SlideShare uma empresa Scribd logo
A história da humanidade pode ser contada
por meio da Arte. Apesar das situações sociais
diferentes, a arte expressa uma verdade
permanente.
Segundo Morais, 1991, “a arte evolui
paralelamente à ciência, à política ou à religião,
e seus deslocamentos são semelhantes aos
que ocorrem no interior da sociedade”. Os
ARTE FIGURATIVA – o
artista capta e
expressa de modo
quase literal a
paisagem física e
social, às vezes de
forma idealizada.
ARTE ABSTRATA – o
artista sublima a
realidade, mas
sempre é possível
recuperar-se nela as
motivações figurativas
que levaram o artista
ARTE OBJETUAL
– há a negação
das categorias
tradicionais de
pintura e
escultura,
apesar dos
objetos
guardarem
elementos de
uma e de outra.
O objeto pode
ser achado
(objet-trouvé)
ou escolhido
pelo artista.
ARTE PERFORMÁTICA – o
corpo (matéria e energia) é o
motor da obra, a plástica
ganha com as performances
uma dimensão teatral
ARTE TECNOLÓGICA – os novos
meios, fotografia, xérox, vídeo,
cinema, livro, heliografia, telefone
e a alta tecnologia como
computadores, satélites, raios
laser geram as novas linguagens
artísticas.
FUNÇÕES SOCIAIS
Ela pode auxiliar a sociedade a tornar-se mais digna
e a se conscientizar de suas dignidades, a partir
das experiências humanas.
FUNÇÕES INDIVIDUAIS
Nada é mais prazeroso do que assentarmos em uma
praça e admirarmos as esculturas que embelezam e
dão vida àquele espaço – Gosto/preferência
estética.
FUNÇÕES FORMALISTAS
Essa função busca, em cada obra, os princípios que
regem sua organização interna: que elementos
entram em sua composição e qual relação existe
FUNÇÕES AMBIENTAIS
A arte transforma o meio ambiente urbano por meio
de uma nova organização artística, tornando-o mais
humano.
FUNÇÕES UTILITÁRIAS
Fim não artístico, isto é, ela não é valorizada por si
mesma, mas só como meio de se alcançar uma outra
finalidade. Pedagógicas, religiosas, políticas ou
sociais.
FUNÇÕES NATURALISTAS
Os artistas “imitam” ou “copiam” a realidade. –
perfeição – séc. XIX surgimento fotografia – arte
repensada – ruptura com o naturalismo
ELEMENTOS
VISUAIS
A composição é a essência da
comunicação visual. Trata-se
basicamente das regras para organizar
os elementos visuais - formas e
superfícies - em mensagens que
alcancem seus objetivos comunicativos,
que agradem, que emocionem. A
composição corresponde a uma síntese
entre intelecto e emoção, entre o
princípio da ordem geométrica e o da
intuição.
O Ponto
• A Linha
A Forma
A linha descreve uma forma. Na linguagem
das artes visuais, a linha articula a
complexidade da forma. Existem três formas
básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo
equilátero.
Direção
Todas as formas básicas expressam três
direções visuais básicas e significativas: o
quadrado, a horizontal e vertical; o triângulo,
a diagonal, o círculo, a curva.
Cada uma das direções tem forte significado
associativo e é um valioso instrumento para
a criação.
Horizontal – Vertical – relação com o
equilíbrio e a estabilidade
Diagonal – tem referência direta com a
ideia de estabilidade, é a formulação
oposta, a força direcional mais instável
e provocadora. Seu significado é
ameaçador e quase perturbador.
Curva – tem significados associados a
abrangência e a repetição.
Tom
O tom é o atributo distinguível de uma cor.
Este varia de intensidade quanto à saturação
da cor.
Classificação das cores
Primárias
Secundárias
Terciárias
Quentes
Frias
Análogas (lado a lado / amarelo ouro e laranja)
Contrastantes( opostas / vermelho e verde)
Monocromia
Policromia
Isocromia
AS CORES
PRIMÁRIAS
Cores Primárias: São as cores
que não podem ser formadas
por nenhuma mistura. São elas
azul, amarelo e vermelho.
CORES
SECUNDÁRIAS
Cores Secundárias: São as cores
que surgem da mistura de duas
cores primárias.
CORES
COMPLEMENTARES
Cores complementares são as cores
opostas no disco de cores.
Ex: o vermelho é complementar do
verde.
O azul é complementar do laranja.
As cores complementares são usadas
Para dar força e equilíbrio a um
trabalho criando contrastes.
raramente se usa cores apenas
cores complementares em um
trabalho, o efeito pode ser desastroso.
Ressaltamos que as cores
complementares são
as que mais contrastes entre si
oferecem,
sendo assim, se queremos destacar
um amarelo, devemos colocar junto
dele um violeta.
CORES
ANÁLOGAS
Cores análogas são as que
aparecem lado-a-lado no disco
de cores.
São análogas porque há nelas
uma mesma cor básica.
Pôr exemplo o amarelo-ouro e o
laranja –avermelhado tem em
comum a cor laranja.
Elas são usadas para dar a
sensação de uniformidade.A
composição em cores análogas
são consideradas elegantes, e
podem ser equilibradas com uma
cor complementar.
Textura
A textura é o elemento visual que com frequência
serve de substituto para as qualidades de outro
sentido, o tato. Podemos apreciar e reconhecer a
textura tanto por meio do tato, quanto da visão, ou
ainda pela combinação de ambos. É possível que uma
textura não apresente qualidades táteis, mas apenas
óticas, como no caso das linhas de uma página
impressa, dos padrões de um determinado tecido ou
dos traços superpostos de um esboço. Onde há uma
textura real, as qualidades táteis e óticas coexistem,
não como tom e cor, mas de forma única, que
permite à mão e ao olho uma sensação individual,
ainda que projetemos sobre ambos um forte
significado associativo.
A textura
relaciona-se com a
composição de
uma substância
por meio de
variações mínimas
na superfície do
material. E pode-
se também
representar a
textura por meio
de fotografias e
composições
gráficas.
Utilizamos a
representação ou a
própria textura
para deixarmos o
trabalho cada vez
mais realista.
Dimensão
A dimensão existe no mundo real. Não só podemos
senti-la, mas também vê-la. Mas em nenhuma das
representações bidimensionais da realidade, como o
desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão,
existe um dimensional real, ela é apenas implícita. A
ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o
principal artifício para simulá-la é a perspectiva. Os
efeitos produzidos pela perspectiva podem ser
intensificados pela manipulação tonal, por meio do
claro-escuro, a luz e sombra.
A perspectiva tem fórmulas exatas, com regras múltiplas
e complexas. Recorre à linha para criar efeitos, mas sua
intenção final é produzir uma sensação de realidade.
Perspectiva /
profundidade /
volume
Produzir a ilusão da
profundidade em
uma superfície plana
foi uma conquista do
Renascimento. O
ponto de fuga foi,
talvez, um dos mais
conhecidos conceitos
utilizados não apenas
para representar a
profundidade em
uma composição
visual, mas, também,
como princípio para
organizar formas.
Grosso modo, a
tendência na
percepção é a de que
as linhas horizontais
que se distanciam do
observador convirjam
todas para os pontos
Exemplo de perspectiva
construída com um ponto de
fuga, central.
As linhas que recuam para o
fundo convergem todas para
este ponto.
Abaixo vemos uma composição
que se utiliza de dois pontos de
fuga.
Simetria / Assimetria / Equilíbrio
As formas simétricas sempre foram
especiais. Consideradas um dos padrões
de beleza na estética clássica, tem seu
encanto em razão da repetição de
padrões visuais. A simetria é um ponto
de contato entre estética e matemática
FIGURA( significado) E
FUNDO(pouco significado)(1º e 2º
planos)
SUPERFÍCIE(áreas visíveis da forma,
a sua epiderme / cor,
luminosidade, textura, limites –
características)
Todos esses elementos, ponto,
linha, forma, direção, tom, cor,
textura, movimento, etc, são
componentes imprescindíveis para
os meios visuais. Tem o potencial
da transformação de forma fácil e
direta. São elementos básicos para
uma composição e sua utilização de
maneira adequada trazem harmonia
para qualquer trabalho, seja ele
artesanal ou digital, profissional ou
amador.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
guest1c7f7f
 
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIOOPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
Odair Tuono
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte IISintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
Cíntia Dal Bello
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
liliane10
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
Keyla Dias
 
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Cíntia Dal Bello
 
volume,profundidade e claro/escuro
volume,profundidade e claro/escurovolume,profundidade e claro/escuro
volume,profundidade e claro/escuro
pedro ferreira
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
ProfVivianeLopes
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
William Marques
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
Viviane Marques
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Linguagem Visual
Linguagem VisualLinguagem Visual
Linguagem Visual
Iris Elisabeth Tempel Costa
 
Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1
Artedoiscmb Cmb
 
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e DesignAula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Cíntia Dal Bello
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte I
Sintaxe da Linguagem Visual - parte ISintaxe da Linguagem Visual - parte I
Sintaxe da Linguagem Visual - parte I
Cíntia Dal Bello
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
Kadu Sp
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual
melzynhabessa
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
Claudio Bastos
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
Helena Romero
 

Mais procurados (20)

elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
 
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIOOPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
OPC 03 TEXTURA NO VESTUÁRIO
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte IISintaxe da Linguagem Visual - parte II
Sintaxe da Linguagem Visual - parte II
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 3 - Comunicação Gráfica e Design
 
volume,profundidade e claro/escuro
volume,profundidade e claro/escurovolume,profundidade e claro/escuro
volume,profundidade e claro/escuro
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Aula EE - composicao
Aula EE - composicaoAula EE - composicao
Aula EE - composicao
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
 
Linguagem Visual
Linguagem VisualLinguagem Visual
Linguagem Visual
 
Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1Elementos estruturais 1
Elementos estruturais 1
 
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e DesignAula 2 - Comunicação Gráfica e Design
Aula 2 - Comunicação Gráfica e Design
 
Sintaxe da Linguagem Visual - parte I
Sintaxe da Linguagem Visual - parte ISintaxe da Linguagem Visual - parte I
Sintaxe da Linguagem Visual - parte I
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
 
Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual Elementos linguagem visual
Elementos linguagem visual
 
Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
 
Elementos visuais I
Elementos visuais IElementos visuais I
Elementos visuais I
 

Destaque

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Willians Martins
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Willians Martins
 
Arte na pré história 131
Arte na pré história 131Arte na pré história 131
Arte na pré história 131
Willians Martins
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
Bianca Pollyanna Swaggart
 
Forças
ForçasForças
Forças
Carla Vieira
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
Andreia Regina Moura Mendes
 
01 pre-historia
01 pre-historia01 pre-historia
01 pre-historia
Robson1992
 
História da arte - Pré História
História da arte -  Pré HistóriaHistória da arte -  Pré História
História da arte - Pré História
Ana Paula Tavares
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Surgimento da arte
Surgimento da arteSurgimento da arte
Surgimento da arte
Mara Virginia
 
Arte na pré história 1
Arte na pré história 1Arte na pré história 1
Arte na pré história 1
João Ernesto Arzamendia
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
beljinaldo
 
Arte egito
Arte egitoArte egito
Arte egito
Carla Vieira
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
Carla Vieira
 
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercíciosA arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
VIVIAN TROMBINI
 
Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
Junior Onildo
 
Atividades pré história e uso de ferramentas
Atividades pré história e uso de ferramentasAtividades pré história e uso de ferramentas
Atividades pré história e uso de ferramentas
Doug Caesar
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
Escola Silene de Andrade
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Ana Beatriz Cargnin
 

Destaque (20)

Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Arte na pré história 131
Arte na pré história 131Arte na pré história 131
Arte na pré história 131
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
 
Forças
ForçasForças
Forças
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
 
01 pre-historia
01 pre-historia01 pre-historia
01 pre-historia
 
História da arte - Pré História
História da arte -  Pré HistóriaHistória da arte -  Pré História
História da arte - Pré História
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
 
Surgimento da arte
Surgimento da arteSurgimento da arte
Surgimento da arte
 
Arte na pré história 1
Arte na pré história 1Arte na pré história 1
Arte na pré história 1
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
Arte egito
Arte egitoArte egito
Arte egito
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
 
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercíciosA arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
 
Gênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretratoGênero retrato e autorretrato
Gênero retrato e autorretrato
 
Atividades pré história e uso de ferramentas
Atividades pré história e uso de ferramentasAtividades pré história e uso de ferramentas
Atividades pré história e uso de ferramentas
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
 

Semelhante a Composição de um quadro

Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
professoramariaraquel
 
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMApptElementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
LucimeireMellodosRei1
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
tomasin2
 
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdfFundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
iagolino234
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
JucelirCarnauba1
 
Aula EE-composicao
Aula EE-composicaoAula EE-composicao
Aula EE-composicao
ProfVivianeLopes
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
André Yuiti Ozawa
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
liliane10
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
Odair Tuono
 
linguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuaislinguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuais
Governo do Estado de São Paulo
 
Op arte
Op arteOp arte
Op arte
isabelly1990
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Raphael Lanzillotte
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilene
lucileneaa
 
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
Antenor Lago
 
Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
GeovanaPorto
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Apostila 6ºano
Apostila 6ºanoApostila 6ºano
Apostila 6ºano
Dulcinea Lisboa Passos
 
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
ssusera065a2
 
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.pptARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
FranciscaFerreira71
 
ARTES s.ppt
ARTES s.pptARTES s.ppt
ARTES s.ppt
Filipe375561
 

Semelhante a Composição de um quadro (20)

Artes Visuais
Artes Visuais Artes Visuais
Artes Visuais
 
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMApptElementos da  linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
Elementos da linguagem visual.LINHA.COR.FORMAppt
 
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da  linguagem visual - Copia.pdfElementos da  linguagem visual - Copia.pdf
Elementos da linguagem visual - Copia.pdf
 
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdfFundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
Fundamentos da Arte Fundamentos da arte, elementos e princípios..pdf
 
ARTE.pptx
ARTE.pptxARTE.pptx
ARTE.pptx
 
Aula EE-composicao
Aula EE-composicaoAula EE-composicao
Aula EE-composicao
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
linguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuaislinguagem pictórica: elementos visuais
linguagem pictórica: elementos visuais
 
Op arte
Op arteOp arte
Op arte
 
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
Arte - Resumo 1º bimestre - 2015
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilene
 
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
2 flv pensar o desenho fundamentos da linguagem visual
 
Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
 
Apostila 6ºano
Apostila 6ºanoApostila 6ºano
Apostila 6ºano
 
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdflinguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
linguagembidimensionaletridimensional-150514163435-lva1-app6891 (1).pdf
 
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.pptARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
ARTES VISUAIS – Elementos Visuais as cores e as linhas.ppt
 
ARTES s.ppt
ARTES s.pptARTES s.ppt
ARTES s.ppt
 

Mais de Willians Martins

Vikmuniz
VikmunizVikmuniz
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
Willians Martins
 
Arquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasilArquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasil
Willians Martins
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
Willians Martins
 
Dadaismo e duchamp
Dadaismo e duchampDadaismo e duchamp
Dadaismo e duchamp
Willians Martins
 
Arte gótica 131
Arte gótica 131Arte gótica 131
Arte gótica 131
Willians Martins
 
Arte pre colombiana maias
Arte pre colombiana maiasArte pre colombiana maias
Arte pre colombiana maias
Willians Martins
 
Arte na grécia
Arte na gréciaArte na grécia
Arte na grécia
Willians Martins
 
Impressionismo parte i
Impressionismo   parte iImpressionismo   parte i
Impressionismo parte i
Willians Martins
 
Arte na pré historia
Arte na pré historiaArte na pré historia
Arte na pré historia
Willians Martins
 
Tipos de trabalho
Tipos de trabalhoTipos de trabalho
Tipos de trabalho
Willians Martins
 

Mais de Willians Martins (11)

Vikmuniz
VikmunizVikmuniz
Vikmuniz
 
Composição de um quadro
Composição de um quadroComposição de um quadro
Composição de um quadro
 
Arquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasilArquitetura barroca no brasil
Arquitetura barroca no brasil
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
 
Dadaismo e duchamp
Dadaismo e duchampDadaismo e duchamp
Dadaismo e duchamp
 
Arte gótica 131
Arte gótica 131Arte gótica 131
Arte gótica 131
 
Arte pre colombiana maias
Arte pre colombiana maiasArte pre colombiana maias
Arte pre colombiana maias
 
Arte na grécia
Arte na gréciaArte na grécia
Arte na grécia
 
Impressionismo parte i
Impressionismo   parte iImpressionismo   parte i
Impressionismo parte i
 
Arte na pré historia
Arte na pré historiaArte na pré historia
Arte na pré historia
 
Tipos de trabalho
Tipos de trabalhoTipos de trabalho
Tipos de trabalho
 

Composição de um quadro

  • 1. A história da humanidade pode ser contada por meio da Arte. Apesar das situações sociais diferentes, a arte expressa uma verdade permanente. Segundo Morais, 1991, “a arte evolui paralelamente à ciência, à política ou à religião, e seus deslocamentos são semelhantes aos que ocorrem no interior da sociedade”. Os
  • 2. ARTE FIGURATIVA – o artista capta e expressa de modo quase literal a paisagem física e social, às vezes de forma idealizada. ARTE ABSTRATA – o artista sublima a realidade, mas sempre é possível recuperar-se nela as motivações figurativas que levaram o artista
  • 3. ARTE OBJETUAL – há a negação das categorias tradicionais de pintura e escultura, apesar dos objetos guardarem elementos de uma e de outra. O objeto pode ser achado (objet-trouvé) ou escolhido pelo artista.
  • 4. ARTE PERFORMÁTICA – o corpo (matéria e energia) é o motor da obra, a plástica ganha com as performances uma dimensão teatral
  • 5. ARTE TECNOLÓGICA – os novos meios, fotografia, xérox, vídeo, cinema, livro, heliografia, telefone e a alta tecnologia como computadores, satélites, raios laser geram as novas linguagens artísticas.
  • 6.
  • 7.
  • 8. FUNÇÕES SOCIAIS Ela pode auxiliar a sociedade a tornar-se mais digna e a se conscientizar de suas dignidades, a partir das experiências humanas. FUNÇÕES INDIVIDUAIS Nada é mais prazeroso do que assentarmos em uma praça e admirarmos as esculturas que embelezam e dão vida àquele espaço – Gosto/preferência estética. FUNÇÕES FORMALISTAS Essa função busca, em cada obra, os princípios que regem sua organização interna: que elementos entram em sua composição e qual relação existe
  • 9. FUNÇÕES AMBIENTAIS A arte transforma o meio ambiente urbano por meio de uma nova organização artística, tornando-o mais humano. FUNÇÕES UTILITÁRIAS Fim não artístico, isto é, ela não é valorizada por si mesma, mas só como meio de se alcançar uma outra finalidade. Pedagógicas, religiosas, políticas ou sociais. FUNÇÕES NATURALISTAS Os artistas “imitam” ou “copiam” a realidade. – perfeição – séc. XIX surgimento fotografia – arte repensada – ruptura com o naturalismo
  • 11. A composição é a essência da comunicação visual. Trata-se basicamente das regras para organizar os elementos visuais - formas e superfícies - em mensagens que alcancem seus objetivos comunicativos, que agradem, que emocionem. A composição corresponde a uma síntese entre intelecto e emoção, entre o princípio da ordem geométrica e o da intuição.
  • 12. O Ponto • A Linha
  • 13. A Forma A linha descreve uma forma. Na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade da forma. Existem três formas básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo equilátero.
  • 14. Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado, a horizontal e vertical; o triângulo, a diagonal, o círculo, a curva. Cada uma das direções tem forte significado associativo e é um valioso instrumento para a criação.
  • 15. Horizontal – Vertical – relação com o equilíbrio e a estabilidade
  • 16. Diagonal – tem referência direta com a ideia de estabilidade, é a formulação oposta, a força direcional mais instável e provocadora. Seu significado é ameaçador e quase perturbador.
  • 17. Curva – tem significados associados a abrangência e a repetição.
  • 18. Tom O tom é o atributo distinguível de uma cor. Este varia de intensidade quanto à saturação da cor.
  • 19. Classificação das cores Primárias Secundárias Terciárias Quentes Frias Análogas (lado a lado / amarelo ouro e laranja) Contrastantes( opostas / vermelho e verde) Monocromia Policromia Isocromia
  • 20. AS CORES PRIMÁRIAS Cores Primárias: São as cores que não podem ser formadas por nenhuma mistura. São elas azul, amarelo e vermelho.
  • 21. CORES SECUNDÁRIAS Cores Secundárias: São as cores que surgem da mistura de duas cores primárias.
  • 22. CORES COMPLEMENTARES Cores complementares são as cores opostas no disco de cores. Ex: o vermelho é complementar do verde. O azul é complementar do laranja. As cores complementares são usadas Para dar força e equilíbrio a um trabalho criando contrastes. raramente se usa cores apenas cores complementares em um trabalho, o efeito pode ser desastroso. Ressaltamos que as cores complementares são as que mais contrastes entre si oferecem, sendo assim, se queremos destacar um amarelo, devemos colocar junto dele um violeta.
  • 23. CORES ANÁLOGAS Cores análogas são as que aparecem lado-a-lado no disco de cores. São análogas porque há nelas uma mesma cor básica. Pôr exemplo o amarelo-ouro e o laranja –avermelhado tem em comum a cor laranja. Elas são usadas para dar a sensação de uniformidade.A composição em cores análogas são consideradas elegantes, e podem ser equilibradas com uma cor complementar.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Textura A textura é o elemento visual que com frequência serve de substituto para as qualidades de outro sentido, o tato. Podemos apreciar e reconhecer a textura tanto por meio do tato, quanto da visão, ou ainda pela combinação de ambos. É possível que uma textura não apresente qualidades táteis, mas apenas óticas, como no caso das linhas de uma página impressa, dos padrões de um determinado tecido ou dos traços superpostos de um esboço. Onde há uma textura real, as qualidades táteis e óticas coexistem, não como tom e cor, mas de forma única, que permite à mão e ao olho uma sensação individual, ainda que projetemos sobre ambos um forte significado associativo.
  • 27. A textura relaciona-se com a composição de uma substância por meio de variações mínimas na superfície do material. E pode- se também representar a textura por meio de fotografias e composições gráficas. Utilizamos a representação ou a própria textura para deixarmos o trabalho cada vez mais realista.
  • 28. Dimensão A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la. Mas em nenhuma das representações bidimensionais da realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, existe um dimensional real, ela é apenas implícita. A ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o principal artifício para simulá-la é a perspectiva. Os efeitos produzidos pela perspectiva podem ser intensificados pela manipulação tonal, por meio do claro-escuro, a luz e sombra. A perspectiva tem fórmulas exatas, com regras múltiplas e complexas. Recorre à linha para criar efeitos, mas sua intenção final é produzir uma sensação de realidade.
  • 29.
  • 30. Perspectiva / profundidade / volume Produzir a ilusão da profundidade em uma superfície plana foi uma conquista do Renascimento. O ponto de fuga foi, talvez, um dos mais conhecidos conceitos utilizados não apenas para representar a profundidade em uma composição visual, mas, também, como princípio para organizar formas. Grosso modo, a tendência na percepção é a de que as linhas horizontais que se distanciam do observador convirjam todas para os pontos
  • 31. Exemplo de perspectiva construída com um ponto de fuga, central. As linhas que recuam para o fundo convergem todas para este ponto.
  • 32. Abaixo vemos uma composição que se utiliza de dois pontos de fuga.
  • 33. Simetria / Assimetria / Equilíbrio As formas simétricas sempre foram especiais. Consideradas um dos padrões de beleza na estética clássica, tem seu encanto em razão da repetição de padrões visuais. A simetria é um ponto de contato entre estética e matemática
  • 34.
  • 35.
  • 36. FIGURA( significado) E FUNDO(pouco significado)(1º e 2º planos) SUPERFÍCIE(áreas visíveis da forma, a sua epiderme / cor, luminosidade, textura, limites – características)
  • 37. Todos esses elementos, ponto, linha, forma, direção, tom, cor, textura, movimento, etc, são componentes imprescindíveis para os meios visuais. Tem o potencial da transformação de forma fácil e direta. São elementos básicos para uma composição e sua utilização de maneira adequada trazem harmonia para qualquer trabalho, seja ele artesanal ou digital, profissional ou amador.