SlideShare uma empresa Scribd logo
“Preservando a biodiversidade e buscando o
equilíbrio local”
CONSERVAÇÃO DE MATA NATIVA NAS
PROPRIEDADES RURAIS
CONSERVAÇÃO DEMATA NATIVA NAS PROPRIEDADES RURAIS
“Preservando a biodiversidade e buscando o equilíbrio local”
Anderson de Souza Gallo
Cleberton Correia Santos
Indiana Bersi Duarte
Kátia Priscilla Morinigo
Nathalia de França Guimarães
Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade Universitária de Glória de Dourados
Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia
2012
APRESENTAÇÃO
As florestas são de grande importância na manutenção do
ambiente, pois contribuem para a conservação do solo, água, ar e fauna,
desta forma trazendo harmonia ao local onde estão inseridas.
As ações do homem ao decorrer dos anos vem agredindo no que se
refere à biodiversidade presente em determinados espaços, assim trazendo
grandes consequências para a vida na terra.
Diante desses fatos, a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
vem através deste boletim tentar trazer aos produtores rurais a importância
da presença e conservação da Mata nativa em suas propriedades. E
também apresentar procedimentos para implantação da mesma em
comunidades.
O que é mata nativa?
Mata nativa é uma comunidade vegetal que se origina de um
processo natural em um determinado local, ou seja, surge sem a interferência
do homem.
Quais os benefícios da mata nativa?
Nas florestas temos a formação dos maciços vegetais e assim esta
cobertura que provem desta vegetação são de grande importância em
relação a proteção dos recursos hídricos e ainda o solo, devido que essa
cobertura faz com que a água das chuvas chegue com menor impacto ao
solo.
Assim evitando possíveis erosões, e consequentemente
amenizando possíveis gastos com a produção.
Quando não há presença de uma comunidade vegetal, a água da chuva chega com
grande força ao solo, desta forma em alguns casos trazendo grandes custos, pela ocorrência
das enxurradas a sementes, defensivos agrícolas, matéria orgânica e nutrientes são levados e
depositados em reservatórios, diminuindo a vazão dos recursos hídricos e causando a poluição
dos mesmos.
No interior das áreas que contam com a presença das árvores os raios que são
emitidos que pelo sol chegam com menor intensidade, devido a interceptação pela copa dos
maciços florestais.
Ainda a cobertura florestal protege o solo do calor, favorecendo a
vida presente no solo, estas que são responsáveis pela decomposição da
matéria orgânica, colaborando na ciclagem de nutrientes e bom
desenvolvimento vegetal.
As florestas protegem ainda o solo, a fauna silvestre contra a ação
excessiva dos ventos, no que se refere ao solo protege contra a erosão
eólica, que por sua vez leva as partículas do solo e em relação à fauna
protege contra os fortes ventos e proporcionando um ambiente favorável
aos mesmos.
E aquelas propriedades que não apresentam mata nativa...
Quando a mata nativa é destruída, as consequências são muitas: o
solo pode sofrer erosão e fica menos fértil, os rios podem receber sedimentos e
terem seu volume diminuído (assoreamento), bichos e plantas são
prejudicados, pois perdem abrigo, alimento e podem não ser mais encontrados
na região, além que o proprietário corre o risco de enfrentar problemas em
relação a multas ambientais.
Nos últimos 35 anos, mais da
metade da área original do Cerrado
brasileiro foi degradada, com taxas
de desmatamento maiores do que as
observadas na Amazônia.
.
Você sabia??
O que diz a lei:
Devido sua importância, a mata nativa é
protegida por lei. O Código Florestal Brasileiro
determina que seja obrigatória a conservação e
caso não tenha, a implantação da mesma, de
acordo com o tamanho da propriedade.
Assim a legislação exige a recuperação da
vegetação nativa quando ela já tiver sido
removida ou muito alterada.
O que fazer para não perder a diversidade de espécies nativas ??
Formação de viveiros
Tendo em vista que a produção de mudas de espécies nativas além de ser
uma alternativa para a diversificação de atividades e de geração de renda nas
propriedades rurais apresenta-se como importante estratégia de conservação
das espécies nativas.
Rede de sementes
Onde pode ser utilizadas técnicas de coleta de sementes em diversas
localidades e assim em seguida fazer uso em áreas a serem reflorestadas ou
apenas aumentar a diversidade local e consequentemente contribuir para
que não haja a perda da diversidade de espécies.
Nos últimos quatro séculos, pelo
menos 640 espécies de plantas
e animais foram extintos, ou
seja, desapareceram
completamente da Terra.
Plantio de espécies exóticas
Para que não ocorra a necessidade da derrubada das espécies nativas nas
propriedades rurais, é interessante o plantio de árvores exóticas, como
exemplo o eucalipto. Desta forma estes podem ser extraídos para
diversos fins, evitando a retirada de espécies nativas.
Você sabia ???
Apresentação boletim
ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DE ÁREA DE MATA NATIVA (Reflorestamento)
1 - As espécies florestais selecionadas para o plantio deverão ser nativas da
própria região. Recomenda-se utilizar o maior número possível de espécies,
pois a diversidade contribui na melhor ciclagem de nutrientes, maior
atratividade à fauna, maior proteção ao solo dos processos erosivos e maior
resistência à pragas e doenças.
2 - Se houver atividade pecuária, as áreas de plantio deverão ser isoladas por
meio de cercas que impeçam a entrada de animais, tendo em vista que estes
podem danificar as mudas e solo através do pisoteio e ainda alimentar-se das
mudas até então implantadas.
3 - Caso ocorram formigas cortadeiras, será indispensável adotar medidas
de controle antes, durante e após o plantio. Lembrando que estas podem
se alimentar das folhas e assim prejudicar o desenvolvimento das mudas.
4 - As mudas deverão ser manuseadas sempre pela embalagem e nunca
pelos ramos superiores.
5 - Durante o transporte prolongado, as mudas deverão ser irrigadas e
protegidas contra o vento.
6 - No caso de plantio manual de mudas grandes, as covas deverão ser abertas
com dimensões mínimas de 40 x 40 x 40 cm. No caso de plantio com tubetes, as
dimensões podem ser de 30 x 30 x 30 cm.
7 - A terra resultante da abertura da cova deverá ser misturada com esterco de curral
curtido, torta de mamona ou outro fertilizante orgânico, em uma proporção de até
20% do volume da cova.
8 - As embalagens das mudas (saquinhos ou tubetes) precisam ser retiradas antes
do plantio, tomando o cuidado para não desmanchar o torrão (pedaço de terra que
envolve as raízes). Saquinhos podem ser cortados com canivete ou faca, removendo
totalmente e deixando a embalagem fora da cova. No caso de tubetes, a retirada das
mudas é feita colocando-os de cabeça para baixo e batendo suavemente na borda.
9 - Se a extremidade da raiz principal da muda estiver torcida, ela deverá ser podada,
bem como as raízes laterais.
10 - No centro da cova preenchida pela mistura, abre-se uma coveta com as mesmas
dimensões do torrão. Coloca-se a muda nessa coveta, completando-se os espaços
vazios ao seu redor com o restante da mistura.
11 - O colo da muda (zona que separa o caule da raiz) deverá ficar no nível da
superfície do terreno, evitando-se amontoar terra sobre o caule (tipo vulcão).
12 - A terra restante após o plantio deverá ser disposta em coroa ao redor da muda
com um raio mínimo de 20 cm (um palmo), propiciando um melhor armazenamento
da água de chuva.
13 - Quando terminar a jornada de trabalho, deverão ser recolhidos tubetes, sacos
plásticos e outros resíduos. As mudas que sobrarem deverão retornar ao viveiro.
14 - As operações de manutenção, que deverão se prolongar pelo prazo
mínimo de 18 meses após o plantio, são fundamentais para o
desenvolvimento das mudas. Nesse período, são indispensáveis o combate a
formigas, a execução de capinas periódicas num raio mínimo de 60
centímetros ao redor das mudas (coroamento) e roçadas freqüentes para
evitar a concorrência de outras plantas.
15 - Também é recomendável adotar medidas de prevenção contra incêndios,
irrigar em caso de estiagem e realizar adubações de cobertura.
16 - Após o plantio devem ser realizadas visitas para monitoramento e assim
realizar observações onde seja possível a visualização de mudas que possam
estar danificadas e fazer a reposição destas se for o caso.
ALTERNATIVA – TURISMO RURAL
A mata nativa presente ou implantada na propriedade rural pode ser
considerado um atrativo natural, portanto, se o produtor deseja explorá-la
sustentavelmente para o turismo, deve manter uma trilha limpa para acesso
à atração.
Além da manutenção da trilha, é necessário que a visitação dos turistas
somente seja feita e permitida, com o acompanhamento de um monitor ou
condutor que conheça o local. Dessa forma, além de oferecer mais
segurança para a visitação, o proprietário justifica a cobrança de taxa de
manutenção ambiental ou taxa de entrada.
Tomando essas precauções, fica assegurada uma visita sem maiores
problemas e com menor possibilidade de acidentes.
Apresentação boletim
Nome Popular Nome Científico Nome Popular Nome Científico
Carobinha Jacaranda puberula Goiabeira Psidium guajava
Cedro Rosa Cedrella fisilis Ingá da folha peluda Inga SP
Copaíba Copaifera Langsdorffii Jacarandá Branco Jacaranda cuspidifolia
Figueira Branca Ficus guaranítica Lobeira Solanum lycocarpum
Guabiroba Campomanesia
xanthocarpa
Paineira Chorisia speciosa
Guaiuvira Patagonula americana Urucum Bixa orelana
Ipê Roxo Tabebuia heptaphyla Pinheiro do Paraná Araucária angustifólia
Jatobá Hymenea courbaril Aroeira Preta Myracroduon urundeuva
Jequitibá rosa Cariniana legalis Embaúba do Brejo Cecropia pachystachya
Pau Brasil Caesalpinia echinata Guapuruvu Schizolobium parahyba
Unha de vaca Bauhinia forficata Tamanqueiro Aegiphilla sellowiana
Açoita Cavalo Luehea grandiflora Paineira Chorisia speciosa
Angico vermelho Anadanthera macrocarpa Urucum Bixa orelana
Embaúba do Brejo Cecropia pachystachya Candeia Gochnatia polymorpha
Goiabeira Psidium guajava Monjoleiro Acacia polyphilla
Ingá da folha peluda Inga sp Bracatinga Mimosa scabrela
Jacarandá Branco Jacaranda cuspidifolia Lobeira Solanum lycocarpum
Tabela 1. Espécies usadas para reflorestamento
Apresentação boletim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
ProfMario De Mori
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
Luciano Marques
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
Wilian Dias
 
Elsa projecto de pesquisa
Elsa projecto de pesquisaElsa projecto de pesquisa
Elsa projecto de pesquisa
Egas Armando
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Maria Cristina Marques Mota
 
Curso básico de jardinagem Parte 5/6.
Curso básico de jardinagem   Parte 5/6.Curso básico de jardinagem   Parte 5/6.
Curso básico de jardinagem Parte 5/6.
ABCursos OnLine
 
Espécies vegetais invasoras
Espécies vegetais invasorasEspécies vegetais invasoras
Espécies vegetais invasoras
malex86
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
Unidade 5 cap 2   terras cultivávelUnidade 5 cap 2   terras cultivável
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
ISJ
 
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto FlorestalTrabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Maria Cristina Marques Mota
 
Cartilha adubacao
Cartilha adubacaoCartilha adubacao
Cartilha final
Cartilha finalCartilha final
Cartilha final
Stenio Ferreira
 
O solo e a preservação ambiental
O solo e a preservação ambientalO solo e a preservação ambiental
O solo e a preservação ambiental
ALONSO DOS SANTOS FILHO
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
elianeac
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDEREgas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
Egas Armando
 
6º ano cap 12 preservando o solo
6º ano cap 12   preservando o solo6º ano cap 12   preservando o solo
6º ano cap 12 preservando o solo
ISJ
 
Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)
João Siqueira da Mata
 

Mais procurados (20)

SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
 
Olericultura basica2006
Olericultura basica2006Olericultura basica2006
Olericultura basica2006
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
 
Elsa projecto de pesquisa
Elsa projecto de pesquisaElsa projecto de pesquisa
Elsa projecto de pesquisa
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
 
Curso básico de jardinagem Parte 5/6.
Curso básico de jardinagem   Parte 5/6.Curso básico de jardinagem   Parte 5/6.
Curso básico de jardinagem Parte 5/6.
 
Espécies vegetais invasoras
Espécies vegetais invasorasEspécies vegetais invasoras
Espécies vegetais invasoras
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
Unidade 5 cap 2   terras cultivávelUnidade 5 cap 2   terras cultivável
Unidade 5 cap 2 terras cultivável
 
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto FlorestalTrabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto Florestal
 
Cartilha adubacao
Cartilha adubacaoCartilha adubacao
Cartilha adubacao
 
Cartilha final
Cartilha finalCartilha final
Cartilha final
 
O solo e a preservação ambiental
O solo e a preservação ambientalO solo e a preservação ambiental
O solo e a preservação ambiental
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Adubação
AdubaçãoAdubação
Adubação
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDEREgas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
Egas 2013 Tese de Licenciatura-UEM-ESUDER
 
6º ano cap 12 preservando o solo
6º ano cap 12   preservando o solo6º ano cap 12   preservando o solo
6º ano cap 12 preservando o solo
 
Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)Ce cartilhaagrofloresta (1)
Ce cartilhaagrofloresta (1)
 

Destaque

Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Gestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e InovaçãoGestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e Inovação
Nadia Machado de Souza
 
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - ArtigoServiços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
Elisane Almeida Pires
 
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
AgroTalento
 
Gestão da tecnologia e Inovação II
Gestão da tecnologia e Inovação IIGestão da tecnologia e Inovação II
Gestão da tecnologia e Inovação II
Nadia Machado de Souza
 
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
Mario Luiz Evangelista
 
Implantação de sistema de cloração em propriedades rurais
Implantação de sistema de cloração em propriedades  ruraisImplantação de sistema de cloração em propriedades  rurais
Implantação de sistema de cloração em propriedades rurais
CBH Rio das Velhas
 
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1 geração empresas
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1   geração empresasGestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1   geração empresas
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1 geração empresas
Ana Paula Muniz Pereira
 
Administracao Fazendas
Administracao FazendasAdministracao Fazendas
Apostila tpoa
Apostila tpoaApostila tpoa
Apostila tpoa
Marco Antonio
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
Bruna M
 
Aula processamento de carnes abate
Aula processamento de carnes abateAula processamento de carnes abate
Aula processamento de carnes abate
joelbadboy
 
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileiraAgropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
Dhebora Menezes
 
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
Gabriel Francisco
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
JosyeGirllan Viana
 

Destaque (16)

Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Gestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e InovaçãoGestão da Tecnologia e Inovação
Gestão da Tecnologia e Inovação
 
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - ArtigoServiços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
Serviços Ambientais Prestados Por Propriedades Rurais - Artigo
 
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
[Phibro] Mapeamento do lucro entre sistemas de produção
 
Gestão da tecnologia e Inovação II
Gestão da tecnologia e Inovação IIGestão da tecnologia e Inovação II
Gestão da tecnologia e Inovação II
 
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
Sistema de gestão de custos de pequenas propriedades rurais em bovinocultura ...
 
Implantação de sistema de cloração em propriedades rurais
Implantação de sistema de cloração em propriedades  ruraisImplantação de sistema de cloração em propriedades  rurais
Implantação de sistema de cloração em propriedades rurais
 
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1 geração empresas
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1   geração empresasGestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1   geração empresas
Gestão da tecnologia e inovação = pesquisa 1 geração empresas
 
Administracao Fazendas
Administracao FazendasAdministracao Fazendas
Administracao Fazendas
 
Apostila tpoa
Apostila tpoaApostila tpoa
Apostila tpoa
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
 
Aula processamento de carnes abate
Aula processamento de carnes abateAula processamento de carnes abate
Aula processamento de carnes abate
 
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileiraAgropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
 
Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira Agropecuária brasileira
Agropecuária brasileira
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 

Semelhante a Apresentação boletim

Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Idesam
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Reichard Felipe Kampmann
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
Tamara Santos
 
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdfComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
JssicaGontijo3
 
Tratos culturais
Tratos culturaisTratos culturais
Tratos culturais
victor sousa
 
Curso de-arborizacao-urbana-2018
Curso de-arborizacao-urbana-2018Curso de-arborizacao-urbana-2018
Curso de-arborizacao-urbana-2018
rangelbio
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
Alexandre Panerai
 
SILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdfSILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdf
Mary Holanda
 
Rec gen cerrado jundiaí 2013
Rec gen cerrado jundiaí 2013Rec gen cerrado jundiaí 2013
Rec gen cerrado jundiaí 2013
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
Sidney de Mesquita
 
Periódico 01 juréia
Periódico 01 juréiaPeriódico 01 juréia
Periódico 01 juréia
eeji
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
Roberto Santos
 
Manual de Boas Práticas- Medronheiro
Manual de Boas Práticas- MedronheiroManual de Boas Práticas- Medronheiro
Manual de Boas Práticas- Medronheiro
João Soares
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
X
XX
X
XX
Umapaz
UmapazUmapaz
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 

Semelhante a Apresentação boletim (20)

Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
 
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdfComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
 
Tratos culturais
Tratos culturaisTratos culturais
Tratos culturais
 
Curso de-arborizacao-urbana-2018
Curso de-arborizacao-urbana-2018Curso de-arborizacao-urbana-2018
Curso de-arborizacao-urbana-2018
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
 
SILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdfSILVICULTURA APLICADA.pdf
SILVICULTURA APLICADA.pdf
 
Rec gen cerrado jundiaí 2013
Rec gen cerrado jundiaí 2013Rec gen cerrado jundiaí 2013
Rec gen cerrado jundiaí 2013
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
 
Periódico 01 juréia
Periódico 01 juréiaPeriódico 01 juréia
Periódico 01 juréia
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
 
Manual de Boas Práticas- Medronheiro
Manual de Boas Práticas- MedronheiroManual de Boas Práticas- Medronheiro
Manual de Boas Práticas- Medronheiro
 
Projeto trilha2007
Projeto trilha2007Projeto trilha2007
Projeto trilha2007
 
X
XX
X
 
X
XX
X
 
Umapaz
UmapazUmapaz
Umapaz
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 

Último

Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 

Último (7)

Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 

Apresentação boletim

  • 1. “Preservando a biodiversidade e buscando o equilíbrio local” CONSERVAÇÃO DE MATA NATIVA NAS PROPRIEDADES RURAIS
  • 2. CONSERVAÇÃO DEMATA NATIVA NAS PROPRIEDADES RURAIS “Preservando a biodiversidade e buscando o equilíbrio local” Anderson de Souza Gallo Cleberton Correia Santos Indiana Bersi Duarte Kátia Priscilla Morinigo Nathalia de França Guimarães Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Unidade Universitária de Glória de Dourados Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia 2012
  • 3. APRESENTAÇÃO As florestas são de grande importância na manutenção do ambiente, pois contribuem para a conservação do solo, água, ar e fauna, desta forma trazendo harmonia ao local onde estão inseridas. As ações do homem ao decorrer dos anos vem agredindo no que se refere à biodiversidade presente em determinados espaços, assim trazendo grandes consequências para a vida na terra. Diante desses fatos, a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul vem através deste boletim tentar trazer aos produtores rurais a importância da presença e conservação da Mata nativa em suas propriedades. E também apresentar procedimentos para implantação da mesma em comunidades.
  • 4. O que é mata nativa? Mata nativa é uma comunidade vegetal que se origina de um processo natural em um determinado local, ou seja, surge sem a interferência do homem.
  • 5. Quais os benefícios da mata nativa? Nas florestas temos a formação dos maciços vegetais e assim esta cobertura que provem desta vegetação são de grande importância em relação a proteção dos recursos hídricos e ainda o solo, devido que essa cobertura faz com que a água das chuvas chegue com menor impacto ao solo. Assim evitando possíveis erosões, e consequentemente amenizando possíveis gastos com a produção.
  • 6. Quando não há presença de uma comunidade vegetal, a água da chuva chega com grande força ao solo, desta forma em alguns casos trazendo grandes custos, pela ocorrência das enxurradas a sementes, defensivos agrícolas, matéria orgânica e nutrientes são levados e depositados em reservatórios, diminuindo a vazão dos recursos hídricos e causando a poluição dos mesmos. No interior das áreas que contam com a presença das árvores os raios que são emitidos que pelo sol chegam com menor intensidade, devido a interceptação pela copa dos maciços florestais.
  • 7. Ainda a cobertura florestal protege o solo do calor, favorecendo a vida presente no solo, estas que são responsáveis pela decomposição da matéria orgânica, colaborando na ciclagem de nutrientes e bom desenvolvimento vegetal.
  • 8. As florestas protegem ainda o solo, a fauna silvestre contra a ação excessiva dos ventos, no que se refere ao solo protege contra a erosão eólica, que por sua vez leva as partículas do solo e em relação à fauna protege contra os fortes ventos e proporcionando um ambiente favorável aos mesmos.
  • 9. E aquelas propriedades que não apresentam mata nativa... Quando a mata nativa é destruída, as consequências são muitas: o solo pode sofrer erosão e fica menos fértil, os rios podem receber sedimentos e terem seu volume diminuído (assoreamento), bichos e plantas são prejudicados, pois perdem abrigo, alimento e podem não ser mais encontrados na região, além que o proprietário corre o risco de enfrentar problemas em relação a multas ambientais. Nos últimos 35 anos, mais da metade da área original do Cerrado brasileiro foi degradada, com taxas de desmatamento maiores do que as observadas na Amazônia. . Você sabia??
  • 10. O que diz a lei: Devido sua importância, a mata nativa é protegida por lei. O Código Florestal Brasileiro determina que seja obrigatória a conservação e caso não tenha, a implantação da mesma, de acordo com o tamanho da propriedade. Assim a legislação exige a recuperação da vegetação nativa quando ela já tiver sido removida ou muito alterada.
  • 11. O que fazer para não perder a diversidade de espécies nativas ?? Formação de viveiros Tendo em vista que a produção de mudas de espécies nativas além de ser uma alternativa para a diversificação de atividades e de geração de renda nas propriedades rurais apresenta-se como importante estratégia de conservação das espécies nativas. Rede de sementes Onde pode ser utilizadas técnicas de coleta de sementes em diversas localidades e assim em seguida fazer uso em áreas a serem reflorestadas ou apenas aumentar a diversidade local e consequentemente contribuir para que não haja a perda da diversidade de espécies.
  • 12. Nos últimos quatro séculos, pelo menos 640 espécies de plantas e animais foram extintos, ou seja, desapareceram completamente da Terra. Plantio de espécies exóticas Para que não ocorra a necessidade da derrubada das espécies nativas nas propriedades rurais, é interessante o plantio de árvores exóticas, como exemplo o eucalipto. Desta forma estes podem ser extraídos para diversos fins, evitando a retirada de espécies nativas. Você sabia ???
  • 14. ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO DE ÁREA DE MATA NATIVA (Reflorestamento) 1 - As espécies florestais selecionadas para o plantio deverão ser nativas da própria região. Recomenda-se utilizar o maior número possível de espécies, pois a diversidade contribui na melhor ciclagem de nutrientes, maior atratividade à fauna, maior proteção ao solo dos processos erosivos e maior resistência à pragas e doenças. 2 - Se houver atividade pecuária, as áreas de plantio deverão ser isoladas por meio de cercas que impeçam a entrada de animais, tendo em vista que estes podem danificar as mudas e solo através do pisoteio e ainda alimentar-se das mudas até então implantadas.
  • 15. 3 - Caso ocorram formigas cortadeiras, será indispensável adotar medidas de controle antes, durante e após o plantio. Lembrando que estas podem se alimentar das folhas e assim prejudicar o desenvolvimento das mudas. 4 - As mudas deverão ser manuseadas sempre pela embalagem e nunca pelos ramos superiores.
  • 16. 5 - Durante o transporte prolongado, as mudas deverão ser irrigadas e protegidas contra o vento. 6 - No caso de plantio manual de mudas grandes, as covas deverão ser abertas com dimensões mínimas de 40 x 40 x 40 cm. No caso de plantio com tubetes, as dimensões podem ser de 30 x 30 x 30 cm.
  • 17. 7 - A terra resultante da abertura da cova deverá ser misturada com esterco de curral curtido, torta de mamona ou outro fertilizante orgânico, em uma proporção de até 20% do volume da cova. 8 - As embalagens das mudas (saquinhos ou tubetes) precisam ser retiradas antes do plantio, tomando o cuidado para não desmanchar o torrão (pedaço de terra que envolve as raízes). Saquinhos podem ser cortados com canivete ou faca, removendo totalmente e deixando a embalagem fora da cova. No caso de tubetes, a retirada das mudas é feita colocando-os de cabeça para baixo e batendo suavemente na borda.
  • 18. 9 - Se a extremidade da raiz principal da muda estiver torcida, ela deverá ser podada, bem como as raízes laterais. 10 - No centro da cova preenchida pela mistura, abre-se uma coveta com as mesmas dimensões do torrão. Coloca-se a muda nessa coveta, completando-se os espaços vazios ao seu redor com o restante da mistura. 11 - O colo da muda (zona que separa o caule da raiz) deverá ficar no nível da superfície do terreno, evitando-se amontoar terra sobre o caule (tipo vulcão). 12 - A terra restante após o plantio deverá ser disposta em coroa ao redor da muda com um raio mínimo de 20 cm (um palmo), propiciando um melhor armazenamento da água de chuva. 13 - Quando terminar a jornada de trabalho, deverão ser recolhidos tubetes, sacos plásticos e outros resíduos. As mudas que sobrarem deverão retornar ao viveiro.
  • 19. 14 - As operações de manutenção, que deverão se prolongar pelo prazo mínimo de 18 meses após o plantio, são fundamentais para o desenvolvimento das mudas. Nesse período, são indispensáveis o combate a formigas, a execução de capinas periódicas num raio mínimo de 60 centímetros ao redor das mudas (coroamento) e roçadas freqüentes para evitar a concorrência de outras plantas. 15 - Também é recomendável adotar medidas de prevenção contra incêndios, irrigar em caso de estiagem e realizar adubações de cobertura. 16 - Após o plantio devem ser realizadas visitas para monitoramento e assim realizar observações onde seja possível a visualização de mudas que possam estar danificadas e fazer a reposição destas se for o caso.
  • 20. ALTERNATIVA – TURISMO RURAL A mata nativa presente ou implantada na propriedade rural pode ser considerado um atrativo natural, portanto, se o produtor deseja explorá-la sustentavelmente para o turismo, deve manter uma trilha limpa para acesso à atração. Além da manutenção da trilha, é necessário que a visitação dos turistas somente seja feita e permitida, com o acompanhamento de um monitor ou condutor que conheça o local. Dessa forma, além de oferecer mais segurança para a visitação, o proprietário justifica a cobrança de taxa de manutenção ambiental ou taxa de entrada. Tomando essas precauções, fica assegurada uma visita sem maiores problemas e com menor possibilidade de acidentes.
  • 22. Nome Popular Nome Científico Nome Popular Nome Científico Carobinha Jacaranda puberula Goiabeira Psidium guajava Cedro Rosa Cedrella fisilis Ingá da folha peluda Inga SP Copaíba Copaifera Langsdorffii Jacarandá Branco Jacaranda cuspidifolia Figueira Branca Ficus guaranítica Lobeira Solanum lycocarpum Guabiroba Campomanesia xanthocarpa Paineira Chorisia speciosa Guaiuvira Patagonula americana Urucum Bixa orelana Ipê Roxo Tabebuia heptaphyla Pinheiro do Paraná Araucária angustifólia Jatobá Hymenea courbaril Aroeira Preta Myracroduon urundeuva Jequitibá rosa Cariniana legalis Embaúba do Brejo Cecropia pachystachya Pau Brasil Caesalpinia echinata Guapuruvu Schizolobium parahyba Unha de vaca Bauhinia forficata Tamanqueiro Aegiphilla sellowiana Açoita Cavalo Luehea grandiflora Paineira Chorisia speciosa Angico vermelho Anadanthera macrocarpa Urucum Bixa orelana Embaúba do Brejo Cecropia pachystachya Candeia Gochnatia polymorpha Goiabeira Psidium guajava Monjoleiro Acacia polyphilla Ingá da folha peluda Inga sp Bracatinga Mimosa scabrela Jacarandá Branco Jacaranda cuspidifolia Lobeira Solanum lycocarpum Tabela 1. Espécies usadas para reflorestamento