SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
HISTÓRIA
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
Existiu mesmo uma
Pré-história?
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
1. (Uern 2013) O primeiro meio pelo qual o ser humano registrou
sua própria existência foi a pedra – as pinturas rupestres mais
antigas, encontradas em cavernas da Espanha, datam de cerca de
quarenta mil anos atrás.
Quando a escrita foi encontrada na Mesopotâmia, em 4.000 a.C., foi
preciso um suporte que a tornasse portátil. A solução foram as
tabuletas de argila, pranchas do tamanho de uma folha de papel,
gravadas com argila ainda úmida, usando uma ponta afiada de
madeira. Se as tabuletas se destinavam a uso definitivo, eram
cozidas em fornos, como vasos de cerâmica – se não, eram
apagadas. Um estilo de escrita desenvolvido foi chamado
cuneiforme.
(Revista Aventuras na História. Edição 114. Janeiro de 2013. p. 14.)
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
A partir dessas formas de registro, outras foram surgindo e
a escrita tornou-se um meio para a transmissão de
tradições, transformando-se num veículo de expressão e
organização social. Com base na relação entre o
surgimento da escrita e a aceleração do desenvolvimento
das civilizações, é correto afirmar que
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
RESPOSTA:
a) tanto nas primeiras civilizações, quanto nas
civilizações vindouras, a escrita possui um papel
fundamental na cultura.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
b) foi a escrita, à medida em que se transformava em um
sistema informacional, a grande responsável pelo surgimento
do Estado.
c) não são consideradas “civilizações” as sociedades que não
desenvolveram a escrita, já que não deixaram registro de sua
cultura.
d) comprovadamente, as civilizações que dominaram a
escrita, tais como a Mesopotâmia e o Egito, tornaram-se
superiores às demais, dominando-as.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
CHAMAMOS DE GREGOS AOS POVOS
QUE HABITAVAM A PENÍNSULA
BALCÂNICA, DA ÁTICA E DO
PELOPONESO. MAS ELES TINHAM ESSA
IDEIA DE UNIDADE POLÍTICA E
CULTURAL?
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
2. (Fuvest 2015) Em certos aspectos, os gregos da Antiguidade foram sempre um
povo disperso. Penetraram em pequenos grupos no mundo mediterrânico e,
mesmo quando se instalaram e acabaram por dominá-lo, permaneceram
desunidos na sua organização política. No tempo de Heródoto, e muito antes dele,
encontravam-se colônias gregas não somente em toda a extensão da Grécia atual,
como também no litoral do Mar Negro, nas costas da atual Turquia, na Itália do sul
e na Sicília oriental, na costa setentrional da África e no litoral mediterrânico da
França. No interior desta elipse de uns 2500km de comprimento, encontravam-se
centenas e centenas de comunidades que amiúde diferiam na sua estrutura política
e que afirmaram sempre a sua soberania. Nem então nem em nenhuma outra
altura, no mundo antigo, houve uma nação, um território nacional único regido por
uma lei soberana, que se tenha chamado Grécia (ou um sinônimo de Grécia).
FINLEY M. I. O mundo de Ulisses. Lisboa: Editorial Presença, 1972. Adaptado.
Com base no texto, pode-se apontar corretamentePROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
RESPOSTA:
d) a inadequação do uso de conceitos modernos, como
nação ou Estado nacional, no estudo sobre a Grécia
antiga, que vivia sob outras formas de organização social e
política.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
a) a desorganização política da Grécia antiga, que sucumbiu rapidamente ante as
investidas militares de povos mais unidos e mais bem preparados para a guerra,
como os egípcios e macedônios.
b) a necessidade de profunda centralização política, como a ocorrida entre os
romanos e cartagineses, para que um povo pudesse expandir seu território e
difundir sua produção cultural.
c) a carência, entre quase todos os povos da Antiguidade, de pensadores
políticos, capazes de formular estratégias adequadas de estruturação e unificação
do poder político.
e) a valorização, na Grécia antiga, dos princípios do patriotismo e do
nacionalismo, como forma de consolidar política e economicamente o Estado
nacional.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
QUAL A IMPORTÂNCIA DA ESCRAVIDÃO
PARA A DEMOCRACIA GREGA E A
REPÚBLICA ROMANA?
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
3. (Upf 2015) Leia o fragmento do documento a seguir, que trata da
escravidão na Idade Antiga.
“Ao lidarmos com escravos, não deveríamos permitir que fossem
insolentes para conosco, nem deixá-los totalmente sem controle.
Aqueles cuja posição está mais próxima da dos homens livres deveriam
ser tratados com respeito; aqueles que são trabalhadores deveriam
receber mais comida. Já que o consumo de vinho também torna
homens livres insolentes [...], é claro que o vinho jamais deveria ser
dado a escravos, ou só muito raramente.”
(ARISTOTELES, in: CARDOSO, Ciro Flamarion. O trabalho compulsório na antiguidade. Rio de Janeiro: Graal, 1984, p. 108)
Sobre a escravidão na Antiguidade, é correto afirmar:
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
RESPOSTA:
d) Foi marcante nas sociedades grega e romana só a
partir de um determinado estágio do desenvolvimento
de ambas, quando surgiu a propriedade privada.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
a) Esteve presente com igual importância econômica em todas as
sociedades mediterrâneas.
b) Foi restrita às cidades-estados da Grécia e à Roma republicana e
imperial.
c) Foi tão importante nas sociedades do Egito e da Mesopotâmia
quanto nas da Grécia e de Roma.
e) Era desconhecida nas chamadas sociedades hidráulicas do Egito
e da Mesopotâmia e entre os hebreus e fenícios.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
O CRISTINISMO SE CONCOLIDA ENQUANTO
RELIGIÃO DOMINANTE DA EUROPA OCIDENTAL
A PARTIR DO IMPÉRIO ROMANO. MAS, QUAL O
PAPEL DESEMPENHADO POR ESSA RELIGIÃO
DURANTE A IDADE MÉDIA?
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
4. (Unesp 2015) A imagem
reproduz um auto de fé. Essas
cerimônias
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
RESPOSTA:
d) tinham caráter exemplar, expondo
publicamente os réus forçados a pedir perdão,
antes de serem encaminhados para a execução.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
a) ocorreram em todos os países da Europa e nas regiões
colonizadas por portugueses e espanhóis.
b) permitiram a difusão do catolicismo e tiveram papel
determinante na erradicação do protestantismo na Europa central.
c) eram conduzidas por autoridades leigas, pois a Igreja Católica
não tinha vínculo com a perseguição e a punição dos hereges.
e) visavam a executar os judeus e islâmicos, não atingindo
protestantes nem católicos romanos ou ortodoxos.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
EM 1517, LUTERO FIXOU AS 95 TESES NA PORTA DA
IGREJA DE WITTENBERG (ALEMANHA). ESTAS TESES
CRITICAVAM A VENDA DE INDULGÊNCIAS,
QUESTIONAVAM O PODER PAPAL E ALGUMAS PRÁTICAS
CATÓLICAS, ALÉM DE PROPOR UMA AMPLA REFORMA
RELIGIOSA. MAS LUTERO PRETENDIA MESMO ROMPER
COM A IGREJA DE ROMA?
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
5. (Uemg 2015) Em 31/10/1517, o então Padre Martinho
Lutero publica as suas 95 teses, onde deixa clara sua
contrariedade com a forma religiosa Católica e com seu
representante máximo, o então Papa Leão X. Dois princípios
incomodavam muito Lutero: o primeiro era a venda das
indulgências e o segundo a Infalibilidade Papal.
Sobre a indulgência, Lutero disse:
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
27ª Tese: “Pregam futilidades humanas quantos alegam que, no momento em
que a moeda soa ao cair na caixa, a alma se vai do purgatório.”
28ª Tese: “Certo é que, no momento em que a moeda soa na caixa, vem o lucro,
e o amor ao dinheiro cresce e aumenta; a ajuda, porém, ou a intercessão da
Igreja tão só correspondem à vontade e ao agrado de Deus.”
A reforma luterana, de questionamento ao Papa e à sua autoridade, produziu
profundas mudanças religiosas, políticas e sociais. Sendo a indulgência um erro,
então, o povo não deveria obediência irrestrita, estava se estimulando o livre
pensar, o livre agir, o poder gradativamente voltar-se da igreja para o homem. O
alinhamento com qualquer ensino religioso deveria ser movido pela consciência,
e não mais pela imposição papal.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
Estava, portanto, em curso uma nova sociedade,
reformada, que iria produzir
RESPOSTA:
b) a livre interpretação da Bíblia pelos fiéis, a
salvação pela Fé e o Estado livre das indulgências.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
a) uma polarização entre protestantes e católicos,
com consequências somente na Alemanha.
c) a corrupção do homem enquanto cidadão,
motivando a preocupação excessiva com a
espiritualidade.
d) um fenômeno religioso com aceitação universal,
que passa a ser dominante em toda a Europa.
PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopiasCidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
Gláucia de Castro Pimentel
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
silvagaiodcsh
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
HCA_10I
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
Carla Teixeira
 
Humanistas, artistas e mecenas
Humanistas, artistas e mecenasHumanistas, artistas e mecenas
Humanistas, artistas e mecenas
ricardo_carvalho
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Lúcia Texeira
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
Carla Teixeira
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
Beatriz Mariano
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
s80
 

Mais procurados (20)

Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopiasCidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
Cidades imaginárias - hit da cidade por suas utopias
 
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento Atividade  de História - O Humanismo e  o Renascimento
Atividade de História - O Humanismo e o Renascimento
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
Exercícios sobre Renascimento artístico e cultural
Exercícios sobre Renascimento artístico e culturalExercícios sobre Renascimento artístico e cultural
Exercícios sobre Renascimento artístico e cultural
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Humanistas, artistas e mecenas
Humanistas, artistas e mecenasHumanistas, artistas e mecenas
Humanistas, artistas e mecenas
 
Atividade
AtividadeAtividade
Atividade
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
 
Renascimento cultural
Renascimento cultural Renascimento cultural
Renascimento cultural
 
O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Historia das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicasHistoria das-teorias-antropologicas
Historia das-teorias-antropologicas
 
Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)Cultura do Palácio (parte 1)
Cultura do Palácio (parte 1)
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 

Destaque

Vestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
Vestibular IFPE 2014 - Prova do IntegradoVestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
Vestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
Isaquel Silva
 
Projeto enem biologia 30.10.2014
Projeto enem biologia 30.10.2014Projeto enem biologia 30.10.2014
Projeto enem biologia 30.10.2014
Nahya Paola Souza
 
Análise sintática do período simples
Análise sintática do período simplesAnálise sintática do período simples
Análise sintática do período simples
Portal do Vestibulando
 
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios   1a fase - história geral - uelLista de exercícios   1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
stjamesmkt
 
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo diaProva seriado 3º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo dia
Portal NE10
 
Introdução a história objetivas
Introdução a história   objetivasIntrodução a história   objetivas
Introdução a história objetivas
Zé Knust
 
Aula oriente médio2
Aula oriente médio2Aula oriente médio2
Aula oriente médio2
Bruna Tiago
 

Destaque (20)

Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigoQuestões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
Questões de vestibulares e ENEM sobre o Mediterrâneo antigo
 
Vestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
Vestibular IFPE 2014 - Prova do IntegradoVestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
Vestibular IFPE 2014 - Prova do Integrado
 
Segunda aplicação do enem 2016: iIdentidades brasileiras
Segunda aplicação do enem 2016: iIdentidades brasileirasSegunda aplicação do enem 2016: iIdentidades brasileiras
Segunda aplicação do enem 2016: iIdentidades brasileiras
 
Analise combinatoria e probabilidade
Analise combinatoria e probabilidadeAnalise combinatoria e probabilidade
Analise combinatoria e probabilidade
 
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosasExercícios de vestibular sobre reformas religiosas
Exercícios de vestibular sobre reformas religiosas
 
Questões de vestibulares e enem: Pré-história
Questões de vestibulares e enem: Pré-históriaQuestões de vestibulares e enem: Pré-história
Questões de vestibulares e enem: Pré-história
 
3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito
 
Privest, 3º EM Exercícios complementares AP.: 01 MÓD.: 01
Privest, 3º EM  Exercícios complementares AP.: 01 MÓD.: 01Privest, 3º EM  Exercícios complementares AP.: 01 MÓD.: 01
Privest, 3º EM Exercícios complementares AP.: 01 MÓD.: 01
 
Projeto enem biologia 30.10.2014
Projeto enem biologia 30.10.2014Projeto enem biologia 30.10.2014
Projeto enem biologia 30.10.2014
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Descolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiáticaDescolonização afro-asiática
Descolonização afro-asiática
 
Análise sintática do período simples
Análise sintática do período simplesAnálise sintática do período simples
Análise sintática do período simples
 
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios   1a fase - história geral - uelLista de exercícios   1a fase - história geral - uel
Lista de exercícios 1a fase - história geral - uel
 
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo diaProva seriado 3º ano caderno ii segundo dia
Prova seriado 3º ano caderno ii segundo dia
 
Introdução a história objetivas
Introdução a história   objetivasIntrodução a história   objetivas
Introdução a história objetivas
 
Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Aula oriente médio2
Aula oriente médio2Aula oriente médio2
Aula oriente médio2
 
África nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlânticoÁfrica nos tempos de tráfico atlântico
África nos tempos de tráfico atlântico
 
Fenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e PersasFenícios, Hebreus e Persas
Fenícios, Hebreus e Persas
 

Semelhante a Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus

História, cultura e sociedade
História, cultura e sociedadeHistória, cultura e sociedade
História, cultura e sociedade
Edpositivo
 
Soa a tempo o despertador
Soa a tempo o despertadorSoa a tempo o despertador
Soa a tempo o despertador
guestd10c02
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
eunamahcado
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
CAHRA
 
Idade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aIdade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo a
Paulo Billi
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
eunamahcado
 

Semelhante a Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus (20)

ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma AntigaANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
 
Questões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docxQuestões simulado 2 bimestre.docx
Questões simulado 2 bimestre.docx
 
Antiguidade
AntiguidadeAntiguidade
Antiguidade
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
 
Jesus cristo um presente de gregos
Jesus cristo um presente de gregosJesus cristo um presente de gregos
Jesus cristo um presente de gregos
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
História, cultura e sociedade
História, cultura e sociedadeHistória, cultura e sociedade
História, cultura e sociedade
 
Soa a tempo o despertador
Soa a tempo o despertadorSoa a tempo o despertador
Soa a tempo o despertador
 
Revisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º anoRevisão hist. 1º ano
Revisão hist. 1º ano
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdfCap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
 
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANOSEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
SEMANA DO FERA - PRIMEIRO ANO
 
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
A Influência da Igreja Católica Romana no cotidiano do homem medieval - Rosim...
 
Idade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aIdade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo a
 
Idade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo aIdade moderna período de transformações prof paulo a
Idade moderna período de transformações prof paulo a
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
 
42140_f0759e8f6ccad5f036782b23307cab94.pdf
42140_f0759e8f6ccad5f036782b23307cab94.pdf42140_f0759e8f6ccad5f036782b23307cab94.pdf
42140_f0759e8f6ccad5f036782b23307cab94.pdf
 

Mais de Portal do Vestibulando

A expansão e presença islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
A expansão e presença  islâmica no norte da África nos séculos VII e XIIA expansão e presença  islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
A expansão e presença islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
Portal do Vestibulando
 

Mais de Portal do Vestibulando (20)

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, AstecasSociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
Sociedades Pré-colombianas: Toltecas, Olmecas, Incas, Nazca, Maias, Astecas
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)Ditadura militar   anos de chumbo (1964-1985)
Ditadura militar anos de chumbo (1964-1985)
 
07 revolução mexicana
07   revolução mexicana07   revolução mexicana
07 revolução mexicana
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Guerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - AtualizadaGuerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - Atualizada
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto históricoBrasil Pré-colonial - contexto histórico
Brasil Pré-colonial - contexto histórico
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
Morfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes GramaticaisMorfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes Gramaticais
 
Novo acordo ortográfico
Novo acordo ortográficoNovo acordo ortográfico
Novo acordo ortográfico
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
A expansão e presença islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
A expansão e presença  islâmica no norte da África nos séculos VII e XIIA expansão e presença  islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
A expansão e presença islâmica no norte da África nos séculos VII e XII
 
Introdução a química
Introdução a químicaIntrodução a química
Introdução a química
 
Tabela Periódica
Tabela PeriódicaTabela Periódica
Tabela Periódica
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 

Cuca Vestibulares - Maratona PSC 1 - Manaus

  • 2. Existiu mesmo uma Pré-história? PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 3. 1. (Uern 2013) O primeiro meio pelo qual o ser humano registrou sua própria existência foi a pedra – as pinturas rupestres mais antigas, encontradas em cavernas da Espanha, datam de cerca de quarenta mil anos atrás. Quando a escrita foi encontrada na Mesopotâmia, em 4.000 a.C., foi preciso um suporte que a tornasse portátil. A solução foram as tabuletas de argila, pranchas do tamanho de uma folha de papel, gravadas com argila ainda úmida, usando uma ponta afiada de madeira. Se as tabuletas se destinavam a uso definitivo, eram cozidas em fornos, como vasos de cerâmica – se não, eram apagadas. Um estilo de escrita desenvolvido foi chamado cuneiforme. (Revista Aventuras na História. Edição 114. Janeiro de 2013. p. 14.) PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 4. A partir dessas formas de registro, outras foram surgindo e a escrita tornou-se um meio para a transmissão de tradições, transformando-se num veículo de expressão e organização social. Com base na relação entre o surgimento da escrita e a aceleração do desenvolvimento das civilizações, é correto afirmar que PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 5. RESPOSTA: a) tanto nas primeiras civilizações, quanto nas civilizações vindouras, a escrita possui um papel fundamental na cultura. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 6. b) foi a escrita, à medida em que se transformava em um sistema informacional, a grande responsável pelo surgimento do Estado. c) não são consideradas “civilizações” as sociedades que não desenvolveram a escrita, já que não deixaram registro de sua cultura. d) comprovadamente, as civilizações que dominaram a escrita, tais como a Mesopotâmia e o Egito, tornaram-se superiores às demais, dominando-as. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 7. CHAMAMOS DE GREGOS AOS POVOS QUE HABITAVAM A PENÍNSULA BALCÂNICA, DA ÁTICA E DO PELOPONESO. MAS ELES TINHAM ESSA IDEIA DE UNIDADE POLÍTICA E CULTURAL? PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 8. 2. (Fuvest 2015) Em certos aspectos, os gregos da Antiguidade foram sempre um povo disperso. Penetraram em pequenos grupos no mundo mediterrânico e, mesmo quando se instalaram e acabaram por dominá-lo, permaneceram desunidos na sua organização política. No tempo de Heródoto, e muito antes dele, encontravam-se colônias gregas não somente em toda a extensão da Grécia atual, como também no litoral do Mar Negro, nas costas da atual Turquia, na Itália do sul e na Sicília oriental, na costa setentrional da África e no litoral mediterrânico da França. No interior desta elipse de uns 2500km de comprimento, encontravam-se centenas e centenas de comunidades que amiúde diferiam na sua estrutura política e que afirmaram sempre a sua soberania. Nem então nem em nenhuma outra altura, no mundo antigo, houve uma nação, um território nacional único regido por uma lei soberana, que se tenha chamado Grécia (ou um sinônimo de Grécia). FINLEY M. I. O mundo de Ulisses. Lisboa: Editorial Presença, 1972. Adaptado. Com base no texto, pode-se apontar corretamentePROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 9. RESPOSTA: d) a inadequação do uso de conceitos modernos, como nação ou Estado nacional, no estudo sobre a Grécia antiga, que vivia sob outras formas de organização social e política. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 10. a) a desorganização política da Grécia antiga, que sucumbiu rapidamente ante as investidas militares de povos mais unidos e mais bem preparados para a guerra, como os egípcios e macedônios. b) a necessidade de profunda centralização política, como a ocorrida entre os romanos e cartagineses, para que um povo pudesse expandir seu território e difundir sua produção cultural. c) a carência, entre quase todos os povos da Antiguidade, de pensadores políticos, capazes de formular estratégias adequadas de estruturação e unificação do poder político. e) a valorização, na Grécia antiga, dos princípios do patriotismo e do nacionalismo, como forma de consolidar política e economicamente o Estado nacional. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 11. QUAL A IMPORTÂNCIA DA ESCRAVIDÃO PARA A DEMOCRACIA GREGA E A REPÚBLICA ROMANA? PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 12. 3. (Upf 2015) Leia o fragmento do documento a seguir, que trata da escravidão na Idade Antiga. “Ao lidarmos com escravos, não deveríamos permitir que fossem insolentes para conosco, nem deixá-los totalmente sem controle. Aqueles cuja posição está mais próxima da dos homens livres deveriam ser tratados com respeito; aqueles que são trabalhadores deveriam receber mais comida. Já que o consumo de vinho também torna homens livres insolentes [...], é claro que o vinho jamais deveria ser dado a escravos, ou só muito raramente.” (ARISTOTELES, in: CARDOSO, Ciro Flamarion. O trabalho compulsório na antiguidade. Rio de Janeiro: Graal, 1984, p. 108) Sobre a escravidão na Antiguidade, é correto afirmar: PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 13. RESPOSTA: d) Foi marcante nas sociedades grega e romana só a partir de um determinado estágio do desenvolvimento de ambas, quando surgiu a propriedade privada. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 14. a) Esteve presente com igual importância econômica em todas as sociedades mediterrâneas. b) Foi restrita às cidades-estados da Grécia e à Roma republicana e imperial. c) Foi tão importante nas sociedades do Egito e da Mesopotâmia quanto nas da Grécia e de Roma. e) Era desconhecida nas chamadas sociedades hidráulicas do Egito e da Mesopotâmia e entre os hebreus e fenícios. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 15. O CRISTINISMO SE CONCOLIDA ENQUANTO RELIGIÃO DOMINANTE DA EUROPA OCIDENTAL A PARTIR DO IMPÉRIO ROMANO. MAS, QUAL O PAPEL DESEMPENHADO POR ESSA RELIGIÃO DURANTE A IDADE MÉDIA? PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 16. 4. (Unesp 2015) A imagem reproduz um auto de fé. Essas cerimônias PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 17. RESPOSTA: d) tinham caráter exemplar, expondo publicamente os réus forçados a pedir perdão, antes de serem encaminhados para a execução. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 18. a) ocorreram em todos os países da Europa e nas regiões colonizadas por portugueses e espanhóis. b) permitiram a difusão do catolicismo e tiveram papel determinante na erradicação do protestantismo na Europa central. c) eram conduzidas por autoridades leigas, pois a Igreja Católica não tinha vínculo com a perseguição e a punição dos hereges. e) visavam a executar os judeus e islâmicos, não atingindo protestantes nem católicos romanos ou ortodoxos. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 19. EM 1517, LUTERO FIXOU AS 95 TESES NA PORTA DA IGREJA DE WITTENBERG (ALEMANHA). ESTAS TESES CRITICAVAM A VENDA DE INDULGÊNCIAS, QUESTIONAVAM O PODER PAPAL E ALGUMAS PRÁTICAS CATÓLICAS, ALÉM DE PROPOR UMA AMPLA REFORMA RELIGIOSA. MAS LUTERO PRETENDIA MESMO ROMPER COM A IGREJA DE ROMA? PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 20. 5. (Uemg 2015) Em 31/10/1517, o então Padre Martinho Lutero publica as suas 95 teses, onde deixa clara sua contrariedade com a forma religiosa Católica e com seu representante máximo, o então Papa Leão X. Dois princípios incomodavam muito Lutero: o primeiro era a venda das indulgências e o segundo a Infalibilidade Papal. Sobre a indulgência, Lutero disse: PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 21. 27ª Tese: “Pregam futilidades humanas quantos alegam que, no momento em que a moeda soa ao cair na caixa, a alma se vai do purgatório.” 28ª Tese: “Certo é que, no momento em que a moeda soa na caixa, vem o lucro, e o amor ao dinheiro cresce e aumenta; a ajuda, porém, ou a intercessão da Igreja tão só correspondem à vontade e ao agrado de Deus.” A reforma luterana, de questionamento ao Papa e à sua autoridade, produziu profundas mudanças religiosas, políticas e sociais. Sendo a indulgência um erro, então, o povo não deveria obediência irrestrita, estava se estimulando o livre pensar, o livre agir, o poder gradativamente voltar-se da igreja para o homem. O alinhamento com qualquer ensino religioso deveria ser movido pela consciência, e não mais pela imposição papal. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 22. Estava, portanto, em curso uma nova sociedade, reformada, que iria produzir RESPOSTA: b) a livre interpretação da Bíblia pelos fiéis, a salvação pela Fé e o Estado livre das indulgências. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com
  • 23. a) uma polarização entre protestantes e católicos, com consequências somente na Alemanha. c) a corrupção do homem enquanto cidadão, motivando a preocupação excessiva com a espiritualidade. d) um fenômeno religioso com aceitação universal, que passa a ser dominante em toda a Europa. PROFESSOR AUGUSTO SILVA www.vestenem.com