SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP
CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
TURMA N30
Disciplina: Processo de Cuidar II
Cateterismo Vesical de Demora Masculino
Acadêmicos:
Agneldo Silva Ferreira RA: 380357
Benjamim da Silva Passos RA: 380238
Elaine Souza Luso RA: 376795
Mário Sérgio Carvalho Caldas RA: 376794
Rohseney Kelly Silva e Silva RA: 339167
Prof. Esp. Mirna Coelho de Barros
Tucuruí/PA
2013
Introdução
Hoje em dia as complicações envolvendo o mau uso ou a
técnica incorreta de alguns procedimentos realizados no ambiente
hospitalar, vem ganhando grande importância no cenário da saúde.
O cateterismo vesical de demora no qual exige grande atenção do
profissional e o uso de materiais estéreis e compatíveis com a
anatomia do paciente, aliado ao acompanhamento frequente para
detectar qualquer alteração que venha a interromper o procedimento
ali realizado, é de grande importância, tanto para o paciente quanto
para o profissional.
Conceito
Cateterismo Vesical de Demora Masculino é a introdução de
um cateter estéril através da uretra até a bexiga, usado quando há
necessidade que o paciente permaneça com ele por longos períodos
de tempo seja para controlar o volume urinário, possibilitar a
eliminação da urina em pacientes imobilizados, inconscientes ou com
obstrução, em pós-operatório de cirurgias urológicas.
Deve-se utilizar técnica asséptica/estéril no procedimento a
fim de evitar uma infecção urinária(ITU)no paciente .
Cateterismo Vesical de Demora Masculino
Finalidade:
Aliviar a retenção urinária;
Permitir irrigação vesical;
 Mensurar a urina residual da bexiga após a micção;
 Pré-operatório e exames pélvicos (quando indicados)
 Coletar urina estéril para exames;
 Controlar o débito urinário.
Cateterismo Vesical de Demora Masculino
Complicações:
 Infecção
 Estenose uretral ( estreitamento da uretra)
 Cálculo vesical
 Hematúria (presença de sangue na urina)
 Perfuração de bexiga pelo cateter
Material para higiene de períneo
1 Comadre;
2 Sabonete neutro;
3 Luvas de procedimento;
4 Bacia com água;
5 Duas compressas ou toalha.
Higiene de períneo
1 Higienizar a região perineal e genital do paciente utilizando a
bacia com água, as compressas/toalha e o sabonete neutro;
2 Utilizar movimentos unidirecionais: de frente para trás;
3 Higienizar as mãos após procedimento
Material do procedimento
1. Bandeja
2. Sonda foley de 2 ou 3 vias, nº 16 à 18 conforme prescrição;
3. Bolsa coletora sistema fechado;
4. Kit de cateterismo vesical estéril contendo 1 cuba rim, 1 cuba
redonda, 1 pinça;
5. Pacote de gaze estéril;
6. Almotolia de PVPI tópico (polivinilpirrolidona-iodo);
7. Gel lubrificante estéril;
Material do procedimento
8. Duas seringas de 20 mL;
9. Agulha 25 x 8 mm;
10. Água estéril, frasco de 20 mL;
11. Esparadrapo;
12. Luvas estéreis;
13. Campo fenestrado (vide observação);
14. Biombo;
15. Equipamentos de Proteção Individual.
Material do procedimento
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
1. Reunir o material, lavar as mãos e explicar
o procedimento e sua finalidade ao paciente;
2. Promover um ambiente iluminado e
privativo (proteger o leito com biombo);
3. Colocar o paciente em decúbito dorsal com
as pernas afastadas, calçar as luvas de
procedimento;
4. Fazer a higiene íntima com água e sabonete
neutro; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
5. Retirar as luvas de procedimento e lavar as
mãos;
6. Colocar o saco de lixo próximo à cama;
7. Abrir o pacote de cateterismo vesical com
técnica asséptica sobre abandeja entre as
pernas do paciente com a ponta próxima à base
peniana;
8. Colocar sobre o campo as seringas, agulha,
sonda vesical e gaze;
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
9. Colocar a solução anti-séptica na cuba redonda;
10. Abrir a embalagem do coletor colocando a ponta
da extensão sobre o campo;
11. Abrir a ampola de AD (água destilada) e deixá-la
na mesa de cabeceira;
12. Calçar as luvas estéreis;
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
13.Aspirar a AD (água destilada) com a seringa e
agulha com auxílio de outra pessoa e colocá-la
sobre o campo;
14.Colocar gel lubrificante anestésico (xylocaína)
na outra seringa com auxílio de outra pessoa;
15.Testar o balão e válvula da sonda introduzindo
a quantidade de água recomendada pelo
fabricante (normalmente de 10 a 20 ml);
16. Conectar a sonda ao coletor;
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
17. Colocar o campo fenestrado (pano c/ furo
central) sobre a região genital, expondo o órgão e
observando rigorosamente a técnica asséptica;
18. Segurar o pênis com uma gaze, retraindo o
prepúcio com o polegar e indicador (mão não
dominante). Essa mão deve permanecer imóvel
no local até o término do procedimento;
19. Fazer a anti-sepsia obrigatoriamente no
sentido do meato uretral para a periferia
(glande, prepúcio e corpo do pênis) utilizando
gazes montadas em pinça embebidas na solução
anti-séptica; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
20. Afastar com a mão dominate a cuba redonda e
pinça;
21. Introduzir a xylocaína no meato, pressionando
a extremidade do mesmo contra o bico da seringa.
Manter pressionada a glande por cerca de 2
segundos para evitar refluxo da geleia;
22. Com a mão dominate inserir suavemente a
sonda até sua bifurcação (18 a 20 cm) com
movimentos para baixo, com o pênis elevado
perpendicularmente, e baixar o pênis lentamente
para facilitar a passagem na uretra bulbar;
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
23. Insuflar o balão e tracionar a sonda até
encontrar resistência;
24. Recobrir a glande com o prepúcio a fim de
evitar edema da glande;
25. Fixar a sonda com fita adesiva entre a região
inguinal e o hipogastro;
26. Retirar as luvas;
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
Cateterismo Vesical de Demora Masculino-
procedimento
27. Deixar o paciente confortável;
28. Recolher o material ;
29. Lavar as mãos;
30. Fazer as anotações pertinentes ( tipo e calibre da sonda, volume de
água no balão, aspecto da urina e intercorrências durante o
procedimento.
Conclusão
Ficou esclarecido quão grande a importância do
procedimento e o uso de material estéril para realização da
introdução do cateter, seja ele de alivio ou demora, auxiliando a
eliminação de urina do paciente de maneira satisfatória e livre de
complicações. No entanto sem perder o foco no paciente como ser
humano, devendo assim os profissionais de enfermagem
proporcionar o máximo possível de privacidade, conforto e
orientando o mesmo sobre o procedimento que será realizado.
Referência
APECIH . Prevenção de Infecção do Trato Urinário. São Paulo:
Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar,
2009.
CRAVEN, Ruth F., HIRNLE, Constance J. Iniciação a ciências da
enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 2006. PLT 96.
Sonda vesical de demora masculina.Disponível em:
<http://aenfermagem.com.br/procedimentos/sonda-vesical-de-demora-
masculina/> acessado em: 15 de março de 2013.
TAYLOR, C; LILLIS,C; LEMONE,P. Fundamentos de Enfermagem: a
arte e a ciência do cuidado de enfermagem. 5 ed. Porto Alegre:
Artmed, 2007.1592 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
Drenos
DrenosDrenos
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Administração medicamentos via subcutanea
Administração  medicamentos via subcutaneaAdministração  medicamentos via subcutanea
Administração medicamentos via subcutanea
Viviane da Silva
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
jaddy xavier
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Fabricio Marques Moreira
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdfFundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
ssuser4a1ab1
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
José Carlos Nascimento
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
Jocasta Bonmann
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Leonel Santos
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
Luana Silva
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
Gilberto de Jesus
 

Mais procurados (20)

Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Drenos
DrenosDrenos
Drenos
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Administração medicamentos via subcutanea
Administração  medicamentos via subcutaneaAdministração  medicamentos via subcutanea
Administração medicamentos via subcutanea
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdfFundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
Fundamentos de Enfermagem Aula 4.pdf
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 

Semelhante a Cateterismo vesical de_demora_masculino

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
GabriellyAndrade18
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
bianca375788
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOSSONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
IsabellaCajaBelinhaI
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
nayara368
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
Marcelo Leal Souza
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
guest11ba4c
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ssuser80ae40
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisado
Roderly
 
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
UPAITAPETINGA
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ssuser80ae40
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
bianca375788
 
AP2.pptx
AP2.pptxAP2.pptx
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
Viviane da Silva
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
pososospos
 

Semelhante a Cateterismo vesical de_demora_masculino (20)

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOSSONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
SONDAGEM VESICAL.ppt.pdf FUNDAMENTOS TÉCNICOS
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
Pop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisadoPop cvc curativo-revisado
Pop cvc curativo-revisado
 
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
POP.UTI.020 - Assistência de enfermagem ao RN submetido a cateterismo vesical...
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
AP2.pptx
AP2.pptxAP2.pptx
AP2.pptx
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
 

Cateterismo vesical de_demora_masculino

  • 1. UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TURMA N30 Disciplina: Processo de Cuidar II Cateterismo Vesical de Demora Masculino Acadêmicos: Agneldo Silva Ferreira RA: 380357 Benjamim da Silva Passos RA: 380238 Elaine Souza Luso RA: 376795 Mário Sérgio Carvalho Caldas RA: 376794 Rohseney Kelly Silva e Silva RA: 339167 Prof. Esp. Mirna Coelho de Barros Tucuruí/PA 2013
  • 2. Introdução Hoje em dia as complicações envolvendo o mau uso ou a técnica incorreta de alguns procedimentos realizados no ambiente hospitalar, vem ganhando grande importância no cenário da saúde. O cateterismo vesical de demora no qual exige grande atenção do profissional e o uso de materiais estéreis e compatíveis com a anatomia do paciente, aliado ao acompanhamento frequente para detectar qualquer alteração que venha a interromper o procedimento ali realizado, é de grande importância, tanto para o paciente quanto para o profissional.
  • 3. Conceito Cateterismo Vesical de Demora Masculino é a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, usado quando há necessidade que o paciente permaneça com ele por longos períodos de tempo seja para controlar o volume urinário, possibilitar a eliminação da urina em pacientes imobilizados, inconscientes ou com obstrução, em pós-operatório de cirurgias urológicas. Deve-se utilizar técnica asséptica/estéril no procedimento a fim de evitar uma infecção urinária(ITU)no paciente .
  • 4. Cateterismo Vesical de Demora Masculino Finalidade: Aliviar a retenção urinária; Permitir irrigação vesical;  Mensurar a urina residual da bexiga após a micção;  Pré-operatório e exames pélvicos (quando indicados)  Coletar urina estéril para exames;  Controlar o débito urinário.
  • 5. Cateterismo Vesical de Demora Masculino Complicações:  Infecção  Estenose uretral ( estreitamento da uretra)  Cálculo vesical  Hematúria (presença de sangue na urina)  Perfuração de bexiga pelo cateter
  • 6. Material para higiene de períneo 1 Comadre; 2 Sabonete neutro; 3 Luvas de procedimento; 4 Bacia com água; 5 Duas compressas ou toalha.
  • 7. Higiene de períneo 1 Higienizar a região perineal e genital do paciente utilizando a bacia com água, as compressas/toalha e o sabonete neutro; 2 Utilizar movimentos unidirecionais: de frente para trás; 3 Higienizar as mãos após procedimento
  • 8. Material do procedimento 1. Bandeja 2. Sonda foley de 2 ou 3 vias, nº 16 à 18 conforme prescrição; 3. Bolsa coletora sistema fechado; 4. Kit de cateterismo vesical estéril contendo 1 cuba rim, 1 cuba redonda, 1 pinça; 5. Pacote de gaze estéril; 6. Almotolia de PVPI tópico (polivinilpirrolidona-iodo); 7. Gel lubrificante estéril;
  • 9. Material do procedimento 8. Duas seringas de 20 mL; 9. Agulha 25 x 8 mm; 10. Água estéril, frasco de 20 mL; 11. Esparadrapo; 12. Luvas estéreis; 13. Campo fenestrado (vide observação); 14. Biombo; 15. Equipamentos de Proteção Individual.
  • 11. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 1. Reunir o material, lavar as mãos e explicar o procedimento e sua finalidade ao paciente; 2. Promover um ambiente iluminado e privativo (proteger o leito com biombo); 3. Colocar o paciente em decúbito dorsal com as pernas afastadas, calçar as luvas de procedimento; 4. Fazer a higiene íntima com água e sabonete neutro; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 12. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 5. Retirar as luvas de procedimento e lavar as mãos; 6. Colocar o saco de lixo próximo à cama; 7. Abrir o pacote de cateterismo vesical com técnica asséptica sobre abandeja entre as pernas do paciente com a ponta próxima à base peniana; 8. Colocar sobre o campo as seringas, agulha, sonda vesical e gaze; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 13. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 9. Colocar a solução anti-séptica na cuba redonda; 10. Abrir a embalagem do coletor colocando a ponta da extensão sobre o campo; 11. Abrir a ampola de AD (água destilada) e deixá-la na mesa de cabeceira; 12. Calçar as luvas estéreis; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 14. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 13.Aspirar a AD (água destilada) com a seringa e agulha com auxílio de outra pessoa e colocá-la sobre o campo; 14.Colocar gel lubrificante anestésico (xylocaína) na outra seringa com auxílio de outra pessoa; 15.Testar o balão e válvula da sonda introduzindo a quantidade de água recomendada pelo fabricante (normalmente de 10 a 20 ml); 16. Conectar a sonda ao coletor; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 15. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 17. Colocar o campo fenestrado (pano c/ furo central) sobre a região genital, expondo o órgão e observando rigorosamente a técnica asséptica; 18. Segurar o pênis com uma gaze, retraindo o prepúcio com o polegar e indicador (mão não dominante). Essa mão deve permanecer imóvel no local até o término do procedimento; 19. Fazer a anti-sepsia obrigatoriamente no sentido do meato uretral para a periferia (glande, prepúcio e corpo do pênis) utilizando gazes montadas em pinça embebidas na solução anti-séptica; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 16. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 20. Afastar com a mão dominate a cuba redonda e pinça; 21. Introduzir a xylocaína no meato, pressionando a extremidade do mesmo contra o bico da seringa. Manter pressionada a glande por cerca de 2 segundos para evitar refluxo da geleia; 22. Com a mão dominate inserir suavemente a sonda até sua bifurcação (18 a 20 cm) com movimentos para baixo, com o pênis elevado perpendicularmente, e baixar o pênis lentamente para facilitar a passagem na uretra bulbar; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 17. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 23. Insuflar o balão e tracionar a sonda até encontrar resistência; 24. Recobrir a glande com o prepúcio a fim de evitar edema da glande; 25. Fixar a sonda com fita adesiva entre a região inguinal e o hipogastro; 26. Retirar as luvas; Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=HxiyZtnSf5I
  • 18. Cateterismo Vesical de Demora Masculino- procedimento 27. Deixar o paciente confortável; 28. Recolher o material ; 29. Lavar as mãos; 30. Fazer as anotações pertinentes ( tipo e calibre da sonda, volume de água no balão, aspecto da urina e intercorrências durante o procedimento.
  • 19. Conclusão Ficou esclarecido quão grande a importância do procedimento e o uso de material estéril para realização da introdução do cateter, seja ele de alivio ou demora, auxiliando a eliminação de urina do paciente de maneira satisfatória e livre de complicações. No entanto sem perder o foco no paciente como ser humano, devendo assim os profissionais de enfermagem proporcionar o máximo possível de privacidade, conforto e orientando o mesmo sobre o procedimento que será realizado.
  • 20. Referência APECIH . Prevenção de Infecção do Trato Urinário. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2009. CRAVEN, Ruth F., HIRNLE, Constance J. Iniciação a ciências da enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 2006. PLT 96. Sonda vesical de demora masculina.Disponível em: <http://aenfermagem.com.br/procedimentos/sonda-vesical-de-demora- masculina/> acessado em: 15 de março de 2013. TAYLOR, C; LILLIS,C; LEMONE,P. Fundamentos de Enfermagem: a arte e a ciência do cuidado de enfermagem. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.1592 p.