O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Alfabetismo visual elementos_sintaticos2

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Artes visuais
Artes visuais
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 71 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Alfabetismo visual elementos_sintaticos2 (20)

Anúncio

Mais de Denise Lima (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Alfabetismo visual elementos_sintaticos2

  1. 1. Composição Fundamentos sintáticos do alfabetismo visual Disciplina Projeto Gráfico Profª Denise A. de Lima – 02/04/2013
  2. 2. • O processo de composição é o mais crucial na solução dos problemas visuais. Análise Solução do do problema problema
  3. 3. • “A composição é um meio interpretativo de controlar a reinterpretação de uma mensagem visual por parte de quem a recebe” (DONDIS, 2007, p. 131).
  4. 4. • É nessa etapa que o comunicador visual exerce o mais forte controle sobre seu trabalho e tem a maior oportunidade em expressar, em sua plenitude, o estado de espírito que a obra se destina a transmitir (DONDIS, 2007, p. 29).
  5. 5. Sintaxe da linguagem visual • “A sintaxe visual existe. Há linhas gerais para a criação de composições. Há elementos básicos que podem ser aprendidos e compreendidos por todos [...] em conjunto com técnicas manipulativas para a criação de mensagens visuais claras” (DONDIS, 2007, p. 18).
  6. 6. Fundamentos sintáticos do alfabetismo visual • Equilíbrio • Tensão • Nivelamento • Aguçamento • Atração e agrupamento
  7. 7. Equilíbrio
  8. 8. Equilíbrio • A mais importante influência tanto psicológica quanto física sobre a percepção humana é a necessidade que o homem tem de equilíbrio, de ter os pés firmemente plantados no solo (DONDIS, 2007).
  9. 9. • “O equilíbrio no espaço acontece quando o peso de uma ou mais coisas está distribuído igualmente ou proporcionalmente no espaço” (LUPTON e PHILLIPS, 2008, p. 29).
  10. 10. • O equilíbrio é o elemento-chave em uma composição. Ele pode ser simétrico ou assimétrico.
  11. 11. Equilíbrio simétrico
  12. 12. Equilíbrio simétrico
  13. 13. Em design, o equilíbrio age como uma baliza para a forma – ele ancora e ativa elementos no espaço. Circulou de 1959-64, de origem carioca é voltada para cultura Rodrigues e Carlos Scliar.
  14. 14. Equilíbrio assimétrico Em design, o equilíbrio age como uma baliza para a forma – ele ancora e ativa elementos no espaço. Circulou de 1959-64, de origem carioca é voltada para cultura Rodrigues e Carlos Scliar.
  15. 15. Armin Hofman
  16. 16. • Em projetos mal resolvidos é fácil a percepção da falta de equilíbrio nos elementos em razão de sua localização e/ou proporção ruins. Revista A Cigarra (1895)
  17. 17. Tensão
  18. 18. Tensão • A tensão ocorre quando uma parte da imagem se sobressai fora do eixo sentido (DONDIS, 2007).
  19. 19. Eixo sentido
  20. 20. Tensão • Se tivermos dois círculos, lado a lado, o que mais atrairá atenção do espectador será o que possui o raio fora do eixo sentido.
  21. 21. Nivelamento
  22. 22. Nivelamento • “Num campo visual retangular, uma demonstração simples de nivelamento seria colocar um ponto no centro geométrico de um traçado estrutural. Esse ponto não oferece nenhuma surpresa visual. É totalmente harmoniosa” (DONDIS, 2007, p. 38).
  23. 23. Capa de Santa Rosa para Sagarana (1951)
  24. 24. Aguçamento
  25. 25. Aguçamento • A colocação de um ponto no canto direito provoca um aguçamento. O ponto está fora do centro não apenas na estrutura vertical, mas também na horizontal.
  26. 26. Atração e agrupamento
  27. 27. Atração e agrupamento • A força de atração nas relações visuais constitui um princípio da Gestalt: o princípio do agrupamento. • Por exemplo, um ponto isolado se relaciona com o todo. Porém quando há dois pontos, criam uma disputa pela atenção, pela distância que tem um do outro. Já na última figura, os pontos não causam essa impressão pois estão em harmonia pelo seu agrupamento.
  28. 28. Clara Pechansky (1960)
  29. 29. Atração e agrupamento • Os pontos se atraem também porque são semelhantes. São agrupados por similaridade.
  30. 30. Um exemplar de rótulo ostentando o nome do ilustrador: Rafael Bordallo Pinheiro.
  31. 31. Positivo e Negativo
  32. 32. Positivo e Negativo Relação figura- fundo • “Relações entre figura e fundo definem a percepção visual. Uma figura (forma) sempre é vista em função ao que a rodeia (fundo). [...] Sem separação, sem contraste, a forma desaparece” (LUPTON e PHILLIPS, 2008, p. 85).
  33. 33. Positivo e Negativo Relação figura- fundo • O que domina o olho na experiência visual é visto como elemento positivo e como elemento negativo seria tudo que se apresenta de uma forma mais passiva (DONDIS, 2007). • Normalmente, os artistas gráficos buscam a harmonia entre figura e fundo na composição visual, se beneficiando dessa relação para criar ordem no espaço. Porém a tensão entre figura e fundo adiciona energia visual à uma imagem/marca.
  34. 34. Positivo e Negativo Relação figura- fundo • No design de marca a transformação de imagens complexas em formas simples mas significantes é bem utilizada.
  35. 35. • A capacidade de criar e avaliar efetivamente a tensão figura/fundo é uma habilidade essencial para o designer gráfico (LUPTON e PHILLIPS, 2008).
  36. 36. • As ilusões óticas sempre foram de grande interesse para os gestaltistas. O que vemos um vaso ou dois perfis?
  37. 37. • O olho procura uma solução simples para aquilo que está vendo, e, embora o processo de assimilação da informação possa ser longo e complexo, a simplicidade é o fim que se busca.
  38. 38. • O símbolo chinês yin- yang é o exemplo perfeito de contraste simultâneo. O estado negativo-positivo nunca se resolve.
  39. 39. • Há outros exemplos de fenômenos psicofísicos de visão que podem ser utilizados para compreensão da linguagem visual. O que é maior parece mais próximo dentro do campo visual.
  40. 40. • Contudo essa distância ainda pode ser evidenciada pela superposição.
  41. 41. • Um elemento claro sobre fundo escuro parece expandir-se, ao passo que um elemento escuro sobre fundo branco parece contrair- se.
  42. 42. • Essas técnicas de expressão visual são os meios essenciais de que dispõe o designer gráfico / diretor de arte para testar as opções disponíveis para a expressão de uma ideia em termos compositivos (DONDIS, 2007).
  43. 43. • Criamos um design a partir de inúmeras cores e formas, texturas, tons e proporções relativas; relacionamos interativamente esses elementos, temos em vista um significado. E o resultado é a composição. Perceber é outra etapa do processo.
  44. 44. Gestalt • Princípio da proximidade • Princípio do fechamento • Princípio da similaridade • Princípio da continuidade • Princípio da região comum
  45. 45. Gestalt • A psicologia da Gestalt tem contribuído com valiosos estudos no campo da percepção. • A Gestalt é importante fonte de informação científica sobre percepção e reação. Para o design gráfico é fundamental conhecer estes princípios, posto que a capacidade do olho e da mente humana de reunir e ajustar elementos e de entender seu significado constitui a base do processo de design (HURLBURT, 2002:137). •
  46. 46. • Em 1912, um ensaio sobre percepção foi publicado por Max Wertheimer e é tido como o início da psicologia Gestalt. O termo Gestalt é traduzido como forma, figura, estrutura. • Os princípios estabelecidos pela Gestalt nos ajudam a compreender a nossa capacidade de reconhecer o todo antes de suas partes (HURLBURT, 2002:136).
  47. 47. • Wertheimer considerou em seu estudo que “o olho humano tende a agrupar as várias unidades de um campo visual para formar um todo” e a partir daí surge o conceito sobre a organização perceptiva que caracteriza a visão como uma experiência criativa e não como um simples ato de ver.
  48. 48. Princípio da Proximidade • É a disposição que as pessoas tem de agruparem naturalmente os objetos que estão próximos uns aos outros.
  49. 49. Princípio do Fechamento • O fator fechamento é importante para a formação de unidades. As forças de organização da forma dirigem-se espontaneamente para uma ordem espacial.
  50. 50. Princípio da Similaridade • Tendência que faz naturalmente o agrupamento de objetos com aspectos de forma em comum. A igualdade de forma e de cor desperta também a tendência de se construir unidades, isto é, de estabelecer agrupamentos de partes semelhantes.
  51. 51. Princípio da Continuidade • É a organização perceptiva da forma de modo coerente, sem quebras ou interrupções na sua trajetória ou na sua fluidez visual.
  52. 52. Princípio da Região Comum • É a consequência da própria segregação figura- fundo, que estabelece contornos e tende a se impor mesmo diante de outros princípios de organização.
  53. 53. Análise
  54. 54. Referências • DONDIS, D. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 1997. • LUPTON, Ellen. Novos fundamentos do design. São Paulo: Cosac Naify, 2008. • Contato: denisealima@gmail.com

×