de bactérias e vírus (resíduos infectantes) que apresentam os quais podem levar ao contágio de doenças infecciosas. Além disso, os remédios contêm sustâncias tóxicas e radioativas que podem contaminar e alterar A qualidade do solo e a água. Lembrando que, mesmo em casa, não devemos descartar os medicamentos vencidos, pois segundo a coleta seletiva eles são levados aos aterros sanitários, o que pode prejudicar a vida das Pessoas que coletam o lixo, bem como contaminar a área. Para tanto, seu destino deve ser realizado mediante uma coleta de lixo hospitalar própria e realizada por caminhões específicos que os levam aos locais para incineração, ou seja, para serem queimados em altas temperaturas. Além da incineração, alguns casos são realizados o aterramento e a radiação.
  • 6. Tipos de lixo hospitalar De acordo com a Resolução RDC nº 33/03, os resíduos hospitalares são classificados como: Grupo A (potencialmente infectantes) – que tenham presença de agentes biológicos que apresentem risco de infecção. Ex.: bolsas de sangue contaminado; Grupo B (químicos) – que contenham substâncias químicas capazes de causar risco à saúde ou ao meio ambiente, independente de suas características inflamáveis, de corrosividade, reatividade e toxicidade. Por exemplo, medicamentos para tratamento de câncer, reagentes para laboratório e substâncias para revelação de filmes de Raio-X;
  • 7. Tipos de lixo hospitalar • Grupo C (rejeitos radioativos) – materiais que contenham radioatividade em carga acima do padrão e que não possam ser reutilizados, como exames de medicina nuclear; • Grupo D (resíduos comuns) – qualquer lixo hospitalar que não tenha sido contaminado ou possa provocar acidentes, como: gesso, luvas, gazes, materiais passíveis de reciclagem e papéis; • Grupo E (perfurocortantes) – objetos e instrumentos que possam furar ou cortar, como lâminas, bisturis, agulhas e ampolas de vidro.
  • 8. Os Subgrupos Os Subgrupos do Grupo A : Infectantes • Grupo A1: Resíduos provenientes de manipulação de micro-organismos, inoculação, manipulação genética, ampolas e frascos e todo material envolvido em vacinação, materiais envolvidos em manipulação laboratorial, material contendo sangue, bolsas de sangue ou contendo hernocomponentes. Este resíduo deve ser acondicionado pelo gerador em saco branco leitoso com símbolo de risco infectante. • Grupo A2: Corresponde a carcaças, peças anatômicas, vísceras animais e até mesmo animais que foram submetidos a processo de experimentação com microrganismos que possam causar epidérmica. Como estes resíduos possuem um alto grau de risco, devem ser acondicionados em sacos vermelhos contendo símbolo de risco infectante.
  • 9. Os Subgrupos • Grupo A4: Kits de linha arteriais, filtros de ar e de gases aspirados de áreas contaminadas, sobras de laboratório contendo fezes, urina e secreções, tecidos e materiais utilizados em serviços de assistência å saúde humana ou animal, órgãos e tecidos humanos, carcaças, peças anatômicas de animais, cadáveres de animais e outros resíduos que não tenham contaminação ou mesmo suspeita de contaminação com doença ou microrganismos de importância epidemiológica. Estes resíduos devem ser acondicionados pelo gerador em sacos branco leitoso com símbolo de risco • Grupo A5: Órgãos, tecidos, fluidos e todos os materiais envolvidos na saúde de indivíduos Ou animais com suspeita ou certeza de contaminação por prions lagentes infecciosos compostos por proteínas modificadas). Estes materiais devem ser acondicionados pelo gerador em 2 sacos vermelhos (um dentro de outro) contendo simbolo de risco infectante.
  • 10. Os Cuidados de Enfermagem com os Resíduos Hospitalares • O primeiro cuidado que devemos ter no ambiente hospitalar é em relação a lavagem das mãos, esse deve ser feito de forma rigorosa, pois trata tanto da prevenção da saúde do paciente quanto do profissional. As mãos devem ser lavadas antes e após qualquer cuidado prestado a um paciente. Lembrando que o uso da luva não exclui a necessidade de lavagem das mãos. • Os cuidados com materiais contaminados é de extrema importância, pois visa a proteção do profissional e auxilia também no controle de infecção hospitalar, devendo ser acondicionados em locais apropriados. • E importante o uso de máscaras e protetor ocular quando o paciente possa gerar respingos ou aerossóis de secreções ou fluidos corporais durante o procedimento prestado. • O uso do avental é para proteger o profissional da umidade das roupas durante atividades com o paciente. A equipe de enfermagem também deve ter um cuidado especial com relação ao descarte do lixo hospitalar, afim de prevenir acidentes e infecção. Lembrando que o lixo deve ser separado de forma rigorosa, para cada classe existe um tipo de coleta e destinação, e necessário a identificação com a respectiva simbologia e seu transporte deve ser realizado por profissionais capacitados e
  • 11. Manejo O manejo dos resíduos de serviços de saúde é o conjunto de ações voltadas ao gerenciamento dos resíduos gerados. Deve focar os aspectos intra e extra estabelecimento, indo desde a geração até a disposição final, incluindo as seguintes etapas: 1 – Segregação Consiste na separação dos resíduos no momento e local de sua geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, o seu estado físico e os riscos envolvidos. 2 – Acondicionamento Consiste no ato de embalar os resíduos segregados, em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam às ações de punctura e ruptura. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatível com a geração diária de cada tipo de resíduo. Os resíduos sólidos devem ser acondicionados em sacos resistentes à ruptura e vazamento e impermeáveis, de acordo com a NBR 9191/2000 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
  • 12. Manejo Deve ser respeitado o limite de peso de cada saco, além de ser proibido o seu esvaziamento ou reaproveitamento. Colocar os sacos em coletores de material lavável, resistente ao processo de descontaminação utilizado pelo laboratório, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, e possuir cantos arredondados. Os resíduos perfurocortantes devem ser acondicionados em recipientes resistentes à punctura, ruptura e vazamento, e ao processo de descontaminação utilizado pelo laboratório, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, e possuir cantos arredondados. Os resíduos perfurocortantes devem ser acondicionados em recipientes resistentes à punctura, ruptura e vazamento, e ao processo de descontaminação utilizado pelo laboratório.
  • 13. Manejo 3–Identificação Esta etapa do manejo dos resíduos, permite o reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e recipientes, fornecendo informações ao correto manejo dos RSS. Os sacos de acondicionamento, os recipientes de coleta interna e externa, os recipientes de transporte interno e externo, e os locais de armazenamento devem ser identificados de tal forma a permitir fácil visualização, de forma indelével, utilizando-se símbolos, cores e frases, atendendo aos parâmetros referendados na norma NBR 7.500 da ABNT, além de outras exigências relacionadas à identificação de conteúdo e ao risco específico de cada grupo de resíduos.
  • 14. Manejo 4-Transporte Interno Esta etapa consiste no translado dos resíduos dos pontos de geração até local destinado ao armazenamento temporário ou armazenamento externo com a finalidade de apresentação para a coleta. O transporte interno de resíduos deve ser realizado atendendo roteiro previamente definido e em horários não coincidentes com a distribuição de roupas, alimentos e medicamentos, períodos de visita ou de maior fluxo de pessoas ou de atividades. Deve ser feito separadamente de acordo com o grupo de resíduos e em recipientes específicos a cada grupo de resíduos. Os carros para transporte interno devem ser constituídos de material rígido, lavável, impermeável, resistente ao processo de descontaminação determinado pelo laboratório, provido de tampa articulada ao próprio corpo do equipamento, cantos e bordas arredondados, e identificados com o símbolo correspondente ao risco do resíduo neles contidos. Devem ser providos de rodas revestidas de material que reduza o ruído.
  • 15. Manejo 5-ArmazenamentoTemporário Consiste na guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já acondicionados, em local próximo aos pontos de geração, visando agilizar a coleta dentro do estabelecimento e otimizar o deslocamento entre os pontos geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta externa. Não pode ser feito armazenamento temporário com disposição direta dos sacos sobre o piso, sendo obrigatória a conservação dos sacos em recipientes de acondicionamento. O armazenamento temporário pode ser dispensado nos casos em que a distância entre o ponto de geração e o armazenamento externo justifiquem.
  • 16. Manejo 6–Tratamento O tratamento preliminar consiste na descontaminação dos resíduos (desinfecção ou esterilização) por meios físicos ou químicos, realizado em condições de segurança e eficácia comprovada, no local de geração, a fim de modificar as características químicas, físicas ou biológicas dos resíduos e promover a redução, a eliminação ou a neutralização dos agentes nocivos à saúde humana, animal e ao ambiente. 7-Armazenamento Externo Consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a realização da etapa de coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores. Neste local não é permitido a manutenção dos sacos de resíduos fora dos recipientes ali estacionados.
  • 17. Manejo 8 – Coleta e Transporte Externos Consistem na remoção dos RSS do abrigo de resíduos (armazenamento externo) até a unidade de tratamento ou disposição final, utilizando-se técnicas que garantam a preservação das condições de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores, da população e do meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de limpeza urbana. 9 - Disposição Final Consiste na disposição de resíduos no solo, previamente preparado para recebê-los, obedecendo a critérios técnicos de construção e operação, e com licenciamento ambiental de acordo com a Resolução CONAMA nº.237/97.
  • 18. Plano de Gerenciamento (ações e objetivos) Veja abaixo, modelo básico para a criação de um plano de gerenciamento com ações e objetivos que o profissional de enfermagem deve desenvolver em seu ambiente de trabalho, juntamente com todas as partes interessadas no processo.