SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina: Gênero e Saúde
Professor: Rodrigo Abreu
Aula 05
                      SAÚDE MATERNA E A PARTICIPAÇÃO MASCULINA




    1- Evolução Social

A cultura das diferenças de gênero e da divisão de tarefas entre os sexos sempre esteve
presente na sociedade.

O debate sobre a paternidade vem ganhando espaço no meio acadêmico, a partir de uma nova
ótica dos estudos de gênero.

Os papéis assumidos por pais e mães eram tradicionalmente distintos; a mãe possuía o papel
de cuidadora primária, e o pai de provedor das necessidades materiais da família.

Nos últimos anos, inúmeros fatores vêm contribuindo para a mudança de comportamento do
pai e das relações familiares; um destes fatores foi a inserção da mulher no mercado de
trabalho.

As transformações ocorridas na sociedade atual fazem com que seja necessário um maior
entendimento por parte dos homens sobre sua inserção, participação e atuação como pais
nas primeiras semanas de vida do recém-nascido, já que progressivamente tem ampliado as
expectativas a respeito dessa atuação importante no espaço da vida em família.

    2- Paternidade e participação

Na área da saúde, cada vez mais os homens / pais demonstram interesse em acompanhar as
mulheres nas consultas de pré-natal, nos momentos do nascimento, e em espaços como salas
de vacina e consultórios de puericultura e pediatria. Empiricamente, tem sido possível
observar que a presença de homens em espaços que eram frequentados exclusivamente por
mulheres tem se tornado mais constante.

Tem-se percebido uma nova visão sobre as diferenças de gênero em que os homens têm
assumido uma postura mais igualitária em relação às suas companheiras. Isso está se
refletindo também no tocante à gestação em que os homens vêm adquirindo maior
consciência da importância da sua participação neste período.

Ainda que muitas mulheres continuem a se sentirem as principais responsáveis pelos cuidados
com a casa e a família, já podemos assistir uma maior participação dos homens no lar,
especialmente na criação e educação dos filhos.



    3- Papel do enfermeiro

Garantindo o direito do homem/pai em acompanhar todo processo do trabalho de parto foi
sancionada em 07 de abril de 2005, a Lei nº 11.108 que garante às parturientes o direito à
presença de um acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no
âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS.

Portanto, o profissional de saúde deve estar atento na participação do homem na assistência
pré-natal, motivando juntamente com a sua companheira o envolvimento no           processo
gestacional, no parto e no pós–parto.

Entendemos que a participação do homem/pai seja muito importante na gravidez, no parto e
pós-parto. As transformações físicas e emocionais (ganho de peso, edema de membros
inferiores, amento das mamas devido lactação, inseguranças, instabilidade do humor e
conflitos) que as mulheres sofrem durante esse período são grandes e é importante que sejam
acompanhadas de modo ativo pelo companheiro. Desta forma, torna-se necessário que os
homens/pais estejam sensibilizados para se envolverem nesse momento, a fim de
compartilhar apoio e tranquilidade, pois como as mulheres, também vivenciam períodos de
incertezas e preocupações.

Consciente dessas mudanças, o homem tende a ficar mais compreensível com a parceira e
entender melhor seus próprios sentimentos - o que reduz, inclusive, a violência doméstica.
Com isso, aumenta-se o vínculo entre a gestante e o companheiro e também entre ele e o
filho.
Os profissionais de saúde aproveitem o momento em que o homem está mais sensível - às
vésperas de ser pai - para incentivá-lo não só a acompanhar as consultas durante os nove
meses de gestação da parceira como também a realizarem exames preventivos.

O princípio é: ele precisa se cuidar para cuidar da família.



    4- Licença Paternidade

Assim como as mulheres têm direito à licença-maternidade e ao salário maternidade, os
homens trabalhadores também tem direito quando seu filho nascer / adoção. Conforme
decreta a Constituição Federal de 1988, o homem tem direito a 5 dias (CLT) ou 15 dias
(Estatutários) de licença-paternidade para estar mais próximo do bebê recém-nascido e
ajudar a mãe nos processos pós-operatórios, ou nos casos de adoção, participar do processo
de adaptação da família X Criança.

A licença possibilita que o trabalhador possa se ausentar do serviço, sem prejuízo do mesmo,
afim de auxiliar a mãe de seu filho, durante o período puerpério, ou seja, o período após o
parto, até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem ao normal. Além disso,
durante esse período de licença, o trabalhador também deve registrar seu filho.

FUNDAMENTO LEGAL

1.Art. 7º, inciso XIX da Constituição Federal.

2.Arts. 102, inciso VIII, letra "a" Art. 185 e 208 da Lei nº 8.112, de 11/12/90 (D.O.U. 12/12/90).

3.Lei nº 8.069, de 13/07/90 (D.O.U. 16/07/90) - Estatuto da Criança e do Adolescente.

4.Decreto n.º 1.590, de 10/08/95 Art. 6º, § 1º e § 3º. (Art. 6º, §§ 1º e 3º do Decreto nº 1.590,
de 10/08/95 (D.O.U. 11/08/95)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sexualidade durante a gravidez
A sexualidade durante a gravidezA sexualidade durante a gravidez
A sexualidade durante a gravidez
Malo Clinic - Ginemed
 
Criança com 1 mês de idade
Criança com 1 mês de idadeCriança com 1 mês de idade
Criança com 1 mês de idade
Janaina Barbosa
 
2 antes do bebe chegar
2 antes do bebe chegar2 antes do bebe chegar
2 antes do bebe chegar
Filipe Fiel
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
A puberdade - Enfa. Helena Pinto
A puberdade - Enfa. Helena PintoA puberdade - Enfa. Helena Pinto
A puberdade - Enfa. Helena Pinto
jmabp4
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
CDuque - freelancer Student Mentoring & Coaching
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
Viviane Moreiras
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
R C
 
Grupo raquel v1
Grupo raquel v1Grupo raquel v1
Grupo raquel v1
fcivic
 
Aspectos psicológicos da gravidez
Aspectos psicológicos da gravidezAspectos psicológicos da gravidez
Aspectos psicológicos da gravidez
Anusca Rohde
 
Sistema Neuro Psico na Gestação
Sistema Neuro Psico na GestaçãoSistema Neuro Psico na Gestação
Sistema Neuro Psico na Gestação
Francisca Maria
 
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da FamíliaPaternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
esenclever
 
Edgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteiraEdgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteira
fcivic
 
Planeamento Familiar
Planeamento FamiliarPlaneamento Familiar
Planeamento Familiar
Michele Pó
 
Guia gestante e bebê
Guia gestante e bebêGuia gestante e bebê
Guia gestante e bebê
Ministério da Saúde
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Elos da Saúde
 
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Proama Projeto Amamentar
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
RaphaellaMed1
 

Mais procurados (20)

A sexualidade durante a gravidez
A sexualidade durante a gravidezA sexualidade durante a gravidez
A sexualidade durante a gravidez
 
Criança com 1 mês de idade
Criança com 1 mês de idadeCriança com 1 mês de idade
Criança com 1 mês de idade
 
2 antes do bebe chegar
2 antes do bebe chegar2 antes do bebe chegar
2 antes do bebe chegar
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
(20) unidade 4 slide share
 
A puberdade - Enfa. Helena Pinto
A puberdade - Enfa. Helena PintoA puberdade - Enfa. Helena Pinto
A puberdade - Enfa. Helena Pinto
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Grupo raquel v1
Grupo raquel v1Grupo raquel v1
Grupo raquel v1
 
Aspectos psicológicos da gravidez
Aspectos psicológicos da gravidezAspectos psicológicos da gravidez
Aspectos psicológicos da gravidez
 
Sistema Neuro Psico na Gestação
Sistema Neuro Psico na GestaçãoSistema Neuro Psico na Gestação
Sistema Neuro Psico na Gestação
 
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
UNIDADE de SAÚDE PARCEIRA do PAI - Guia
 
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da FamíliaPaternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
Paternidade Responsável e Planejamento Natual da Família
 
Edgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteiraEdgar guerra pedrofeiteira
Edgar guerra pedrofeiteira
 
Planeamento Familiar
Planeamento FamiliarPlaneamento Familiar
Planeamento Familiar
 
Guia gestante e bebê
Guia gestante e bebêGuia gestante e bebê
Guia gestante e bebê
 
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas PúblicasEduardo Chakora:  Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
Eduardo Chakora: Paternidades, Singularidades e Políticas Públicas
 
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
 
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criançaAleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
Aleitamento materno edesenvolvimento psicologico da criança
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 

Destaque

Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 03
Ciclo i 03Ciclo i 03
Ciclo i 03
Rodrigo Abreu
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
Rodrigo Abreu
 
Genero 03
Genero 03Genero 03
Genero 03
Rodrigo Abreu
 
Genero 04
Genero 04Genero 04
Genero 04
Rodrigo Abreu
 
Genero 08
Genero 08Genero 08
Genero 08
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
Rodrigo Abreu
 
Genero 07
Genero 07Genero 07
Genero 07
Rodrigo Abreu
 
Ciclo ii 01
Ciclo ii 01Ciclo ii 01
Ciclo ii 01
Rodrigo Abreu
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 04
Ciclo i 04Ciclo i 04
Ciclo i 04
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
Rodrigo Abreu
 
Ciclo iii 01
Ciclo iii 01Ciclo iii 01
Ciclo iii 01
Rodrigo Abreu
 
Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
Rodrigo Abreu
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Rodrigo Abreu
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
Rodrigo Abreu
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
Rodrigo Abreu
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
Rodrigo Abreu
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 

Destaque (20)

Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Ciclo i 03
Ciclo i 03Ciclo i 03
Ciclo i 03
 
Ciclo ii 02
Ciclo ii 02Ciclo ii 02
Ciclo ii 02
 
Genero 03
Genero 03Genero 03
Genero 03
 
Genero 04
Genero 04Genero 04
Genero 04
 
Genero 08
Genero 08Genero 08
Genero 08
 
Ciclo i 02
Ciclo i 02Ciclo i 02
Ciclo i 02
 
Genero 07
Genero 07Genero 07
Genero 07
 
Ciclo ii 01
Ciclo ii 01Ciclo ii 01
Ciclo ii 01
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
 
Ciclo i 04
Ciclo i 04Ciclo i 04
Ciclo i 04
 
Ciclo iii 02
Ciclo iii 02Ciclo iii 02
Ciclo iii 02
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
 
Ciclo iii 01
Ciclo iii 01Ciclo iii 01
Ciclo iii 01
 
Aula 3 pesquisas eletrônicas
Aula 3   pesquisas eletrônicasAula 3   pesquisas eletrônicas
Aula 3 pesquisas eletrônicas
 
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
Praticas integrativas complementares_plantas_medicinais_cab31
 
Saude mental
Saude mentalSaude mental
Saude mental
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
 
Saude adolescente
Saude adolescenteSaude adolescente
Saude adolescente
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 

Semelhante a Genero 05

Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Joana Leitão
 
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundoA PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentaçãoCartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
6 revisao
6 revisao6 revisao
6 revisao
Filipe Fiel
 
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
teresaebia
 
Celebrando a vida
Celebrando a vidaCelebrando a vida
Celebrando a vida
meridam
 
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do BrasilFatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Biblioteca Virtual
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
WellingtonTeixeira24
 
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da SaúdeA PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
AnaRaquel16
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
Mayjö .
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
Mayjö .
 
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da menteFolder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
Camila Esteves
 
Educação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexualEducação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexual
Adilson P Motta Motta
 
Educação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexualEducação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexual
Adilson P Motta Motta
 
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
Biblioteca Virtual
 
Experiência de parto
Experiência de partoExperiência de parto
Experiência de parto
adrianomedico
 
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
gabrielmonteiroborges
 

Semelhante a Genero 05 (20)

Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)Dgs   promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
Dgs promoção da saude mental na gravidez e primeira infancia(1)
 
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundoA PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
A PATERNIDADE no BRASIL - relatório de situação: ProMundo
 
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentaçãoCartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
Cartilha ENVOLVIMENTO PATERNO na gravidez, parto, amamentação
 
6 revisao
6 revisao6 revisao
6 revisao
 
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
 
Gravidez Na Adolescencia
Gravidez Na AdolescenciaGravidez Na Adolescencia
Gravidez Na Adolescencia
 
Celebrando a vida
Celebrando a vidaCelebrando a vida
Celebrando a vida
 
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do BrasilFatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
Fatores Associados Ao IníCio Da AmamentaçãO Em Uma Cidade Do Sul Do Brasil
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da SaúdeA PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
A PATERNIDADE e o Marco Legal da PRIMEIRA INFÂNCIA - Ministério da Saúde
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
 
Gravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescênciaGravidez_na_adolescência
Gravidez_na_adolescência
 
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da menteFolder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
Folder - Gestação: cuidados do corpo e da mente
 
Educação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexualEducação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexual
 
Educação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexualEducação e discriminação sexual
Educação e discriminação sexual
 
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
ParticipaçãO Do Pai No Processo Da AmamentaçãO VivêNcias, Conhecimentos, Comp...
 
Experiência de parto
Experiência de partoExperiência de parto
Experiência de parto
 
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
Adolescência & Aleitamento Materno - doc científico da SBP
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 

Mais de Rodrigo Abreu

Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Rodrigo Abreu
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
Ciclo i 01
Ciclo i 01Ciclo i 01
Ciclo i 01
Rodrigo Abreu
 
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
Rodrigo Abreu
 
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇAGÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
Rodrigo Abreu
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Rodrigo Abreu
 
Terapias Complementares
Terapias ComplementaresTerapias Complementares
Terapias Complementares
Rodrigo Abreu
 

Mais de Rodrigo Abreu (10)

Aula 2 elaboração trabalhos científicos
Aula 2   elaboração trabalhos científicosAula 2   elaboração trabalhos científicos
Aula 2 elaboração trabalhos científicos
 
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
Aula 1   elaboração de trabalhos científicosAula 1   elaboração de trabalhos científicos
Aula 1 elaboração de trabalhos científicos
 
Aula 10 termoterapia e crioterapia
Aula 10  termoterapia e crioterapiaAula 10  termoterapia e crioterapia
Aula 10 termoterapia e crioterapia
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Ciclo i 01
Ciclo i 01Ciclo i 01
Ciclo i 01
 
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINAEVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ENFERMAGEM E A INSERÇÃO MASCULINA
 
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇAGÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
GÊNERO E O PROCESSO SAÚDE-DOENÇA
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
Terapias Complementares
Terapias ComplementaresTerapias Complementares
Terapias Complementares
 

Genero 05

  • 1. Disciplina: Gênero e Saúde Professor: Rodrigo Abreu Aula 05 SAÚDE MATERNA E A PARTICIPAÇÃO MASCULINA 1- Evolução Social A cultura das diferenças de gênero e da divisão de tarefas entre os sexos sempre esteve presente na sociedade. O debate sobre a paternidade vem ganhando espaço no meio acadêmico, a partir de uma nova ótica dos estudos de gênero. Os papéis assumidos por pais e mães eram tradicionalmente distintos; a mãe possuía o papel de cuidadora primária, e o pai de provedor das necessidades materiais da família. Nos últimos anos, inúmeros fatores vêm contribuindo para a mudança de comportamento do pai e das relações familiares; um destes fatores foi a inserção da mulher no mercado de trabalho. As transformações ocorridas na sociedade atual fazem com que seja necessário um maior entendimento por parte dos homens sobre sua inserção, participação e atuação como pais nas primeiras semanas de vida do recém-nascido, já que progressivamente tem ampliado as expectativas a respeito dessa atuação importante no espaço da vida em família. 2- Paternidade e participação Na área da saúde, cada vez mais os homens / pais demonstram interesse em acompanhar as mulheres nas consultas de pré-natal, nos momentos do nascimento, e em espaços como salas
  • 2. de vacina e consultórios de puericultura e pediatria. Empiricamente, tem sido possível observar que a presença de homens em espaços que eram frequentados exclusivamente por mulheres tem se tornado mais constante. Tem-se percebido uma nova visão sobre as diferenças de gênero em que os homens têm assumido uma postura mais igualitária em relação às suas companheiras. Isso está se refletindo também no tocante à gestação em que os homens vêm adquirindo maior consciência da importância da sua participação neste período. Ainda que muitas mulheres continuem a se sentirem as principais responsáveis pelos cuidados com a casa e a família, já podemos assistir uma maior participação dos homens no lar, especialmente na criação e educação dos filhos. 3- Papel do enfermeiro Garantindo o direito do homem/pai em acompanhar todo processo do trabalho de parto foi sancionada em 07 de abril de 2005, a Lei nº 11.108 que garante às parturientes o direito à presença de um acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS. Portanto, o profissional de saúde deve estar atento na participação do homem na assistência pré-natal, motivando juntamente com a sua companheira o envolvimento no processo gestacional, no parto e no pós–parto. Entendemos que a participação do homem/pai seja muito importante na gravidez, no parto e pós-parto. As transformações físicas e emocionais (ganho de peso, edema de membros inferiores, amento das mamas devido lactação, inseguranças, instabilidade do humor e conflitos) que as mulheres sofrem durante esse período são grandes e é importante que sejam acompanhadas de modo ativo pelo companheiro. Desta forma, torna-se necessário que os homens/pais estejam sensibilizados para se envolverem nesse momento, a fim de compartilhar apoio e tranquilidade, pois como as mulheres, também vivenciam períodos de incertezas e preocupações. Consciente dessas mudanças, o homem tende a ficar mais compreensível com a parceira e entender melhor seus próprios sentimentos - o que reduz, inclusive, a violência doméstica. Com isso, aumenta-se o vínculo entre a gestante e o companheiro e também entre ele e o filho.
  • 3. Os profissionais de saúde aproveitem o momento em que o homem está mais sensível - às vésperas de ser pai - para incentivá-lo não só a acompanhar as consultas durante os nove meses de gestação da parceira como também a realizarem exames preventivos. O princípio é: ele precisa se cuidar para cuidar da família. 4- Licença Paternidade Assim como as mulheres têm direito à licença-maternidade e ao salário maternidade, os homens trabalhadores também tem direito quando seu filho nascer / adoção. Conforme decreta a Constituição Federal de 1988, o homem tem direito a 5 dias (CLT) ou 15 dias (Estatutários) de licença-paternidade para estar mais próximo do bebê recém-nascido e ajudar a mãe nos processos pós-operatórios, ou nos casos de adoção, participar do processo de adaptação da família X Criança. A licença possibilita que o trabalhador possa se ausentar do serviço, sem prejuízo do mesmo, afim de auxiliar a mãe de seu filho, durante o período puerpério, ou seja, o período após o parto, até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem ao normal. Além disso, durante esse período de licença, o trabalhador também deve registrar seu filho. FUNDAMENTO LEGAL 1.Art. 7º, inciso XIX da Constituição Federal. 2.Arts. 102, inciso VIII, letra "a" Art. 185 e 208 da Lei nº 8.112, de 11/12/90 (D.O.U. 12/12/90). 3.Lei nº 8.069, de 13/07/90 (D.O.U. 16/07/90) - Estatuto da Criança e do Adolescente. 4.Decreto n.º 1.590, de 10/08/95 Art. 6º, § 1º e § 3º. (Art. 6º, §§ 1º e 3º do Decreto nº 1.590, de 10/08/95 (D.O.U. 11/08/95)