SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO DE ENSINO TEOLÓGICO DE PETRÓPOLIS
“... Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.”
Mt 16. 16b
AULAS 1, 2 e 3
Começando com música
“Alguém como eu”
Pr. Stênio Marcius
CRISTOLOGIA
BIBLIOGRAFIA
(Teologia Sistemática, Dogmática e História das Doutrinas)
CRISTOLOGIA
BIBLIOGRAFIA
(Teologia Sistemática, Dogmática e História das Doutrinas)
CRISTOLOGIA
BIBLIOGRAFIA
(Bíblias de Estudo)
ANGELOLOGIA
O QUE VAMOS ESTUDAR?
I – A PESSOA DE CRISTO
II – A OBRA DE CRISTO
CRISTOLOGIA
CRISTOLOGIA
PONTO DE PARTIDA
3. No Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus,
plenamente Deus, Plenamente homem, na concepção e
no seu nascimento virginal, em sua morte vicária e
expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos
e em sua ascensão vitoriosa aos céus como Salvador do
mundo (Jo 3. 16 – 18; Rm 1. 3,4; Is 7. 14; Mt 1. 23; Hb 10.
12; Rm 8. 34 e At 1. 9);”
(Declaração de Fé das Assembleias de Deus)
“Cremos
CRISTOLOGIA
REFLEXÃO INICIAL
“Ele era conhecido em sua época como Jesus de Nazaré.
Trabalhou como carpinteiro a maior parte de sua vida adulta.
Entretanto, Ele foi tão extraordinário pela forma como
viveu e pela influência que exerceu sobre a humanidade que a
palavra “extraordinário” não consegue caracterizá-lo.
Ninguém mais — nem reis, ditadores, cientistas,
educadores ou líderes militares — deu uma contribuição maior que
a de Jesus à história do mundo.”
Tim LaHaye em Um Homem Chamado Jesus
Sem dúvida, Jesus de Nazaré é a personagem mais estudada na
história da humanidade. Não só o Cristianismo, uma vez que Ele é a base
de crença e fé da igreja, mas também em outros circulos religiosos ou não.
Com a diferença que para nós Ele é o Emanuel “Deus conosco” (Is 7. 14;
Mt 1. 23)
CRISTOLOGIA
IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE
Jesus de Nazaré é incomparável como influência artística.
Ele tem servido de inspiração na arte e na música do mundo mais
do que qualquer outra pessoa. Alguns dos maiores oratórios e
hinos da história foram escritos a respeito dele ou para Ele. Jesus
é o tema central de mais livros e música do que qualquer outro
indivíduo. A Biblioteca do Congresso norte-americano, considerada
a mais completa biblioteca do mundo, registra mais obras sobre
Jesus do que sobre qualquer outra pessoa.
pintura Santa Ceia ou em italiano Cenacolo Vinciano de
Leonardo Da Vinci no convento de Santa Marie delle
Grazie, pintada entre 1482 a 1499.
CRISTOLOGIA
IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE
Hospital Evangélico de Curitiba
Jesus de Nazaré é incomparável como influência humanitária.
Mais hospitais, orfanatos, casas de repouso e missões de
salvamento têm sido dedicados a Ele do que a todos os líderes
religiosos reunidos. Mais esforços para ajudar pessoas têm sido
realizados, financiados e perpetuados por seus seguidores do
que todos os outros juntos.
CRISTOLOGIA
IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE
Considerado o pai das missões modernas
Jesus de Nazaré é incomparável em sua capacidade de inspirar
devoção. Nenhum outro indivíduo nos últimos dois mil anos atraiu
maior dedicação entre seus seguidores. Embora Jesus nunca
tenha levantado um exército durante seus três anos e meio de
ministério, milhões e milhões de seus seguidores espalharam-se
pelas partes mais remotas do planeta para levar sua mensagem
— não por dinheiro, terras ou recompensas materiais, mas por
pura devoção a Ele.
CRISTOLOGIA
IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE
Jesus de Nazaré é incomparável como influência escolástica.
Embora nunca tenha fundado uma faculdade, seus ensinamentos e
seus seguidores contribuíram mais para as instituições de
alfabetização e matérias educativas — de todos os níveis, desde o
jardim da infância até as universidades — do que todos os outros
reunidos. Somente nos Estados Unidos, uma nação de instituições
educativas, 128 faculdades foram estabelecidas nos primeiros cem
anos da história do país — fundadas por uma igreja, denominação,
ou grupo religioso. Harvard, Princeton e Yale, que foram os centros
da educação norte-americana durante duzentos anos, foram
criadas para preparar ministros, missionários e líderes cristãos.
Além disso, numerosas faculdades cristãs foram fundadas em
honra do Mestre.
CRISTOLOGIA
IMPACTOS NA CRISTANDADE
Para os Cristãos, Jesus não foi apenas um homem extraordinário, como
pode se atestar pelo seu impacto em toda sociedade, mas para nós ele é o “ungido
de Deus” o Cristo, o filho do Deus Vivo. (Mt 16. 16)
“Como acontece com quase todas as outras doutrinas,
muito antes de a Igreja tentar determinar e definir sua cristologia,
ela já estava expressando no culto e na vida. Desde os
primeiríssimos escritos cristãos, começando com as cartas de
Paulo e logo com o restante do Novo Testamento – Seguidos
pela literatura cristã antiga –, todos apontam para Jesus de
Nazaré como Messias ou o Cristo, o ungido de Deus.
Justo Gonzales em Uma Breve História das Doutrinas
Cristãs
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
Em meio a turbulência Deus guiou a Igreja para a verdade Cristológica
que experimentamos hoje.
“As primeiras controvérsias cristológicas não retratam
um espetáculo muito edificante. As paixões se destacavam em
demasia, a indigna intriga com frequência desempenhava papel
preponderante e a própria violência ocasionalmente transparecia.
Poderia parecer que tal atmosfera só daria lugar ao erro, mas
aquelas controvérsias conduziram à formulação da doutrina da
Pessoa de Cristo que continua sendo considerada padrão até os
nossos próprios dias. O Espírito Santo guiava a Igreja, muitas
vezes entre a ingnomínia e a confusão, fazendo-a penetrar na
clara atmosfera da verdade
Louis Berkhof em História das Doutrinas Cristãs
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
Segundo Berkhof, as controvérsias sobre a Cristologia, nascem da
dificuldade de se conciliar e explicar satisfatoriamente, ainda que em parte, os
seguintes pontos:
1) Sua autêntica e própria deidade;
2) Sua autêntica e própria humanidade;
3) A união da deidade e da humanidade
numa só pessoa
4) A distinção correta entre deidade e a
humanidade nessa única pessoa
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
DOCETISMO: (em grego parecer) para os docetistas a realidade humana de Cristo
era negada, eles alegavam que seu corpo, seu sofrimento e morte eram apenas
uma aparência, sua humanidade não era real.
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
EBIONISMO: Desenvolveu-se de uma ramificação do cristianismo judaico
afirmando que Cristo era um homem puro e santo que por sua obediência a Deus,
no momento do batismo foi adotado por Deus como seu filho.
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
ARIANISMO: Ário foi um presbítero de Alexandria, afirmava que Cristo era uma
criatura de Deus sendo o primeiro ser criado através de quem todas as outras
coisas foram criadas. Segundo Ário, Cristo pode ser chamado de Deus apesar de
não possuir a deidade no sentido pleno por estar limitado ao tempo da criação.
Suas ideias foram combatidas com sucesso por Atanásio sendo rejeitadas no
concílio de Nicéia.
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
APOLINARISMO: Apolinário, bispo de Laudicéia a partir de 361, ensinou que a
pessoa única de Cristo possuía um corpo humano, mas não uma mente ou espírito
humanos. Além disso, para ele, a mente e o espírito de Cristo provinham de sua
natureza divina.
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
NESTORIANISMO: Os ensinos de Nestório eram populares em algumas regiões
do mundo, no início do século V. A controvérsia começõu quando Nestório
considerou falha a doutrina da Igreja com respeito a Maria. Posto que o Concílio de
Nicéia havia asseverado a plena divindade de Jesus, tornou-se necessário explicar
a situação de Maria ao dar à luz o Messias. A Igreja nos dias de Nestório, utilizava-
se (e com razão) da terminologia theotokos, que significa “quem deu Deus à luz”,
para descrever Maria. Nestório reagiu a essa terminologia e ensinava que Maria
devia ser chama da de christotokos , que significa “quem deu Cristo à luz”. Esse
posicionamento era fundamentado na ideia herética de que Cristo apresentava
duas pessoas, uma humana e outra divina. Maria havia gerado o Cristo humano e
não o Cristo Divino que veio se juntar a ele após o nascimento.
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
EUTIQUISMO: Eutíquio afirmava que o corpo de Jesus era diferente do nosso, era
um corpo deificado de maneira que Cristo apresentava apenas uma pessoa e uma
natureza
CRISTOLOGIA
CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS
EUTIQUISMO: Eutíquio afirmava que o corpo de Jesus era diferente do nosso, era
um corpo deificado de maneira que Cristo apresentava apenas uma pessoa e uma
natureza
Cremos em um só Deus, Pai todo poderoso, Criador de
todas as coisas, visíveis e invisíveis; E em um só
Senhor, Jesus Cristo, Filho de Deus, gerado do Pai,
unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus,
Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
gerado, não criado, consubstancial do Pai, por quem
todas as coisas foram feitas no céu e na terra, o qual
por causa de nós homens e por causa de nossa
salvação desceu, se encarnou e se fez homem,
padeceu e ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus e
virá para julgar os vivos e os mortos; E no Espírito
Santo. Mas quantos àqueles que dizem: 'existiu quando
não era' e 'antes que nascesse não era' e 'foi feito do
nada', ou àqueles que afirmam que o Filho de Deus é
uma hipóstase ou substância diferente, ou foi criado, ou
é sujeito à alteração e mudança, a estes a Igreja
anatematiza
CREDO NICENO (325 a.D.)
CRISTOLOGIA
CREDO NICENO - COSTITANOPOLITANO(381 a.D.)
CRISTOLOGIA
Cremos em um só Deus, Pai Todo-Poderoso,
Criador do céu e da terra, das coisas visíveis e
invisíveis.
E em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de
Deus,
o Unigênito de Deus o Pai, que é da essência
do Pai.
Deus de Deus, Luz de Deus,
Luz verdadeiro de Deus verdadeiro,
gerado e não feito;
da natureza mesma do Pai,
por quem todas as coisas vieram a existir,
no céu e na terra,
visíveis e invisíveis.
Quem por nós os homens e para nossa
salvação
desceu dos céus,
se encarnou, foi feito homem,
nasceu perfeitamente da Santíssima Virgem
Maria pelo Espírito Santo.
Por quem, verdadeiramente e não na aparência,
Ele tomou corpo, alma e mente, e tudo o que é
humano.
Ele sofreu, foi crucificado, foi sepultado,
ressuscitou ao terceiro dia,
subiu ao céu com o mesmo corpo, [e] se sentou
à direita do Pai.
Ele está para vir com o mesmo corpo e com a
glória do Pai,
para julgar os vivos e os mortos;
o Seu reino não tem fim.
Cremos no Espírito Santo, no incriado e perfeito,
que falou através da Lei, os profetas, e os
Evangelhos;
que desceu sobre a Jordânia,
pregou pelos apóstolos, e viveu nos santos.
Cremos também em una, católica, e apostólica
Igreja
e em um batismo de arrependimento,
para a remissão e perdão dos pecados
e na ressurreição dos mortos,
no julgamento eterno das almas e corpos,
no Reino dos Céus e na vida eterna.
Fiéis aos santos Pais, todos nós, perfeitamente unânimes, ensinamos que se deve
confessar um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à
divindade, e perfeito quanto à humanidade; verdadeiramente Deus e
verdadeiramente homem, constando de alma racional e de corpo, consubstancial
com o Pai, segundo a divindade, e consubstancial a nós, segundo a humanidade;
em tudo semelhante a nós, excetuando o pecado; gerado segundo a divindade
pelo Pai antes de todos os séculos, e nestes últimos dias, segundo a humanidade,
por nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, mãe de Deus; um e só
mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas
naturezas, inconfundíveis, imutáveis, indivisíveis, inseparáveis; a distinção de
naturezas de modo algum é anulada pela união, antes é preservada a propriedade
de cada natureza, concorrendo para formar uma só pessoa e em uma
subsistência; não separado nem dividido em duas pessoas, mas um só e o
mesmo Filho, o Unigênito, Verbo de Deus, o Senhor Jesus Cristo, conforme os
profetas desde o princípio acerca dele testemunharam, e o mesmo Senhor Jesus
nos ensinou, e o Credo dos santos Pais nos transmitiu.
CREDO NICENO (451 a.D.)
CRISTOLOGIA
CRISTOLOGIA
SOBRE A PESSOA DE JESUS CRISTO
CREMOS, professamos e ensinamos que o Senhor Jesus
Cristo é o Filho de Deus e o único mediador entre Deus e
os seres humanos, enviado pelo Pai para ser o Salvador
do mundo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus: “e dos
quais é Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos,
Deus bendito eternamente. Amém” (Rm 9. 5). Cremos na
concepção e no nascimento virginal de nosso Senhor
Jesus Cristo, conforme as Escrituras Sagradas e
anunciado de antemão pelo profeta Isaías, e que ele foi
concebido pelo Espírito Santo no ventre da virgem Maria.
Gerado do Espírito Santo no Ventre dela, nasceu e viveu
sem pecado: “como nós, em tudo foi tentado, mas sem
pecado” (Hb 4. 15); que foi entregue nas mãos dos
pecadores para ser crucificado pelos nossos pecados,
mas ressuscitou corporalmente dentre os mortos ao
terceiro dia e ascendeu ao céu, onde está à direita do Pai,
e de onde intercede por nós e voltará para buscar a sua
Igreja.
OBRIGADO
Até a próxima aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

antropologia teológica
antropologia teológicaantropologia teológica
antropologia teológica
RODRIGO FERREIRA
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3
Adejovane Junior
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
Gcom digital factory
 
Atributos de deus
Atributos de deusAtributos de deus
Atributos de deus
Jessé Lopes
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Adriano Pascoa
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
Danilo Lemos
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
Pastor W. Costa
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
frpoverello
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
Marcelo Gonçalves
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
Geversom Sousa
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Éder Tomé
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
Aniel Wagner Cruz
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Robson Rocha
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
Antonio Rodrigues
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
Jefferson Evangelista
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
Pastor W. Costa
 

Mais procurados (20)

antropologia teológica
antropologia teológicaantropologia teológica
antropologia teológica
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3Teologia sistemática 3
Teologia sistemática 3
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Atributos de deus
Atributos de deusAtributos de deus
Atributos de deus
 
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja PerseguidaAula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
Aula 2 - Segundo Período - A Igreja Perseguida
 
Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
Introdução 1 cristologia
Introdução 1 cristologiaIntrodução 1 cristologia
Introdução 1 cristologia
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras
A Doutrina das Escrituras
 
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração Divina e Autoridade da Bíblia
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igrejaSeminário sobre a história da igreja. parte 1   a origem da igreja
Seminário sobre a história da igreja. parte 1 a origem da igreja
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja10º Aula de História da Igreja
10º Aula de História da Igreja
 
Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02Teontologia - AULA 02
Teontologia - AULA 02
 

Semelhante a Cristologia

cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
Vania Cristina Rocha Duarte
 
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdfTeologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
eduardo726060
 
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdfTEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
Sávio Gomes Parente
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
PIB Penha - SP
 
Livro ebook-cristianismo-basico
Livro ebook-cristianismo-basicoLivro ebook-cristianismo-basico
Livro ebook-cristianismo-basico
Edma Simão
 
09 ist - cristologia
09  ist - cristologia09  ist - cristologia
09 ist - cristologia
Léo Mendonça
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Diego Bian Filo Moreira
 
Jesus é filho literal de deus
Jesus é filho literal de deusJesus é filho literal de deus
Jesus é filho literal de deus
Jose Moraes
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Giselle Bueno
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Giselle Bueno
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
PIB Penha
 
Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
Wesley Arruda
 
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
Sérgio Ira
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
PIB Penha
 
Testemunha de Jeová
Testemunha de JeováTestemunha de Jeová
Testemunha de Jeová
prantoniocarlos
 
Testemunhos dos pioneiros
Testemunhos dos pioneirosTestemunhos dos pioneiros
Testemunhos dos pioneiros
Jose Moraes
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
Zaara Miranda
 
A Trindade
A TrindadeA Trindade
A Trindade
Wesley Arruda
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
Willian Orlandi
 

Semelhante a Cristologia (20)

cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
cristologia-1.pptx
cristologia-1.pptxcristologia-1.pptx
cristologia-1.pptx
 
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdfTeologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
 
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdfTEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
 
Livro ebook-cristianismo-basico
Livro ebook-cristianismo-basicoLivro ebook-cristianismo-basico
Livro ebook-cristianismo-basico
 
09 ist - cristologia
09  ist - cristologia09  ist - cristologia
09 ist - cristologia
 
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia MedievalFilosofia 04 - Filosofia Medieval
Filosofia 04 - Filosofia Medieval
 
Jesus é filho literal de deus
Jesus é filho literal de deusJesus é filho literal de deus
Jesus é filho literal de deus
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
 
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anosLivro jesus-dos-13-aos-30-anos
Livro jesus-dos-13-aos-30-anos
 
44 1, 2 e 3 joão
44  1, 2 e 3 joão44  1, 2 e 3 joão
44 1, 2 e 3 joão
 
Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
 
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
09 nocoes basicas_de_cristologia_pe_antonio_pontes
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
 
Testemunha de Jeová
Testemunha de JeováTestemunha de Jeová
Testemunha de Jeová
 
Testemunhos dos pioneiros
Testemunhos dos pioneirosTestemunhos dos pioneiros
Testemunhos dos pioneiros
 
Cad cristianismo
Cad cristianismoCad cristianismo
Cad cristianismo
 
A Trindade
A TrindadeA Trindade
A Trindade
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
 

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte

1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Genética
GenéticaGenética
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMACorreção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Subsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultosSubsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultos
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Subsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenisSubsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenis
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Noite astronômica
Noite astronômicaNoite astronômica
Noite astronômica
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Eclesiastes
EclesiastesEclesiastes
Cantares
CantaresCantares
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Aula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivosAula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivos
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 

Mais de Carlos Alexandre Ribeiro Dorte (20)

1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
1° trimestre 2018 lição 8 pr. carlos alexandre
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
4° trimestre 2017 lição 12 pr. carlos alexandre
 
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMACorreção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
Correção de exercícios (Répteis) 7° ano APOEMA
 
Subsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultosSubsídio da lição 5 adultos
Subsídio da lição 5 adultos
 
Subsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenisSubsídio da lição 3 juvenis
Subsídio da lição 3 juvenis
 
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
Lição 1 juvenis 3° trimestre 2017
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Noite astronômica
Noite astronômicaNoite astronômica
Noite astronômica
 
Eclesiastes
EclesiastesEclesiastes
Eclesiastes
 
Cantares
CantaresCantares
Cantares
 
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Provérbios
 
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médioAula de características gerais dos seres vivos ensino médio
Aula de características gerais dos seres vivos ensino médio
 
Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4Introdução a teologia aula 4
Introdução a teologia aula 4
 
Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3Introdução a teologia aula 3
Introdução a teologia aula 3
 
Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2Introdução a teologia aula 2
Introdução a teologia aula 2
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
História e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominicalHistória e os objetivos da escola bíblica dominical
História e os objetivos da escola bíblica dominical
 
Aula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivosAula de características gerais dos seres vivos
Aula de características gerais dos seres vivos
 

Último

Oração Da Família
Oração Da FamíliaOração Da Família
Oração Da Família
Nilson Almeida
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
adamasatoshi
 
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdfApostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
PatriciaTanureNutril
 
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICAINTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
AlineGoulartSchneide
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 

Último (17)

Oração Da Família
Oração Da FamíliaOração Da Família
Oração Da Família
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
Revista Juvenis 10 - Aluno (1).pdf free .
 
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdfApostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
Apostila Caracteristica Seres-Estelares.pdf
 
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICAINTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
INTRODUÇÃO À HERMENÊUTICA BÍBLICA | INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 

Cristologia

  • 1. INSTITUTO DE ENSINO TEOLÓGICO DE PETRÓPOLIS “... Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Mt 16. 16b AULAS 1, 2 e 3
  • 2. Começando com música “Alguém como eu” Pr. Stênio Marcius
  • 6. ANGELOLOGIA O QUE VAMOS ESTUDAR? I – A PESSOA DE CRISTO II – A OBRA DE CRISTO CRISTOLOGIA
  • 7. CRISTOLOGIA PONTO DE PARTIDA 3. No Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, plenamente Deus, Plenamente homem, na concepção e no seu nascimento virginal, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e em sua ascensão vitoriosa aos céus como Salvador do mundo (Jo 3. 16 – 18; Rm 1. 3,4; Is 7. 14; Mt 1. 23; Hb 10. 12; Rm 8. 34 e At 1. 9);” (Declaração de Fé das Assembleias de Deus) “Cremos
  • 8. CRISTOLOGIA REFLEXÃO INICIAL “Ele era conhecido em sua época como Jesus de Nazaré. Trabalhou como carpinteiro a maior parte de sua vida adulta. Entretanto, Ele foi tão extraordinário pela forma como viveu e pela influência que exerceu sobre a humanidade que a palavra “extraordinário” não consegue caracterizá-lo. Ninguém mais — nem reis, ditadores, cientistas, educadores ou líderes militares — deu uma contribuição maior que a de Jesus à história do mundo.” Tim LaHaye em Um Homem Chamado Jesus Sem dúvida, Jesus de Nazaré é a personagem mais estudada na história da humanidade. Não só o Cristianismo, uma vez que Ele é a base de crença e fé da igreja, mas também em outros circulos religiosos ou não. Com a diferença que para nós Ele é o Emanuel “Deus conosco” (Is 7. 14; Mt 1. 23)
  • 9. CRISTOLOGIA IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE Jesus de Nazaré é incomparável como influência artística. Ele tem servido de inspiração na arte e na música do mundo mais do que qualquer outra pessoa. Alguns dos maiores oratórios e hinos da história foram escritos a respeito dele ou para Ele. Jesus é o tema central de mais livros e música do que qualquer outro indivíduo. A Biblioteca do Congresso norte-americano, considerada a mais completa biblioteca do mundo, registra mais obras sobre Jesus do que sobre qualquer outra pessoa. pintura Santa Ceia ou em italiano Cenacolo Vinciano de Leonardo Da Vinci no convento de Santa Marie delle Grazie, pintada entre 1482 a 1499.
  • 10. CRISTOLOGIA IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE Hospital Evangélico de Curitiba Jesus de Nazaré é incomparável como influência humanitária. Mais hospitais, orfanatos, casas de repouso e missões de salvamento têm sido dedicados a Ele do que a todos os líderes religiosos reunidos. Mais esforços para ajudar pessoas têm sido realizados, financiados e perpetuados por seus seguidores do que todos os outros juntos.
  • 11. CRISTOLOGIA IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE Considerado o pai das missões modernas Jesus de Nazaré é incomparável em sua capacidade de inspirar devoção. Nenhum outro indivíduo nos últimos dois mil anos atraiu maior dedicação entre seus seguidores. Embora Jesus nunca tenha levantado um exército durante seus três anos e meio de ministério, milhões e milhões de seus seguidores espalharam-se pelas partes mais remotas do planeta para levar sua mensagem — não por dinheiro, terras ou recompensas materiais, mas por pura devoção a Ele.
  • 12. CRISTOLOGIA IMPACTOS DE JESUS NA HUMANIDADE Jesus de Nazaré é incomparável como influência escolástica. Embora nunca tenha fundado uma faculdade, seus ensinamentos e seus seguidores contribuíram mais para as instituições de alfabetização e matérias educativas — de todos os níveis, desde o jardim da infância até as universidades — do que todos os outros reunidos. Somente nos Estados Unidos, uma nação de instituições educativas, 128 faculdades foram estabelecidas nos primeiros cem anos da história do país — fundadas por uma igreja, denominação, ou grupo religioso. Harvard, Princeton e Yale, que foram os centros da educação norte-americana durante duzentos anos, foram criadas para preparar ministros, missionários e líderes cristãos. Além disso, numerosas faculdades cristãs foram fundadas em honra do Mestre.
  • 13. CRISTOLOGIA IMPACTOS NA CRISTANDADE Para os Cristãos, Jesus não foi apenas um homem extraordinário, como pode se atestar pelo seu impacto em toda sociedade, mas para nós ele é o “ungido de Deus” o Cristo, o filho do Deus Vivo. (Mt 16. 16) “Como acontece com quase todas as outras doutrinas, muito antes de a Igreja tentar determinar e definir sua cristologia, ela já estava expressando no culto e na vida. Desde os primeiríssimos escritos cristãos, começando com as cartas de Paulo e logo com o restante do Novo Testamento – Seguidos pela literatura cristã antiga –, todos apontam para Jesus de Nazaré como Messias ou o Cristo, o ungido de Deus. Justo Gonzales em Uma Breve História das Doutrinas Cristãs
  • 14. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS Em meio a turbulência Deus guiou a Igreja para a verdade Cristológica que experimentamos hoje. “As primeiras controvérsias cristológicas não retratam um espetáculo muito edificante. As paixões se destacavam em demasia, a indigna intriga com frequência desempenhava papel preponderante e a própria violência ocasionalmente transparecia. Poderia parecer que tal atmosfera só daria lugar ao erro, mas aquelas controvérsias conduziram à formulação da doutrina da Pessoa de Cristo que continua sendo considerada padrão até os nossos próprios dias. O Espírito Santo guiava a Igreja, muitas vezes entre a ingnomínia e a confusão, fazendo-a penetrar na clara atmosfera da verdade Louis Berkhof em História das Doutrinas Cristãs
  • 15. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS Segundo Berkhof, as controvérsias sobre a Cristologia, nascem da dificuldade de se conciliar e explicar satisfatoriamente, ainda que em parte, os seguintes pontos: 1) Sua autêntica e própria deidade; 2) Sua autêntica e própria humanidade; 3) A união da deidade e da humanidade numa só pessoa 4) A distinção correta entre deidade e a humanidade nessa única pessoa
  • 16. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS DOCETISMO: (em grego parecer) para os docetistas a realidade humana de Cristo era negada, eles alegavam que seu corpo, seu sofrimento e morte eram apenas uma aparência, sua humanidade não era real.
  • 17. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS EBIONISMO: Desenvolveu-se de uma ramificação do cristianismo judaico afirmando que Cristo era um homem puro e santo que por sua obediência a Deus, no momento do batismo foi adotado por Deus como seu filho.
  • 18. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS ARIANISMO: Ário foi um presbítero de Alexandria, afirmava que Cristo era uma criatura de Deus sendo o primeiro ser criado através de quem todas as outras coisas foram criadas. Segundo Ário, Cristo pode ser chamado de Deus apesar de não possuir a deidade no sentido pleno por estar limitado ao tempo da criação. Suas ideias foram combatidas com sucesso por Atanásio sendo rejeitadas no concílio de Nicéia.
  • 19. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS APOLINARISMO: Apolinário, bispo de Laudicéia a partir de 361, ensinou que a pessoa única de Cristo possuía um corpo humano, mas não uma mente ou espírito humanos. Além disso, para ele, a mente e o espírito de Cristo provinham de sua natureza divina.
  • 20. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS NESTORIANISMO: Os ensinos de Nestório eram populares em algumas regiões do mundo, no início do século V. A controvérsia começõu quando Nestório considerou falha a doutrina da Igreja com respeito a Maria. Posto que o Concílio de Nicéia havia asseverado a plena divindade de Jesus, tornou-se necessário explicar a situação de Maria ao dar à luz o Messias. A Igreja nos dias de Nestório, utilizava- se (e com razão) da terminologia theotokos, que significa “quem deu Deus à luz”, para descrever Maria. Nestório reagiu a essa terminologia e ensinava que Maria devia ser chama da de christotokos , que significa “quem deu Cristo à luz”. Esse posicionamento era fundamentado na ideia herética de que Cristo apresentava duas pessoas, uma humana e outra divina. Maria havia gerado o Cristo humano e não o Cristo Divino que veio se juntar a ele após o nascimento.
  • 21. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS EUTIQUISMO: Eutíquio afirmava que o corpo de Jesus era diferente do nosso, era um corpo deificado de maneira que Cristo apresentava apenas uma pessoa e uma natureza
  • 22. CRISTOLOGIA CONTROVÉRSIAS CRISTOLÓGICAS EUTIQUISMO: Eutíquio afirmava que o corpo de Jesus era diferente do nosso, era um corpo deificado de maneira que Cristo apresentava apenas uma pessoa e uma natureza
  • 23. Cremos em um só Deus, Pai todo poderoso, Criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis; E em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho de Deus, gerado do Pai, unigênito, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial do Pai, por quem todas as coisas foram feitas no céu e na terra, o qual por causa de nós homens e por causa de nossa salvação desceu, se encarnou e se fez homem, padeceu e ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus e virá para julgar os vivos e os mortos; E no Espírito Santo. Mas quantos àqueles que dizem: 'existiu quando não era' e 'antes que nascesse não era' e 'foi feito do nada', ou àqueles que afirmam que o Filho de Deus é uma hipóstase ou substância diferente, ou foi criado, ou é sujeito à alteração e mudança, a estes a Igreja anatematiza CREDO NICENO (325 a.D.) CRISTOLOGIA
  • 24. CREDO NICENO - COSTITANOPOLITANO(381 a.D.) CRISTOLOGIA Cremos em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, Criador do céu e da terra, das coisas visíveis e invisíveis. E em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Unigênito de Deus o Pai, que é da essência do Pai. Deus de Deus, Luz de Deus, Luz verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado e não feito; da natureza mesma do Pai, por quem todas as coisas vieram a existir, no céu e na terra, visíveis e invisíveis. Quem por nós os homens e para nossa salvação desceu dos céus, se encarnou, foi feito homem, nasceu perfeitamente da Santíssima Virgem Maria pelo Espírito Santo. Por quem, verdadeiramente e não na aparência, Ele tomou corpo, alma e mente, e tudo o que é humano. Ele sofreu, foi crucificado, foi sepultado, ressuscitou ao terceiro dia, subiu ao céu com o mesmo corpo, [e] se sentou à direita do Pai. Ele está para vir com o mesmo corpo e com a glória do Pai, para julgar os vivos e os mortos; o Seu reino não tem fim. Cremos no Espírito Santo, no incriado e perfeito, que falou através da Lei, os profetas, e os Evangelhos; que desceu sobre a Jordânia, pregou pelos apóstolos, e viveu nos santos. Cremos também em una, católica, e apostólica Igreja e em um batismo de arrependimento, para a remissão e perdão dos pecados e na ressurreição dos mortos, no julgamento eterno das almas e corpos, no Reino dos Céus e na vida eterna.
  • 25. Fiéis aos santos Pais, todos nós, perfeitamente unânimes, ensinamos que se deve confessar um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à divindade, e perfeito quanto à humanidade; verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, constando de alma racional e de corpo, consubstancial com o Pai, segundo a divindade, e consubstancial a nós, segundo a humanidade; em tudo semelhante a nós, excetuando o pecado; gerado segundo a divindade pelo Pai antes de todos os séculos, e nestes últimos dias, segundo a humanidade, por nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, mãe de Deus; um e só mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas naturezas, inconfundíveis, imutáveis, indivisíveis, inseparáveis; a distinção de naturezas de modo algum é anulada pela união, antes é preservada a propriedade de cada natureza, concorrendo para formar uma só pessoa e em uma subsistência; não separado nem dividido em duas pessoas, mas um só e o mesmo Filho, o Unigênito, Verbo de Deus, o Senhor Jesus Cristo, conforme os profetas desde o princípio acerca dele testemunharam, e o mesmo Senhor Jesus nos ensinou, e o Credo dos santos Pais nos transmitiu. CREDO NICENO (451 a.D.) CRISTOLOGIA
  • 26. CRISTOLOGIA SOBRE A PESSOA DE JESUS CRISTO CREMOS, professamos e ensinamos que o Senhor Jesus Cristo é o Filho de Deus e o único mediador entre Deus e os seres humanos, enviado pelo Pai para ser o Salvador do mundo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus: “e dos quais é Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém” (Rm 9. 5). Cremos na concepção e no nascimento virginal de nosso Senhor Jesus Cristo, conforme as Escrituras Sagradas e anunciado de antemão pelo profeta Isaías, e que ele foi concebido pelo Espírito Santo no ventre da virgem Maria. Gerado do Espírito Santo no Ventre dela, nasceu e viveu sem pecado: “como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4. 15); que foi entregue nas mãos dos pecadores para ser crucificado pelos nossos pecados, mas ressuscitou corporalmente dentre os mortos ao terceiro dia e ascendeu ao céu, onde está à direita do Pai, e de onde intercede por nós e voltará para buscar a sua Igreja.