SlideShare uma empresa Scribd logo
O que é Gripe?
Como se pega?
Quadro clínico;
Diagnóstico e Sintomas;
Tratamento;
Prevenção.
A gripe é uma doença aguda que acomete as
vias respiratórias. Ela ocorre quando organismo
é infectado pelo vírus influenza. Resfriado e
gripe são enfermidades distintas: os resfriados
são causados por rinovírus ou corona vírus e
têm apresentação diferente.
A gripe pode ocorrer em surtos ao longo do
ano, mas é mais frequente no inverno ou em
períodos mais frios. No Brasil, a temporada de
gripe ocorre geralmente entre abril e outubro,
principalmente nas regiões em que as condições
climáticas são mais definidas.
Estrutura do vírus da Gripe
Esquema da reprodução do vírus
da Gripe
Passagem do vírus pela célula
A transmissão do vírus da gripe acontece por via respiratória,
geralmente pela inalação partículas de secreção infectada em
suspensão no ar. Por esse motivo, é importante tomarmos certos
cuidados ao tossir ou espirrar, quando estamos doentes. O contágio
por contato físico direto ainda não foi totalmente esclarecido, mas é
possível que o contato com uma superfície que acaba de receber o
vírus eventualmente facilite sua transmissão.
Os vírus são organismos que precisam entrar nas células para
sobreviver e o influenza tem predileção pelas células do sistema
respiratório. Quando ele vence as defesas celulares e começa a
replicar-se, a pessoa demora entre 3 e 4 dias para manifestar os
sintomas da gripe provocados pela multiplicação dos vírus e pela
resposta inflamatória que induzem.
A gripe normalmente tem início abrupto e provoca febre alta (mais de 38 °C), dores
de cabeça e no corpo, mal estar e fraqueza. Outros sintomas possíveis são tosse,
inicialmente seca, dor de garganta e coriza.
A gripe não complicada costuma melhorar em até 5 dias contados a partir do início
dos sintomas, mas, em alguns casos, o quadro pode estender-se por mais de uma
semana. A recuperação é rápida. No entanto, algumas pessoas demoram semanas
para se recuperar da “fraqueza” que sentem.
Em pessoas vulneráveis, a gripe pode ser mais perigosa e é chamada de gripe
complicada. Isso acontece quando ocorre: a) pneumonia causada diretamente pelo
vírus influenza (pneumonia viral); b) pneumonia bacteriana (quando bactérias se
aproveitam da fragilidade do organismo e infectam os pulmões); c) acometimento
dos músculos (miosite) ou do sistema nervoso (encefalite ou polirradiculoneurite,
por exemplo).
Estão sob maior risco de apresentarem essas complicações as crianças com menos
de 2 anos, os adultos com mais de 65 anos, pessoas que vivem em asilos ou
instituições de saúde, doentes crônicos (diabéticos e pneumopatas, por exemplo) e
os obesos.
Nos períodos de epidemia de gripe, em geral o diagnóstico é clínico, ou seja,
realizado sem auxílio de exames laboratoriais. Normalmente, pessoas com febre e
sintomas respiratórios que se manifestaram há menos de 48 horas recebem o
diagnóstico de gripe. Entretanto, em algumas situações, pode ser necessário
confirmar o diagnóstico com exames, porque isso pode exigir uma mudança na
conduta do tratamento. Encontram-se nessa situação os pacientes que têm de ser
hospitalizados por causa da gripe, aqueles em que a doença evolui rapidamente ou
de forma mais grave, as pessoas com mais de 65 anos e as gestantes.
Como a gripe é uma doença autolimitada, na maioria dos casos basta o tratamento
de suporte, com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação.
Em alguns casos, podem ser introduzidos medicamentos antivirais que, como sugere
o nome, atuam especificamente sobre os vírus. Esses remédios só funcionam se
forem administrados nas primeiras 48 horas a contar do início dos sintomas e cabe
ao médico decidir quem pode beneficiar-se com sua indicação.
Antibióticos não funcionam para tratar a gripe e são prescritos somente nos casos
de eventuais infecções bacterianas, que podem advir como complicação do quadro.
A prevenção da gripe consiste em medidas relativamente simples: vacinação e
cuidados básicos de higiene.
O objetivo da vacinação é fazer com que a pessoa não contraia a infecção ou, se isso
não for possível, que tenha um quadro mais leve da doença, com menor risco de
complicações. Os efeitos colaterais da vacina são geralmente locais (dor e inchaço no
lugar da aplicação, por algumas horas). Eventualmente, pode provocar um quadro
semelhante ao de um resfriado comum.
A vacinação deve ser repetida anualmente, porque a vacina muda de acordo com as
alterações sofridas pelos vírus. Geralmente, a pessoa demora duas semanas para
desenvolver os anticorpos adequados.
Adultos com mais de 50 anos, imunossuprimidos (transplantados, pacientes com
HIV), doentes crônicos e profissionais de saúde estão entre aqueles que devem
tomar a vacina todo anos.
As medidas de higiene úteis para a prevenção da gripe são simples: cobrir a boca
quando tossir ou espirrar (para evitar a disseminação maior de partículas que
carregam os vírus) e manter as mãos limpas (lavá-las com água e sabão) para evitar
eventual transmissão por contato.
Durante uma tosse
podem ser liberados
no ar cerca de 3.000
partículas de saliva, a
uma velocidade de
22,3 metros por
segundo. Já um espirro
chega a conter até
40.000 gotículas,
algumas das quais
saem do corpo a uma
velocidade de quase 45
metros por segundo.
A velocidade do espirro
pode chegar até 160
km/h.
Aristóteles (384-322 a.C.) afirmava que o
espirro era um ato sobrenatural. Crenças mais
antigas acreditavam que o espirro era um sinal
dos Deuses.
Tibério, Imperador, que viveu na era de
Cristo, tinha o costume de abençoar
espirros.
Na Noruega, quando uma pessoa
doente espirrava, acreditavam que era
sinal de que ela não morreria.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
Fausto Barros
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
Adrianne Mendonça
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
Elias Cordeiro
 
Dengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e ChicungunyaDengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e Chicungunya
Sheilla Sandes
 
Ists
IstsIsts
DST
DSTDST
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
04 aula tétano
04 aula   tétano04 aula   tétano
Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela
Zilda Souza
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
Gabriela Bruno
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
Fausto Barros
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
TAS2214
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 
Meningite
Meningite Meningite
Meningite
Gabriela Bruno
 
Dengue
Dengue Dengue
Varíola
VaríolaVaríola
Varíola
Renata Telha
 
Meningite
MeningiteMeningite
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
letosgirl
 

Mais procurados (20)

Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
 
Dengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e ChicungunyaDengue, Zika e Chicungunya
Dengue, Zika e Chicungunya
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
DST
DSTDST
DST
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
04 aula tétano
04 aula   tétano04 aula   tétano
04 aula tétano
 
Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela Trabalho sobre febre amarela
Trabalho sobre febre amarela
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Meningite
Meningite Meningite
Meningite
 
Dengue
Dengue Dengue
Dengue
 
Varíola
VaríolaVaríola
Varíola
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 

Destaque

Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
Trioditis
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
8Aap
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
Aluisio Junior
 
Gripe
GripeGripe
La gripe
La gripeLa gripe
La gripe
Nicole Nugent
 
La gripe
La gripeLa gripe
Gripe A Power Point
Gripe A Power PointGripe A Power Point
Gripe A Power Point
lucre3674
 
Gripe
GripeGripe
Resfriado vs Gripe
Resfriado vs GripeResfriado vs Gripe
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
liedmesquita
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
guest265e2b9
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
Paulo Santos
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
Guilherme Gehlen
 
Gripe y resfriado
Gripe y resfriadoGripe y resfriado
Gripe y resfriado
Farmacia Ferrer
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
Karolina Peixoto
 
H1N1
H1N1H1N1
Influenza aviaria
Influenza aviariaInfluenza aviaria
Influenza aviaria
Dina Malgieri
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
Ana Lascasas
 
Gripe e resfriado
Gripe e resfriadoGripe e resfriado
Gripe e resfriado
pptmeirelles
 

Destaque (20)

Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
La gripe
La gripeLa gripe
La gripe
 
La gripe
La gripeLa gripe
La gripe
 
Gripe A Power Point
Gripe A Power PointGripe A Power Point
Gripe A Power Point
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Resfriado vs Gripe
Resfriado vs GripeResfriado vs Gripe
Resfriado vs Gripe
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Gripe y resfriado
Gripe y resfriadoGripe y resfriado
Gripe y resfriado
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Influenza aviaria
Influenza aviariaInfluenza aviaria
Influenza aviaria
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
Gripe e resfriado
Gripe e resfriadoGripe e resfriado
Gripe e resfriado
 

Semelhante a Gripe

Influenza humana
Influenza humanaInfluenza humana
Influenza humana
Jenivaldo Araujo Dias
 
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
Rozângela Fernandes
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
carlasilvavellar
 
GRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptxGRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptx
AnaPaulaLeiteDuarteM
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
ClaudiaPereiraBrito
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
Alcylene
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
LucasMarage1
 
Aula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angelaAula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angela
DiedNuenf
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
karol_ribeiro
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Rafael Serafim
 
Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
Jandresson Soares de Araújo
 
Prevenindo doenças ciências 2º ano
Prevenindo doenças   ciências 2º anoPrevenindo doenças   ciências 2º ano
Prevenindo doenças ciências 2º ano
Tadeu Golbert
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecções
Tookmed
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
Laíz Coutinho
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
miriam torres
 

Semelhante a Gripe (20)

Influenza humana
Influenza humanaInfluenza humana
Influenza humana
 
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
Apresentao1 141208182936-conversion-gate02
 
Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
 
GRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptxGRIPE slid.pptx
GRIPE slid.pptx
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptxInstituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
Instituto Politécnico Médio de Moçambique.pptx
 
Aula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angelaAula ciencias da natureza angela
Aula ciencias da natureza angela
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
Normas gripe sazonal agosto 2010[1]
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
 
Prevenindo doenças ciências 2º ano
Prevenindo doenças   ciências 2º anoPrevenindo doenças   ciências 2º ano
Prevenindo doenças ciências 2º ano
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecções
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 

Mais de Michael Alexandre

Ácido Acetilsalicilico e Paracetamol
Ácido Acetilsalicilico e ParacetamolÁcido Acetilsalicilico e Paracetamol
Ácido Acetilsalicilico e Paracetamol
Michael Alexandre
 
Advérbios de modo adverbs of manner
Advérbios de modo   adverbs of mannerAdvérbios de modo   adverbs of manner
Advérbios de modo adverbs of manner
Michael Alexandre
 
Alagoas Colonial
Alagoas Colonial Alagoas Colonial
Alagoas Colonial
Michael Alexandre
 
Rodoanel de são paulo
Rodoanel de são pauloRodoanel de são paulo
Rodoanel de são paulo
Michael Alexandre
 
A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.
Michael Alexandre
 
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
Michael Alexandre
 

Mais de Michael Alexandre (6)

Ácido Acetilsalicilico e Paracetamol
Ácido Acetilsalicilico e ParacetamolÁcido Acetilsalicilico e Paracetamol
Ácido Acetilsalicilico e Paracetamol
 
Advérbios de modo adverbs of manner
Advérbios de modo   adverbs of mannerAdvérbios de modo   adverbs of manner
Advérbios de modo adverbs of manner
 
Alagoas Colonial
Alagoas Colonial Alagoas Colonial
Alagoas Colonial
 
Rodoanel de são paulo
Rodoanel de são pauloRodoanel de são paulo
Rodoanel de são paulo
 
A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.
 
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
Estados Unidos, Portugal, Gana e Alemanha.
 

Gripe

  • 1. O que é Gripe? Como se pega? Quadro clínico; Diagnóstico e Sintomas; Tratamento; Prevenção.
  • 2. A gripe é uma doença aguda que acomete as vias respiratórias. Ela ocorre quando organismo é infectado pelo vírus influenza. Resfriado e gripe são enfermidades distintas: os resfriados são causados por rinovírus ou corona vírus e têm apresentação diferente. A gripe pode ocorrer em surtos ao longo do ano, mas é mais frequente no inverno ou em períodos mais frios. No Brasil, a temporada de gripe ocorre geralmente entre abril e outubro, principalmente nas regiões em que as condições climáticas são mais definidas.
  • 3. Estrutura do vírus da Gripe Esquema da reprodução do vírus da Gripe Passagem do vírus pela célula
  • 4.
  • 5. A transmissão do vírus da gripe acontece por via respiratória, geralmente pela inalação partículas de secreção infectada em suspensão no ar. Por esse motivo, é importante tomarmos certos cuidados ao tossir ou espirrar, quando estamos doentes. O contágio por contato físico direto ainda não foi totalmente esclarecido, mas é possível que o contato com uma superfície que acaba de receber o vírus eventualmente facilite sua transmissão. Os vírus são organismos que precisam entrar nas células para sobreviver e o influenza tem predileção pelas células do sistema respiratório. Quando ele vence as defesas celulares e começa a replicar-se, a pessoa demora entre 3 e 4 dias para manifestar os sintomas da gripe provocados pela multiplicação dos vírus e pela resposta inflamatória que induzem.
  • 6.
  • 7.
  • 8. A gripe normalmente tem início abrupto e provoca febre alta (mais de 38 °C), dores de cabeça e no corpo, mal estar e fraqueza. Outros sintomas possíveis são tosse, inicialmente seca, dor de garganta e coriza. A gripe não complicada costuma melhorar em até 5 dias contados a partir do início dos sintomas, mas, em alguns casos, o quadro pode estender-se por mais de uma semana. A recuperação é rápida. No entanto, algumas pessoas demoram semanas para se recuperar da “fraqueza” que sentem. Em pessoas vulneráveis, a gripe pode ser mais perigosa e é chamada de gripe complicada. Isso acontece quando ocorre: a) pneumonia causada diretamente pelo vírus influenza (pneumonia viral); b) pneumonia bacteriana (quando bactérias se aproveitam da fragilidade do organismo e infectam os pulmões); c) acometimento dos músculos (miosite) ou do sistema nervoso (encefalite ou polirradiculoneurite, por exemplo). Estão sob maior risco de apresentarem essas complicações as crianças com menos de 2 anos, os adultos com mais de 65 anos, pessoas que vivem em asilos ou instituições de saúde, doentes crônicos (diabéticos e pneumopatas, por exemplo) e os obesos.
  • 9.
  • 10. Nos períodos de epidemia de gripe, em geral o diagnóstico é clínico, ou seja, realizado sem auxílio de exames laboratoriais. Normalmente, pessoas com febre e sintomas respiratórios que se manifestaram há menos de 48 horas recebem o diagnóstico de gripe. Entretanto, em algumas situações, pode ser necessário confirmar o diagnóstico com exames, porque isso pode exigir uma mudança na conduta do tratamento. Encontram-se nessa situação os pacientes que têm de ser hospitalizados por causa da gripe, aqueles em que a doença evolui rapidamente ou de forma mais grave, as pessoas com mais de 65 anos e as gestantes.
  • 11.
  • 12. Como a gripe é uma doença autolimitada, na maioria dos casos basta o tratamento de suporte, com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação. Em alguns casos, podem ser introduzidos medicamentos antivirais que, como sugere o nome, atuam especificamente sobre os vírus. Esses remédios só funcionam se forem administrados nas primeiras 48 horas a contar do início dos sintomas e cabe ao médico decidir quem pode beneficiar-se com sua indicação. Antibióticos não funcionam para tratar a gripe e são prescritos somente nos casos de eventuais infecções bacterianas, que podem advir como complicação do quadro.
  • 13.
  • 14. A prevenção da gripe consiste em medidas relativamente simples: vacinação e cuidados básicos de higiene. O objetivo da vacinação é fazer com que a pessoa não contraia a infecção ou, se isso não for possível, que tenha um quadro mais leve da doença, com menor risco de complicações. Os efeitos colaterais da vacina são geralmente locais (dor e inchaço no lugar da aplicação, por algumas horas). Eventualmente, pode provocar um quadro semelhante ao de um resfriado comum. A vacinação deve ser repetida anualmente, porque a vacina muda de acordo com as alterações sofridas pelos vírus. Geralmente, a pessoa demora duas semanas para desenvolver os anticorpos adequados. Adultos com mais de 50 anos, imunossuprimidos (transplantados, pacientes com HIV), doentes crônicos e profissionais de saúde estão entre aqueles que devem tomar a vacina todo anos. As medidas de higiene úteis para a prevenção da gripe são simples: cobrir a boca quando tossir ou espirrar (para evitar a disseminação maior de partículas que carregam os vírus) e manter as mãos limpas (lavá-las com água e sabão) para evitar eventual transmissão por contato.
  • 15.
  • 16. Durante uma tosse podem ser liberados no ar cerca de 3.000 partículas de saliva, a uma velocidade de 22,3 metros por segundo. Já um espirro chega a conter até 40.000 gotículas, algumas das quais saem do corpo a uma velocidade de quase 45 metros por segundo. A velocidade do espirro pode chegar até 160 km/h. Aristóteles (384-322 a.C.) afirmava que o espirro era um ato sobrenatural. Crenças mais antigas acreditavam que o espirro era um sinal dos Deuses. Tibério, Imperador, que viveu na era de Cristo, tinha o costume de abençoar espirros. Na Noruega, quando uma pessoa doente espirrava, acreditavam que era sinal de que ela não morreria.