SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - LTDA
CENTRO LITERATUS - CEL
CURSO DE TECNICO EM ENFERMAGEM
CLINICA MÉDICA
Doenças do Sistema
Respiratório Superior
CRISLANE DA SILVA SANTOS JORGE COELHO DE BRITO
GEORGE LUCAS DUARTE MORAES MARIA IVONE VIEIRA DA SILVA
JAMILIS SIMÕES DOS SANTOS NATHALIA MELYSSA DUARTE MORAES
JANDRESSON SOARES DE ARAÚJO
17 18/16M
Clinica Médica
I. Resfriado Comum
II. Gripe
III. Sinusite
IV. Rinite
V. Laringite
VI. Faringite
VII. Amigdalite
Doenças do Sistema Respiratório Superior
Conteúdo Programático
Resfriado Comum
O resfriado comum é uma infecção viral e benigna do trato
respiratório superior, que afeta principalmente o nariz e a garganta.
Essa é uma das doenças mais comuns que existem.
Eventualmente, todas as pessoas ficarão resfriadas mais de uma vez na
vida.
Resfriado Comum
Conceito
Clinica Médica
Transmissão
Os vírus do resfriado entram no corpo por meio da mucosa da
boca, olhos ou nariz. O mais comum é se levar a mão contaminada ao
rosto.
Pode ser também transmitido através de gotículas invisíveis,
suspensas no ar, após a pessoa resfriada espirar, tossir ou falar.
Sinais e Sintomas
 Congestão nasal;
 Corrimento nasal claro como água;
 Garganta irritada e com dor;
 Espirros;
 Febre, que pode ocorrer em crianças pequenas, geralmente baixa;
 Adultos e as crianças maiores não tem febre.
Clinica Médica
Resfriado Comum
Diagnóstico
O diagnóstico de resfriado é feito basicamente por meio da
observação clínica. Frequentemente, não há necessidade de ir ao
médico. Só os casos que evoluem com um pouco de febre, geralmente
baixa é que levam à preocupação de ser outra a causa.
Tratamento
Não há medicação para os vírus do resfriado, nem há necessidade,
por causa de ser um quadro bastante benigno. Os medicamentos
geralmente tratam os sintomas.
Clinica Médica
Resfriado Comum
Prevenção
Algumas maneiras comprovadas de diminuir as chances de ter um
resfriado são: lavar sempre as mãos, evitar o fumo passivo, evitar
uso de antibióticos desnecessários, beber água, durma o
suficiente.
Clinica Médica
Resfriado Comum
 Manter o ambiente arejado e limpo;
 Incentivar a ingestão de líquidos;
 Estimular e proporcionar a ingestão de uma dieta nutritiva;
 Fazer uso de lenços de papel, dispondo-os em local adequado, após
o uso;
 Para que não ocorra a transmissão, lembre-se sempre de tampar o
nariz e a boca, ao espirra e tossir e lavar as mãos sempre que os fizer.
Cuidados de Enfermagem
Dieta
Nutritiva
Clinica Médica
Resfriado Comum
Ingestão de
Líquidos
Gripe
Também conhecida como influenza, a gripe é uma infecção do
sistema respiratório cuja principal complicação é a pneumonia,
responsável por um grande número de internações hospitalares no país.
Gripe
Conceito
Clinica Médica
O vírus da gripe é transmitido de uma pessoa à outra por
intermédio das partículas aéreas (microgotículas) transmitidas por
exemplo, através do espirro, da tosse, ou de um simples aperto
de mão. Sendo assim, a gripe é uma doença infecciosa muito
contagiosa.
Transmissão
Aparecem de forma repentina, com febre, vermelhidão no rosto,
dores no corpo e cansaço. Entre o segundo e o quarto dia, os
sintomas do corpo tendem a diminuir enquanto os sintomas
respiratórios aumentam, aparecendo com frequência uma tosse seca.
Clinica Médica
Gripe
Sinais e Sintomas
Para um diagnóstico exato da gripe é necessário consultar um
médico, pois somente ele será capaz de esclarecer se trata-se de uma
gripe ou um resfriado. O médico utilizará a sua experiência e/ou
análises bioquímicas (com anticorpos) para efetuar o diagnóstico.
Diagnóstico
Ainda não existem medicamentos que tenham demonstrado bons
resultados no combate aos vírus da gripe e do resfriado. Por isso, o
tratamento é direcionado ao alívio dos sintomas da gripe.
Clinica Médica
Gripe
Tratamento
A vacina da gripe é a melhor maneira de evitar a gripe e suas
complicações.
A vacina previne aproximadamente 70-90% dos casos de gripe,
mas não protege contra outras infecções respiratórias, como o
resfriado.
O efeito preventivo da vacina da gripe é observado cerca de duas
semanas após a sua administração.
Prevenção
Quando o resfriado ou a gripe chegam, em ambos os
casos, recomenda-se o repouso para não agravar o problema e nem
contaminar pessoas próximas. Além dos medicamentos prescritos pelo
médico, outros cuidados podem acelerar a recuperação:
 Evite ingerir alimentos gelados;
 Agasalhe-se;
 Procure não frequentar ambientes fechados para evitar a
propagação do vírus e piora dos seus sintomas;
 Lave as mãos após tossir ou espirrar;
 Beba muito líquido, principalmente água, que umedece as
secreções e faz com que a coriza saia mais facilmente.
 Se tiver dores musculares, coloque uma bolsa de água quente
sobre o local para aliviar o desconforto;
Clinica Médica
Gripe
Cuidados de Enfermagem
As vezes é difícil dizer. Muitos sintomas são semelhantes e
ambos são causados por vírus, não bactérias, o que significa que você
não pode tratar resfriados e gripe com antibióticos. Sintomas de
resfriado são geralmente mais brandos do que os da gripe e eles
tendem a não levar a nenhuma complicação da saúde, o que pode
acontecer com a gripe.
Clinica Médica
Diferenças entre Resfriado Comum para a Gripe
Sinusite
É uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do
crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do
rosto e olhos.
O nome mais utilizado para esse problema é rinossinusite, pois o
processo inflamatório atinge tanto a mucosa dos seios da face como a
mucosa nasal.
Clinica Médica
Sinusite
Conceito
A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos,
como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos.
Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a
presença de um tumor.
Clinica Médica
Sinusite
Causa
 Pressão ou dor facial
 Redução ou perda do olfato
 Com duração maior que 12 semanas.
Outros sinais e sintomas podem incluir:
 Dor de ouvido
 Dores no maxilar superior e dentes
 Tosse, que pode ser pior durante a noite
 Garganta inflamada
 Mau hálito (halitose)
 Fadiga ou irritabilidade
 Náusea.
Clinica Médica
Sinusite
Sinais e Sintomas
Dor de ouvido
Mau Hálito
A pessoa pode ter vários episódios de sinusite aguda com
duração menor que 12 semanas antes de desenvolver sinusite
crônica. Também poderá ser encaminhado para
otorrinolaringologista para avaliação e tratamento.
Clinica Médica
Sinusite
Diagnóstico
endoscopia nasal
Alguns tratamentos são recomendados para ajudar a aliviar os
sintomas da sinusite. Estes incluem: Solução salina, Corticoides
nasais, Corticosteroides orais ou injetáveis,
Descongestionantes, Antibióticos e a Cirurgia.
Tratamento
A melhor forma de prevenir a sinusite aguda é manter a mucosa
nasal hidratada, ter uma alimentação saudável, evitar o jejum,
beber água, lavar as mãos, evitar cheiros fortes e cuidar dos
animais.
Clinica Médica
Sinusite
Prevenção
 O ensino do paciente é um importante aspecto do
cuidado de enfermagem para o paciente com sinusite.
 A enfermagem deve instruir o paciente sobre os métodos
para promover a drenagem, como a inalação de vapor,
aumentar a ingestão de líquidos e aplicar compressas úmidas
quentes;
 Ensinar a utilizar os medicamentos prescritos pelo
médico;
 O profissional de enfermagem deve explicar ao paciente
que febre, cefaleia e rigidez na nuca são sinais potenciais de
complicações e ele deve procurar cuidado adicional.
Cuidados de Enfermagem
Rinite
A rinite é uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas
que são consideradas estranhas. Essas substâncias são chamadas de
alérgenos.
O indivíduo alérgico tem uma reação exagerada aos alérgenos.
Seu sistema imunológico reage de forma intensa, a estas substâncias
estranhas na tentativa de defesa do organismo.
Clinica Médica
Rinite
Conceito
Várias substâncias presentes no meio ambiente são alergênicas,
mas predominam a poeira, o pólen e alguns alimentos. A poeira
doméstica é a principal responsável pela rinite em boa parte do Brasil.
Esta poeira tem vários componentes, como restos de pelos de
animais, descamação da pele humana e de animais e restos de
insetos, bactérias, fungos e ácaros.
Clinica Médica
Causas
Rinite
 Irritação no nariz, na boca, nos olhos, na garganta, na pele
ou em qualquer outra região
 Problemas com odores
 Coriza
 Espirros
 Lacrimejamento nos olhos.
Alguns sintomas da rinite alérgica se apresentam ao longo de
horas:
 Congestão nasal
 Tosse
 Diminuição da audição e diminuição do olfato
 Dor de garganta
 Olheiras
 Olhos inchados
 Fadiga e irritabilidade
 Cefaleia Clinica Médica
Sinais e Sintomas
Rinite
O relato dos sintomas que a pessoa sente é muito importante para
diagnosticar a rinite alérgica. Algumas informações como a época do
ano em que pessoa manifesta os sintomas ou se ela identifica alguma
substância que desencadeie as crises auxiliam o médico.
O teste de alergias pode revelar os alérgenos que desencadeiam
os sintomas. O teste feito na pele é o método mais comum e mais eficaz
para testar e identificar as alergias.
Clinica Médica
Diagnóstico
Rinite
O tratamento dos pacientes portadores de rinite alérgica é composto
por três pilares principais: higiene ambiental, medicamentos e
imunoterapia.
Tratamento
Muitas vezes, os sintomas podem ser prevenidos evitando o contato
com os alérgenos conhecidos. Esta é, na verdade, a única forma
efetivamente comprovada contra as crises de rinite alérgica.
Clinica Médica
Prevenção
Rinite
 Sedimentar as noções básicas sobre a rinite;
 Seu tratamento, técnicas de uso de dispositivos inalatórios;
 Esclarecimento de questões expostas pelos pacientes.
Cuidados de Enfermagem
Laringite
Laringite é uma inflamação da laringe que faz com que a voz fique
áspera ou rouca. A laringite pode ser de curto prazo ou de longa
duração (crônica).
Clinica Médica
Conceito
Laringite
Dentro da laringe há as cordas vocais - duas dobras da membrana
mucosa que cobrem um músculo chamado músculo vocal.
Mas na laringite, suas cordas vocais ficam inflamadas ou irritadas.
Ocorre um inchaço, que leva à distorção dos sons produzidos pelo ar
que passa sobre elas.
Causa
A maioria dos casos de laringite é temporária, ou aguda. Causas de
laringite aguda incluem: Infecções virais semelhantes às que
causam resfriado, esforço vocal, Infecções bacterianas, como
a difteria
Clinica Médica
Laringite Aguda
Laringite
Laringite que dura mais de duas semanas é conhecida como
laringite crônica. Este tipo de laringite é geralmente causado pela
exposição a substâncias irritantes ao longo do tempo.
Laringite Crônica
O principal sintoma da laringite é a rouquidão. Sua voz pode soar
estridente, ser mais profundado que o normal ou quebrar de vez
em quando. Em alguns casos, a pessoa pode perder sua voz
completamente. Outros sintomas podem incluir:
 Garganta seca ou inflamada;
 Tosse;
 Dificuldade para engolir.
Clinica Médica
Sinais e Sintomas
Laringite
O médico pode identificar laringite fazendo um exame físico que
provavelmente incluirá sentir o pescoço do paciente, afim de encontrar
áreas sensíveis ou caroços. Também será avaliado o nariz, boca e
garganta.
Diagnóstico
O tratamento em casa é tudo o que você precisa para maioria dos
casos de laringite. Entre as recomendações estão:
 Descansar a voz tanto quanto possível;
 Não pigarrear. Se há tosse seca, um medicamento de venda
livre pode ajudar;
 Mantenha o ambiente úmido com vaporizadores ou bacias
d’água.
Clinica Médica
Tratamento
Laringite
Ambiente Úmido Descansar a Voz
Para prevenir o ressecamento ou irritação para as cordas vocais:
 Não fumar e evitar o fumo passivo;
 Limite o consumo de álcool e cafeína;
 Evite limpar sua garganta;
 Evite infecções das vias respiratórias superiores.
Clinica Médica
Prevenção
Laringite
Cuidados de Enfermagem
 Estimular Repouso de voz;
 Estimular a ingestão hídrica (+ 3 litros de líquido ao dia).
Faringite
Faringite é uma inflamação que costuma causar dor, irritação,
coceira e desconforto na região da faringe (a parte superior da
garganta, que conecta o nariz e a boca à laringe e ao esôfago).
Clinica Médica
Conceito
Faringite
É a mais comum de faringite, sendo causada por vírus na faringe.
O tratamento pode ser feito em casa à base de medicamentos e
cuidados simples.
Faringite Viral
Causada pela infecção de bactérias, Streptococcus pyogenes,
mais conhecida como estreptococo do grupo A.
Faringite Bacteriana
A faringite costuma surgir em casos de infecções, como o resfriado
comum, a gripe e a mononucleose (doença do beijo). A faringite
também pode surgir em pessoas com (DSTs), a exemplo da gonorreia.
Outros fatores como alergias, clima seco, poluição, problemas
mais graves, como tumores e infecção por HIV, também podem
levar a um quadro de faringite.
Clinica Médica
Transmissão / Causa
Faringite
Clima SecoMononucleose
Os sintomas da faringite são de fácil identificação, mas são
igualmente fáceis de serem confundidos com sintomas de outras
inflamações que acometem a garganta, como a laringite e a
amigdalite. A dor de garganta é o principal desses sintomas, mas
outros também podem entrar para a lista:
 Dificuldades para engolir ou falar;
 Garganta seca;
 Voz rouca e abafada.
Clinica Médica
Sinais e Sintomas
Faringite
Dor na Garganta Garganta Seca
O médico deverá realizar procedimentos específicos para fazer o
diagnóstico. No primeiro deles, aplicado tanto em crianças quanto em
adultos, o médico utiliza um instrumento para analisar a garganta e,
eventualmente, os ouvidos e as vias aéreas também. Trata-se de um
exame físico.
Clinica Médica
Diagnóstico
Faringite
Faringite causada por vírus geralmente não demanda muitos
cuidados nem um tratamento específico. Além disso, a inflamação
desaparece de cinco a sete dias, em média.
No entanto, para a faringite bacteriana, é necessário consultar um
médico para saber também qual o melhor tratamento disponível para
cada caso. Geralmente, ele é feito à base de antibióticos e
analgésicos.
Tratamento
 Lave bem as mãos, Use álcool-gel para higienizar as mãos;
 Evite dividir copos e comidas;
 Se espirrar ou tossir, tome cuidado para não contaminar o ar.
Use um lenço.
Clinica Médica
Prevenção
Faringite
 Auxiliar na alimentação;
 Oferecer alimentos macios, como sopas, bebidas mornas, e
chás;
 Realizar higiene da cavidade oral;
 Verificar sinais vitais, em especial a temperatura;
 Realizar medicação conforme prescrição médica.
Cuidados de Enfermagem
Amigdalite
A amigdalite é a inflamação com inchaço nas amígdalas.
Amígdalas são uma espécie de gânglios linfáticos localizados na parte
lateral da garganta e na parte de trás da boca. Elas ajudam a manter
bactérias e outros germes longe de locais em que possam causar
infecções.
Clinica Médica
Conceito
Amigdalite
Amigdalite é geralmente causada por vírus, mas também pode
haver infecção bacteriana.
A bactéria mais comum entre as causas de amigdalite é a
Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do
grupo A.
Transmissão / Causa
 Amígdalas inchadas e vermelhas;
 Placas brancas ou amareladas nas amígdalas;
 Dor de garganta;
 Dificuldade e dor ao engolir;
 Febre;
 Mau hálito;
 Dor de cabeça.
Clinica Médica
Sinais e Sintomas
Amigdalite
Para realizar o diagnóstico será feito um exame físico, no qual o
médico examinará a boca e a garganta para ver se as amígdalas
estão inchadas, o hálito e também o pescoço do paciente.
Diagnóstico
O tratamento para amigdalite é feito basicamente com
medicamentos. Se for uma amigdalite simples, o médico poderá
prescrever remédios anti-inflamatórios, que irão combater a
inflamação, além de proporcionar alívio da dor.
Clinica Médica
Tratamento
Amigdalite
Algumas medidas podem ajudar a prevenir o desenvolvimento da
amigdalite. Veja:
 Lave as mãos frequentemente. Elas são a principal porta de
entrada para muitos vírus e bactérias.
 Evite compartilhar itens de uso pessoal, como talheres e
escovas de dente.
Prevenção
 Auxiliar na alimentação;
 Realizar higiene da cavidade oral;
 Realizar medicação conforme prescrição médica.
Clinica Médica
Cuidados de Enfermagem
Amigdalite
Auxiliar na
Alimentação
Higiene da Cavidade Oral
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
universitária
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
Soraya Lima
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
Guiomar Dutra Lima
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 

Semelhante a Clinica medica em Enfermagem

Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
Pedro Kangombe
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
Farmacêutico Digital
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Nocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asmaNocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asma
Calculos Na Veia
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais ii
Ana Araujo
 
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptxConsulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
gabrielpokepass11
 
DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
Elaine Mai
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
Flávia Salame
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
ClaudiaPereiraBrito
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Vanessa Maia
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Rogério Minini
 
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdfAula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Giza Carla Nitz
 
Aula 4 - Resfriado e gripe
Aula 4 - Resfriado e gripeAula 4 - Resfriado e gripe
Aula 4 - Resfriado e gripe
TaianyMelo
 
Gripe
GripeGripe
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
Lorena de Assis
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Tércio David
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
LucasMarage1
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
carlasilvavellar
 

Semelhante a Clinica medica em Enfermagem (20)

Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Amigladalite
AmigladaliteAmigladalite
Amigladalite
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Nocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asmaNocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asma
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais ii
 
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptxConsulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
 
DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdfAula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
 
Aula 4 - Resfriado e gripe
Aula 4 - Resfriado e gripeAula 4 - Resfriado e gripe
Aula 4 - Resfriado e gripe
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
 

Mais de Jandresson Soares de Araújo

ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
Jandresson Soares de Araújo
 
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma  Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma  Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
Jandresson Soares de Araújo
 
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASINFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
Jandresson Soares de Araújo
 
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
Jandresson Soares de Araújo
 
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
Jandresson Soares de Araújo
 
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASBioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
Jandresson Soares de Araújo
 
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
Jandresson Soares de Araújo
 
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
Jandresson Soares de Araújo
 
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASObservação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
Jandresson Soares de Araújo
 
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASEstetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
Jandresson Soares de Araújo
 
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASgeografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
Jandresson Soares de Araújo
 
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASTEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Jandresson Soares de Araújo
 
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
Jandresson Soares de Araújo
 
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO & NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO  &  NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO  &  NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO & NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
Jandresson Soares de Araújo
 
Tendência Liberal não Diretiva
Tendência Liberal não DiretivaTendência Liberal não Diretiva
Tendência Liberal não Diretiva
Jandresson Soares de Araújo
 

Mais de Jandresson Soares de Araújo (20)

ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
ALGORITMO DE AGREGAÇÃO DE POLÍGONOS DE DESMATAMENTOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ...
 
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma  Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma  Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
TERESA CRISTINA REGO - VYGOTSKY Uma Perspectiva Histórico-Cultural da Educaç...
 
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASINFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
INFRAESTRUTURAS NA AMAZÔNIA - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
Estudo sobre os conteúdos de Geografia Física no livro Didático - AO USAR COM...
 
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
Oficina e Estudo sobre Anemômetro e Biruta - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CIT...
 
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
Relatório biogeografia - Pirâmide de Vegetação em Biogeografia - AO USAR COMO...
 
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASBioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Bioma Pantanal - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
NOVAS TECNOLOGIAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE BIOGEOGRAFIA - AO USAR COMO F...
 
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
UM OLHAR ETNOGRÁFICO NA FEIRA DO SÃO JOSÉ 2 - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CI...
 
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA HISTÓRICO-CRITICA NA ATUALIDADE O DESAFIO DA APLICA...
 
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASObservação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Observação da Nuvens - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
A MODERNIDADE NAS PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS DE KARL MARX, ÉMILE DURKHEIM E MA...
 
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASEstetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
Estetica de Kant - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
Continuidade da Imanência no Ocidente - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NA...
 
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASgeografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
geografia da percepção - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
O POSITIVISMO COMO FUNDAMENTO DA GEOGRAFIA TRADICIONAL - AO USAR COMO FONTE P...
 
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIASTEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
TEORIA DO SPOSITO - AO USAR COMO FONTE POR FAVOR CITAR NAS REFERÊNCIAS
 
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
CONCEPÇÃO DE ESPAÇO EM KANT, DE ACORDO COM A SUA TEORIA ELEMENTAR TRANSCENDEN...
 
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO & NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO  &  NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO  &  NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
ESCOLAS DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: NEOPOSITIVISMO & NOVA GEOGRAFIA: O PARADI...
 
Tendência Liberal não Diretiva
Tendência Liberal não DiretivaTendência Liberal não Diretiva
Tendência Liberal não Diretiva
 

Último

Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 

Último (7)

Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 

Clinica medica em Enfermagem

  • 1. CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - LTDA CENTRO LITERATUS - CEL CURSO DE TECNICO EM ENFERMAGEM CLINICA MÉDICA Doenças do Sistema Respiratório Superior CRISLANE DA SILVA SANTOS JORGE COELHO DE BRITO GEORGE LUCAS DUARTE MORAES MARIA IVONE VIEIRA DA SILVA JAMILIS SIMÕES DOS SANTOS NATHALIA MELYSSA DUARTE MORAES JANDRESSON SOARES DE ARAÚJO 17 18/16M
  • 2. Clinica Médica I. Resfriado Comum II. Gripe III. Sinusite IV. Rinite V. Laringite VI. Faringite VII. Amigdalite Doenças do Sistema Respiratório Superior Conteúdo Programático
  • 4. O resfriado comum é uma infecção viral e benigna do trato respiratório superior, que afeta principalmente o nariz e a garganta. Essa é uma das doenças mais comuns que existem. Eventualmente, todas as pessoas ficarão resfriadas mais de uma vez na vida. Resfriado Comum Conceito Clinica Médica Transmissão Os vírus do resfriado entram no corpo por meio da mucosa da boca, olhos ou nariz. O mais comum é se levar a mão contaminada ao rosto. Pode ser também transmitido através de gotículas invisíveis, suspensas no ar, após a pessoa resfriada espirar, tossir ou falar.
  • 5. Sinais e Sintomas  Congestão nasal;  Corrimento nasal claro como água;  Garganta irritada e com dor;  Espirros;  Febre, que pode ocorrer em crianças pequenas, geralmente baixa;  Adultos e as crianças maiores não tem febre. Clinica Médica Resfriado Comum Diagnóstico O diagnóstico de resfriado é feito basicamente por meio da observação clínica. Frequentemente, não há necessidade de ir ao médico. Só os casos que evoluem com um pouco de febre, geralmente baixa é que levam à preocupação de ser outra a causa.
  • 6. Tratamento Não há medicação para os vírus do resfriado, nem há necessidade, por causa de ser um quadro bastante benigno. Os medicamentos geralmente tratam os sintomas. Clinica Médica Resfriado Comum
  • 7. Prevenção Algumas maneiras comprovadas de diminuir as chances de ter um resfriado são: lavar sempre as mãos, evitar o fumo passivo, evitar uso de antibióticos desnecessários, beber água, durma o suficiente. Clinica Médica Resfriado Comum
  • 8.  Manter o ambiente arejado e limpo;  Incentivar a ingestão de líquidos;  Estimular e proporcionar a ingestão de uma dieta nutritiva;  Fazer uso de lenços de papel, dispondo-os em local adequado, após o uso;  Para que não ocorra a transmissão, lembre-se sempre de tampar o nariz e a boca, ao espirra e tossir e lavar as mãos sempre que os fizer. Cuidados de Enfermagem Dieta Nutritiva Clinica Médica Resfriado Comum Ingestão de Líquidos
  • 10. Também conhecida como influenza, a gripe é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação é a pneumonia, responsável por um grande número de internações hospitalares no país. Gripe Conceito Clinica Médica O vírus da gripe é transmitido de uma pessoa à outra por intermédio das partículas aéreas (microgotículas) transmitidas por exemplo, através do espirro, da tosse, ou de um simples aperto de mão. Sendo assim, a gripe é uma doença infecciosa muito contagiosa. Transmissão
  • 11. Aparecem de forma repentina, com febre, vermelhidão no rosto, dores no corpo e cansaço. Entre o segundo e o quarto dia, os sintomas do corpo tendem a diminuir enquanto os sintomas respiratórios aumentam, aparecendo com frequência uma tosse seca. Clinica Médica Gripe Sinais e Sintomas Para um diagnóstico exato da gripe é necessário consultar um médico, pois somente ele será capaz de esclarecer se trata-se de uma gripe ou um resfriado. O médico utilizará a sua experiência e/ou análises bioquímicas (com anticorpos) para efetuar o diagnóstico. Diagnóstico
  • 12. Ainda não existem medicamentos que tenham demonstrado bons resultados no combate aos vírus da gripe e do resfriado. Por isso, o tratamento é direcionado ao alívio dos sintomas da gripe. Clinica Médica Gripe Tratamento A vacina da gripe é a melhor maneira de evitar a gripe e suas complicações. A vacina previne aproximadamente 70-90% dos casos de gripe, mas não protege contra outras infecções respiratórias, como o resfriado. O efeito preventivo da vacina da gripe é observado cerca de duas semanas após a sua administração. Prevenção
  • 13. Quando o resfriado ou a gripe chegam, em ambos os casos, recomenda-se o repouso para não agravar o problema e nem contaminar pessoas próximas. Além dos medicamentos prescritos pelo médico, outros cuidados podem acelerar a recuperação:  Evite ingerir alimentos gelados;  Agasalhe-se;  Procure não frequentar ambientes fechados para evitar a propagação do vírus e piora dos seus sintomas;  Lave as mãos após tossir ou espirrar;  Beba muito líquido, principalmente água, que umedece as secreções e faz com que a coriza saia mais facilmente.  Se tiver dores musculares, coloque uma bolsa de água quente sobre o local para aliviar o desconforto; Clinica Médica Gripe Cuidados de Enfermagem
  • 14. As vezes é difícil dizer. Muitos sintomas são semelhantes e ambos são causados por vírus, não bactérias, o que significa que você não pode tratar resfriados e gripe com antibióticos. Sintomas de resfriado são geralmente mais brandos do que os da gripe e eles tendem a não levar a nenhuma complicação da saúde, o que pode acontecer com a gripe. Clinica Médica Diferenças entre Resfriado Comum para a Gripe
  • 16. É uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. O nome mais utilizado para esse problema é rinossinusite, pois o processo inflamatório atinge tanto a mucosa dos seios da face como a mucosa nasal. Clinica Médica Sinusite Conceito
  • 17. A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a presença de um tumor. Clinica Médica Sinusite Causa
  • 18.  Pressão ou dor facial  Redução ou perda do olfato  Com duração maior que 12 semanas. Outros sinais e sintomas podem incluir:  Dor de ouvido  Dores no maxilar superior e dentes  Tosse, que pode ser pior durante a noite  Garganta inflamada  Mau hálito (halitose)  Fadiga ou irritabilidade  Náusea. Clinica Médica Sinusite Sinais e Sintomas Dor de ouvido Mau Hálito
  • 19. A pessoa pode ter vários episódios de sinusite aguda com duração menor que 12 semanas antes de desenvolver sinusite crônica. Também poderá ser encaminhado para otorrinolaringologista para avaliação e tratamento. Clinica Médica Sinusite Diagnóstico endoscopia nasal Alguns tratamentos são recomendados para ajudar a aliviar os sintomas da sinusite. Estes incluem: Solução salina, Corticoides nasais, Corticosteroides orais ou injetáveis, Descongestionantes, Antibióticos e a Cirurgia. Tratamento
  • 20. A melhor forma de prevenir a sinusite aguda é manter a mucosa nasal hidratada, ter uma alimentação saudável, evitar o jejum, beber água, lavar as mãos, evitar cheiros fortes e cuidar dos animais. Clinica Médica Sinusite Prevenção  O ensino do paciente é um importante aspecto do cuidado de enfermagem para o paciente com sinusite.  A enfermagem deve instruir o paciente sobre os métodos para promover a drenagem, como a inalação de vapor, aumentar a ingestão de líquidos e aplicar compressas úmidas quentes;  Ensinar a utilizar os medicamentos prescritos pelo médico;  O profissional de enfermagem deve explicar ao paciente que febre, cefaleia e rigidez na nuca são sinais potenciais de complicações e ele deve procurar cuidado adicional. Cuidados de Enfermagem
  • 22. A rinite é uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas que são consideradas estranhas. Essas substâncias são chamadas de alérgenos. O indivíduo alérgico tem uma reação exagerada aos alérgenos. Seu sistema imunológico reage de forma intensa, a estas substâncias estranhas na tentativa de defesa do organismo. Clinica Médica Rinite Conceito
  • 23. Várias substâncias presentes no meio ambiente são alergênicas, mas predominam a poeira, o pólen e alguns alimentos. A poeira doméstica é a principal responsável pela rinite em boa parte do Brasil. Esta poeira tem vários componentes, como restos de pelos de animais, descamação da pele humana e de animais e restos de insetos, bactérias, fungos e ácaros. Clinica Médica Causas Rinite
  • 24.  Irritação no nariz, na boca, nos olhos, na garganta, na pele ou em qualquer outra região  Problemas com odores  Coriza  Espirros  Lacrimejamento nos olhos. Alguns sintomas da rinite alérgica se apresentam ao longo de horas:  Congestão nasal  Tosse  Diminuição da audição e diminuição do olfato  Dor de garganta  Olheiras  Olhos inchados  Fadiga e irritabilidade  Cefaleia Clinica Médica Sinais e Sintomas Rinite
  • 25. O relato dos sintomas que a pessoa sente é muito importante para diagnosticar a rinite alérgica. Algumas informações como a época do ano em que pessoa manifesta os sintomas ou se ela identifica alguma substância que desencadeie as crises auxiliam o médico. O teste de alergias pode revelar os alérgenos que desencadeiam os sintomas. O teste feito na pele é o método mais comum e mais eficaz para testar e identificar as alergias. Clinica Médica Diagnóstico Rinite O tratamento dos pacientes portadores de rinite alérgica é composto por três pilares principais: higiene ambiental, medicamentos e imunoterapia. Tratamento
  • 26. Muitas vezes, os sintomas podem ser prevenidos evitando o contato com os alérgenos conhecidos. Esta é, na verdade, a única forma efetivamente comprovada contra as crises de rinite alérgica. Clinica Médica Prevenção Rinite  Sedimentar as noções básicas sobre a rinite;  Seu tratamento, técnicas de uso de dispositivos inalatórios;  Esclarecimento de questões expostas pelos pacientes. Cuidados de Enfermagem
  • 28. Laringite é uma inflamação da laringe que faz com que a voz fique áspera ou rouca. A laringite pode ser de curto prazo ou de longa duração (crônica). Clinica Médica Conceito Laringite Dentro da laringe há as cordas vocais - duas dobras da membrana mucosa que cobrem um músculo chamado músculo vocal. Mas na laringite, suas cordas vocais ficam inflamadas ou irritadas. Ocorre um inchaço, que leva à distorção dos sons produzidos pelo ar que passa sobre elas. Causa
  • 29. A maioria dos casos de laringite é temporária, ou aguda. Causas de laringite aguda incluem: Infecções virais semelhantes às que causam resfriado, esforço vocal, Infecções bacterianas, como a difteria Clinica Médica Laringite Aguda Laringite Laringite que dura mais de duas semanas é conhecida como laringite crônica. Este tipo de laringite é geralmente causado pela exposição a substâncias irritantes ao longo do tempo. Laringite Crônica
  • 30. O principal sintoma da laringite é a rouquidão. Sua voz pode soar estridente, ser mais profundado que o normal ou quebrar de vez em quando. Em alguns casos, a pessoa pode perder sua voz completamente. Outros sintomas podem incluir:  Garganta seca ou inflamada;  Tosse;  Dificuldade para engolir. Clinica Médica Sinais e Sintomas Laringite O médico pode identificar laringite fazendo um exame físico que provavelmente incluirá sentir o pescoço do paciente, afim de encontrar áreas sensíveis ou caroços. Também será avaliado o nariz, boca e garganta. Diagnóstico
  • 31. O tratamento em casa é tudo o que você precisa para maioria dos casos de laringite. Entre as recomendações estão:  Descansar a voz tanto quanto possível;  Não pigarrear. Se há tosse seca, um medicamento de venda livre pode ajudar;  Mantenha o ambiente úmido com vaporizadores ou bacias d’água. Clinica Médica Tratamento Laringite Ambiente Úmido Descansar a Voz
  • 32. Para prevenir o ressecamento ou irritação para as cordas vocais:  Não fumar e evitar o fumo passivo;  Limite o consumo de álcool e cafeína;  Evite limpar sua garganta;  Evite infecções das vias respiratórias superiores. Clinica Médica Prevenção Laringite Cuidados de Enfermagem  Estimular Repouso de voz;  Estimular a ingestão hídrica (+ 3 litros de líquido ao dia).
  • 34. Faringite é uma inflamação que costuma causar dor, irritação, coceira e desconforto na região da faringe (a parte superior da garganta, que conecta o nariz e a boca à laringe e ao esôfago). Clinica Médica Conceito Faringite É a mais comum de faringite, sendo causada por vírus na faringe. O tratamento pode ser feito em casa à base de medicamentos e cuidados simples. Faringite Viral Causada pela infecção de bactérias, Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A. Faringite Bacteriana
  • 35. A faringite costuma surgir em casos de infecções, como o resfriado comum, a gripe e a mononucleose (doença do beijo). A faringite também pode surgir em pessoas com (DSTs), a exemplo da gonorreia. Outros fatores como alergias, clima seco, poluição, problemas mais graves, como tumores e infecção por HIV, também podem levar a um quadro de faringite. Clinica Médica Transmissão / Causa Faringite Clima SecoMononucleose
  • 36. Os sintomas da faringite são de fácil identificação, mas são igualmente fáceis de serem confundidos com sintomas de outras inflamações que acometem a garganta, como a laringite e a amigdalite. A dor de garganta é o principal desses sintomas, mas outros também podem entrar para a lista:  Dificuldades para engolir ou falar;  Garganta seca;  Voz rouca e abafada. Clinica Médica Sinais e Sintomas Faringite Dor na Garganta Garganta Seca
  • 37. O médico deverá realizar procedimentos específicos para fazer o diagnóstico. No primeiro deles, aplicado tanto em crianças quanto em adultos, o médico utiliza um instrumento para analisar a garganta e, eventualmente, os ouvidos e as vias aéreas também. Trata-se de um exame físico. Clinica Médica Diagnóstico Faringite Faringite causada por vírus geralmente não demanda muitos cuidados nem um tratamento específico. Além disso, a inflamação desaparece de cinco a sete dias, em média. No entanto, para a faringite bacteriana, é necessário consultar um médico para saber também qual o melhor tratamento disponível para cada caso. Geralmente, ele é feito à base de antibióticos e analgésicos. Tratamento
  • 38.  Lave bem as mãos, Use álcool-gel para higienizar as mãos;  Evite dividir copos e comidas;  Se espirrar ou tossir, tome cuidado para não contaminar o ar. Use um lenço. Clinica Médica Prevenção Faringite  Auxiliar na alimentação;  Oferecer alimentos macios, como sopas, bebidas mornas, e chás;  Realizar higiene da cavidade oral;  Verificar sinais vitais, em especial a temperatura;  Realizar medicação conforme prescrição médica. Cuidados de Enfermagem
  • 40. A amigdalite é a inflamação com inchaço nas amígdalas. Amígdalas são uma espécie de gânglios linfáticos localizados na parte lateral da garganta e na parte de trás da boca. Elas ajudam a manter bactérias e outros germes longe de locais em que possam causar infecções. Clinica Médica Conceito Amigdalite Amigdalite é geralmente causada por vírus, mas também pode haver infecção bacteriana. A bactéria mais comum entre as causas de amigdalite é a Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A. Transmissão / Causa
  • 41.  Amígdalas inchadas e vermelhas;  Placas brancas ou amareladas nas amígdalas;  Dor de garganta;  Dificuldade e dor ao engolir;  Febre;  Mau hálito;  Dor de cabeça. Clinica Médica Sinais e Sintomas Amigdalite Para realizar o diagnóstico será feito um exame físico, no qual o médico examinará a boca e a garganta para ver se as amígdalas estão inchadas, o hálito e também o pescoço do paciente. Diagnóstico
  • 42. O tratamento para amigdalite é feito basicamente com medicamentos. Se for uma amigdalite simples, o médico poderá prescrever remédios anti-inflamatórios, que irão combater a inflamação, além de proporcionar alívio da dor. Clinica Médica Tratamento Amigdalite Algumas medidas podem ajudar a prevenir o desenvolvimento da amigdalite. Veja:  Lave as mãos frequentemente. Elas são a principal porta de entrada para muitos vírus e bactérias.  Evite compartilhar itens de uso pessoal, como talheres e escovas de dente. Prevenção
  • 43.  Auxiliar na alimentação;  Realizar higiene da cavidade oral;  Realizar medicação conforme prescrição médica. Clinica Médica Cuidados de Enfermagem Amigdalite Auxiliar na Alimentação Higiene da Cavidade Oral