SlideShare uma empresa Scribd logo
FLORESTAS, O NEGÓCIO DO SÉCULO XXI!
A floresta produz de madeira a água, de ar
limpo a animais silvestres, de papel a turismo,
de móveis a educação, de tecido a pizza, de
tijolo a remédio, de chapa de fibra a quebra
vento, de moradia a perfume. Além disso
ajuda a seqüestrar carbono e mitigar o
aquecimento global.
Em tudo isso a árvore participa e tudo isso dá
dinheiro.
As florestas de São Paulo empregam para a
sua produção e o beneficiamento da sua
matéria prima quase 100 mil pessoas com um
faturamento que ultrapassa os 15 bilhões de
reais.
Essa é uma realidade que precisa ser
conhecida, divulgada e ampliada.
O FLORESTAR que congrega o setor
florestal de São Paulo se empenha na
implantação das metas setoriais para os
próximos 25 anos: plantar quatro MILHÕES
DE HECTARES gerando um MILHÃO DE
EMPREGOS no período.
Esses empregos fortalecerão o consumo
regional, propiciarão novos investimentos,
abrirão novos mercados, criarão novos
produtos e usos e fixarão a população em
seus locais de origem.
Todas as mais de 300 mil propriedades rurais
do Estado possuem um cantinho onde se
pode e se deve plantar floresta. E toda
floresta, mais cedo ou mais tarde, vai produzir
um benefício.
As oportunidades que se abrem para o
produtor rural e outros ramos ligados ao setor
para diversificarem as suas produções, seus
serviços e aumentarem suas receitas são
reais e ambientalmente adequadas.
São Paulo possui uma área de mais de 4
milhões de hectares cuja maior vocação é
plantar florestas.
ENGº AGRº EDUARDO P. CASTANHO Fº
CONSELHEIRO DO FLORESTAR SÃO PAULO
PESQUISADOR CIENTÍFICO –IEA/ APTA/ SAA-SP
1
PLANTIO DO EUCALIPTO
Assim como você cultiva milho, mandioca, feijão e outros
produtos, você poderá cultivar também uma floresta. Isto se faz
em muitos países do mundo.
Se isso não for feito, será muito difícil continuar com agricultura,
principalmente em regiões montanhosas.
Assim, numa programação de prazo mais longo, você não terá
mais áreas esgotadas ou sem uso, e seus filhos e netos
poderão continuar vivendo da lavoura.
Você terá também outra fonte de renda. A madeira está cada
vez mais cara e seu preço vai subir muito mais. Quem for
inteligente vai levar vantagem.
Você deve escolher uma espécie florestal que cresça rápido e
que dê retorno econômico. Você pode, por exemplo, escolher o
eucalipto.
O eucalipto é plantado, atualmente, em quase todo o mundo,
por ser uma planta que possui espécies diversificadas e
adaptáveis a várias condições de clima e solo. Para se ter uma
idéia da diversificação das espécies, existem eucaliptos que se
adaptam muito bem em regiões de temperatura de 350
C e
outros que suportam um frio de até 180
C abaixo de zero.
A maioria das espécies plantadas no Brasil apresenta um
crescimento rápido, produz grande quantidade de madeira e
subprodutos e tem fácil adaptação.
Embora se diga que o eucalipto prospera nos mais variados
climas e solos, como toda plantação, ele necessita de certos
cuidados, principalmente de manejo para sua boa produção,
desenvolvimento e adequação ambiental.
O eucalipto é considerado uma cultura recuperadora de solo.
Por ter raízes profundas, ele busca, nas camadas inferiores do
solo, nutrientes minerais que já estão fora do alcance de raízes
superficiais.
Por esse motivo, o eucalipto pode controlar a erosão do solo e
também ocupar áreas que são impróprias para a agricultura,
além de reconstituir no longo prazo as reservas subterrâneas de
água do solo. Além disso, serve de matéria-prima para diversas
finalidades como marcenaria, apicultura, papel e celulose,
energia, etc.
Dentre as principais espécies cultivadas recomenda-se:
• papel e celulose (grandis, saligna, urophylla).
• mourão para cerca (citriodora, robusta, globulus).
• pontalete para construção (citriodora, robusta, globulus).
• energético - lenha, carvão (grandis, urophylla, torililana).
• postes (citriodora, robusta, grandis).
Apresentamos, neste folheto, algumas instruções técnicas
que podem ajudar, a você agricultor, no plantio de
eucalipto.
VOCÊ PODE PRODUZIR SUAS MUDAS
Prepare a Terra
Retire terra de barrancos numa profundidade de
aproximadamente 50cm e peneire, deixando-a livre de
torrões.
Encha as Embalagens
Utilize sacos plásticos com 8 cm x 15 cm (ou semelhantes),
com 4 ou mais furos na parte inferior ou tubetes.
Encha-os uniformemente com a terra peneirada, deixando-a
compactada.
Faça a Semeadura
Organize os sacos plásticos ou tubetes, já cheios com terra,
em canteiros com 1 metro de largura, por 5 metros de
comprimento numa superfície plana, olocando um bem
2
encostado ao outro; no caso de tubetes utilize uma tela
para encaixá- los. .
Cerque os canteiros com tábuas, varas, tijolos ou mesmo
terra;
Peneire uma camada fina de terra sobre os sacos plásticos
ou tubetes, numa peneira de malha fina (fubá);
Dilua 150 g de adubo NPK 4-14-8 (ou parecido) em 8 litros
d'água e aplique em cada m2
de canteiro;
Peneire novamente uma leve camada de terra, para isolar o
adubo da semente;
Efetue a semeadura distribuindo de 3 a 5 sementes em
cada saquinho;
Peneire novamente uma leve camada de terra fina.
Cobertura e Irrigação
Peneire uma camada de 0,5cm de palha de arroz, com
peneira de malha (feijão),
ou cubra com “sombrite” 50%" (ou sapé);
Caso a cobertura seja sombrite ou sapé, mantenha uma
altura de 10 cm do canteiro;
Retire a cobertura quando a muda atingir 2 cm de altura;
Após a semeadura, faça duas irrigações abundantes por
dia.
Seleção e Repicagem
Quando as mudas atingirem 3 a 4 cm, deixe as mais
vigorosas e arranque as utras, podendo aproveitá-las
cortando suas raízes, deixando no máximo 0,5cm.
Plante essas mudas nos sacos plásticos ou tubetes em que
não houve germinação.
Adube após a Seleção e Repicagem
Utilize a mesma adubação da semeadura logo após a
seleção das mudas;
Repita a adubação a cada 15 dias, por mais duas ou três
vezes;
Quando as mudas atingirem 15 cm, não adube mais.
Faça a Movimentação das Mudas
Quando as mudas atingirem cerca de 15 cm, faça a
movimentação, colocando as maiores nas laterais do
canteiro e as menores no centro;
Pode-se efetuar novas adubações no centro do canteiro, até
que as mudas menores alcancem o tamanho das outras. Na
dúvida, não coloque mais adubo.
Selecione e Encaixote
Quando a muda atingir de 15 a 30 cm, diminua a irrigação
para o “amadurecimento” (que é quando ela fica
avermelhada e pronta para o encaixotamento);
Após ó "amadurecimento", selecione as mudas do mesmo
tamanho e encaixote-as para serem embarcadas.
PLANTIO DO EUCALIPTO - COMECE ASSIM:
ESCOLHA O LOCAL
De preferência, escolha terreno de morro, que esteja fraco,
abandonado ou com samambaia; terreno cansado, com sinal de
enxurrada e que não esteja produzindo.
Comece a preparar o terreno dois meses antes do plantio.
Onde tem formiga, não se planta eucalipto.
Assim que você escolher o terreno, faça uma vistoria nele e nas
redondezas.
Elimine os formigueiros que encontrar dois meses antes do
plantio.
Coloque 10 gramas de isca de cada olheiro ativo. Não coloque
dentro do olheiro nem na terra solta da boca do olheiro.
3
- AVISO IMPORTANTE - não pegue a
isca com a mão, use uma vasilha só para isto.
- Veja na redondeza também.
Formiga não respeita cerca nem divisa de propriedade.
LIMPE TODA A ÁREA
Você deve fazer a operação de destoca ou preparo do terreno,
aproveitando o material existente na lavoura, juntando o resto
do mato e fazendo leiras no sentido das curvas de nível.
Comece roçando o mato e leiras formando um cordão,
conforme a figura. A fileira deve ter a largura de 3 metros.
FAÇA PLANTIO DIRETO OU ARAÇÃO E GRADAGEM
Preferencialmente deve ser utilizado o plantio direto.
Alternativamente, quando a inclinação do terreno permitir, após
a limpeza do terreno, inicie os trabalhos de aração e gradagem.
De preferência esses trabalhos devem ser realizados após
algumas chuvas ou com o solo úmido; isso melhora a
profundidade da aração. Se necessário, faça a gradagem duas
vezes.
PLANEJE OS CAMINHOS E ACEIROS
Quando você efetuar os trabalhos de limpeza e aração, faça
uma programação dos aceiros e carreadores internos. Os
aceiros devem ter no mínimo 6 m de largura em todo o
perímetro da área, facilitando a prevenção e combate a
4
incêndios.
Os carreadores internos em áreas inclinadas deverão ser
traçados em sentido bem suave, cortando as águas, de modo a
não serem prejudicados pela erosão. Poderão ser traçados com
saídas e escoamento de águas ou com elevação de terras no
sistema de curvas de nível. Não faça talhões com mais de 15
hectares.
APLIQUE O FORMICIDA CORRETAMENTE E COM
CUIDADO
Quanto maior o formigueiro, maior a quantidade de formicida
que você deve colocar no olheiro. Caso você coloque uma
quantidade pequena, as formigas ficam resistentes àquele
formicida, começam a retirar do formigueiro os granulados e
não os carregam mais. Caso isso aconteça, mude de marca de
produto e diferencie o atrativo.
Para você ficar sabendo se está colocando a quantidade correta
de formicida, meça rapidamente o formigueiro conforme o
desenho e siga as instruções nele contidas:
5 metros 2 metros
Meça a terra solta (murundu) em m2
.
No exemplo: 5m x 2m = 10m2
é a área do formigueiro.
Para cada 10m2
(área) use 100 gramas de formicida, ou para
cada 1m2
, 10 gramas.
O ESPAÇAMENTO É MUITO IMPORTANTE
À medida que deixamos maior espaço (área) para cada planta,
ela irá se desenvolver mais em menor tempo. Quando
mantemos o espaçamento muito fechado, corremos riscos de
ter um alto índice de árvores dominadas.
O espaçamento que se recomenda é de 3m x 2m, perfazendo 6
m2
de área por árvore, com 1.666 plantas por hectare.
Isso não impede que você agricultor escolha o espaçamento
que melhor se adapte à situação de suas terras, lugar ou
topografia. Porém, em nenhuma hipótese, o espaçamento deve
ser menor do que 2 x 2 metros.
ALINHAMENTO
O alinhamento poderá ser feito através de cordas, conforme o
espaçamento desejado; marque a corda na distância entre uma
cova e outra. Nos terrenos planos, você pode utilizar trator com
5
sulcador, que cruzando as linhas deixará o espaçamento
desejado. As covas devem ser espaçadas de 2 metros na linha
e 3 metros na fileira, sempre desencontradas, conforme o
desenho acima.
ADUBE DE ACORDO COM O TERRENO
O agricultor pode utilizar a adubação mecânica ou manual, de
acordo com a inclinação do seu terreno e com as características
minerais e físicas do seu solo.
No plantio são utilizados de 150 a 250 gramas de NPK 10-30-10
ou uma fórmula semelhante a essa por planta, com uma
cobertura da mesma fórmula depois de 10 meses a um ano. O
ideal é proceder a uma análise do solo antes de adubar.
No caso da adubação mecânica, quando o trator fizer o sulco,
pode também efetuar a adubação em conjunto (adubação em
sulco). Esse procedimento ajuda nos resultados e diminui os
custos.
A adubação manual é utilizada em terrenos inclinados, onde
não se consegue mecanização.
COVEAMENTO EM TERRENOS INCLINADOS
A cova deve ser feita com 40cm de largura por 40cm de
profundidade e aterrada. Em seguida deve-se colocar o adubo.
Você deve efetuar o plantio com as primeiras chuvas, pois
nesse caso as covas ficarão com terras soltas (aterradas). Na
hora do plantio utilize uma enxadinha pequena para reabrir um
espaço para colocar as mudas.
Quando o coveamento é aberto e não é aterrado, o sol seca
rapidamente a terra de fora e ao se efetuar o plantio a terra a
ser colocada na planta estará seca. Nunca plante em covas
muito pequenas nem em solos compactados.
VEJA COMO FAZER AS COVAS
Comece no pé do morro, fazendo as covas bem perto do mato
enleirado, como na figura da página 6.
A 2 metros ao lado, abra a outra cova. Use o enxadão, cavando
de cima para baixo no sentido do morro.
Quando a cova é de profundidade pequena as raízes
encontram impedimento para penetração, que na maioria dos
casos se dá devido à compactação do terreno. Nesse caso as
raízes se enroscam e em conseqüência teremos uma planta
com desenvolvimento lento e provavelmente comprometida.
Quando a cova for mais profunda, a planta encontra condições
de desenvolver as raízes e conseqüentemente consegue um
crescimento normal.
As covas devem ser abertas pelo menos 30 dias antes do
6
plantio. Isto é muito importante.
A terra da cova deve ser colocada para o lado de baixo, quase
em cima da leira do mato.
Depois, raspe a terra em volta da cova e jogue dentro dela. Não
encha a cova toda, deixe faltando meio palmo.
Desse jeito, quando chover, tem espaço para segurar a água e
alguma terra que escorrer.
CUIDADOS AO TRANSPORTAR AS MUDAS
Quando transportar as mudas do viveiro de produção para o
local do armazenamento, você deve ter cuidado especiais:
• o caminhão deve ser coberto com lona, mesmo que a
distância não seja muito longa, pois o vento causado pela
velocidade do veículo queima as folhas das mudas;
• as caixas deverão ser colocadas no chão ou no local do
armazenamento, devagar, para não abalar as raízes e
causar perdas;
• essa operação deverá ser observada e repetida no
transporte do local do armazenamento para o campo;
• ao distribuir as mudas, nas proximidades das covas, nunca
as jogue de cima e sim utilize meios que possibilitem colocá-
las suavemente na cova ou na sua proximidade.
GUARDE AS MUDAS CORRETAMENTE
• em sacos plásticos - limpe uma área plana onde tenha
água nas proximidades; faça canteiros com 1m de largura e
5 a 10m. de comprimento, para que haja ventilação nas
mudas; deixe espaço de 0,5m entre um canteiro e outro,
para trânsito na irrigação.
Nunca armazene todas as mudas juntas sem espaço,
formando um canteiro único, pois dessa forma poderá
ocorrer abafamento e conseqüentemente doenças. Guarde
as mudas em lugares abertos, e iluminados.
• em tubetes - o armazenamento ideal das mudas é feito em
telas com 1m de largura e comprimento de até 10m, fixas
em madeira, na altura de 1m a 1,30 metro. Os tubetes
devem ser distribuídos na tela sempre com espaços para
ventilação. No caso de não possuir telas na propriedade,
você poderá armazenar as mudas na terra com os seguintes
cuidados:
• faça canteiros de 80cm de largura e comprimento que não
ultrapasse 10 metros;
• peneire uma camada de areia ou terra solta, de
aproximadamente 10cm de altura e sobre esses canteiros e
distribua os tubetes espaçados;
• irrigue conforme a necessidade. Após ser retirada do tubete,
a muda tem uma durabilidade de um a dois dias.
7
A HORA DO PLANTIO
Se a embalagem da muda que vai ser plantada for de saco
plástico, retire-o totalmente e cubra a cova com terra, 1 a 2 cm
acima da parte superior do colo da muda. A terra deverá ser
comprimida com as mãos ou pés, deixando a muda na posição
vertical. Observe sempre se o adubo foi bem misturado à terra.
As mudas embaladas em tubetes devem ser conduzidas para o
local de plantio, para serem retiradas dos mesmos. Pegue a
muda pelo tubete, nunca pelas folhas. Aperte o tubete plástico
com os dedos dando um leve toque na parte superior para a
muda soltar por dentro. Você deve ter o cuidado de não levar
terra compactada para a cova, porque isso pode entortar a
muda e prejudicar o seu desenvolvimento inicial.
Retire a muda com a palma da mão esquerda ficando as raízes
entre os dedos, com a ponta dos dedos na frente da ponta das
raízes e com uma enxadinha, faça um buraco no centro da cova
com a mão direita(se você for canhoto inverta o uso das mãos).
USE UM CUPINICIDA
Antes do plantio, observe se na área existe cupim, pois eles
cortam as raízes, causando a morte da planta. Nesse caso,
aplique uma colher de chá de um cupinicida, bem espalhado no
8
fundo da cova.
REPLANTIO
Deixe uns 20% de mudas para o replantio.
Ele deve ser feito entre 30 e 60 dias depois do plantio.
Não é necessário abrir de novo a cova, mas afofar o local onde
você vai plantar a nova muda.
Nos primeiros 6 meses, você deve deixar a cova livre de mato
mantendo sempre a “coroa” limpa até 1 metro em volta da cova.
Continue combatendo a formiga.
Lembre-se que a muda que morre é a árvore de amanhã. É
uma viga ou um poste que você perdeu. È uma partida que
você deixou de entregar.
O plantio de eucalipto pode ser consorciado com o de milho ou
de feijão no primeiro ano, desde que não haja mais do que uma
única linha de feijão ou de milho ao centro da rua em que foi
plantado o eucalipto.
FAÇA A MANUTENÇÃO DA FLORESTA
- Combate à formiga - deixe sempre uma ou mais pessoas
percorrendo a área para controlar as formigas cortadeiras;
controle as formigas até 10 m longe das divisas. As incidências
maiores são próximas a matagais e locais sujos.
- Capinas mecânicas - nas áreas planas, plantadas com
espaçamento de 3 m x 2 m, você pode efetuar uma gradagem
nas entrelinhas e capinas manuais nas linhas. Essa operação
fixa mais quantidade de água no solo, beneficiando a planta e,
diminui o custo de manutenção.
- Capinas manuais - em solos inclinados ou levemente
inclinados, onde não se consegue mecanização, efetue a
capina manual, que poderá ser por coroamento ou por
trilhamento.
- Coroamento: deverá ser feito um circulo medindo 1 m de uma
extremidade a outra, ou seja, com 0,5 m de raio, sempre
mantendo a vegetação das entrelinhas roçadas.
Trilhamento: nunca deve ser feito acompanhando as águas,
pois isso ajudaria a erosão do local e lavagem do terreno,
levando adubo para as partes baixas e, em alguns casos,
destruindo o plantio.
Você deve sempre manter o eucalipto limpo até que ele
domine sua área.
COMO FAZER A LIMPEZA DA ÁREA (COROA)
Quando a “coroa” é feita corretamente (50cm de raio) a muda
tem espaço suficiente para um bom desenvolvimento.
Atenção: quando você agricultor for plantar em áreas de pasto
(braquiária), faça uma “coroa” maior, com 75cm de raio e adube
com superfosfato simples 150g/cova. A cobertura também deve
9
ser feita 60 dias após o plantio, mantendo ainda a “coroa”
sempre limpa.
REFORME AS ÁREAS IMPRODUTIVAS
Quando uma plantação de eucalipto, depois de cortada, não
apresenta brotação suficiente para uma produção econômica,
você deve reformá-la, isto é, plantá-la novamente com
eucalipto, sem a necessidade de destoca dos tocos antigos.
Quando não há possibilidade de mecanização, após a limpeza
efetue o coveamento conforme orientado anteriormente,
seguindo o mesmo alinhamento do plantio anterior.
Nos casos de terrenos planos com espaçamento que suporte
mecanização, você pode cortar os tocos bem baixos e utilizar
um trator com arado reformador, cobrindo-os com terra, e
depois efetuar as demais operações de coveamento, adubação
e plantio.
Mantenha sempre o eucalipto limpo. No início da brotação do
antigo plantio, faça a desbrota com foices ou enxadas, não
deixando prejudicar o novo plantio.
INCÊNDIOS - MELHOR PREVENIR
• mantenha os aceiros de divisa sempre limpos e gradeados;
• fique atento às queimadas dos vizinhos, principalmente na
época em que os agricultores efetuarem as queimadas para
preparo do solo, o que geralmente ocorre no inverno;
• fique sempre alerta, pois não se sabe quando um incêndio
se inicia;
• se for possível, coloque cartazes educativos alertando para
o perigo de fogo.
ANOTE
• Transporte as mudas em caixas ou balaios. As mudas
devem ficar deitadas e sempre as hastes devem ficar
viradas entre si, isto é, sempre folha com folha.
• Antes de retirar as mudas do canteiro, elas devem ser bem
molhadas.
• Não deixe as mudas tomando vento ao sol. Elas devem ser
molhadas e ficar à sombra enquanto são plantadas. Não
podem ressecar.
• Plante no mesmo dia as mudas transplantadas.
• Quanto menor o tempo que elas ficarem fora do canteiro,
melhor.
• Retire aos poucos do canteiro a quantidade que você vai
precisar para o plantio. Evite tirar muitas de uma só vez,
para evitar o ressecamento das mudas.
• O melhor dia para plantar é depois de uma chuva, que
molhe a terra da cova, ou dia úmido que esteja nublado ou
com chuva miúda.
• A muda deve ficar aprumada e mais enterrada, deixando
folga para a água da chuva.
• Nunca cobrir o ramo novo da muda com terra.
• Não use adubo químico no dia do plantio. Se você quiser
usar adubo químico, deve fazer isto 3 ou 4 dias antes do
plantio, jogando no fundo da cova.
• Proteja sua floresta contra incêndios, mantendo limpos os
aceiros, na largura mínima de 4 metros.
Atenção: não plante eucalipto embaixo de linhas com
energia elétrica, sem deixar a distância exigida por Lei.
10
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
- “PLANTIO DO EUCALIPTO” - SMA, FUNDAÇÀO
FLORESTAL, CHAMPION, CATI - SAA, SERFLORA S.A. -
1992;
- “REFLORESTAR É O CAMINHO”, EMATER-ES, ARACRUZ
S.A. - 1992.
- “CUSTOS E RENDIMENTOS OPERACIONAIS DE UM
PLANTIO DE EUCALIPTO EM REGIÃO DE CERRADO”-
Silva.K.R. et allii,Dptº de Engenharia Florestal – Univ.
Federal de Viçosa,2004.
- “SILVICULTURA DO EUCALIPTO”-Ambiente Brasil,in
www.ambientebrasil.com.b
- “CULTIVO DO EUCALIPTO – PRODUÇÃO DE MUDAS”-
Ferrari, M.P.; Embrapa Sistemas de Produção 4 ISSN 1678-
8281;2003.
- “CULTIVO DO EUCALIPTO – NUTRIÇÃO , ADUBAÇÃO E
CALAGEM”- Bellote, A .F.J et allii, M.P.;Embrapa Sistemas
de Produção 4 ISSN 1678-8281;2003.
- “BOLETIM 200-IAC-INSTRUÇÕES AGRÍCOLAS PARA AS
PRINCIPAIS CULTURAS ECONÔMICAS”-Duarte,F.R. et
allii, 6ª edição, 1998.
- “BOLETIM 100-IAC- RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO E
CALAGEM PARA O ESTADO DE SÃO PAULO”-
Gonçalves,J.L.deM. et allii,Campinas, 1997.
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Folha 319 mais uniformidade na formação do cafezal
Folha 319   mais uniformidade na formação do cafezalFolha 319   mais uniformidade na formação do cafezal
Folha 319 mais uniformidade na formação do cafezal
Gabriela Rodrigues
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
Nathaliafalcao1
 
Minicurso minhocultura
Minicurso minhoculturaMinicurso minhocultura
Minicurso minhocultura
marta
 
Poda
PodaPoda
Poda
TCDP
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
Portal Canal Rural
 
Gramados no Paisagismo
Gramados no PaisagismoGramados no Paisagismo
Gramados no Paisagismo
Chusquea Paisagismo e Permacultura
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Rural Pecuária
 
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliçasSecador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Urialisson Queiroz
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
Alexandre Panerai
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Franciele_
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
Pablo Henrique Batista Souza
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
UNICAP
 
Apresentação boletim
Apresentação boletimApresentação boletim
Apresentação boletim
Anderson Gallo
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
Sementes Agromax Ltda
 
82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa
Patty Melo
 
Girassol Adubação Verde
Girassol Adubação VerdeGirassol Adubação Verde
Girassol Adubação Verde
Az. O.
 
Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arroz
Evangela Gielow
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Revista Cafeicultura
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
Az. O.
 
Oriental comtec235
Oriental comtec235Oriental comtec235
Oriental comtec235
Cléoma Guimarães
 

Mais procurados (20)

Folha 319 mais uniformidade na formação do cafezal
Folha 319   mais uniformidade na formação do cafezalFolha 319   mais uniformidade na formação do cafezal
Folha 319 mais uniformidade na formação do cafezal
 
Minhocultura 2
Minhocultura 2Minhocultura 2
Minhocultura 2
 
Minicurso minhocultura
Minicurso minhoculturaMinicurso minhocultura
Minicurso minhocultura
 
Poda
PodaPoda
Poda
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
 
Gramados no Paisagismo
Gramados no PaisagismoGramados no Paisagismo
Gramados no Paisagismo
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
 
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliçasSecador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
 
Apresentação boletim
Apresentação boletimApresentação boletim
Apresentação boletim
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
 
82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa82. como fazer uma horta em casa
82. como fazer uma horta em casa
 
Girassol Adubação Verde
Girassol Adubação VerdeGirassol Adubação Verde
Girassol Adubação Verde
 
Seminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arrozSeminario maq. prod. de arroz
Seminario maq. prod. de arroz
 
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazieloFenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro   roberto tomazielo
Fenicafé 2014 inovação na poda do cafeeiro roberto tomazielo
 
Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol Adubação verde: Girassol
Adubação verde: Girassol
 
Oriental comtec235
Oriental comtec235Oriental comtec235
Oriental comtec235
 

Destaque

Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto
thaglis
 
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas PlantadasEstoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Paola Brutti
 
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
mbarroso1
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Exagro
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Geise De Goes Canalez
 
Flyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - PortuguêsFlyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - Português
Guilherme Horiuchi
 
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Idesam
 
Adubação eucalip
Adubação eucalipAdubação eucalip
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Instituto Besc
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicial
agronomoandre
 
Certificação Florestal Responsável
Certificação Florestal ResponsávelCertificação Florestal Responsável
Certificação Florestal Responsável
AmBioDiv - Valor Natural
 
Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1
guest312a108
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
Diego Cardoso
 
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Mudas Nobres
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Julyane Sued Castro de Alencar
 
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEMFUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
Moacir Medrado
 
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de EucaliptoSeguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
CanaTec Coworking
 
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
Atrium Forest
 
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
Sistema Famato
 
Custo de produção do eucalipto
Custo de produção do eucaliptoCusto de produção do eucalipto
Custo de produção do eucalipto
Josiady Souza
 

Destaque (20)

Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto
 
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas PlantadasEstoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
 
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
 
Flyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - PortuguêsFlyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - Português
 
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
 
Adubação eucalip
Adubação eucalipAdubação eucalip
Adubação eucalip
 
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
 
Apresentação Técnica Base Inicial
Apresentação  Técnica  Base  InicialApresentação  Técnica  Base  Inicial
Apresentação Técnica Base Inicial
 
Certificação Florestal Responsável
Certificação Florestal ResponsávelCertificação Florestal Responsável
Certificação Florestal Responsável
 
Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
 
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
 
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEMFUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
 
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de EucaliptoSeguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
Seguro Florestal - VIII Simpósio de Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto
 
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
Eucaliptocultura: economia e planejamento florestal.
 
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
Diagnóstico de Florestas Plantadas de Mato Grosso
 
Custo de produção do eucalipto
Custo de produção do eucaliptoCusto de produção do eucalipto
Custo de produção do eucalipto
 

Semelhante a Cartilhaeucaliptoneo

Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
pauloweimann
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
Lenildo Araujo
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
Lenildo Araujo
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
IFMT - Campus Juína
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
Geraldomresende
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
MilenaAlmeida74
 
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdfComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
JssicaGontijo3
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
Marcio Claro de Oliveira
 
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp0221438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
Ronildo Barros Pereira
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
Lenildo Araujo
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
rbsapple
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
leneschabbach
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
pauloweimann
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
Tamara Santos
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
ABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxiABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxi
Lenildo Araujo
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 

Semelhante a Cartilhaeucaliptoneo (20)

Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Limão tahiti
Limão tahitiLimão tahiti
Limão tahiti
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdfComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
ComoCultivarAlimentosPlantandoFlorestasweb.pdf
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
 
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp0221438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Dia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em ItaperuçuDia da árvore em Itaperuçu
Dia da árvore em Itaperuçu
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
 
Manual do cultivo
Manual do cultivoManual do cultivo
Manual do cultivo
 
Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
ABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxiABC Como plantar abacaxi
ABC Como plantar abacaxi
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 

Cartilhaeucaliptoneo

  • 1. FLORESTAS, O NEGÓCIO DO SÉCULO XXI! A floresta produz de madeira a água, de ar limpo a animais silvestres, de papel a turismo, de móveis a educação, de tecido a pizza, de tijolo a remédio, de chapa de fibra a quebra vento, de moradia a perfume. Além disso ajuda a seqüestrar carbono e mitigar o aquecimento global. Em tudo isso a árvore participa e tudo isso dá dinheiro. As florestas de São Paulo empregam para a sua produção e o beneficiamento da sua matéria prima quase 100 mil pessoas com um faturamento que ultrapassa os 15 bilhões de reais. Essa é uma realidade que precisa ser conhecida, divulgada e ampliada. O FLORESTAR que congrega o setor florestal de São Paulo se empenha na implantação das metas setoriais para os próximos 25 anos: plantar quatro MILHÕES DE HECTARES gerando um MILHÃO DE EMPREGOS no período. Esses empregos fortalecerão o consumo regional, propiciarão novos investimentos, abrirão novos mercados, criarão novos produtos e usos e fixarão a população em seus locais de origem. Todas as mais de 300 mil propriedades rurais do Estado possuem um cantinho onde se pode e se deve plantar floresta. E toda floresta, mais cedo ou mais tarde, vai produzir um benefício. As oportunidades que se abrem para o produtor rural e outros ramos ligados ao setor para diversificarem as suas produções, seus serviços e aumentarem suas receitas são reais e ambientalmente adequadas. São Paulo possui uma área de mais de 4 milhões de hectares cuja maior vocação é plantar florestas. ENGº AGRº EDUARDO P. CASTANHO Fº CONSELHEIRO DO FLORESTAR SÃO PAULO PESQUISADOR CIENTÍFICO –IEA/ APTA/ SAA-SP 1
  • 2. PLANTIO DO EUCALIPTO Assim como você cultiva milho, mandioca, feijão e outros produtos, você poderá cultivar também uma floresta. Isto se faz em muitos países do mundo. Se isso não for feito, será muito difícil continuar com agricultura, principalmente em regiões montanhosas. Assim, numa programação de prazo mais longo, você não terá mais áreas esgotadas ou sem uso, e seus filhos e netos poderão continuar vivendo da lavoura. Você terá também outra fonte de renda. A madeira está cada vez mais cara e seu preço vai subir muito mais. Quem for inteligente vai levar vantagem. Você deve escolher uma espécie florestal que cresça rápido e que dê retorno econômico. Você pode, por exemplo, escolher o eucalipto. O eucalipto é plantado, atualmente, em quase todo o mundo, por ser uma planta que possui espécies diversificadas e adaptáveis a várias condições de clima e solo. Para se ter uma idéia da diversificação das espécies, existem eucaliptos que se adaptam muito bem em regiões de temperatura de 350 C e outros que suportam um frio de até 180 C abaixo de zero. A maioria das espécies plantadas no Brasil apresenta um crescimento rápido, produz grande quantidade de madeira e subprodutos e tem fácil adaptação. Embora se diga que o eucalipto prospera nos mais variados climas e solos, como toda plantação, ele necessita de certos cuidados, principalmente de manejo para sua boa produção, desenvolvimento e adequação ambiental. O eucalipto é considerado uma cultura recuperadora de solo. Por ter raízes profundas, ele busca, nas camadas inferiores do solo, nutrientes minerais que já estão fora do alcance de raízes superficiais. Por esse motivo, o eucalipto pode controlar a erosão do solo e também ocupar áreas que são impróprias para a agricultura, além de reconstituir no longo prazo as reservas subterrâneas de água do solo. Além disso, serve de matéria-prima para diversas finalidades como marcenaria, apicultura, papel e celulose, energia, etc. Dentre as principais espécies cultivadas recomenda-se: • papel e celulose (grandis, saligna, urophylla). • mourão para cerca (citriodora, robusta, globulus). • pontalete para construção (citriodora, robusta, globulus). • energético - lenha, carvão (grandis, urophylla, torililana). • postes (citriodora, robusta, grandis). Apresentamos, neste folheto, algumas instruções técnicas que podem ajudar, a você agricultor, no plantio de eucalipto. VOCÊ PODE PRODUZIR SUAS MUDAS Prepare a Terra Retire terra de barrancos numa profundidade de aproximadamente 50cm e peneire, deixando-a livre de torrões. Encha as Embalagens Utilize sacos plásticos com 8 cm x 15 cm (ou semelhantes), com 4 ou mais furos na parte inferior ou tubetes. Encha-os uniformemente com a terra peneirada, deixando-a compactada. Faça a Semeadura Organize os sacos plásticos ou tubetes, já cheios com terra, em canteiros com 1 metro de largura, por 5 metros de comprimento numa superfície plana, olocando um bem 2
  • 3. encostado ao outro; no caso de tubetes utilize uma tela para encaixá- los. . Cerque os canteiros com tábuas, varas, tijolos ou mesmo terra; Peneire uma camada fina de terra sobre os sacos plásticos ou tubetes, numa peneira de malha fina (fubá); Dilua 150 g de adubo NPK 4-14-8 (ou parecido) em 8 litros d'água e aplique em cada m2 de canteiro; Peneire novamente uma leve camada de terra, para isolar o adubo da semente; Efetue a semeadura distribuindo de 3 a 5 sementes em cada saquinho; Peneire novamente uma leve camada de terra fina. Cobertura e Irrigação Peneire uma camada de 0,5cm de palha de arroz, com peneira de malha (feijão), ou cubra com “sombrite” 50%" (ou sapé); Caso a cobertura seja sombrite ou sapé, mantenha uma altura de 10 cm do canteiro; Retire a cobertura quando a muda atingir 2 cm de altura; Após a semeadura, faça duas irrigações abundantes por dia. Seleção e Repicagem Quando as mudas atingirem 3 a 4 cm, deixe as mais vigorosas e arranque as utras, podendo aproveitá-las cortando suas raízes, deixando no máximo 0,5cm. Plante essas mudas nos sacos plásticos ou tubetes em que não houve germinação. Adube após a Seleção e Repicagem Utilize a mesma adubação da semeadura logo após a seleção das mudas; Repita a adubação a cada 15 dias, por mais duas ou três vezes; Quando as mudas atingirem 15 cm, não adube mais. Faça a Movimentação das Mudas Quando as mudas atingirem cerca de 15 cm, faça a movimentação, colocando as maiores nas laterais do canteiro e as menores no centro; Pode-se efetuar novas adubações no centro do canteiro, até que as mudas menores alcancem o tamanho das outras. Na dúvida, não coloque mais adubo. Selecione e Encaixote Quando a muda atingir de 15 a 30 cm, diminua a irrigação para o “amadurecimento” (que é quando ela fica avermelhada e pronta para o encaixotamento); Após ó "amadurecimento", selecione as mudas do mesmo tamanho e encaixote-as para serem embarcadas. PLANTIO DO EUCALIPTO - COMECE ASSIM: ESCOLHA O LOCAL De preferência, escolha terreno de morro, que esteja fraco, abandonado ou com samambaia; terreno cansado, com sinal de enxurrada e que não esteja produzindo. Comece a preparar o terreno dois meses antes do plantio. Onde tem formiga, não se planta eucalipto. Assim que você escolher o terreno, faça uma vistoria nele e nas redondezas. Elimine os formigueiros que encontrar dois meses antes do plantio. Coloque 10 gramas de isca de cada olheiro ativo. Não coloque dentro do olheiro nem na terra solta da boca do olheiro. 3
  • 4. - AVISO IMPORTANTE - não pegue a isca com a mão, use uma vasilha só para isto. - Veja na redondeza também. Formiga não respeita cerca nem divisa de propriedade. LIMPE TODA A ÁREA Você deve fazer a operação de destoca ou preparo do terreno, aproveitando o material existente na lavoura, juntando o resto do mato e fazendo leiras no sentido das curvas de nível. Comece roçando o mato e leiras formando um cordão, conforme a figura. A fileira deve ter a largura de 3 metros. FAÇA PLANTIO DIRETO OU ARAÇÃO E GRADAGEM Preferencialmente deve ser utilizado o plantio direto. Alternativamente, quando a inclinação do terreno permitir, após a limpeza do terreno, inicie os trabalhos de aração e gradagem. De preferência esses trabalhos devem ser realizados após algumas chuvas ou com o solo úmido; isso melhora a profundidade da aração. Se necessário, faça a gradagem duas vezes. PLANEJE OS CAMINHOS E ACEIROS Quando você efetuar os trabalhos de limpeza e aração, faça uma programação dos aceiros e carreadores internos. Os aceiros devem ter no mínimo 6 m de largura em todo o perímetro da área, facilitando a prevenção e combate a 4
  • 5. incêndios. Os carreadores internos em áreas inclinadas deverão ser traçados em sentido bem suave, cortando as águas, de modo a não serem prejudicados pela erosão. Poderão ser traçados com saídas e escoamento de águas ou com elevação de terras no sistema de curvas de nível. Não faça talhões com mais de 15 hectares. APLIQUE O FORMICIDA CORRETAMENTE E COM CUIDADO Quanto maior o formigueiro, maior a quantidade de formicida que você deve colocar no olheiro. Caso você coloque uma quantidade pequena, as formigas ficam resistentes àquele formicida, começam a retirar do formigueiro os granulados e não os carregam mais. Caso isso aconteça, mude de marca de produto e diferencie o atrativo. Para você ficar sabendo se está colocando a quantidade correta de formicida, meça rapidamente o formigueiro conforme o desenho e siga as instruções nele contidas: 5 metros 2 metros Meça a terra solta (murundu) em m2 . No exemplo: 5m x 2m = 10m2 é a área do formigueiro. Para cada 10m2 (área) use 100 gramas de formicida, ou para cada 1m2 , 10 gramas. O ESPAÇAMENTO É MUITO IMPORTANTE À medida que deixamos maior espaço (área) para cada planta, ela irá se desenvolver mais em menor tempo. Quando mantemos o espaçamento muito fechado, corremos riscos de ter um alto índice de árvores dominadas. O espaçamento que se recomenda é de 3m x 2m, perfazendo 6 m2 de área por árvore, com 1.666 plantas por hectare. Isso não impede que você agricultor escolha o espaçamento que melhor se adapte à situação de suas terras, lugar ou topografia. Porém, em nenhuma hipótese, o espaçamento deve ser menor do que 2 x 2 metros. ALINHAMENTO O alinhamento poderá ser feito através de cordas, conforme o espaçamento desejado; marque a corda na distância entre uma cova e outra. Nos terrenos planos, você pode utilizar trator com 5
  • 6. sulcador, que cruzando as linhas deixará o espaçamento desejado. As covas devem ser espaçadas de 2 metros na linha e 3 metros na fileira, sempre desencontradas, conforme o desenho acima. ADUBE DE ACORDO COM O TERRENO O agricultor pode utilizar a adubação mecânica ou manual, de acordo com a inclinação do seu terreno e com as características minerais e físicas do seu solo. No plantio são utilizados de 150 a 250 gramas de NPK 10-30-10 ou uma fórmula semelhante a essa por planta, com uma cobertura da mesma fórmula depois de 10 meses a um ano. O ideal é proceder a uma análise do solo antes de adubar. No caso da adubação mecânica, quando o trator fizer o sulco, pode também efetuar a adubação em conjunto (adubação em sulco). Esse procedimento ajuda nos resultados e diminui os custos. A adubação manual é utilizada em terrenos inclinados, onde não se consegue mecanização. COVEAMENTO EM TERRENOS INCLINADOS A cova deve ser feita com 40cm de largura por 40cm de profundidade e aterrada. Em seguida deve-se colocar o adubo. Você deve efetuar o plantio com as primeiras chuvas, pois nesse caso as covas ficarão com terras soltas (aterradas). Na hora do plantio utilize uma enxadinha pequena para reabrir um espaço para colocar as mudas. Quando o coveamento é aberto e não é aterrado, o sol seca rapidamente a terra de fora e ao se efetuar o plantio a terra a ser colocada na planta estará seca. Nunca plante em covas muito pequenas nem em solos compactados. VEJA COMO FAZER AS COVAS Comece no pé do morro, fazendo as covas bem perto do mato enleirado, como na figura da página 6. A 2 metros ao lado, abra a outra cova. Use o enxadão, cavando de cima para baixo no sentido do morro. Quando a cova é de profundidade pequena as raízes encontram impedimento para penetração, que na maioria dos casos se dá devido à compactação do terreno. Nesse caso as raízes se enroscam e em conseqüência teremos uma planta com desenvolvimento lento e provavelmente comprometida. Quando a cova for mais profunda, a planta encontra condições de desenvolver as raízes e conseqüentemente consegue um crescimento normal. As covas devem ser abertas pelo menos 30 dias antes do 6
  • 7. plantio. Isto é muito importante. A terra da cova deve ser colocada para o lado de baixo, quase em cima da leira do mato. Depois, raspe a terra em volta da cova e jogue dentro dela. Não encha a cova toda, deixe faltando meio palmo. Desse jeito, quando chover, tem espaço para segurar a água e alguma terra que escorrer. CUIDADOS AO TRANSPORTAR AS MUDAS Quando transportar as mudas do viveiro de produção para o local do armazenamento, você deve ter cuidado especiais: • o caminhão deve ser coberto com lona, mesmo que a distância não seja muito longa, pois o vento causado pela velocidade do veículo queima as folhas das mudas; • as caixas deverão ser colocadas no chão ou no local do armazenamento, devagar, para não abalar as raízes e causar perdas; • essa operação deverá ser observada e repetida no transporte do local do armazenamento para o campo; • ao distribuir as mudas, nas proximidades das covas, nunca as jogue de cima e sim utilize meios que possibilitem colocá- las suavemente na cova ou na sua proximidade. GUARDE AS MUDAS CORRETAMENTE • em sacos plásticos - limpe uma área plana onde tenha água nas proximidades; faça canteiros com 1m de largura e 5 a 10m. de comprimento, para que haja ventilação nas mudas; deixe espaço de 0,5m entre um canteiro e outro, para trânsito na irrigação. Nunca armazene todas as mudas juntas sem espaço, formando um canteiro único, pois dessa forma poderá ocorrer abafamento e conseqüentemente doenças. Guarde as mudas em lugares abertos, e iluminados. • em tubetes - o armazenamento ideal das mudas é feito em telas com 1m de largura e comprimento de até 10m, fixas em madeira, na altura de 1m a 1,30 metro. Os tubetes devem ser distribuídos na tela sempre com espaços para ventilação. No caso de não possuir telas na propriedade, você poderá armazenar as mudas na terra com os seguintes cuidados: • faça canteiros de 80cm de largura e comprimento que não ultrapasse 10 metros; • peneire uma camada de areia ou terra solta, de aproximadamente 10cm de altura e sobre esses canteiros e distribua os tubetes espaçados; • irrigue conforme a necessidade. Após ser retirada do tubete, a muda tem uma durabilidade de um a dois dias. 7
  • 8. A HORA DO PLANTIO Se a embalagem da muda que vai ser plantada for de saco plástico, retire-o totalmente e cubra a cova com terra, 1 a 2 cm acima da parte superior do colo da muda. A terra deverá ser comprimida com as mãos ou pés, deixando a muda na posição vertical. Observe sempre se o adubo foi bem misturado à terra. As mudas embaladas em tubetes devem ser conduzidas para o local de plantio, para serem retiradas dos mesmos. Pegue a muda pelo tubete, nunca pelas folhas. Aperte o tubete plástico com os dedos dando um leve toque na parte superior para a muda soltar por dentro. Você deve ter o cuidado de não levar terra compactada para a cova, porque isso pode entortar a muda e prejudicar o seu desenvolvimento inicial. Retire a muda com a palma da mão esquerda ficando as raízes entre os dedos, com a ponta dos dedos na frente da ponta das raízes e com uma enxadinha, faça um buraco no centro da cova com a mão direita(se você for canhoto inverta o uso das mãos). USE UM CUPINICIDA Antes do plantio, observe se na área existe cupim, pois eles cortam as raízes, causando a morte da planta. Nesse caso, aplique uma colher de chá de um cupinicida, bem espalhado no 8
  • 9. fundo da cova. REPLANTIO Deixe uns 20% de mudas para o replantio. Ele deve ser feito entre 30 e 60 dias depois do plantio. Não é necessário abrir de novo a cova, mas afofar o local onde você vai plantar a nova muda. Nos primeiros 6 meses, você deve deixar a cova livre de mato mantendo sempre a “coroa” limpa até 1 metro em volta da cova. Continue combatendo a formiga. Lembre-se que a muda que morre é a árvore de amanhã. É uma viga ou um poste que você perdeu. È uma partida que você deixou de entregar. O plantio de eucalipto pode ser consorciado com o de milho ou de feijão no primeiro ano, desde que não haja mais do que uma única linha de feijão ou de milho ao centro da rua em que foi plantado o eucalipto. FAÇA A MANUTENÇÃO DA FLORESTA - Combate à formiga - deixe sempre uma ou mais pessoas percorrendo a área para controlar as formigas cortadeiras; controle as formigas até 10 m longe das divisas. As incidências maiores são próximas a matagais e locais sujos. - Capinas mecânicas - nas áreas planas, plantadas com espaçamento de 3 m x 2 m, você pode efetuar uma gradagem nas entrelinhas e capinas manuais nas linhas. Essa operação fixa mais quantidade de água no solo, beneficiando a planta e, diminui o custo de manutenção. - Capinas manuais - em solos inclinados ou levemente inclinados, onde não se consegue mecanização, efetue a capina manual, que poderá ser por coroamento ou por trilhamento. - Coroamento: deverá ser feito um circulo medindo 1 m de uma extremidade a outra, ou seja, com 0,5 m de raio, sempre mantendo a vegetação das entrelinhas roçadas. Trilhamento: nunca deve ser feito acompanhando as águas, pois isso ajudaria a erosão do local e lavagem do terreno, levando adubo para as partes baixas e, em alguns casos, destruindo o plantio. Você deve sempre manter o eucalipto limpo até que ele domine sua área. COMO FAZER A LIMPEZA DA ÁREA (COROA) Quando a “coroa” é feita corretamente (50cm de raio) a muda tem espaço suficiente para um bom desenvolvimento. Atenção: quando você agricultor for plantar em áreas de pasto (braquiária), faça uma “coroa” maior, com 75cm de raio e adube com superfosfato simples 150g/cova. A cobertura também deve 9
  • 10. ser feita 60 dias após o plantio, mantendo ainda a “coroa” sempre limpa. REFORME AS ÁREAS IMPRODUTIVAS Quando uma plantação de eucalipto, depois de cortada, não apresenta brotação suficiente para uma produção econômica, você deve reformá-la, isto é, plantá-la novamente com eucalipto, sem a necessidade de destoca dos tocos antigos. Quando não há possibilidade de mecanização, após a limpeza efetue o coveamento conforme orientado anteriormente, seguindo o mesmo alinhamento do plantio anterior. Nos casos de terrenos planos com espaçamento que suporte mecanização, você pode cortar os tocos bem baixos e utilizar um trator com arado reformador, cobrindo-os com terra, e depois efetuar as demais operações de coveamento, adubação e plantio. Mantenha sempre o eucalipto limpo. No início da brotação do antigo plantio, faça a desbrota com foices ou enxadas, não deixando prejudicar o novo plantio. INCÊNDIOS - MELHOR PREVENIR • mantenha os aceiros de divisa sempre limpos e gradeados; • fique atento às queimadas dos vizinhos, principalmente na época em que os agricultores efetuarem as queimadas para preparo do solo, o que geralmente ocorre no inverno; • fique sempre alerta, pois não se sabe quando um incêndio se inicia; • se for possível, coloque cartazes educativos alertando para o perigo de fogo. ANOTE • Transporte as mudas em caixas ou balaios. As mudas devem ficar deitadas e sempre as hastes devem ficar viradas entre si, isto é, sempre folha com folha. • Antes de retirar as mudas do canteiro, elas devem ser bem molhadas. • Não deixe as mudas tomando vento ao sol. Elas devem ser molhadas e ficar à sombra enquanto são plantadas. Não podem ressecar. • Plante no mesmo dia as mudas transplantadas. • Quanto menor o tempo que elas ficarem fora do canteiro, melhor. • Retire aos poucos do canteiro a quantidade que você vai precisar para o plantio. Evite tirar muitas de uma só vez, para evitar o ressecamento das mudas. • O melhor dia para plantar é depois de uma chuva, que molhe a terra da cova, ou dia úmido que esteja nublado ou com chuva miúda. • A muda deve ficar aprumada e mais enterrada, deixando folga para a água da chuva. • Nunca cobrir o ramo novo da muda com terra. • Não use adubo químico no dia do plantio. Se você quiser usar adubo químico, deve fazer isto 3 ou 4 dias antes do plantio, jogando no fundo da cova. • Proteja sua floresta contra incêndios, mantendo limpos os aceiros, na largura mínima de 4 metros. Atenção: não plante eucalipto embaixo de linhas com energia elétrica, sem deixar a distância exigida por Lei. 10
  • 11. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA - “PLANTIO DO EUCALIPTO” - SMA, FUNDAÇÀO FLORESTAL, CHAMPION, CATI - SAA, SERFLORA S.A. - 1992; - “REFLORESTAR É O CAMINHO”, EMATER-ES, ARACRUZ S.A. - 1992. - “CUSTOS E RENDIMENTOS OPERACIONAIS DE UM PLANTIO DE EUCALIPTO EM REGIÃO DE CERRADO”- Silva.K.R. et allii,Dptº de Engenharia Florestal – Univ. Federal de Viçosa,2004. - “SILVICULTURA DO EUCALIPTO”-Ambiente Brasil,in www.ambientebrasil.com.b - “CULTIVO DO EUCALIPTO – PRODUÇÃO DE MUDAS”- Ferrari, M.P.; Embrapa Sistemas de Produção 4 ISSN 1678- 8281;2003. - “CULTIVO DO EUCALIPTO – NUTRIÇÃO , ADUBAÇÃO E CALAGEM”- Bellote, A .F.J et allii, M.P.;Embrapa Sistemas de Produção 4 ISSN 1678-8281;2003. - “BOLETIM 200-IAC-INSTRUÇÕES AGRÍCOLAS PARA AS PRINCIPAIS CULTURAS ECONÔMICAS”-Duarte,F.R. et allii, 6ª edição, 1998. - “BOLETIM 100-IAC- RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO E CALAGEM PARA O ESTADO DE SÃO PAULO”- Gonçalves,J.L.deM. et allii,Campinas, 1997. 11