SlideShare uma empresa Scribd logo
13/12/2014
1
Módulo: Cultivo do Algodão
Manejo da Cultura
Programa Jovem Aprendiz
Instrutor:Eng. Agr. Marcio Claro de Oliveira
Serviço Nacionalde
AprendizagemRural
CETEP
Bacia do Rio Grande
Barreiras - BA
Novembro, 2014
Introdução
• O algodoeiro diferencia-se das principais plantas
comercialmente cultivadas, por apresentar
hábito de crescimento indeterminado,
crescendo e produzindo, sempre que as
condições ambientais permitirem.
Introdução
• Originado em clima semi-árido, o algodoeiro
(Gossipyum hirsutum), hoje está adaptado ao
cultivo em locais que variam desde 500
milímetros a 3.000 milímetros de precipitação
pluviométrica anual, e a altitudes que variam
desde o nível do mar a 1.200 metros.
13/12/2014
2
Introdução
• Tem a característica de sobreviver em diferentes
ambientes, por isso, em condições de estresse,
ela pode abortar botões florais para ter outra
produção assim que as condições climáticas
forem satisfatórias para garantir a perpetuação
da espécie.
Introdução
• Como cresce o Algodoeiro:
• O algodoeiro apresenta quatro fases bem
distintas durante o seu desenvolvimento,
estabelecendo uma curva de crescimento até a
altura ideal, necessitando rigorosamente de
manejos para que possa expressar todo seu
potencial produtivo.
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
FASE I: Emergência
FASE II: Formaçãodo
Botão floral
FASE III: Florescimento a
Maça
FASE IV: Capulho a
Colheita
13/12/2014
3
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
FASE I: Emergência
FASE II: Formaçãodo
Botão floral
FASE III: Florescimento a
Maça
FASE IV: Capulho a
Colheita
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
13/12/2014
4
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
Introdução
Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
Ambiente do Algodoeiro
• TEMPERATURA:
• O algodoeiro para ter ambiente ótimo de
aproveitamento de umidade, evaporação e
transpiração, exige temperatura mínima média de
18°C.
• Quanto maior a amplitude entre a máxima e a
mínima, melhor a condição de produtividade.
13/12/2014
5
Ambiente do Algodoeiro
• TEMPERATURA:
• A planta cresce mais devagar a noite em temperatura
mais amena e com isso consegue acumular energia e
transferir às maçãs, apresentandomais peso.
• Ambiente com alta temperatura ocasiona a formação
da primeira maçã do baixeiro no quinto nó, sendo
que em ambiente de temperatura amena, a primeira
maçã do baixeiro pode estar localizada no sétimo ou
oitavonó.
Ambiente do Algodoeiro
FIGURA: Zonas dos frutos do algodoeiro e sua contribuição para produzir
30% de
rendimento
dependente
da variedade:
acima ou
abaixo
Floraçãoprecoce
Nós 14 - 17
Quarto cabeça de
alfinete + 10
Nós 10 - 12
Quarto cabeça de
alfinete
Nós 05 - 07
Nós produtivosmaisbaixos
dificultama colheita mecanizada.
Ambiente do Algodoeiro
• ÁGUA:
• A cultura não tolera ambiente excessivamente úmido,
porém é exigente em umidade, não suportando
longos períodos de estresses durante o ciclo,
necessitando no período após 15 nós ou pós-início de
florescimentode 8 a 12mm de água por dia.
13/12/2014
6
Ambiente do Algodoeiro
• ÁGUA:
• Havendo estresse pode ocasionar:
• Ciclo mais curto da cultura,
• Fibras imaturas,
• Baixo peso das maçãs,
• Poucas maçãs por planta e,
• Baixa produtividade.
Ambiente do Algodoeiro
• RADIAÇÃO SOLAR (INSOLAÇÃO):
• Para um ótimo aproveitamento, ela necessita de
densidade do fluxo de radiação de 1,4 cal/cm²/minuto
e mais de 100.000 lux de insolação,
• Ou seja, muita luz para ter o processamento ideal de
fotossíntese e a conversão em açúcar para formação
da celulose que irá causar a maturidade da fibra e
peso das maçãs.
Ambiente do Algodoeiro
• COMPACTAÇÃODO SOLO:
• A planta de algodãonão suporta solos compactados.
• Necessitade:
• Perfil descompactado,
• Arejado e corrigido,
• Para que seu sistema radicular possa se desenvolver,
explorar ao máximo os nutrientes e suprir a
demanda da planta.
13/12/2014
7
Ambiente do Algodoeiro
• CORREÇÃODO SOLO:
• O algodoeiro necessita, para ter boa produtividade
de:
• De um solo com perfil corigido de 0 a 40 cm de
profundidade,
• Com saturação de bases de 50 a 70% e seus
elementos balanceados em volume disponíveis.
Ambiente do Algodoeiro
• NUTRIENTES:
• A planta tem a característica de produzir inúmeras
estruturas de produção (botões florais), que podem
ser abortados40 a 50% do total.
• Porém, se conseguirmos 10 maçãs uniformes por
planta poderemos ter ótima produtividade.
Ambiente do Algodoeiro
• NUTRIENTES:
• Para cada tonelada de algodão em caroço:
• 50kg de Nitrogênio (N),
• 30kg de Fósforo (P),
• 40kg de Potássio (K).
13/12/2014
8
Ambiente do Algodoeiro
• NUTRIENTES:
• Quando na fase de enchimento das maçãs a planta
mostrar boa carga de frutos e, se não houver
nutrientes suficientes para suprir suas necessidades,
ela poderá apresentar senescência ou
envelhecimento precoce mostrando na área cultivada
plantas com: Manchas amareladas, avermelhadas ou
arroxeadas, que poderão produzir maçãs imaturas de
baixo peso.
• Espaçamentoe Densidade:
• FATORESa CONSIDERAR:
Cultivar;
Clima;
Fertilidade do solo (quantomais fértil, mais
produtivo);
Sistema de cultivo;
Sistema de colheita;
Plantio de Algodão
• Espaçamentoe Densidade:
• FATORESa CONSIDERAR:
70 cm a 1,0 m, com 8 a 12 plantas/ metro (depende
da altura da variedade);
População – 80 a 120 mil plantas/ Ha.
Altas populações – Queda de botões florais, flores,
frutosnovose apodrecimento defrutos;
Espaçamento pequeno – Aumenta a altura da
planta,diminuindo a produçãodos ramos baixeiros;
Plantio de Algodão
13/12/2014
9
b) Muito sensívelà temperatura:
Ideal (18 a 30°C);
Limites (14 e 40°C).
Plantio de Algodão
• Medidas para o vazio sanitário:
• Plantas voluntárias ou soqueiras devem ser eliminadas sempre
que presentes, seja antes, durante ou após o ciclo da cultura
principal.
• Para as culturas hospedeiras de pragas, o cronograma de cultivos é
uma recomendação, mas o monitoramento deverá ser
intensificado, commedidas de controle sempreque necessário.
• O objetivo é evitar a ponte verde para pragas infestantes e ele será
revisto anualmente,respeitandoa legislação vigente.
• As medidas valem para plantios de sequeiro e irrigado, porém
neste último, os produtores que cultivarem dentro do período do
vazio sanitário deverão atender condicionantes.
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
ANO/ MÊS
2014 2015
CULTURA/
SISTEMA
ALGODÃO
IRRIGADO
ALGODÃO
SEQUEIRO
JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN
31
31
9
9
10
5
Período de vazio sanitário
Período de plantio
Período de cultivo
FONTE: Programa fitossanitário da Bahia 2014/ 2015
Abapa, AIBA, Fundação BA.
Disponívelem: www.aiba.org.br
13/12/2014
10
• A resposta do algodoeiro em relação à
população de plantas é complexa e envolve
aspectos ecofisiológicos.
• Vários fatores influenciam na definição do
melhor espaçamento entre fileiras podendo-se
destacar: cultivar, clima, fertilidade do solo e
sistema de cultivo e colheita.
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
• O espaçamento adequado é aquele em que as
folhas das plantas devem cobrir toda a superfície
entre fileira na época do máximo florescimento,
sem haver entrelaçamentos entre elas.
• Como regra prática, com base em resultados de
pesquisas, sugere-se como espaçamento ideal,
aquele correspondente a 2/3 da altura das
plantas.
Plantio de Algodão
13/12/2014
11
• Alterações no espaçamento e na densidade de
plantio, induzem a uma série de modificações no
crescimentoe desenvolvimentodo algodoeiro.
• A altura das plantas, o diâmetro da haste principal, a
altura de inserção do primeiro ramo frutífero, o
número de ramos vegetativos e reprodutivos são
algumas das características morfológicas do
algodoeiro significativamente influenciadas pela
população de plantas.
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
• Essas características se correlacionam negativamente
com o aumento da população, exceto a altura de
inserção do primeiro ramo frutífero, que é maior em
condições de altas populações.
• Os componentes de produção como número de
capulhos por planta, peso de capulho e peso de 100
sementes, têm os seus valores reduzidos com o
aumento da população de plantas.
Plantio de Algodão
13/12/2014
12
• A produção de algodão em caroço é mais influenciada
pelo espaçamento entre fileiras e as características
tecnológicasda fibra, pela densidade.
• Geralmente, tem-se verificado uma tendência de
redução do espaçamento entre fileiras e aumento da
densidade de plantas.
• Entretanto, os resultados já obtidos permitem inferir
que, nem sempre a produtividade é maior numa
condiçãode alta população.
Plantio de Algodão
• A relação entre a produção de algodão e a população
de plantas depende das condições edafoclimáticas
nas quais a cultura se desenvolve.
• Assim, embora a redução do espaçamento entre
fileiras possa reduzir os custos de produção sem
alterar significativamente a produção de fibra, a
qualidade desta pode ser sensivelmentedeteriorada.
Plantio de Algodão
• Para as condições do cerrado da Bahia,
considerando-se as cultivares atualmente em
uso, a população de plantas deve estar entre
80.000 a 120.000 plantas/ha.
• O espaçamento entre fileiras deve ser de 0,80 a
0,90, com 8 a 12 plantas/m2
Plantio de Algodão
13/12/2014
13
Plantio de Algodão
• Na semeadurana mecanizada, sugere-se de 5 a 12 plantas
por metro linear, em função da fertilidade e da
disponibilidade de água no solo. Em condições de cerrado,
e em grandes plantios, indica-se usar semente deslintada,
grafitada, tratada e calibrar a semeadeira, para deixar cair
aproximadamente13 sementes/m.
• A prática do desbaste, recomendada para pequenos
produtores não se aplica às condições do cerrado. A
calibração da semeadeira deverá ser feita levando-se em
consideração, também, o teor de germinação e vigor da
semente.
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
Plantio direto sobre palha de miletoem nível.
13/12/2014
14
• Entende-se por espaçamento o intervalo entre duas fileiras, e,
densidade de plantio, o espaço deixado entre plantas dentro da
fileira de uma lavoura.
• O espaçamento e a densidade de plantio são aspectos
tecnológicos, que definem a população e o arranjo de plantas,
podendo interferir no rendimento e nas operações a serem
realizadas em uma lavoura.
• O espaçamentoe densidade de plantio baseiam-seem três fatores:
a) Disponibilidade de água no solo;
b) Fertilidade do solo e;
c) A presençada praga do bicudo.
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
Plantas duplas
espaço ≤ que 12 cm entre planta
Plantio de Algodão
Falhas: Espaço ≥ que 25 cm sem plantas
13/12/2014
15
Plantio de Algodão
Stand e uniformidade
Plantio de Algodão
Stand e uniformidade
Plantio de Algodão
Falha com mais de 60 cm
entreplantas
13/12/2014
16
Plantio de Algodão
Regiões com boa
distribuição deplantas
(15cm entre plantas)
15cm
Plantio de Algodão
Plantio de Algodão
Plantasduplas geralmenteseguidas de falhas
13/12/2014
17
Plantio de Algodão
Plantasmuitopróximas (Triplasou quádruplas)
Plantio de Algodão
Falhas de plantio
• Para o algodoeiro no cerrado, quando houver
condições de elevada disponibilidade de água e solos
férteis, recomenda-se o uso de populações mais
elevadas dentro da faixa ótima de 50 mil a 100 mil
plantas/ha.
• A população de plantas sugerida para o algodoeiro
nessas condições situa-se em torno de 80.000
plantas/ha. Variações de 25% para mais ou para
menos, não alteram significativamente o rendimento
de algodão em pluma.
Plantio de Algodão
13/12/2014
18
• A recomendação para espaçamento é de 0,76m a
0,90m entre fileiras e o número de plantas por metro
linear, dependerá da fertilidade do solo, da
disponibilidade de água e do hábito de crescimento
da cultivar. De maneira geral, em terras férteis este
número deverá ser maior.
• A mesma recomendação deve ser feita quando
do uso de cultivares de maior porte e no caso de
pouca disponibilidade de água no solo.
Plantio de Algodão
Tratos culturais
• Raleamento ou Desbaste: Deve ser realizada
deixando-se na cova as duas plantas mais
bonitas e sadias;
• Ou dez plantas por metro em linha (metro
linear), quando o plantio for realizado por
plantadeiras.
Tratos culturais
• Capinas: Como o algodoeiro possui crescimento
lento em relação ao mato ou erva daninha deve-
se manter a lavoura no limpo pelo menos nos
primeiros 60 dias após a germinação para que
não haja competição entre as plantas.
• A capina pode ser mecânica utilizando-se o
cultivador, a manual com auxilio da enxada e a
química através de herbicidas.
13/12/2014
19
Tratos culturais
• Manejo de Pragas e Doenças: Deve-se conhecer
as pragas, seus inimigos naturais e as doenças
que afetam o bom desenvolvimento da cultura,
para a partir disto, escolher qual o método mais
apropriado para o seu controle.
• Será abordado no Módulo Manejo
Fitossanitário.
Tratos culturais
• Desfolha: O algodoeiro, para ser bem colhido à
máquina, precisa estar desfolhado e com os
capulhos completamente abertos.
• Propiciam aeração, seca rápida dos capulhos,
redução de podridão de maçãs, redução de
população de insetos (afídeos, mosca branca,
bicudo, etc.) e melhora a qualidade do algodão
colhido.
Tratos culturais
• Como principais vantagens da desfolha, temos:
- A colheitadeira mecânica faz um trabalho melhor. O algodão
em caroço é colhido com menor porcentagem de sujeira, sem
manchas verdesdas folhas e menor teor de umidade;
- Eleva rapidamente a abertura das maçãs, apressando e
encurtandoo tempo de colheita;
- Reduz o apodrecimento das maçãs pela maior penetração de
ar e luz;
- Facilita a visibilidade do operador da colheitadeira para
manter a máquina sobre as fileiras de plantas, diminuindo as
perdas de campo.
13/12/2014
20
Tratos culturais
• Para a aplicação do desfolhante, as maçãs devem se
encontrar completamente desenvolvidas, ocorrendo
quando:
- Apresentar-se firme ao ser pressionada entre os
dedos;
- Não deve ser facilmente cortada em fatias com faca
afiada. As fibras devem sair enroladas.
- As sementesjá tenham perdido sua cor clara.
Tratos culturais
• O desfolhante deve ser aplicado, no mínimo 10 dias e no
máximo 20 dias antes de entrar com a colheitadeira, sendo
a colheita realizada imediatamente após a queda das
folhas, evitando-se os inconvenientesda rebrota.
• As condições para uma boa desfolha são:
- Temperatura média acima de 18oC;
- Plantas completamente desenvolvidas, mas ativas e com
maçãs tambémdesenvolvidas;
- Lavoura livre de ervas daninhas;
- Adubaçõesadequadas, mas não excessivas.
Tratos culturais
• Os desfolhantes podem ser específicos (produzem
queda da folha antes dela secar) e herbicidas (causam
morte da folha que permanece ligada à planta).
• Desfolhar é derrubar todas as folhas.
a) Não pode ter folhas no momento da colheita, porque
diminui demais a qualidade da fibra;
b) Aplica-se o desfolhante quando estiver 80% dos
capulhos abertos;
13/12/2014
21
Tratos culturais
• Desfolhantes:
- Produtos DEF (concentrado emulsionável com 70,4%
de fosforotritionato de tributila).
-aFolex (concentrado emulsionável com 75% de
fosforotritionato de tributila).
- Os desfolhantes etephon, dimethipin thidiazuron,
outros devem ser aplicados quando 60 a 70% dos
capulhos já estiverem abertos e sua ação dá-se em 8 a
15 dias.
Tratos culturais
• Desfolhantes:
• Desfolhanteespecífico:
• (DROPP – Thidiazuron“uréias”);
• São mais aconselháveis, pois após a absorção pelas
folhas, agem na região de inserção provocando sua
morte e queda.
• Dosagens: 0,125 – 0,2Kg/ ha; 60 a 80% das maçãs
abertas.
Tratos culturais
• Desfolhantes:
• Herbicidas:
• (Glyphosateou Paraquat);
• Secam as folhas que permanecem presas
prejudicandoo tipo do algodão.
• Dosagens: Glyphosate – 1,0 a 2,0l/ ha, e Paraquat –
1,0 a 2,5l/ ha, 70 a 80% das maçãs abertas.
13/12/2014
22
Tratos culturais
• Reguladores de crescimento:
A manipulação da arquitetura da planta do algodoeiro através de
biorreguladores de crescimento é uma estratégia agronômica
que visa o incremento da produção e maior eficiência no uso de
defensivos e na colheita.
Reguladores de crescimento são compostos sintéticos que
atuam no metabolismo da planta inibindo a síntese dos
hormônios de crescimento (auxinas, giberelinas, citocininas,
etileno e ácido abissísico).
Tratos culturais
• Reguladores de crescimento: São utilizados para
facilitar os tratos culturais e a colheita
mecanizada.
a) São inibidores do alongamento celular;
b) Existem fatores do meio que promovem
excessivo crescimento vegetativo, que implicam
em efeitos negativos sobre a produção.
Tratos culturais
• DEPENDEM:
1) População de plantas – altas populações,fazem aplicação;
2) Cultivar altas deve fazer aplicação;
3) Época de semeadura;
4) Temperatura;
5) Formade aplicação;
6) Época de aplicação;
7) Dose;
8) Adubação nitrogenada.
13/12/2014
23
Tratos culturais
• TOMADA DE DECISÃO:
1) Fertilidade do solo;
2) Condições climáticas(um dos principais fatores);
3) Cultivar;
4) População de plantas.
LIGADOS AO CRESCIMENTODA PLANTA.
Tratos culturais
• Recomendar em condições favoráveis ao
crescimento;
• Não se recomenda em casos de plantas
estressadas;
• ????????????????
• Porque ela sozinha regula seu crescimento.
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Mepiquat 5% (PIX):
- Dose geral de aplicação: 1,0 l/ ha;
- Época de aplicação: Ao contar de 6 a 8 flores/
10m lineares ou dividir a aplicação em 3 ou 4,
aplicando ⅓ ou ¼ na fase de botão cabeça de
fósforo, e as restantes em intervalos de 7 a 14 dias;
13/12/2014
24
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Mepiquat 5% (PIX):
• Técnicas de aplicação:
- Via terrestre: 200 l de calda/ ha;
- Via aérea: 40 a 50 l de calda/ ha.
- Características: Redução de crescimento de ramos
vegetativos em torno de 60% e de ramos laterais em
20%; aumento de produtividade em até 20% e
antecipaçãoda colheita de 8 a 15 dias.
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Chlormequat (CYCOCEL):
- Dose geral de aplicação: 0,5l/ ha;
- Época de aplicação: Quando as plantas estiverem
com 1,0 a 1,2m de altura ou entre 50 a 70 dias
após emergência;
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Chlormequat (CYCOCEL):
- Características: Favorece a precocidade de
colheita, podendo reduzir uma geração do Bicudo;
permite o cultivo em altas densidades de plantio,
com acréscimo de rendimento e propicia redução
de altura em até 17%.
13/12/2014
25
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Clorocolina(TUVAL):
- Dose geral de aplicação: 1,0l/ ha;
- Época de aplicação: Quando as plantas estiverem
com mais de 50cm de altura ou entre 55 e 60 dias
após emergência;
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• Cloretode Clorocolina(TUVAL):
- Características: Favorece a precocidade de
colheita, podendo reduzir uma geração do Bicudo;
permite o cultivo em altas densidades de plantio,
com acréscimo de rendimento e propicia redução
de altura em até 17%.
Tratos culturais
• PRODUTOS:
• OBS. Em ambos “TUVAL E CYCOCEL”, a
porcentagem de pluma é reduzida se a dose for
aplicada de uma só vez.
• Nenhum desses produtos deve ser aplicado em
lavouras submetidas a qualquer tipo de
estresse.
13/12/2014
26
Tratos culturais
• PARCELAMENTO: Depende das condições climáticas,
principalmente das condições de chuva. Os intervalos de
aplicação são bastante variados entre 8 a 30 dias,
observando as condições de crescimentoda planta.
• EXEMPLO:
- Em 4 vezes – 10%, 20%, 30%, 40%;
- Em 3 vezes – 25%, 35%, 40%;
- Primeiraaplicação entre25 a 35 dias – 8º nó;
- Pode ser junto com a primeira aplicação de “N”.
Tratos culturais
• Após 7 a 15 dias da aplicação as folhas começam a cair, a
depender das condições do clima.
• Condições essenciais para a ação dos desfolhantes:
- T° C diurnas >27°C;
- T° C noturnas >10°C;
- Coberturacompleta da folhagem;
- Temposeco;
- Utilização de gotas grandes (bicos cônicos);
- Umidade do solo moderadae pouco vento.
Tratos culturais
Ação dos
maturadores
Ação dos
dessecantes
13/12/2014
27
MUITO OBRIGADO!!!
Marcio Claro de Oliveira,
Eng. Agr. CREA/BA 60323
marcio_claro@agronomo.eng.br
marcio_claro@hotmail.com
(77) 9800-8883 / 8126-6198

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
Geagra UFG
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Geagra UFG
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
Alexandre Panerai
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
Geagra UFG
 
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
CETEP, FTC, FASA..
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotonicultura
Geagra UFG
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
Denifer Teixeira
 
Plantio Direto sem herbicidas
Plantio Direto sem herbicidasPlantio Direto sem herbicidas
Plantio Direto sem herbicidas
Marcelo Venturi
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Rikardy Tooge
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Apresentação 12
Apresentação 12Apresentação 12
Apresentação 12
Andrei Sampedro
 
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Mais procurados (20)

Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
 
Plantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassolPlantio e adubação do girassol
Plantio e adubação do girassol
 
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotonicultura
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Plantio Direto sem herbicidas
Plantio Direto sem herbicidasPlantio Direto sem herbicidas
Plantio Direto sem herbicidas
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Apresentação 12
Apresentação 12Apresentação 12
Apresentação 12
 
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas Conservação e Preservação de plantas agrícolas
Conservação e Preservação de plantas agrícolas
 

Destaque

Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No BrasilProducao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
PEDRO PACHECO
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
AlgodãoAlgodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Geagra UFG
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
Marcos Ferreira
 
Apresentaãão algodão-1.pptx
Apresentaãão   algodão-1.pptxApresentaãão   algodão-1.pptx
Apresentaãão algodão-1.pptx
Jessyca Maia
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiro
netoneves
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 

Destaque (10)

Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No BrasilProducao  De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
Producao De Algodao Organico, Colorido E Transgenico No Brasil
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
 
Apresentaãão algodão-1.pptx
Apresentaãão   algodão-1.pptxApresentaãão   algodão-1.pptx
Apresentaãão algodão-1.pptx
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiro
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 

Semelhante a 01 módulo manejo_da_cultura_algodão

Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento			 			Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento
Geagra UFG
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
MilenaAlmeida74
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
Killer Max
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
LUCIANOMAURCIOBEZERR3
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
Sementes Agromax Ltda
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
leneschabbach
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
Portal Canal Rural
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
EduardaAmaral11
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
pauloweimann
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
Lenildo Araujo
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
delvairluiz
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
CarlosEvaristo5
 
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmoBruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Luis Travassos
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
Portal Canal Rural
 
GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
Agricultura Sao Paulo
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
James Nascimento
 

Semelhante a 01 módulo manejo_da_cultura_algodão (20)

Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento			 			Sorgo: Colheita e beneficiamento
Sorgo: Colheita e beneficiamento
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdfGreen Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
Green Simple Healthy Lifestyle Presentation_20231002_175546_0000.pdf
 
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmoBruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
Bruxelas dá ao arroz do baixo mondego telmo
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
GR junho2018
GR junho2018GR junho2018
GR junho2018
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Pimentão apresentação
Pimentão   apresentaçãoPimentão   apresentação
Pimentão apresentação
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 

01 módulo manejo_da_cultura_algodão

  • 1. 13/12/2014 1 Módulo: Cultivo do Algodão Manejo da Cultura Programa Jovem Aprendiz Instrutor:Eng. Agr. Marcio Claro de Oliveira Serviço Nacionalde AprendizagemRural CETEP Bacia do Rio Grande Barreiras - BA Novembro, 2014 Introdução • O algodoeiro diferencia-se das principais plantas comercialmente cultivadas, por apresentar hábito de crescimento indeterminado, crescendo e produzindo, sempre que as condições ambientais permitirem. Introdução • Originado em clima semi-árido, o algodoeiro (Gossipyum hirsutum), hoje está adaptado ao cultivo em locais que variam desde 500 milímetros a 3.000 milímetros de precipitação pluviométrica anual, e a altitudes que variam desde o nível do mar a 1.200 metros.
  • 2. 13/12/2014 2 Introdução • Tem a característica de sobreviver em diferentes ambientes, por isso, em condições de estresse, ela pode abortar botões florais para ter outra produção assim que as condições climáticas forem satisfatórias para garantir a perpetuação da espécie. Introdução • Como cresce o Algodoeiro: • O algodoeiro apresenta quatro fases bem distintas durante o seu desenvolvimento, estabelecendo uma curva de crescimento até a altura ideal, necessitando rigorosamente de manejos para que possa expressar todo seu potencial produtivo. Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro: FASE I: Emergência FASE II: Formaçãodo Botão floral FASE III: Florescimento a Maça FASE IV: Capulho a Colheita
  • 3. 13/12/2014 3 Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro: FASE I: Emergência FASE II: Formaçãodo Botão floral FASE III: Florescimento a Maça FASE IV: Capulho a Colheita Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro: Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro:
  • 4. 13/12/2014 4 Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro: Introdução Fases de Desenvolvimentodo Algodoeiro: Ambiente do Algodoeiro • TEMPERATURA: • O algodoeiro para ter ambiente ótimo de aproveitamento de umidade, evaporação e transpiração, exige temperatura mínima média de 18°C. • Quanto maior a amplitude entre a máxima e a mínima, melhor a condição de produtividade.
  • 5. 13/12/2014 5 Ambiente do Algodoeiro • TEMPERATURA: • A planta cresce mais devagar a noite em temperatura mais amena e com isso consegue acumular energia e transferir às maçãs, apresentandomais peso. • Ambiente com alta temperatura ocasiona a formação da primeira maçã do baixeiro no quinto nó, sendo que em ambiente de temperatura amena, a primeira maçã do baixeiro pode estar localizada no sétimo ou oitavonó. Ambiente do Algodoeiro FIGURA: Zonas dos frutos do algodoeiro e sua contribuição para produzir 30% de rendimento dependente da variedade: acima ou abaixo Floraçãoprecoce Nós 14 - 17 Quarto cabeça de alfinete + 10 Nós 10 - 12 Quarto cabeça de alfinete Nós 05 - 07 Nós produtivosmaisbaixos dificultama colheita mecanizada. Ambiente do Algodoeiro • ÁGUA: • A cultura não tolera ambiente excessivamente úmido, porém é exigente em umidade, não suportando longos períodos de estresses durante o ciclo, necessitando no período após 15 nós ou pós-início de florescimentode 8 a 12mm de água por dia.
  • 6. 13/12/2014 6 Ambiente do Algodoeiro • ÁGUA: • Havendo estresse pode ocasionar: • Ciclo mais curto da cultura, • Fibras imaturas, • Baixo peso das maçãs, • Poucas maçãs por planta e, • Baixa produtividade. Ambiente do Algodoeiro • RADIAÇÃO SOLAR (INSOLAÇÃO): • Para um ótimo aproveitamento, ela necessita de densidade do fluxo de radiação de 1,4 cal/cm²/minuto e mais de 100.000 lux de insolação, • Ou seja, muita luz para ter o processamento ideal de fotossíntese e a conversão em açúcar para formação da celulose que irá causar a maturidade da fibra e peso das maçãs. Ambiente do Algodoeiro • COMPACTAÇÃODO SOLO: • A planta de algodãonão suporta solos compactados. • Necessitade: • Perfil descompactado, • Arejado e corrigido, • Para que seu sistema radicular possa se desenvolver, explorar ao máximo os nutrientes e suprir a demanda da planta.
  • 7. 13/12/2014 7 Ambiente do Algodoeiro • CORREÇÃODO SOLO: • O algodoeiro necessita, para ter boa produtividade de: • De um solo com perfil corigido de 0 a 40 cm de profundidade, • Com saturação de bases de 50 a 70% e seus elementos balanceados em volume disponíveis. Ambiente do Algodoeiro • NUTRIENTES: • A planta tem a característica de produzir inúmeras estruturas de produção (botões florais), que podem ser abortados40 a 50% do total. • Porém, se conseguirmos 10 maçãs uniformes por planta poderemos ter ótima produtividade. Ambiente do Algodoeiro • NUTRIENTES: • Para cada tonelada de algodão em caroço: • 50kg de Nitrogênio (N), • 30kg de Fósforo (P), • 40kg de Potássio (K).
  • 8. 13/12/2014 8 Ambiente do Algodoeiro • NUTRIENTES: • Quando na fase de enchimento das maçãs a planta mostrar boa carga de frutos e, se não houver nutrientes suficientes para suprir suas necessidades, ela poderá apresentar senescência ou envelhecimento precoce mostrando na área cultivada plantas com: Manchas amareladas, avermelhadas ou arroxeadas, que poderão produzir maçãs imaturas de baixo peso. • Espaçamentoe Densidade: • FATORESa CONSIDERAR: Cultivar; Clima; Fertilidade do solo (quantomais fértil, mais produtivo); Sistema de cultivo; Sistema de colheita; Plantio de Algodão • Espaçamentoe Densidade: • FATORESa CONSIDERAR: 70 cm a 1,0 m, com 8 a 12 plantas/ metro (depende da altura da variedade); População – 80 a 120 mil plantas/ Ha. Altas populações – Queda de botões florais, flores, frutosnovose apodrecimento defrutos; Espaçamento pequeno – Aumenta a altura da planta,diminuindo a produçãodos ramos baixeiros; Plantio de Algodão
  • 9. 13/12/2014 9 b) Muito sensívelà temperatura: Ideal (18 a 30°C); Limites (14 e 40°C). Plantio de Algodão • Medidas para o vazio sanitário: • Plantas voluntárias ou soqueiras devem ser eliminadas sempre que presentes, seja antes, durante ou após o ciclo da cultura principal. • Para as culturas hospedeiras de pragas, o cronograma de cultivos é uma recomendação, mas o monitoramento deverá ser intensificado, commedidas de controle sempreque necessário. • O objetivo é evitar a ponte verde para pragas infestantes e ele será revisto anualmente,respeitandoa legislação vigente. • As medidas valem para plantios de sequeiro e irrigado, porém neste último, os produtores que cultivarem dentro do período do vazio sanitário deverão atender condicionantes. Plantio de Algodão Plantio de Algodão ANO/ MÊS 2014 2015 CULTURA/ SISTEMA ALGODÃO IRRIGADO ALGODÃO SEQUEIRO JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN 31 31 9 9 10 5 Período de vazio sanitário Período de plantio Período de cultivo FONTE: Programa fitossanitário da Bahia 2014/ 2015 Abapa, AIBA, Fundação BA. Disponívelem: www.aiba.org.br
  • 10. 13/12/2014 10 • A resposta do algodoeiro em relação à população de plantas é complexa e envolve aspectos ecofisiológicos. • Vários fatores influenciam na definição do melhor espaçamento entre fileiras podendo-se destacar: cultivar, clima, fertilidade do solo e sistema de cultivo e colheita. Plantio de Algodão Plantio de Algodão • O espaçamento adequado é aquele em que as folhas das plantas devem cobrir toda a superfície entre fileira na época do máximo florescimento, sem haver entrelaçamentos entre elas. • Como regra prática, com base em resultados de pesquisas, sugere-se como espaçamento ideal, aquele correspondente a 2/3 da altura das plantas. Plantio de Algodão
  • 11. 13/12/2014 11 • Alterações no espaçamento e na densidade de plantio, induzem a uma série de modificações no crescimentoe desenvolvimentodo algodoeiro. • A altura das plantas, o diâmetro da haste principal, a altura de inserção do primeiro ramo frutífero, o número de ramos vegetativos e reprodutivos são algumas das características morfológicas do algodoeiro significativamente influenciadas pela população de plantas. Plantio de Algodão Plantio de Algodão • Essas características se correlacionam negativamente com o aumento da população, exceto a altura de inserção do primeiro ramo frutífero, que é maior em condições de altas populações. • Os componentes de produção como número de capulhos por planta, peso de capulho e peso de 100 sementes, têm os seus valores reduzidos com o aumento da população de plantas. Plantio de Algodão
  • 12. 13/12/2014 12 • A produção de algodão em caroço é mais influenciada pelo espaçamento entre fileiras e as características tecnológicasda fibra, pela densidade. • Geralmente, tem-se verificado uma tendência de redução do espaçamento entre fileiras e aumento da densidade de plantas. • Entretanto, os resultados já obtidos permitem inferir que, nem sempre a produtividade é maior numa condiçãode alta população. Plantio de Algodão • A relação entre a produção de algodão e a população de plantas depende das condições edafoclimáticas nas quais a cultura se desenvolve. • Assim, embora a redução do espaçamento entre fileiras possa reduzir os custos de produção sem alterar significativamente a produção de fibra, a qualidade desta pode ser sensivelmentedeteriorada. Plantio de Algodão • Para as condições do cerrado da Bahia, considerando-se as cultivares atualmente em uso, a população de plantas deve estar entre 80.000 a 120.000 plantas/ha. • O espaçamento entre fileiras deve ser de 0,80 a 0,90, com 8 a 12 plantas/m2 Plantio de Algodão
  • 13. 13/12/2014 13 Plantio de Algodão • Na semeadurana mecanizada, sugere-se de 5 a 12 plantas por metro linear, em função da fertilidade e da disponibilidade de água no solo. Em condições de cerrado, e em grandes plantios, indica-se usar semente deslintada, grafitada, tratada e calibrar a semeadeira, para deixar cair aproximadamente13 sementes/m. • A prática do desbaste, recomendada para pequenos produtores não se aplica às condições do cerrado. A calibração da semeadeira deverá ser feita levando-se em consideração, também, o teor de germinação e vigor da semente. Plantio de Algodão Plantio de Algodão Plantio direto sobre palha de miletoem nível.
  • 14. 13/12/2014 14 • Entende-se por espaçamento o intervalo entre duas fileiras, e, densidade de plantio, o espaço deixado entre plantas dentro da fileira de uma lavoura. • O espaçamento e a densidade de plantio são aspectos tecnológicos, que definem a população e o arranjo de plantas, podendo interferir no rendimento e nas operações a serem realizadas em uma lavoura. • O espaçamentoe densidade de plantio baseiam-seem três fatores: a) Disponibilidade de água no solo; b) Fertilidade do solo e; c) A presençada praga do bicudo. Plantio de Algodão Plantio de Algodão Plantas duplas espaço ≤ que 12 cm entre planta Plantio de Algodão Falhas: Espaço ≥ que 25 cm sem plantas
  • 15. 13/12/2014 15 Plantio de Algodão Stand e uniformidade Plantio de Algodão Stand e uniformidade Plantio de Algodão Falha com mais de 60 cm entreplantas
  • 16. 13/12/2014 16 Plantio de Algodão Regiões com boa distribuição deplantas (15cm entre plantas) 15cm Plantio de Algodão Plantio de Algodão Plantasduplas geralmenteseguidas de falhas
  • 17. 13/12/2014 17 Plantio de Algodão Plantasmuitopróximas (Triplasou quádruplas) Plantio de Algodão Falhas de plantio • Para o algodoeiro no cerrado, quando houver condições de elevada disponibilidade de água e solos férteis, recomenda-se o uso de populações mais elevadas dentro da faixa ótima de 50 mil a 100 mil plantas/ha. • A população de plantas sugerida para o algodoeiro nessas condições situa-se em torno de 80.000 plantas/ha. Variações de 25% para mais ou para menos, não alteram significativamente o rendimento de algodão em pluma. Plantio de Algodão
  • 18. 13/12/2014 18 • A recomendação para espaçamento é de 0,76m a 0,90m entre fileiras e o número de plantas por metro linear, dependerá da fertilidade do solo, da disponibilidade de água e do hábito de crescimento da cultivar. De maneira geral, em terras férteis este número deverá ser maior. • A mesma recomendação deve ser feita quando do uso de cultivares de maior porte e no caso de pouca disponibilidade de água no solo. Plantio de Algodão Tratos culturais • Raleamento ou Desbaste: Deve ser realizada deixando-se na cova as duas plantas mais bonitas e sadias; • Ou dez plantas por metro em linha (metro linear), quando o plantio for realizado por plantadeiras. Tratos culturais • Capinas: Como o algodoeiro possui crescimento lento em relação ao mato ou erva daninha deve- se manter a lavoura no limpo pelo menos nos primeiros 60 dias após a germinação para que não haja competição entre as plantas. • A capina pode ser mecânica utilizando-se o cultivador, a manual com auxilio da enxada e a química através de herbicidas.
  • 19. 13/12/2014 19 Tratos culturais • Manejo de Pragas e Doenças: Deve-se conhecer as pragas, seus inimigos naturais e as doenças que afetam o bom desenvolvimento da cultura, para a partir disto, escolher qual o método mais apropriado para o seu controle. • Será abordado no Módulo Manejo Fitossanitário. Tratos culturais • Desfolha: O algodoeiro, para ser bem colhido à máquina, precisa estar desfolhado e com os capulhos completamente abertos. • Propiciam aeração, seca rápida dos capulhos, redução de podridão de maçãs, redução de população de insetos (afídeos, mosca branca, bicudo, etc.) e melhora a qualidade do algodão colhido. Tratos culturais • Como principais vantagens da desfolha, temos: - A colheitadeira mecânica faz um trabalho melhor. O algodão em caroço é colhido com menor porcentagem de sujeira, sem manchas verdesdas folhas e menor teor de umidade; - Eleva rapidamente a abertura das maçãs, apressando e encurtandoo tempo de colheita; - Reduz o apodrecimento das maçãs pela maior penetração de ar e luz; - Facilita a visibilidade do operador da colheitadeira para manter a máquina sobre as fileiras de plantas, diminuindo as perdas de campo.
  • 20. 13/12/2014 20 Tratos culturais • Para a aplicação do desfolhante, as maçãs devem se encontrar completamente desenvolvidas, ocorrendo quando: - Apresentar-se firme ao ser pressionada entre os dedos; - Não deve ser facilmente cortada em fatias com faca afiada. As fibras devem sair enroladas. - As sementesjá tenham perdido sua cor clara. Tratos culturais • O desfolhante deve ser aplicado, no mínimo 10 dias e no máximo 20 dias antes de entrar com a colheitadeira, sendo a colheita realizada imediatamente após a queda das folhas, evitando-se os inconvenientesda rebrota. • As condições para uma boa desfolha são: - Temperatura média acima de 18oC; - Plantas completamente desenvolvidas, mas ativas e com maçãs tambémdesenvolvidas; - Lavoura livre de ervas daninhas; - Adubaçõesadequadas, mas não excessivas. Tratos culturais • Os desfolhantes podem ser específicos (produzem queda da folha antes dela secar) e herbicidas (causam morte da folha que permanece ligada à planta). • Desfolhar é derrubar todas as folhas. a) Não pode ter folhas no momento da colheita, porque diminui demais a qualidade da fibra; b) Aplica-se o desfolhante quando estiver 80% dos capulhos abertos;
  • 21. 13/12/2014 21 Tratos culturais • Desfolhantes: - Produtos DEF (concentrado emulsionável com 70,4% de fosforotritionato de tributila). -aFolex (concentrado emulsionável com 75% de fosforotritionato de tributila). - Os desfolhantes etephon, dimethipin thidiazuron, outros devem ser aplicados quando 60 a 70% dos capulhos já estiverem abertos e sua ação dá-se em 8 a 15 dias. Tratos culturais • Desfolhantes: • Desfolhanteespecífico: • (DROPP – Thidiazuron“uréias”); • São mais aconselháveis, pois após a absorção pelas folhas, agem na região de inserção provocando sua morte e queda. • Dosagens: 0,125 – 0,2Kg/ ha; 60 a 80% das maçãs abertas. Tratos culturais • Desfolhantes: • Herbicidas: • (Glyphosateou Paraquat); • Secam as folhas que permanecem presas prejudicandoo tipo do algodão. • Dosagens: Glyphosate – 1,0 a 2,0l/ ha, e Paraquat – 1,0 a 2,5l/ ha, 70 a 80% das maçãs abertas.
  • 22. 13/12/2014 22 Tratos culturais • Reguladores de crescimento: A manipulação da arquitetura da planta do algodoeiro através de biorreguladores de crescimento é uma estratégia agronômica que visa o incremento da produção e maior eficiência no uso de defensivos e na colheita. Reguladores de crescimento são compostos sintéticos que atuam no metabolismo da planta inibindo a síntese dos hormônios de crescimento (auxinas, giberelinas, citocininas, etileno e ácido abissísico). Tratos culturais • Reguladores de crescimento: São utilizados para facilitar os tratos culturais e a colheita mecanizada. a) São inibidores do alongamento celular; b) Existem fatores do meio que promovem excessivo crescimento vegetativo, que implicam em efeitos negativos sobre a produção. Tratos culturais • DEPENDEM: 1) População de plantas – altas populações,fazem aplicação; 2) Cultivar altas deve fazer aplicação; 3) Época de semeadura; 4) Temperatura; 5) Formade aplicação; 6) Época de aplicação; 7) Dose; 8) Adubação nitrogenada.
  • 23. 13/12/2014 23 Tratos culturais • TOMADA DE DECISÃO: 1) Fertilidade do solo; 2) Condições climáticas(um dos principais fatores); 3) Cultivar; 4) População de plantas. LIGADOS AO CRESCIMENTODA PLANTA. Tratos culturais • Recomendar em condições favoráveis ao crescimento; • Não se recomenda em casos de plantas estressadas; • ???????????????? • Porque ela sozinha regula seu crescimento. Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Mepiquat 5% (PIX): - Dose geral de aplicação: 1,0 l/ ha; - Época de aplicação: Ao contar de 6 a 8 flores/ 10m lineares ou dividir a aplicação em 3 ou 4, aplicando ⅓ ou ¼ na fase de botão cabeça de fósforo, e as restantes em intervalos de 7 a 14 dias;
  • 24. 13/12/2014 24 Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Mepiquat 5% (PIX): • Técnicas de aplicação: - Via terrestre: 200 l de calda/ ha; - Via aérea: 40 a 50 l de calda/ ha. - Características: Redução de crescimento de ramos vegetativos em torno de 60% e de ramos laterais em 20%; aumento de produtividade em até 20% e antecipaçãoda colheita de 8 a 15 dias. Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Chlormequat (CYCOCEL): - Dose geral de aplicação: 0,5l/ ha; - Época de aplicação: Quando as plantas estiverem com 1,0 a 1,2m de altura ou entre 50 a 70 dias após emergência; Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Chlormequat (CYCOCEL): - Características: Favorece a precocidade de colheita, podendo reduzir uma geração do Bicudo; permite o cultivo em altas densidades de plantio, com acréscimo de rendimento e propicia redução de altura em até 17%.
  • 25. 13/12/2014 25 Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Clorocolina(TUVAL): - Dose geral de aplicação: 1,0l/ ha; - Época de aplicação: Quando as plantas estiverem com mais de 50cm de altura ou entre 55 e 60 dias após emergência; Tratos culturais • PRODUTOS: • Cloretode Clorocolina(TUVAL): - Características: Favorece a precocidade de colheita, podendo reduzir uma geração do Bicudo; permite o cultivo em altas densidades de plantio, com acréscimo de rendimento e propicia redução de altura em até 17%. Tratos culturais • PRODUTOS: • OBS. Em ambos “TUVAL E CYCOCEL”, a porcentagem de pluma é reduzida se a dose for aplicada de uma só vez. • Nenhum desses produtos deve ser aplicado em lavouras submetidas a qualquer tipo de estresse.
  • 26. 13/12/2014 26 Tratos culturais • PARCELAMENTO: Depende das condições climáticas, principalmente das condições de chuva. Os intervalos de aplicação são bastante variados entre 8 a 30 dias, observando as condições de crescimentoda planta. • EXEMPLO: - Em 4 vezes – 10%, 20%, 30%, 40%; - Em 3 vezes – 25%, 35%, 40%; - Primeiraaplicação entre25 a 35 dias – 8º nó; - Pode ser junto com a primeira aplicação de “N”. Tratos culturais • Após 7 a 15 dias da aplicação as folhas começam a cair, a depender das condições do clima. • Condições essenciais para a ação dos desfolhantes: - T° C diurnas >27°C; - T° C noturnas >10°C; - Coberturacompleta da folhagem; - Temposeco; - Utilização de gotas grandes (bicos cônicos); - Umidade do solo moderadae pouco vento. Tratos culturais Ação dos maturadores Ação dos dessecantes
  • 27. 13/12/2014 27 MUITO OBRIGADO!!! Marcio Claro de Oliveira, Eng. Agr. CREA/BA 60323 marcio_claro@agronomo.eng.br marcio_claro@hotmail.com (77) 9800-8883 / 8126-6198