SlideShare uma empresa Scribd logo
ECLESIOLOGIA – A
DOUTRINA DA IGREJA
Tema: 6
1I.E.P Missionária
AGENDA
A Origem da Igreja
A Estrutura da Igreja
As Ordenanças da Igreja
Disciplina na Igreja
As Formas de Governo
I.E.P Missionária 2
A ORIGEM DA IGREJA
1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO
DEUS, DESDE A ETERNIDADE
Quando Deus previu a queda do
homem, Ele por seu grande amor
concebeu um plano para salvar o
homem (Ef 1:4-5; 1Pe 1:19-20; Ap 13:8).
3I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO
DEUS, DESDE A ETERNIDADE
Em seu eterno plano, Deus também
determinou as bases e a forma da comunhão
que deveria haver entre aqueles que
aceitariam a salvação. Foi ai que a Igreja
surgiu como um plano no coração de Deus.
4I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO
DEUS, DESDE A ETERNIDADE
A Igreja teve seu inicio quando os
homens se convertiam pela pregação de
Jesus, passavam a seguí-lo e a “congregar
em Cristo” (Ef 1:10; Mt 16:18).
5I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO
DEUS, DESDE A ETERNIDADE
E quando o Espírito Santo foi derramado
sobre os discípulos enchendo-os de poder
(At 1:5) foi que a Igreja se estabeleceu.
6I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE
CONCERNE À IGREJA É DEUS
Sempre que Deus determina que o
homem faça algo em cooperação, Ele
sempre fornece o modelo (Gn 6:14-16; Ex
25:40; 1Cr 28:12-19).
7I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE
CONCERNE À IGREJA É DEUS
Deus revelou o modelo da Igreja através
do Espírito Santo. Quando a Igreja surgiu no
Pentecostes não havia livros ou ordens de
como ela devia ser edificada, embora Jesus
tenha ensinado muitas coisas (Jo 16:12-13).
8I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE
CONCERNE À IGREJA É DEUS
O Espírito Santo direcionou a Igreja
através dos dons ministeriais, dons
espirituais e com crescimento notável.
9I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO
ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL
A Igreja Universal é um organismo
espiritual composto por todos os crentes
de todos os tempos e lugares (Hb 12:23;
Rm 3:25-26).
10I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO
ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL
A Igreja Local é um agrupamento de crentes
regenerados, residentes numa determinada
localidade (At 8:1-3; At 13:1; 1Co 1:2; 1Ts 1:1; Ap
2:1) com o propósito de obedecer à Palavra de
Deus, sob a direção de um ministro de Deus.
11I.E.P Missionária
A ORIGEM DA IGREJA
3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO
ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL
IGREJA
UNIVERSAL
IGREJA
LOCAL
IGREJA
LOCAL
IGREJA
LOCAL
12I.E.P Missionária
AGENDA
A Origem da Igreja
A Estrutura da Igreja
As Ordenanças da Igreja
Disciplina na Igreja
As Formas de Governo
I.E.P Missionária 13
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
Estrutura é um conjunto de partes
que se destinam a sustentar uma carga.
A Igreja é a casa de Deus (1Tm 3:15) e
sem uma estrutura adequada a casa
pode cair.
14I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
A Igreja é estruturada em três áreas
fundamentais para os planos de Deus:
a) Ser separada do mundo;
b) Jesus deve ser o centro; e
c) Cada crente deve ser responsável e
integrante da Igreja.
15I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do
mundo
A estrutura principal da Igreja é composta por
pessoas que foram tiradas do mundo (Jo 15:19).
A palavra traduzida para Igreja no Novo
Testamento é “ekklesia”.
16I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado
do mundo
Essa palavra grega é composta por 2
palavras: Klesis =
chamado
Ek = para
fora
17I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do
mundo
Sendo assim ekklesia pode ser traduzida como
chamados para fora.
É usada 115 vezes no Novo Testamento:
18I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do
mundo
a) 3 vezes para expressar uma assembleia (At
19:32,40);
b) 2 vezes para designar Israel de Deus no Velho
Testamento (Dt 7:6-8; Ex 19:6); e
c) 110 vezes para designar a Igreja de Deus (Mt 9:13;
Cl 1:13; At 2:40). 19I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja
Jesus deve ser o centro absoluto da Igreja
(Jo 1:3). Foi Jesus que comprou a Igreja com
seu sangue (At 20:28) e morreu para ser
Senhor (Rm 14:9; Cl 1:18).
20I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja
A Igreja como o corpo de Cristo (Ef 1:22-23) é um
organismo vivo onde Cristo é o cabeça.
Como um corpo não pode existir sem a
cabeça, assim a Igreja não tem como existir sem
Cristo, sua cabeça.
21I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja
A Igreja como um templo (1Co 3:16) constitui um
símbolo que apresenta os crentes como pedras vivas
(1Pe 2:4-5) que são edificados casa espiritual sobre o
verdadeiro fundamento que é Cristo (Mt 16:18), pois
Ele é a pedra (At 4:11; Mt 7:24).
22I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja
A Igreja como um rebanho (At 20:28) aponta a
necessidade da atuação de Jesus como o Bom
Pastor (Jo 10:11; 1Pe 5:4) que ajunta as ovelhas
perdidas e conduz ao rebanho (Jo 10:16).
23I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.3 – Cada membro constitui uma parte
responsável na Igreja
Quando Deus projetou a Igreja, Ele definiu que
cada crente tivesse uma responsabilidade definida
na execução da obra que a ela foi confiada (1Co
12:12-31).
24I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.3 – Cada membro constitui uma parte
responsável na Igreja
Deus entregou talentos a cada crente (Mt 25: 14-18).
Cada membro está investido de responsabilidade pessoal
nas atividades da Igreja.
A Igreja primitiva era poderosa porque todos os
membros tomavam partido (Fp 1:5; 1Ts 1:6-9).
25I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
4.3 – Cada membro constitui uma parte
responsável na Igreja
Nenhum membro do corpo é
sem importância, antes todos
têm responsabilidade nos
projetos de Deus.
26I.E.P Missionária
A ESTRUTURA DA IGREJA
4 – A ESTRUTURA DA IGREJA
Separadodo
mundo
Membros
responsáveis
Cristoéocentro
IGREJA
27I.E.P Missionária
AGENDA
A Origem da Igreja
A Estrutura da Igreja
As Ordenanças da Igreja
Disciplina na Igreja
As Formas de Governo
I.E.P Missionária 28
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5 - ORDENANÇAS
As ordenanças são ordens deixadas por
Jesus à Igreja. As principais ordenanças são:
29I.E.P Missionária
BATISMO
(RM 6:1-11)
CEIA (1CO
11:17-34)
DISCIPULAR
(MT 28:19)
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.1 - Batismo
A palavra batismo significa “imergir”,
“submergir”, “mergulhar” e “colocar de molho”.
O apóstolo Paulo trata do batismo no livro de
Romanos (6:1-11) e a ênfase é de que o crente
participa plenamente da vida, da morte e da
ressurreição de Cristo
30I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
Em geral, fala-se somente do lavar-se
do antigo, mas o batismo também é um
simbolo de um novo revestimento.
31I.E.P Missionária
O batismo é a expressão externa da
aceitação da aliança proposta por
Deus – uma forma externa de
visualizar e proclamar em público a
conversão de vida.
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
O Pêssach (passagem ou páscoa) era
uma das principais festas judaicas, pois
retratava a salvação de Deus e era
celebrada anualmente para que o povo não
esquecesse o que Deus havia feito por eles.
32I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
O evento original do Pêssach (passagem ou
páscoa) foi inaugurado em antecipação da
libertação que Deus estava preparando.
33I.E.P Missionária
Jesus celebrou a festa com seus
discípulos em antecipação de sua
morte e libertação que estava
preparando para eles.
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
O Pêssach é a celebração do caminhar
do povo de Israel com Deus (YHWH). É a
celebração de que Deus livrou Israel da
escravidão do Faraó e os enviou para a terra
prometida, a terra da liberdade.
34I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
Jesus celebrou o Pêssach, no entanto
modificou a festa. Jesus tomou dois
elementos especiais da noite e os transformou
em novos memoriais.
35I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
Jesus entrega o matsá (pão) representando
seu próprio corpo que seria partido como
sacrificio da nova aliança.
Ele toma o cálice de vinho (simbolo da alegria
da festa) e o faz representar a sua própria vida
derramada para selar a nova aliança.
36I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
Portanto, a festa do Pêssach passa a
espelhar não somente a saida do Egito,
mas a redenção do indivíduo por Deus.
37I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
Os elementos que lembravam a
aflição e a alegria do Êxodo, passaram
a lembrar o sofrimento de Cristo para
trazer nova vida e alegria através de
sua auto entrega.
38I.E.P Missionária
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.2 - Ceia
39I.E.P Missionária
Jesus é o nosso cordeiro, a
nossa páscoa. Por meio Dele o
destruidor passou por cima das
nossas casas e fomos expulsos
do nosso Egito a uma nova vida
no reino de Deus.
AS ORDENANÇAS DA IGREJA
5.3 – Fazer discípulos
O discipulado (Mt 28:19) é um processo de
aprendizagem que envolve o relacionamento
entre duas pessoas: aquele que ensina e aquele
que está aprendendo.
No processo de discipulado o caráter de
Cristo é desenvolvido e fortalecido no discípulo.
40I.E.P Missionária
AGENDA
A Origem da Igreja
A Estrutura da Igreja
As Ordenanças da Igreja
Disciplina na Igreja
As Formas de Governo
I.E.P Missionária 41
DISCIPLINA NA IGREJA
6 - Disciplina
A disciplina na Igreja é o meio que
Deus usa para corrigir e restaurar seus
filhos quando caem em pecado.
Os objetivos da disciplina são:
42I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6 - Disciplina
43I.E.P Missionária
Manter a
unidade
Manter a
pureza
Manter a
integridade
Manter a
reputação da
Igreja
DISCIPLINA NA IGREJA
6.1 – Falhas menores
Falhas menores são aquelas que não
causam dano a reputação da Igreja. São
exemplos de falhas menores:
44I.E.P Missionária
Murmuração Negativismo Desconfiança
Reclamação Ansiedade Irritabilidade
DISCIPLINA NA IGREJA
6.1 – Falhas menores
A Bíblia, no entanto, permite e até
mesmo incentiva a relevar falhas
menores, ao invés de recorrer à
disciplina (Pv 10:12; Rm 15:1; Fp 4:5; 1Pe
4:8).
45I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.1 – Falhas menores
Somente se uma falha menor se
repetir frequentemente ou que venha
causar dano à Igreja são necessárias
atitudes que vão além da instrução,
advertência e repreensão individual.
46I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.2 – Ofensas de natureza pessoal
Ofensas de natureza pessoal são aquelas
que acontecem entre 2 crentes.
Ofensas são comportamentos
pecaminosos por parte de um crente que
prejudique a outro.
47I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.2 – Ofensas de natureza pessoal
No caso de ofensas pessoais, a pessoa
ofendida deve proceder da seguinte forma
(Mt 18:15-17):
1. Procurar, em particular, o ofensor e tentar
levá-lo ao arrependimento (Mt 18:15);
48I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.2 – Ofensas de natureza pessoal
2. Se o ofensor não se arrepender, se a ofensa for
significante e passível de comprovação, o ofendido
poderá apresentar sua queixa na presença de 2
testemunhas (Mt 18:16).
Essas testemunhas devem ser experientes para
averiguar os fatos e questionar ambas as partes.
49I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.2 – Ofensas de natureza pessoal
3. Se a pessoa culpada, após a comprovação
de sua culpa ser verificada pelas testemunhas,
permanecer irredutível, a questão deve ser
apresentada a Igreja (Mt 18:17). Se o culpado
estiver presente, deve ser repreendido
publicamente para que ele confesse seu pecado
e se arrependa.
50I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.2 – Ofensas de natureza pessoal
Se o culpado não vier a se arrepender, deve ser
excluido da Igreja e do rol dos membros (Mt 18:17).
Caso o culpado se arrependa, ações corretivas
podem ser tomadas, tais como prestação de
contas, remoção de atividades etc.
Nota: caso o culpado não esteja presente, a
questão deve ser apresentada a Igreja com limitação
de detalhes.
51I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.3 – Iniquidade intolerável
Iniquidade intolerável diz respeito a situações
onde há somente uma alternativa: exclusão da
igreja.
Segundo Elliff e Wingerd (2006) existem 3 tipos
de ofensores que devem ser considerados
intoleráveis e excluídos:
52I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.3 – Iniquidade intolerável
Transgressores impenitentes: são aqueles que se
recusam a reconhecer seus pecados e se
arrependerem, mesmo após a exortação da Igreja
(Mt 18:19).
Pessoas culpadas de ofensas gravissimas: são
aqueles que cometem pecado tão grave e notório
que se não forem excluídos podem manchar a
reputação de Cristo e da Igreja (Rm 2:21-24; 1Co
5:1,5,13).
53I.E.P Missionária
DISCIPLINA NA IGREJA
6.3 – Iniquidade intolerável
Transgressores que são afamados por suas
iniquidades: são aqueles conhecidos
publicamente por pecados tais como heresia,
apostasia, divisões, imoralidade etc. que os
torna indistinguíveis dos descrentes (1Co 5:11-
13; Gl 5:19-21; Tt 1:16; 1Jo 1:5-6).
54I.E.P Missionária
AGENDA
A Origem da Igreja
A Estrutura da Igreja
As Ordenanças da Igreja
Disciplina na Igreja
As Formas de Governo
I.E.P Missionária 55
O GOVERNO DA IGREJA
7 – As formas de governo
Entre as nações, existem várias formas de
governo:
Teocracia: o governo é emanado pelo
próprio Deus (foi usado em Israel em algumas
ocasiões);
56I.E.P Missionária
O GOVERNO DA IGREJA
7 – As formas de governo
Monarquia: uma forma de governo onde o
poder supremo é exercido por um monarca (rei);
Ditadura: o poder se concentra de forma
arbitraria em um indivíduo;
Oligarquia (aristocracia): o governo é
monopolizado por uma classe privilegiada;
57I.E.P Missionária
O GOVERNO DA IGREJA
7 – As formas de governo
Democracia: uma forma de governo que se
baseia na soberania popular, onde o povo elege
seus governantes por voto livre.
A Igreja tem em parte um governo teocrático
(Ef 1:22; Cl 1:18), no entanto Deus não quis
governar sozinho e constituiu ministros que “da
parte de Cristo exercem suas atividades (2Co
5:20; 1Co 5:4; Lc 10:16).
58I.E.P Missionária
O GOVERNO DA IGREJA
7 – As formas de governo
Esse governo em conjunto (Deus e seus
ministros) é exemplicado em Atos 15:28.
O governo exercido pelos ministros de
Deus eram democráticos, ou seja, havia a
opinião e o consenso da Igreja ou da
primazia da Igreja.
59I.E.P Missionária
O GOVERNO DA IGREJA
7 – As formas de governo
A escolha de Matias é resultante de um
processo democrático onde a assembleia de 120
pessoas participou (At 1:15, 23-26).
A escolha dos diáconos também foi resultado
da participação da eleição por parte da Igreja
(At 6:2-3)
60I.E.P Missionária
BIBLIOGRAFIA
BERGSTÉN, E. Teologia sistemática: Doutrina da Igreja e Doutrina dos
Anjos. 1º ed. Rio de Janeiro: CPAD. 1981.
THEOTREK. Eclesiologia. [2012]. Disponível em:
<http://www.theotrek.org/resources/br/Eclesiologia.pdf>. Acesso em 10
de ago. de2012.
ELLIF, J; WINGERD, D. Disciplina na Igreja: Um Manual de Disciplina para
a Igreja de Hoje. 1º ed. São Paulo: Fiel, 2006.
SIMMONS, T. P. Um Estudo Sistemático de Doutrina Bíblica: A Doutrina da
Igreja. [2012]. Disponível em: <
http://www.palavraprudente.com.br/estudos/tpaul_s/doutrinabiblica/c
ap30.html>. Acesso em: 13 de ago. de 2012.
61I.E.P Missionária

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
Dagmar Wendt
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
Apostila missiologia
Apostila missiologiaApostila missiologia
Apostila missiologia
Bernadetecebs .
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
História das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aulaHistória das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aula
Paulo Dias Nogueira
 
Slide Teologia
Slide TeologiaSlide Teologia
Slide Teologia
valmarques
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Sergio Silva
 
Doutrinas bíblicas PARACLETOLOGIA
Doutrinas bíblicas   PARACLETOLOGIADoutrinas bíblicas   PARACLETOLOGIA
Doutrinas bíblicas PARACLETOLOGIA
Roberto Trindade
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
Daniel Junior
 
3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão
faculdadeteologica
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
Alberto Nery
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Apostila missiologia
Apostila missiologiaApostila missiologia
Apostila missiologia
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
Panorama da História do Cristianismo
Panorama da História do CristianismoPanorama da História do Cristianismo
Panorama da História do Cristianismo
 
História das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aulaHistória das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aula
 
Slide Teologia
Slide TeologiaSlide Teologia
Slide Teologia
 
8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos8. epístola de paulo aos romanos
8. epístola de paulo aos romanos
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...Lição 4   por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
Lição 4 por que estudar seitas e heresias - 2º quadrimestre 2012 - ebd - re...
 
Doutrinas bíblicas PARACLETOLOGIA
Doutrinas bíblicas   PARACLETOLOGIADoutrinas bíblicas   PARACLETOLOGIA
Doutrinas bíblicas PARACLETOLOGIA
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
 
3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologia
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Lição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de CristoLição 08 - A Igreja de Cristo
Lição 08 - A Igreja de Cristo
 

Destaque

Agenda encuentro departamental de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
Agenda encuentro departamental  de semilleros caldas mayo 9 uam por salasAgenda encuentro departamental  de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
Agenda encuentro departamental de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
Ruffo Oswaldo
 
filternet
filternetfilternet
filternet
filternet
 
Série bingola disney
Série bingola disneySérie bingola disney
Série bingola disney
Valdeci Elvis Correa Correa
 
L'Erectèon
L'ErectèonL'Erectèon
L'Erectèonaanabeel
 
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라leekyky
 
SourceReading 20101020
SourceReading 20101020SourceReading 20101020
SourceReading 20101020
Shinichi YAMASHITA
 
Tp everton
Tp evertonTp everton
Tp everton
Felipe Barbosa
 
International management clase 3
International management   clase 3International management   clase 3
International management clase 3
Maria Rodriguez
 
Gaudi Women осень зима 2011
Gaudi Women осень зима 2011Gaudi Women осень зима 2011
Gaudi Women осень зима 2011Dasha
 
Presentacion curso moodle-pilar
Presentacion curso moodle-pilarPresentacion curso moodle-pilar
Presentacion curso moodle-pilar
Blanca Duarte de Báez
 
Momentum
MomentumMomentum
Momentumwp2k
 
Tallene 1 10
Tallene 1 10Tallene 1 10
Tallene 1 10
Philip Mosby
 
Jose luis segovia
Jose luis segoviaJose luis segovia
Jose luis segovia
Perú 2021
 
160 tll qüestionari_%20model_a
160 tll qüestionari_%20model_a160 tll qüestionari_%20model_a
160 tll qüestionari_%20model_a
vtost
 
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
Transports Metropolitans de Barcelona (TMB)
 
Estrategia de innovacion empresarial
Estrategia de innovacion empresarialEstrategia de innovacion empresarial
Estrategia de innovacion empresarial
Luisa Rendon
 
Residencial Edelweiss
Residencial EdelweissResidencial Edelweiss
Residencial Edelweiss
Willian Schneider
 

Destaque (20)

Agenda encuentro departamental de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
Agenda encuentro departamental  de semilleros caldas mayo 9 uam por salasAgenda encuentro departamental  de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
Agenda encuentro departamental de semilleros caldas mayo 9 uam por salas
 
filternet
filternetfilternet
filternet
 
Série bingola disney
Série bingola disneySérie bingola disney
Série bingola disney
 
Ind tam-015-doc
Ind tam-015-docInd tam-015-doc
Ind tam-015-doc
 
Ind tam-003-doc
Ind tam-003-docInd tam-003-doc
Ind tam-003-doc
 
L'Erectèon
L'ErectèonL'Erectèon
L'Erectèon
 
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라
이력서 100통도 넣어보지 않고 세상을 탓하지 마라
 
SourceReading 20101020
SourceReading 20101020SourceReading 20101020
SourceReading 20101020
 
Tp everton
Tp evertonTp everton
Tp everton
 
International management clase 3
International management   clase 3International management   clase 3
International management clase 3
 
Gaudi Women осень зима 2011
Gaudi Women осень зима 2011Gaudi Women осень зима 2011
Gaudi Women осень зима 2011
 
Presentacion curso moodle-pilar
Presentacion curso moodle-pilarPresentacion curso moodle-pilar
Presentacion curso moodle-pilar
 
Momentum
MomentumMomentum
Momentum
 
Tallene 1 10
Tallene 1 10Tallene 1 10
Tallene 1 10
 
Jose luis segovia
Jose luis segoviaJose luis segovia
Jose luis segovia
 
160 tll qüestionari_%20model_a
160 tll qüestionari_%20model_a160 tll qüestionari_%20model_a
160 tll qüestionari_%20model_a
 
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
Resumen estudio informativo nueva linea castelldefels cornellà-zona universit...
 
Estrategia de innovacion empresarial
Estrategia de innovacion empresarialEstrategia de innovacion empresarial
Estrategia de innovacion empresarial
 
Residencial Edelweiss
Residencial EdelweissResidencial Edelweiss
Residencial Edelweiss
 
Oporrak
OporrakOporrak
Oporrak
 

Semelhante a Aula 6 eclesiologia

Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
Alex Camargo
 
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdfescolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
vinicius252017
 
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
Uilson Nunnes
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristoLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
Natalino das Neves Neves
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de Cristo
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Lição 08-  A IGREJA DE CRISTOLição 08-  A IGREJA DE CRISTO
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Marcio de Medeiros
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
Antonio Filho
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
Zé Vitor Rabelo
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
Joel Silva
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Éder Tomé
 
A igreja e S. Pedro
A igreja e S. PedroA igreja e S. Pedro
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
ugleybson
 
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptxLição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Éder Tomé
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
Rev. Jouberto Heringer
 
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
alexandrepsantos
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptxLição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
Celso Napoleon
 
Projeto de evangelização igreja viva, sempre em missão
Projeto de evangelização   igreja viva, sempre em missãoProjeto de evangelização   igreja viva, sempre em missão
Projeto de evangelização igreja viva, sempre em missão
Catequese Anjos dos Céus
 

Semelhante a Aula 6 eclesiologia (20)

Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
 
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdfescolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
 
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristoLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 8 - A igreja de cristo
 
Lição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de CristoLição 8 - A Igreja de Cristo
Lição 8 - A Igreja de Cristo
 
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
Lição 08-  A IGREJA DE CRISTOLição 08-  A IGREJA DE CRISTO
Lição 08- A IGREJA DE CRISTO
 
A igreja de cristo
A igreja de cristoA igreja de cristo
A igreja de cristo
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
 
A igreja e S. Pedro
A igreja e S. PedroA igreja e S. Pedro
A igreja e S. Pedro
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
 
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptxLição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
Lição 1 - A Origem da Igreja - Lições Bíblicas.pptx
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
 
teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptxLição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
Lição 2 - Imagens Bíblicas da Igreja.pptx
 
Projeto de evangelização igreja viva, sempre em missão
Projeto de evangelização   igreja viva, sempre em missãoProjeto de evangelização   igreja viva, sempre em missão
Projeto de evangelização igreja viva, sempre em missão
 

Aula 6 eclesiologia

  • 1. ECLESIOLOGIA – A DOUTRINA DA IGREJA Tema: 6 1I.E.P Missionária
  • 2. AGENDA A Origem da Igreja A Estrutura da Igreja As Ordenanças da Igreja Disciplina na Igreja As Formas de Governo I.E.P Missionária 2
  • 3. A ORIGEM DA IGREJA 1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO DEUS, DESDE A ETERNIDADE Quando Deus previu a queda do homem, Ele por seu grande amor concebeu um plano para salvar o homem (Ef 1:4-5; 1Pe 1:19-20; Ap 13:8). 3I.E.P Missionária
  • 4. A ORIGEM DA IGREJA 1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO DEUS, DESDE A ETERNIDADE Em seu eterno plano, Deus também determinou as bases e a forma da comunhão que deveria haver entre aqueles que aceitariam a salvação. Foi ai que a Igreja surgiu como um plano no coração de Deus. 4I.E.P Missionária
  • 5. A ORIGEM DA IGREJA 1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO DEUS, DESDE A ETERNIDADE A Igreja teve seu inicio quando os homens se convertiam pela pregação de Jesus, passavam a seguí-lo e a “congregar em Cristo” (Ef 1:10; Mt 16:18). 5I.E.P Missionária
  • 6. A ORIGEM DA IGREJA 1 – A IGREJA SE ORIGINA DO PRÓPRIO DEUS, DESDE A ETERNIDADE E quando o Espírito Santo foi derramado sobre os discípulos enchendo-os de poder (At 1:5) foi que a Igreja se estabeleceu. 6I.E.P Missionária
  • 7. A ORIGEM DA IGREJA 2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE CONCERNE À IGREJA É DEUS Sempre que Deus determina que o homem faça algo em cooperação, Ele sempre fornece o modelo (Gn 6:14-16; Ex 25:40; 1Cr 28:12-19). 7I.E.P Missionária
  • 8. A ORIGEM DA IGREJA 2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE CONCERNE À IGREJA É DEUS Deus revelou o modelo da Igreja através do Espírito Santo. Quando a Igreja surgiu no Pentecostes não havia livros ou ordens de como ela devia ser edificada, embora Jesus tenha ensinado muitas coisas (Jo 16:12-13). 8I.E.P Missionária
  • 9. A ORIGEM DA IGREJA 2 – O PROJETISTA DE TUDO QUE CONCERNE À IGREJA É DEUS O Espírito Santo direcionou a Igreja através dos dons ministeriais, dons espirituais e com crescimento notável. 9I.E.P Missionária
  • 10. A ORIGEM DA IGREJA 3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL A Igreja Universal é um organismo espiritual composto por todos os crentes de todos os tempos e lugares (Hb 12:23; Rm 3:25-26). 10I.E.P Missionária
  • 11. A ORIGEM DA IGREJA 3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL A Igreja Local é um agrupamento de crentes regenerados, residentes numa determinada localidade (At 8:1-3; At 13:1; 1Co 1:2; 1Ts 1:1; Ap 2:1) com o propósito de obedecer à Palavra de Deus, sob a direção de um ministro de Deus. 11I.E.P Missionária
  • 12. A ORIGEM DA IGREJA 3 – NO PLANO DIVINO HÁ A DISTINÇÃO ENTRE IGREJA UNIVERSAL E LOCAL IGREJA UNIVERSAL IGREJA LOCAL IGREJA LOCAL IGREJA LOCAL 12I.E.P Missionária
  • 13. AGENDA A Origem da Igreja A Estrutura da Igreja As Ordenanças da Igreja Disciplina na Igreja As Formas de Governo I.E.P Missionária 13
  • 14. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA Estrutura é um conjunto de partes que se destinam a sustentar uma carga. A Igreja é a casa de Deus (1Tm 3:15) e sem uma estrutura adequada a casa pode cair. 14I.E.P Missionária
  • 15. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA A Igreja é estruturada em três áreas fundamentais para os planos de Deus: a) Ser separada do mundo; b) Jesus deve ser o centro; e c) Cada crente deve ser responsável e integrante da Igreja. 15I.E.P Missionária
  • 16. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do mundo A estrutura principal da Igreja é composta por pessoas que foram tiradas do mundo (Jo 15:19). A palavra traduzida para Igreja no Novo Testamento é “ekklesia”. 16I.E.P Missionária
  • 17. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do mundo Essa palavra grega é composta por 2 palavras: Klesis = chamado Ek = para fora 17I.E.P Missionária
  • 18. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do mundo Sendo assim ekklesia pode ser traduzida como chamados para fora. É usada 115 vezes no Novo Testamento: 18I.E.P Missionária
  • 19. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.1 – A Igreja (ekklesia) é um povo tirado do mundo a) 3 vezes para expressar uma assembleia (At 19:32,40); b) 2 vezes para designar Israel de Deus no Velho Testamento (Dt 7:6-8; Ex 19:6); e c) 110 vezes para designar a Igreja de Deus (Mt 9:13; Cl 1:13; At 2:40). 19I.E.P Missionária
  • 20. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja Jesus deve ser o centro absoluto da Igreja (Jo 1:3). Foi Jesus que comprou a Igreja com seu sangue (At 20:28) e morreu para ser Senhor (Rm 14:9; Cl 1:18). 20I.E.P Missionária
  • 21. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja A Igreja como o corpo de Cristo (Ef 1:22-23) é um organismo vivo onde Cristo é o cabeça. Como um corpo não pode existir sem a cabeça, assim a Igreja não tem como existir sem Cristo, sua cabeça. 21I.E.P Missionária
  • 22. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja A Igreja como um templo (1Co 3:16) constitui um símbolo que apresenta os crentes como pedras vivas (1Pe 2:4-5) que são edificados casa espiritual sobre o verdadeiro fundamento que é Cristo (Mt 16:18), pois Ele é a pedra (At 4:11; Mt 7:24). 22I.E.P Missionária
  • 23. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.2 – Jesus é o centro absoluto da Igreja A Igreja como um rebanho (At 20:28) aponta a necessidade da atuação de Jesus como o Bom Pastor (Jo 10:11; 1Pe 5:4) que ajunta as ovelhas perdidas e conduz ao rebanho (Jo 10:16). 23I.E.P Missionária
  • 24. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.3 – Cada membro constitui uma parte responsável na Igreja Quando Deus projetou a Igreja, Ele definiu que cada crente tivesse uma responsabilidade definida na execução da obra que a ela foi confiada (1Co 12:12-31). 24I.E.P Missionária
  • 25. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.3 – Cada membro constitui uma parte responsável na Igreja Deus entregou talentos a cada crente (Mt 25: 14-18). Cada membro está investido de responsabilidade pessoal nas atividades da Igreja. A Igreja primitiva era poderosa porque todos os membros tomavam partido (Fp 1:5; 1Ts 1:6-9). 25I.E.P Missionária
  • 26. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA 4.3 – Cada membro constitui uma parte responsável na Igreja Nenhum membro do corpo é sem importância, antes todos têm responsabilidade nos projetos de Deus. 26I.E.P Missionária
  • 27. A ESTRUTURA DA IGREJA 4 – A ESTRUTURA DA IGREJA Separadodo mundo Membros responsáveis Cristoéocentro IGREJA 27I.E.P Missionária
  • 28. AGENDA A Origem da Igreja A Estrutura da Igreja As Ordenanças da Igreja Disciplina na Igreja As Formas de Governo I.E.P Missionária 28
  • 29. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5 - ORDENANÇAS As ordenanças são ordens deixadas por Jesus à Igreja. As principais ordenanças são: 29I.E.P Missionária BATISMO (RM 6:1-11) CEIA (1CO 11:17-34) DISCIPULAR (MT 28:19)
  • 30. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.1 - Batismo A palavra batismo significa “imergir”, “submergir”, “mergulhar” e “colocar de molho”. O apóstolo Paulo trata do batismo no livro de Romanos (6:1-11) e a ênfase é de que o crente participa plenamente da vida, da morte e da ressurreição de Cristo 30I.E.P Missionária
  • 31. AS ORDENANÇAS DA IGREJA Em geral, fala-se somente do lavar-se do antigo, mas o batismo também é um simbolo de um novo revestimento. 31I.E.P Missionária O batismo é a expressão externa da aceitação da aliança proposta por Deus – uma forma externa de visualizar e proclamar em público a conversão de vida.
  • 32. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia O Pêssach (passagem ou páscoa) era uma das principais festas judaicas, pois retratava a salvação de Deus e era celebrada anualmente para que o povo não esquecesse o que Deus havia feito por eles. 32I.E.P Missionária
  • 33. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia O evento original do Pêssach (passagem ou páscoa) foi inaugurado em antecipação da libertação que Deus estava preparando. 33I.E.P Missionária Jesus celebrou a festa com seus discípulos em antecipação de sua morte e libertação que estava preparando para eles.
  • 34. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia O Pêssach é a celebração do caminhar do povo de Israel com Deus (YHWH). É a celebração de que Deus livrou Israel da escravidão do Faraó e os enviou para a terra prometida, a terra da liberdade. 34I.E.P Missionária
  • 35. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia Jesus celebrou o Pêssach, no entanto modificou a festa. Jesus tomou dois elementos especiais da noite e os transformou em novos memoriais. 35I.E.P Missionária
  • 36. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia Jesus entrega o matsá (pão) representando seu próprio corpo que seria partido como sacrificio da nova aliança. Ele toma o cálice de vinho (simbolo da alegria da festa) e o faz representar a sua própria vida derramada para selar a nova aliança. 36I.E.P Missionária
  • 37. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia Portanto, a festa do Pêssach passa a espelhar não somente a saida do Egito, mas a redenção do indivíduo por Deus. 37I.E.P Missionária
  • 38. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia Os elementos que lembravam a aflição e a alegria do Êxodo, passaram a lembrar o sofrimento de Cristo para trazer nova vida e alegria através de sua auto entrega. 38I.E.P Missionária
  • 39. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.2 - Ceia 39I.E.P Missionária Jesus é o nosso cordeiro, a nossa páscoa. Por meio Dele o destruidor passou por cima das nossas casas e fomos expulsos do nosso Egito a uma nova vida no reino de Deus.
  • 40. AS ORDENANÇAS DA IGREJA 5.3 – Fazer discípulos O discipulado (Mt 28:19) é um processo de aprendizagem que envolve o relacionamento entre duas pessoas: aquele que ensina e aquele que está aprendendo. No processo de discipulado o caráter de Cristo é desenvolvido e fortalecido no discípulo. 40I.E.P Missionária
  • 41. AGENDA A Origem da Igreja A Estrutura da Igreja As Ordenanças da Igreja Disciplina na Igreja As Formas de Governo I.E.P Missionária 41
  • 42. DISCIPLINA NA IGREJA 6 - Disciplina A disciplina na Igreja é o meio que Deus usa para corrigir e restaurar seus filhos quando caem em pecado. Os objetivos da disciplina são: 42I.E.P Missionária
  • 43. DISCIPLINA NA IGREJA 6 - Disciplina 43I.E.P Missionária Manter a unidade Manter a pureza Manter a integridade Manter a reputação da Igreja
  • 44. DISCIPLINA NA IGREJA 6.1 – Falhas menores Falhas menores são aquelas que não causam dano a reputação da Igreja. São exemplos de falhas menores: 44I.E.P Missionária Murmuração Negativismo Desconfiança Reclamação Ansiedade Irritabilidade
  • 45. DISCIPLINA NA IGREJA 6.1 – Falhas menores A Bíblia, no entanto, permite e até mesmo incentiva a relevar falhas menores, ao invés de recorrer à disciplina (Pv 10:12; Rm 15:1; Fp 4:5; 1Pe 4:8). 45I.E.P Missionária
  • 46. DISCIPLINA NA IGREJA 6.1 – Falhas menores Somente se uma falha menor se repetir frequentemente ou que venha causar dano à Igreja são necessárias atitudes que vão além da instrução, advertência e repreensão individual. 46I.E.P Missionária
  • 47. DISCIPLINA NA IGREJA 6.2 – Ofensas de natureza pessoal Ofensas de natureza pessoal são aquelas que acontecem entre 2 crentes. Ofensas são comportamentos pecaminosos por parte de um crente que prejudique a outro. 47I.E.P Missionária
  • 48. DISCIPLINA NA IGREJA 6.2 – Ofensas de natureza pessoal No caso de ofensas pessoais, a pessoa ofendida deve proceder da seguinte forma (Mt 18:15-17): 1. Procurar, em particular, o ofensor e tentar levá-lo ao arrependimento (Mt 18:15); 48I.E.P Missionária
  • 49. DISCIPLINA NA IGREJA 6.2 – Ofensas de natureza pessoal 2. Se o ofensor não se arrepender, se a ofensa for significante e passível de comprovação, o ofendido poderá apresentar sua queixa na presença de 2 testemunhas (Mt 18:16). Essas testemunhas devem ser experientes para averiguar os fatos e questionar ambas as partes. 49I.E.P Missionária
  • 50. DISCIPLINA NA IGREJA 6.2 – Ofensas de natureza pessoal 3. Se a pessoa culpada, após a comprovação de sua culpa ser verificada pelas testemunhas, permanecer irredutível, a questão deve ser apresentada a Igreja (Mt 18:17). Se o culpado estiver presente, deve ser repreendido publicamente para que ele confesse seu pecado e se arrependa. 50I.E.P Missionária
  • 51. DISCIPLINA NA IGREJA 6.2 – Ofensas de natureza pessoal Se o culpado não vier a se arrepender, deve ser excluido da Igreja e do rol dos membros (Mt 18:17). Caso o culpado se arrependa, ações corretivas podem ser tomadas, tais como prestação de contas, remoção de atividades etc. Nota: caso o culpado não esteja presente, a questão deve ser apresentada a Igreja com limitação de detalhes. 51I.E.P Missionária
  • 52. DISCIPLINA NA IGREJA 6.3 – Iniquidade intolerável Iniquidade intolerável diz respeito a situações onde há somente uma alternativa: exclusão da igreja. Segundo Elliff e Wingerd (2006) existem 3 tipos de ofensores que devem ser considerados intoleráveis e excluídos: 52I.E.P Missionária
  • 53. DISCIPLINA NA IGREJA 6.3 – Iniquidade intolerável Transgressores impenitentes: são aqueles que se recusam a reconhecer seus pecados e se arrependerem, mesmo após a exortação da Igreja (Mt 18:19). Pessoas culpadas de ofensas gravissimas: são aqueles que cometem pecado tão grave e notório que se não forem excluídos podem manchar a reputação de Cristo e da Igreja (Rm 2:21-24; 1Co 5:1,5,13). 53I.E.P Missionária
  • 54. DISCIPLINA NA IGREJA 6.3 – Iniquidade intolerável Transgressores que são afamados por suas iniquidades: são aqueles conhecidos publicamente por pecados tais como heresia, apostasia, divisões, imoralidade etc. que os torna indistinguíveis dos descrentes (1Co 5:11- 13; Gl 5:19-21; Tt 1:16; 1Jo 1:5-6). 54I.E.P Missionária
  • 55. AGENDA A Origem da Igreja A Estrutura da Igreja As Ordenanças da Igreja Disciplina na Igreja As Formas de Governo I.E.P Missionária 55
  • 56. O GOVERNO DA IGREJA 7 – As formas de governo Entre as nações, existem várias formas de governo: Teocracia: o governo é emanado pelo próprio Deus (foi usado em Israel em algumas ocasiões); 56I.E.P Missionária
  • 57. O GOVERNO DA IGREJA 7 – As formas de governo Monarquia: uma forma de governo onde o poder supremo é exercido por um monarca (rei); Ditadura: o poder se concentra de forma arbitraria em um indivíduo; Oligarquia (aristocracia): o governo é monopolizado por uma classe privilegiada; 57I.E.P Missionária
  • 58. O GOVERNO DA IGREJA 7 – As formas de governo Democracia: uma forma de governo que se baseia na soberania popular, onde o povo elege seus governantes por voto livre. A Igreja tem em parte um governo teocrático (Ef 1:22; Cl 1:18), no entanto Deus não quis governar sozinho e constituiu ministros que “da parte de Cristo exercem suas atividades (2Co 5:20; 1Co 5:4; Lc 10:16). 58I.E.P Missionária
  • 59. O GOVERNO DA IGREJA 7 – As formas de governo Esse governo em conjunto (Deus e seus ministros) é exemplicado em Atos 15:28. O governo exercido pelos ministros de Deus eram democráticos, ou seja, havia a opinião e o consenso da Igreja ou da primazia da Igreja. 59I.E.P Missionária
  • 60. O GOVERNO DA IGREJA 7 – As formas de governo A escolha de Matias é resultante de um processo democrático onde a assembleia de 120 pessoas participou (At 1:15, 23-26). A escolha dos diáconos também foi resultado da participação da eleição por parte da Igreja (At 6:2-3) 60I.E.P Missionária
  • 61. BIBLIOGRAFIA BERGSTÉN, E. Teologia sistemática: Doutrina da Igreja e Doutrina dos Anjos. 1º ed. Rio de Janeiro: CPAD. 1981. THEOTREK. Eclesiologia. [2012]. Disponível em: <http://www.theotrek.org/resources/br/Eclesiologia.pdf>. Acesso em 10 de ago. de2012. ELLIF, J; WINGERD, D. Disciplina na Igreja: Um Manual de Disciplina para a Igreja de Hoje. 1º ed. São Paulo: Fiel, 2006. SIMMONS, T. P. Um Estudo Sistemático de Doutrina Bíblica: A Doutrina da Igreja. [2012]. Disponível em: < http://www.palavraprudente.com.br/estudos/tpaul_s/doutrinabiblica/c ap30.html>. Acesso em: 13 de ago. de 2012. 61I.E.P Missionária