SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM, BIOSSEGURANÇA E
SAÚDE DO TRABALHADOR - BASES TECNOLÓGICAS
QUALIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL
ENFª LARISSA MACHADO
SONDAGEM VESICAL VESICAL
CONCEITO/FINALIDADES:
É a introdução de um cateter ou sonda estéril através da uretra até a bexiga, com fim de
diagnóstico ou tratamento.
INDICAÇÕES GERAIS:
➢ Drenagem vesical por obstrução crônica,
➢ Disfunção vesical (bexiga neurogênica),
➢ Drenagem vesical após cirurgias urológicas e pélvicas,
➢ Medida de diurese em pacientes graves,
➢ Assegurar a higiene perineal e o conforto de pacientes incontinentes de urina e
comatosos.
CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DO CATETER:
A escolha do cateter deve ser baseada: nas necessidades individuais do paciente, objetivo da
cateterização, tempo pretendido para manter o cateter, tipo de urina drenada, conforto do
paciente.
O calibre do cateter deve ser determinado pelo tamanho do canal uretral do cliente. É utilizado o
sistema francês quanto maior o número do calibre, maior é o cateter.
➢ Crianças de 8 a 10 Fr
➢ Mulheres de 14 a 18 Fr
➢ Homens de 16 a 18 Fr
A duração do período de cateterização deve determinar o tipo de material selecionado;
Os cateteres plásticos são adequados apenas para o uso intermitente por serem espessos e
inflexíveis.
CATETER ADEQUADO:
Os cateteres de látex ou borracha são recomendados para um uso de tempo médio
(superior a 3 semanas)
Os cateteres de silicone puro ou teflon são recomendados para uso prolongado (2 a 3
meses)
Os cateteres de PVC são muito caros, adequados para intervalos de 4 a 6 semanas.
Eles ficam macios com a temperatura corporal e se adaptam à uretra
➢ Tamanho adequado do balão é um aspecto importante
➢ Varia de 3 ml (pediátrico) a grandes volumes
➢ Mais comuns: tamanho de 5 a 30 ml
COMPLICAÇÕES:
· Infecção urinaria: mas comum causada principalmente pelo uso incorreto da técnica
asséptica.
· Hemorragia: pode ser causada pela utilização de uma sonda de calibre inadequado ao
tamanho da uretra, passagem incorreta, existência de patologias previa.
· Formação de cálculos na bexiga: devido longa permanência da sonda.
· Bexiga neurogênica: nos pacientes com permanência prolongada da sonda.
· Trauma tissular: devido a aplicação de força durante a passagem, utilização de sonda
muito calibrosa.
TIPOS DE CATETERISMO VESICAL:
Cateterismo Vesical de Alívio – cateter
Nelaton
Cateterismo Vesical de Demora – cateter
Foley
CATETERISMO VESICAL DE ALÍVIO OU INTERMITENTE
Um cateter reto (sonda de nelaton), e de uso único é introduzido por um período
suficiente para drenar a bexiga. Quando a bexiga estiver vazia o cateter deve ser
retirado imediatamente.
Este tipo de cateterismo pode ser repetido quando necessário, porém, o uso repetido
aumenta os riscos de trauma e infecção. (cateter sem “cuff”). Para eliminar urina
residual, prevenir infecção urinaria e lesões, diminui cálculos vesicais e mimetiza o
processo normal de micção
INDICAÇÕES:
· Alívio para retenção urinária;
· Obtenção de urina estéril;
· Avaliação de urina residual depois da micção;
CATETERISMO VESICAL DE DEMORA OU CONTINUO
Uma sonda de demora ou folley permanece no local por um período prolongado. Possui
um balão insuflável com água que envolve a sonda exatamente abaixo da extremidade,
quando insuflado, o balão repousa contra a saída da bexiga, fixando a sonda na posição.
A sonda de retenção ou de demora pode possuir duas vias( sonda de Folley),ou três vias
dentro do corpo da sonda.( sonda de Owen, para lavagem vesical). (cateter com “cuff”).
TIPOS DE SONDAS DE DEMORA:
· Sonda Folley
· Sonda de Owen
Tempo de Permanência: 7 dias
Numeração:
14 – 16 em mulheres
16 - 20 em homens
INDICAÇÕES:
➢ · Facilitar a eliminação vesical.
➢ · Facilitar a avaliação da quantidade de
urina residual.
➢ · Permitir uma avaliação continua e
apurada da diurese.
➢ · Fornecer uma via para irrigação da
bexiga.
➢ · Realizar o controle indireto da função
hemodinâmica e
➢ promover a drenagem de paciente com
incontinência
➢ urinaria.
➢ · Esvaziar a bexiga para procedimentos
cirúrgicos ou
➢ diagnósticos.
➢ · Controlar sangramentos.
AÇÕES DE ENFERMAGEM:
 Sistema drenagem fechado estéril e
não deve ser desconectado antes,
durante e após a inserção do cateter;
 Manter a bolsa coletora em nível
inferior à bexiga;
 Caso a técnica asséptica seja
quebrada, por desconexão ou ruptura,
substituir todo o sistema;
 Realizar higiene perineal pelo menos 2
vezes ao dia com água e sabão.
URIPEN – Dispositivo de conforto para incontinência
urinaria:
O URIPEN é um dispositivo de conforto para
pacientes com incontinência urinaria. Muito
parecido com uma camisinha, o dispositivo é
inserido no pênis do paciente, tal qual o
preservativo, e em sua ponta é colocado um
dreno extensor que deposita a urina em uma
bolsa coletora, evitando que a excreção fique
em contato com a pele (como nas fraldas
geriátricas).
SUSPEITA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO:
Não encaminhar a ponta do cateter vesical para cultura, pois não há utilidade;
Não é indicada a realização periódica de urocultura, mesmo para pacientes que utilizam o cateter
urinário por períodos prolongados.
COMO PREVENIR INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO:
➢ Higienizar mãos;
➢ Manter fixação adequada da sonda;
➢ Higiene intima;
➢ Cuidados com a bolsa coletora;
➢ Lavagem / irrigação vesical.
1. Manter fixação adequada da sonda:
Mulheres: raiz da coxa (face interna)
Homens: Pacientes que deambulam: raiz da coxa (face anterior)
Pacientes acamados: região suprapúbica
2. Higiene intima:
Deve ser realizada com água e sabonete neutro, durante o banho e quando necessário (diarreia,
sangramentos, etc).
3. Cuidados com a bolsa coletora:
✓ Conectar o cateter ao coletor antes do
cateterismo;
✓ Conservar o coletor sempre em nível inferior
à bexiga, para evitar fluxo retrogrado,
evitando sua contaminação (não arrastar no
chão);
✓ Desprezar a urina em recipientes limpos e
individualizados, evitando o contato do tubo
de drenagem com objetos e superfícies
como cálice, cama e chão;
✓ Esvaziar a bolsa coletora quando a mesma
atingir 2/3 da sua capacidade, a fim de
facilitar o manuseio e diminuir riscos de
refluxo.
4. Lavagem / irrigação vesical:
NUNCA LAVAR O CATETER VESICAL
A lavagem vesical é permitida exclusivamente
em pacientes portando cateter vesical de 3 vias,
nos casos de obstrução por coágulos;
Quando a obstrução é prevista/esperada, o
médico deverá prescrever irrigação vesical para
preveni-la;
A lavagem e/ou irrigação do cateter vesical não é
recomendado, exceto em cirurgias urológicas e
em pacientes em condicionamento para
transplante de medula óssea.
MATERIAL:
✓ Bandeja de cateterismo vesical;
✓ Sonda Folley 12 a 16 (adulto) ou 6 a 10
(crianças);
✓ Bolsa coletora sistema fechado;
✓ Antisséptico (solução aquosa) ou solução
de clorexidina degermante;
✓ Gel hidrossolúvel/Xilocaína;
✓ Luvas esterilizadas e de Procedimento;
✓ Ampolas de água destilada;
✓ Biombo;
✓ Seringa 20 ml não luer-lock;
✓ Agulha 30 x 10;
✓ Cateterismo vesical contendo 1 cuba rim
ou cúpula redonda e 1 pinça cheron ou
tipo kelly;
✓ Gazes estéril;
✓ Campo estéril;
✓ Fita adesiva hipoalergênica ou
esparadrapo.
OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:
➢ Higienizar mãos antes e após o manuseio do cateter e/ou tubo e/ou da bolsa de drenagem
➢ Manter o fluxo da urina, favorecendo a drenagem com
➢ Em pacientes acamados, com sonda vesical, deve-se fazer higiene íntima após cada
evacuação.
➢ Em alguns casos de retenção urinária pode ser colocada bolsa de água morna ou compressas
na região suprapúbica.
➢ Observar e anotar o volume urinário, cor e o aspecto.
➢ Desinsuflar o balão na retirada da sonda vesical, observar e anotar a primeira micção
espontânea.
➢ O sistema de drenagem deve ser obrigatoriamente “fechado” e trocado toda a vez que for
manipulado inadequadamente.
➢ Não abrir o sistema de drenagem, para realizar coleta de exames.
➢ Realizar higiene perineal com água e sabão, e do meato uretral, pelo menos 2X ao dia.
➢ Esvaziar a bolsa de drenagem quando necessário, não permitindo que ultrapasse o limite
recomendado
➢ Interromper se houver resistência na introdução da sonda
Obrigada !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
Rafaela Amanso
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
Rodrigo Abreu
 
Drenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondasDrenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondas
ThatyanaMugica
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
bianca375788
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
jaddy xavier
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
joselene beatriz
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica
Rafael Tatajuba
 
Balanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdfBalanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdf
FrancielleConstantin
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
Conceição Quirino
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Cuidados de enfermagem com cateter de picc
Cuidados de enfermagem com cateter de piccCuidados de enfermagem com cateter de picc
Cuidados de enfermagem com cateter de picc
Ivanilson Gomes
 

Mais procurados (20)

SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM SONDA NASOENTERAL ( SNE, SNG, GTT).pptx
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Drenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondasDrenos,acessos,sondas
Drenos,acessos,sondas
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica12 puncao venosa periferica
12 puncao venosa periferica
 
Balanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdfBalanço Hidrico.pdf
Balanço Hidrico.pdf
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Cuidados de enfermagem com cateter de picc
Cuidados de enfermagem com cateter de piccCuidados de enfermagem com cateter de picc
Cuidados de enfermagem com cateter de picc
 

Semelhante a Aula 14 - Sondagem vesical.pdf

ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ssuser80ae40
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
nayara368
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ssuser80ae40
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
RosilaneConceio1
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
bianca375788
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
JessiellyGuimares
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
AnthonySantos74
 
Nutricao enteral e parenteral.pdf
Nutricao enteral e parenteral.pdfNutricao enteral e parenteral.pdf
Nutricao enteral e parenteral.pdf
LaendersonOliveira1
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
Ricardo Araujo
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
Danilo Modesto
 
Prevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinárioPrevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinário
TISocor
 
Prevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinárioPrevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinário
TISocor
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
pososospos
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
ssuser51d27c1
 
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdfassistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
EvelineMachado3
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
yassmim2023gomess
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
claudiaebru3
 

Semelhante a Aula 14 - Sondagem vesical.pdf (20)

ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdfADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PDF.pdf
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de UripenSondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
Sondagem vesical masculina e feminina, mais colocação de Uripen
 
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptxADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE DIETA PO.pptx
 
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987saude24b202104.pdfresultado12345678900987
saude24b202104.pdfresultado12345678900987
 
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptxSONDAS VESICAL E RETAL.pptx
SONDAS VESICAL E RETAL.pptx
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS NECESSIDADES DE SONDAGENS.pptx
 
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdfsondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
sondas_cateteres_drenos_AULA_5_pptx;filename=_UTF_8''sondas,_cateteres.pdf
 
Nutricao enteral e parenteral.pdf
Nutricao enteral e parenteral.pdfNutricao enteral e parenteral.pdf
Nutricao enteral e parenteral.pdf
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
 
Prevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinárioPrevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinário
 
Prevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinárioPrevenção de infecção do trato urinário
Prevenção de infecção do trato urinário
 
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
 
Procedimentos.pptx
Procedimentos.pptxProcedimentos.pptx
Procedimentos.pptx
 
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdfassistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
assistencia de enfermagem à cirurgias nefrológicas.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
sonda vesical de demora. Aqui explico toda a assistência prestada pelo técnic...
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (16)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Último

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (6)

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Aula 14 - Sondagem vesical.pdf

  • 1. FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM, BIOSSEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR - BASES TECNOLÓGICAS QUALIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ENFª LARISSA MACHADO
  • 3. CONCEITO/FINALIDADES: É a introdução de um cateter ou sonda estéril através da uretra até a bexiga, com fim de diagnóstico ou tratamento. INDICAÇÕES GERAIS: ➢ Drenagem vesical por obstrução crônica, ➢ Disfunção vesical (bexiga neurogênica), ➢ Drenagem vesical após cirurgias urológicas e pélvicas, ➢ Medida de diurese em pacientes graves, ➢ Assegurar a higiene perineal e o conforto de pacientes incontinentes de urina e comatosos.
  • 4. CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DO CATETER: A escolha do cateter deve ser baseada: nas necessidades individuais do paciente, objetivo da cateterização, tempo pretendido para manter o cateter, tipo de urina drenada, conforto do paciente. O calibre do cateter deve ser determinado pelo tamanho do canal uretral do cliente. É utilizado o sistema francês quanto maior o número do calibre, maior é o cateter. ➢ Crianças de 8 a 10 Fr ➢ Mulheres de 14 a 18 Fr ➢ Homens de 16 a 18 Fr A duração do período de cateterização deve determinar o tipo de material selecionado; Os cateteres plásticos são adequados apenas para o uso intermitente por serem espessos e inflexíveis.
  • 5. CATETER ADEQUADO: Os cateteres de látex ou borracha são recomendados para um uso de tempo médio (superior a 3 semanas) Os cateteres de silicone puro ou teflon são recomendados para uso prolongado (2 a 3 meses) Os cateteres de PVC são muito caros, adequados para intervalos de 4 a 6 semanas. Eles ficam macios com a temperatura corporal e se adaptam à uretra ➢ Tamanho adequado do balão é um aspecto importante ➢ Varia de 3 ml (pediátrico) a grandes volumes ➢ Mais comuns: tamanho de 5 a 30 ml
  • 6. COMPLICAÇÕES: · Infecção urinaria: mas comum causada principalmente pelo uso incorreto da técnica asséptica. · Hemorragia: pode ser causada pela utilização de uma sonda de calibre inadequado ao tamanho da uretra, passagem incorreta, existência de patologias previa. · Formação de cálculos na bexiga: devido longa permanência da sonda. · Bexiga neurogênica: nos pacientes com permanência prolongada da sonda. · Trauma tissular: devido a aplicação de força durante a passagem, utilização de sonda muito calibrosa.
  • 7. TIPOS DE CATETERISMO VESICAL: Cateterismo Vesical de Alívio – cateter Nelaton Cateterismo Vesical de Demora – cateter Foley
  • 8. CATETERISMO VESICAL DE ALÍVIO OU INTERMITENTE Um cateter reto (sonda de nelaton), e de uso único é introduzido por um período suficiente para drenar a bexiga. Quando a bexiga estiver vazia o cateter deve ser retirado imediatamente. Este tipo de cateterismo pode ser repetido quando necessário, porém, o uso repetido aumenta os riscos de trauma e infecção. (cateter sem “cuff”). Para eliminar urina residual, prevenir infecção urinaria e lesões, diminui cálculos vesicais e mimetiza o processo normal de micção INDICAÇÕES: · Alívio para retenção urinária; · Obtenção de urina estéril; · Avaliação de urina residual depois da micção;
  • 9. CATETERISMO VESICAL DE DEMORA OU CONTINUO Uma sonda de demora ou folley permanece no local por um período prolongado. Possui um balão insuflável com água que envolve a sonda exatamente abaixo da extremidade, quando insuflado, o balão repousa contra a saída da bexiga, fixando a sonda na posição. A sonda de retenção ou de demora pode possuir duas vias( sonda de Folley),ou três vias dentro do corpo da sonda.( sonda de Owen, para lavagem vesical). (cateter com “cuff”).
  • 10.
  • 11. TIPOS DE SONDAS DE DEMORA: · Sonda Folley · Sonda de Owen Tempo de Permanência: 7 dias Numeração: 14 – 16 em mulheres 16 - 20 em homens INDICAÇÕES: ➢ · Facilitar a eliminação vesical. ➢ · Facilitar a avaliação da quantidade de urina residual. ➢ · Permitir uma avaliação continua e apurada da diurese. ➢ · Fornecer uma via para irrigação da bexiga. ➢ · Realizar o controle indireto da função hemodinâmica e ➢ promover a drenagem de paciente com incontinência ➢ urinaria. ➢ · Esvaziar a bexiga para procedimentos cirúrgicos ou ➢ diagnósticos. ➢ · Controlar sangramentos.
  • 12.
  • 13. AÇÕES DE ENFERMAGEM:  Sistema drenagem fechado estéril e não deve ser desconectado antes, durante e após a inserção do cateter;  Manter a bolsa coletora em nível inferior à bexiga;  Caso a técnica asséptica seja quebrada, por desconexão ou ruptura, substituir todo o sistema;  Realizar higiene perineal pelo menos 2 vezes ao dia com água e sabão.
  • 14. URIPEN – Dispositivo de conforto para incontinência urinaria: O URIPEN é um dispositivo de conforto para pacientes com incontinência urinaria. Muito parecido com uma camisinha, o dispositivo é inserido no pênis do paciente, tal qual o preservativo, e em sua ponta é colocado um dreno extensor que deposita a urina em uma bolsa coletora, evitando que a excreção fique em contato com a pele (como nas fraldas geriátricas).
  • 15. SUSPEITA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO: Não encaminhar a ponta do cateter vesical para cultura, pois não há utilidade; Não é indicada a realização periódica de urocultura, mesmo para pacientes que utilizam o cateter urinário por períodos prolongados. COMO PREVENIR INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO: ➢ Higienizar mãos; ➢ Manter fixação adequada da sonda; ➢ Higiene intima; ➢ Cuidados com a bolsa coletora; ➢ Lavagem / irrigação vesical.
  • 16. 1. Manter fixação adequada da sonda: Mulheres: raiz da coxa (face interna) Homens: Pacientes que deambulam: raiz da coxa (face anterior) Pacientes acamados: região suprapúbica
  • 17. 2. Higiene intima: Deve ser realizada com água e sabonete neutro, durante o banho e quando necessário (diarreia, sangramentos, etc).
  • 18. 3. Cuidados com a bolsa coletora: ✓ Conectar o cateter ao coletor antes do cateterismo; ✓ Conservar o coletor sempre em nível inferior à bexiga, para evitar fluxo retrogrado, evitando sua contaminação (não arrastar no chão); ✓ Desprezar a urina em recipientes limpos e individualizados, evitando o contato do tubo de drenagem com objetos e superfícies como cálice, cama e chão; ✓ Esvaziar a bolsa coletora quando a mesma atingir 2/3 da sua capacidade, a fim de facilitar o manuseio e diminuir riscos de refluxo.
  • 19. 4. Lavagem / irrigação vesical: NUNCA LAVAR O CATETER VESICAL A lavagem vesical é permitida exclusivamente em pacientes portando cateter vesical de 3 vias, nos casos de obstrução por coágulos; Quando a obstrução é prevista/esperada, o médico deverá prescrever irrigação vesical para preveni-la; A lavagem e/ou irrigação do cateter vesical não é recomendado, exceto em cirurgias urológicas e em pacientes em condicionamento para transplante de medula óssea.
  • 20. MATERIAL: ✓ Bandeja de cateterismo vesical; ✓ Sonda Folley 12 a 16 (adulto) ou 6 a 10 (crianças); ✓ Bolsa coletora sistema fechado; ✓ Antisséptico (solução aquosa) ou solução de clorexidina degermante; ✓ Gel hidrossolúvel/Xilocaína; ✓ Luvas esterilizadas e de Procedimento; ✓ Ampolas de água destilada; ✓ Biombo; ✓ Seringa 20 ml não luer-lock; ✓ Agulha 30 x 10; ✓ Cateterismo vesical contendo 1 cuba rim ou cúpula redonda e 1 pinça cheron ou tipo kelly; ✓ Gazes estéril; ✓ Campo estéril; ✓ Fita adesiva hipoalergênica ou esparadrapo.
  • 21. OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: ➢ Higienizar mãos antes e após o manuseio do cateter e/ou tubo e/ou da bolsa de drenagem ➢ Manter o fluxo da urina, favorecendo a drenagem com ➢ Em pacientes acamados, com sonda vesical, deve-se fazer higiene íntima após cada evacuação. ➢ Em alguns casos de retenção urinária pode ser colocada bolsa de água morna ou compressas na região suprapúbica. ➢ Observar e anotar o volume urinário, cor e o aspecto. ➢ Desinsuflar o balão na retirada da sonda vesical, observar e anotar a primeira micção espontânea. ➢ O sistema de drenagem deve ser obrigatoriamente “fechado” e trocado toda a vez que for manipulado inadequadamente. ➢ Não abrir o sistema de drenagem, para realizar coleta de exames. ➢ Realizar higiene perineal com água e sabão, e do meato uretral, pelo menos 2X ao dia. ➢ Esvaziar a bolsa de drenagem quando necessário, não permitindo que ultrapasse o limite recomendado ➢ Interromper se houver resistência na introdução da sonda