SlideShare uma empresa Scribd logo
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Bartolomeu Perestrelo Área Projecto ,[object Object],[object Object],[object Object],Funchal, 9 de Junho de 2011
Índice ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Introdução ,[object Object]
O que é uma civilização? Conjunto de formas de organização de uma população, normalmente vasta e assente em cidades, que partilha concepções semelhantes relativamente à religião, às regras jurídicas, à tecnologia, à arte e à literatura .
O que é a globalização? A globalização é o processo que nos leva a entender a humanidade como um todo, com aspectos comuns ditados pelas marcas, pelas multinacionais (empresas a nível mundial, pelos problemas ambientais, pelos valores universais, etc.
Como é que a globalização se entrega no mundo? A globalização tem uma dimensão cultural assente nos meios de comunicação (televisão, cinema, internet), traduzindo a criação de uma língua universal (inglês) ou o consumo de produtos e marcas mundiais.
Adversidades da globalização? Devido à superioridade da civilização ocidental a nível económico, político, tecnológico e militar sobre as restantes civilizações, leva à extinção das mesmas.
Quais os movimentos contra a globalização? Existem movimentos contra a globalização:  Movimentos Anti-Globalização. Movimentos pacíficos, ecológicos e de defesa dos povos indígenas. Estes organizam-se sempre que existem reuniões entre chefes de estado mundiais.
O que são encontros ecuménicos? São soluções com objectivo de tornar a religião promotora de boas relações entre populações de culturas diferentes, e que contribuem para a redução de conflitos de carácter cultural, passando pelo diálogo e a tolerância. Exemplo: Encontro de Lisboa e de Assis
Civilizações na Europa ,[object Object],[object Object],[object Object]
Civilização Grega ,[object Object]
Localização ,[object Object]
Localização
História ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Período Pré-Homérico ,[object Object]
Período Homérico ,[object Object]
Período Homérico Crescimento da população dos genos Terras tornam-se poucas para a agricultura  Muitos genos abandonam a região Desintegração do sistema
Período Arcaico Processo de expansão marítima- -comercial grega Fixação de colónias na porção norte do litoral do Mar Mediterrânico. Considerado o auge da história da Grécia Antiga. Período em que ocorre: Formação das cidades-estado (assim denominadas porque tinham governos e economias independente, onde o seu dirigente era escolhido pelo povo).
Período Clássico ,[object Object]
Esparta e Atenas ,[object Object]
Esparta ,[object Object],[object Object]
Esparta ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Atenas ,[object Object],[object Object]
Atenas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Esparta e Atenas ,[object Object],[object Object],[object Object]
Esparta e Atenas ,[object Object]
Período helenístico Invasão Macedónica Crise da polis grega Expansão militar e cultural helenística Expansão da civilização grega pelo Mar Mediterrâneo e funde-se com outras culturas Este período caracteriza-se por: Começou a ser feito o culto aos reis, transformando-os quase em Deuses
Cultura ,[object Object],[object Object],[object Object]
Cultura ,[object Object],Ésquilo Sófoclés
Cultura ,[object Object],[object Object]
Arte ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte ,[object Object],[object Object]
Escultura ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arquitectura ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Os arquitectos mais  conhecidos foram Calícrates  e Ictinius. Estilo Dórico Estilo Jónico Estilo Coríntio
Religião Grega ,[object Object],[object Object]
Nome dos deuses: O que representavam: Zeus rei de todos os deuses Afrodite amor, sexo e beleza corporal Ares guerra Hades mundo dos mortos e do subterrâneo Hera protectora das mulheres, do casamento e do nascimento Poseidon mares e oceanos Eros amor, paixão Héstia lar Apolo luz do Sol, poesia, música, beleza masculina Ártemis caça, castidade, animais selvagens e luz Deméter colheita, agricultura Dionísio festas, vinho Hermes mensageiro dos deuses, protector dos comerciantes Hefesto metais, metalurgia, fogo Crono tempo Gaia planeta Terra
Civilização Romana ,[object Object],Lenda de Rômulo e Remo
Localização ,[object Object],[object Object]
Localização
História ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Período da Monarquia ,[object Object],- Patrícios – grandes proprietários de terras e escravos, privilegiados e detentores de direito político. - Plebeus – pequenos proprietários e comerciantes, eram livres, mas não participavam na vida política (eram mais de metade da população). - Clientes – plebeus que prestavam serviços aos patrícios e em troca recebiam protecção e benefícios económicos. - Escravos – prisioneiros de guerra sem direito algum. Normalmente eram pessoas escravizadas por não poderem pagar as suas dívidas.
Período da Monarquia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Período da República ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Plebeus Queriam melhores condições de vida e privilégios comuns aos dos patrícios. Eram a maioria da população Não  tinham direitos políticos; Não podiam casar com os patrícios; Tornavam-se escravos quando não pagavam as suas dívidas. Então, fogem de Roma para fundar uma nova cidade Por isso, os Patrícios foram obrigados a cedes através de algumas  leis .
Leis: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Conquistas   Romanas ,[object Object],[object Object]
Conquistas Romanas
Massa de Plebeus miseráveis A Nobreza sustentava cada vez mais luxos. Irmãos Tibério e Caio Graco (tributos da Plebe) agissem para obter uma reforma agrária Através da distribuição de terras entre camponeses plebeus e limitações ao crescimento dos latifúndios Não é aceite pelo Senado Irmãos Graco são assaninados Forma-se um clima de desordem e de agitação Diversos chefes militares lutam pelo poder.
Período   do   Império Octávio (Chefe Militar) Assume o poder Procura estabelecer uma relação harmónica com o Senado Elaborou políticas que favoreceram: Nobres: mais altos cargos públicos Plebeus: concedeu terras, dinheiro na chamada política ‘pão e circo’ Esta política consistia em oferecer aos romanos alimentação e diversão
Período   do   Império Octávio (Chefe Militar) 40 anos de governo Longo período de paz e prosperidade, chamado de ‘Paz Romana’ Houve um grande desenvolvimento urbano Através da construção de diversas obras de infra-estrutura, como aquedutos, esgotos e estradas Entre 14 e 235, Roma transformou-se na capital do mundo, ou seja, o Império viveu o seu grande apogeu!
Religião   Romana ,[object Object],[object Object]
Religião Romana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Romana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Romana Frescos Romanos Bustos Romanos Tesselas Romanos
Arquitectura   Romana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Civilizações na África ,[object Object],[object Object],[object Object]
Civilização do Egipto Noroeste de África Ao longo das margens do  Rio Nilo até ao Delta A sul do Mar Mediterrânico
Formou-se por volta de 3100 a.C. Quando o rei do Alto Egipto, Narmer, conquistou a zona do Delta (conhecida como o Baixo Egipto). A sua história é marcada por três grandes reinos caracterizados, principalmente pela estabilidade política, prosperidade económica e desenvolvimento artístico - os períodos intermediários. Foi uma das primeiras civilizações a surgir, sendo uma das mais duradouras e tendo durado cerca de 3000 anos.
Períodos Intermediários Antigo Império (3200 a.C. a 2300 a. C.): Desenvolvimento da agricultura, através da construção de obras de drenagem; Construção das célebres pirâmides de  Gizé: Quéops, Quéfren e Miquerinos; Diminuição da autoridade do faraó. Pirâmides de Gizé
Médio Império   (2100 a.C. a 1750 a. C. ): Reconquista do poder dos faraós; Revoltas Sociais dos camponeses, que resultam na diminuição dos impostos e no direito em ocupar cargos elevados; Invasão dos  hicsos, um povo de origem asiática, que traziam cavalos e carros de combate que os egípcios desconheciam. Estes dominaram o país e instalaram-se no delta do Nilo permanecendo na região aproximadamente dois séculos. Períodos Intermediários Hicsos
Períodos Intermediários Novo Império (1580 a.C. a 525 a. C. ): Expulsão dos  hicsos; Expansionismo e o grande poder militar, pois a luta contra o invasor desenvolveu ao Egípto um espírito militar de conquistador; Domínio egípcio chegou a se estender até ao rio Eufrates, na Mesopotâmia; Invasão dos  hititas (povo asiático) e dos assírios (povo da região do rio Tigre).   Em 525 a. C., o rei persa Cambises derrotou o faraó Psamético III, colocando fim à  independência egípcia.  Desde então, os povos do Nilo  foram dominados pelos  gregos e, a partir de  30 a.C., pelos Romanos.
Hititas Assírios
Sociedade Egípcia Faraó - soberano todo poderoso, considerado deus vivo, filho de deuses e tinha ligação entre estes e os homens. Era objeto de culto, sendo considerado uma pessoa sagrada.  Concentrava em si: Poder Político Poder Espiritual Nobres - proprietários de grandes domínios, sendo familiares do faraó, altos funcionários do palácio, oficiais superiores do exército e chefes administrativos Sacerdotes - muito cultos, enriqueciam com ofertas feitas pelo povo aos deuses. Eram dispensados do pagamento de impostos e eram proprietários de muitas terras. 
Sociedade Egípcia Escribas - encarregavam-se da cobrança dos impostos, da organização escrita das leis, de decretos e da fiscalização da atividade econômica.  Soldados - viviam dos pagamentos das guerras e dos seus saques.  Artesãos e Camponeses - trabalhadores que viviam dos alimentos que recebiam. Trabalhavam sobretudo nas propriedades do faraó e dos sacerdotes. Escravos - homens da escravidão, devido a dívidas ou pela dominação de outros povos. Faziam os tarefas domésticas ou trabalhavam nas pedreiras e nas minas.
Principais costumes e tradições: ,[object Object],[object Object],[object Object]
Principais costumes e tradições: Fazer a mumificação, sobretudo dos faraós, em que retiravam os principais órgãos, dificultando assim a sua decomposição. Geralmente, os corpos eram colocados em túmulos de pedra e envoltos por faixas de algodão ou de linho. O processo durava cerca de 70 dias e, quando terminado eram chamadas de múmias.
A maioria das peças da arte egípcia eram esculpidas na pedra; Primeiro faziam-se os contornos, depois preenchiam-se com cores planas; De 1550 a 1069 a.C., a pintura dos túmulos atingiu um nível elevado chamado de “era dourada”; O estilo egípcio não mudou muito ao longo dos anos, mas as suas técnicas evoluíram, tornando-se mais complexas;
Os egípcios eram: Politeístas, isto é, adoravam vários deuses, inclusive alguns animais, como o gato, o boi e o crocodilo, que eles consideravam sagrados; Antropozoomórficos, pois os deuses eram representados geralmente pela figura humana e animal.
Existiam muitos deuses que os egípcios adoravam. No entanto, ao longo dos séculos foram evoluindo, por vezes reunindo-se dois num só. Nome dos deuses: O que representavam: Ísis Deusa do amor e da magia Anúbis Deus dos mortos e do submundo Amon-Rá Deus dos Reis Ptah Deus criador e do protector dos artesãos Osíris Deus da vegetação e representava a vida após a morte Sekhmet Deusa da guerra e defensora  de Ptah Thoth Deus da sabedoria e do mistério Hórus Deus do céu
Anúbis Ísis Amon-Rá Ptah
Sekhmet Osíris Thoth Hórus
Civilização Islâmica Médio Oriente Norte da África Algumas partes da África Subsaariana (sul do Deserto do Saara) Partes da Ásia
Foi fundada por Maomé. Por meio da religião, a Civilização Islâmica expandiu-se. O Imperio Islâmico foi  formado a partir dos territorios  conquistados durante a  Jihad, a Guerra Santa  contra os infieis.  Os árabes conquistaram um vasto território formando um grande império. Podemos dividir a história islâmica em 2 etapas.
Épocas da História Islâmica Período Pré-Islâmico: Época antes da criação do islamismo; Surgiram cidades como Meca e Iatreb (Medina), que se tornaram grandes centros comerciais;  Até o século VII, os árabes não eram unidos politicamente, mas tinham pontos em comum, por exemplo: o idioma árabe e as crenças religiosas, sendo nessa altura politeístas; Mas para unir as várias tribos , em Meca foi construído um templo religioso, a Caaba (casa de Deus), com as principais divindades;    Na Caaba, encontrava-se a pedra negra, que de acordo com a crença, veio do céu pelas mãos do anjo Gabriel. Caaba
Épocas da História Islâmica Período Islâmico: Época durante o islamismo; Em 622 d.c., Maomé foi perseguido por  ser contra o politeísmo;   Essa fuga marcou o início dessa religião;   Em Iatreb ( Medina), Maomé organizou um exército que conquistou Meca e destruiu os ídolos da Caaba, em 630. d.c.;   A Caaba foi convertida em centro de orações  e a crença politeísta foi proibida. Depois disso, Maomé, espalhou o Islamismo por toda a Arábia. Maomé
Os seus cinco grandes princípios são: Existência de um  único Deus (Alá); Oração cinco vezes  ao dia; Peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida; Jejum no Ramadão; Esmola obrigatória aos pobres; Em Meca
Livro Sagrado: Edifício Principal: Corão, que continha certas normas para a vida quotidiana,como a proíbição: de beber álcool; de comer carne de porco; de praticar jogos a dinheiro. Mesquita. (templo)
As Civilizações Ameríndias ,[object Object],[object Object]
Localização das Civilizações
Os Maias A civilização maia foi uma cultura mesoamericana pré-colombiana, notável pela sua língua, escrita, arte, arquitetura, matemática e sistemas astronômicos. A influência dos maias pode ser detectada em países como Honduras, Guatemala, El Salvador e na região central do México, a mais de 1000 km da área Maia. Chichén Itzá
Locais históricos ,[object Object]
A Arte Maia Os Maias expressavam a sua arte através da escultura, pintura, cultura (livros), ... Os entalhes e relevos num estuque de Palenque e a estatuária de Copán são especialmente refinados, sendo assim possível a observação precisa. Hoje em dia existem fragmentos da pintura avançada dos Maias clássicos, a maioria dos artefatos sobriviventes são funerários e cerâmicos. Também existe uma construção em Bonampak que tem murais antigos e que, afortunadamente, sobreviveram a um acidente desconhecido até hoje.
A Religião Maia Os rituais e cerimónias eram associadas a ciclos terrestres e celestiais que eram observados e registrados em calendários separados. A purificação era normalmente praticada antes de grandes eventos religiosos. Os maias acreditavam na existência de três planos principais no cosmo: a Terra, o céu e o submundo. Benção de uma criança
Jogo de bola ameríndio O objectivo do jogo é fazer com que a bola vá para o outro lado do campo utilizando as coxas, ancas e braços. Quando os Maias passavam crises este jogo era utilizado para ver quem iria ser sacrificado.
Conquista pelo Império Espanhol ,[object Object]
A Redescoberta dos Maias Prefeitos Maias em Guatemala As colônias espanholas americanas estavam muito afastadas do mundo exterior, e as ruínas das grandes cidades antigas eram pouco conhecidas exceto pelos locais Entretanto, em 1839, o explorador americano John Lloyd Stephens visitou Copán, Palenque, e outras localidades acompanhado do arquiteto e desenhista Frederick Catherwood.
Os Incas Bandeira Inca O Império Inca foi criado pela civilização Inca e foi o maior império da América pré-colombiana. A administração, política e centro de forças armadas do império eram localizados em Cusco, no atual Peru. O império surgiu nas terras altas do Peru em algum momento do século XIII.
Locais Históricos Os locais com maior importância nesta civilização são:
A Arte Inca Os incas produziam artefatos destinados ao uso diário ornados com imagens e detalhes de deuses. Era comum na cultura inca o uso de formas geométricas abstractas e representação de animais altamente estilizados no feitio de cerâmicas, esculturas de madeira, tecidos e objetos de metal.
A Religião Inca Os Incas eram extremamente religiosos e viam o Sol e a Lua como entidades divinas às quais suplicavam suas bençãos, fosse para melhores colheitas, fosse para o êxito em combates com grupos rivais.
Sacrifícios ,[object Object]
Música Inca ,[object Object]
Vestuário Inca ,[object Object]
Civilização na Oceânia ,[object Object]
História ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
Modo de Vida ,[object Object]
[object Object],[object Object]
Religião e Arte ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Civilizações na Ásia
No Médio Oriente, mais precisamente no vale do Tigre e do Eufrates, um clima privilegiado e um solo fértil favoreceram o desenvolvimento da agricultura. Assim apareceram as primeiras cidades e civilizações.
A cultura chinesa é uma das mais antigas da Terra até 1911 graças à ideia de que na sociedade civil cada indivíduo cumpre uma função bem determinada. Civilização Chinesa O Império Chinês, com as suas dinastias, manteve-se, durante mais de dois mil anos,
Mil anos antes do nascimento de Cristo, os Chineses já trabalhavam o bronze com grande habilidade, e eram capazes de fazer vasos e tigelas carregados de ornamentos, que eram por vezes bem desenhados, para manusear líquidos. Este período corresponde à dinastia Chang.
Enquanto muitos povos da Terra se encontravam ainda numa fase épico-militar, Os Chineses desenvolveram uma arte contemplativa, em que a paisagem era o protagonista indiscutível: a relação do Chinês com a natureza, contrariamente à do Ocidental, não é de combate pelo poder, mas de convivência. Só muitos séculos depois a Europa viria a compreender a beleza daquelas obras.
A pintura chinesa está muito relacionada com a escrita. No sistema de escrita chinês, há um ideograma para cada palavra. Nas paisagens escrevem-se, com frequência, textos poéticos e todos os dados relativos ao tema, autor e data da obra. Estas pinturas são feitas sobre seda ou papel de arroz, com pincéis e tintas.  Pintura e a Escrita
Os Chineses conheceram o papel muito antes dos Ocidentais. Costumavam fazer as suas pinturas em longos rolos, que eram abertos apenas para serem contemplados, "passando-os" como se se tratasse de um livro. Isto provocou uma aproximação à paisagem, totalmente diferente da que se desenvolveu no Ocidente, onde a pintura só era vista uma vez, favorecendo o aspecto espacial do quadro sobre a sua visão sequencial, isto é, temporal.
Arquitectura e Artes Decorativas A maioria deles foi feita: Em madeira E algumas vezes em ladrilho Os edifícios chineses têm o encanto da leveza e da fantasia Dado que para o Chinês, contrariamente ao que acontecia com o Ocidental, a casa e o palácio eram construções passageiras.
de 2700Km A monumental grande muralha foi construída contra os povos estrangeiros e é emblemática do espírito chinês, da sua solidez e da sua força silenciosa
Os artistas chineses trabalharam habilmente a cerâmica vidrada. Algumas das suas figuras e animais são obras-primas da arte universal, tal como as suas miniaturas de jade, verdadeiras jóias talhadas na suave e verde pedra. A porcelana é outro dos grandes sucessos da arte chinesa. As formas são muito variadas e ricas, e a decoração de muitas cores, mas sobretudo o vermelho, o azul, o branco e o dourado.
Agricultura A civilização chinesa baseava-se na agricultura. Nasceu nas planícies do Huang-Ho, onde um povo de camponeses começou a praticar uma agricultura intensiva de regadio baseada no cultivo do trigo. Mais tarde, os chineses estenderam-se até ao sul e ocuparam o vale do Yangtze numa lenta colonização dedicada ao cultivo do arroz.
Civilização Indiana A civilização começou cerca de 2800-2600 a. C. O que melhor caracteriza a arte da Índia, através das suas múltiplas mudanças e épocas, é a riqueza da decoração naturalista. Plantas, animas e deuses convivem na decoração dos edifícios, nos relevos, nas esculturas, na pintura e nas pequenas miniaturas dos livros, numa arte que esbanja brilho e cor.
Entre os séculos IV e VI da nossa era, no período chamado gupta, apareceram os primeiros santuários ao ar livre. As construções foram inicialmente feitas em madeira. Mais tarde, começou-se a construir em pedra e muitas das formas de madeira ficaram reflectidas no novo material. Alguns templos parecem esculturas gigantescas. Arquitectura
No século XVI, sob o domínio mongol, construem-se alguns dos mais importantes monumentos da Índia, como o Taj Mahal, pavilhão de recreio do neto do rei mongol Akbar e posterior túmulo da rainha Mumtaz Mahal. Este emblemático edifício é a síntese entre o mundo islâmico e a tradição indiana.
Para os Hindus, o corpo é um caminho de conhecimento e de perfeição espiritual, pelo que não nos deve estranhar o realismo e a riqueza das suas representações do corpo humano e dos animais. As esculturas mais antigas são estatuetas de terracota e grandes representações da figura humana. Também é frequente a imagem de Buda, que atingiu a sua perfeição na fase gupta. Escultura e pintura
Civilização Japonesa Depois das culturas indiana e chinesa, a terceira grande civilização asiática é a japonesa A principal característica dos Japoneses consiste na sua capacidade para assimilar as formas e as ideias de outras culturas, chegando muitas vezes a ultrapassá-las em pouco tempo.
A arquitectura japonesa é muito semelhante à chinesa, devido à colonização secular deste país. Por causa dos terramotos frequentes, no Japão os edifícios foram sempre construídos com materiais leves e pouco custosos, como o bambu, o papel, a madeira ou a seda. A economia de meios e a necessidade de uma construção rápida condicionaram a delicadeza e a simplicidade da arquitectura japonesa. Arquitectura
A casa japonesa há séculos que não muda. São edificações de um só piso, divididas interiormente por tabiques de madeira ou papel. A casa costuma ter duas salas de estar, uma ao lado da outra, com um pequeno degrau entre elas.
Pintura da natureza A arte japonesa é totalmente dedicada à natureza. Nas suas pinturas, há pássaros, borboletas, árvores e montanhas. Como no caso chinês, estas pinturas são feitas em longos rolos de papel de arroz.
Conclusão ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Bibliografia
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré História - 6º Ano
Pré História - 6º AnoPré História - 6º Ano
Pré História - 6º Ano
Patrícia Costa Grigório
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
josafaslima
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Indígenas no Brasil
Indígenas no BrasilIndígenas no Brasil
Indígenas no Brasil
Edenilson Morais
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Mitologia grega
Mitologia grega Mitologia grega
Mitologia grega
Poly Silva
 
Os sumérios
Os sumériosOs sumérios
Os sumérios
EletromecanicaIFBA
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
edna2
 
A sociedade de consumo
A sociedade de consumoA sociedade de consumo
A sociedade de consumo
Helena Fonseca
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
1 a chegada do homem na america
1 a chegada do homem na america1 a chegada do homem na america
1 a chegada do homem na america
Paulo Alexandre
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
Edirlene Fraga
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
Maria Gomes
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 

Mais procurados (20)

Pré História - 6º Ano
Pré História - 6º AnoPré História - 6º Ano
Pré História - 6º Ano
 
PPT - Civilização Grega
PPT - Civilização GregaPPT - Civilização Grega
PPT - Civilização Grega
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Indígenas no Brasil
Indígenas no BrasilIndígenas no Brasil
Indígenas no Brasil
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Mitologia grega
Mitologia grega Mitologia grega
Mitologia grega
 
Os sumérios
Os sumériosOs sumérios
Os sumérios
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
A sociedade de consumo
A sociedade de consumoA sociedade de consumo
A sociedade de consumo
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
1 a chegada do homem na america
1 a chegada do homem na america1 a chegada do homem na america
1 a chegada do homem na america
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 

Destaque

A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
historiando
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
Bárbara Pereira
 
Civilização Islâmica
Civilização IslâmicaCivilização Islâmica
Civilização Islâmica
Gonçalo Tavares
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
Marcia Fernandes
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
elisangelafleite
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
Carla Freitas
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
inessalgado
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
Edenilson Morais
 
Primeiras Civilizaçoes
Primeiras CivilizaçoesPrimeiras Civilizaçoes
Primeiras Civilizaçoes
Fabio Santos
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Edvaldo Lopes
 
Pré-História, Egito e Mesopotâmia
Pré-História, Egito e MesopotâmiaPré-História, Egito e Mesopotâmia
Pré-História, Egito e Mesopotâmia
Elton Zanoni
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Fábio Paiva
 
Mesopotamia slide
Mesopotamia slideMesopotamia slide
Mesopotamia slide
Isabel Aguiar
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
historiando
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Vania Acosta
 
Historia da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoesHistoria da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoes
George Alex
 
Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)
Gustavo Silva de Souza
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
Nelia Salles Nantes
 

Destaque (20)

A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Civilização Islâmica
Civilização IslâmicaCivilização Islâmica
Civilização Islâmica
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Primeiras Civilizaçoes
Primeiras CivilizaçoesPrimeiras Civilizaçoes
Primeiras Civilizaçoes
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e PersasCivilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas
 
Pré-História, Egito e Mesopotâmia
Pré-História, Egito e MesopotâmiaPré-História, Egito e Mesopotâmia
Pré-História, Egito e Mesopotâmia
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
 
Mesopotamia slide
Mesopotamia slideMesopotamia slide
Mesopotamia slide
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Historia da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoesHistoria da arte primeiras civilizacoes
Historia da arte primeiras civilizacoes
 
Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)Islamismo (resumo)
Islamismo (resumo)
 
A grécia antiga período homérico
A grécia antiga   período homéricoA grécia antiga   período homérico
A grécia antiga período homérico
 

Semelhante a Civilizações do Mundo

Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Jonas Araújo
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
eunamahcado
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
Victor Melo
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
ISJ
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Alexandre Protásio
 
GréCia
GréCiaGréCia
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
SoniaSantos161
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
Juliana Souza Ramos
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
Darlene Celestina
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
thiago2013
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
mylady5
 
História da grécia antiga
História da grécia antigaHistória da grécia antiga
História da grécia antiga
guiurey
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
Rainha Maga
 
Cultura grega
Cultura gregaCultura grega
Cultura grega
Filipe Matos
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdfCap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
ProfaThaianaSantosHi
 
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptxGRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
VivianeSimoes7
 
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
YyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyYyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
mayques122
 
Grécia antiga Colégio Anchieta
Grécia antiga Colégio AnchietaGrécia antiga Colégio Anchieta
Grécia antiga Colégio Anchieta
Ramiro Bicca
 

Semelhante a Civilizações do Mundo (20)

Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
Revisão de história 3º ano
Revisão de história 3º anoRevisão de história 3º ano
Revisão de história 3º ano
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grecia
GreciaGrecia
Grecia
 
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e EspartaGrecia Antiga: Atenas e Esparta
Grecia Antiga: Atenas e Esparta
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Módulo 1 contexto histórico regular
Módulo 1   contexto histórico regularMódulo 1   contexto histórico regular
Módulo 1 contexto histórico regular
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 
História da grécia antiga
História da grécia antigaHistória da grécia antiga
História da grécia antiga
 
Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.Os Gregos no Século V a. C.
Os Gregos no Século V a. C.
 
Cultura grega
Cultura gregaCultura grega
Cultura grega
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdfCap. 05 Grécia Antiga.pdf
Cap. 05 Grécia Antiga.pdf
 
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptxGRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
GRÉCIA ANTIGA - CIVILIZAÇÃO CLASSICA.pptx
 
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
YyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyYyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
Yyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
 
Grécia antiga Colégio Anchieta
Grécia antiga Colégio AnchietaGrécia antiga Colégio Anchieta
Grécia antiga Colégio Anchieta
 

Mais de PanquecasSIAA

Bom dia com beijos
Bom dia com beijosBom dia com beijos
Bom dia com beijos
PanquecasSIAA
 
10 rosas
10 rosas10 rosas
10 rosas
PanquecasSIAA
 
Dia do pai
Dia do paiDia do pai
Dia do pai
PanquecasSIAA
 
Poluição de...
Poluição de...Poluição de...
Poluição de...
PanquecasSIAA
 
Cidadania!
Cidadania!Cidadania!
Cidadania!
PanquecasSIAA
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
PanquecasSIAA
 
Trabalho da água
Trabalho da águaTrabalho da água
Trabalho da água
PanquecasSIAA
 
Meio Ambiente - Água
Meio Ambiente - ÁguaMeio Ambiente - Água
Meio Ambiente - Água
PanquecasSIAA
 
Tempestades Tropicais
Tempestades TropicaisTempestades Tropicais
Tempestades Tropicais
PanquecasSIAA
 
Pâques en france
Pâques en francePâques en france
Pâques en france
PanquecasSIAA
 
Poluição das Águas - Problemas Ambientais
Poluição das Águas - Problemas AmbientaisPoluição das Águas - Problemas Ambientais
Poluição das Águas - Problemas Ambientais
PanquecasSIAA
 

Mais de PanquecasSIAA (11)

Bom dia com beijos
Bom dia com beijosBom dia com beijos
Bom dia com beijos
 
10 rosas
10 rosas10 rosas
10 rosas
 
Dia do pai
Dia do paiDia do pai
Dia do pai
 
Poluição de...
Poluição de...Poluição de...
Poluição de...
 
Cidadania!
Cidadania!Cidadania!
Cidadania!
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
Trabalho da água
Trabalho da águaTrabalho da água
Trabalho da água
 
Meio Ambiente - Água
Meio Ambiente - ÁguaMeio Ambiente - Água
Meio Ambiente - Água
 
Tempestades Tropicais
Tempestades TropicaisTempestades Tropicais
Tempestades Tropicais
 
Pâques en france
Pâques en francePâques en france
Pâques en france
 
Poluição das Águas - Problemas Ambientais
Poluição das Águas - Problemas AmbientaisPoluição das Águas - Problemas Ambientais
Poluição das Águas - Problemas Ambientais
 

Último

TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 

Último (20)

TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 

Civilizações do Mundo

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. O que é uma civilização? Conjunto de formas de organização de uma população, normalmente vasta e assente em cidades, que partilha concepções semelhantes relativamente à religião, às regras jurídicas, à tecnologia, à arte e à literatura .
  • 5. O que é a globalização? A globalização é o processo que nos leva a entender a humanidade como um todo, com aspectos comuns ditados pelas marcas, pelas multinacionais (empresas a nível mundial, pelos problemas ambientais, pelos valores universais, etc.
  • 6. Como é que a globalização se entrega no mundo? A globalização tem uma dimensão cultural assente nos meios de comunicação (televisão, cinema, internet), traduzindo a criação de uma língua universal (inglês) ou o consumo de produtos e marcas mundiais.
  • 7. Adversidades da globalização? Devido à superioridade da civilização ocidental a nível económico, político, tecnológico e militar sobre as restantes civilizações, leva à extinção das mesmas.
  • 8. Quais os movimentos contra a globalização? Existem movimentos contra a globalização: Movimentos Anti-Globalização. Movimentos pacíficos, ecológicos e de defesa dos povos indígenas. Estes organizam-se sempre que existem reuniões entre chefes de estado mundiais.
  • 9. O que são encontros ecuménicos? São soluções com objectivo de tornar a religião promotora de boas relações entre populações de culturas diferentes, e que contribuem para a redução de conflitos de carácter cultural, passando pelo diálogo e a tolerância. Exemplo: Encontro de Lisboa e de Assis
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Período Homérico Crescimento da população dos genos Terras tornam-se poucas para a agricultura Muitos genos abandonam a região Desintegração do sistema
  • 18. Período Arcaico Processo de expansão marítima- -comercial grega Fixação de colónias na porção norte do litoral do Mar Mediterrânico. Considerado o auge da história da Grécia Antiga. Período em que ocorre: Formação das cidades-estado (assim denominadas porque tinham governos e economias independente, onde o seu dirigente era escolhido pelo povo).
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Período helenístico Invasão Macedónica Crise da polis grega Expansão militar e cultural helenística Expansão da civilização grega pelo Mar Mediterrâneo e funde-se com outras culturas Este período caracteriza-se por: Começou a ser feito o culto aos reis, transformando-os quase em Deuses
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Nome dos deuses: O que representavam: Zeus rei de todos os deuses Afrodite amor, sexo e beleza corporal Ares guerra Hades mundo dos mortos e do subterrâneo Hera protectora das mulheres, do casamento e do nascimento Poseidon mares e oceanos Eros amor, paixão Héstia lar Apolo luz do Sol, poesia, música, beleza masculina Ártemis caça, castidade, animais selvagens e luz Deméter colheita, agricultura Dionísio festas, vinho Hermes mensageiro dos deuses, protector dos comerciantes Hefesto metais, metalurgia, fogo Crono tempo Gaia planeta Terra
  • 37.
  • 38.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. Plebeus Queriam melhores condições de vida e privilégios comuns aos dos patrícios. Eram a maioria da população Não tinham direitos políticos; Não podiam casar com os patrícios; Tornavam-se escravos quando não pagavam as suas dívidas. Então, fogem de Roma para fundar uma nova cidade Por isso, os Patrícios foram obrigados a cedes através de algumas leis .
  • 45.
  • 46.
  • 48. Massa de Plebeus miseráveis A Nobreza sustentava cada vez mais luxos. Irmãos Tibério e Caio Graco (tributos da Plebe) agissem para obter uma reforma agrária Através da distribuição de terras entre camponeses plebeus e limitações ao crescimento dos latifúndios Não é aceite pelo Senado Irmãos Graco são assaninados Forma-se um clima de desordem e de agitação Diversos chefes militares lutam pelo poder.
  • 49. Período do Império Octávio (Chefe Militar) Assume o poder Procura estabelecer uma relação harmónica com o Senado Elaborou políticas que favoreceram: Nobres: mais altos cargos públicos Plebeus: concedeu terras, dinheiro na chamada política ‘pão e circo’ Esta política consistia em oferecer aos romanos alimentação e diversão
  • 50. Período do Império Octávio (Chefe Militar) 40 anos de governo Longo período de paz e prosperidade, chamado de ‘Paz Romana’ Houve um grande desenvolvimento urbano Através da construção de diversas obras de infra-estrutura, como aquedutos, esgotos e estradas Entre 14 e 235, Roma transformou-se na capital do mundo, ou seja, o Império viveu o seu grande apogeu!
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. Arte Romana Frescos Romanos Bustos Romanos Tesselas Romanos
  • 55.
  • 56.
  • 57. Civilização do Egipto Noroeste de África Ao longo das margens do Rio Nilo até ao Delta A sul do Mar Mediterrânico
  • 58. Formou-se por volta de 3100 a.C. Quando o rei do Alto Egipto, Narmer, conquistou a zona do Delta (conhecida como o Baixo Egipto). A sua história é marcada por três grandes reinos caracterizados, principalmente pela estabilidade política, prosperidade económica e desenvolvimento artístico - os períodos intermediários. Foi uma das primeiras civilizações a surgir, sendo uma das mais duradouras e tendo durado cerca de 3000 anos.
  • 59. Períodos Intermediários Antigo Império (3200 a.C. a 2300 a. C.): Desenvolvimento da agricultura, através da construção de obras de drenagem; Construção das célebres pirâmides de Gizé: Quéops, Quéfren e Miquerinos; Diminuição da autoridade do faraó. Pirâmides de Gizé
  • 60. Médio Império (2100 a.C. a 1750 a. C. ): Reconquista do poder dos faraós; Revoltas Sociais dos camponeses, que resultam na diminuição dos impostos e no direito em ocupar cargos elevados; Invasão dos hicsos, um povo de origem asiática, que traziam cavalos e carros de combate que os egípcios desconheciam. Estes dominaram o país e instalaram-se no delta do Nilo permanecendo na região aproximadamente dois séculos. Períodos Intermediários Hicsos
  • 61. Períodos Intermediários Novo Império (1580 a.C. a 525 a. C. ): Expulsão dos hicsos; Expansionismo e o grande poder militar, pois a luta contra o invasor desenvolveu ao Egípto um espírito militar de conquistador; Domínio egípcio chegou a se estender até ao rio Eufrates, na Mesopotâmia; Invasão dos  hititas (povo asiático) e dos assírios (povo da região do rio Tigre).  Em 525 a. C., o rei persa Cambises derrotou o faraó Psamético III, colocando fim à  independência egípcia. Desde então, os povos do Nilo foram dominados pelos gregos e, a partir de 30 a.C., pelos Romanos.
  • 63. Sociedade Egípcia Faraó - soberano todo poderoso, considerado deus vivo, filho de deuses e tinha ligação entre estes e os homens. Era objeto de culto, sendo considerado uma pessoa sagrada. Concentrava em si: Poder Político Poder Espiritual Nobres - proprietários de grandes domínios, sendo familiares do faraó, altos funcionários do palácio, oficiais superiores do exército e chefes administrativos Sacerdotes - muito cultos, enriqueciam com ofertas feitas pelo povo aos deuses. Eram dispensados do pagamento de impostos e eram proprietários de muitas terras. 
  • 64. Sociedade Egípcia Escribas - encarregavam-se da cobrança dos impostos, da organização escrita das leis, de decretos e da fiscalização da atividade econômica. Soldados - viviam dos pagamentos das guerras e dos seus saques. Artesãos e Camponeses - trabalhadores que viviam dos alimentos que recebiam. Trabalhavam sobretudo nas propriedades do faraó e dos sacerdotes. Escravos - homens da escravidão, devido a dívidas ou pela dominação de outros povos. Faziam os tarefas domésticas ou trabalhavam nas pedreiras e nas minas.
  • 65.
  • 66. Principais costumes e tradições: Fazer a mumificação, sobretudo dos faraós, em que retiravam os principais órgãos, dificultando assim a sua decomposição. Geralmente, os corpos eram colocados em túmulos de pedra e envoltos por faixas de algodão ou de linho. O processo durava cerca de 70 dias e, quando terminado eram chamadas de múmias.
  • 67. A maioria das peças da arte egípcia eram esculpidas na pedra; Primeiro faziam-se os contornos, depois preenchiam-se com cores planas; De 1550 a 1069 a.C., a pintura dos túmulos atingiu um nível elevado chamado de “era dourada”; O estilo egípcio não mudou muito ao longo dos anos, mas as suas técnicas evoluíram, tornando-se mais complexas;
  • 68. Os egípcios eram: Politeístas, isto é, adoravam vários deuses, inclusive alguns animais, como o gato, o boi e o crocodilo, que eles consideravam sagrados; Antropozoomórficos, pois os deuses eram representados geralmente pela figura humana e animal.
  • 69. Existiam muitos deuses que os egípcios adoravam. No entanto, ao longo dos séculos foram evoluindo, por vezes reunindo-se dois num só. Nome dos deuses: O que representavam: Ísis Deusa do amor e da magia Anúbis Deus dos mortos e do submundo Amon-Rá Deus dos Reis Ptah Deus criador e do protector dos artesãos Osíris Deus da vegetação e representava a vida após a morte Sekhmet Deusa da guerra e defensora de Ptah Thoth Deus da sabedoria e do mistério Hórus Deus do céu
  • 72. Civilização Islâmica Médio Oriente Norte da África Algumas partes da África Subsaariana (sul do Deserto do Saara) Partes da Ásia
  • 73. Foi fundada por Maomé. Por meio da religião, a Civilização Islâmica expandiu-se. O Imperio Islâmico foi formado a partir dos territorios conquistados durante a Jihad, a Guerra Santa contra os infieis. Os árabes conquistaram um vasto território formando um grande império. Podemos dividir a história islâmica em 2 etapas.
  • 74. Épocas da História Islâmica Período Pré-Islâmico: Época antes da criação do islamismo; Surgiram cidades como Meca e Iatreb (Medina), que se tornaram grandes centros comerciais; Até o século VII, os árabes não eram unidos politicamente, mas tinham pontos em comum, por exemplo: o idioma árabe e as crenças religiosas, sendo nessa altura politeístas; Mas para unir as várias tribos , em Meca foi construído um templo religioso, a Caaba (casa de Deus), com as principais divindades;   Na Caaba, encontrava-se a pedra negra, que de acordo com a crença, veio do céu pelas mãos do anjo Gabriel. Caaba
  • 75. Épocas da História Islâmica Período Islâmico: Época durante o islamismo; Em 622 d.c., Maomé foi perseguido por ser contra o politeísmo;   Essa fuga marcou o início dessa religião;   Em Iatreb ( Medina), Maomé organizou um exército que conquistou Meca e destruiu os ídolos da Caaba, em 630. d.c.;   A Caaba foi convertida em centro de orações  e a crença politeísta foi proibida. Depois disso, Maomé, espalhou o Islamismo por toda a Arábia. Maomé
  • 76. Os seus cinco grandes princípios são: Existência de um único Deus (Alá); Oração cinco vezes ao dia; Peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida; Jejum no Ramadão; Esmola obrigatória aos pobres; Em Meca
  • 77. Livro Sagrado: Edifício Principal: Corão, que continha certas normas para a vida quotidiana,como a proíbição: de beber álcool; de comer carne de porco; de praticar jogos a dinheiro. Mesquita. (templo)
  • 78.
  • 80. Os Maias A civilização maia foi uma cultura mesoamericana pré-colombiana, notável pela sua língua, escrita, arte, arquitetura, matemática e sistemas astronômicos. A influência dos maias pode ser detectada em países como Honduras, Guatemala, El Salvador e na região central do México, a mais de 1000 km da área Maia. Chichén Itzá
  • 81.
  • 82. A Arte Maia Os Maias expressavam a sua arte através da escultura, pintura, cultura (livros), ... Os entalhes e relevos num estuque de Palenque e a estatuária de Copán são especialmente refinados, sendo assim possível a observação precisa. Hoje em dia existem fragmentos da pintura avançada dos Maias clássicos, a maioria dos artefatos sobriviventes são funerários e cerâmicos. Também existe uma construção em Bonampak que tem murais antigos e que, afortunadamente, sobreviveram a um acidente desconhecido até hoje.
  • 83. A Religião Maia Os rituais e cerimónias eram associadas a ciclos terrestres e celestiais que eram observados e registrados em calendários separados. A purificação era normalmente praticada antes de grandes eventos religiosos. Os maias acreditavam na existência de três planos principais no cosmo: a Terra, o céu e o submundo. Benção de uma criança
  • 84. Jogo de bola ameríndio O objectivo do jogo é fazer com que a bola vá para o outro lado do campo utilizando as coxas, ancas e braços. Quando os Maias passavam crises este jogo era utilizado para ver quem iria ser sacrificado.
  • 85.
  • 86. A Redescoberta dos Maias Prefeitos Maias em Guatemala As colônias espanholas americanas estavam muito afastadas do mundo exterior, e as ruínas das grandes cidades antigas eram pouco conhecidas exceto pelos locais Entretanto, em 1839, o explorador americano John Lloyd Stephens visitou Copán, Palenque, e outras localidades acompanhado do arquiteto e desenhista Frederick Catherwood.
  • 87. Os Incas Bandeira Inca O Império Inca foi criado pela civilização Inca e foi o maior império da América pré-colombiana. A administração, política e centro de forças armadas do império eram localizados em Cusco, no atual Peru. O império surgiu nas terras altas do Peru em algum momento do século XIII.
  • 88. Locais Históricos Os locais com maior importância nesta civilização são:
  • 89. A Arte Inca Os incas produziam artefatos destinados ao uso diário ornados com imagens e detalhes de deuses. Era comum na cultura inca o uso de formas geométricas abstractas e representação de animais altamente estilizados no feitio de cerâmicas, esculturas de madeira, tecidos e objetos de metal.
  • 90. A Religião Inca Os Incas eram extremamente religiosos e viam o Sol e a Lua como entidades divinas às quais suplicavam suas bençãos, fosse para melhores colheitas, fosse para o êxito em combates com grupos rivais.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97.
  • 98.
  • 99.
  • 100.
  • 101.
  • 102. No Médio Oriente, mais precisamente no vale do Tigre e do Eufrates, um clima privilegiado e um solo fértil favoreceram o desenvolvimento da agricultura. Assim apareceram as primeiras cidades e civilizações.
  • 103. A cultura chinesa é uma das mais antigas da Terra até 1911 graças à ideia de que na sociedade civil cada indivíduo cumpre uma função bem determinada. Civilização Chinesa O Império Chinês, com as suas dinastias, manteve-se, durante mais de dois mil anos,
  • 104. Mil anos antes do nascimento de Cristo, os Chineses já trabalhavam o bronze com grande habilidade, e eram capazes de fazer vasos e tigelas carregados de ornamentos, que eram por vezes bem desenhados, para manusear líquidos. Este período corresponde à dinastia Chang.
  • 105. Enquanto muitos povos da Terra se encontravam ainda numa fase épico-militar, Os Chineses desenvolveram uma arte contemplativa, em que a paisagem era o protagonista indiscutível: a relação do Chinês com a natureza, contrariamente à do Ocidental, não é de combate pelo poder, mas de convivência. Só muitos séculos depois a Europa viria a compreender a beleza daquelas obras.
  • 106. A pintura chinesa está muito relacionada com a escrita. No sistema de escrita chinês, há um ideograma para cada palavra. Nas paisagens escrevem-se, com frequência, textos poéticos e todos os dados relativos ao tema, autor e data da obra. Estas pinturas são feitas sobre seda ou papel de arroz, com pincéis e tintas. Pintura e a Escrita
  • 107. Os Chineses conheceram o papel muito antes dos Ocidentais. Costumavam fazer as suas pinturas em longos rolos, que eram abertos apenas para serem contemplados, "passando-os" como se se tratasse de um livro. Isto provocou uma aproximação à paisagem, totalmente diferente da que se desenvolveu no Ocidente, onde a pintura só era vista uma vez, favorecendo o aspecto espacial do quadro sobre a sua visão sequencial, isto é, temporal.
  • 108. Arquitectura e Artes Decorativas A maioria deles foi feita: Em madeira E algumas vezes em ladrilho Os edifícios chineses têm o encanto da leveza e da fantasia Dado que para o Chinês, contrariamente ao que acontecia com o Ocidental, a casa e o palácio eram construções passageiras.
  • 109. de 2700Km A monumental grande muralha foi construída contra os povos estrangeiros e é emblemática do espírito chinês, da sua solidez e da sua força silenciosa
  • 110. Os artistas chineses trabalharam habilmente a cerâmica vidrada. Algumas das suas figuras e animais são obras-primas da arte universal, tal como as suas miniaturas de jade, verdadeiras jóias talhadas na suave e verde pedra. A porcelana é outro dos grandes sucessos da arte chinesa. As formas são muito variadas e ricas, e a decoração de muitas cores, mas sobretudo o vermelho, o azul, o branco e o dourado.
  • 111. Agricultura A civilização chinesa baseava-se na agricultura. Nasceu nas planícies do Huang-Ho, onde um povo de camponeses começou a praticar uma agricultura intensiva de regadio baseada no cultivo do trigo. Mais tarde, os chineses estenderam-se até ao sul e ocuparam o vale do Yangtze numa lenta colonização dedicada ao cultivo do arroz.
  • 112. Civilização Indiana A civilização começou cerca de 2800-2600 a. C. O que melhor caracteriza a arte da Índia, através das suas múltiplas mudanças e épocas, é a riqueza da decoração naturalista. Plantas, animas e deuses convivem na decoração dos edifícios, nos relevos, nas esculturas, na pintura e nas pequenas miniaturas dos livros, numa arte que esbanja brilho e cor.
  • 113. Entre os séculos IV e VI da nossa era, no período chamado gupta, apareceram os primeiros santuários ao ar livre. As construções foram inicialmente feitas em madeira. Mais tarde, começou-se a construir em pedra e muitas das formas de madeira ficaram reflectidas no novo material. Alguns templos parecem esculturas gigantescas. Arquitectura
  • 114. No século XVI, sob o domínio mongol, construem-se alguns dos mais importantes monumentos da Índia, como o Taj Mahal, pavilhão de recreio do neto do rei mongol Akbar e posterior túmulo da rainha Mumtaz Mahal. Este emblemático edifício é a síntese entre o mundo islâmico e a tradição indiana.
  • 115. Para os Hindus, o corpo é um caminho de conhecimento e de perfeição espiritual, pelo que não nos deve estranhar o realismo e a riqueza das suas representações do corpo humano e dos animais. As esculturas mais antigas são estatuetas de terracota e grandes representações da figura humana. Também é frequente a imagem de Buda, que atingiu a sua perfeição na fase gupta. Escultura e pintura
  • 116. Civilização Japonesa Depois das culturas indiana e chinesa, a terceira grande civilização asiática é a japonesa A principal característica dos Japoneses consiste na sua capacidade para assimilar as formas e as ideias de outras culturas, chegando muitas vezes a ultrapassá-las em pouco tempo.
  • 117. A arquitectura japonesa é muito semelhante à chinesa, devido à colonização secular deste país. Por causa dos terramotos frequentes, no Japão os edifícios foram sempre construídos com materiais leves e pouco custosos, como o bambu, o papel, a madeira ou a seda. A economia de meios e a necessidade de uma construção rápida condicionaram a delicadeza e a simplicidade da arquitectura japonesa. Arquitectura
  • 118. A casa japonesa há séculos que não muda. São edificações de um só piso, divididas interiormente por tabiques de madeira ou papel. A casa costuma ter duas salas de estar, uma ao lado da outra, com um pequeno degrau entre elas.
  • 119. Pintura da natureza A arte japonesa é totalmente dedicada à natureza. Nas suas pinturas, há pássaros, borboletas, árvores e montanhas. Como no caso chinês, estas pinturas são feitas em longos rolos de papel de arroz.
  • 120.
  • 121.
  • 122.