SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. thB. Weverton Costa
wevertontheos@hotmail.com / theologicalamapa@gmail.com
A Doutrina de
Cristo
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Concepções Inadequadas
Os docetistas
(dokew – ‘parecer’, ‘aparentar’; 70 -170 d.C), negavam
a realidade do corpo de Cristo. O corpo de Cristo era só
aparente. Esse ponto de vista era sequência lógica da
suposição de que o mal é inerente à matéria. Se a
matéria é má e Cristo era puro, então o corpo humano
de Cristo deve ter sido meramente fantástico. O
docetismo era simplesmente uma filosofia pagã
introduzida na igreja.
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Concepções Inadequadas
Os apolinaristas
(Apolinário, condenado em Constantinopla, 381),
negavam a integridade da natureza humana de Cristo.
De modo nenhum, Cristo, tinha no ou pnema
humanos além daquele concedido pela natureza divina.
Cristo tinha só o swma e ych´ humanos; o lugar do
no ou pnema humanos foi preenchido pelo logo
divino. O apolinarismo é uma tentativa de construir a
doutrina da Pessoa de Cristo nas formas da tricotomia
platônica.
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Concepções Inadequadas
Os nestorianos
(Nestório, exonerado do patriarcado de Constantinopla,
431) negavam a união real entre as duas naturezas
divina e humana em Cristo, tornando-a mais uma
unidade moral do que orgânica. Recusavam-se,
portanto, a atribuir à unidade resultante os atributos de
cada natureza; e consideravam Cristo como um homem
em uma relação bem próxima com Deus. Assim eles
sustentavam virtualmente duas naturezas e duas
pessoas em vez de duas naturezas em uma pessoa.
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Concepções Inadequadas
Os eutiquianos
(Eutiques, condenado em Calcedônia, 451) negavam a
distinção e a coexistência das duas naturezas e
defendiam uma mistura de ambas o que constituía um
tentium quid, uma terceira natureza. Visto que nesse
caso o divino deve sobrepor o humano, o humano foi
absorvido ou transmudado no divino, e este divino foi
modificado pela ação amalgamante. Os eutiquianos
foram chamados de monofisistas, pois virtualmente
reduziam as duas naturezas a uma
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Concepções Inadequadas
Os gnósticos
(Gnosticismo, doutrina filosófico-religiosa, séc. I) misturava
ensino da filosofia grega com elementos da religião
babilônica (astrologia); legalismo judaico; dualismo Persa
(mau/bom, luz/trevas) e doutrinas cristãs. Defendiam que
Deus era um ser inacessível e que dele havia emanado uma
série de 30 espíritos angélicos denominados aéons.
Demiurgo, um deus menor, teria criado o mundo e suas
criaturas imperfeitas. Existia um mundo perfeito habitado por
milhares de almas preexistentes, que ao cair na terra,
ficavam cativas no corpo, um lugar impuro.
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
A Doutrina Ortodoxa
(Calcedônia, 451)
Sustenta que na Pessoa de Cristo há
duas naturezas, uma humana e uma
divina, cada uma e sua plenitude e
integridade e que essas duas
naturezas estão orgânica e
indissoluvelmente unidas sem,
contudo, resultarem daí uma terceira
natureza. Não se pode dividir a
Pessoa ou confundir as duas
naturezas
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
O Filho do Homem
Jesus nasceu como nasce um filho do
homem (Jo 1.14; Gl 4.4).
Cristo não apareceu do nada como se fosse
um espírito (gnósticos)
Foi gerado no ventre de uma mulher (Mt.
1.18-21
Recebeu um nome humano (Lc 2.21)
Sua genealogia em Lucas
Seu crescimento (Lc 2.52)
Sua sabedoria confirmada (Mt. 13.54-56)
Os Evangelhos citam 69 vezes a expressão
“filho do homem”.
Possuía corpo, mente, alma e todas as
características humanas
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
Um Corpo Humano
O corpo frágil de Jesus era semelhante a
qualquer outra criança, da mesma natureza
Não era deificado ou translúcido (Eutiques)
Cristo foi tocado pelos humanos (Mc 5.31;
10.13,14)
Teve fome (Lc 4.2)
Sentia cansaço (Mc 4.38)
Sentiu dor e agonia (Jo 19.2)
Sentiu sede (Jo 19.28)
Após ressurreto ainda era humano (Lc
24.39)
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
Uma Mente Humana
Teve a necessidade de aprender
desde sua infância (Lc 2.40)
Teve limitações de conhecimento
como qualquer humano (Mc 9.21;
10.51; 13.32)
A humanidade de Jesus foi plena,
mesmo sendo Deus
Autolimitou-se como homem, sem
que isso entrasse em contradição com
Sua deidade
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
Uma Alma Humana
Ele possuia emoções genuinamente
humanas: chorou, sentiu compaixão,
indignou-se, entristeceu-se, angustiou-se,
teve medo da morte (Jo 11.35; Mt. 9.36,
21.12,13; 26.38; Jo 12.27; Hb 5.7)
Podia ser tentado (Hb 4.15)
Pode socorrer aos que são tentados (Hb
2.18)
Impecável, santo, imaculado, justo.
Sempre dependia de Deus, por isso orava
constantemente
Aprendeu a suportar tudo – calado!
UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS
Apologia
Um Verdadeiro Homem
“homem experimentado nos trabalhos”
“filho do carpinteiro” – Mt. 13.55
Seu trabalho exigia força bruta
Teve que sustentar a família com seu
trabalho (filho mais velho)
Iniciou seu ministério como um viajante
(jornadas de dois a três dias de viagens)
Seus discípulos o viam como um verdadeiro
homem e se surpreendiam com alguma obra
extraordinária (Mt. 8.27)
Escandalizou os judeus com suas
afirmativas (Jo 10.33)
Era o profeta da Galiléia (Jo 7.51,52)
Rabi (Mt. 26.49), o samaritano (Jo 8.48)
Jesus é sempre estudado pelos
cientistas apenas do ponto de vista
histórico.
A humanidade de Jesus se reveste de
grandeza e dignidade pelo fato de ser
Deus.
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
O Deus Unigênito
Jesus, antes de sua vinda à Terra, era auto-existente,
já existia na eternidade.
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Auto-Existência de Jesus
1.1 No Princípio Eterno
João 1.1 – sua existência na eternidade
Isaías 9.6 – “O pai da eternidade”
Miquéias 5.2 – “aquele cujas origens são desde os
tempos antigos, desde os dias da eternidade”
Hebreus 13.8 – o “imutável”
Sua deidade e eternidade são rejeitadas por seitas como
as Testemunhas de Jeová
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Auto-Existência de Jesus
1.2 Jesus - Deus
João 1.1 – “[...] e o Verbo era Deus...”
Jesus não só estava na companhia de Deus como
também era Deus.
Mesmo sendo divino, Ele assumiu uma condição
humana e veio viver entre nós na Terra (Jo 1.14)
Perdoou pecados, dominou a natureza, enfrentou o
diabo, as autoridades. Após sua ressurreição foi exaltado
como Deus pelos anjos no céu (Hb 1.8)
Sua mensagem é transformadora (1 Jo 5.20)
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Auto-Existência de Jesus
1.3 Jesus – o Filho de Deus
Gerado por Deus – tinha mãe humana, mas não um
pai, visto que seu Pai era Deus.
O Pai declara a paternidade ao filho (Lc 3.22)
Essa filiação foi rejeitada entre os judeus, vista como
uma blasfêmia, pecado digno de morte (Jo 5.18)
Jesus como Filho eterno de Deus e distinto das demais
pessoas da deidade está relacionada com sua auto-
existência, anterior a sua encarnação
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Coexistência de Jesus
2.1 A Igualdade de Jesus na Trindade
É a segunda Pessoa da Trindade (Mt. 28.19)
Uma ordem não hierárquica, sem diferença de poder
ou de posição
A igualdade de Jesus na Trindade foi amplamente
discutida em várias ocasiões.
Agostinho de Hipona, 4º Séc. enfatizou a doutrina
da Trindade
Tarefa - Comentar o Credo de Atanásio
(entregar próx. Aula)
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Coexistência de Jesus
2.2 O Co-Criador do Universo
“todas as coisas foram feitas por Ele” – Jo 1.3
Essa criação foi participativa – Gn. 1.1 e 2
A criação do homem foi uma obra conjunta – Gn.
1.26
Em Gn. 2.7 a criação é atribuída a Deus-Pai; em
Colossenses 1.16 é atribuída a Deus-Filho
Em Jó 33.4, a referência atribui ao Espírito Santo
o ato da criação
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Coexistência de Jesus
2.3 O Co-Sustentador do Universo
Jesus, como uma das pessoas da Santíssima
Trindade, é co-sustentador do universo
Cl 1.17 – “todas as coisas subsistem por ele”
Coopera com o Pai – Mt. 5.45
Coopera com o Espírito Santo – Sl 104.30
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Coexistência de Jesus
2.4 O Co-Redentor da Humanidade
Jesus juntamente com os demais membros da
Deidade decidiu o futuro espiritual do homem
Assumiu a função de redentor da humanidade
Adquiriu um corpo humano e viveu entre os homens
por um tempo (Gl 4.4)
Seu alvo: mostrar o caminho da redenção
Sua encarnação era necessária – Hb 10.5; Jo 1.14
Seu destino – a cruz (Jo 1.29)
Gn. 3.15; Is 7.14 “ a semente da mulher, Emanuel”
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Preexistência de Jesus
3.1 O Verbo Eterno
O Apóstolo João procurou provar que Cristo preexistia à
própria criação (1.1-3)
“o princípio” – tempo em que nenhuma criação existia
“Verbo” – aparece em João com diversos significados:
um ser preexistente; Divindade com poder de criar o
universo; Pessoa divina distinto da Deidade; personalidade
de natureza divina; Jesus de Nazaré
A Doutrina da Preexistência de Jesus estabelece uma
distinção clara entre Criador e criação
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Preexistência de Jesus
3.2 O Princípio de Toda Criação
João 3.14
O mundo material foi obra de suas mãos (Cl
1.16,17)
Hebreus confirma (1.10)
Jesus é o Primogênito da criação (Cl 1.15)
“primogênito” não em ser a primeira de todas as
criações de Deus, mas o primeiro de uma série, o
mais velho (filhos de Deus). Sl 89.27 – lugar de
domínio, posição de destaque referindo-se a Cristo
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Preexistência de Jesus
3.3 A Plenitude do Deus Criador
A posição de Jesus como Senhor da criação sempre
foi contestada por vários grupos ao longo da história,
dentre eles, os Gnósticos, que rejeitavam a divindade
de Jesus e ensinavam que Ele era apenas um espírito
angélico que havia emanado da suprema divindade e
vindo ao mundo no corpo de homem, Jesus de
Nazaré. Paulo refutou essa heresia ao escrever para
os crentes de Colossos (Cl 2.9)
UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS
A Preexistência de Jesus
3.4 A Imagem do Deus Invisível
Jesus, mesmo em sua humanidade, era a imagem
do Deus invisível, autor da criação (Cl 1.15)
Jesus dominava a natureza com certa liberdade
Tal domínio se deu por meio de sua Onipotência
Também demonstrou sua Onisciência e
Onipresença, quando revelou conhecer o pensamento
das pessoas (Mc 2.8); quem o havia de trair (Jo 6.64);
veio do céu e ainda permanecia no céu (Jo 3.13)
As Provas Bíblicas da Divindade de
Cristo
A palavra Deus (Theos)
atribuída a Cristo.
Jo 1.1,18; Rm 9.5; Tt 2.13; Hb
1.8; 2 Pe 1.1.
A palavra Senhor (kyrios)
atribuída a Cristo.
Mt 13.27; 21.30; 27.63; Jo 4.11; Mt 6.24;
21.40; Lc 2.11
Sinais de que Jesus Possuía Atributos
de Divindade
Onipotência
Mt 8.26-27 Onisciência
Mc 2.8
Onipresença
Mt 28.20 Imortalidade
Jo 2.19
Por que é necessária a
Divindade de Jesus?
Só alguém que fosse Deus infinito
poderia arcar com toda a pena de
todos os pecados de todos os que
cressem nele — qualquer criatura
finita não seria capaz de arcar com
tal pena.
Por que é necessária a
Divindade de Jesus?
A salvação vem do Senhor (Jn 2.9),
e toda a mensagem das Escrituras
é moldada para mostrar que
nenhum ser humano, nenhuma
criatura, jamais conseguiria salvar
o homem — só Deus mesmo
poderia.
Por que é necessária a
Divindade de Jesus?
Só alguém que fosse verdadeira e
plenamente Deus poderia ser o
mediador entre Deus e homem
(1Tm 2.5), tanto para nos levar de
volta a Deus como também para
revelar Deus de maneira mais
completa a nós (Jo 14.9).
ATÉ A PRÓXIMA AULA
A Rejeição da Origem
Divina de Jesus
A Defesa da Origem
Divina de Jesus

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Éder Tomé
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
Filipe
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Éder Tomé
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
Márcio Martins
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
Gcom digital factory
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Márcio Martins
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
Moisés Sampaio
 
Disciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração EclesiásticaDisciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração Eclesiástica
faculdadeteologica
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Aula 5 pneumatologia
Aula 5   pneumatologiaAula 5   pneumatologia
Aula 5 pneumatologia
magnao2
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Marcianno Teofilo
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Éder Tomé
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 

Mais procurados (20)

Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
Disciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração EclesiásticaDisciplina Administração Eclesiástica
Disciplina Administração Eclesiástica
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Aula 5 pneumatologia
Aula 5   pneumatologiaAula 5   pneumatologia
Aula 5 pneumatologia
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua DeidadeLição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
Lição 2 - A Humanidade de Jesus Cristo e a Sua Deidade
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 

Destaque

Distintos nombres que se le dan a jesús
Distintos nombres que se le dan a jesús Distintos nombres que se le dan a jesús
Distintos nombres que se le dan a jesús
Pablo Delgado
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
Pastor W. Costa
 
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014 Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
flordeliz80
 
Aula 07 e 08 cânticos
Aula 07 e 08   cânticosAula 07 e 08   cânticos
Aula 07 e 08 cânticos
Pastor W. Costa
 
TITULOS CRISTOLÓGICOS
TITULOS CRISTOLÓGICOSTITULOS CRISTOLÓGICOS
TITULOS CRISTOLÓGICOS
flordeliz80
 
Cristologia aula04
Cristologia aula04Cristologia aula04
Cristologia aula04
Pastor W. Costa
 
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral   frei oton - aula 4 cristologiaTeologia moral   frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Zé Vitor Rabelo
 

Destaque (7)

Distintos nombres que se le dan a jesús
Distintos nombres que se le dan a jesús Distintos nombres que se le dan a jesús
Distintos nombres que se le dan a jesús
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014 Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
Mensaje papa jornada mundial por la paz 2014
 
Aula 07 e 08 cânticos
Aula 07 e 08   cânticosAula 07 e 08   cânticos
Aula 07 e 08 cânticos
 
TITULOS CRISTOLÓGICOS
TITULOS CRISTOLÓGICOSTITULOS CRISTOLÓGICOS
TITULOS CRISTOLÓGICOS
 
Cristologia aula04
Cristologia aula04Cristologia aula04
Cristologia aula04
 
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral   frei oton - aula 4 cristologiaTeologia moral   frei oton - aula 4 cristologia
Teologia moral frei oton - aula 4 cristologia
 

Semelhante a Cristologia aula02

Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
magnao2
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
PIB Penha - SP
 
Natureza pura de cristo
Natureza pura de cristoNatureza pura de cristo
Natureza pura de cristo
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdfCristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
joabedasilvasouza1
 
Antropologia e teologia propria
Antropologia e teologia propriaAntropologia e teologia propria
Antropologia e teologia propria
Denise Vianna de Almeida
 
Aula 4 cristologia
Aula 4   cristologiaAula 4   cristologia
Aula 4 cristologia
magnao2
 
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
Márcio Martins
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
O senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristoO senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristo
Tiago Alencar
 
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
Natalino das Neves Neves
 
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptxaula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
LucianoMachado52
 
Iii trim 2012 lição 1
Iii trim 2012   lição 1Iii trim 2012   lição 1
Iii trim 2012 lição 1
Prof_Adalberto
 
Doutrinas Bíblicas - Antropologia
Doutrinas Bíblicas - AntropologiaDoutrinas Bíblicas - Antropologia
Doutrinas Bíblicas - Antropologia
Roberto Trindade
 
O unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçaoO unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçao
Hamilton Souza
 
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criaçãoLBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
Natalino das Neves Neves
 
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiroTeo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Jose Ventura
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
Bioética pgh
Bioética pghBioética pgh
Bioética pgh
Simone Cristina
 
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de CristoAula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Samuel A. Nunes
 

Semelhante a Cristologia aula02 (20)

Aula 1 antropologia
Aula 1   antropologiaAula 1   antropologia
Aula 1 antropologia
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
 
Natureza pura de cristo
Natureza pura de cristoNatureza pura de cristo
Natureza pura de cristo
 
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdfCristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
Cristologia- INSTRODUÇÃO TEOLOGICA.pdf
 
Antropologia e teologia propria
Antropologia e teologia propriaAntropologia e teologia propria
Antropologia e teologia propria
 
Aula 4 cristologia
Aula 4   cristologiaAula 4   cristologia
Aula 4 cristologia
 
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
O Único Deus Verdadeiro e a Criação.
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
O senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristoO senhor e salvador jesus cristo
O senhor e salvador jesus cristo
 
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
20174 LBA 3 tri Lição 4 - O senhor e salvador jesus cristo
 
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptxaula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
aula4-cristologia-130618192303-phpapp02.pptx
 
Iii trim 2012 lição 1
Iii trim 2012   lição 1Iii trim 2012   lição 1
Iii trim 2012 lição 1
 
Doutrinas Bíblicas - Antropologia
Doutrinas Bíblicas - AntropologiaDoutrinas Bíblicas - Antropologia
Doutrinas Bíblicas - Antropologia
 
O unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçaoO unico deus verdadeiro e a criaçao
O unico deus verdadeiro e a criaçao
 
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criaçãoLBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
LBA 2017 3 tri Lição 2 - O único deus verdadeiro e a criação
 
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiroTeo do n t slide do dia 27 de janeiro
Teo do n t slide do dia 27 de janeiro
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
Bioética pgh
Bioética pghBioética pgh
Bioética pgh
 
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de CristoAula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
Aula de Cristologia - A Pessoa de Cristo
 

Mais de Pastor W. Costa

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
Pastor W. Costa
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
Pastor W. Costa
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
Pastor W. Costa
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
Pastor W. Costa
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
Pastor W. Costa
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03
Pastor W. Costa
 

Mais de Pastor W. Costa (20)

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
 
Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03Salmos -AULA 03
Salmos -AULA 03
 

Último

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 

Último (20)

Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 

Cristologia aula02

  • 1. Prof. thB. Weverton Costa wevertontheos@hotmail.com / theologicalamapa@gmail.com
  • 3. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Concepções Inadequadas Os docetistas (dokew – ‘parecer’, ‘aparentar’; 70 -170 d.C), negavam a realidade do corpo de Cristo. O corpo de Cristo era só aparente. Esse ponto de vista era sequência lógica da suposição de que o mal é inerente à matéria. Se a matéria é má e Cristo era puro, então o corpo humano de Cristo deve ter sido meramente fantástico. O docetismo era simplesmente uma filosofia pagã introduzida na igreja.
  • 4. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Concepções Inadequadas Os apolinaristas (Apolinário, condenado em Constantinopla, 381), negavam a integridade da natureza humana de Cristo. De modo nenhum, Cristo, tinha no ou pnema humanos além daquele concedido pela natureza divina. Cristo tinha só o swma e ych´ humanos; o lugar do no ou pnema humanos foi preenchido pelo logo divino. O apolinarismo é uma tentativa de construir a doutrina da Pessoa de Cristo nas formas da tricotomia platônica.
  • 5. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Concepções Inadequadas Os nestorianos (Nestório, exonerado do patriarcado de Constantinopla, 431) negavam a união real entre as duas naturezas divina e humana em Cristo, tornando-a mais uma unidade moral do que orgânica. Recusavam-se, portanto, a atribuir à unidade resultante os atributos de cada natureza; e consideravam Cristo como um homem em uma relação bem próxima com Deus. Assim eles sustentavam virtualmente duas naturezas e duas pessoas em vez de duas naturezas em uma pessoa.
  • 6. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Concepções Inadequadas Os eutiquianos (Eutiques, condenado em Calcedônia, 451) negavam a distinção e a coexistência das duas naturezas e defendiam uma mistura de ambas o que constituía um tentium quid, uma terceira natureza. Visto que nesse caso o divino deve sobrepor o humano, o humano foi absorvido ou transmudado no divino, e este divino foi modificado pela ação amalgamante. Os eutiquianos foram chamados de monofisistas, pois virtualmente reduziam as duas naturezas a uma
  • 7. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Concepções Inadequadas Os gnósticos (Gnosticismo, doutrina filosófico-religiosa, séc. I) misturava ensino da filosofia grega com elementos da religião babilônica (astrologia); legalismo judaico; dualismo Persa (mau/bom, luz/trevas) e doutrinas cristãs. Defendiam que Deus era um ser inacessível e que dele havia emanado uma série de 30 espíritos angélicos denominados aéons. Demiurgo, um deus menor, teria criado o mundo e suas criaturas imperfeitas. Existia um mundo perfeito habitado por milhares de almas preexistentes, que ao cair na terra, ficavam cativas no corpo, um lugar impuro.
  • 8. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia A Doutrina Ortodoxa (Calcedônia, 451) Sustenta que na Pessoa de Cristo há duas naturezas, uma humana e uma divina, cada uma e sua plenitude e integridade e que essas duas naturezas estão orgânica e indissoluvelmente unidas sem, contudo, resultarem daí uma terceira natureza. Não se pode dividir a Pessoa ou confundir as duas naturezas
  • 9. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia O Filho do Homem Jesus nasceu como nasce um filho do homem (Jo 1.14; Gl 4.4). Cristo não apareceu do nada como se fosse um espírito (gnósticos) Foi gerado no ventre de uma mulher (Mt. 1.18-21 Recebeu um nome humano (Lc 2.21) Sua genealogia em Lucas Seu crescimento (Lc 2.52) Sua sabedoria confirmada (Mt. 13.54-56) Os Evangelhos citam 69 vezes a expressão “filho do homem”. Possuía corpo, mente, alma e todas as características humanas
  • 10. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia Um Corpo Humano O corpo frágil de Jesus era semelhante a qualquer outra criança, da mesma natureza Não era deificado ou translúcido (Eutiques) Cristo foi tocado pelos humanos (Mc 5.31; 10.13,14) Teve fome (Lc 4.2) Sentia cansaço (Mc 4.38) Sentiu dor e agonia (Jo 19.2) Sentiu sede (Jo 19.28) Após ressurreto ainda era humano (Lc 24.39)
  • 11. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia Uma Mente Humana Teve a necessidade de aprender desde sua infância (Lc 2.40) Teve limitações de conhecimento como qualquer humano (Mc 9.21; 10.51; 13.32) A humanidade de Jesus foi plena, mesmo sendo Deus Autolimitou-se como homem, sem que isso entrasse em contradição com Sua deidade
  • 12. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia Uma Alma Humana Ele possuia emoções genuinamente humanas: chorou, sentiu compaixão, indignou-se, entristeceu-se, angustiou-se, teve medo da morte (Jo 11.35; Mt. 9.36, 21.12,13; 26.38; Jo 12.27; Hb 5.7) Podia ser tentado (Hb 4.15) Pode socorrer aos que são tentados (Hb 2.18) Impecável, santo, imaculado, justo. Sempre dependia de Deus, por isso orava constantemente Aprendeu a suportar tudo – calado!
  • 13. UNIDADE I – ORIGEM HUMANA DE JESUS Apologia Um Verdadeiro Homem “homem experimentado nos trabalhos” “filho do carpinteiro” – Mt. 13.55 Seu trabalho exigia força bruta Teve que sustentar a família com seu trabalho (filho mais velho) Iniciou seu ministério como um viajante (jornadas de dois a três dias de viagens) Seus discípulos o viam como um verdadeiro homem e se surpreendiam com alguma obra extraordinária (Mt. 8.27) Escandalizou os judeus com suas afirmativas (Jo 10.33) Era o profeta da Galiléia (Jo 7.51,52) Rabi (Mt. 26.49), o samaritano (Jo 8.48)
  • 14. Jesus é sempre estudado pelos cientistas apenas do ponto de vista histórico. A humanidade de Jesus se reveste de grandeza e dignidade pelo fato de ser Deus. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS O Deus Unigênito
  • 15. Jesus, antes de sua vinda à Terra, era auto-existente, já existia na eternidade. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Auto-Existência de Jesus 1.1 No Princípio Eterno João 1.1 – sua existência na eternidade Isaías 9.6 – “O pai da eternidade” Miquéias 5.2 – “aquele cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” Hebreus 13.8 – o “imutável” Sua deidade e eternidade são rejeitadas por seitas como as Testemunhas de Jeová
  • 16. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Auto-Existência de Jesus 1.2 Jesus - Deus João 1.1 – “[...] e o Verbo era Deus...” Jesus não só estava na companhia de Deus como também era Deus. Mesmo sendo divino, Ele assumiu uma condição humana e veio viver entre nós na Terra (Jo 1.14) Perdoou pecados, dominou a natureza, enfrentou o diabo, as autoridades. Após sua ressurreição foi exaltado como Deus pelos anjos no céu (Hb 1.8) Sua mensagem é transformadora (1 Jo 5.20)
  • 17. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Auto-Existência de Jesus 1.3 Jesus – o Filho de Deus Gerado por Deus – tinha mãe humana, mas não um pai, visto que seu Pai era Deus. O Pai declara a paternidade ao filho (Lc 3.22) Essa filiação foi rejeitada entre os judeus, vista como uma blasfêmia, pecado digno de morte (Jo 5.18) Jesus como Filho eterno de Deus e distinto das demais pessoas da deidade está relacionada com sua auto- existência, anterior a sua encarnação
  • 18. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Coexistência de Jesus 2.1 A Igualdade de Jesus na Trindade É a segunda Pessoa da Trindade (Mt. 28.19) Uma ordem não hierárquica, sem diferença de poder ou de posição A igualdade de Jesus na Trindade foi amplamente discutida em várias ocasiões. Agostinho de Hipona, 4º Séc. enfatizou a doutrina da Trindade Tarefa - Comentar o Credo de Atanásio (entregar próx. Aula)
  • 19. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Coexistência de Jesus 2.2 O Co-Criador do Universo “todas as coisas foram feitas por Ele” – Jo 1.3 Essa criação foi participativa – Gn. 1.1 e 2 A criação do homem foi uma obra conjunta – Gn. 1.26 Em Gn. 2.7 a criação é atribuída a Deus-Pai; em Colossenses 1.16 é atribuída a Deus-Filho Em Jó 33.4, a referência atribui ao Espírito Santo o ato da criação
  • 20. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Coexistência de Jesus 2.3 O Co-Sustentador do Universo Jesus, como uma das pessoas da Santíssima Trindade, é co-sustentador do universo Cl 1.17 – “todas as coisas subsistem por ele” Coopera com o Pai – Mt. 5.45 Coopera com o Espírito Santo – Sl 104.30
  • 21. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Coexistência de Jesus 2.4 O Co-Redentor da Humanidade Jesus juntamente com os demais membros da Deidade decidiu o futuro espiritual do homem Assumiu a função de redentor da humanidade Adquiriu um corpo humano e viveu entre os homens por um tempo (Gl 4.4) Seu alvo: mostrar o caminho da redenção Sua encarnação era necessária – Hb 10.5; Jo 1.14 Seu destino – a cruz (Jo 1.29) Gn. 3.15; Is 7.14 “ a semente da mulher, Emanuel”
  • 22. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Preexistência de Jesus 3.1 O Verbo Eterno O Apóstolo João procurou provar que Cristo preexistia à própria criação (1.1-3) “o princípio” – tempo em que nenhuma criação existia “Verbo” – aparece em João com diversos significados: um ser preexistente; Divindade com poder de criar o universo; Pessoa divina distinto da Deidade; personalidade de natureza divina; Jesus de Nazaré A Doutrina da Preexistência de Jesus estabelece uma distinção clara entre Criador e criação
  • 23. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Preexistência de Jesus 3.2 O Princípio de Toda Criação João 3.14 O mundo material foi obra de suas mãos (Cl 1.16,17) Hebreus confirma (1.10) Jesus é o Primogênito da criação (Cl 1.15) “primogênito” não em ser a primeira de todas as criações de Deus, mas o primeiro de uma série, o mais velho (filhos de Deus). Sl 89.27 – lugar de domínio, posição de destaque referindo-se a Cristo
  • 24. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Preexistência de Jesus 3.3 A Plenitude do Deus Criador A posição de Jesus como Senhor da criação sempre foi contestada por vários grupos ao longo da história, dentre eles, os Gnósticos, que rejeitavam a divindade de Jesus e ensinavam que Ele era apenas um espírito angélico que havia emanado da suprema divindade e vindo ao mundo no corpo de homem, Jesus de Nazaré. Paulo refutou essa heresia ao escrever para os crentes de Colossos (Cl 2.9)
  • 25. UNIDADE II – ORIGEM DIVINA DE JESUS A Preexistência de Jesus 3.4 A Imagem do Deus Invisível Jesus, mesmo em sua humanidade, era a imagem do Deus invisível, autor da criação (Cl 1.15) Jesus dominava a natureza com certa liberdade Tal domínio se deu por meio de sua Onipotência Também demonstrou sua Onisciência e Onipresença, quando revelou conhecer o pensamento das pessoas (Mc 2.8); quem o havia de trair (Jo 6.64); veio do céu e ainda permanecia no céu (Jo 3.13)
  • 26. As Provas Bíblicas da Divindade de Cristo A palavra Deus (Theos) atribuída a Cristo. Jo 1.1,18; Rm 9.5; Tt 2.13; Hb 1.8; 2 Pe 1.1. A palavra Senhor (kyrios) atribuída a Cristo. Mt 13.27; 21.30; 27.63; Jo 4.11; Mt 6.24; 21.40; Lc 2.11
  • 27. Sinais de que Jesus Possuía Atributos de Divindade Onipotência Mt 8.26-27 Onisciência Mc 2.8 Onipresença Mt 28.20 Imortalidade Jo 2.19
  • 28. Por que é necessária a Divindade de Jesus? Só alguém que fosse Deus infinito poderia arcar com toda a pena de todos os pecados de todos os que cressem nele — qualquer criatura finita não seria capaz de arcar com tal pena.
  • 29. Por que é necessária a Divindade de Jesus? A salvação vem do Senhor (Jn 2.9), e toda a mensagem das Escrituras é moldada para mostrar que nenhum ser humano, nenhuma criatura, jamais conseguiria salvar o homem — só Deus mesmo poderia.
  • 30. Por que é necessária a Divindade de Jesus? Só alguém que fosse verdadeira e plenamente Deus poderia ser o mediador entre Deus e homem (1Tm 2.5), tanto para nos levar de volta a Deus como também para revelar Deus de maneira mais completa a nós (Jo 14.9).
  • 31. ATÉ A PRÓXIMA AULA A Rejeição da Origem Divina de Jesus A Defesa da Origem Divina de Jesus