SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIVRO DOS SALMOS
O Saltério: Antigo instrumento
musical de cordas, de forma
triangular e muito conhecido
na antiguidade
Prof. Pr. Weverton Costa (96) 99186-5423
Palavra-chave: “LOUVOR”
Tema Central: “Deus, o Rei do Universo”
CRIAÇÃO
CONSUMAÇÃO
PERÍODO
INTERBÍBLICO
Gênesis
Dt
Nm
Lv
Ex
Js
Jz
Rt
1/2Sm
1 Crônicas – 2 Crônicas – Ester – Esdras – Neemias
Jó
Salmos
Provérbios
Eclesiastes
Cantares
Evg
Atos
Cartas
Apocalipse
Esfera de Ação
• Os Salmos cobrem um período de cerca de 1.000
anos na história de Israel
- Temos salmos de Moisés, escrito no ano 1.405 AEC (Sl.90)
- E temos salmos do período pós-exílio, escritos após o
cativeiro da Babilônia (Sl.126)
• A maioria dos Salmos foram escritos por volta do
ano 1.050 AEC, sob a influência e ordem de Davi – I
Cron.16:4-7
PROPÓSITO DO LIVRO
• Talvez este seja o livro mais lido de toda a Bíblia.
• Composto por 150 poemas (eram cantados pelo
povo judeu);
• Toca em todas as áreas da vida humana de um modo
muito pessoal e prático.
• Propósito: levar as pessoas a louvarem a Deus!
• Era o Hinário do Templo (Cânticos de Sião, Sl 137)
• as orações, fruto da experiência religiosa de uma
comunidade de adoradores ao Deus Criador
Paralelismo Sinonímico
Salmo 114
1 Quando Israel saiu do Egito,
E a casa de Jacó de um povo bárbaro.
3 O mar viu isto e fugiu;
O Jordão tornou atrás.
4 Os montes saltaram como carneiros,
E os outeiros como cordeiros.
O mesmo povo / dificuldades removidas / júbilo pela libertação
A ESTRUTURA POÉTICA
Paralelismo Antitético
Salmo 30.5
Pois a sua ira dura só um momento
Mas no seu furor está a vida;
O choro pode durar uma noite,
Mas a alegria vem pela manhã.
O paralelismo antitético (contraste) está na literatura sapiencial,
especialmente em Provérbios (maioria em Pv 10.1 – 22.16)
o justo x o ímpio / tolo x sábio / filho sábio x filho tolo
A ESTRUTURA POÉTICA
Paralelismo Progressivo ou Sintético
Salmo 19
8 1ª linha - Os preceitos do Senhor são retos,
e alegram o coração;
2ª linha - O mandamento do Senhor é puro,
e ilumina os olhos.
9 1ª linha - O temor do Senhor é limpo,
e permanece para sempre.
2ª linha - As ordenanças do Senhor são verdadeiras,
e inteiramente justas.
A ESTRUTURA POÉTICA
Paralelismo Climático
Salmo 93
1 O Senhor reina;
está vestido de majestade,
O Senhor está vestido de majestade
e envolto em força
3 Os mares levantaram, ó Deus,
Os mares levantaram a sua voz;
Os mares levantaram as suas ondas.
A ESTRUTURA POÉTICA
Salmo 107
1ª ESTROFE 1 – 5
Coro 6 – 8
2ª ESTROFE 9 – 12
Coro 13 – 15
3ª ESTROFE 16 – 18
Coro 19 – 21
4ª ESTROFE 22 – 27
Coro 28 – 31
5ª ESTROFE 32 - 43
PRINCIPAIS TEMAS
A Experiência com o Deus da Aliança, nas mais
profundas comoções da alma:
1. Lutas e esperanças
2. Triunfos e fracassos
3. Adoração e rebeldia
4. Gratidão e arrependimento
5. E os clamores que surgem na alma:
• Enfermidade
• Pobreza
• Exílio
• Injustiça
• Calamidades e misérias que atingem a humanidade
O LIVRO DOS SALMOS E SUA HISTÓRIA
• SEFER TEHILIM – LIVRO DOS LOUVORES. Tehilim, vem da
mesma raiz hebraica para ALELUIA.
• No grego foi empregado com significado de “SALMODIAR”,
alguém que canta com acompanhamento musical.
• “PSALMOI”, do verbo grego “PSALLO”, o qual significa tocar
instrumentos de cordas. Rm 15.9; I Co 14.15; Ef 5.19: Tg 5.13 –
sentido de “Cantar Louvores”.
• A 70 emprega a palavra “SALMÓI”. Alguns Mss empregam a
palavra “SALTÉRION”. Daí originou-se o termo “SALTÉRIO” –
hinário ou composição de cânticos.
TÍTULO DOS SALMOS
MIZMOR – 57 salmos, uma canção que era tocada com
instrumentos de cordas.
SHIR – 29 SALMOS, “Cântico”, seja ele secular ou religioso
MASKIL – 6 salmos, “Instrução”, dá título aos salmos
didáticos
TEPHILLAH – “Oração”, composições poéticas que são
entoadas como uma oração: Salmo 142.
MIKTAN – títulos sem significado - Salmo 16
SHIGGAYON – título sem significado – Salmo 7
DE CONFIANÇA
EXPRESSAM A FÉ DO
POVO HEBREU EM DEUS;
E FORTALECER A FÉ DO
CRISTÃO
SALMO 23
IMPRECATÓRIOS
EXPRESSAM O DESEJO DO
SALMISTA PELA DESTRUIÇÃO
DE SEUS INIMIGOS
SALMO 35, 109, 52,54, 58
59, 79, 137
Tiveram sua inspiração
questionada
DE AGRADECIMENTO
AÇÕES DE GRAÇAS POR
BENÇÃOS RECEBIDAS
SALMOS 30, 34, 40, 118,
67, 105, 106DE PROCISSÃO
CANTADOS DURANTE A
PEREGRINAÇÃO DO POVO
JUDEU AO SANTUÁRIO EM
JERUSALÉM.
CÂNTICOS DOS DEGRAUS
SALMO 120 - 134
DE REALEZA
AFIRMAM O REINADO DE
YAVÉ SOBRE TODA A TERRA
SALMOS 8, 24, 29, , 46,47,48,
66,81,93,95,96
MESSIÂNICOS
LOUVORES QUE CONTÊM
PROFECIAS SOBRE O
MESSIAS QUE VIRIA
INFORMAM SOBRE A
TRAIÇÃO, A MORTE...
CIRCUNSTANCIAIS
APRESENTAM
PERSONAGENS BÍBLICOS
EM MEIO AOS
PROBLEMAS E DIANTE
DAS PERSEGUIÇÕES
SAPIENCIAIS
APRESENTAM CONSELHOS
PARA A VIDA DO HOMEM,
ENFATIZANDO O BOM
RELACIOMANETO COM
DEUS E COM O PRÓXIMO
SALMO 01, 19, 37...
Gênero
dos
Salmos
Os Salmos Messiânicos
Salmos Referências messiânicas Passagem no NT
8.4-5 - Aborda a humanidade de Cristo - Hb 2.6-8
2.7,12 - Refere-se à geração de Cristo como Filho - At 13.32,33, Hb 1.5
16.10 - A ressurreição de Cristo - At 13.32-36
22 - Apresenta os episódios que se cumpriram - Os relatos sobre a
na morte de Cristo morte de Cristo nos Ev
45.6,7 - Declara a justiça que permearia o reinado - Hb 1.8,9
do Messias
40.6-8 - A decisão do Verbo em reencarnar-se - Hb 10.4-10
68.18 - Prenúncio sobre a ascensão de Cristo - Ef 4.7-9
110.1 - Apresenta Jesus como Senhor de Davi e - Mt. 22.41-45
trata de sua exaltação sobre os inimigos
Há 5 tipos de Salmos Messiânicos
1 - TIPICAMENTE MESSIÂNICOS. O sujeito em alguns aspectos, é um
tipo de Cristo – 34.20; 69.4;
2 - TIPICAMENTE PROFÉTICOS. Há uma situação presente e futura
que preanuncia o que será historicamente concreto e completo
em Jesus – 22;
3 - INDIRETAMENTE MESSIÂNICOS. Referem-se a um rei, ou à casa
de Davi; todavia, sua mensagem plena aponta para a pessoa de
Jesus – 2; 45; 72;
4 - COMPLETAMENTE PROFÉTICOS. Referem-se completamente a
Jesus, sem qualquer referência a qualquer outra pessoa da
família de Davi - 110;
5 – DO REINO. Anunciam a chegada do Messias e a consumação do
Seu reino – 96 a 99. (Reina o Senhor, tremam os povos).
Versículo-chave do Livro
"Todo ser que respira louve ao
SENHOR. Aleluia!"
(150.6)
COMPOSITORES
AUTOR NÚMERO DE SALMOS SALMOS
DAVI 73 3-9; 11-32 34-41; 51-65; 68-70; 86;
101; 103; 108-110; 122; 124; 131;
133; 138-145.
2 (referido em At 4.25)
95.8 (identificado em Hb 4.7)
ASAFE 12 50, 73-83
OS FILHOS DE CORÉ 10 42, 44, 45, 47-49, 84,85, 87, 88
SALOMÃO 02 72, 127
MOISÉS 01 90
HEMÃ (filho de Coré) 01 88
ETÃ 01 89
Autoria desconhecida 51 1, 2, 10, 33, 43, 46, 66-67, 71, 91-
100, 102, 104-107, 111-121, 123,
125, 126, 128-130, 132-137, 146-150
EDITOR
A Tradição afirma
que
ESDRAS,
na era pós-exílica,
foi o editor da
Coletânea de
Salmos na forma
como temos hoje
em nossas Bíblias
Esboço do Livro
LIVRO I
LIVRO II
LIVRO III
LIVRO IV
LIVRO V
O SALTÉRIO ESTÁ DIVIDO EM
CINCO LIVROS, IMITANDO O
PENTATEUCO, E CORRESPONDEM
AOS CINCO LIVROS DA LEI
De 1 a 41
De 42 a 72
De 73 a 89
De 90 a 106
De 107 a
150
Trata do pecado do homem e sua consequência à toda
criação
Trata do êxodo de Israel; da salvação do homem e de
sua libertação. Faz menção ao nome “Elohim” e “Yavé”
(Senhor) e à sua providência
Faz-nos lembrar do Tabernáculo, da santidade, da
grandeza da Lei e da infinita bondade de Deus
O nome mais destacado – O Senhor Yavé, aponta para
Números, fala dos perigos e da proteção de Deus na
peregrinação no deserto
Aponta para Deuteronômio, por engrandecer a Palavra
de Deus (a Lei) e o louvor. A base central é o salmo
119.
Curiosidades!
• Na Septuaginta: Os Salmos 9 e 10 formam um só; a partir daí o Salmo
11 tornou-se 10. Essa diferença ocorre até o Salmo 112; o Salmo 114
se une com o 115 e forma o Salmo 113.
• O Salmo 116 é dividido em dois: 114 e 115, e o Salmo 147 também é
dividido em dois, formando a coletânea de saltério com o total de
150 salmos.
• Os versículos no Cânon Judaico: na Bíblia Hebraica seus versículos
são contados a partir da epígrafe, ou seja, “do título”. Alguns
capítulos possuem um versículo a mais como o Salmo 92, cuja
epígrafe é “Mizmor shir yom shabath” – “Salmo e cântico para o dia
de sábado”, a qual é contada como um versículo.
A Comunhão e a Fé no Louvor
O VERDADEIRO LOUVOR DEVE
EXALTAR AS AÇÕES DE DEUS.
POR ISSO O SALMISTA CANTOU:
“CONTAREI TODAS AS TUAS
MARAVILHAS” – SL 9.1
 Em salmos, aprendemos que o louvor deve expressar nossa
comunhão com Deus e nosso desejo em tê-Lo mais perto de nós.
Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim suspira a
minha alma por ti, ó Deus. a minha alma tem sede de Deus, do
Deus vivo. Quando entrarei e me apresentarei ante a face de
Deus? (Salmo 42.1,2)
 SALMO 23. Encontramos a mais alta expressão dessa comunhão,
pois o salmista louva na PRIMEIRA PESSOA DO SINGULAR e expressa
toda a intimidade com seu Grande Pastor (diálogo de amigo íntimo)
Meu pastor / Deitar-me / Ainda que eu andasse / não temeria /
tu estás comigo/ tua vara / teu cajado
A Comunhão e a Fé no Louvor
MANEIRAS DE
LOUVAR A DEUS
COM UMA
VIDA
SANTA
SL 1.1
COM DANÇAS E
INSTRUMENTOS
SL 150
COM AS
MÃOS
LEVANTADAS
SL 141.2
DE TODO
CORAÇÃO
SL 9.1
COM
AÇOES DE
GRAÇAS
SL 100.4
COM
JÚBILO E
CANTOS
SL 100.1,2
A GEOGRAFIA E O TEMPO DO LOUVOR
Os servos do Senhor são convidados a louvá-Lo:
 No TEMPLO – lugar sagrado para os judeus – aqui podiam
adorar a Deus com danças, ofertas, hinos, poesias e
sacrifícios. O tempo era de adoração.
 Em fronteiras ALÉM do Templo – podia ser praticado,
inclusive, nos locais pagãos (Sl 138.1) – não é uma apologia
ao desrespeito aos cultos de outras religiões, mas uma
declaração que se pode adorar a Deus em qualquer lugar
através de nosso proceder, vida consagrada e com hinos.
 A adoração deveria ser praticada EM TODO TEMPO.
A TEOLOGIA DO LOUVOR
O Livro dos Salmos nos ensina que a adoração deve ter conteúdo
teológico para que possa fortalecer a fé e ensinar sobre Deus:
 SALMO 150 – A existência de Deus – Um Ser Absoluto
 SALMO 19 – A existência do Eterno – Sua presença pode ser
percebida na natureza e no universo e quem não aceita essa
realidade é chamado de “louco” (19.1,2 – Sl 14.1)
 SALMO 139 – A Onipresença e a Onisciência do Altíssimo.
 SALMO 46 – A Onipotência – que faz com que o Criador tenha
capacidade de fazer o que quer, sem impedimento algum (Sl 62.11)
 SALMO 15 – A Justiça divina – significa imparcialidade, integridade,
equidade (faculdade de punir ou premiar de acordo com o direito,
com a vontade)
Aprendemos em Salmos que o
verdadeiro louvor nos ensina sobre:
AS MARAVILHAS
DO ETERNO
OS ATRIBUTOS
DO ALTÍSSIMO
AS CRISES DOS SALMISTAS
• O Livro dos Salmos revela-nos o lado humano de vários
heróis da fé: seus medos, suas falhas morais, suas
imitações e o desespero de cada um deles em meio aos
problemas da vida.
• Viviam um paradoxo: criam em Deus e, ao mesmo
tempo, tinham medo (Sl 42.5,11 e 43.5)
• Davi foi quem mais enfrentou adversidades. Enfrentou o
leão, o urso e o gigante Golias. No entanto, nos Salmos
vemos sua outra face: ansioso, inseguro, chorão, e às
vezes, pecaminoso e cruel. (Sl 25.17)
NO DIVÃ COM DAVI: SALMO 6
• Davi enfrentou diversas depressões. E aqui se retrata esse quadro:
– (2) Orando ao Senhor, disse que estava fraco;
– (2) Sofria de artrite;
– (3) Estava internamente perturbado;
– (6) Chorava dia e noite a ponto de gemer;
• Em uma de suas crises, Davi chegou a se comparar a um homem que
está atolado, com água pelo pescoço (Sl 69.1,2,14)
• Tantas crises, acarretaram na pior delas – a crise espiritual – na qual
o rei se sentia abandonado pelo SENHOR, a ponto de questioná-Lo (Sl
13.1)
• A fé não consiste na anulação das tribulações. Estas devem nos
fortalecer
PARA VENCER AS CRISES, OS
SALMISTAS:
REEDITAVAM
CONSTANTEMENTE
A MEMÓRIA
RESGATAVAM
A LIDERANÇA
DO “EU”
A Ascenção Espiritual – Cânticos dos Degraus
Nesses salmos podemos observar “degraus espirituais” que
elevam o cristão às alturas da comunhão com Deus. A vida cristã
não é estática, mas deve elevar-se à excelência do louvor
• 120 – o cristão está angustiado, clamando a Deus.
• 121 – o cristão recebe o socorro Divino
• 122 – é convidado para ir ao Templo, onde ele ora, relembra os
livramentos que recebeu de Deus (123, 124, 126) e expressa sua
fé no Todo – Poderoso (125)
• 127, 128 – Nessa subida espiritual, a família é valorizada.
• 133 – O amor é exaltado e por fim, chega-se ao ápice da
comunhão
• 134 – com o louvor a Deus em seu Santuário
REFLEXÕES ÁUREAS
“CONFIA”
“ESPERA”
Na alegria e na tristeza; na saúde
ou na dor; somos chamados a
confiar inabalavelmente no
SENHOR – 55.22.
Geralmente, vivemos com pressa – ao
menos com relação às bênçãos que
desejamos receber!
a Palavra de Deus, especialmente
neste livro, nos ensina a aguardar o
tempo de Deus – 27.14.
“TRIBUTA”
“INVOCA”
Somos eternamente devedores!
Recebemos tudo das mãos do
SENHOR (104.29). Devemos a Ele
todo louvor e glória - 29.
Invocar significa implorar a
proteção ou auxílio de; chamar em
socorro. Nos Salmos, somos
incentivados a fazê-lo! (Grande
prova do amor de Deus para
conosco!!!) - 50.15.
REFLEXÕES ÁUREAS
“ESCUTA”
Se o SENHOR nos incentiva a
falar com Ele, também nos
incentiva a ouvi-Lo - 46.10;
78.1
REFLEXÕES ÁUREAS
Cristologia de Salmos
• Eis alguns exemplos: o Salmo 22, que mostra o
sofrimento do Senhor Jesus;
• o 118, que O aponta como a pedra angular (v.22
/ Mt 21.42), e como Aquele que veio em nome
do Senhor (v. 26 / Mt 21.9).
• Algumas outras profecias dos salmos, cumpridas
em Jesus: 2.7 - Mt 3.17 // 8.6 - Hb 2.8 //16.10
- Mc 16.6,7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 
38. O Profeta Jonas
38. O Profeta Jonas38. O Profeta Jonas
Apocalipse 1
Apocalipse 1Apocalipse 1
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
RODRIGO FERREIRA
 
O Livro de Esdras
O Livro de EsdrasO Livro de Esdras
O Livro de Esdras
Amor pela EBD
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓSIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
Rubens Sohn
 
Aula 4 - Levíticos
Aula 4 - LevíticosAula 4 - Levíticos
Aula 4 - Levíticos
Gustavo Zimmermann
 
Panorama do AT - Naum
Panorama do AT - NaumPanorama do AT - Naum
Panorama do AT - Naum
Respirando Deus
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
Alberto Simonton
 
36. O profeta Amós
36. O profeta Amós36. O profeta Amós
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
Respirando Deus
 
O Livro de Josué
O Livro de JosuéO Livro de Josué
O Livro de Josué
Élida Rolim
 
21. o livro de neemias
21. o livro de neemias21. o livro de neemias
21. o livro de neemias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
A conquista de canaã lição 01
A conquista de canaã  lição 01A conquista de canaã  lição 01
A conquista de canaã lição 01
Mariângela Domeniche Perdomo
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
4. êxodo
4. êxodo4. êxodo
4. êxodo
mbrandao7
 
Deuteronomio
DeuteronomioDeuteronomio
Deuteronomio
Marcianno Teofilo
 
Oséias
OséiasOséias
Profetas maiores e menores
Profetas maiores e menoresProfetas maiores e menores
Profetas maiores e menores
Paulo Ferreira
 
O Livro de Números
O Livro de NúmerosO Livro de Números
O Livro de Números
Élida Rolim
 

Mais procurados (20)

Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
38. O Profeta Jonas
38. O Profeta Jonas38. O Profeta Jonas
38. O Profeta Jonas
 
Apocalipse 1
Apocalipse 1Apocalipse 1
Apocalipse 1
 
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
Estudo dos livros Poéticos - Provérbios.
 
O Livro de Esdras
O Livro de EsdrasO Livro de Esdras
O Livro de Esdras
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓSIBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
IBADEP BÁSICO PROFETAS MENORES AULA 1 - OSÉIAS, JOÉL E AMÓS
 
Aula 4 - Levíticos
Aula 4 - LevíticosAula 4 - Levíticos
Aula 4 - Levíticos
 
Panorama do AT - Naum
Panorama do AT - NaumPanorama do AT - Naum
Panorama do AT - Naum
 
O livro dos Juízes
O livro dos JuízesO livro dos Juízes
O livro dos Juízes
 
36. O profeta Amós
36. O profeta Amós36. O profeta Amós
36. O profeta Amós
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
 
O Livro de Josué
O Livro de JosuéO Livro de Josué
O Livro de Josué
 
21. o livro de neemias
21. o livro de neemias21. o livro de neemias
21. o livro de neemias
 
A conquista de canaã lição 01
A conquista de canaã  lição 01A conquista de canaã  lição 01
A conquista de canaã lição 01
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
 
4. êxodo
4. êxodo4. êxodo
4. êxodo
 
Deuteronomio
DeuteronomioDeuteronomio
Deuteronomio
 
Oséias
OséiasOséias
Oséias
 
Profetas maiores e menores
Profetas maiores e menoresProfetas maiores e menores
Profetas maiores e menores
 
O Livro de Números
O Livro de NúmerosO Livro de Números
O Livro de Números
 

Semelhante a Salmos -AULA 03

Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
RODRIGO FERREIRA
 
13 salmos cap 1 ao 50
13   salmos cap 1 ao 5013   salmos cap 1 ao 50
13 salmos cap 1 ao 50
PIB Penha
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
15 salmos cap 51 ao 100
15   salmos cap 51 ao 10015   salmos cap 51 ao 100
15 salmos cap 51 ao 100
PIB Penha
 
EBD viver e cantar - salmos
EBD   viver e cantar - salmosEBD   viver e cantar - salmos
EBD viver e cantar - salmos
Henrique Luna
 
Livros Poéticos - Salmos.pptx
Livros Poéticos - Salmos.pptxLivros Poéticos - Salmos.pptx
Livros Poéticos - Salmos.pptx
DouglasMoraes54
 
24 130710214245-phpapp02
24 130710214245-phpapp0224 130710214245-phpapp02
24 130710214245-phpapp02
Ana Amélia Rodrigues da Silva
 
Salmos.pptx
Salmos.pptxSalmos.pptx
Salmos.pptx
VitorBruno32
 
SEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
SEMINARIO teologico sobre poesia na bibliaSEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
SEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
MiqueiasDheferson
 
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
Marcus Wagner
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi finalEspiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
LUCAS CANAVARRO
 
2007.12.02 programa especial culto vespertino
2007.12.02   programa especial culto vespertino2007.12.02   programa especial culto vespertino
2007.12.02 programa especial culto vespertino
Paulo Dias Nogueira
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
jesmioma
 
Panorama do at 3
Panorama do at 3Panorama do at 3
Panorama do at 3
Lisanro Cronje
 
16 salmos - cap 100 ao 150
16   salmos - cap 100 ao 15016   salmos - cap 100 ao 150
16 salmos - cap 100 ao 150
PIB Penha
 
A palavra de deus não volta vazia 10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
A palavra de deus não volta vazia   10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...A palavra de deus não volta vazia   10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
A palavra de deus não volta vazia 10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
Paulo Dias Nogueira
 
24 12 11
24 12 1124 12 11
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaicaPalestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Gabi Baticioto
 
Orando com os salmos
Orando com os salmosOrando com os salmos
Orando com os salmos
Jorge Neves
 

Semelhante a Salmos -AULA 03 (20)

Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmosLivros Poéticos - Estudo do livro de salmos
Livros Poéticos - Estudo do livro de salmos
 
13 salmos cap 1 ao 50
13   salmos cap 1 ao 5013   salmos cap 1 ao 50
13 salmos cap 1 ao 50
 
24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos24. Os poéticos: Salmos
24. Os poéticos: Salmos
 
15 salmos cap 51 ao 100
15   salmos cap 51 ao 10015   salmos cap 51 ao 100
15 salmos cap 51 ao 100
 
EBD viver e cantar - salmos
EBD   viver e cantar - salmosEBD   viver e cantar - salmos
EBD viver e cantar - salmos
 
Livros Poéticos - Salmos.pptx
Livros Poéticos - Salmos.pptxLivros Poéticos - Salmos.pptx
Livros Poéticos - Salmos.pptx
 
24 130710214245-phpapp02
24 130710214245-phpapp0224 130710214245-phpapp02
24 130710214245-phpapp02
 
Salmos.pptx
Salmos.pptxSalmos.pptx
Salmos.pptx
 
SEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
SEMINARIO teologico sobre poesia na bibliaSEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
SEMINARIO teologico sobre poesia na biblia
 
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
Lição 9 Louvai ao Senhor! A lição dos salmos. Juniores.
 
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi finalEspiritismo e estudos bíblicos rei davi final
Espiritismo e estudos bíblicos rei davi final
 
2007.12.02 programa especial culto vespertino
2007.12.02   programa especial culto vespertino2007.12.02   programa especial culto vespertino
2007.12.02 programa especial culto vespertino
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
 
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011Voz da Paróquia - Dezembro 2011
Voz da Paróquia - Dezembro 2011
 
Panorama do at 3
Panorama do at 3Panorama do at 3
Panorama do at 3
 
16 salmos - cap 100 ao 150
16   salmos - cap 100 ao 15016   salmos - cap 100 ao 150
16 salmos - cap 100 ao 150
 
A palavra de deus não volta vazia 10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
A palavra de deus não volta vazia   10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...A palavra de deus não volta vazia   10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
A palavra de deus não volta vazia 10 07 2005 - 15 dom. tempo comum - culto ...
 
24 12 11
24 12 1124 12 11
24 12 11
 
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaicaPalestra vertical II - os  aspectos históricos da religião judaica
Palestra vertical II - os aspectos históricos da religião judaica
 
Orando com os salmos
Orando com os salmosOrando com os salmos
Orando com os salmos
 

Mais de Pastor W. Costa

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
Pastor W. Costa
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
Pastor W. Costa
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
Pastor W. Costa
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
Pastor W. Costa
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
Pastor W. Costa
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
Pastor W. Costa
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
Pastor W. Costa
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
Pastor W. Costa
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Cristologia aula06
Cristologia aula06Cristologia aula06
Cristologia aula06
Pastor W. Costa
 

Mais de Pastor W. Costa (20)

PPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdfPPC - SETAD.pdf
PPC - SETAD.pdf
 
Proféticos 5 Daniel
Proféticos 5   DanielProféticos 5   Daniel
Proféticos 5 Daniel
 
Proféticos 4 Ezequiel
Proféticos 4   EzequielProféticos 4   Ezequiel
Proféticos 4 Ezequiel
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
 
Proféticos 2 Jeremias
Proféticos 2   JeremiasProféticos 2   Jeremias
Proféticos 2 Jeremias
 
Proféticos 1 Introdução e Isaías
Proféticos 1   Introdução e IsaíasProféticos 1   Introdução e Isaías
Proféticos 1 Introdução e Isaías
 
PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07PENTATEUCO - Aula 07
PENTATEUCO - Aula 07
 
PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06PENTATEUCO - Aula 06
PENTATEUCO - Aula 06
 
PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05PENTATEUCO - Aula 05
PENTATEUCO - Aula 05
 
PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04PENTATEUCO - Aula 04
PENTATEUCO - Aula 04
 
PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03PENTATEUCO - Aula 03
PENTATEUCO - Aula 03
 
PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02PENTATEUCO - Aula 02
PENTATEUCO - Aula 02
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
 
Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04Teontologia - Angelologia - AULA 04
Teontologia - Angelologia - AULA 04
 
Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03Teontologia - AULA 03
Teontologia - AULA 03
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
 
A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01A poesia hebraica - AULA 01
A poesia hebraica - AULA 01
 
Cristologia aula06
Cristologia aula06Cristologia aula06
Cristologia aula06
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 

Salmos -AULA 03

  • 1. O LIVRO DOS SALMOS O Saltério: Antigo instrumento musical de cordas, de forma triangular e muito conhecido na antiguidade Prof. Pr. Weverton Costa (96) 99186-5423 Palavra-chave: “LOUVOR” Tema Central: “Deus, o Rei do Universo”
  • 2. CRIAÇÃO CONSUMAÇÃO PERÍODO INTERBÍBLICO Gênesis Dt Nm Lv Ex Js Jz Rt 1/2Sm 1 Crônicas – 2 Crônicas – Ester – Esdras – Neemias Jó Salmos Provérbios Eclesiastes Cantares Evg Atos Cartas Apocalipse
  • 3. Esfera de Ação • Os Salmos cobrem um período de cerca de 1.000 anos na história de Israel - Temos salmos de Moisés, escrito no ano 1.405 AEC (Sl.90) - E temos salmos do período pós-exílio, escritos após o cativeiro da Babilônia (Sl.126) • A maioria dos Salmos foram escritos por volta do ano 1.050 AEC, sob a influência e ordem de Davi – I Cron.16:4-7
  • 4. PROPÓSITO DO LIVRO • Talvez este seja o livro mais lido de toda a Bíblia. • Composto por 150 poemas (eram cantados pelo povo judeu); • Toca em todas as áreas da vida humana de um modo muito pessoal e prático. • Propósito: levar as pessoas a louvarem a Deus! • Era o Hinário do Templo (Cânticos de Sião, Sl 137) • as orações, fruto da experiência religiosa de uma comunidade de adoradores ao Deus Criador
  • 5. Paralelismo Sinonímico Salmo 114 1 Quando Israel saiu do Egito, E a casa de Jacó de um povo bárbaro. 3 O mar viu isto e fugiu; O Jordão tornou atrás. 4 Os montes saltaram como carneiros, E os outeiros como cordeiros. O mesmo povo / dificuldades removidas / júbilo pela libertação A ESTRUTURA POÉTICA
  • 6. Paralelismo Antitético Salmo 30.5 Pois a sua ira dura só um momento Mas no seu furor está a vida; O choro pode durar uma noite, Mas a alegria vem pela manhã. O paralelismo antitético (contraste) está na literatura sapiencial, especialmente em Provérbios (maioria em Pv 10.1 – 22.16) o justo x o ímpio / tolo x sábio / filho sábio x filho tolo A ESTRUTURA POÉTICA
  • 7. Paralelismo Progressivo ou Sintético Salmo 19 8 1ª linha - Os preceitos do Senhor são retos, e alegram o coração; 2ª linha - O mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. 9 1ª linha - O temor do Senhor é limpo, e permanece para sempre. 2ª linha - As ordenanças do Senhor são verdadeiras, e inteiramente justas. A ESTRUTURA POÉTICA
  • 8. Paralelismo Climático Salmo 93 1 O Senhor reina; está vestido de majestade, O Senhor está vestido de majestade e envolto em força 3 Os mares levantaram, ó Deus, Os mares levantaram a sua voz; Os mares levantaram as suas ondas. A ESTRUTURA POÉTICA
  • 9. Salmo 107 1ª ESTROFE 1 – 5 Coro 6 – 8 2ª ESTROFE 9 – 12 Coro 13 – 15 3ª ESTROFE 16 – 18 Coro 19 – 21 4ª ESTROFE 22 – 27 Coro 28 – 31 5ª ESTROFE 32 - 43
  • 10. PRINCIPAIS TEMAS A Experiência com o Deus da Aliança, nas mais profundas comoções da alma: 1. Lutas e esperanças 2. Triunfos e fracassos 3. Adoração e rebeldia 4. Gratidão e arrependimento 5. E os clamores que surgem na alma: • Enfermidade • Pobreza • Exílio • Injustiça • Calamidades e misérias que atingem a humanidade
  • 11. O LIVRO DOS SALMOS E SUA HISTÓRIA • SEFER TEHILIM – LIVRO DOS LOUVORES. Tehilim, vem da mesma raiz hebraica para ALELUIA. • No grego foi empregado com significado de “SALMODIAR”, alguém que canta com acompanhamento musical. • “PSALMOI”, do verbo grego “PSALLO”, o qual significa tocar instrumentos de cordas. Rm 15.9; I Co 14.15; Ef 5.19: Tg 5.13 – sentido de “Cantar Louvores”. • A 70 emprega a palavra “SALMÓI”. Alguns Mss empregam a palavra “SALTÉRION”. Daí originou-se o termo “SALTÉRIO” – hinário ou composição de cânticos.
  • 12. TÍTULO DOS SALMOS MIZMOR – 57 salmos, uma canção que era tocada com instrumentos de cordas. SHIR – 29 SALMOS, “Cântico”, seja ele secular ou religioso MASKIL – 6 salmos, “Instrução”, dá título aos salmos didáticos TEPHILLAH – “Oração”, composições poéticas que são entoadas como uma oração: Salmo 142. MIKTAN – títulos sem significado - Salmo 16 SHIGGAYON – título sem significado – Salmo 7
  • 13. DE CONFIANÇA EXPRESSAM A FÉ DO POVO HEBREU EM DEUS; E FORTALECER A FÉ DO CRISTÃO SALMO 23 IMPRECATÓRIOS EXPRESSAM O DESEJO DO SALMISTA PELA DESTRUIÇÃO DE SEUS INIMIGOS SALMO 35, 109, 52,54, 58 59, 79, 137 Tiveram sua inspiração questionada DE AGRADECIMENTO AÇÕES DE GRAÇAS POR BENÇÃOS RECEBIDAS SALMOS 30, 34, 40, 118, 67, 105, 106DE PROCISSÃO CANTADOS DURANTE A PEREGRINAÇÃO DO POVO JUDEU AO SANTUÁRIO EM JERUSALÉM. CÂNTICOS DOS DEGRAUS SALMO 120 - 134 DE REALEZA AFIRMAM O REINADO DE YAVÉ SOBRE TODA A TERRA SALMOS 8, 24, 29, , 46,47,48, 66,81,93,95,96 MESSIÂNICOS LOUVORES QUE CONTÊM PROFECIAS SOBRE O MESSIAS QUE VIRIA INFORMAM SOBRE A TRAIÇÃO, A MORTE... CIRCUNSTANCIAIS APRESENTAM PERSONAGENS BÍBLICOS EM MEIO AOS PROBLEMAS E DIANTE DAS PERSEGUIÇÕES SAPIENCIAIS APRESENTAM CONSELHOS PARA A VIDA DO HOMEM, ENFATIZANDO O BOM RELACIOMANETO COM DEUS E COM O PRÓXIMO SALMO 01, 19, 37... Gênero dos Salmos
  • 14. Os Salmos Messiânicos Salmos Referências messiânicas Passagem no NT 8.4-5 - Aborda a humanidade de Cristo - Hb 2.6-8 2.7,12 - Refere-se à geração de Cristo como Filho - At 13.32,33, Hb 1.5 16.10 - A ressurreição de Cristo - At 13.32-36 22 - Apresenta os episódios que se cumpriram - Os relatos sobre a na morte de Cristo morte de Cristo nos Ev 45.6,7 - Declara a justiça que permearia o reinado - Hb 1.8,9 do Messias 40.6-8 - A decisão do Verbo em reencarnar-se - Hb 10.4-10 68.18 - Prenúncio sobre a ascensão de Cristo - Ef 4.7-9 110.1 - Apresenta Jesus como Senhor de Davi e - Mt. 22.41-45 trata de sua exaltação sobre os inimigos
  • 15. Há 5 tipos de Salmos Messiânicos 1 - TIPICAMENTE MESSIÂNICOS. O sujeito em alguns aspectos, é um tipo de Cristo – 34.20; 69.4; 2 - TIPICAMENTE PROFÉTICOS. Há uma situação presente e futura que preanuncia o que será historicamente concreto e completo em Jesus – 22; 3 - INDIRETAMENTE MESSIÂNICOS. Referem-se a um rei, ou à casa de Davi; todavia, sua mensagem plena aponta para a pessoa de Jesus – 2; 45; 72; 4 - COMPLETAMENTE PROFÉTICOS. Referem-se completamente a Jesus, sem qualquer referência a qualquer outra pessoa da família de Davi - 110; 5 – DO REINO. Anunciam a chegada do Messias e a consumação do Seu reino – 96 a 99. (Reina o Senhor, tremam os povos).
  • 16. Versículo-chave do Livro "Todo ser que respira louve ao SENHOR. Aleluia!" (150.6)
  • 17. COMPOSITORES AUTOR NÚMERO DE SALMOS SALMOS DAVI 73 3-9; 11-32 34-41; 51-65; 68-70; 86; 101; 103; 108-110; 122; 124; 131; 133; 138-145. 2 (referido em At 4.25) 95.8 (identificado em Hb 4.7) ASAFE 12 50, 73-83 OS FILHOS DE CORÉ 10 42, 44, 45, 47-49, 84,85, 87, 88 SALOMÃO 02 72, 127 MOISÉS 01 90 HEMÃ (filho de Coré) 01 88 ETÃ 01 89 Autoria desconhecida 51 1, 2, 10, 33, 43, 46, 66-67, 71, 91- 100, 102, 104-107, 111-121, 123, 125, 126, 128-130, 132-137, 146-150
  • 18. EDITOR A Tradição afirma que ESDRAS, na era pós-exílica, foi o editor da Coletânea de Salmos na forma como temos hoje em nossas Bíblias
  • 19. Esboço do Livro LIVRO I LIVRO II LIVRO III LIVRO IV LIVRO V O SALTÉRIO ESTÁ DIVIDO EM CINCO LIVROS, IMITANDO O PENTATEUCO, E CORRESPONDEM AOS CINCO LIVROS DA LEI De 1 a 41 De 42 a 72 De 73 a 89 De 90 a 106 De 107 a 150 Trata do pecado do homem e sua consequência à toda criação Trata do êxodo de Israel; da salvação do homem e de sua libertação. Faz menção ao nome “Elohim” e “Yavé” (Senhor) e à sua providência Faz-nos lembrar do Tabernáculo, da santidade, da grandeza da Lei e da infinita bondade de Deus O nome mais destacado – O Senhor Yavé, aponta para Números, fala dos perigos e da proteção de Deus na peregrinação no deserto Aponta para Deuteronômio, por engrandecer a Palavra de Deus (a Lei) e o louvor. A base central é o salmo 119.
  • 20. Curiosidades! • Na Septuaginta: Os Salmos 9 e 10 formam um só; a partir daí o Salmo 11 tornou-se 10. Essa diferença ocorre até o Salmo 112; o Salmo 114 se une com o 115 e forma o Salmo 113. • O Salmo 116 é dividido em dois: 114 e 115, e o Salmo 147 também é dividido em dois, formando a coletânea de saltério com o total de 150 salmos. • Os versículos no Cânon Judaico: na Bíblia Hebraica seus versículos são contados a partir da epígrafe, ou seja, “do título”. Alguns capítulos possuem um versículo a mais como o Salmo 92, cuja epígrafe é “Mizmor shir yom shabath” – “Salmo e cântico para o dia de sábado”, a qual é contada como um versículo.
  • 21. A Comunhão e a Fé no Louvor O VERDADEIRO LOUVOR DEVE EXALTAR AS AÇÕES DE DEUS. POR ISSO O SALMISTA CANTOU: “CONTAREI TODAS AS TUAS MARAVILHAS” – SL 9.1
  • 22.  Em salmos, aprendemos que o louvor deve expressar nossa comunhão com Deus e nosso desejo em tê-Lo mais perto de nós. Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus. a minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus? (Salmo 42.1,2)  SALMO 23. Encontramos a mais alta expressão dessa comunhão, pois o salmista louva na PRIMEIRA PESSOA DO SINGULAR e expressa toda a intimidade com seu Grande Pastor (diálogo de amigo íntimo) Meu pastor / Deitar-me / Ainda que eu andasse / não temeria / tu estás comigo/ tua vara / teu cajado A Comunhão e a Fé no Louvor
  • 23. MANEIRAS DE LOUVAR A DEUS COM UMA VIDA SANTA SL 1.1 COM DANÇAS E INSTRUMENTOS SL 150 COM AS MÃOS LEVANTADAS SL 141.2 DE TODO CORAÇÃO SL 9.1 COM AÇOES DE GRAÇAS SL 100.4 COM JÚBILO E CANTOS SL 100.1,2
  • 24. A GEOGRAFIA E O TEMPO DO LOUVOR Os servos do Senhor são convidados a louvá-Lo:  No TEMPLO – lugar sagrado para os judeus – aqui podiam adorar a Deus com danças, ofertas, hinos, poesias e sacrifícios. O tempo era de adoração.  Em fronteiras ALÉM do Templo – podia ser praticado, inclusive, nos locais pagãos (Sl 138.1) – não é uma apologia ao desrespeito aos cultos de outras religiões, mas uma declaração que se pode adorar a Deus em qualquer lugar através de nosso proceder, vida consagrada e com hinos.  A adoração deveria ser praticada EM TODO TEMPO.
  • 25. A TEOLOGIA DO LOUVOR O Livro dos Salmos nos ensina que a adoração deve ter conteúdo teológico para que possa fortalecer a fé e ensinar sobre Deus:  SALMO 150 – A existência de Deus – Um Ser Absoluto  SALMO 19 – A existência do Eterno – Sua presença pode ser percebida na natureza e no universo e quem não aceita essa realidade é chamado de “louco” (19.1,2 – Sl 14.1)  SALMO 139 – A Onipresença e a Onisciência do Altíssimo.  SALMO 46 – A Onipotência – que faz com que o Criador tenha capacidade de fazer o que quer, sem impedimento algum (Sl 62.11)  SALMO 15 – A Justiça divina – significa imparcialidade, integridade, equidade (faculdade de punir ou premiar de acordo com o direito, com a vontade)
  • 26. Aprendemos em Salmos que o verdadeiro louvor nos ensina sobre: AS MARAVILHAS DO ETERNO OS ATRIBUTOS DO ALTÍSSIMO
  • 27. AS CRISES DOS SALMISTAS • O Livro dos Salmos revela-nos o lado humano de vários heróis da fé: seus medos, suas falhas morais, suas imitações e o desespero de cada um deles em meio aos problemas da vida. • Viviam um paradoxo: criam em Deus e, ao mesmo tempo, tinham medo (Sl 42.5,11 e 43.5) • Davi foi quem mais enfrentou adversidades. Enfrentou o leão, o urso e o gigante Golias. No entanto, nos Salmos vemos sua outra face: ansioso, inseguro, chorão, e às vezes, pecaminoso e cruel. (Sl 25.17)
  • 28. NO DIVÃ COM DAVI: SALMO 6 • Davi enfrentou diversas depressões. E aqui se retrata esse quadro: – (2) Orando ao Senhor, disse que estava fraco; – (2) Sofria de artrite; – (3) Estava internamente perturbado; – (6) Chorava dia e noite a ponto de gemer; • Em uma de suas crises, Davi chegou a se comparar a um homem que está atolado, com água pelo pescoço (Sl 69.1,2,14) • Tantas crises, acarretaram na pior delas – a crise espiritual – na qual o rei se sentia abandonado pelo SENHOR, a ponto de questioná-Lo (Sl 13.1) • A fé não consiste na anulação das tribulações. Estas devem nos fortalecer
  • 29. PARA VENCER AS CRISES, OS SALMISTAS: REEDITAVAM CONSTANTEMENTE A MEMÓRIA RESGATAVAM A LIDERANÇA DO “EU”
  • 30. A Ascenção Espiritual – Cânticos dos Degraus Nesses salmos podemos observar “degraus espirituais” que elevam o cristão às alturas da comunhão com Deus. A vida cristã não é estática, mas deve elevar-se à excelência do louvor • 120 – o cristão está angustiado, clamando a Deus. • 121 – o cristão recebe o socorro Divino • 122 – é convidado para ir ao Templo, onde ele ora, relembra os livramentos que recebeu de Deus (123, 124, 126) e expressa sua fé no Todo – Poderoso (125) • 127, 128 – Nessa subida espiritual, a família é valorizada. • 133 – O amor é exaltado e por fim, chega-se ao ápice da comunhão • 134 – com o louvor a Deus em seu Santuário
  • 31. REFLEXÕES ÁUREAS “CONFIA” “ESPERA” Na alegria e na tristeza; na saúde ou na dor; somos chamados a confiar inabalavelmente no SENHOR – 55.22. Geralmente, vivemos com pressa – ao menos com relação às bênçãos que desejamos receber! a Palavra de Deus, especialmente neste livro, nos ensina a aguardar o tempo de Deus – 27.14.
  • 32. “TRIBUTA” “INVOCA” Somos eternamente devedores! Recebemos tudo das mãos do SENHOR (104.29). Devemos a Ele todo louvor e glória - 29. Invocar significa implorar a proteção ou auxílio de; chamar em socorro. Nos Salmos, somos incentivados a fazê-lo! (Grande prova do amor de Deus para conosco!!!) - 50.15. REFLEXÕES ÁUREAS
  • 33. “ESCUTA” Se o SENHOR nos incentiva a falar com Ele, também nos incentiva a ouvi-Lo - 46.10; 78.1 REFLEXÕES ÁUREAS
  • 34. Cristologia de Salmos • Eis alguns exemplos: o Salmo 22, que mostra o sofrimento do Senhor Jesus; • o 118, que O aponta como a pedra angular (v.22 / Mt 21.42), e como Aquele que veio em nome do Senhor (v. 26 / Mt 21.9). • Algumas outras profecias dos salmos, cumpridas em Jesus: 2.7 - Mt 3.17 // 8.6 - Hb 2.8 //16.10 - Mc 16.6,7