Aula 3 - Direção de Arte

1.725 visualizações

Publicada em

Aula 3 - Direção de Arte

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.725
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 - Direção de Arte

  1. 1. Profa. Dra. Cíntia Dal Bello cbello@uninove.br www.cintiadalbello.blogspot.com
  2. 2.  Uso das réguas e linhas-guia  Quebrar (^K), ^Q  Ponto, Linha, Formas  Uso da Ferramenta Forma para modelagem de formas  Power Clip  Misturar  Transparência, quadro  Preenchimento gradiente (dourado, metálico)  Importar imagem  Exportar imagem  Exercício: compor um panfleto
  3. 3. Elementos Estruturais (Arte e Teoria do Design) Ponto, linha, forma, direção, tom, cor, textura, dimensão, escala e movimento. Existe uma sintaxe visual? Pode-se falar em elementos básicos utilizados na criação de mensagens visuais claras? Ampliar a capacidade de VER e EXPRESSAR-SE por meio de imagens ALFABETISMO VISUAL
  4. 4. “Sempre que alguma coisa é projetada e feita, esboçada e pintada, desenhada, rabiscada, construída, esculpida ou gesticulada, a substância visual da obra é composta a partir de uma lista básica de elementos. [...] Os elementos visuais constituem a substância básica daquilo que vemos, e seu número é reduzido” (p.51).
  5. 5. Dois pontos são instrumentos úteis para medir o espaço no meio ambiente ou no desenvolvimento de qualquer tipo de projeto visual. Aprendemos cedo a utilizar o ponto como sistema de notação ideal, junto com a régua e outros instrumentos de medição, como o compasso. Sinal gráfico mínimo. Pode ser representado em vários tamanhos. Exerce um grande poder de atração para os olhos.
  6. 6. Quando vistos, os pontos se ligam, sendo, portanto, capazes de dirigir o olhar. Em grande número e justapostos, os pontos criam a ilusão de tom ou de cor, o que é o fato visual em que se baseiam os meios mecânicos para a reprodução de qualquer tom contínuo.
  7. 7. Quando os pontos estão tão próximos que se tornam indistinguíveis, aumenta a sensação de direção. A cadeia de pontos transforma-se em LINHA. LINHA é o PONTO EM MOVIMENTO. A LINHA é o elemento visual inquieto e inquiridor do ROUGH (esboço).
  8. 8. Sinal gráfico flexível, livre, cheio de energia. Tem propósito e direção. Instrumento que torna palpável aquilo que está apenas na imaginação.
  9. 9. Existem três formas básicas: O círculo; O quadrado; O triângulo equilátero. “Cada uma das formas básicas tem suas características específicas, e a cada uma se atribui uma grande quantidade de significados, alguns por associação, outros por vinculação arbitrária, e outros, ainda, através de nossas próprias percepções psicológicas e fisiológicas” (p.58). A LINHA descreve sempre uma forma. Na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade da forma.
  10. 10. “Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado, a horizontal e a vertical; o triângulo, a diagonal; o círculo, a curva. Cada uma das direções visuais tem um forte significado associativo e é um valioso instrumento para a criação de mensagens visuais” (p.59 e 60). Abrangência, infinitude, proteção, repetição. Estabilidade, equilíbrio, enfado, honestidade, retidão.,esmero. Ação, conflito, Instabilidade, tensão.
  11. 11. “O mundo em que vivemos é dimensional, e o tom é um dos melhores instrumentos de que dispõe o visualizador para indicar e expressar essa dimensão” (p.62). “[...] a sensibilidade tonal é básica para nossa sobrevivência. Só é superada pela referência vertical- horizontal enquanto pista visual do relacionamento que mantemos com o meio ambiente. Graças a ela vemos o movimento súbito, a profundidade, a distância e outras referências do ambiente. O valor tonal é outra maneira de descrever a luz. Graças a ele, e exclusivamente a ele, é que enxergamos” (p.64). Justaposição de tons – intensidade da obscuridade ou claridade de qualquer coisa vista. Vemos graças à presença ou ausência de luz que não se irradia com uniformidade no meio ambiente (sol, lua, fonte artificial). Vemos o escuro porque está próximo ou sobrepõe-se ao claro e vice-versa.
  12. 12. Quantas gradações (tons) entre o preto e o branco? O mundo em que vivemos é dimensional e é o tom que expressa essa dimensão através da perspectiva para simular a distância, a massa, o ponto de fuga, a linha do horizonte, o nível do olho etc. O acréscimo de um fundo tonal reforça a aparência de realidade através da sensação de luz refletiva e sombras projetadas. A sensibilidade tonal é básica para nossa sobrevivência e só é superada pela referência vertical-horizontal. É graças ao valor tonal que descrevemos a luz e enxergamos.
  13. 13. “Enquanto o tom está associado a questões de sobrevivência, sendo portanto essencial para o organismo humano, a cor tem maiores afinidades com as emoções. [...] A cor está, de fato, impregnada de informação, e é uma das mais penetrantes experiências visuais que temos todos em comum. Constitui, portanto, uma fonte de valor inestimável para os comunicadores visuais. [...] Assim, a cor oferece um vocabulário enorme e de grande utilidade para o alfabetismo visual”(p. 64). A cor tem três dimensões que podem ser definidas e medidas: matiz, saturação e brilho.
  14. 14. MATIZES PRIMÁRIAS (matiz = cor em si) Amarelo – mais próxima da luz e do calor. Vermelho – mais ativa e emocional. (Tende a expandir) Azul – passivo e suave. (Tende a contrair) Quando misturadas novos significados são obtidos.
  15. 15. Círculo cromático Através da mistura podemos obter múltiplas variações de matizes.
  16. 16. Pureza relativa de uma cor, do matiz ao cinza, ou seja, quando a cor tem sua força máxima e o tom é puro. Não está relacionado a adição de branco ou preto, porém diz-se que a saturação varia de acordo com a quantidade de branco contido na cor. Compõem-se das matizes primárias e secundárias. Quanto menos saturação mais neutralidade cromática e até mesmo ausência de cor, sendo sutis e repousantes. Quanto mais saturado mais carregado de expressão e emoção. SATURAÇÃO
  17. 17. Relativo ao claro e ao escuro. A ausência ou à presença de cor não afeta o tom, que é constante. Toda cor tem capacidade de refletir a luz branca sobre ela, luminosidade. Quanto maior a porcentagem de preto nela existente, menor será sua capacidade de reflexão. Esse processo, porém, não afeta os valores tonais da imagem. Ex.: televisão em cores. BRILHO
  18. 18. “A textura se relaciona com a composição de uma substância através de variações mínimas na superfície do material” (p.70 e 71). A textura é o elemento visual que serve de substituto para outro sentido, o tato. Na verdade podemos apreciar a textura tanto através do tato como da visão ou da combinação de ambos. O aspecto da lixa e a sensação que ela provoca tem o mesmo significado intelectual, mas não o mesmo valor. O julgamento do olho costuma ser confirmado pelo tato. A textura se relaciona com a composição de uma substância através de variações mínimas na superfície do material. Ex.: Convites de casamento, papel reciclado.
  19. 19. “Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros. O processo constitui, em si, o elemento daquilo que chamamos escala” (p.72). O brilho se contrapõe ao escuro, o grande faz o pequeno, e assim por diante. “Aprender a relacionar o tamanho com o objetivo e o significado é essencial na estruturação da mensagem visual” (p.75). Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros. Esse processo constitui a escala. Por exemplo, o grande não pode existir sem o pequeno. A escala não está relacionada apenas ao tamanho relativo, mas também através das relações com o campo ou com o meio ambiente. Quanto aos resultados visuais, eles são fluídos e nunca absolutos, pois podem sofrer modificações. As escalas são muito usadas nos projetos e mapas para representar uma medida.
  20. 20. “A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la, com o auxílio de nossa visão estereóptica e binocular. Mas em nenhuma das representações bidimensionais da realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, existe uma dimensão real; ela é apenas implícita. A ilusão pode ser reforçada de muitas maneiras, mas o principal artifício para simulá-la é a convenção técnica da perspectiva” (p.75). A representação da dimensão nos formatos visuais bidimensionais (fotografia, desenho, pintura, cinema, televisão) depende da ilusão que é dada através da perspectiva, que existe na realidade, mas que nesses formatos aparece de modo implícito.
  21. 21. Como dois planos de um cubo aparecem aos nossos olhos? Estabelece-se o nível do olho, só há um ponto de fuga, no qual o cubo superior é visto de baixo para cima e o inferior é visto de cima para baixo.
  22. 22. Dois pontos de fuga para expressar a perspectiva de dois cubos com três faces.
  23. 23. “[...] o movimento talvez seja uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana” (p.80). Presente naturalmente na televisão e no cinema, o movimento pode ser sugerido nas artes visuais estáticas. Percepção e comunicação visual: “Na criação de mensagens visuais, o significado não se encontra apenas nos efeitos cumulativos da disposição dos elementos básicos, mas também no mecanismo perceptivo universalmente compartilhado pelo organismo humano” (p.30). Assim como a dimensão o elemento visual do movimento aparece frequentemente de forma implícita. Porém, o movimento é uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana (enquanto movimento, aparece na televisão e no cinema).
  24. 24. Algumas das propriedades da “persistência da visão” podem constituir de forma errônea o uso da palavra movimento, um quadro, uma foto ou a estampa de um tecido podem ser estáticos, porém descrevem tensões e ritmos. A leitura segue uma sequência organizada, portanto fica claro a existência de ação não apenas no que se vê, mas também no processo da visão. O movimento como componente visual é dinâmico e a compreensão desses elementos visuais e seu funcionamento constitui a base de uma linguagem que não conhece barreiras nem fronteiras.

×